Internacional 2 x 0 Santos

Data: 13/08/2020, quinta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ).
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Carlos Henrique Alves de Lima Filho (ambos do RJ).
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartões amarelos: Edenilson e Moisés (I); Lucas Veríssimo, Kaio Jorge e Marinho (S).
Gols: Guerrero (14-2) e Edenilson (42-2).

INTERNACIONAL
Marcelo Lomba; Saravia, Bruno Fuchs, Víctor Cuesta e Moisés; Rodrigo Lindoso, Edenilson (D’Alessandro), Patrick e Boschilia (Marcos Guilherme); Thiago Galhardo (Musto) e Guerrero.
Técnico: Eduardo Coudet

SANTOS
Vladimir; Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Kaio Jorge) e Luan Peres; Pará, Alison (Ivonei), Diego Pituca (Jobson) e Felipe Jonatan (Madson); Marinho, Carlos Sánchez (Tailson) e Soteldo.
Técnico: Cuca



Santos é dominado pelo Internacional e perde só de 2 a 0

O Internacional venceu o Santos por 2 a 0 nesta quinta-feira, no Estádio Beira-Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Guerrero e Edenilson, no segundo tempo.

O Colorado dominou a partida do início ao fim e poderia ter vencido por diferença ainda maior. O Peixe chegou a empatar com Kaio Jorge, mas a arbitragem anulou após checagem no VAR e constatação de toque no braço.

O Inter tem 100% de aproveitamento depois de vencer Coritiba fora e Santos em casa. O Peixe ainda não ganhou: empatou com o Red Bull Bragantino na Vila Belmiro e perdeu para o Colorado.

O jogo

O Internacional amassou o Santos em todos os minutos, mas foi para o intervalo com um 0 a 0 injusto no placar. O Peixe não viu a cor da bola no Estádio Beira-Rio.

Cuca escalou o Alvinegro com três zagueiros e a formação não funcionou. Aos 16 minutos, Luiz Felipe sentiu, Kaio Jorge entrou e o técnico refez o esquema habitual.

Lucas Veríssimo, contra, jogou a bola no travessão. Galhardo, sozinho na pequena área, não conseguiu empurrar para o gol após desvio de Vladimir. Lindoso finalizou bem e o goleiro fez grande defesa. Foram pelo menos cinco oportunidades claras em 47 minutos.

Cuca colocou Jobson e Tailson para as saídas de Diego Pituca e Carlos Sánchez. O Santos melhorou e ficou perto do gol aos sete minutos.

Jobson lançou Tailson, que não dominou e Lomba afastou mal. Marinho finalizou de fora da área e o goleiro do Inter espalmou para escanteio.

E depois de dominar a etapa inicial e não abrir o placar, o Colorado fez o gol justamente quando o Peixe melhorava em campo. Felipe Jonatan vacilou ao tentar fazer a bola sair, Galhardo acreditou, Saravia cruzou e Guerrero cabeceou com estilo. 1 a 0 aos 11 minutos.

O gol desestabilizou o Santos. Aos 14, Galhardo fez boa jogada e Guerrero não dominou. No minuto 16, Edenilson chutou e a bola raspou a trave. Quando o placar marcava 19, Galhardo deixou Luan Peres e finalizou com muito perigo, para fora.

No minuto 21, o Santos teve uma ducha d’água fria. Soteldo cruzou para Kaio Jorge, que dominou no peito, tirou de Marcelo Lomba e empurrou para o fundo das redes. A arbitragem viu braço do atacante após checagem no VAR.

O Internacional seguiu melhor e esteve perto de ampliar aos 37 e 39, em duas finalizações de Boschilia para novas defesas de Vladimir. O segundo gol veio só no minuto 42, quando Edenilson tabelou com Guerrero e encobriu Vladimir. Um golaço em Porto Alegre.

O Peixe teve outro gol bem anulado, de Soteldo, aos 45, e o Colorado administrou a vitória nos minutos finais.

