Santos 3 x 1 Sport Recife

Data: 22/07/2015, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.370
Renda: R$ 198.185,00
Árbitro: Paulo Henrique de Melo Salmazio (MS)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Fabiano da Silva Ramires (ES).
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Ricardo Oliveira, Werley e Elano (S); Renê, Ferrugem e Rodrigo Mancha (SR).
Gols: Gabriel (02-1), Gabriel (35-1) e Diego Souza (39-1); Geuvânio (12-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Werley, David Braz e Zeca; Renato, Paulo Ricardo e Marquinhos Gabriel (Elano); Geuvânio, Gabriel (Rafael Longuine) e Ricardo Oliveira (Nilson).
Técnico: Dorival Junior

SPORT RECIFE
Danilo Fernandes; Ferrugem, Ewerton Páscoa, Durval e Renê; Rithely (Wendel), Rodrigo Mancha, Diego Souza, Élber (Régis) e Marlone (Samuel); André.
Técnico: Eduardo Baptista



Peixe bate o Sport na Vila Belmiro e se classifica na Copa do Brasil

O Santos conseguiu reverter a vantagem do Sport e garantiu sua vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Depois de perder por 2 a 1 na Ilha do Retiro, o Peixe deu o troco e, com uma vitória por 3 a 1, na Vila Belmiro, avançou na competição disputada em mata-mata, nesta quarta-feira.
Gabriel abriu o placar logo aos dois minutos de jogo nesta quarta-feira e ampliou ainda na primeira etapa. Diego Souza, porém, diminuiu em cobrança de falta antes do término do primeiro tempo. Mas Geuvânio acabou com as chances de o duelo ser decidido nos pênaltis com um belo gol no segundo tempo.

Agora, um sorteio na CBF definirá os confrontos da próxima fase, que terão as equipes que disputaram a Libertadores da América somadas à disputa. Com a eliminação, o Sport agora terá o direito de disputar a Copa Sul-Americana. Até por isso, a desclassificação desta quarta-feira acabou não sendo muito lamentada pelos jogadores pernambucanos, já que a competição internacional também dá uma vaga na próxima Libertadores da América ao campeão.

As duas equipes voltam a jogar pelo Campeonato Brasileiro neste fim de semana. No sábado, o Sport visita o Grêmio, em Porto Alegre, às 19h30. O Peixe joga no domingo, de novo na Vila, às 11 horas, contra o lanterna Joinville.

O Rubro-Negro pernambucano é o quarto colocado na tabela de classificação do Nacional, com 27 pontos, enquanto o Alvinegro Praiano é apenas o 17º, primeiro time dentro da zona de rebaixamento, com 13 pontos nas mesmas 14 rodadas disputadas até aqui.

O jogo

O Peixe começou a partida do jeito que o torcedor queria. Com postura de decisão e partindo para cima. E a pressão inicial deu tão certo que logo aos 2 minutos, Gabriel abriu o placar e encheu o santista de esperança. Na jogada, Zeca recebeu pela esquerda, cortou para dentro e lançou o jovem atacante, que entrou no facão, furando a linha de impedimento do Sport para marcar.

No lance seguinte, jogada pela direita do ataque do Santos e novamente a bola sobrou para Gabriel, que bateu firme, mas errou o alvo desta vez. Era pressão alvinegra na Vila.

Desta forma, com as linhas avançadas, o time de Dorival Jr jogava com os zagueiros na linha do meio de campo, forçado uma compactação que, talvez, o Rubro-Negro pernambucano não esperava. Atordoado, o Sport mal conseguia chegar à meta de Vanderlei. Apenas arriscava algumas jogadas pela esquerda, com Marlone, mas sem oferecer riscos.

A marcação avançada do Peixe, porém, durou apenas 20 minutos. Após isso, o Leão se encontrou em campo e passou a tocar mais a bola. Aos 22, Werley quase entregou o ouro ao afastar mal uma bola alçada na área. Diego Souza pegou a sobra e bateu de primeira, já dentro da área, mas a bola desviou no zagueiro e saiu por cima.

O alívio veio aos 35. Renê recuou mal de cabeça e deu um presente a Ricardo Oliveira, que teve apenas o trabalho de dominar e cruzar rasteiro para Gabriel empurrar para as redes. 2 a 0 Peixe.

Porém, após um bom primeiro tempo, o Santos acabou castigado aos 39 minutos. Werley cometeu falta em Diego Souza na entrada da meia-lua. O próprio meia bateu forte e contou com o vacilo de Marquinhos Gabriel, que virou o corpo na barreira e desviou a bola para o gol. Com isso, com apenas um chute a gol, o Leão conseguiu descer para os vestiários com a disputa igual, já que venceu a primeira partida pelos mesmos 2 a 1.

