Santos 5 x 0 The Strongest-BOL

Data: 04/05/2021, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo C – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Christian Garay (CHI).
Auxiliares: Raul Orellana e Claudio Rios (ambos do CHI).
Cartões amarelos: Kaiky (S); Arrascaita, Wayar (TS).
Gols: Marinho (01-1), Gabriel Pirani (25-1) e Balieiro (42-1); Lucas Braga (13-2) e Kevin Malthus (37-2).

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan (Copete); Vinícius Balieiro (Kevin Malthus), Jean Mota e Gabriel Pirani; Marinho, Marcos Leonardo (Kaio Jorge) e Lucas Braga (Ângelo).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)

THE STRONGEST (BOL)
Daniel Vaca; Saúl Torres, Castillo, Valverde e José Sagredo; Wayar, Ramiro Vaca, Arrascaita (Churra); Cardozo (Pastor), Reinoso (Blackburn) e Willie Barbosa.
Técnico: Gustavo Florentín



Santos atropela o The Strongest na Vila e respira na Libertadores

Nesta terça-feira, o Santos recebeu o The Strongest e goleou por 5 a 0, na Vila Belmiro, em partida válida pela terceira rodada do grupo C da Libertadores. Com gols de Marinho, Gabriel Pirani, Balieiro, Lucas Braga e Kevin Malthus, o Peixe somou os seus primeiros pontos na chave, respirando na competição.

O primeiro tempo foi um atropelamento. O The Strongest não viu a cor da bola, e o Santos encontrou muita facilidade para marcar os três primeiros gols. Todos, diga-se de passagem, bonitos. Na segunda etapa, apesar dos visitantes terem acertado a trave duas vezes, o Peixe foi preciso nas chegadas ao ataque e ampliou o placar, sacramentando a vitória.

Com o resultado, o Santos chegou aos três pontos no grupo C, na terceira posição. O próximo compromisso do time pela Libertadores é contra o Boca Juniors, na terça-feira da semana que vem, na Vila Belmiro, às 19h15.

O jogo

O Santos começou fulminante e nem deu tempo do The Strongest respirar. Logo no primeiro minuto, Pirani recebeu pela esquerda e encontrou belo passe para Marinho, que finalizou de direita para abrir o placar. Depois de marcar, o Peixe recuou as suas linhas para sair em contra-ataque, mas sem sofrer defensivamente.

Aos 25 minutos, o Santos chegou ao seu segundo gol em uma bonita jogada. Jean Mota fez um lindo lançamento para Felipe Jonatan, que encontrou Gabriel Pirani dentro da área. O meia chegou batendo de primeira e ampliou para os mandantes.

Sem tirar o pé do freio, o Santos continuou levou perigo, dessa vez com Marcos Leonardo exigindo defesa de Daniel Vaca. Aos 42 minutos, Balieiro pegou a sobra de uma bola dividida na intermediária, avançou e finalizou com precisão de fora da área para marcar o terceiro da equipe.

No retorno do intervalo, Marcelo Fernandes trocou Pará por Madson e Marcos Leonardo por Kaio Jorge. O Peixe manteve a postura e, aos 13 minutos, chegou ao quarto gol. Marinho costurou pelo meio e encontrou Lucas Braga pela esquerda, que ajeitou e, com o pé fraco, mandou no canto do goleiro.

Em seguida, o The Strongest chegou pela primeira vez com perigo no jogo. Castillo desviou de cabeça em cruzamento para a área e acertou a trave. O time boliviano ainda viria a carimbar novamente a trave, em finalização de Pastor da entrada da área.

Apesar dessa pequena pressão, o Santos voltou a balançar as redes aos 37 minutos. Madson desceu pela direita, cruzou para a área, e a defesa afastou. No rebote, Kevin Malthus pegou o rebote e acertou um bonito chute de fora da área para marcar o quinto.

