Santos 1 x 1 Atlético-PR

Data: 29/07/1998, quarta-feira, 15h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.554
Renda: R$ 65.040,00
Árbitro: Dacildo Mourão (CE).
Cartões amarelos: Alessandro, Athirson, Claudiomiro, Marcos Bazílio e Zetti (S); Adriano, Reginaldo e Renato (A).
Gols: Lucas (19-2) e Viola (41-2, de pênalti).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Jean e Athirson (Gustavo Nery); Claudiomiro, Marcos Bazílio, Jorginho (Fernandes) e Lúcio (Alessandro); Adiel e Viola.
Técnico: Emerson Leão

ATLÉTICO-PR
Flávio; Luizinho (Alberto), Reginaldo, Edinho Baiano e Dedê; Nilson, Paulo Miranda, Renato e Adriano; Tuta (Lucas) e Kelly (Caçapa).
Técnico: Abel Braga



Gol de pênalti no final salva o Santos

Empate em 1 a 1, em casa, com o Atlético-PR expõe deficiências no meio-campo e no ataque do time santista

Com um gol de pênalti aos 41min do segundo tempo, o Santos conseguiu empatar ontem em 1 a 1 com o Atlético-PR e se livrou de perder em casa.

Assim, o Santos chegou a quatro pontos e assumiu a liderança do Brasileiro, ao lado do Guarani. O Atlético-PR, com o segundo empate consecutivo, tem dois pontos.

Ontem, na Vila Belmiro, o Santos mostrou deficiências no meio-campo e no ataque. Nem os cruzamentos na área, uma das esperanças da equipe paulista neste Brasileiro, surtiram efeito.

No primeiro tempo, o Atlético-PR comportou-se como um visitante: jogou acuado atrás, marcando forte e tentando levar perigo ao gol santista apenas nos lances de contra-ataque.

A melhor chance do time paranaense ocorreu aos 8min, quando Kelly, caído, chutou de dentro da área para defesa de Zetti. Depois, limitou-se a algumas finalizações de longa distância.

Com maior posse de bola, o Santos buscava sobretudo as jogadas pelas laterais, mas não conseguia a conclusão.

Aos 32min, o meia Jorginho foi puxado dentro da área após receber passe de calcanhar de Viola, mas o árbitro Dacildo Mourão não marcou pênalti.

No final do primeiro tempo, o juiz pediu que fosse levantada a placa de dois minutos, para indicar o tempo de desconto que daria, mas encerrou a etapa com apenas 40 segundos de acréscimo.

Mudanças

No intervalo, o técnico Emerson Leão tirou os dois jogadores responsáveis pela armação do time paulista (Jorginho e Lúcio) e colocou Fernandes e Alessandro.

Com os dois times diminuindo um pouco a marcação, e o Atlético-PR atacando mais, o segundo tempo acabou sendo mais movimentado do que o primeiro.
Os dois times tiveram chances de gol, mas foi a equipe paranaense que acabou marcando primeiro.

Aos 19min, Lucas, que entrara no lugar de Tuta, chutou de fora da área. A bola desviou em Ânderson e enganou Zetti: 1 a 0.

Sem objetividade, o Santos teve muita dificuldade para chegar ao empate, o que só conseguiu aos 41min, quando Adiel sofreu pênalti, convertido por Viola.

No final, o árbitro Dacildo Mourão determinou quatro minutos de descontos, mas só encerrou o jogo após os 50min.



Santos quer vitória em bolas paradas (Em 29/07/1998)

O Santos tentará repetir contra o Atlético-PR, na Vila Belmiro, a fórmula que deu certo na vitória de 2 a 0 sobre o Bragantino no último domingo: os lances de bola parada com cruzamentos sobre a área adversária.

O técnico Leão interrompeu ontem várias vezes o treinamento coletivo para ensaiar esse fundamento. “Na primeira rodada do campeonato, 70% a 80% dos gols se definem em bola parada. Então, temos de aprimorar esse recurso”, declarou o treinador.

O objetivo é aproveitar a estatura e a impulsão do zagueiro Argel, do volante Claudiomiro e do atacante Viola -os dois últimos autores de gols de cabeça contra o Bragantino, na estréia no torneio.

“Nossa equipe tem jogadores altos, que sabem cabecear. Vamos explorar isso. Será um dos nossos pontos fortes”, disse Claudiomiro.
A diretoria do Santos ainda mantém as esperanças de contratar o atacante colombiano Aristizábal, do São Paulo.

O vice-presidente do clube, José Paulo Fernandes, disse aguardar uma definição do São Paulo a respeito da cessão do jogador.

O técnico Leão divulgou ontem os nomes de mais dois jogadores que se juntaram ao rol de tentativas fracassadas do Santos de contratar um jogador “de peso” para o lugar de Muller, que se transferiu para o Cruzeiro.

Segundo o treinador, um desses atletas foi o dinamarquês Michael Laudrup, convidado, por intermédio de um representante dele, a encerrar a carreira no Santos. Laudrup recusou porque, segundo Leão, pretende parar de jogar.

O outro atleta pedido pelo técnico foi o meia nigeriano Okocha, que acabou sendo negociado com o Paris Saint-Germain, da França.

Já no Atlético-PR a principal arma é a estréia do atacante Cléber, emprestado pelo Mérida (Espanha).

Ele foi o destaque do Coritiba no Brasileiro-97. O técnico do time paranaense, Abel Braga, disse esperar que ele repita o desempenho que teve no rival estadual, em 97, quando marcou dez gols.