Santos 0 x 1 São Paulo

Data: 23/11/2014, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada
Local: Arena Pantanal, em Cuiabá, MT.
Público: 33.247 torcedores
Renda: R$ 2.402.315,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra (SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Márcio Luiz Augusto (ambos de SP).
Cartões amarelos: Lucas Lima, Thiago Ribeiro, Edu Dracena e Alison (S); Osvaldo (SP).
Gol: Boschilia (09-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, Edu Dracena e Caju; Alison, Arouca, Souza (Geuvânio) e Lucas Lima; Robinho (Leandro Damião) e Gabriel (Thiago Ribeiro).
Técnico: Enderson Moreira

SÃO PAULO
Rogério Ceni; Paulo Miranda, Antônio Carlos, Edson Silva e Reinaldo; Auro (Denilson), Hudson, Boschilia (Michel Bastos) e Ademilson; Alexandre Pato (Luis Fabiano) e Osvaldo.
Técnico: Muricy Ramalho



São Paulo supera o Santos em Cuiabá e garante vaga na Libertadores

Em jogo fraco e com muitos erros, equipe de Muricy Ramalho levou a melhor e venceu por 1 a 0, com gol de Boschilia

Cansado pelo excesso de jogos e viagens, além de se preservar para a semifinal da Copa Sul-americana de quarta-feira, contra o Atlético Nacional, da Colômbia, o S ão Paulo mandou a campo um time inteiro reserva para encarar o Santos . Mesmo assim, o time de Muricy Ramalho venceu o clássico na Arena Pantanal, em Cuiabá, por 1 a 0, graças a gol do jovem Boschilia.

Com o resultado, o Tricolor já está garantido na próxima Copa Libertadores da América, em 2015. Já o Peixe chega a nove jogos sem vitória e cumpre tabela nos dois jogos restantes do Campeonato Brasileiro.

Na próxima rodada, a penúltima do Brasileirão, o Santos recebe o Botafogo na Vila Belmiro, as 17 horas de domingo. No mesmo dia e horário, o Tricolor recebe o Figueirense no Morumbi. Antes disso, porém, o São Paulo decide uma vaga na final da Copa Sul-americana contra o Atlético Nacional de Medelin, quarta-feira, as 22 horas, também no estádio da Capital paulista.

Desde o apito inicial do árbitro, ficou claro que o maior obstáculo das duas equipes seria o calor de 30ºC e a umidade que chegou a 62% durante o jogo na Arena Pantanal, em Cuiabá. E, também em função do forte calor, Santos e São Paulo não apresentaram um futebol digno da tradição do clássico San-São.

Nas poucas oportunidades que foram criadas, primeiro Gabriel reclamou de pênalti após receber passe dentro da área. A reclamação do santista foi de um puxão de Reinaldo, mas o juiz mandou o jogo seguir.

Sem qualquer emoção, a partida teve uma parada técnica aos 22 minutos para os jogadores se hidratarem e, após o reinicio, quem teve a oportunidade de abrir o placar foi o São Paulo. Já aos 40 minutos, Aranha fez linda defesa após chute forte de Ademilson. Na pressão dentro da área, Pato não alcançou a bola para escorar cruzamento e Hudson, da marca do pênalti, furou desperdiçando grande chance de marcar.

Na segunda etapa, o Santos voltou com Geuvânio e Thiago Ribeiro nas vagas de Gabriel e Souza. Geuvânio não atuava há um mês, desde a derrota para o Fluminense, na 30ª rodada. Enquanto isso, Thiago não atuava desde a vitória por 2 a 0 sobre o Goiás, na 25ª rodada. Do outro lado, Luis Fabiano entrou no lugar de Alexandre Pato, mais uma vez muito apagado.

Diferente da primeira etapa, o jogo pegou fogo no segundo tempo. Geuvânio, logo aos 7 minutos, ficou cara a cara com Rogério Ceni após furada de Edson Silva, porém, bateu fraco.

E o castigo veio dois minutos depois. Boschilia tabelou com Luis Fabiano, Reinaldo fez a assistência e o jovem bateu cruzado, sem chances para Aranha. A bola ainda bateu no pé da trave antes de entrar.

Em seguida, Geuvânio acertou um petardo de fora da área. A bola explodiu no travessão. Na sequência, Caju entrou na diagonal, recebeu passe de letra de Robinho, mas bateu fraco e Rogério pegou sem dificuldade. Lucas Lima também teve uma grande oportunidade de empatar, mas praticamente atrasou para o camisa 1 Tricolor.

Depois de mais uma parada técnica, desta vez aos 21 do segundo tempo, a partida caiu de ritmo. Leandro Damião ainda entrou no time do Peixe e Michel Bastos e Denilson foram chamados por Muricy, mas o placar não foi mais alterado e o São Paulo saiu de campo vitorioso mesmo com um time basicamente reserva. Já o Peixe, chegou ao nono jogo sem vitória.

Lucas Lima lamenta falta de capricho nas finalizações em derrota do Santos

Meia reclama dos erros do time e critica o fato de todos os chutes terem sido “em cima do Rogério Ceni”

A derrota no clássico deste domingo para o São Paulo por 1 a 0, na Arena Pantanal, em Cuiabá, somou mais um tropeço na série sem vitórias do time de Enderson Moreira. Agora, já são nove partidas sem sair de campo com o placar favorável. E, para o meia Lucas Lima, o Santos mais uma vez falhou no quesito finalização.

O próprio camisa 20 e também Geuvânio, Caju e Thiago Ribeiro tiveram chances claras de marcar ao menos um gol no rival da capital, mas pecaram no momento da definição. “Tivemos muitas chances de fazer gol e não fizemos. Finalizamos todas em cima do Rogério. Se tivéssemos caprichado mais, sairíamos com a vitória”, reclamou Lucas Lima.

Mais experiente, Arouca deixou o campo nitidamente irritado com o novo revés e se esquivou após ser questionado sobre o planejamento para o próximo ano.

“Isso não cabe a mim. Acho que pessoas lá de cima sabem muito bem”, disse o atleta, se referindo ao Comitê Gestor do clube. Além disso, Arouca comentou mais uma vez o problema de salários atrasados no elenco. “O presidente sempre foi bem claro, está se esforçando ao máximo. E nós estamos lutando, nos esforçando nos jogos, vamos fazer o Santos terminar com dignidade”, garantiu.