Palmeiras 2 x 1 Santos

Data: 23/08/2020, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 5ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Vinícius Gonçalves Dias Araújo
Auxiliares: Danilo Manis e Miguel Cataneo.
VAR: José Cláudio Filho
Cartões amarelos: Bruno Henrique, Gabriel Silva, Luiz Adriano, Rony e Ramires (P); Felipe Jonatan, Alison e Diego Pituca (S).
Cartão vermelho: Alison (S).
Gols: Luiz Adriano (45-1); Ramirez (02-2, contra) e Patrick de Paula (27-2).

PALMEIRAS
Weverton; Marcos Rocha (Mayke), Luan, Gustavo Gomez e Diogo Barbosa; Patrick de Paula, Bruno Henrique (Ramires), Gabriel Menino (Gustavo Scarpa) e Lucas Lima (Gabriel Silva); Rony (Willian) e Luiz Adriano.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca (Jobson) e Carlos Sánchez (Marcos Leonardo); Marinho (Tailson), Soteldo e Kaio Jorge (Lucas Braga).
Técnico: Cuca



Com golaço de Patrick de Paula, Palmeiras vence o Santos no Morumbi

O Palmeiras venceu o Santos por 2 a 1 na tarde deste domingo, no Morumbi, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Luiz Adriano e Patrick de Paula. O Peixe fez com Ramires (contra).

O Verdão abriu o placar no primeiro tempo com pênalti polêmico de Alison assinalado após consulta ao VAR. O volante tocou com o braço na bola em cobrança de falta de Bruno Henrique. Luiz Adriano converteu.

O Alvinegro empatou logo no segundo minuto da etapa final, com gol contra de Ramires em cruzamento de Carlos Sánchez. O Palmeiras, porém, não sentiu o gol, criou mais chances e desempatou com golaço de Patrick de Paula, aos 27.

O Verdão assume a quarta colocação, com oito pontos. O Peixe caiu para o sexto lugar do Brasileirão, com sete pontos conquistados.

O jogo

O primeiro tempo foi equilibrado no Morumbi, mas o Palmeiras criou as principais chances e deu muito trabalho ao goleiro João Paulo.

O Verdão chegou logo aos quatro minutos, quando Lucas Lima cruzou e Luiz Adriano chutou para a primeira defesa do garoto João.

Quando o placar marcava 18 jogados, Luiz Adriano fez o pivô e Bruno Henrique bateu bonito. João Paulo, novamente, voou para defender. E logo depois, aos 22, o meio-campista palmeirense chutou de novo para outra intervenção decisiva do goleiro.

Aos 29, o Peixe respondeu. Marinho puxou contra-ataque, atravessou quase todo o campo e titubeou entre passar ou finalizar e acabou chutando torto.

E quando o clássico se encaminhava para o empate no intervalo, veio um lance polêmico. Bruno Henrique cobrou falta, Alison mexeu o braço e tocou com o cotovelo na bola. A arbitragem acionou o VAR, marcou pênalti e Luiz Adriano converteu nos acréscimos.

Cuca fez alterações: tirou Diego Pituca e Kaio Jorge para as entradas de Jobson e Lucas Braga. E as mexidas não demoraram a funcionar.

Lucas Braga arrancou e sofreu a falta. Carlos Sánchez bateu, Jobson se antecipou e chegou a comemorar o gol do empate no segundo minuto da etapa final, mas a súmula mostrará gol contra de Ramires.

Aos 8, o Palmeiras reagiu. Patrick de Paula cobrou falta de longe a bola explodiu no travessão. Gabriel Menino, impedido, marcou no rebote. Lance invalidado.

No minuto 17, o Verdão chegou de novo. Lucas Lima lançou Luiz Adriano, que cruzou para Willian chegar de peixinho. A bola passou perto.

E depois de tanto insistir, o Palmeiras desempatou. Jobson errou na saída de bola e armou o ataque do adversário. Willian cruzou e Patrick de Paula fez o gol no minuto 27.

