Boca Juniors 0 x 0 Santos

Data: 06/01/2021, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores 2020 – Semifinal – Jogo de ida
Local: Estádio La Bombonera, em Buenos Aires, Argentina.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Roberto Tobar (CHI)
Auxiliares: Claudio Urrutia e Alejandro Molina (ambos do CHI).
VAR: Juan Benítez (PAR)
Cartão amarelo: Boca Juniors: Villa (B).

BOCA JUNIORS (ARG)
Esteban Andrada; Leonardo Jara, Lisandro López, Carlos Izquierdoz e Frank Fabra; Nicolás Capaldo, Diego González (Cardona), Sebastián Villa e Eduardo Salvio (Buffarini); Carlos Tevez e Franco Soldano (Ábila).
Técnico: Miguel Russo

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo (Laércio), Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Soteldo (Sandry); Marinho, Lucas Braga e Kaio Jorge (Madson).
Técnico: Cuca



Prejudicado pela arbitragem, Santos empata com o Boca Juniors na Argentina

O Santos empatou em 0 a 0 com o Boca Juniors (ARG) na noite desta quarta-feira, em La Bombonera, pelo jogo de ida da semifinal da Libertadores da América.

O Peixe foi prejudicado pela arbitragem de Roberto Tobar, do Chile, em Buenos Aires. Marinho sofreu um pênalti de Izquierdoz no segundo tempo. O juiz mandou seguir, confiou na orientação do VAR e não reviu o lance no vídeo.

O Alvinegro foi melhor durante a maior parte da partida, mas não transformou a superioridade em muitas chances claras de gol. Os goleiros Andrade e John pouco trabalharam.

A decisão por uma vaga na final da Libertadores ocorrerá na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro. Novo 0 a 0 levaria a eliminatória para os pênaltis. Empate com gols classificaria o Boca Juniors. Quem vencer, obviamente, avança para enfrentar Palmeiras ou River Plate.

O jogo

O Boca Juniors começou melhor em sua casa. Aos 7 minutos, Villa recebeu de Tévez e acertou o travessão do goleiro John. O lance, porém, foi anulado por impedimento.

Aos 10, Villa chegou de novo pela esquerda. O colombiano driblou Pará e cruzou – Lucas Veríssimo desviou e quase marcou contra. A partir daí, o Santos melhorou.

O Peixe passou a ter a posse de bola e atacar mais que o Boca, mas não criou chances claras. Na melhor oportunidade, Marinho chutou forte de fora da área aos 42 e Andrada encaixou.

Logo no primeiro minuto, o Boca quase abriu o placar. Salvio recebeu de Tévez, driblou Felipe Jonatan com facilidade e bateu forte para grande defesa de John.

Aos 10 minutos, o Santos respondeu: Felipe Jonatan driblou Jara e chutou para boa defesa de Andrada. A arbitragem, porém, parou a jogada por um toque no braço.

Quando o placar marcava 18 jogados, o Santos chegou bem com Marinho. Ele recebeu sozinho pela direita e bateu fraco. Aos 20, Kaio Jorge bateu colocado com perigo.

No minuto 23, o Boca Juniors respondeu. Tévez arrancou, gingou entre Pará e Lucas Veríssimo e bateu colocado. A bola passou à esquerda do goleiro John.

Aos 29, um lance polêmico em La Bombonera. Marinho levou a melhor sobre Izquierdoz e foi tocado. A arbitragem não marcou pênalti e nem foi no vídeo rever. De acordo com Carlos Simon, ex-árbitro e comentarista da Fox, a penalidade máxima foi clara.

Nos minutos finais, nenhuma chance clara foi criada. A decisão fica para a Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Cuca reclama de pênalti e lamenta empate do Santos: “Precisávamos ter vencido”

Cuca reclamou de pênalti não marcado em Marinho e lamentou o empate do Santos em 0 a 0 com o Boca Juniors na noite desta quarta-feira, em La Bombonera, pela ida das semifinais da Libertadores da América.