Bastidores – Santos TV:

Marcelo Fernandes explica a opção por ter Jean Mota mais recuado no meio-campo do Santos

Nesta terça-feira, o Santos dominou o The Strongest do começo ao fim e goleou por 5 a 0, na Vila Belmiro. O Peixe começou a construir a vitória logo no primeiro minuto, quando Marinho abriu o placar, dando tranquilidade à equipe. Após o apito final, Marcelo Fernandes destacou a confiança que o time ganha depois da apresentação nesta noite, com os jovens jogadores fazendo parte do processo.

“Fizemos a estratégia para marcar um gol rápido, e veio até com um minuto de jogo. Essa molecada, que vem sofrendo com os resultados ruins, são os que mais sofrem. A gente tem uma rapaziada experiente que, tanto dentro quanto fora do campo, tem dado um alicerce legal para essa molecada”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Essa vitória foi importante para que esses meninos entendam que faz parte de um processo, mas que dê confiança. Não dá tempo de comemorar nada, temos que descansar e nos reabilitar, porque quinta-feira tem um jogo muito decisivo”, completou.

Marcelo Fernandes também explicou por que optou por ter Jean Mota mais recuado no meio-campo quando o Santos tinha a bola, liberando Balieiro para apoiar e infiltrar.

“O Jean Mota é um meia de origem, mas nós sempre falamos de recuá-lo para segundo volante. Hoje, como iríamos enfrentar uma equipe que exploraria o contra-ataque, bem fechada, o Jean Mota já mostrou sua qualidade vindo de trás e de frente. Tem um passe longo e entrelinhas muito bom, e esse passe seria importante nesta partida. Acho que ele demonstrou isso, nossa estratégia foi muito bem feita”, finalizou.

Impulsionado pelas críticas, Marinho celebra a atuação coletiva do Santos

O Santos fez a sua primeira boa apresentação na Libertadores nesta terça-feira e goleou o The Strongest por 5 a 0, na Vila Belmiro. Autor de um dos gols da vitória, Marinho destacou a atuação coletiva do Peixe e comentou sobre as críticas que vinha recebendo.

“Na verdade, o mais importante é o resultado. Importante quando a equipe faz um jogo consistente, quando não só eu apareço. A gente tem se dedicado muito, a gente sabe que a situação não é das melhores, mas é só o trabalho que vai mudar isso”, afirmou Marinho à Conmebol TV.

“É como eu falo: as críticas não vêm para te parar, e sim para te impulsionar”, completou.

Marinho reconheceu que o Santos vinha de uma sequência com um futebol ruim, esperando que a goleada desta terça possa dar confiança ao time.

“Na verdade, nos dá a esperança de que a gente pode. Temos uma boa equipe. A gente vinha trabalhando, mas estava muito abaixo do que a gente pode apresentar. Hoje, ganha confiança para os próximos jogos, só tem decisão daqui para a frente”, finalizou.

Malthus celebra o primeiro gol pelo Santos e ainda quer ver o seu nome no muro do CT

O Santos atropelou o The Strongest por 5 a 0 nesta terça-feira, conseguindo respirar na Libertadores. A noite foi especial para Kevin Malthus, que marcou o seu primeiro gol como profissional do Peixe. Depois de sair do banco de reservas, o volante acertou um belo chute de fora da área para sacramentar o triunfo da equipe.

Em entrevista à Gazeta Esportiva, Malthus não escondeu a felicidade por balançar as redes. O jogador nem sequer cogitava que o seu primeiro gol pudesse sair em um jogo de Libertadores.

“Eu imaginava, ficava imaginando desde criança o meu primeiro gol como profissional, mas nunca imaginei que seria em uma Libertadores. Na verdade, nunca imaginei que jogaria uma Libertadores, ainda mais fazer um gol. Foi como eu imaginei, foi um grande gol. De fora da área, como eu costumo fazer, como é a maioria dos meus gols. Fico feliz, foi um grande sonho realizado”, afirmou o volante.

Na última semana, Malthus teve o seu contrato com o Santos renovado até 2026. Nascido em Belém do Pará, o jovem quer seguir os passos de conterrâneos que marcaram os seus nomes na história recente do clube da Vila Belmiro.

