Santos 5 x 0 The Strongest-BOL

Data: 04/05/2021, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo C – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Christian Garay (CHI).
Auxiliares: Raul Orellana e Claudio Rios (ambos do CHI).
Cartões amarelos: Kaiky (S); Arrascaita, Wayar (TS).
Gols: Marinho (01-1), Gabriel Pirani (25-1) e Balieiro (42-1); Lucas Braga (13-2) e Kevin Malthus (37-2).

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan (Copete); Vinícius Balieiro (Kevin Malthus), Jean Mota e Gabriel Pirani; Marinho, Marcos Leonardo (Kaio Jorge) e Lucas Braga (Ângelo).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)

THE STRONGEST (BOL)
Daniel Vaca; Saúl Torres, Castillo, Valverde e José Sagredo; Wayar, Ramiro Vaca, Arrascaita (Churra); Cardozo (Pastor), Reinoso (Blackburn) e Willie Barbosa.
Técnico: Gustavo Florentín



Santos atropela o The Strongest na Vila e respira na Libertadores

Nesta terça-feira, o Santos recebeu o The Strongest e goleou por 5 a 0, na Vila Belmiro, em partida válida pela terceira rodada do grupo C da Libertadores. Com gols de Marinho, Gabriel Pirani, Balieiro, Lucas Braga e Kevin Malthus, o Peixe somou os seus primeiros pontos na chave, respirando na competição.

O primeiro tempo foi um atropelamento. O The Strongest não viu a cor da bola, e o Santos encontrou muita facilidade para marcar os três primeiros gols. Todos, diga-se de passagem, bonitos. Na segunda etapa, apesar dos visitantes terem acertado a trave duas vezes, o Peixe foi preciso nas chegadas ao ataque e ampliou o placar, sacramentando a vitória.

Com o resultado, o Santos chegou aos três pontos no grupo C, na terceira posição. O próximo compromisso do time pela Libertadores é contra o Boca Juniors, na terça-feira da semana que vem, na Vila Belmiro, às 19h15.

O jogo

O Santos começou fulminante e nem deu tempo do The Strongest respirar. Logo no primeiro minuto, Pirani recebeu pela esquerda e encontrou belo passe para Marinho, que finalizou de direita para abrir o placar. Depois de marcar, o Peixe recuou as suas linhas para sair em contra-ataque, mas sem sofrer defensivamente.

Aos 25 minutos, o Santos chegou ao seu segundo gol em uma bonita jogada. Jean Mota fez um lindo lançamento para Felipe Jonatan, que encontrou Gabriel Pirani dentro da área. O meia chegou batendo de primeira e ampliou para os mandantes.

Sem tirar o pé do freio, o Santos continuou levou perigo, dessa vez com Marcos Leonardo exigindo defesa de Daniel Vaca. Aos 42 minutos, Balieiro pegou a sobra de uma bola dividida na intermediária, avançou e finalizou com precisão de fora da área para marcar o terceiro da equipe.

No retorno do intervalo, Marcelo Fernandes trocou Pará por Madson e Marcos Leonardo por Kaio Jorge. O Peixe manteve a postura e, aos 13 minutos, chegou ao quarto gol. Marinho costurou pelo meio e encontrou Lucas Braga pela esquerda, que ajeitou e, com o pé fraco, mandou no canto do goleiro.

Em seguida, o The Strongest chegou pela primeira vez com perigo no jogo. Castillo desviou de cabeça em cruzamento para a área e acertou a trave. O time boliviano ainda viria a carimbar novamente a trave, em finalização de Pastor da entrada da área.

Apesar dessa pequena pressão, o Santos voltou a balançar as redes aos 37 minutos. Madson desceu pela direita, cruzou para a área, e a defesa afastou. No rebote, Kevin Malthus pegou o rebote e acertou um bonito chute de fora da área para marcar o quinto.

Bastidores – Santos TV:

Marcelo Fernandes explica a opção por ter Jean Mota mais recuado no meio-campo do Santos

Nesta terça-feira, o Santos dominou o The Strongest do começo ao fim e goleou por 5 a 0, na Vila Belmiro. O Peixe começou a construir a vitória logo no primeiro minuto, quando Marinho abriu o placar, dando tranquilidade à equipe. Após o apito final, Marcelo Fernandes destacou a confiança que o time ganha depois da apresentação nesta noite, com os jovens jogadores fazendo parte do processo.

“Fizemos a estratégia para marcar um gol rápido, e veio até com um minuto de jogo. Essa molecada, que vem sofrendo com os resultados ruins, são os que mais sofrem. A gente tem uma rapaziada experiente que, tanto dentro quanto fora do campo, tem dado um alicerce legal para essa molecada”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Essa vitória foi importante para que esses meninos entendam que faz parte de um processo, mas que dê confiança. Não dá tempo de comemorar nada, temos que descansar e nos reabilitar, porque quinta-feira tem um jogo muito decisivo”, completou.

Marcelo Fernandes também explicou por que optou por ter Jean Mota mais recuado no meio-campo quando o Santos tinha a bola, liberando Balieiro para apoiar e infiltrar.