O técnico valorizou a atuação do Peixe, mas disse que o time poderia (e precisava) ter vencido. Aos 29 minutos do segundo tempo, Marinho levou a melhor sobre Izquierdoz e foi tocado. A arbitragem de Roberto Tobar (CHI) não marcou pênalti e nem foi no vídeo rever o lance. De acordo com Carlos Simon, ex-árbitro e comentarista da Fox, a penalidade máxima foi clara.

“Sentiria (o Santos perto da final) se tivéssemos vencido aqui. Viemos para ganhar. Viemos com quatro atacantes e soltando os laterais para fazer gol, ganhar o jogo. Jogamos até um pouco melhores com o Boca e não é fácil. Tivemos um lance decisivo, que foi pênalti não marcado. Marinho sofre o pênalti no alto e no chão. Poderia ter decidido a partida a nosso favor. Jogo bem jogado que poderíamos ter ganho. Empate não é vantagem. 0 a 0 é pênalti, outro pênalti é Boca. Esse empate é mais favorável ao Boca. A vantagem é que viemos em La Bombonera com só dois que jogaram aqui. E agora eles vão na maior vila do mundo enfrentar a gente”, disse Cuca.

“Temos que jogar como jogamos hoje, com uma definição melhor. Equipe tradicional, mais experiente, e fomos melhores. Estou contente com a produção, mas queríamos e precisávamos ter vencido. Libertadores é complicada. Vantagem mínima do Grêmio é um fator, hoje não. Continua tudo aberto, Boca fora de casa é perigoso e temos que tomar cuidado”, completou.

Marinho valoriza empate do Santos com o Boca e reclama de pênalti: “Não sei por que não foi olhar o vídeo”

Marinho reclamou de pênalti não marcado para o Santos no empate em 0 a 0 com o Boca Juniors na noite desta quarta-feira, em La Bombonera, pela ida das semifinais da Libertadores da América.

Aos 29 minutos do segundo tempo, Marinho levou a melhor sobre Izquierdoz e foi tocado. A arbitragem não marcou pênalti e nem foi no vídeo rever o lance. De acordo com Carlos Simon, ex-árbitro e comentarista da Fox, a penalidade máxima foi clara.

“Eu fui tocado dentro da área. Não sei porque árbitro não foi olhar o vídeo”, disse Marinho.

O camisa 11, eleito melhor em campo novamente pela Conmebol, analisou o empate santista.

“Tranquilo, o importante é conseguir um resultado aqui. Poderíamos ter vencido, mas jogar contra o Boca é muito difícil. O importante é não perder. Fizemos grande jogo, queríamos a vitória, mas o empate é bom resultado e temos que fazer um grande jogo em casa”, afirmou.

“Vamos decidir em casa. É um jogo difícil também, em La Bombonera ou Vila Belmiro. Duas equipes grandes, temos máximo respeito e vamos trabalhar para vencermos em casa”, concluiu.

Alison: “4% é muito”

Jornal argentino vê pênalti em Marinho, do Santos: “Boca se safou”

O Olé, maior jornal da Argentina, admitiu o pênalti de Izquierdoz em Marinho no empate do Santos em 0 a 0 com o Boca Juniors na noite desta quarta-feira, em La Bombonera, pela ida das semifinais da Libertadores da América.

Aos 29 minutos do segundo tempo, Marinho levou a melhor sobre Izquierdoz e foi tocado. A arbitragem de Roberto Tobar (CHI) não marcou pênalti e nem foi no vídeo rever o lance. De acordo com Carlos Simon, ex-árbitro e comentarista da Fox, a penalidade máxima foi clara.

“A ação deixou muitas dúvidas. Buscaram de um ângulo, checaram de outro e nada. Não encontraram nenhum ângulo que ayude Tobar (Roberto, árbitro chileno) a mudar sua decisão. Na verdade, ele nem foi ver. Mas Izquierdoz errou e Boca se safou do pênalti”, escreveu o Olé em um trecho.