“Eu vou ficar aqui por muito tempo, se depender do meu contrato. Vou buscar sempre atingir novas metas e conquistas, trabalhar firme para conquistar o maior número de títulos possível. Fazer uma grande história aqui, assim como grandes ídolos da minha história fizeram, como o Giovanni e o Ganso. Buscar ser ídolo e ter o meu nome no muro do CT, além de dar muita alegria para a nossa nação”

Malthus também comentou sobre a pressão que o elenco tem sofrido neste início de temporada repleto de oscilações. Apesar da instabilidade, o jogador demonstrou que já sabe como lidar com as cobranças.

“Os mais velhos e experientes nos aconselham em muitas situações, principalmente nessa. Estamos passando por uma turbulência no clube. Eles nos aconselham a seguir trabalhando. Assim como você não liga para crítica, você também não pode ligar para elogio. Isso pode te derrubar, como também pode te levantar e te fazer ser ‘o cara’. Levo isso tudo pelo lado bom, para me levantar e me reerguer, melhorando a cada dia”, finalizou Malthus.

Interino pondera o cansaço, mas diz que o Santos vai para o clássico com “o que tem de melhor”

Depois de uma grande vitória sobre o The Strongest, o Santos precisa virar rapidamente a chave, já que, na quinta-feira, enfrenta o Palmeiras, no Allianz Parque, às 21h, pelo Campeonato Paulista. Apesar do curto intervalo de tempo entre os jogos, a tendência é que o Peixe vá para o clássico com uma equipe forte.

Após a goleada desta terça-feira, Marcelo Fernandes revelou que os jogadores adiantaram o processo regenerativo no vestiário. O técnico interino indicou que o Santos deve contar, pelo menos, com parte dos titulares no duelo com o Palmeiras.

“Para o clássico, vamos voltar amanhã de tarde, ver como estão todos. Já começamos o trabalho de reabilitação aqui dentro, todos estão fazendo esse trabalho o mais rápido possível. É um jogo importantíssimo, difícil, contra uma grande equipe. O Santos com certeza vai usar aquilo que tem de melhor”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Logicamente, pensando na forma física e de como os jogadores estão, porque também temos outro jogo domingo e não podemos perder ninguém”, completou.

Apesar de estar focado na Libertadores, o Alvinegro vive situação delicada no Paulistão. A duas rodadas do fim da primeira fase do estadual, o Santos ocupa a terceira posição do grupo D, com dez pontos somados, quatro a menos do que o segundo colocado Guarani. Depois de enfrentar o Palmeiras, o time ainda terá pela frente o São Bento, no domingo, na Vila Belmiro.


Red Bull Bragantino 1 x 1 Santos

Data: 01/04/2021, sábado, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista Grupo D – 9ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon e Fabrini Bevilaqua Costa
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral.
Cartões amarelos: Ricardo Ryller, Aderlan (B); Lucas Braga e Pará (S).
Gols: Claudinho (26-1) e Lucas Braga (01-2)

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan, Fabrício Bruno, Léo Ortiz, Edimar; Ricardo Ryller (Ramires), Lucas Evangelista, Claudinho; Artur, Pedrinho (Cuello) e Ytalo.
Técnico: Maurício Barbieri

SANTOS
João Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres, Felipe Jonatan; Alison, Jean Mota, Gabriel Pirani (Lucas Lourenço); Marinho, Lucas Braga e Marcos Leonardo (Allanzinho).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos busca o empate contra o RB Bragantino, mas segue em situação delicada no Paulista

Neste sábado, o Santos saiu atrás do placar, mas buscou o empate por 1 a 1 com o Red Bull Bragantino, no Nabi Abi Chedid, pela décima rodada do Campeonato Paulista. Os mandantes abriram o placar com Claudinho, enquanto o Peixe deixou tudo igual com Lucas Braga.

Apesar de ter enfrentado uma equipe qualificada, o empate ainda deixa o Santos em uma situação delicada no Paulistão. O time tem um ponto a menos do que o Guarani, segundo colocado do grupo D, que ainda joga nesta rodada. Além disso, tem quatro pontos a mais do que o vice-lanterna São Bento, que também tem uma partida a menos.

