Ponte Preta 3 x 1 Santos

Data: 26/03/2015, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 12ª rodada
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, SP.
Público: 4.907 pagantes
Renda: R$ 131.070,00
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho
Auxiliares: Alberto Macedo e Renata Ruel Xavier de Brito
Cartões amarelos: Fernando Bob, Jeferson e Rildo (PP); Cicinho, Valencia e Elano (S).
Cartões vermelhos: Valencia e Cicinho (S)
Gols: Biro Biro (29-1), Bruno Silva (35-1); Gabriel (56s-2) e Rildo (05-2).

PONTE PRETA
João Carlos; Rodinei, Tiago Alves, Pablo e Jeferson; Josimar, Bruno Silva, Fernando Bob e Renato Cajá (Adrianinho); Biro Biro (Thomás) e Rildo (Roni).
Técnico: Guto Ferreira

SANTOS
Vanderlei (Vladimir); Cicinho, Werley, David Braz e Vitor Ferraz; Valencia, Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Thiago Ribeiro), Gabriel (Elano) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes



Ponte acaba com invencibilidade do Santos, que perde a ponta

O Santos chegou para o duelo desta quinta-feira à noite, em Campinas, defendendo uma invencibilidade de 14 jogos. Mas o time de Marcelo Fernandes não resistiu e acabou derrotado pela Ponte Preta no estádio Moisés Lucarelli, que terminou a partida ao som de “olé” vindo da arquibancada.

O jogo teve um primeiro tempo alucinante da Macaca, que fez dois a 2 a 0 com Biro Biro e Bruno Silva. Antes dos cinco minutos da etapa final, Gabriel diminuiu, mas logo Rildo, ex-atacante do Peixe, voltou a fazer a festa da torcida de Ponte.

O Santos ainda terminou a partida com nove jogadores em campo, pois Valencia e Cicinho receberam o cartão vermelho do árbitro do jogo no segundo tempo.

A derrota, além de marcar a primeira derrota do alvinegro praiano em 2015, tira o clube da liderança geral do Campeonato Paulista, já que mais cedo o Corinthians venceu o Penapolense e chegou aos 32 pontos.

O time santista se mantém com 29, com a classificação e a ponta do Grupo D garantidas. Enquanto isso, a Ponte vai aos 25 pontos e se mantém perto de alcançar a segunda vaga do Grupo B.

O jogo

A Ponte Preta entrou em campo decidida a acabar com a série invicta do Santos no Campeonato Paulista. O time de Guto Ferreira iniciou o jogo com a marcação avançada e com muita disposição. O Peixe, sem Robinho, demorou para se encontrar.

Antes dos 10 minutos, o goleiro Vanderlei teve de trabalhar duas vezes em chutes de fora da área de Renato Cajá e Biro Biro. Aliás, o atacante da Macaca infernizou o lateral Vitor Ferraz.

Aos 19, a Ponte Preta quase marcou de novo. Vanderlei dividiu com Rildo. Na sobra, Biro Biro preferiu limpar o lance antes de bater a acabou travado.

Dez minutos depois, a Ponte Preta abriu o placar.

Após cobrança de escanteio, o Santos afastou mal. Renato Cajá lançou para Biro-Biro, que dominou e bateu no ângulo. Foi o sexto gol do jogador, artilheiro do clube de Campinas no Campeonato Paulista.

Aos 34, Gabriel teve uma grande chance para empatar. Gabriel saiu cara a cara com o goleiro João Carlos. O atacante santista driblou o adversário, mas pegou muito mal na bola e viu o goleiro voltar a tempo de evitar o empate.

No lance seguinte veio o castigo. Renato Cajá cobrou falta na área e Bruno Silva mandou a bola para as redes após aproveitar o próprio rebote.

A segunda etapa começou ainda mais eletrizante. Antes do cronómetro marcar o primeiro minuto, o Peixe diminuiu a vantagem dos donos da casa.