“O Jean Mota é um meia de origem, mas nós sempre falamos de recuá-lo para segundo volante. Hoje, como iríamos enfrentar uma equipe que exploraria o contra-ataque, bem fechada, o Jean Mota já mostrou sua qualidade vindo de trás e de frente. Tem um passe longo e entrelinhas muito bom, e esse passe seria importante nesta partida. Acho que ele demonstrou isso, nossa estratégia foi muito bem feita”, finalizou.

Impulsionado pelas críticas, Marinho celebra a atuação coletiva do Santos

O Santos fez a sua primeira boa apresentação na Libertadores nesta terça-feira e goleou o The Strongest por 5 a 0, na Vila Belmiro. Autor de um dos gols da vitória, Marinho destacou a atuação coletiva do Peixe e comentou sobre as críticas que vinha recebendo.

“Na verdade, o mais importante é o resultado. Importante quando a equipe faz um jogo consistente, quando não só eu apareço. A gente tem se dedicado muito, a gente sabe que a situação não é das melhores, mas é só o trabalho que vai mudar isso”, afirmou Marinho à Conmebol TV.

“É como eu falo: as críticas não vêm para te parar, e sim para te impulsionar”, completou.

Marinho reconheceu que o Santos vinha de uma sequência com um futebol ruim, esperando que a goleada desta terça possa dar confiança ao time.

“Na verdade, nos dá a esperança de que a gente pode. Temos uma boa equipe. A gente vinha trabalhando, mas estava muito abaixo do que a gente pode apresentar. Hoje, ganha confiança para os próximos jogos, só tem decisão daqui para a frente”, finalizou.

Malthus celebra o primeiro gol pelo Santos e ainda quer ver o seu nome no muro do CT

O Santos atropelou o The Strongest por 5 a 0 nesta terça-feira, conseguindo respirar na Libertadores. A noite foi especial para Kevin Malthus, que marcou o seu primeiro gol como profissional do Peixe. Depois de sair do banco de reservas, o volante acertou um belo chute de fora da área para sacramentar o triunfo da equipe.

Em entrevista à Gazeta Esportiva, Malthus não escondeu a felicidade por balançar as redes. O jogador nem sequer cogitava que o seu primeiro gol pudesse sair em um jogo de Libertadores.

“Eu imaginava, ficava imaginando desde criança o meu primeiro gol como profissional, mas nunca imaginei que seria em uma Libertadores. Na verdade, nunca imaginei que jogaria uma Libertadores, ainda mais fazer um gol. Foi como eu imaginei, foi um grande gol. De fora da área, como eu costumo fazer, como é a maioria dos meus gols. Fico feliz, foi um grande sonho realizado”, afirmou o volante.

Na última semana, Malthus teve o seu contrato com o Santos renovado até 2026. Nascido em Belém do Pará, o jovem quer seguir os passos de conterrâneos que marcaram os seus nomes na história recente do clube da Vila Belmiro.

“Eu vou ficar aqui por muito tempo, se depender do meu contrato. Vou buscar sempre atingir novas metas e conquistas, trabalhar firme para conquistar o maior número de títulos possível. Fazer uma grande história aqui, assim como grandes ídolos da minha história fizeram, como o Giovanni e o Ganso. Buscar ser ídolo e ter o meu nome no muro do CT, além de dar muita alegria para a nossa nação”

Malthus também comentou sobre a pressão que o elenco tem sofrido neste início de temporada repleto de oscilações. Apesar da instabilidade, o jogador demonstrou que já sabe como lidar com as cobranças.

“Os mais velhos e experientes nos aconselham em muitas situações, principalmente nessa. Estamos passando por uma turbulência no clube. Eles nos aconselham a seguir trabalhando. Assim como você não liga para crítica, você também não pode ligar para elogio. Isso pode te derrubar, como também pode te levantar e te fazer ser ‘o cara’. Levo isso tudo pelo lado bom, para me levantar e me reerguer, melhorando a cada dia”, finalizou Malthus.

Interino pondera o cansaço, mas diz que o Santos vai para o clássico com “o que tem de melhor”

Depois de uma grande vitória sobre o The Strongest, o Santos precisa virar rapidamente a chave, já que, na quinta-feira, enfrenta o Palmeiras, no Allianz Parque, às 21h, pelo Campeonato Paulista. Apesar do curto intervalo de tempo entre os jogos, a tendência é que o Peixe vá para o clássico com uma equipe forte.

Após a goleada desta terça-feira, Marcelo Fernandes revelou que os jogadores adiantaram o processo regenerativo no vestiário. O técnico interino indicou que o Santos deve contar, pelo menos, com parte dos titulares no duelo com o Palmeiras.

“Para o clássico, vamos voltar amanhã de tarde, ver como estão todos. Já começamos o trabalho de reabilitação aqui dentro, todos estão fazendo esse trabalho o mais rápido possível. É um jogo importantíssimo, difícil, contra uma grande equipe. O Santos com certeza vai usar aquilo que tem de melhor”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Logicamente, pensando na forma física e de como os jogadores estão, porque também temos outro jogo domingo e não podemos perder ninguém”, completou.

Apesar de estar focado na Libertadores, o Alvinegro vive situação delicada no Paulistão. A duas rodadas do fim da primeira fase do estadual, o Santos ocupa a terceira posição do grupo D, com dez pontos somados, quatro a menos do que o segundo colocado Guarani. Depois de enfrentar o Palmeiras, o time ainda terá pela frente o São Bento, no domingo, na Vila Belmiro.