Santos 1 x 1 Red Bull Bragantino

Data: 09/08/2020, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG).
Auxiliares: Felipe Alan Costa de Oliveira e Ricardo Junio de Souza (ambos de MG).
VAR: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Cartão amarelo: Ricardo Ryller (B).
Gols: Marinho (19-2) e Claudinho (47-2).

SANTOS
Vladimir; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez; Marinho (Jean Mota), Soteldo e Kaio Jorge (Uribe).
Técnico: Cuca

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Fabrício Bruno e Edimar; Ricardo Ryller (Claudinho), Matheus Jesus e Weverson (Robinho); Morato (Bruno Tubarão), Artur e Alerrandro (Ytalo).
Técnico: Felipe Conceição



Na reestreia de Cuca, Santos sofre empate do Red Bull Bragantino no fim

Na reestreia do técnico Cuca, o Santos empatou em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O gol do Peixe foi marcado por Marinho, em mais um “míssil aleatório”, como ele mesmo define suas finalizações de fora da área. O goleiro Cleiton aceitou o chute de longe aos 19 minutos do segundo tempo.

O Bragantino empatou com Claudinho, cria do Alvinegro, aos 47, nos acréscimos, após Luan Peres afastar mal uma cobrança de escanteio. Vladimir, destaque até os minutos finais, não conseguiu evitar.

A partida foi muito equilibrada e com chances para os dois lados. Jean Mota e Fernando Uribe entraram na etapa final e perderam oportunidades de matar o jogo para o Santos, assim como Soteldo.

O jogo

O Red Bull Bragantino começou melhor e obrigou Vladimir a fazer duas boas defesas em sete minutos, após finalizações de Alerrandro e Weverson.

Após o susto, o Santos equilibrou as ações e passou a criar mais. No minuto 11, Soteldo cruzou e Kaio Jorge não alcançou. E aos 16, Kaio roubou de Fabricio Bruno e sofreu pênalti. Carlos Sánchez bateu para fora.

O Peixe seguiu no ataque e finalizou de fora da área com Marinho, aos 20, para defesa segura de Cleiton. No minuto 22, a resposta: Ryller chutou, a bola desviou e quase entrou.

Aos 39, o Alvinegro esteve perto novamente. Soteldo cruzou e Kaio Jorge, de ombro, finalizou muito perto da trave direita de Cleiton.

Assim como na etapa inicial, o Bragantino chegou primeiro. Artur recebeu na direita e e chutou forte para nova intervenção importante de Vladimir.

Aos 13, Arthur acionou Alerrando e Vladimir salvou novamente. O lance, porém, foi invalidado por impedimento do centroavante. E aí veio a surpresa.

Marinho arriscou de longe, a bola bate na grama e engana o goleiro Cleiton. Santos na frente aos 19 minutos do segundo tempo na Vila Belmiro.

O gol fez o Bragantino se expor e o Peixe passou a criar diversas chances. Novidade logo depois do 1 a 0 sair, Fernando Uribe vacilou.

No minuto 22, Sánchez cruzou e Uribe cabeceou de raspão. Aos 25, Pará cruzou, Cleiton desviou e Uribe, com o gol livre na frente, não conseguiu dominar. Soteldo, sem goleiro, chutou para fora na sequência.

Quando o placar marcava 27 jogados, os visitantes assustaram. Alerrando bateu de primeira e Vladimir, de novo ele, salvou. Árbitro havia marcado impedimento. Dois minutos depois, Matheus Jesus apareceu livre na entrada da área e isolou.

Nos minutos finais, o Santos tentou controlar o jogo e administrar a vitória, mas não conseguiu. O Red Bull empatou aos 47 minutos, com Claudinho, cria do Peixe, em chute de fora da área. Empate na reestreia de Cuca.

Bastidores – Santos TV:

Santistas reclamam da arbitragem após empate: “Palhaçada”

Na reestreia de Cuca, o Santos empatou em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro. E o time reclamou depois da arbitragem.

O gol do Bragantino saiu aos 47 minutos do segundo tempo. De acordo com o Peixe, o árbitro não autorizou as substituições e a equipe ficou sem todos na área. Madson e Jobson estavam prontos para entrar.

Cuca e vários atletas foram conversar com Ricardo Marques Ribeiro após o apito final. Luiz Felipe falou assim: “Ele precisa admitir o erro. Isso compromete o campeonato”.

Luan Peres deu entrevista ao Premiere e também repercutiu o lance.

“A gente treina bola parada a semana toda, conseguimos tirar todas… Cuca fez uma estratégia de 90 minutos, quisemos colocar um homem mais alto para tirar a bola, e o árbitro não autorizou, e por que? Era estratégia do time para ajudar na bola parada. Foram dois lances capitais, ele não deixou substituir, e aí o 4º árbitro levantou a placa, e o nosso homem do rebote tava saindo já”, disse Luan.

“Acabou saindo o gol nessa palhaçada da arbitragem”, completou o zagueiro.

