Red Bull Bragantino 2 x 2 Santos

Data: 18/07/2021, domingo, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Fabrini Bevilaqua Costa (ambos de SP).
VAR: Vinicius Furlan (SP)
Cartões amarelos: Weverson, Barbieri, Weverson e Léo Ortiz (B); Marinho, Fernando Diniz, Felipe Jonatan, Luiz Felipe, Sánchez, Zanocelo (S).
Gols: Alerrando (09-1); Marcos Guilherme (24-2), Ytalo (37-2) e Marcos Leonardo (49-2).

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan, Natan, Léo Ortiz e Weverson (Edimar); Raul (Fabrício Bruno), Lucas Evangelista, Praxedes; Alerrando (Ytalo). Helinho e Cuello.
Técnico: Mauricio Barbieri

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Luiz Felipe (Marcos Leonardo), Kaiky e Moraes (Felipe Jonatan); Camacho, Carlos Sánchez (Zanocelo) e Gabriel Pirani (Lucas Braga); Marinho, Marcos Guilherme e Kaio Jorge.
Técnico: Fernando Diniz



Santos marca no fim e arranca empate contra o Bragantino fora de casa pelo Brasileirão

Santos e Red Bull Bragantino protagonizaram um grande jogo na noite deste domingo. Pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, as equipes empataram por 2 a 2, no estádio Nabi Abi Chedid, pela 12ª rodada do torneio.

Com o resultado, o Alvinegro Praiano foi a 16 pontos, mas se manteve na 10ª colocação. Já o Massa Bruta despencou da vice-liderança para o quarto lugar, com 24 pontos, oito a menos que o líder Palmeiras.

O jogo

Os anfitriões iniciaram o primeiro tempo ligados. Com o relógio marcando apenas nove minutos, Kaiky vacilou e perdeu a bola para Aderlan, que partiu em disparada pela direita e cruzou rasteiro para Alerrando. Livre, o atacante só teve o trabalho de completar para o fundo da rede para abrir o placar.

No lance seguinte, quase saiu mais um. Cuello recebeu pela esquerda, cortou para o meio e emendou uma bomba no travessão de João Paulo.

Do outro lado, os visitantes responderam com Marinho, aos 13. O atacante encheu o pé em cobrança de falta, a bola desviou na barreira e tirou tinta do poste direito de Cleiton. Depois disso, no entanto, o Peixe não conseguiu produzir mais nada. O Massa Bruta, por sua vez, apenas controlou a vitória parcial.

Já na volta do intervalo, o Santos melhorou e passou a tomar conta das ações ofensivas. Aos nove, Sánchez aproveitou a sobra de bola na entrada da área e emendou um lindo voleio de primeira, mas por cima. Na sequência, após cobrança de escanteio, Kaio Jorge finalizou rasteiro e obrigou Cleiton a espalmar. No rebote, Marinho chutou em cima do goleiro.

Com 24 minutos, enfim saiu o empate. Felipe Jonatan cruzou na medida para Marcos Guilherme, que, apesar da baixa estatura, subiu mais que os defensores e testou firme. Atento, Cleiton fez linda intervenção. A bola, entretanto, voltou nos pés do meia, que não perdoou.

O Bragantino respondeu aos 33. Cuello foi acionado pela esquerda, cortou para o meio e bateu colocado, obrigando João Paulo a se esticar todo para realizar difícil defesa. Já aos 37, os anfitriões voltaram a ficar em vantagem. Artur cruzou com veneno, a defesa do Peixe apenas olhou e Ytalo aproveitou para estufar as redes.

Nos minutos finais, o Santos se atirou no ataque em busca de um tento salvador, que saiu aos 49, com Marcos Leonardo. Depois de cruzamento de Felipe Jonatan, Madson cabeceou na trave e a bola voltou na medida para o atacante, que empatou no apagar das luzes.

Bastidores – Santos TV:

Diniz vê dois tempos distintos em empate do Santos e explica manutenção do Pará como titular

Na noite deste domingo, Santos e Bragantino protagonizaram um grande jogo de futebol. Pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, as duas equipes empataram por 2 a 2, no estádio Nabi Abi Chedid. O Peixe perdia até os 49 minutos do segundo tempo, quando Marcos Leonardo decretou a igualdade.