Lucas Lima cruzou, Ricardo Oliveira cabeceou, mas João Carlos fez linda defesa. Na sequência do lance, Gabriel aproveitou cruzamento e marcou seu gol.

Porém, o balde de água fria e a prova de a noite não era santista chegou quatro minutos depois. Rildo, atacante que defendia o time de Vila Belmiro até o ano passado, arriscou de fora da área e contou com o desvio em Cicinho para fazer 3 a 1.

Geuvânio chegou a assustar aos 8 minutos, mas novamente parou no goleiro da Ponte Preta e, à partir daí, o Santos parecia entregue em campo.

Irreconhecível, a equipe de Marcelo Fernandes não fez um bom jogo tanto coletivamente quando individualmente. Muitos jogadores estiveram abaixo de seus rendimentos normais e a Macaca apenas administrou o placar até o fim.

Antes do apito final, o Peixe ainda perdeu Valencia, expulso após parar contra-ataque da Ponte quando era o último homem antes do goleiro, e Cicinho, que também recebeu o cartão vermelho, mas por jogada violenta já nos acréscimos.

O susto do confronto ficou por conta Vanderlei. O camisa 1 santista se chocou com Rildo, que sem intenção bateu o joelho no rosto do goleiro. Sangrando muito e com suspeita de fratura, Vanderlei precisou ser substituído por Vladimir e foi direto para o hospital mais próximo com suspeita de fratura no nariz.

Derrota não abala elenco santista: “Não tem alarme a ser tocado”

A derrota para a Ponte Preta nesta quinta-feira à noite acabou com uma série de 14 jogos, 12 nesta temporada, de invencibilidade do Santos. Além disso, a equipe da Baixada Santista perdeu a liderança da classificação geral do Campeonato Paulista para o arquirrival Corinthians, que goleou o Penapolense em casa e ficou três pontos à frente na tabela a três rodadas do fim da primeira fase.

Nada disso, porém, tirou a tranquilidade dos jogadores santistas.

“Talvez, em alguns momentos, faltou calma, mas faz parte do jogo. Enfrentamos um grande adversário, mas volto a dizer que perdemos a primeira na temporada. Não tem alarme a ser tocado, é um toque de atenção”, disse Ricardo Oliveira, que não fez um bom jogo nesta quinta. “Temos jogos para recuperar. Acho que o que deu errado foi a atenção, enfrentamos uma boa equipe, sabíamos da dificuldade, acabamos tendo erros pontuais que complicaram um pouco mais”, analisou o centroavante.

Lucas Lima, que participou do único gol do Peixe no confronto válido pela 12º rodada do Estadual, também minimizou a primeira derrota do time na temporada.

“Sabia que uma hora iríamos perder. Fizemos um primeiro tempo abaixo, tomamos dois gols, depois foi um gol bobo, mas serve de alerta, temos que melhorar a cada jogo”, comentou o camisa 20.

A última derrota santista havia acontecido em novembro, no clássico contra o São Paulo, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro. Esses números, segundo Lucas Lima, são determinantes para que o elenco não se abale em função do revés.

“Estamos em uma sequência boa que, infelizmente, foi interrompida, mas o trabalho está sendo bem feito, é só ver os números. É bom perdermos também para acertarmos”, finalizou.

Vanderlei vai a hospital com suspeita de fratura; Rildo pede desculpas

Rildo e Vanderlei protagonizaram uma cena forte no segundo tempo do confronto desta quinta-feira entre Ponte Preta e Santos. Durante a vitória por 3 a 1 da Macaca, os dois jogadores se chocaram em uma disputa de bola, e o goleiro santista acabou levando a pior.

Rildo recebeu um passe longo e correu para alcançar a bola. No entanto, Vanderlei chegou primeiro e, com o corpo deslizando pelo gramado, fez a defesa. Porém, o atacante não conseguiu parar e acabou acertando uma forte joelhada no rosto do companheiro de profissão.

“Foi uma infelicidade, eu tentei pular, mas não consegui. Tentei pedir desculpas no campo, mas peço de novo. Já mandei as desculpas pelos meus ex-companheiros, espero que ele se recupere o mais rápido possível”, disse Rildo, logo após a partida no estádio Moisés Lucarelli.