O primeiro tempo foi dominado pelo RB Bragantino. Os mandantes marcaram alto e recuperaram diversas bolas no campo de ataque, inclusive na origem do gol que abriu o placar. Logo no primeiro minuto da etapa final, o Santos deixou tudo igual, com um bonito chute de Lucas Braga. O Peixe até chegou a balançar novamente as redes, mas o gol de Jean Mota foi anulado.

Com o resultado, o Santos foi a dez pontos, na terceira posição de sua chave.

O jogo

O jogo começou bastante intenso em Bragança Paulista, com as duas equipes tentando chegar ao ataque. A primeira oportunidade real foi do RB Bragantino, com Ytalo finalizando em cima de João Paulo e, no rebote, Pedrinho chutando fraco para o goleiro pegar novamente.

Depois de um período mais morno da partida, o Massa Bruta conseguiu abrir o placar aos 26 minutos. Pará saiu jogando errado, Pedrinho recuperou e passou para Claudinho. O camisa 10 arriscou de fora da área e contou com um desvio para marcar o gol.

Após sofrer o gol, o Peixe até tentou se lançar ao ataque, porém sem grande sucesso. Pará recebeu cruzamento na segunda trave e testou por cima do travessão. O RB Bragantino respondeu com Pedrinho, invadindo a área e parando em defesa de João Paulo.

Logo no primeiro minuto do segundo tempo, o Peixe deixou tudo igual. Marinho recebeu pela direita e enxergou Lucas Braga livre pela esquerda, fazendo a inversão. O atacante dominou e finalizou forte, de esquerda, para fazer um belo gol. Bem melhor depois do intervalo, o Alvinegro seguiu pressionando no ataque.

Aos 16 minutos, o Santos chegou a balançar as redes pela segunda vez, com um lindo chute de Jean Mota de fora da área. No entanto, o VAR anulou o gol por Marinho ter recebido em condição irregular no início do lance. O próprio Jean Mota voltou a levar perigo, em cobrança de falta defendida por Cleiton.

Marcelo Fernandes valoriza o empate do Santos e diz: “Aqui não tem ninguém de corpo mole”

Neste sábado, o Santos ficou no empate por 1 a 1 com o Red Bull Bragantino, permanecendo fora da zona de classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista. Apesar disso, o interino Marcelo Fernandes valorizou o resultado conquistado em Bragança Paulista.

Na entrevista coletiva depois do jogo, o auxiliar fixo exaltou a postura dos jogadores do Peixe e lamentou a anulação do que seria o gol da virada da equipe na segunda etapa.

“Valorizar não só o ponto conquistado, porque jogamos contra uma equipe dificílima, que é de Série A e de Sul-Americana, e o Santos mostrou a que veio aqui em Bragança. Tentamos fazer o resultado, chegamos à virada com um segundo gol, que não é conclusivo o impedimento. Eu já vi o lance, realmente é complicado, até pela nossa situação, mas só tenho a dignificar os nossos jogadores. Fomos para o intervalo e voltamos com uma atitude completamente diferente, mesmo tomando um gol no primeiro tempo, a equipe se mostrou muito coesa, digna do Santos Futebol Clube. Estou muito feliz”, afirmou.

Perguntado sobre a perspectiva da chegada de um novo técnico, Marcelo Fernandes deixou claro que não quer ficar pensando sobre o assunto e mandou um recado sobre a postura dos jogadores em campo.

“Eu sou funcionário do clube, sou o auxiliar fixo da casa. Não é a primeira vez que isso acontece comigo, e, graças a Deus, a gente tem um domínio no grupo em todas as vezes que aconteceram. Haja visto o jogo de hoje, com o que esses jogadores fizeram. Não só por mim, mas pelo Santos, que é o mais importante. O importante é frisar que aqui não tem ninguém de corpo mole, é realmente uma má fase, que com certeza vai passar, hoje os jogadores deram um importante passo para isso”, disse Marcelo Fernandes.