Cuca vê “erro absurdo” da arbitragem na derrota do Santos para o Internacional

Cuca acredita em “erro absurdo” da arbitragem na derrota do Santos por 2 a 0 para o Internacional nesta quinta-feira, no Beira-Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

Quando estava 1 a 0 para o Inter, Kaio Jorge dividiu com o goleiro Marcelo Lomba e fez o gol. O juiz acionou o VAR e deu toque no braço do atacante. Antes, porém, Cuca viu pênalti.

“Nós estávamos melhores naquele momento do segundo tempo. Tivemos outra postura, atitude, criamos oportunidade no começo com Marinho. Estávamos dominando a posse. Equipe ia pegando corpo, quando numa infelicidade, num erro, sofremos gol. Cedemos dois ou três contra-ataques, não fizeram o gol e veio lance fatídico. Gol anulado do Kaio Jorge. No meu modo de ver, um erro absurdo. Bola bate na mão antes de entrar, é nítido, mas por que? Se jogou, foi derrubado. Lomba o derruba. Bola bateu na mão, mas é lance interpretativo. Antes de bater na mão ele foi derrubado. Não é mão, é pênalti. Foi muito claro o pênalti. É um erro que nesse momento que vivemos é crucial fazer o gol, equipe retoma a confiança e parte até quem sabe virar. Não é choro, é segundo jogo e segundo erro gravíssimo”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Não vou atribuir a isso, depois o Internacional fez o segundo gol, mas é consequência de se jogar no ataque. Sabia da necessidade de muito trabalho, temos que retomar a confiança, encontrar forma de jogar que dê corpo, sincronia nos setores. Em muito momento não tivemos isso. Foi jogo mais duro, Inter tem equipe com sistema adequado, treinador tem equipe na mão. Muita força, marcação pressão com três meias. Primeiro tempo não foi bom, mas no segundo melhoramos, equilibramos. Inter teve mais chances por cedermos o primeiro gol e terem contra-ataque. Tentamos, tivemos gol anulado também no impedimento. São coisas que temos que trabalhar. Não se há tempo, é sexto dia com dois jogos e terceiro jogo no oitavo dia. Temos viagem, não há repouso. Temos que equilibrar, usar as peças. Mais da metade eram da base hoje e essa é a saída. Não podemos contratar, temos dificuldades financeiras e vamos administrar. Pego a maior parcela de responsabilidade, para isso eu vim, mas depois ganhamos e aumentamos a confiança. Não temos que achar culpados, agora é tentar vencer no domingo”, completou o treinador.

Cuca quer ‘recuperar’ Pituca e Sánchez no Santos: “Total confiança”

Cuca espera recuperar o bom futebol de Carlos Sánchez e Diego Pituca no Santos. A dupla não está bem e foi substituída no intervalo da derrota por 2 a 0 para o Internacional nesta quinta-feira, no Beira-Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico elogiou os meio-campistas e quer que eles atuem com confiança novamente.

“Retomar a confiança. É falando também, conversando, mas principalmente fazendo uma boa partida. Não vou deixar de confiar no Pituca ou no Sánchez. Jogadores têm bons e maus momentos ao longo do ano. Não vivem grande momento, mas são grandes jogadores e pessoas e têm minha total confiança”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

O treinador também falou sobre Felipe Jonatan. O lateral-esquerdo errou no primeiro gol do Inter, quando o Peixe estava bem em campo. Não há alternativa no elenco para a posição.

“Felipe Jonatan foi proteger, achou que a bola ia sair. E pegou a defesa toda desprotegida. Não foi erro de marcação ou posicionamento. Não há o que culpar a zaga em cima do cruzamento bem feito e que nos pegou de surpresa. Geralmente é lance para bola sair ou receber a falta”, afirmou Cuca.

“Vamos trabalhar. Não é aqui e agora que vamos resolver o problema. É com trabalho, avaliando o jogo, as opções. Para por em prática no próximo jogo. Daqui a pouco se faz um bom jogo e confiança se eleva. É difícil trabalhar com 11, temos que trabalhar com elenco. Tem time viajando com suplente e deixando equipe principal. Fizemos parte disso hoje, com várias trocas, desgastando menos o time”, completou o treinador.

