LDU 1 x 2 Santos

Data: 24/11/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Casa Blanca, em Quito, Equador.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Fernando Rapallini (ARG)
Auxliares: Ezequiel Brailovsky e Julio Fernandez (ambos da ARG).
VAR: Mauro Vigliano (ARG)
Cartões amarelos: Vega, Alcívar, Aguirre e Ordoñez (L); Luiz Felipe, Wagner Leonardo, Felipe Jonatan e Soteldo (S).
Gols: Soteldo (06-1) e Jhojan Julio (46-1); Marinho (13-2).

LDU (EQU)
Gabbarini; Perlaza (Zunino), Caicedo, Ordoñez e Cruz (Ayala); Villarruel, Alcivar, Vega (Caicedo), Quintero (Aguirre) e Billy Arce; Jhohan Julio e Martínez Borja.
Técnico: Pablo Repetto

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Felipe Jonatan (Lucas Braga); Alison, Diego Pituca e Jean Mota (Wagner Leonardo); Marinho (Lucas Lourenço), Soteldo (Vinicius Balieiro) e Kaio Jorge.
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos vence a LDU na altitude de Quito e abre vantagem nas oitavas da Libertadores

O Santos venceu a LDU por 2 a 1 na noite desta terça-feira, no Estádio Casa Blanca, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores da América. Os gols foram marcados por Soteldo e Marinho. Os visitantes balançaram as redes com Jhojan Julio.

O Peixe superou os desfalques e a altitude de 2850 metros em Quito, no Equador. Depois de primeiro tempo com muitos espaços na marcação, o Alvinegro voltou melhor para a etapa final, quando desempatou e sofreu menos na defesa.

Como o gol fora de casa é qualificado na Libertadores, o Santos pode empatar ou até perder por 1 a 0 para avançar às quartas de final. A decisão ocorrerá na próxima terça, também às 19h15 (de Brasília), na Vila Belmiro. 2 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis.

O Santos suportou a pressão inicial da LDU e aproveitou a primeira chance criada. Pará fez bonita jogada individual e cruzou para Soteldo fazer o gol aos cinco minutos.

A partir daí, a LDU dominou o jogo. Com a posse de bola e melhor fisicamente, a equipe dona da casa empilhou chances. No minuto 27, Perlaza bateu para boa defesa de John. E nos acréscimos, veio o empate.

O Santos cedeu um contra-ataque no último lance da etapa inicial. Billy Arce avançou e bateu para ótima defesa do goleiro John. No rebote, Jhojan Julio subiu mais que Diego Pituca e Marinho e empurrou para as redes de cabeça.

O Santos teve novamente a primeira chance. Dessa vez, porém, Gabbarini foi bem finalização forte de Marinho de fora da área aos dois minutos. Na sequência, Alcívar bateu forte e John segurou mais uma.

E quando o Peixe parecia longe do gol, Marinho apareceu. O atacante bagunçou a defesa da LDU e sofreu (e converteu) o pênalti. 2 a 1 em Quito para os brasileiros aos 13 jogados.

O Alvinegro ajustou a defesa e pouco sofreu. Quando a LDU assustou, o goleiro John defendeu. A saída de Jean Mota para a entrada de Wagner Leonardo foi decisiva para o resultado. John, Pará, Marinho e Soteldo foram os destaques da equipe de Marcelo Fernandes. Vantagem para a decisão na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Marcelo Fernandes explica substituição decisiva no Santos e valoriza estratégia: “Deu tudo certo”

Marcelo Fernandes foi “ousado” na vitória do Santos por 2 a 1 sobre a LDU na noite desta terça-feira, em Quito, no Equador, pela ida das oitavas de final da Libertadores da América.

O auxiliar, substituto de Cuca, tirou Jean Mota por cansaço no fim do primeiro tempo. Segundos depois, a LDU empatou. Na segunda etapa, porém, a alteração se mostrou decisiva. Com Wagner Leonardo na lateral e Felipe Jonatan no meio-campo, o Peixe pouco sofreu defensivamente.

“Jean Mota pela esquerda foi opção, para explorarmos a escapada do Soteldo por dentro também. Troca foi num momento preciso. Jean Mota deu tudo, é esforçado, grande futebol. Mas como lado direito da LDU estava forte, fizemos essa substituição. Foi uma alteração que eu falei com Jean e ele entendeu. Sofremos com muitas jogadas pela direita. Algum poderia sentir efeito da altitude. Jean tentou coibir essas jogadas, deu tudo, mas colocou a mão no joelho para buscar o ar e optamos pela saída. Cumpriu sua função perfeitamente. É menino de ouro, grande jogador, qualquer um poderia ter sentido a altitude”, disse Marcelo Fernandes.

O técnico ainda valorizou o planejamento do Santos. A estratégia foi comprometida pelo surto de covid-19, mas o Peixe conseguiu superar a altitude de 2850 metros mesmo assim.

“Tivemos a infelicidade do gol no fim do primeiro tempo depois da troca. Voltamos para o segundo tempo com a mesma estratégia, tentando ficar com a posse de bola. O que meninos fizeram hoje é de tirar o chapéu. Sempre honram a camisa. Fico orgulhoso de participar desse trabalho comandado pelo Cuca. Grupo é muito coeso e determinado. Estratégia era ficar com a bola e termos nossos extremos Marinho e Soteldo. E foi assim com o Marinho, que sofreu o pênalti e conseguimos vencer”, afirmou.

“Preparação foi feita lá atrás. Planejamento de vir no domingo. Tentamos adiar o jogo e não conseguimos, até poderíamos vir mais cedo. Tivemos o surto de covid, foi tarefa difícil. Preparação foi bem pensada há muito tempo, para vir dias antes pela ambientação. E com certeza deu tudo certo”, concluiu.

Como o gol fora de casa é qualificado na Libertadores, o Santos pode empatar ou até perder por 1 a 0 para avançar às quartas de final. A decisão ocorrerá na próxima terça, também às 19h15 (de Brasília), na Vila Belmiro. 2 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis.

Marinho valoriza vantagem do Santos na Libertadores, mas diz: “Cabecinha no lugar e pezinho no chão”

Marinho valorizou a vantagem do Santos nas oitavas de final da Libertadores, mas destacou a necessidade de não se acomodar com o resultado. O Peixe venceu a LDU (EQU) por 2 a 1 na noite desta terça-feira, em Quito, e decidirá a vaga daqui a uma semana, na Vila Belmiro.

“Independentemente da altitude, Marcelo Fernandes falou para tentarmos vencer. LDU é equipe forte aqui, mas nós sabemos do nosso potencial. Foi grande jogo. Tivemos a felicidade de vencer. E vamos manter os pés no chão, trabalhando forte porque no Brasil também vai ser difícil. Cabecinha no lugar e pezinho no chão, disse Marinho” em entrevista coletiva.

“Comprometimento. Equipe fez o melhor, de acordo com a estratégia. Todos correram e se dedicaram. Todos abraçaram o trabalho, brigamos pela causa e fizemos grande jogo. Fomos merecedores dessa vitória”, completou.