Boca Juniors 2 x 0 Santos

Data: 27/04/2021, terça-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo C – 2ª rodada
Local: Estádio La Bombonera, em Buenos Aires, Argentina.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Jesus Valenzuela (VEN).
Auxiliares: Carlos Lopez e Lubin Torrealba.
Cartões amarelos: Balieiro, Pará e Marcos Leonardo (S); Sández, Pavón e Medina (BJ).
Gols; Tévez (01-2) e Villa (23-2).

BOCA JUNIORS (ARG)
Rossi; Capaldo, Lisandro López, Izquierdoz, Sández; Almendra (Jara), Varela, Cristian Medina (Buffarini); Sebastián Villa, Pavón e Carlos Tévez.
Técnico: Miguel Angel Russo

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Kaiky, Luan Peres, Felipe Jonatan; Alison, Vinicius Balieiro (Kaio Jorge), Gabriel Pirani (Lucas Lourenço); Marinho, Lucas Braga (Ângelo) e Marcos Leonardo (Jean Mota).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos perde para o Boca Juniors na Bombonera no primeiro jogo sem Holan

Nesta terça-feira, o Santos visitou o Boca Juniors e perdeu por 2 a 0, na Bombonera, no segundo jogo do grupo D da Libertadores. Foi a primeira partida do Peixe sem Ariel Holan, que pediu demissão no início da semana. Os gols da vitória dos argentinos foram marcados por Tévez e Villa.

O Santos conseguiu a parte inicial da primeira etapa, sofrendo apenas uma vez na defesa. Apesar da boa marcação, o time não conseguiu levar perigo ao gol dos argentinos. Logo no retorno do intervalo, o Boca Juniors abriu o placar com Tévez, em mais um lance de bola aérea. Sem conseguir reagir, o Alvinegro ainda viu os mandantes ampliarem em um contra-ataque fulminante.

Com a derrota, o Santos permanece sem somar pontos no grupo. Na próxima rodada da Libertadores, o time enfrenta o The Strongest, na Vila Belmiro, na terça-feira da semana que vem, às 19h15.

O jogo

O Santos desde o início pressionou a saída de bola do Boca Juniors, dificultando a saída de bola dos mandantes. Com a marcação encaixada, o Peixe cedeu poucos espaços aos argentinos, dominando o jogo no começo. Apesar do controle, o Alvinegro pouco conseguiu criar, não levando perigo ao gol defendido por Rossi.

Quando recuperava a bola, o Santos mostrou dificuldade para acelerar de maneira precisa, errando muitos passes. A melhor chance da primeira etapa foi do Boca Juniors, com Pavón. O atacante foi lançado em profundidade pela esquerda, cortou a marcação e finalizou para boa defesa de João Paulo.

Com apenas um minuto do segundo tempo, o Boca Juniors abriu o placar na Vila Belmiro. Após cruzamento pela esquerda, Lizandro López desviou a bola na primeira trave, e Tévez apenas teve o trabalho de empurrar para as redes.

Marcelo Fernandes até tentou colocar o Santos para frente, promovendo a entrada de Kaio Jorge no lugar de Balieiro, porém o time continuou com muita dificuldade. Aos 23 minutos, Marinho perdeu a bola no ataque, e o Boca Juniors ampliou em um contra-ataque fatal. Tévez carregou e lançou Villa, que invadiu a área e finalizou na saída de João Paulo.

O Peixe permaneceu tendo a bola, porém seguiu sem efetividade. Sem levar perigo ao gol defendido por Rossi, o Santos não balançou as redes novamente e não conseguiu somar os seus primeiros pontos na fase de grupos da Libertadores.

Marcelo Fernandes diz que Santos seguiu plano de jogo elaborado por Holan

Nesta terça-feira, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera, no segundo jogo do grupo D da Libertadores. Após a partida, o interino Marcelo Fernandes concedeu entrevista coletiva e comentou sobre a preparação do Peixe para o confronto, visto que Ariel Holan pediu demissão no início da semana.

O técnico argentino ainda comandou o seu último treino pela manhã de segunda-feira. Segundo Marcelo Fernandes, o Santos seguiu o plano de jogo elaborado por Holan. Além disso, o auxiliar técnico deixou claro que ficou satisfeito com a entrega dos jogadores em campo.

“Realmente, ontem fomos pegos de surpresa com a notícia do desligamento do professor Holan, que trabalhou logo cedo. A equipe já tinha um plano de jogo, que procuramos seguir da melhor maneira possível. Depois de tudo o que aconteceu, sentamos com os jogadores e colocamos eles para cima. São situações do futebol, essas coisas acontecem”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Todos cumpriram muito bem o plano, infelizmente fomos pegos novamente de surpresa no início do segundo tempo com uma bola parada, um escanteio, algo que treinamos muito. Depois disso, a gente tentou, procurou, mas a confiança vai embora, mediante tudo o que tem acontecido. Não estou contente pelo resultado, mas feliz pelo desempenho e pela vontade que os jogadores tiveram hoje aqui”, completou.

