O Santos fechou a contratação de Ariel Holan para substituir Cuca. O técnico argentino ex-Universidad Católica (CHI) chega para um vínculo até dezembro de 2023.

À procura de auxiliares para a sua comissão técnica, Ariel Holan deve chegar ao Peixe até o fim dessa semana, com a estreia prevista apenas para o Campeonato Paulista. O contrato até dezembro de 2023 está apalavrado e será anunciado pelo clube nesta segunda-feira.

Holan gostaria de trazer da Universidad Católica o auxiliar Juan Esparis e o preparador físico Facundo Peralta, mas a dupla não deve vir ao Brasil. Esparis por questões pessoais, enquanto Peralta quer continuar no Chile.

Ariel Holan tem uma equipe particular de analistas de desempenho. A princípio, os três devem continuar com o argentino e não na folha salarial do Peixe. Esse tema, porém, ainda será debatido.

Holan estava no topo da lista do Santos desde o início da procura por um técnico, há mais de duas semanas. A pedida inicial foi alta. Na sequência, o clube conseguiu um “desconto” e passou a avançar na negociação. O valor da comissão técnica será de pouco menos de R$ 600 mil.

O Santos analisou outras opções, como Hernán Crespo, Tiago Nunes e Beccacece. No caso de Crespo, o salário de mais de R$ 1 milhão inviabilizou qualquer papo e ele foi para o São Paulo. Com Nunes e Beccacece, a preocupação foi a mesma: o relacionamento com o elenco. Ambos têm histórico de problemas com atletas e colegas.

Com Holan, o Alvinegro fica satisfeito por aliar projeto de futebol e bom convívio. Sair de Cuca, adorado pelos jogadores, para Tiago Nunes ou Beccacece poderia significar uma ruptura no dia a dia do CT Rei Pelé.

Holan tem 60 anos e foi aprovado pelo departamento de futebol e pela análise de desempenho. O argentino começou no Defensa y Justicia em 2015 e passou por Independiente e Universidad Católica. Antes, foi auxiliar e desempenho e técnico de hóquei sobre a grama.

A chegada de um treinador tarimbado dividiu opiniões no Comitê de Gestão. Para alguns, o comandante seria o único reforço possível neste momento e demanda investimento. Para outros, era momento de economizar e diminuir a folha da comissão técnica. O primeiro pensamento “venceu”.

Votação
O Comitê de Gestão deliberou sobre Ariel Holan por alguns dias. Mais do que maioria simples para a aprovação, o presidente Andres Rueda buscou um consenso.

Quem foi a favor ou contra a chegada de Holan expôs seus argumentos em grupo no Whatsapp. A chegada de um treinador tarimbado dividiu opiniões. Para alguns, o comandante é o único reforço possível neste momento e demanda investimento. Para outros, era momento de economizar e diminuir a folha da comissão técnica. O primeiro pensamento “venceu”.

Cuca
O Santos gostaria de ter Cuca para a partida contra o Bahia na próxima quinta-feira, em Salvador, no encerramento do Campeonato Brasileiro, mas o técnico foi liberado para cuidar de sua família. A mãe e uma das filhas estão internadas com covid-19.

Dessa forma, o auxiliar Marcelo Fernandes deve dirigir o Peixe. O Alvinegro empatou com o Fluminense na despedida de Cuca e está perto da classificação para a Pré-Libertadores.

Holan curioso
Enquanto deixou a questão financeira e contratual para seus representantes, Ariel Holan buscou informações sobre o Santos. Ele falou com colegas de profissão e perguntou ao Peixe sobre questões específicas, como quantidade de campos e uso da tecnologia no departamento de análise de desempenho.

Holan tem vontade antiga de trabalhar no Brasil e viu o Santos como ótima porta de entrada por sua história, presença de jogadores de destaque como Marinho e Soteldo e a predisposição a revelar jovens da base.

Ariel Holan está disposto a trabalhar com a realidade do Santos, de não contratar e correr o risco de perder outros atletas. Os reforços podem chegar só no segundo semestre.

Ariel Holan define auxiliar e preparador físico antes de chegar ao Santos

Ariel Holan definiu seu auxiliar técnico para o trabalho no Santos: Víctor Bernay, de 50 anos e também argentino, será o braço direito do novo comandante do Peixe.

Bernay foi auxiliar de Pedro Troglio em clubes como Gimnasia e Argentinos Juniors e, mais recentemente, dirigiu as categorias de base do Cerro Porteño (PAR) e chegou a assumir o time principal por alguns jogos após a saída de Miguel Angel Russo em 2019.

O preparador físico deve ser Diego Giacchino, argentino de 47 anos. Ele tem passagens por Independiente, Banfield e seleções do Irã e da Colômbia. A princípio, o treinador virá com apenas dois profissionais.

Ariel Holan gostaria de trazer da Universidad Católica o auxiliar Juan Esparis e o preparador Facundo Peralta, mas a dupla não virá ao Brasil. Esparis por questões pessoais, enquanto Peralta quis continuar no Chile.

E Holan tem uma equipe particular de analistas de desempenho. Em um primeiro momento, os três devem continuar com o argentino e não na folha salarial do Alvinegro.

Ariel Holan assinou com o Santos até dezembro de 2023. À espera da confirmação do voo para sexta ou sábado, ele deve ficar nas tribunas do Canindé diante do Santo André, no domingo, pela primeira rodada do Campeonato Paulista. A estreia pode ocorrer na Vila Belmiro contra a Ferroviária, no dia 3.

