Palmeiras 3 x 2 Santos

Data: 10/07/2021, sexta-feira, 16h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Allianz Parque, em São Paulo, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC-FIFA)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC-FIFA) e Thiaggo Americano Labes (SC).
VAR: Rodrigo Dalonso Ferreira (MG)
Cartões amarelos: Jailson (P); Camacho, Jean Mota, Fernando Diniz, Marinho, Kaiky, Moraes e Marcos Guilherme (S).
Gols: Gustavo Gómez (18-1) e Breno Lopes (21-1); Carlos Sánchez (23-2, de pênalti), Willian (38-2) e Marinho (46-2, de pênalti).

PALMEIRAS
Jailson; Marcos Rocha (Mayke), Felipe Melo, Gustavo Gómez e Viña; Danilo, Zé Rafael e Gustavo Scarpa (Patrick de Paula), Raphael Veiga (Wesley); Breno Lopes (Willian) e Deyverson (Dudu).
Técnico: Abel Ferreira

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Danilo Boza (Alison), Kaiky e Moraes; Camacho (Vinicius Zanocelo), Jean Mota (Carlos Sánchez) e Gabriel Pirani; Marinho, Lucas Braga (Raniel) e Marcos Guilherme.
Técnico: Fernando Diniz



Palmeiras vence o Santos em clássico movimentado e segue líder

O Palmeiras venceu o Santos por 3 a 2 na tarde deste sábado, no Allianz Parque, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Gustavo Gómez e Breno Lopes no primeiro tempo e por Willian na etapa final. O Peixe fez com Carlos Sánchez e Marinho, ambos em cobranças de pênalti.

Os primeiros 18 minutos foram equilibrados, mas o Verdão abriu o placar após erro do goleiro João Paulo e a partir daí o Peixe caiu de rendimento. No segundo tempo, Carlos Sánchez diminuiu e esboçou uma reação, porém, os donos da casa logo ampliaram. Ainda deu tempo para Marinho converter penalidade máxima nos acréscimos.

Com os três pontos, o Palmeiras segue líder do Brasileirão, agora com 25 pontos. O Santos segue em sétimo, com 17, e pode perder posições até o término da rodada.

O jogo

Palmeiras e Santos faziam clássico equilibrado, com muita movimentação e duas propostas ofensivas, até que o primeiro gol saiu.

No minuto 18, Gustavo Scarpa bateu escanteio, o goleiro João Paulo saiu errado e Gustavo Gómez abriu o placar. A partir daí, só o Verdão jogou.

O segundo gol saiu rapidamente, aos 21: Deyverson ganhou no alto, Zé Rafael lançou Breno Lopes e o atacante recebeu sozinho para bater cruzado e marcar o segundo.

Na segunda metade do primeiro tempo, o Santos só chutou de longe e cruzou errado. O Palmeiras, tranquilo em campo, recuou um pouco as linhas e não sofreu.

O Palmeiras seguiu melhor na etapa final e quase ampliou logo aos 12 minutos, quando Breno Lopes driblou Alison com facilidade e Kaiky salvou na recuperação. Na sequência, Danilo deu um elástico e cruzou com perigo.

Aos 23 minutos, o Santos voltou para o clássico. Carlos Sánchez sofreu pênalti cometido por Marcos Rocha e converteu. Uruguaio chegou ao 26º gol pelo Peixe e igualou Jonathan Copete como maior artilheiro estrangeiro da história do Peixe.

A reação santista, porém, não se concretizou. Aos 38 minutos, Marcos Rocha cruzou, Deyverson desviou de cabeça e Willian completou no segundo pau. O lance foi invalidado, mas corrigido com o auxílio do VAR e o terceiro gol do Palmeiras foi confirmado.

Ainda deu tempo para Marinho fazer o segundo do Santos, em novo pênalti, agora sofrido e convertido pelo camisa 11 nos acréscimos. Mas foi só. 3 a 2 para o Palmeiras no Allianz.

Diniz avalia derrota do Santos para o Palmeiras e detona arbitragem: “Dá falta se encostar a unha”

O técnico Fernando Diniz evitou críticas ao Santos após a derrota por 3 a 2 para o Palmeiras neste sábado, no Allianz Parque, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe levou 2 a 0 no início, desempatou, sofreu o terceiro gol e esboçou reação, mas não conseguiu o empate.

“Fizemos um bom jogo. Os dois times com propostas antagônicas, é normal. Palmeiras tem por característica um jogo de transição muito forte. Estávamos conseguindo jogar entrelinhas, mas sem finalizar com efetividade, só que com domínio. Eles nas transições e bolas paradas, que treinamos e alertamos, mas sofremos o gol. Voltamos ainda mais agressivos, nos expomos, levamos dois gols e sofremos um. Poderíamos ter vencido, empatado ou perdido”, disse Diniz, em entrevista coletiva.

O treinador aproveitou para detonar a arbitragem de Braulio da Silva Machado (SC).

