Por pouco a reunião do Conselho Deliberativo do Santos FC de anteontem não termina em uma grande briga entre dois conselheiros.

A reunião transcorria na mais perfeita ordem, até iniciar-se a discussão entre o oposicionista Esmeraldo Tarquínio e o indefinido Mario Mello Soares. Ambos discutiam sobre o contrato do ponta João Paulo, até que passaram a trocar ofensas pessoais.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Tarquínio, com quase o dobro do tamanho de Mello, chegou a puxar o revólver do cinto, sendo contido pelo vice-presidente Milton Teixeira.

Três dias após esta publicação (02/08/1977), a redação Estadão emitiu nota retificando a notícia. Segue abaixo na íntegra a transcrição da nota publicada pelo jornal:

“Por um erro técnico na edição de sexta-feira (30/07/1977), na matéria referente ao Santos, é atribuída a intenção ao senhor Esmeraldo Tarquínio de agredir o senhor Mario Mello a tiros, após discussão dos dois em reunião do Conselho Deliberativo. Retifica-se: o senhor Esmeraldo Tarquínio só fez menção de puxar o cinto e falando ‘Vou bater em você com isso para não sujar as mãos’.”



Fontes:
– Estadão – 30/07 e 02/08
Jornal Folha de SP