“Quanto à chegada de um treinador e minha permanência, não fui comunicado e não quero nem pensar nisso. Meu pensamento é de trabalhar todos os dias, já que temos pouco tempo para treinar”, finalizou.

Lucas Braga destaca “poder de reação” do Santos e lamenta gol anulado

O Santos saiu atrás do placar, mas buscou o empate com o Red Bull Bragantino neste sábado. O Peixe fez um primeiro tempo muito ruim, porém voltou melhor do intervalo e mostrou poder de recuperação, deixando tudo igual com um belo gol de Lucas Braga.

O atacante destacou a postura da equipe na etapa final e comentou sobre o gol anulado do Santos, que seria o da virada. Na origem da jogada, Marinho recebeu em posição irregular, de acordo com o VAR.

“É importante, porque a gente vinha de uma sequência muito ruim, em que não marcávamos gols, ainda que não seja o resultado que a gente queria. A gente buscou a vitória até o final, inclusive teve um lance ali que acho que não estava impedido. Mas vale o poder de reação que a gente teve”, afirmou Lucas Braga ao Premiere.

“Não fizemos um bom primeiro tempo, mas conseguimos construir boas jogadas no segundo. É crescer nos próximos jogos”, completou.


Boca Juniors 2 x 0 Santos

Data: 27/04/2021, terça-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo C – 2ª rodada
Local: Estádio La Bombonera, em Buenos Aires, Argentina.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Jesus Valenzuela (VEN).
Auxiliares: Carlos Lopez e Lubin Torrealba.
Cartões amarelos: Balieiro, Pará e Marcos Leonardo (S); Sández, Pavón e Medina (BJ).
Gols; Tévez (01-2) e Villa (23-2).

BOCA JUNIORS (ARG)
Rossi; Capaldo, Lisandro López, Izquierdoz, Sández; Almendra (Jara), Varela, Cristian Medina (Buffarini); Sebastián Villa, Pavón e Carlos Tévez.
Técnico: Miguel Angel Russo

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Kaiky, Luan Peres, Felipe Jonatan; Alison, Vinicius Balieiro (Kaio Jorge), Gabriel Pirani (Lucas Lourenço); Marinho, Lucas Braga (Ângelo) e Marcos Leonardo (Jean Mota).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos perde para o Boca Juniors na Bombonera no primeiro jogo sem Holan

Nesta terça-feira, o Santos visitou o Boca Juniors e perdeu por 2 a 0, na Bombonera, no segundo jogo do grupo D da Libertadores. Foi a primeira partida do Peixe sem Ariel Holan, que pediu demissão no início da semana. Os gols da vitória dos argentinos foram marcados por Tévez e Villa.

O Santos conseguiu a parte inicial da primeira etapa, sofrendo apenas uma vez na defesa. Apesar da boa marcação, o time não conseguiu levar perigo ao gol dos argentinos. Logo no retorno do intervalo, o Boca Juniors abriu o placar com Tévez, em mais um lance de bola aérea. Sem conseguir reagir, o Alvinegro ainda viu os mandantes ampliarem em um contra-ataque fulminante.

Com a derrota, o Santos permanece sem somar pontos no grupo. Na próxima rodada da Libertadores, o time enfrenta o The Strongest, na Vila Belmiro, na terça-feira da semana que vem, às 19h15.

O jogo

O Santos desde o início pressionou a saída de bola do Boca Juniors, dificultando a saída de bola dos mandantes. Com a marcação encaixada, o Peixe cedeu poucos espaços aos argentinos, dominando o jogo no começo. Apesar do controle, o Alvinegro pouco conseguiu criar, não levando perigo ao gol defendido por Rossi.

Quando recuperava a bola, o Santos mostrou dificuldade para acelerar de maneira precisa, errando muitos passes. A melhor chance da primeira etapa foi do Boca Juniors, com Pavón. O atacante foi lançado em profundidade pela esquerda, cortou a marcação e finalizou para boa defesa de João Paulo.