O segundo tempo teve um panorama bem diferente da primeira etapa. O Sport resolveu mudar sua atitude em campo e o Santos, surpreendentemente, voltou recuado em seu campo, apenas tentando evitar o bom toque de bola dos pernambucanos.

Porém, apesar do aparente domínio, os visitantes não conseguiam finalizar. Já o Peixe, apesar da pouca posse de bola, acabou marcando seu terceiro gol aos 12 minutos. Renato acertou um belo lançamento e encontrou Geuvânio nas costas do zagueiro Éwerton Páscoa. O camisa 11 aguardou o quique da bola e bateu de sem pulo para balançar as redes.

Empolgado, o Peixe quase chegou ao quarto gol em chute despretensioso de Gabriel, pela direita. Danilo Fernandes tocou na bola, que ainda bateu na trave antes de sair pela linha de fundo.

O Sport respondeu aos 19 com chute de longe de Diego Souza, que assustou Vanderlei. Mas a Vila Belmiro se calou mesmo, por alguns segundos, aos 26, quando o Rubro-Negro pernambucano chegou ao ataque tocando rápido e encontrou Wendel, livre na entrada da área. O jogador pegou de primeira e a bola raspou a trave, no ângulo direito do camisa 1 santista.

O jogo ficou completamente aberto na segunda metade da etapa complementar. O Sport se lançou de vez ao ataque, já que um gol lhe daria a classificação, enquanto o Peixe criava perigo sempre que saía nos contra-ataques em busca de liquidar o jogo de uma vez por todas.

Mas, como ninguém mais balançou as redes, mesmo com muita pressão do Sport nos minutos finais, o Peixe garantiu sua vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil e, consequentemente, colocou os pernambucanos na disputa da Copa Sul-Americana.

Bastidores – Santos TV:

Ricardo Oliveira se empolga com pegada do Peixe e planeja reação

Ninguém no Santos consegue negar que a situação no Campeonato Brasileiro incomoda. E, nesta quarta-feira, quem pagou o pato por essa ‘raiva’ dos jogadores santistas foi o Sport, derrotado por 3 a 1 na Vila Belmiro, dando adeus à Copa do Brasil e rumando à disputa da Copa Sul-Americana.

Após a partida, acompanhada por quase 9.000 torcedores (houve promoção no preço dos ingressos), Ricardo Oliveira fez questão de ressaltar a importância da classificação às oitavas de final.

“Temos que ressaltar a pegada, o compromisso, a parceria dentro de campo. Isso foi fundamental para conseguirmos os triunfos. Devemos valorizar essa cara agressiva que tivemos contra o Figueirense e que repetimos no primeiro tempo. Tomamos gol, mas o time foi intenso. Isso é importantíssimo para nós”, avaliou o camisa 9, sem negar que a zona de rebaixamento no Brasileirão é o que mais deixa a equipe preocupada. “Já passou do tempo de sair dali.”

Artilheiro do Peixe e do Campeonato Brasileiro, Ricardo Oliveira também minimizou o fato de ter passado em branco nesta quarta-feira, com apenas uma assistência para o segundo gol de Gabriel – Geuvânio completou o placar.

“Sempre ressaltei que minha função é fazer gol, mas, acima de marcar gol, quero ver meu time ganhar. Se eu não fizer e o time vencer, estou feliz do mesmo jeito. O mais importante é todo o mundo estar feliz, é descer no vestiário e ver todo o mundo comemorando junto”, explicou.

Empolgado, o capitão santista agora quer que o time mantenha a postura e não teme qualquer adversário na sequência da temporada. “Essa é a nossa cara. O time não pode mudar com esse compromisso, com essa pegada. Com esse comprometimento, ninguém vai ganhar da gente. Agora é ganhar os jogos, no Campeonato Brasileiro tem que ganhar”, afirmou, ressaltando a força da Vila Belmiro durante o duelo contra o Sport, nesta quarta-feira.

“Sempre gosto de jogar aqui na Vila. É o alçapão, e precisamos deles (torcedores) todos os jogos. O torcedor tem que acreditar no nosso time, como fez hoje (quarta). E o time precisa cooperar. Não merecemos continuar nessa zona do campeonato”, encerrou o centroavante, que está suspenso e não enfrentará o Joinville neste domingo.

Dorival aprova postura do Santos, mas vê time melhor em clássico

O Santos se caracterizou no Campeonato Brasileiro por sair na frente em quase todas as partidas e acabar derrotado por causa de gols sofridos nos minutos finais dos jogos. Nesta quarta-feira, a equipe sofreu forte pressão do Sport, na Vila Belmiro, mas suportou e, com a vitória por 3 a 1, garantiu vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil, depois de perder o jogo de ida por 2 a 1. Ao analisar a partida, Dorival Júnior, que comandou o time apenas pela terceira vez, evitou comparar as situações, mas elogiou a forma como seus comandados se comportaram em campo.

