Santos 1 x 0 Independiente-ARG

Data: 25/07/2021, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Wilmar Roldan (COL)
Assistentes: Alexander Guzman e John Leon (ambos da COL).
VAR: Julio Bascuñan (CHI)
Cartões amarelos: Kaiky (S); Rodríguez, Insaurralde e González (I).
Gol: Kaio Jorge (23-2).

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Luiz Felipe, Kaiky e Felipe Jonatan; Camacho, Jean Mota (Carlos Sánchez) e Gabriel Pirani (Lucas Braga); Marinho, Kaio Jorge (Vinicius Zanocelo) e Marcos Guilherme.
Técnico: Fernando Diniz

INDEPENDIENTE
Sosa; Bustos, Ostachuk, Insaurralde e Rodríguez; Blanco (González), Lucas Romero e Palacios (Braian Martínez); Velasco (Herrera), Silvio Romero e Roa.
Técnico: Julio Falcioni



Santos vence o Independiente na Vila e abre vantagem na Sul-Americana

O Santos venceu o Independiente por 1 a 0 nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Sul-Americana. O gol foi marcado por Kaio Jorge.

O Peixe jogou melhor, principalmente no início do segundo tempo, e criou chances para levar um placar ainda maior para a Argentina. No fim, porém, os donos da casa diminuíram o ritmo e viram um gol de Romero anulado por impedimento e outras oportunidades desperdiçadas pelo Rojo. O goleiro João Paulo foi providencial.

Com o resultado, o Alvinegro avançaria às quartas com um empate na próxima quinta, em Avellaneda. Vitória por um gol de diferença do Independiente levaria a eliminatória para os pênaltis.

O jogo

O primeiro tempo foi muito truncado na Vila Belmiro. O Santos ditou as ações, mas não teve criatividade suficiente para criar chances claras. O Independiente, mais defensivos, não conseguiu bons contra-ataques.

As duas melhores situações do Peixe na etapa inicial foram com Marcos Guilherme: aos 33 minutos, ele não dominou no segundo pau após cruzamento de Pará. Aos 40, cruzou o campo em velocidade, invadiu a área e bateu fraco para a defesa de Sosa.

O Santos voltou bem melhor para a etapa final e empilhou chances: Kaio Jorge, Gabriel Pirani, Marinho e passaram perto, a melhor foi a de Kaiky, em forte cabeceio aos 10 minutos para grande defesa de Sosa.

Mesmo com o Peixe bem em campo, o técnico Fernando Diniz mexeu e tirou Gabriel Pirani e Jean Mota para as entradas de Carlos Sánchez e Lucas Braga no minuto 15. O time demorou um pouco a se encontrar e só voltou a assustar aos 22, em bicicleta de Marinho. E quando o placar marcava 23 jogados, o gol finalmente saiu.

Marinho deu belo passe para Marcos Guilherme chutar de primeira. O goleiro Sosa espalmou para frente e Kaio Jorge foi oportunista para aproveitar o rebote. 1 a 0 na Vila Belmiro.

O Independiente saiu da defesa e quase empatou aos 29 minutos, quando Kaiky vacilou na defesa, perdeu a bola e Roa bateu bonito para o goleiro João Paulo espalmar no cantinho. Aos 35, Romero aproveitou “assistência” de Pará e marcou, mas o lance foi anulado por impedimento.

No minuto 40, outra chance do Independiente. Herrera recebeu na área, cortou e bateu colocado. Moraes se jogou na bola para evitar o que certamente seria o empate dos argentinos. Aos 45, Romero ainda bateu falta para linda defesa de João Paulo.

Sufoco, mas 1 a 0 para o Santos na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Fernando Diniz valoriza vitória do Santos sobre o Independiente: “Time difícil de ser batido”

O técnico Fernando Diniz aprovou o desempenho do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Independiente nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Sul-Americana.

O Peixe dominou os argentinos na maior parte do tempo, mas desperdiçou chances, sofreu nos minutos finais e contou com grandes defesas do goleiro João Paulo.

“A tática foi iniciar como fizemos no segundo tempo. Estávamos circulando mal a bola. Independiente é bem treinado, ia bem nessa competição e no campeonato local. Se prepararam 15 ou 20 dias para esse jogo, muita energia física. Time difícil de ser batido. Colocamos mais intensidade no segundo tempo e conseguimos vencer um jogo importante”, disse Fernando Diniz.

“Falta efetividade e eficácia talvez, mas o importante é criar. Uma hora a bola vai entrar com mais facilidade”, completou.

No começo do segundo tempo, Diniz tirou Gabriel Pirani e Jean Mota para as entradas de Carlos Sánchez e Lucas Braga. O técnico explicou as mexidas.