Santos finalizou 16 vezes e levou 43 chutes a gol no Brasileirão

O Santos não teve um bom início no Campeonato Brasileiro: empatou em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino e perdeu por 2 a 0 para o Internacional.

E as estatísticas mostram a deficiência do Peixe tanto na defesa quanto no ataque nessas duas primeiras rodadas do Brasileirão.

O Santos de Cuca finalizou 16 vezes, cinco na direção do gol do adversário (apenas uma vez diante do Colorado no Estádio Beira-Rio).

Em compensação, o Peixe permitiu 43 chutes no seu gol, 13 certos. Os rivais finalizaram quase o triplo no geral e marcaram três gols. O Alvinegro, só um.

Cuca aprova Tailson como meia no Santos: “Era 10 quando mais novo”

Cuca testou Tailson como meia no Santos no segundo tempo da derrota por 2 a 0 para o Internacional na última quinta-feira, no Beira-Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

Atacante de lado de campo, Tailson foi testado como armador durante a semana e entregou na vaga de Carlos Sánchez no intervalo.

Tailson atuava como meia até o sub-17 e em algumas oportunidades no sub-20. Ele, porém, foi promovido ao elenco profissional do Peixe em 2019 como ponta.

“Tailson é o quarto homem, jogador de lado de campo. Com a entrada dele dei mais liberdade para Marinho ser segundo atacante. Tailson sabe compor por dentro também, era 10 quando era mais novo. É polivalente, trabalhamos com ele, Ivonei e Kaio Jorge. Jogo duro, experiência serviu demais para esses meninos”, disse Cuca, antes de destacar a importância da base.

“Importância total. Santos sempre foi time revelador. Em algum momento contratou bastante e hoje, de uma certa forma, paga o preço. Algumas contratações saíram e é necessário pagar mesmo na saída. Tem que ser novamente revelador. E estou nesse propósito. Torcedor tem que ter confiança. Trabalho é árduo, mas vai ser vitorioso. Temos que dar tempo ao tempo. Sabia da dificuldade e vim preparado. Amanhã é pé na tábua, voltar a trabalhar”, completou o treinador.

Os relacionados para a partida contra o Inter treinarão no CT do Grêmio nesta sexta-feira, antes da viagem de volta para a Baixada Santista.

Tailson aprova teste como meia no Santos: “Cuca gosta de jogador versátil”

Cuca testou Tailson como meia no Santos no segundo tempo da derrota por 2 a 0 para o Internacional na última quinta-feira, no Beira-Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. E o camisa 10 aprova o teste.

Atacante de lado de campo, Tailson treinou como armador durante a semana e entrou na vaga de Carlos Sánchez no intervalo.

“Não foi a estreia no Brasileiro como eu gostaria. Acredito que durante o campeonato as coisas irão melhorar, com muito trabalho e dedicação podemos alcançar nossos objetivos. E eu penso que tenho que estar preparado. Quando o professor Cuca precisar me utilizar, tenho que estar pronto. Ele gosta de jogador versátil, que atua em várias posições, então sempre que ele precisar estarei a disposição”, disse Tailson.

O Menino da Vila atuava como meia até o sub-17 e em algumas oportunidades no sub-20. Ele, porém, foi promovido ao elenco profissional do Peixe em 2019 como ponta.

Kaio Jorge lamenta recaídas do Santos: “Somos um time gigante”

Kaio Jorge lamentou as recaídas do Santos após a derrota por 2 a 0 para o Internacional na noite desta quinta-feira, no Beira-Rio, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro.

O atacante também falou sobre seu gol anulado após checagem no VAR. A arbitragem marcou toque no braço na dividida com o goleiro Marcelo Lomba.

“Foi um lance rápido, dominei no peito, se foi mão nem senti. Se o VAR viu que foi mão, não tem nem o que falar. Começamos bem o segundo tempo, mas sofremos o gol logo. Somos um time gigante, não podemos dar essas recaidinhas”, disse Kaio, à TNT.