“Sem dúvida, existiu uma jogada polêmica que poderia ter mudado o rumo do encontro. Houve pênalti para o Santos? Os primeiros replays da televisão deixavam dúvidas, mas logo se vê claramente quando Izquierdoz engancha a perna direita quando o atacante (Marinho) já havia tocado a bola e o defensor do Boca não tinha chance de chegar”, afirma o Olé em outra parte da publicação.

A diretoria do Santos enviará um ofício à Conmebol nesta quinta-feira para pedir o áudio da decisão entre os árbitros de VAR e o juiz Roberto Tobar.

Cuca exalta Kaio Jorge, do Santos: “Referência apesar da pouca idade”

Cuca exaltou Kaio Jorge em coletiva de imprensa após o empate do Santos em 0 a 0 com o Boca Juniors na noite desta quarta-feira, em Buenos Aires, pela ida das semifinais da Libertadores da América.

O atacante de 18 anos se tornou titular absoluto no Peixe.

“Kaio Jorge é um jogador que vem subindo de produção jogo a jogo e treino a treino. É referência para nós apesar da pouca idade. Amadureceu, faz importantes funções. Uma pena sair com cãibra porque fez grande partida. Equipe no geral fez grande partida. Estamos muito felizes com o Kaio. Não se preocupa apenas em fazer gol, compõe taticamente e encorpa nossa equipe”, disse o técnico.

Revelado pelo Santos, Kaio Jorge tem sete gols em 47 partidas. Ele foi promovido por Cuca em 2018.

Tévez promete Boca tranquilo no Brasil e afirma: “Santos não chegou em nenhum momento”

O Santos entrou na La Bombonera como gente grande nesta quarta-feira e garantiu o empate por 0 a 0 contra o Boca Juniors, pela ida da semifinal da Libertadores. Após o jogo, Carlos Tévez comentou o duelo e afirmou que o plantel argentino “está tranquilo porque o jogo está em aberto”.

“Foi uma partida travada, difícil. O Santos fez marcação individual, jogaram com cinco lá atrás e ficou difícil entrar no campo defensivo deles. Somente conseguimos quando roubamos a bola e saímos no contra-ataque. Fizeram um plano de jogo defensivo e não conseguimos superá-lo”, comentou o jogador sobre a partida de ida.

O atacante argentino ainda reforçou a postura do time brasileiro: “O Santos não chegou em nenhum momento, o confronto está aberto. O importante é que eles não fizeram gol. O Santos fez um jogo defensivo que não conseguimos romper”.

“Vamos tranquilos para o Brasil porque o confronto está aberto. Sabemos que eles vão ter que sair para o ataque, porque são locais, e nós podemos surpreender. Como eu disse, o confronto está aberto”, completou na saída do gramado.

Santos fará ofício à Conmebol para pedir áudio do VAR após pênalti não marcado em Marinho

O Santos enviará um ofício nesta quinta-feira à Conmebol para pedir o áudio da discussão dos árbitros do VAR na decisão de não marcar pênalti em Marinho no empate em 0 a 0 com o Boca Juniors nesta quarta-feira, em La Bombonera, pela ida das semifinais da Libertadores da América.

Aos 29 minutos do segundo tempo, Marinho levou a melhor sobre Izquierdoz e foi tocado. A arbitragem de Roberto Tobar (CHI) não marcou pênalti e nem foi no vídeo rever o lance. De acordo com Carlos Simon, ex-árbitro e comentarista da Fox, a penalidade máxima foi clara.

Na visão da diretoria do Peixe, a penalidade máxima foi nítida e não há justificativa para o juiz não olhar de novo a jogada.

Santos cobra providências da Conmebol após polêmica de arbitragem: “Que não ocorra mais!”

O empate sem gols entre Santos e Boca Juniors, pela Libertadores, ficou marcada por uma polêmica de arbitragem. Um dia após o confronto, o Peixe emitiu um comunicado oficial cobrando providências da Conmebol e solicitando que “isso não ocorra mais”.