Com o auxiliar Marcelo Fernandes, o Peixe enfrentará o Bahia nesta quinta-feira, em Salvador, pelo encerramento do Brasileirão, e depois o Santo André. Pará, Luan Peres, Felipe Jonatan, Alison, Soteldo e Lucas Braga ganharam folga e voltam na próxima terça-feira.

Ariel Holan é o 17º técnico estrangeiro da história do Santos

O Santos oficializou nesta segunda-feira a contratação do técnico Ariel Holan, que assinou um contrato válido até dezembro de 2023. Aos 60 anos, ele se torna o 17º comandante estrangeiro a assumir o Peixe na história e o quarto argentino.

O primeiro nome da lista foi Harold Cross, da Irlanda, ainda na era amadora do time, em 1912. Já os mais recentes foram Jorge Sampaoli, em 2019, e Jesualdo Ferreira, no início de 2020. O primeiro fez sucesso na Vila Belmiro, levando o clube a vice-liderança do Brasileirão. Já o português não correspondeu com as expectativas e foi demitido depois de apenas 15 jogos.

Já o treinador estrangeiro que mais durou no comando técnico santista foi Abel Picabéa. O argentino realizou 71 partidas, com 38 vitórias, 15 empates e 18 derrotas. Na sequência, aparece Dario Letona, com 64 compromissos. Fechando o top 3 está Sampaoli, com 61 embates.

Confira a lista completa de todos os estrangeiros que já dirigiram o Santos:

Era amadora
1912 – Harold Cross (Irlanda)
1916/1919 – Juan Bertone (Uruguai)
1919 – Ramón Platero (Uruguai)

Era profissional:
1934 – Pedro Mazullo (Uruguai)
1934/1935 e 1950 – Caêtano di Domenica (Itália)
1937 – Franz Gaspar (Hungria)
1939/1940 – Isaac Goldenberg (Áustria)
1940/1941 – Dario Letona (Peru)
1944 – Ricardo Diez (Uruguai)
1946/1947 – Abel Picabéa (Argentina)
1948 – Diego Ayala (Paraguai)
1951 – Luiz Comitante (Uruguai)
1954 – Giuseppe Ottina (Itália)
1977/1978 – Ramos Delgado (Argentina)
2019 – Jorge Sampaoli (Argentina)
2020 – Jesualdo Ferreira (Portugal)
2021 – Ariel Holan (Argentina)



Ariel Holan é apresentado no Santos e assume compromisso: “Equipe protagonista em todos os campos” ( Em 01/03/2021 )

Ariel Holan foi apresentado oficialmente nesta segunda-feira como novo técnico do Santos. O argentino concedeu a entrevista coletiva ao lado do presidente Andres Rueda.

Com contrato até dezembro de 2023, Holan está entusiasmado com o desafio. Ele chegou ao Brasil na noite de sábado e, no domingo, esteve no Canindé para assistir ao empate em 2 a 2 com o Santo André, pela primeira rodada do Campeonato Paulista.

“Agradeço ao presidente pela confiança por me darem a honra de ser treinador do Santos. Santos para mim é um grande desafio. Ontem, quando andava pelo campo de jogo, pensava que ali jogou Pelé, Neymar e tantos outros. De uma história tão rica, bicampeão do mundo e tricampeão da América. E, sobretudo, com uma marca mundial. Estou muito feliz. É um compromisso com todos os torcedores sobre ter uma equipe protagonista em todos os campos. Uma equipe de acordo com a história do futebol brasileiro”, disse Holan, antes de fazer outra promessa.

“Meu compromisso também é de falar português ou portunhol. Terei meu professor nessa semana para me comunicar melhor com vocês”, completou.

O presidente Andres Rueda comentou sobre a escolha de Ariel Holan.

“Mais do que um técnico, trazemos ao Santos um parceiro. Sempre procuramos, dentro do perfil imaginado, um parceiro que nos ajude a implementar os processos falados na campanha. Metodologia e tudo que esperamos implementar especificamente no futebol. Teve muita especulação, o que é normal, mas só divulgamos os fatos concretizados. Até pela falta disso, muito se falou de nomes, notícias fakes, mas o processo andou como deveria. E hoje estamos aqui para apresentar a vocês. Processo foi normal como qualquer outro de seleção. Nossa ideia não era discutir nomes, mas perfis. Jogo ofensivo, pelo DNA do Santos, entendendo e gostando de trabalhar com a base. Terceiro que fosse um parceiro. Quarto, e fundamental, que entendesse a situação momentânea que o clube atravessa. Trazemos o Ariel com transparência. Conhece a situação e, quando tem transparência, evita-se qualquer choque no futuro”, avaliou.

“Outro ponto é que Ariel gosta muito de tecnologia. É moderno. Ele não quer esconder o jogo para ele, faz questão que o Santos coloque seus profissionais na comissão para formar novas gerações. Pessoal vai acompanhar, aprender e que no futuro possamos dar continuidade ao trabalho. Chega de sair um treinador e a gente começar do zero. Mais um ponto é que estava dentro da possibilidade financeira, obviamente. Não faremos loucuras e nem promessas que não serão cumpridas. É questão de honra”, emendou o presidente.

O primeiro treinamento de Ariel Holan ocorrerá nesta terça-feira, no CT Rei Pelé.