“Não posso deixar de falar da arbitragem. Palmeiras fez três e a gente dois, claro, e esse é o resultado, mas não teve critério para dar cartões e isso atrapalha. Quanto mais parado o jogo, para ele melhor. Quem não quer jogar com ele é uma beleza. Dá falta se encostar a unha do dedo. Palmeiras fez gol rápido e retardou tiros de meta, laterais e faltas e ele não fez menção de acelerar. Jogo parou 3:30 no pênalti e ele deu 6:00 de acréscimo. Ou seja, deu 2:30 de acréscimo. A rigor, deu um minuto de acréscimo porque jogo parou de novo. Não é um dos melhores, longe disso, e é de Santa Catarina. Temos vários bons árbitros aqui (em São Paulo) para um clássico desse. Conhecem os times e jogadores por causa do Regional”, afirmou.

“Santos quase nunca pega um juiz top. Em Santos e São Paulo na Vila Belmiro, juiz colocou mais três como no futebol de salão com cronômetro quando John se machucou, hoje deu seis (de acréscimos) e era muito mais. Não estou justificando o resultado do jogo, mas juiz tem que gostar que o futebol aconteça. Não interferiu, mas quer o jogo parado. Em nenhum momento mandou acelerar o jogo. Tivemos sete cartões amarelos querendo acelerar o jogo e o Palmeiras teve três”, emendou.

Por fim, Diniz tentou explicar os motivos para o Santos ainda não ter vencido como visitante após quatro partidas.

“É uma pergunta fácil de fazer e difícil de responder. Ninguém tem essa resposta, eu também não. Muitos podem conjecturar. Jogar em casa é importante, mas não determinante. Hoje poderíamos ter empatado pelo menos, por exemplo. Contra o Fluminense estivemos mais perto de vencer, assim como contra o América-MG. Estamos produzindo e tendência é vencer fora, mas é difícil precisar. Estamos trabalhando, aumentando a chance de vencer fora como vencemos em casa”, concluiu.

Diniz valoriza Pirani e incentiva “autoconfiança” do meia no Santos

Fernando Diniz fez “elogios gratuitos” a Gabriel Pirani após a derrota do Santos por 3 a 2 para o Palmeiras no último sábado, no Allianz Parque, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Em uma resposta sobre Kaio Jorge, o técnico aproveitou para falar do meia titular do Peixe aos 19 anos.

“Gabriel Pirani fez outro grande jogo, assim como na última partida (Athletico-PR), quando eu não estava no banco (suspenso). Tem relação muito especial com o grupo e aprende cada vez mais a confiar no potencial que ele tem”, disse Diniz.

Sánchez comemora recorde no Santos: “Não consigo explicar o quanto me sinto honrado”

Carlos Sánchez igualou Jonathan Copete como maior artilheiro estrangeiro da história do Santos. O uruguaio marcou o 26º gol pelo Peixe na derrota para o Palmeiras no clássico do último sábado, no Allianz Parque, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sánchez lembrou do amigo colombiano e comemorou o feito nas redes sociais.

“Com o gol de ontem, me tornei o maior artilheiro estrangeiro do Santos ao lado do meu amigo Jonathan Copete. Não consigo explicar o quanto me sinto honrado em realizar este sonho. Só posso agradecer a toda a nação santista, pelo carinho e pela torcida para que esse momento chegasse, e a todos os meus parceiros de clube que tornaram isso possível. Minha eterna gratidão. É um orgulho que nem todos podem ter”, disse Carlos Sánchez.

O meia entrou mais uma vez no segundo tempo e sofreu e converteu um pênalti no clássico. Foi o primeiro gol de Carlos Sánchez após a cirurgia no joelho esquerdo.

Wagner Leonardo recebe propostas, mas volta ao Santos a pedido de Diniz

Wagner Leonardo recebeu propostas e contou com o apoio de Fernando Diniz para voltar ao Santos após empréstimo ao Náutico.

O zagueiro estava emprestado até dezembro, mas o Peixe ativou a cláusula de retorno depois de um pedido de Diniz motivado pela saída de Luan Peres para o Olympique de Marselha (FRA).

Com a sinalização do Peixe, Wagner desistiu de ser negociado e se reapresenta ao CT Rei Pelé na segunda-feira. Atlético-GO, Ceará e mais uma equipe da Série A demonstraram interesse no jogador de 21 anos.

“Muito bem avaliado internamente. Acompanhei alguns jogos da Série B e estava muito bem, muito querido pelo Náutico. Com a saída do Luan Peres, abrimos espaço. É característica minha avaliar o que temos internamente e sou assertivo e cuidadoso para contratar. É bom para o time e para instituição. Wagner volta muito bem referendado e, pelo que vi da Série B, tenho muita confiança que vai nos ajudar bastante”, disse Fernando Diniz, em entrevista coletiva.

Wagner Leonardo disputou 16 jogos pelo Náutico, com dois gols marcados e o título pernambucano conquistado. Foi capitão duas vezes e se destacou nas estatísticas da Série B: o atleta com mais ações defensivas na competição (70), de acordo com o Sofascore.