O comunicado divulgado pela equipe brasileira destaca o ofício enviado pelo presidente do Santos, Andres Rueda, à entidade máxima do futebol sul-americano e ao responsável pela Comissão de Arbitragem, além de encaminhar o mesmo para os presidentes da CBF e FPF.

O lance em questão diz respeito a um possível pênalti cometido por Izquierdoz, zagueiro do Boca, em cima de Marinho. O questionamento do Santos passa pelo entendimento do porque o VAR não foi acionado no momento da falta.

“Mais uma vez presenciamos um episódio que não condiz com as recentes melhorias, os investimentos e os pilares de
desenvolvimento da Conmebol nos últimos dois anos”.

“Solicitamos que isso não ocorra mais. São dois clubes muito grandes, dois dos maiores times do Mundo, e isso só atrapalha o espetáculo. Queremos que as tecnologias sejam bem utilizadas e que todos sejam tratados da mesma forma”, destacou a nota.

O fato não parece ser uma exceção e sim regra – o Santos destacou ainda que outros clubes brasileiros já foram prejudicados e pediu para que “os erros não fiquem impunes”.

Santos termina campanha como visitante na Libertadores com invencibilidade

O Santos terminou a edição 2020/2021 da Libertadores da América com invencibilidade como visitante: quatro vitórias e dois empates – aproveitamento de 77,8%.

O Peixe enfrentará o Boca Juniors (ARG) na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de volta da semifinal da competição continental. E a decisão será em partida única no Maracanã. Ou seja, o Alvinegro não jogará mais como visitante.

O Santos teve a segunda melhor campanha na fase de grupos, atrás apenas do Palmeiras, e agora precisa vencer o Boca em casa para chegar à final. Em La Bombonera, houve empate por 0 a 0.

Veja os jogos do Santos como visitante:
Defensa y Justicia 1 x 2 Santos
Delfín 1 x 2 Santos
Olimpia 2 x 3 Santos
LDU 1 x 2 Santos
Grêmio 1 x 1 Santos
Boca 0 x 0 Santos.

Santos alcança 800 jogos internacionais na história

O Santos alcançou 800 jogos internacionais em sua história diante do Boca Juniors (ARG) na última quarta-feira, em La Bombonera, pela ida das semifinais da Libertadores da América.

De acordo com o levantamento da ASSOPHIS (Associação dos Pesquisadores e Historiadores do Santos), o primeiro compromisso fora do Brasil ocorreu em 1917.

O Santos decidirá a vaga na final da competição continental na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, após o empate em 0 a 0. A final está marcada em jogo único no Maracanã. Dessa forma, o Peixe só aumentará seu histórico na próxima temporada, a partir de março.

Ônibus do Santos é depredado após empate com o Boca Juniors em La Bombonera

O ônibus do Santos foi depredado na saída de La Bombonera após o empate em 0 a 0 na noite desta quarta-feira, pelo jogo de ida das semifinais da Libertadores da América.

De acordo com relato dos jogadores, um tijolo foi arremessado no vidro do veículo. Ninguém ficou ferido.

A partida de volta será na Vila Belmiro, na próxima quarta-feira.

Motorista do ônibus nega apedrejamento, mas Santos mantém posição

Após o Santos informar que o ônibus de sua delegação foi apedrejado na chegada ao hotel depois do empate por 0 a 0 com o Boca Juniors, pelo jogo de ida da semifinal da Libertadores, em Buenos Aires, o motorista do veículo deu outra versão sobre o ocorrido.

Em entrevista ao jornal argentino Olé, Darío Rubén Ebertz alegou que o que atingiu o ônibus não foram pedras e sim um galho.