Na visão do técnico Fernando Diniz, o Alvinegro Praiano não obteve um resultado melhor por conta da má atuação do seu time no primeiro tempo e devido a um erro da arbitragem no segundo gol do Massa Bruta. O comandante alega que a bola bateu no braço do Lucas Evangelista na origem da jogada do tento.

“Entramos em um ritmo desacelerado no primeiro tempo. No segundo fomos mais agressivos, dinâmicos e tivemos mais interesse em vencer o jogo. O time ganhou um pouco mais de mobilidade e intensidade, mas não apenas pelas mudanças, como também pela postura dos jogadores”, comentou em coletiva

“Também posso citar o lance que a arbitragem não deu falta. Eu não sei porque tem o VAR. Contra o América não foi marcado um pênalti. Hoje o Evangelista falou dentro de campo que a bola bateu na mão dele e foi um lance fácil de se marcar. Não tem como o VAR não parar. Foi a origem do gol. O VAR está lá para não marcar. A arbitragem foi decisiva mais uma vez contra o Santos”, completou.

O treinador também aproveitou para explicar porque mantém Pará como titular na lateral direita. O experiente defensor vem acumulando falhas e irritando a torcida santista. Enquanto isso, Madson corresponde bem quando é acionado, mas tem poucas chances de iniciar as partidas jogando.

“O Madson é um grande jogador, mas eu tenho que ter um olhar técnico, não posso ter um olhar só de torcedor. O Pará, contra o Independiente fez um jogo muito bom, falhou naquele lance em que sofremos o gol que estava impedido, mas fez uma partida muito segura. Eu não posso agir com emoção. Faz 15 anos que o Pará joga em times grandes, quase sempre como titular. Eu entendo o torcedor, ele está aí para criticar e torcer, e eu estou aqui para escalar e fazer o que é melhor para o Santos”, disse.

“Eu estou escalando o Pará porque acho que nesse momento ele foi o que era melhor para o Santos, eu tenho que seguir minha intuição. Não podemos montar um time só olhando o torcedor, embora ele seja muito importante. Mas na condição de treinador eu preciso ver o que está acontecendo internamente para escalar os melhores, que é o que eu estou fazendo”, acrescentou.

Com o resultado desta noite, o Santos foi a 16 pontos no Brasileirão, mas se manteve na 10ª colocação. Agora, o foco do grupo muda para a Copa Sul-Americana. Isso porque, na próxima quinta-feira, o Peixe visita o Independiente, pela partida de volta das oitavas de final.

Com a vitória de 1 a 0 na ida, na Vila Belmiro, o Alvinegro precisa de apenas um empate em Avellaneda para garantir a classificação à próxima fase.

“Vamos descansar o time, temos uma viagem bem difícil por conta da logística, mas vamos busca descansar os jogadores da melhor forma possível para recuperá-los e treinar aquilo que dá para esse jogo tão importante para nós”, finalizou Diniz.

Diniz celebra gol ao seu estilo e critica falta de paciência no futebol brasileiro

O Santos segue com dificuldades para pontuar longe de casa. Neste domingo, no entanto, o um ponto conquistado em Bragança Paulista diante do Bragantino foi motivo de comemoração para o Peixe, já que o time perdia até os acréscimos, quando Marcos Leonardo decretou o 2 a 2.

O primeiro gol alvinegro do embate, aliás, também foi especial para Fernando Diniz. Isso porque a jogada começou nos pés o goleiro João Paulo que, ao invés de rifar a bola, optou por sair jogando curto, algo muito apreciado pelo comandante. Depois de uma longa troca de passes, Felipe Jonatan cruzou na cabeça de Marcos Guilherme, que precisou de duas tentativas para vazar o goleiro Cleiton.

“Acho que isso é fruto de um trabalho. Não é o primeiro gol que a gente faz que saiu do goleiro. O grande problema que tem aqui no Brasil é que no dia que acontecer um erro vão fazer como fizeram no São Paulo. A postura de saída com o goleiro sempre foi a mesma, desde o Audax. Nunca foi uma coisa para o jogador correr risco exagerado. Aqui os jogadores estão sabendo tomar boas decisões, tem hora que dá para jogar, mas não é sempre. Nós criamos situações para fazer gols como esse”, disse o treinador em coletiva.