Marcelo Fernandes não esconde que o revés na Bombonera é dolorido, mas acredita que o Peixe ainda tem plenas condições de se classificar às oitavas de final da Libertadores.

“Essa derrota é dura, em virtude da nossa derrota em casa para o Barcelona-EQU. Então, já são duas rodadas e duas derrotas, mas ainda temos 12 pontos a disputar. Vamos jogar duas partidas seguidas em casa, na Vila Belmiro. É uma situação muito boa para que a gente possa fazer uma grande apresentação e somar esses primeiros pontos, porque a equipe ainda tem todas as condições de conseguir a classificação”.

Pará diz que Santos buscou “jogar de igual para igual”, mas lamenta queda no 2º tempo

No primeiro jogo sem Ariel Holan, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera. O Peixe até começou bem, porém caiu de rendimento ao longo do jogo e saiu de campo com mais um revés. Na visão de Pará, o time se perdeu depois de sofrer o primeiro gol.

“A gente sabia que seria um jogo difícil, viemos com o intuito de vencer o jogo. Infelizmente não conseguimos, fizemos um belíssimo primeiro tempo e, em uma desatenção nossa na bola parada, eles conseguiram fazer o gol, o que desestabilizou o nosso time. Enquanto tivermos força, vamos procurar classificar”, afirmou Pará.

“A gente procurou jogar de igual para igual, a gente sabia que o jogo seria difícil, como foi. A equipe do Boca é muito forte jogando em seus domínios”, completou.

Alison destaca que o Santos não tem “tempo para lamentar” a saída precoce de Holan

Nesta terça-feira, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera, no segundo jogo do grupo D da Libertadores. Após a partida, o capitão Alison foi o escolhido dentre os jogadores para conceder entrevista, comentando sobre a saída de Ariel Holan.

Alison lamentou o desligamento do técnico argentino, mas ressaltou que o Peixe não tem tempo hábil para lamentar a perda do comandante.

“Foi uma saída precoce. Era um cara que estava se esforçando muito para ajudar na evolução do time e do grupo, mas as coisas no futebol infelizmente acontecem muito rápido. Na realidade, a gente não tem tempo de lamentar. A gente perdeu ele ontem e, hoje, a gente já teve um jogo muito importante. Precisamos seguir batalhando e lutando para nos reerguer”, afirmou o volante.

Alison, como líder do elenco, também falou sobre a importância de blindar os jovens no momento delicado vivido pelo Alvinegro.

“A gente tem muitos meninos no time, mas eles sabem da responsabilidade que é jogar em um clube gigante como o Santos. Em um momento complicado como esse, a gente tem que tirar o máximo da pressão sobre eles. Como um dos líderes e capitão do time, essa responsabilidade é minha, eu assumo, preciso assumir. Quanto menos pressão tiver em cima deles, melhor. Quanto mais se sentirem à vontade para jogar, melhor. A gente está aqui para dar suporte para eles. Eles vêm se esforçando muito para ajudar a gente, todos”, pontuou Alison.

Santos chega ao quarto jogo consecutivo sem marcar gols

No primeiro jogo sem Ariel Holan, o Santos foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, na Bombonera. Com mais uma atuação sem brilho, o Peixe segue sem pontuar no grupo D da Libertadores. Além disso, o ataque da equipe permanece sendo uma preocupação.

Afinal, o Santos chegou à quarta partida consecutiva sem balançar as redes do adversário. Antes do confronto contra o Boca Juniors, a equipe já havia passado em branco contra o Barcelona-EQU, pela Libertadores, e contra o Novorizontino e o Corinthians, pelo Campeonato Paulista.

Desde o início da temporada, o Peixe já entrou em campo 15 vezes, sendo seis pela Libertadores e nove pelo Paulistão. Em sete desses jogos, o Santos terminou a partida sem marcar gols, escancarando a dificuldade ofensiva do time. No momento, a equipe tem um saldo negativo de nove gols neste recorte.

Jogadores que brilharam na temporada passada ainda não reencontraram a melhor forma. Desde que retornou aos gramados, Marinho ainda não emplacou uma boa atuação pelo Peixe. Da mesma forma, Kaio Jorge ainda não mostrou que merece voltar a ser titular, visto que Marcos Leonardo assumiu o posto no comando do ataque.

Com o resultado desta terça-feira, o Santos segue na lanterna do grupo D da Libertadores.