Com uma hemorragia que se iniciou logo após o choque, Vanderlei teve de ser substituído por Vladimir e foi levado ao hospital Mario Gatti, em Campinas.

Acompanhado pelo médico Mauricio Zenaide, o jogador vai realizar uma tomografia da face para que um diagnóstico correto seja feito. Tudo indica que Vanderlei realmente fraturou o local, mas a confirmação só será feita após os resultado do exame.

Ao ser questionado sobre o lance, o técnico Marcelo Fernandes não escondeu sua irritação.

“Foi uma jogada, no meu modo de ver, desnecessária. Está com suspeita de afundamento de um monte de coisa. Eu deixo para vocês (jornalistas) avaliarem. No campo, eu achei desnecessária, porque a bola já estava com ele (Vanderlei). Agora é rezar para que nada de mal aconteça”, afirmou o técnico.

Rildo atuava pelo Peixe até o fim do ano passado e deixou a equipe da Baixada Santista na janela deste início de ano para retornar ao clube de Campinas, onde se destacou em 2013. Ao marcar o terceiro gol da Macaca na vitória desta quinta, o atacante negou que tenha algum tipo de rancor pelo ex-clube.

“Eu tenho um carinho muito grande pelo Santos, não tem gosto especial. Eu fui feliz no Santos, mas hoje estou na Ponte e o mais importante é que consegui ajudar na vitória”, encerrou Rildo.

Marcelo Fernandes culpa 1º tempo ruim por derrota e cutuca arbitragem

A Ponte Preta ditou o ritmo do confronto diante do Santos praticamente durante todo o jogo. Em casa, a Macaca marcou com agressividade e também contou com uma noite infeliz da maioria dos jogadores santistas, nesta quinta-feira. “A Ponte jogou muito bem e nós colaboramos”, resumiu o técnico Marcelo Fernandes.

Na derrota por 3 a 1, o primeiro tempo apático que deixou o placar parcial em 2 a 0 foi dito como o grande vilão e responsável pelo primeiro revés do Peixe no ano.

“O primeiro tempo deixou a desejar, não era o que tínhamos combinado. No intervalo, o pessoal se cobrou muito, mas é normal. A derrota aconteceu, perde todo mundo. Quando ganhava, ganhava todo mundo, vamos dar sequência”, comentou o treinador alvinegro, lamentando os gols oriundos de cobranças de escanteio e uma falta lateral. “A gente não pode dar mole em nenhum momento, tomamos dois gols de bola parada e a gente sempre foi firme nesse setor”, lembrou.

Além de um desempenho abaixo do que o time vem apresentando neste Campeonato Paulista, a partida no estádio Moisés Lucarelli também teve lances polêmicos. O árbitro do jogo expulsou Valencia e Cicinho no segundo tempo, deu apenas um cartão amarelo para Rildo no lance em que o goleiro Vanderlei precisou ser substituído com suspeita de fratura na face e ainda validou o primeiro gol da Ponte Preta no jogo em jogada que o tira-teima mostrou posição irregular de Biro Biro. Estes fatos geraram um incômodo por parte do técnico Marcelo Fernandes.

“Não vou entrar em polêmica de arbitragem, acho que a expulsão do Cicinho foi um pouco pesada, o primeiro gol, pelo que escutei de vocês (jornalistas) tinham jogadores impedidos, o próprio lance do Vanderlei… Se você fez essa pergunta é porque alguma coisa aconteceu, mas eu deixo para vocês analisarem”, se esquivou.

Mesmo diante de uma quinta-feira desastrosa, Marcelo Fernandes evitou lamentações e lembrou que o foi apenas a primeira derrota da equipe depois de 14 jogos. “Temos uma gordura ainda, ainda temos partida domingo, é levantar a cabeça porque vamos voltar a vencer. Vai servir de lição, o pessoal está unido”, finalizou.