Diniz também aproveitou para criticar a falta de paciência no futebol brasileiro. Segundo ele, é preciso dar mais incentivos aos atletas, assim como é feito com os jogadores de ligas europeias.

“Quando o João Paulo saiu jogando, alguém poderia ter errado o passe. E aí, se o passe dá errado e toma o gol, a gente fica rotulando e desencorajando as outras pessoas que fazem isso. E lá na Europa a gente fica batendo palma para o City, que também erra saída. No ano passado, por exemplo, todo mundo lembra do Varane, que foi sair jogando e tomou um gol no Real Madrid. Aqui, quando erra, a gente vai desencorajando as pessoas a praticarem um jogo que, além de eficiente, é plástico”, comentou.

“Você precisa ter coragem e sincronia de movimentos. Se as pessoas soubessem o quanto a gente repete e do quanto a gente treina. Aqui no Santos a gente conseguiu fazer gol assim. E espero que a gente tenha cada vez mais senso de saber a hora de sair jogando e a hora de fazer bola longa”, finalizou.

Diniz defende Pará, mas números pesam a favor de Madson no Santos

O técnico Fernando Diniz defende Pará e tenta ajudá-lo a recuperar o bom futebol da última temporada, mas os números pesam a favor de Madson no Santos.

O SofaScore levantou as estatísticas recentes dos dois laterais-direitos no Campeonato Brasileiro. Ofensivamente, não há comparação. E Madson leva a melhor em alguns critérios defensivos também.

Com 38 jogos para cada, Madson tem cinco gols e seis assistências, enquanto Pará não criou nenhuma grande chance. Madson ainda acerta mais cruzamentos (23 x 21%), dá mais passes decisivos (23 x 19), sofre menos dribles por jogos (0,2 x 0,6) e ganha mais duelos (59% x 49%).

“O Madson é um grande jogador, mas eu tenho que ter um olhar técnico, não posso ter um olhar só de torcedor. O Pará contra o Independiente fez um jogo muito bom, falhou naquele lance em que sofremos o gol que estava impedido, mas fez uma partida muito segura. Eu não posso agir com emoção. Faz 15 anos que o Pará joga em times grandes, quase sempre como titular. Eu entendo o torcedor, ele está aí para criticar e torcer, e eu estou aqui para escalar e fazer o que é melhor para o Santos”, disse o técnico Fernando Diniz, em entrevista coletiva.

No 2 a 2 com o Red Bull Bragantino no último domingo, Pará errou no posicionamento do primeiro gol do adversário, não ajudou no ataque e saiu no intervalo. Madson entrou e cabeceou a bola na trave antes do gol de Marcos Leonardo.

Santos é o pior visitante do Campeonato Brasileiro

No último domingo, o Santos empatou com o Bragantino em 2 a 2, fora de casa, em jogo válido pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar de estar na décima colocação, o Peixe é o pior visitante da competição.

Até agora, o Santos disputou seis partidas longe de seus domínios, empatou duas e perdeu quatro. Segundo dados do Footstats, o Peixe é a pior defesa jogando fora de casa, com 13 gols sofridos, e possui o menor saldo (-7).

Santos como visitante no Brasileirão:

🔻 20° em pontos (2)
🔻 20° em aproveitamento (11,1%)
🔻 20° em gols sofridos (13)
🔻 20° em saldo de gols (-7)

Fora da Vila o Peixe tem problemas!

A equipe de Fernando Diniz visita o Independiente, nesta quinta-feira, pela partida de volta das oitavas de final da Copa Sul-Americana. O Santos volta a focar no Brasileiro no próximo domingo, quando irá receber o Atlético-GO.

Confira os resultados do Santos atuando fora de casa no Campeonato Brasileiro:

Bahia 3 x 0 Santos
Fluminense 1 x 0 Santos
Grêmio 2 x 2 Santos
América-MG 2 x 0 Santos
Palmeiras 3 x 2 Santos
Bragantino 2 x 2 Santos