O Santos só ficou perto de empatar aos 35, quando Soteldo cobrou escanteio, Madson cabeceou e o goleiro Weverton salvou em linda defesa. O Palmeiras administrou nos minutos finais e venceu o clássico.

Cuca não entende VAR em Santos x Palmeiras: “Uma pena que interpretação venha de cima”

Novamente incomodado com a arbitragem, o técnico Cuca analisou a derrota do Santos por 2 a 1 para o Palmeiras neste domingo, no Morumbi, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

O primeiro gol do Verdão foi de Luiz Adriano, de pênalti, após toque no braço de Alison. A arbitragem consultou o VAR.

“Primeiro tempo do Palmeiras foi um pouco melhor. Jogo muito disputado no meio-campo, tiveram certa vantagem nesse setor. Tem o lance do pênalti. É interpretativo. Essa interpretação… Temos que entender e ainda não consegui. Não é interpretação de campo ao vivo? Dentro de campo, é lance normal. Acontecem diversos. Está subindo no meio da barreira, não ia para o lado. Não usa-se a mão, usa-se o braço, não tem como. Vi o lance, é interpretativo. Quando VAR chama, risco de pênalti é grande. E aí Palmeiras saiu na frente. Não determinou o resultado até porque buscamos o empate. Mas existe desequilíbrio emocional grande em coisa assim. Jogador jovem se perde um pouco, corrigi no intervalo para não irem falar. Se é dado pelo árbitro com convicção, ok, mas árbitro deixou seguir, VAR interpretou e chamou. Uma pena que interpretação venha de cima. VAR precisa corrigir erro do árbitro e não vejo como erro. Vejo como interpretação”, disse Cuca.

“Fizemos duas trocas, começamos segundo tempo fortes, empatamos e tínhamos equilíbrio e em alguns momentos time mais encorpado. Tivemos erro de saída, Palmeiras foi feliz. Eram sete nossos contra quatro, não distribuímos bem e Patrick fez o gol. Meninos tentaram o empate, se jogaram à frente, até goleiro foi para a área. Falta quase pênalti, cabeceio defendido por Weverton. Buscamos, não podemos negar. De maneira geral, Palmeiras foi um pouco melhor. Palmeiras tem time mais pronto, é óbvio. Time treinado há mais tempo. Vanderlei tem controle do esquema, peças deixam time melhor. Ele sabe usar bem isso. Temos que reconhecer isso e a luta do Santos com cinco ou seis meninos. Nunca acharemos culpados em clássico que poderíamos ter empatado. Desgaste não é desculpa, é realidade. Não treinei ontem porque desgaste seria ainda maior. Guardei o time para competir 90 minutos. É minha segunda semana e agora tenho uma cheia para trabalhar e melhorar. Não estou descontente, não. Tristes com a derrota, mas espírito da meninada prevalece”, completou o técnico.

Cuca ainda explicou o objetivo das mexidas no intervalo: Jobson e Lucas Braga por Diego Pituca e Kaio Jorge.

“Fizemos 4-3-3 com meio-campo forte e os atacantes de lado com força e o Kaio Jorge na frente. No intervalo mudamos para 4-4-2 com Soteldo e Sánchez de meia e Pituca e Jobson. Para ter diagonais com dois extremos. Corrigimos erros defensivos pelo lado e tomamos gol por dentro em erro de saída. Mudamos de novo com centroavante, Marcos Leonardo, abrindo Soteldo e Tailson pra dentro. Tentamos mexer para se sentir gostando do jogo e às vezes não conseguimos. Jogamos contra equipe forte taticamente, que defende bem, com pegada forte e contra-ataque”, analisou.

O Santos terá a primeira semana livre sob o comando de Cuca antes de enfrentar o Flamengo no próximo domingo, na Vila Belmiro, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

Com a derrota no clássico, o Peixe caiu para a sexta colocação na competição, com sete pontos.