“Que não mintam. Não sei por que geram desconfiança sem sentido e empolgam as pessoas no Brasil. Era um galho. Chegava um caminhão com contêiner na frente e não corria mesmo com as motos da polícia acenando para ele. Passou por onde fica um cassino flutuante e chegou muito perto do cordão, bateu em um galho e veio até nós. Observe o que está estilhaçado, naquela área não dá para bater em uma pedra e sair”, disse o motorista, que tem no currículo 10 anos de serviços prestados ao próprio Boca Juniors, segundo o Olé.

Gringo, como é conhecido, era o motorista do ônibus do Boca apedrejado por torcedores do River Plate em 2018. Já sobre o veículo do Peixe, o motorista alega que pediu aos jogadores santistas para que não dissessem coisas que não são verdadeiras.

“Eu disse aos brasileiros quando eles desceram ‘não digam coisas que não são que a pedra não é’. O que acontece é que imediatamente começaram a tirar fotos e a dizerem coisas que não são. Era um galho”, finalizou.

Em contato com a Gazeta Esportiva, a assessoria do Santos manteve o seu posicionamento, ou seja, de que o ônibus foi apedrejado.



Conmebol divulga áudio do VAR em lance polêmico de Boca e Santos: “Contato de futebol” (Em 07/01/2021)

A Conmebol divulgou nesta quinta-feira os áudios do VAR durante a análise de um possível pênalti em Marinho no confronto entre Boca Juniors e Santos pela semifinal da Libertadores, que terminou empatado em 0 a 0.

A polêmica ocorreu aos 29 minutos do segundo tempo, quando o camisa 11 do Peixe se infiltrou na área dos argentinos e foi tocado por Izquierdoz.

Na sala do VAR, o lance foi caracterizado como normal. Os membros da equipe de arbitragem usaram termos como “contato de jogo” e “limpo”.

Do lado do Santos, a compreensão não é a mesma. Nas redes sociais, o clube mostrou indignação com o lance e com o fato de o árbitro chileno Roberto Tobar não ter consultado as imagens.

“O time santista destaca a estranheza pela não verificação do VAR à beira do campo, no lance que Marinho foi derrubado dentro da área adversária no segundo tempo”, publicou o Alvinegro.

Após o conturbado jogo de ida, Santos e Boca Juniors voltarão a se enfrentar na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro.



Cuca rebate insinuações contra o Santos: “Fiquei quatro dias na UTI, jamais tiraria proveito da covid” (Em 10/01/2021).

O técnico Cuca rebateu insinuações contra o Santos após os testes positivos do goleiro John e do zagueiro Wagner Leonardo para a covid-19.

A dupla testou positivo para o novo coronavírus antes da viagem de volta de Buenos Aires, onde o Peixe empatou em 0 a 0 com o Boca Juniors (ARG) na última quarta-feira.

Parte da imprensa argentina levantou a possibilidade do Alvinegro ter escondido o resultado e usou o fato do elenco ter ficado no campo durante o intervalo como argumento.

“Eu não vi eles falarem, ouço burburinhos. Não é verdade que sabíamos dos meninos contaminados. Todos jogaram com teste na mão. Vigilância sanitária da Argentina fez os testes antes de voltarmos e deu que os dois estavam com covid. Podem ter pego na viagem, na própria Argentina… Vieram em avião sanitário, fretamos e pagamos. Falaram por que ficamos no intervalo no campo. O que tem a ver? Vestiário é longe, fiz diversas vezes na minha carreira. O que tem a ver com a covid? Isso não existe. Estamos calejados, tenho 35 anos de futebol e sei que isso é tirar foco do pênalti que não foi dado e jogar numa pressão que de repente possam querer usar no futuro em bastidores. Temos tudo certo, jamais faria qualquer falcatrua. Eu tive covid, fiquei quatro dias na UTI e perdi meu sogro pela covid. Jamais tiraria proveito disso. Jamais”, disse Cuca.

O Santos afirma ter cumprido todos os protocolos de saúde. O resultado para a covid saiu na manhã de quinta-feira, quando John e Wagner Leonardo foram retirados da viagem. A dupla voltou para o Brasil no último sábado em voo sanitário e aguarda por novos exames.