Com apenas um minuto do segundo tempo, o Boca Juniors abriu o placar na Vila Belmiro. Após cruzamento pela esquerda, Lizandro López desviou a bola na primeira trave, e Tévez apenas teve o trabalho de empurrar para as redes.

Marcelo Fernandes até tentou colocar o Santos para frente, promovendo a entrada de Kaio Jorge no lugar de Balieiro, porém o time continuou com muita dificuldade. Aos 23 minutos, Marinho perdeu a bola no ataque, e o Boca Juniors ampliou em um contra-ataque fatal. Tévez carregou e lançou Villa, que invadiu a área e finalizou na saída de João Paulo.

O Peixe permaneceu tendo a bola, porém seguiu sem efetividade. Sem levar perigo ao gol defendido por Rossi, o Santos não balançou as redes novamente e não conseguiu somar os seus primeiros pontos na fase de grupos da Libertadores.

Marcelo Fernandes diz que Santos seguiu plano de jogo elaborado por Holan

Nesta terça-feira, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera, no segundo jogo do grupo D da Libertadores. Após a partida, o interino Marcelo Fernandes concedeu entrevista coletiva e comentou sobre a preparação do Peixe para o confronto, visto que Ariel Holan pediu demissão no início da semana.

O técnico argentino ainda comandou o seu último treino pela manhã de segunda-feira. Segundo Marcelo Fernandes, o Santos seguiu o plano de jogo elaborado por Holan. Além disso, o auxiliar técnico deixou claro que ficou satisfeito com a entrega dos jogadores em campo.

“Realmente, ontem fomos pegos de surpresa com a notícia do desligamento do professor Holan, que trabalhou logo cedo. A equipe já tinha um plano de jogo, que procuramos seguir da melhor maneira possível. Depois de tudo o que aconteceu, sentamos com os jogadores e colocamos eles para cima. São situações do futebol, essas coisas acontecem”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Todos cumpriram muito bem o plano, infelizmente fomos pegos novamente de surpresa no início do segundo tempo com uma bola parada, um escanteio, algo que treinamos muito. Depois disso, a gente tentou, procurou, mas a confiança vai embora, mediante tudo o que tem acontecido. Não estou contente pelo resultado, mas feliz pelo desempenho e pela vontade que os jogadores tiveram hoje aqui”, completou.

Marcelo Fernandes não esconde que o revés na Bombonera é dolorido, mas acredita que o Peixe ainda tem plenas condições de se classificar às oitavas de final da Libertadores.

“Essa derrota é dura, em virtude da nossa derrota em casa para o Barcelona-EQU. Então, já são duas rodadas e duas derrotas, mas ainda temos 12 pontos a disputar. Vamos jogar duas partidas seguidas em casa, na Vila Belmiro. É uma situação muito boa para que a gente possa fazer uma grande apresentação e somar esses primeiros pontos, porque a equipe ainda tem todas as condições de conseguir a classificação”.

Pará diz que Santos buscou “jogar de igual para igual”, mas lamenta queda no 2º tempo

No primeiro jogo sem Ariel Holan, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera. O Peixe até começou bem, porém caiu de rendimento ao longo do jogo e saiu de campo com mais um revés. Na visão de Pará, o time se perdeu depois de sofrer o primeiro gol.

“A gente sabia que seria um jogo difícil, viemos com o intuito de vencer o jogo. Infelizmente não conseguimos, fizemos um belíssimo primeiro tempo e, em uma desatenção nossa na bola parada, eles conseguiram fazer o gol, o que desestabilizou o nosso time. Enquanto tivermos força, vamos procurar classificar”, afirmou Pará.

“A gente procurou jogar de igual para igual, a gente sabia que o jogo seria difícil, como foi. A equipe do Boca é muito forte jogando em seus domínios”, completou.

Alison destaca que o Santos não tem “tempo para lamentar” a saída precoce de Holan

Nesta terça-feira, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera, no segundo jogo do grupo D da Libertadores. Após a partida, o capitão Alison foi o escolhido dentre os jogadores para conceder entrevista, comentando sobre a saída de Ariel Holan.