Cuca lamenta erro de Jobson e evita “pressão” sobre Pituca, Sánchez e Soteldo no Santos

Cuca lamentou o erro de Jobson no segundo gol do Palmeiras, de Patrick de Paula, o da vitória por 2 a 1 sobre o Santos neste domingo, no Morumbi.

Mais do que o passe equivocado de Jobson, o técnico questionou o posicionamento da defesa. Com sete contra quatro, Patrick recebeu sozinho na entrada da área.

“Acontece. Não errou porque quis. Forte dele é o passe, vocês sabem disso. Muita gente fala e questiona a titularidade para melhorar o passe e ele errou o passe. Acontece. Nos reorganizamos e depois não tivemos o equilíbrio. Estivemos com mais jogadores, mas mal posicionados em função desse passe. Mas ele não é culpado pela derrota, ninguém é”, disse Cuca.

O treinador santista ainda falou sobre o que fazer para recuperar o melhor nível de Diego Pituca, Carlos Sánchez e Soteldo.

“Eles vão atuar melhor, normal, sem pressão. Não adianta pressionar. É momento. Qualquer jogador vive e temos que ter equilíbrio, sem passar peso maior. Eles sabem que não estão rendendo tudo. Precisam de ajuda. E estou aqui para isso”, afirmou.

João Paulo diz que Vladimir é o titular do Santos: “Precisa ser respeitado”

João Paulo foi bem em três jogos consecutivos – Athletico, Sport e Palmeiras -, mas ainda não se vê como goleiro titular do Santos.

Vladimir se recupera de inflamação no pé direito e pode estar à disposição contra o Flamengo, domingo, na Vila Belmiro, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

“Isso aí (disputa) é o que pessoal cria. Titular da posição é o Vladimir até o professor decidir é o contrário. É ídolo, campeão e precisa ser respeitado”, disse João Paulo, à Santos TV.

João Paulo também falou sobre a surpresa em ter sequência no gol santista após 2020 começar com Everson, Vanderlei e Vladimir à frente. Vanderlei foi para o Grêmio e Everson entrou na Justiça do Trabalho contra o Peixe.

“Fico feliz pela sequência. Confesso que quando o ano começou, não esperava tudo isso. Estou preparado, fico feliz de mostrar meu trabalho e tenho certeza que tem muita coisa para vir”, afirmou João.

“Pessoal é fenomenal, Arzul e Juninho (preparadores de goleiros). Muito inteligentes, nosso dia a dia é tranquilo. Eu, Vlad e John somos muito amigos. Vlad sempre me ajudou com conselhos, John foi campeão da Copinha comigo”, concluiu.

Chulapa diz que Sampaoli desviou dele na praia e cita “quadrilha” no Santos

Auxiliar técnico do Santos, Serginho Chulapa voltou a falar sobre a relação ruim com o ex-técnico Jorge Sampaoli em 2019.

De acordo com Chulapa, o atual treinador do Atlético-MG desviou dele na praia e formou uma espécia de “quadrilha” no Peixe.

“No Santos eu perderia a razão. Eu estava andando na praia, ele me viu de longe e entrou numa rua e sumiu…”, disse Serginho Chulapa, em entrevista ao “Mesa Redonda”, da TV Gazeta.

“O que ele fazia com as pessoas, não é pra mim, eu me lixo pra ele, é pros outros. Proibiu ex-jogadores de entrar lá, como o Edu, trouxe cara do Rio de Janeiro (o gerente Gabriel Andreata), funcionário dele e que faz parte da quadrilha. E ele mandava no CT. Não me conhecia… Mandou um monte de gente embora e trouxe sete com ele. Peguei corda com isso. Eu ia armar uma emboscada, mas não tinha jeito. Escaparam, essa que é a verdade (risos)”, completou o ídolo santista.

Após ser escanteado por Sampaoli e também por Jesualdo Ferreira, Chulapa foi reintegrado por Cuca e agora faz parte do dia a dia do CT Rei Pelé.