“Foi uma coincidência. O Santos saiu na frente em alguns jogos e os gols saíam nos últimos minutos. Isso é um fator de campo. Não dá para trabalhar. Pegamos uma equipe dificílima de se jogar. Sabíamos que seria um jogo para arriscar. O Santos ficaria à mercê do que o Sport explora bem, os contra-ataques. Evoluímos de maneira compacta, com a chegada de seis jogadores na área”, explicou.

O gol de Diego Souza, aos 39 minutos do primeiro tempo, deu um balde de água fria na equipe e na torcida santista, já que o Peixe havia aberto 2 a 0 e os pernambucanos não tinham acertado o gol nenhuma vez até então. A reação na segunda etapa também foi destacada pelo treinador.

“Tivemos algumas precauções importantes. Sofremos o primeiro gol no primeiro tempo e depois tivemos chance de ampliar. De repente, o gol de falta tira uma possível vantagem. Mas isso também foi bom para entrarmos mais ligados no segundo tempo. Foi uma postura que favoreceu”, comentou.

Apesar da vitória e da classificação, Dorival se manteve frio e, durante a entrevista coletiva, voltou a elogiar a atuação diante do Palmeiras, no último domingo, no Palestra Itália. Mesmo com a derrota por 1 a 0 na ocasião, o técnico entende que nem mesmo a atuação do Santos nesta quarta-feira foi superior.

“Os melhores 90 minutos do Santos foram contra o Palmeiras e tivemos derrota. A equipe está melhorando e pode produzir mais ainda. Alguns jogadores buscam adaptação. Eu mesmo estou em processo de conhecimento do elenco”, explicou, sem deixar de valorizar a entrega frente ao Sport, quarto colocado no Campeonato Brasileiro.

“Ímpeto de luta: isso o Santos tem que resgatar. Foi um jogo fundamental. A exigência é grande para qualquer equipe que jogue contra o Sport”, completou.

Entrada de Elano
Logo aos seis minutos do segundo tempo, vencendo por 2 a 1, resultado que levaria a definição do para os pênaltis, Dorival Jr. surpreendeu e colocou Elano na vaga de Marquinhos Gabriel. Após o jogo, o técnico justificou a alteração em um momento que o Sport tinha a iniciativa de atacar.

“O Sport já começava a ter mais posse de bola e a nossa marcação não era tão agressiva. Com o Elano, um homem mais experiente, com menor mobilidade, mas um posicionamento um pouco mais consistente, teríamos uma melhora. Trabalhamos mais a bola. O segundo tempo estava diferente de como acabou o primeiro. Tentei a corrigir e sacrifiquei o Marquinhos, mesmo com ele tendo uma atuação muito boa. Talvez até melhorasse, mas tive que tomar uma decisão”, explicou.

Neste domingo, o Peixe voltará a campo e espera aproveitar a empolgação pela vitória na Copa do Brasil para deixar a zona do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Às 11 horas, a equipe de Dorival Jr. receberá o lanterna Joinville na Vila Belmiro. Vale destacar que Ricardo Oliveira e Neto Berola estão suspensos pelo terceiro cartão amarelo.

Elano fala em “jogo de homem” e revela conversa com torcedores no CT

Elano entrou logo no início da segunda etapa e colaborou com toda sua experiência para que o Santos alcançasse o terceiro gol e cravasse sua vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil, com a vitória por 3 a 1 sobre o Sport, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. Com a situação incômoda da equipe no Campeonato Brasileiro, o meio-campista fez questão de valorizar a classificação em cima de um time que é o quarto colocado na principal competição do país.

“Temos que valorizar as vitórias. O Sport está fazendo um grande ano, é um grande time. O Santos está de parabéns, mas temos que manter os pés no chão”, comentou. Além disso, Elano revelou que alguns torcedores do clube foram ao CT Rei Pelé conversar com os jogadores antes da decisão desta quarta e se mostrou emocionado com a atitude.

“Durante a semana, cerca de 20 torcedores e cada torcida (organizada) do Santos foram ao CT e pediram para conversar com a gente. E sabe o que eles falaram? ‘Nós estamos com vocês. Precisamos de vocês para dar a vida dentro do campo’”, afirmou um dos grandes ídolos da história do Santos.

“O Santos só sai dessa situação porque tem esse tipo de coisa. O Santos é diferente. Hoje (quarta), tinha que ser com coração, jogo de homem. Hoje nós tínhamos que ganhar. Graças a Deus, deu tudo certo, mas agora é colocar os pés no chão, porque domingo tem mais”, finalizou.