Alison lamentou o desligamento do técnico argentino, mas ressaltou que o Peixe não tem tempo hábil para lamentar a perda do comandante.

“Foi uma saída precoce. Era um cara que estava se esforçando muito para ajudar na evolução do time e do grupo, mas as coisas no futebol infelizmente acontecem muito rápido. Na realidade, a gente não tem tempo de lamentar. A gente perdeu ele ontem e, hoje, a gente já teve um jogo muito importante. Precisamos seguir batalhando e lutando para nos reerguer”, afirmou o volante.

Alison, como líder do elenco, também falou sobre a importância de blindar os jovens no momento delicado vivido pelo Alvinegro.

“A gente tem muitos meninos no time, mas eles sabem da responsabilidade que é jogar em um clube gigante como o Santos. Em um momento complicado como esse, a gente tem que tirar o máximo da pressão sobre eles. Como um dos líderes e capitão do time, essa responsabilidade é minha, eu assumo, preciso assumir. Quanto menos pressão tiver em cima deles, melhor. Quanto mais se sentirem à vontade para jogar, melhor. A gente está aqui para dar suporte para eles. Eles vêm se esforçando muito para ajudar a gente, todos”, pontuou Alison.

Santos chega ao quarto jogo consecutivo sem marcar gols

No primeiro jogo sem Ariel Holan, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera. Com mais uma atuação sem brilho, o Peixe segue sem pontuar no grupo D da Libertadores. Além disso, o ataque da equipe permanece sendo uma preocupação.

Afinal, o Santos chegou à quarta partida consecutiva sem balançar as redes do adversário. Antes do confronto contra o Boca Juniors, a equipe já havia passado em branco contra o Barcelona-EQU, pela Libertadores, e contra o Novorizontino e o Corinthians, pelo Campeonato Paulista.

Desde o início da temporada, o Peixe já entrou em campo 15 vezes, sendo seis pela Libertadores e nove pelo Paulistão. Em sete desses jogos, o Santos terminou a partida sem marcar gols, escancarando a dificuldade ofensiva do time. No momento, a equipe tem um saldo negativo de nove gols neste recorte.

Jogadores que brilharam na temporada passada ainda não reencontraram a melhor forma. Desde que retornou aos gramados, Marinho ainda não emplacou uma boa atuação pelo Peixe. Da mesma forma, Kaio Jorge ainda não mostrou que merece voltar a ser titular, visto que Marcos Leonardo assumiu o posto no comando do ataque.

Com o resultado desta terça-feira, o Santos segue na lanterna do grupo D da Libertadores.




Ariel Holan não é mais o técnico do Santos. Após mais uma derrota pelo Campeonato Paulista, o argentino pediu para ser desligado do Peixe, em um diálogo transparente com a diretoria. Andres Rueda, presidente do clube, detalhou o processo em entrevista nesta segunda.

“Ontem, conversando com o treinador após o jogo, de uma maneira muito transparente, ele nos solicitou que o jogo contra o Boca fosse o último à frente do time”, afirmou o presidente, que completou: “Agora de manhã, estamos vendo se ele realmente será o nosso técnico contra o Boca. Eu lembro que nós temos uma comissão permanente no clube”.

Rueda deixou claro que não tinha o objetivo de perder o técnico neste momento, mas revelou que a situação já estava bastante desgastada.

“Ponderamos, não era o que eu queria. O pessoal confunde projeto de três anos com contrato de três anos com o treinador. Existe uma quebra de contrato de qualquer parte. Ponderamos e de comum acordo aceitamos essa situação. Tentei reverter, não teve jeito. Houve até caso de fogos no apartamento dele. Soltaram rojão. Isso o deixou de uma maneira pouco confortável. Agora de manhã estamos vendo se realmente vai ser nosso técnico com o Boca ou se não vai ser nosso técnico com o Boca. Neste sentido, o clube tem uma coisa boa, uma comissão permanente”, disse o mandatário.

