Santos 2 x 0 Criciúma

Data: 07/09/1997, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.155 pagantes
Renda: R$ 66.715,00
Árbitro: Édson Esperidião (ES).
Cartão amarelo: Jetson (C).
Gols: Caio (43-1, de pênalti) e Müller (40-2).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima (Sandro), Jean, Ronaldão e Baiano; Marcos Bazílio, João Santos (Alexandre), Caíco e Arinélson (Rogério Seves); Caio e Müller.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

CRICIÚMA
Jefferson; Paulo César, Fábio, Augusto e Jomar; Marcão, Daniel Frasson (Jetson), Humberto e Adil (Carlos Henrique); Marcelo Rocha (Magno Alves) e Flávio Guarujá.
Técnico: Sérgio Cosme



Santos mantém tabu e vence Criciúma

O Santos fez prevalecer a vantagem de jogar em casa, onde não perde desde março do ano passado, e derrotou o Criciúma por 2 a 0 ontem à tarde na Vila Belmiro.

O atacante Müller foi o principal responsável pela vitória. Ele sofreu o pênalti que resultou no primeiro gol e marcou o segundo.

O Santos começou o jogo pressionando o Criciúma, explorando, principalmente, as descidas do lateral Ânderson pela direita.

O Criciúma montou um sistema de marcação homem a homem sobre os atacantes santistas. Um dos zagueiros encarregava-se de marcar Caio, outro, Müller, e o terceiro ficava na sobra.

Aos 22min, Caio perdeu uma das melhores chances do gol do primeiro tempo. Ânderson bateu escanteio, Ronaldão desviou de cabeça, e Caio, sozinho na pequena área, tocou para fora.

O Santos intensificou a pressão, empurrado pela torcida, mas perdia gols pelos erros de conclusão e pela excessiva retenção de bola pelo meia Arinélson.

Aos 29min, ele recebeu uma bola na entrada da área, cortou dois zagueiros e passou a Müller, que concluiu para fora.

O Santos só conseguiu marcar aos 42min. Müller recebeu de Arinélson, invadiu a área, driblou o zagueiro e foi derrubado. Caio bateu o pênalti e marcou.

Ele comemorou com um soco no ar, a exemplo do que fazia Pelé, e correu até o gol do Santos para abraçar Zetti, em homenagem à convocação do goleiro para a seleção brasileira.

No segundo tempo, o Santos dominou o jogo até os 20 primeiros minutos. A partir daí, cedeu espaço para o Criciúma que, embora pressionasse mais, acabou levando o segundo gol no final do jogo.

A jogada mais perigosa dos catarinenses nasceu de um cruzamento da esquerda, do lateral Jomar para o meia Jetson, que cabeceou para boa defesa de Zetti.

Aos 40min, o Santos voltou a marcar. Caíco recebeu na entrada da área, driblou dois zagueiros e tocou para Müller que, sozinho, chutou na saída de Jefferson.



Santos evoca o ‘fator Vila’ para reencontrar a vitória ( Em 07/09/1997 )

O Santos recorre mais uma vez à Vila Belmiro para tentar superar hoje, contra o Criciúma, o abalo emocional provocado por três derrotas consecutivas.

Nos últimos jogos, o time perdeu para Fluminense (1 x 0), pelo Brasileiro, e para Vasco e River Plate (2 x 1 e 3 x 2), pela Supercopa dos Campeões da Libertadores.

Ontem, a equipe completou 60 dias sem vitórias fora de casa. A última foi em 6 de julho, sobre o Flamengo -3 a 2, no Maracanã.

Por isso, a esperança dos santistas na classificação está totalmente depositada em seu estádio, a Vila Belmiro, onde o time constrói fama de “imbatível”.

A última derrota em casa ocorreu em 24 de março do ano passado: 6 a 0 para o Palmeiras, pelo Campeonato Paulista. Em junho, fechou para reforma e reabriu em março deste ano.

O técnico Wanderley Luxemburgo pretende fazer da pressão da torcida na Vila o instrumento para o time se classificar entre os oito finalistas do Brasileiro.

Se vencer todas, a equipe conseguirá 30 pontos, que, somados aos 14 que já possui, garantirão a classificação, segundo estimativa da comissão técnica.

Apesar da vantagem de jogar em casa, Luxemburgo alertou os jogadores para o risco de o favoritismo influenciar negativamente.

O treinador usou como exemplo a partida em São Paulo entre o time catarinense e o Palmeiras -que também era apontado como favorito, mas perdeu por 1 a 0.

Aspecto mental

Além de interromper a série de derrotas, os santistas avaliam que uma vitória hoje contra o Criciúma servirá para reabilitar o time emocionalmente para o jogo seguinte, quando voltará a atuar fora de casa, contra o Atlético-MG.

“Temos de acabar de uma vez com essa sequência de derrotas fora de casa. Com certeza, ganhar uma partida em casa e outra fora vai dar uma motivação extra para nós”, afirmou o volante Baiano.

Zaga segue com improvisações

O zagueiro Narciso será o principal desfalque do Santos na partida de hoje contra o Criciúma. Ele foi expulso na derrota de 1 a 0 para o Fluminense e cumprirá suspensão automática.

As frequentes modificações na defesa são o principal problema que o técnico Wanderley Luxemburgo vem enfrentando para escalar a equipe no Brasileiro. Na maioria dos jogos, o treinador é obrigado a recorrer a improvisações devido à ausência de jogadores titulares.

O lateral-esquerdo Cássio segue machucado. Em compensação, o lateral-direito Ânderson, que não atuou contra o River porque estava suspenso na Supercopa, volta.

Luxemburgo tem duas opções para compor a defesa. Uma delas é deslocar o volante Baiano para a vaga de Cássio e substituir Narciso por Sandro ou Jean. A outra é dispensar a presença de um homem fixo na lateral-esquerda e montar a defesa com três zagueiros.

Na hipótese de optar pelos três zagueiros, um deles será Ronaldão. As outras duas vagas são disputadas por Sandro, Jean e Ronaldo Marconato.

No meio-campo, o volante Marcos Assunção continua fora devido a contusão na região do púbis, problema crônico que acompanha o jogador desde quando atuava pelo Rio Branco, de Americana (SP).

Se Luxemburgo optar por Baiano na lateral-esquerda, a posição de volante será ocupada por Marcos Bazílio. Se o técnico decidir compor a defesa com três zagueiros, Baiano será o volante.

Luxemburgo cobra mais empenho de seus atletas

Após a derrota na Supercopa para o River Plate, na Argentina, o treinador santista, Wanderley Luxemburgo, cobrou mais empenho da equipe. Luxemburgo ficou irritado com a virada da equipe argentina, depois de o Santos estar com uma vantagem de 2 a 0 no placar.

A exemplo dos dois jogos anteriores nos quais o time foi derrotado, os santistas mais uma vez criticaram a arbitragem.

O juiz paraguaio Epifanio Gonzalez foi apontado como responsável pela derrota, devido ao terceiro gol do River Plate -supostamente marcado em impedimento- e à expulsão do zagueiro Ronaldão. No mesmo jogo, Sandro também foi expulso.

O Criciúma, alheio aos problemas santistas com os juízes, treinou duro para tentar manter a má fase do adversário. O esquema tático do time será o mesmo adotado na vitória contra o Palmeiras.

“O Criciúma jogará com muita vontade e forte marcação defensiva e ofensiva, como vem fazendo”, disse o técnico Sérgio Cosme.