“Pirani tinha melhorado e estava bem, jogador criativo, vinha de dois jogos excelentes. E tínhamos dois descansados que não são reservas. Lucas Braga e Sánchez também são titulares. Sánchez tem muita qualidade, cada vez melhor, e Braga joga quase sempre como titular. Tirei o Pirani para aumentar a intensidade, mas ele estava bem quando saiu. Não é só quem está mal que sai. Trouxe o Marcos Guilherme e tivemos saída dinâmica, um mais atacante para aumentarmos a chance de gol, que foi o que aconteceu”, afirmou.

“Casca vai sendo criada, não tem nada pronto. Time literalmente em construção. No jogo do Athletico, dos que fizeram a final da Libertadores, só um jogou. Elenco trabalha muito e ganha entrosamento, rodagem e cada vez mais casca, mas é um processo que estamos no início. Processo nunca vai ter fim, mas está no início, estou há dois meses e esperamos crescer no decorrer das competições”, concluiu.

Com a vantagem do empate, o Santos enfrentará o Independiente na próxima quinta, em Avellaneda, para avançar às quartas da Sula.

Independiente faz pressão, mas Santos não teme punição por escalar Kaio Jorge ( Em 16/07/2021 )

O Independiente faz pressão na Conmebol, mas o Santos não teme punição por ter escalado Kaio Jorge na vitória por 1 a 0 na última quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Sul-Americana.

Kaio recebeu três cartões amarelos nesta edição da Libertadores da América, antes da eliminação do Peixe. A suspensão pelo acúmulo de advertências, porém, não é transferida para a Sul-Americana.

O Santos enviou ofícios para a Conmebol e confirmou a possibilidade de Kaio Jorge atuar. Alison, em contrapartida, ficou fora por ter sido punido com dois jogos de suspensão pela expulsão contra o The Strongest (BOL), pela quinta rodada da fase de grupos da Libertadores. O Peixe recebeu sinal positivo para Kaio Jorge e negativo para Alison.

O Santos se baseia no Artigo 75.3 do Código de Disciplina da Conmebol: “A suspensão imputada a um jogador, por acúmulo de cartões amarelos, em diferentes partidas em uma mesma competição, em nenhum caso será transferida para outra competição”.

O Independiente reclama na Conmebol com base em um artigo do “Processos Administrativos” do “Manual de Clubes”.

“Os jogadores que através da edição atual da Libertadores se classificarem para a Sul-Americana do mesmo ano, que se encontrem com sanções pendentes de cumprimento, como consequência de expulsões ou qualquer tipo de sanção recebida de órgãos judiciais, deverão cumprir obrigatoriamente essas punições no mesmo ano da Sul-Americana”.

Esse trecho utilizado pelos argentinos, porém, se refere a punições, e não ao acúmulo de cartões amarelos. Dessa forma, o Santos está tranquilo e não teme o mesmo desfecho de 2018, quando escalou Carlos Sánchez de forma irregular e o 0 a 0 contra o mesmo Independiente em Avellaneda virou 3 a 0 na ida das oitavas de final da Libertadores. O Peixe acabou eliminado após novo 0 a 0 no Pacaembu.

O departamento jurídico trata a situação como “gato escaldado” e por isso não se baseou apenas no regulamento e enviou ofícios para a Conmebol para se resguardar. O clube já imaginava essa pressão do Independiente.

“O Santos FC esclarece que o atacante Kaio Jorge estava apto a jogar diante do Independiente, da Argentina, pela Conmebol Sul-Americana, na quinta-feira, dia 15, na Vila Belmiro. Para evitar qualquer dúvida, o Clube formalizou consultas oficiais à Conmebol em relação à escalação dos atletas Kaio Jorge e Camacho. Nas duas situações, a resposta da entidade, como o Santos já esperava, foi positiva em relação à escalação dos atletas.

Kaio Jorge levou o terceiro amarelo na última partida do Clube pela Conmebol Libertadores, contra o Barcelona, no Equador, mas pelo artigo 75.3 do Código Disciplinar da Conmebol – “a suspensão imputada a um jogador, por acúmulo de cartões amarelos, em partidas distintas, em uma mesma competição, em nenhum caso será transferida para a outra competição”.

Já no caso de Camacho, o Santos FC está amparado pelo artigo 3.7.4.1 do Manual de Clube da Conmebol Sul-Americana. O Santos FC reitera que tanto o Departamento de Futebol, quanto o Departamento Jurídico, tiveram todo o cuidado prévio em cada situação, a fim de evitar prejuízos ao Clube”, disse o Santos, por meio de nota oficial.