Por fim, Rueda garantiu que o Santos buscará trazer um treinador que tenha um perfil semelhante ao de Holan, sem que haja uma ruptura de projetos esportivos.

“O perfil não muda. Queremos um treinador que goste de jogar com a base, que jogue para a frente, que agregue tecnologia. Vamos fazer o possível para trazer o treinador mais rapidamente. A nossa comissão permanente existe para isso: suprir essas lacunas entre um técnico e outro”, pontuou Rueda.

“Eu lembro que quando escolhemos o Ariel para ser o treinador, a aceitação da torcida foi de praticamente 100%. A torcida entendeu, gostou da contratação. Era um nome bem cotado. De novo, ele tem um perfil que se encaixa no Santos. Simplesmente, as coisas não aconteceram como planejado”, finalizou.

Holan deixa o Santos após 12 partidas no comando da equipe, com quatro vitórias, três empates e cinco derrotas.


Santos 0 x 2 Corinthians

Data: 25/04/2021, domingo, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo D – 8ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Salim Fende Chavez.
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Daniel Paulo Ziolli
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Cartões amarelos: Wellington Tim (2)(S); Gabriel (C).
Cartão vermelho: Wellington Tim (S).
Gols: Raul (37-1) e Lucas Piton (42-1).

SANTOS
Vladimir; Luiz Felipe, Robson e Wellington Tim; Sandro (Lucas Barbosa), Guilherme Nunes (Lucas Venuto), Kevin Malthus, Lucas Lourenço (Jhonnathan) e Copete; Bruno Marques (Renyer) e Kaio Jorge.
Técnico: Ariel Holan

CORINTHIANS
Cássio; João Victor, Jemerson, Raul (Léo Santos) e Lucas Piton; Gabriel (Cantillo), Ramiro e Roni (Vitinho); Gustavo Mosquito (Adson), Gabriel Pereira (Rodrigo Varanda) e Cauê.
Técnico: Vágner Mancini



Corinthians joga bem e vence reservas do Santos na Vila Belmiro

O Corinthians foi superior na Vila Belmiro e venceu o Santos por 2 a 0 na noite desse domingo, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. O Timão viu Raul e Lucas Piton irem às redes, enquanto o Peixe pouco conseguiu jogar, principalmente depois da expulsão de Wellington Tim, ainda aos 42 minutos do primeiro tempo.

O time corintiano não conquistava três pontos na casa santista desde 2014.

O resultado levou o Corinthians aos 21 pontos em 10 jogos. A equipe de Vagner Mancini lidera o Grupo A e pode garantir classificação às quartas de final ainda nessa rodada.

Para o Santos, a situação não é nada simples. O time da Baixada tem nove pontos em nove jogos, cinco a menos que o líder Mirassol, que ainda tem um jogo a menos no Grupo D. O Guarani tem oito pontos em oito jogos.

O jogo

Tanto Ariel Holan quanto Vagner Mancini montaram times alternativos para o clássico, preocupados com o desgaste físico de suas principais peças e com os compromissos durante a semana.

E quem se deu bem nessa foi o técnico corintiano, que na véspera da partida viu torcedores irem ao CT pedir sua demissão.

Com três volantes e três atacantes, sem um meia de ofício, o Corinthians foi superior aos donos da casa em todos os quesitos: taticamente, fisicamente e individualmente.

Assim, construiu a vitória ainda antes do intervalo. Primeiro, Raul aproveitou rebote dentro da área e mandou para as redes. Depois, Wellington Tim levou o segundo cartão amarelo e, consequentemente, o vermelho. Para piorar para ele, Lucas Piton cobrou a falta com maestria e ampliou o placar.

Além dos gols, o Corinthians viu o goleiro Vladimir fazer três grandes defesas.

Na etapa final, o ritmo diminuiu. O Santos jogou para não ser goleado, se fechou e ameaçou apenas alguns contra-ataques. O Corinthians rodou a bola, não teve pressa, pouco pressionou e, assim, administrou sua vantagem até o apito final.