São Paulo 1 x 2 Santos

Data: 22/10/2005, sábado, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 33ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 4.607 pagantes
Renda: R$ 75.895,00
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (Fifa/RS)
Auxiliares: José Antônio C. F. Filho (RS) e Marcos Viana Ibanez (RS)
Cartões amarelos: Thiago e Lugano (SP); Halisson, Heleno e Basílio (S).
Gols: Renan (05-2, contra), Geílson (16-2) e Amoroso (25-2).

SÃO PAULO
Rogério; Cicinho, Lugano, Fabão e Richarlysson (Fábio Santos); Renan (Leandro Bomfim), Denílson, Josué e Danilo (Amoroso); Thiago e Christian.
Técnico: Paulo Autuori

SANTOS
Mauro; Paulo César, Rogério, Halisson e Kleber; Fabinho, Heleno, Ricardinho e Luciano Henrique (Léo Lima); Basílio (Diego) e Geílson (Cláudio Pitbull).
Técnico: Nelsinho Baptista



Santos bate São Paulo no clássico e Rogério Ceni leva gol inédito

Foi a primeira vez que o goleiro são paulino foi vazado após erro em cobrança de falta

Um clássico em ritmo de treino e com lances atípicos. Na conclusão da 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, São Paulo e Santos fizeram na noite deste sábado um jogo no mínimo inusitado em que o time do litoral levou a melhor, triunfando por 2 a 1 em pleno estádio do Morumbi.

Contaminadas pelo desinteresse que ameaça tomar conta de suas campanhas finais, as duas equipes protagonizaram um primeiro tempo sem emoção e “horrível”, na opinião do goleiro Rogério Ceni. No entanto, após o intervalo, jogadas pouco comuns garantiram a vitória santista.

Com um desempenho fraco para quem almeja uma vaga na próxima Copa Libertadores de 2006, o time alvinegro acabou premiado por falhas do adversário. O primeiro gol dos visitantes foi anotado por Renan, contra.

Já o segundo surgiu em cobrança de falta mal executada por Rogério Ceni, que não conseguiu voltar a tempo para baixo do travessão para evitar que Geílson estufasse as redes. O Santos não deixou por menos e devolveu o favor na mesma moeda. Mauro falhou feio em cobrança de falta e Amoroso, oportunista, ganhou o gol de bandeja.

A vitória desta noite foi a segunda de Nelsinho Baptista à frente do Santos. No comando da equipe há seis rodadas, o treinador acumula agora dois triunfos, dois empates e duas derrotas. Com 52 pontos, o time praiano sobe para a sexta colocação e segue na briga por vaga na Libertadores.

O São Paulo, por sua vez, sofre sua segunda derrota consecutiva no Brasileirão, já que perdeu para a Ponte Preta na rodada passada. Sem maiores pretensões no campeonato e utilizando os jogos que lhe restam como preparação para o Mundial de Clubes em dezembro, a equipe de Paulo Autuori segue com 44 pontos, aparecendo em 11º lugar.

O Santos volta a campo nesta quarta-feira, quando visita o Vasco em São Januário, no Rio de Janeiro. O São Paulo terá menos tempo para descansar, pois volta ao gramado do Morumbi segunda-feira para fazer o clássico remarcado com o Corinthians.

O jogo

A partida começou em ritmo de treino, principalmente pelos lados do Santos. Apático, o time do litoral não parecia o atual campeão nacional e foi presa fácil para o rival nos minutos iniciais. Mais contundente, o São Paulo foi o primeiro a criar boas chances de gol.

Depois de dois chutes de longa distância de Danilo, ambos para fora, a equipe de Paulo Autuori começou a desperdiçar as melhores oportunidades. Aos 9min, o jovem Thiago roubou a bola de Rogério e viu o campo todo aberto para chegar à área. No entanto, ele se atrapalhou com a bola e permitiu a recuperação do zagueiro.

Christian também tentou assustar Mauro em cabeceio aos 22min, mas, desequilibrado, não levou perigo à meta adversária. Do outro lado do campo, Rogério Ceni pouco apareceu até os 30min, período em que não precisou fazer nenhuma defesa muito importante.

Os destaques do primeiro tempo, no entanto, foram mesmo o excessivo número de erros de passes das duas equipes e a falta de criatividade dos setores de armação. Exagerando nos burocráticos toques de lado, os times mostraram pouca objetividade e interesse ofensivo.

Após o intervalo, o que faltou de emoção no primeiro tempo teve em cinco minutos de bola rolando na etapa final. Mal o árbitro autorizou o reinício da partida, Christian tabelou com Josué e recebeu livre na área, mas chutou completamente errado e mandou sobre o travessão, perdendo chance clara.

E se os atacantes do Santos estiveram apagados, Renan decidiu ajudá-los. Aos 5min, após cruzamento da esquerda, o volante do São Paulo subiu com estilo, mas cabeceou na direção errada, marcando gol contra e colocando a equipe visitante em vantagem no placar.

Rogério Ceni também colaborou com o adversário. Aos 16min, o goleiro carimbou a barreira em cobrança de falta, proporcionando contra-ataque que Geílson, com tranqüilidade, finalizou mandando para o fundo das redes. O camisa 1 tricolor ficou no meio do caminho.

Mas o show de trapalhadas não parou por aí. Mauro “decidiu” contribuir para o espetáculo e falhou feio. Fabão bateu falta sem força, mas o goleiro rebateu bola fácil nos pés de Amoroso, que havia entrado há pouco e mostrou oportunismo para diminuir a vantagem santista. O próprio atacante teve outra chance no final, mas errou a pontaria.