Cuca explica ‘fatalidade’ com árbitro em empate do Santos: “Como dói”

O técnico Cuca explicou o desentendimento com o árbitro Ricardo Marques Ribeiro no empate do Santos em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O gol de Claudinho saiu aos 47 minutos do segundo tempo, após rebote de escanteio. Madson e Jobson estavam posicionados para entrar.

“Eu estava colocando Madson e Jobson, dois altos. Instruí os dois para irem ao primeiro pau. Juiz não autorizou a entrada. Houve um desentendimento de informação, de gestual. Eu fiz que ia trocar e ele entendeu que era para o próximo lance. Isso acontece, não vamos por a culpa. É um lance fatídico, dói, como dói. Se fosse há 20 anos, falaria besteira. Hoje faço diferente. Se reparar bem, Sánchez é homem do rebote pelo lado direito. E onde caiu a bola? Bem ali. E quando ele (Sánchez) vê que vai sair, vem correndo. Eu disse que trocaria, juiz entendeu que seria depois”, disse Cuca.

“Não é culpa do árbitro. Ricardo é integro, do bem, foi uma fatalidade”, completou o treinador.

Cuca vê falta de “moral” no elenco do Santos e visa “conexão” no ataque

Cuca falou sobre a falta de “moral” no elenco do Santos após o empate em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe criou as melhores chances, mas não matou o jogo e sofreu o gol nos acréscimos.

“1 a 0 até o fim abre o risco. Me queixo mais de não ter feito dois, três, quatro do que de termos tomado. Temos que saber administrar. Empate em cima da hora é horrível, mas faz parte. Um jogo em que sabíamos do conjunto forte do Bragantino. Não é equipe de destaques individuais. Estão bem treinados. Tiveram início melhor, 10/15 minutos, tomaram conta. Entendemos, tivemos posicionamento melhor, mais adaptado na marcação e posse de bola. Acabamos primeiro tempo melhor, perdemos o pênalti, Tem um baquezinho, principalmente para quem perde o pênalti, por mais experiente que seja (Carlos Sánchez). Comandamos as ações no segundo tempo, fizemos 1 a 0 e tivemos situações muito claras de matar o jogo”, avaliou Cuca.

“Jogamos com muita determinação, força de vontade, aplicação. Taticamente fez grande parte do jogo bom. Infelizmente, não estamos com moral elevado a ponto das coisas darem certo. Com moral, se faz resultado antes, não leva o jogo para o perigo como estava”, completou.

O treinador ainda avaliou o posicionamento de Sánchez mais próximo do jogo adversário e falou sobre “conectar” melhor o ataque.

“Sánchez jogou mais adiantado, um pouco mais à frente. Quero melhorar a participação dos extremos (Marinho e Soteldo). Quando tivermos a bola em um lado, que participem também, não fiquem do outro sem participar. Atacante precisa dessa companhia. Temos que trabalhar bastante esse posicionamento”, afirmou.

“Eu trabalhei dois dias apenas. Se você tem jogadores de velocidade, dificilmente vamos chegar com toques curtos. São velocistas. Temos que ter bola longa também, é uma saída, um desafogo”, completou.

Elogiado por Cuca, Kaio Jorge retribui: “Santos foi mais agressivo”

Cuca gostou do desempenho de Kaio Jorge no empate do Santos em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O atacante teve uma chance clara para marcar de cabeça no primeiro tempo, mas a bola passou perto da trave.

“Kaio Jorge fez bom jogo. Foi infeliz no cabeceio, bola passou à frente dele em outra hora. Tem evoluído bem. Vamos administrar o resultado e que tenhamos sorte melhor na quinta-feira (contra o Internacional)”, disse Cuca, antes de evitar comparação com Gabigol.

“Gabigol era um cara rodado, tinha jogado na Europa, diversos campeonatos. Kaio é o primeiro (ele estreou no Brasileirão de 2018), mas jogou bem. Não podemos deixar de enaltecer. Não teve a fortuna de fazer o gol, mas jogou bem e temos que valorizar o menino”, completou o treinador.

Animado com o retorno de Cuca, Kaio Jorge retribuiu o elogio e viu o time melhor contra o Bragantino.

“Professor Cuca é experiente, de grupo, sabe lidar com muitos tipos de situação. Modo de jogar já foi um pouco diferente, fomos mais agressivos. Ele me conhece, foi quem me subiu para o profissional. Agora é trabalhar bem para ter sequência”, afirmou Kaio, ansioso pelo gol.

“Está a mil. Centroavante tem que marcar sempre, independentemente de qualquer coisa. Estou trabalhando bem, forte, e espero marcar em breve”, concluiu.

Cuca dá conselho a Uribe no Santos e diz: “Confiança é tudo”

Cuca avaliou a má atuação de Fernando Uribe no empate do Santos em 1 a 1 com o Red Bull Bragantino neste domingo, na Vila Belmiro, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

O colombiano entrou no lugar de Kaio Jorge no segundo tempo e perdeu uma chance claríssima. Em outra oportunidade, furou um cabeceio.

O técnico deu um conselho para o centroavante e falou em ajudá-lo a readquirir a confiança.

“Hoje ele teve (chance), né? Bola para fazer o gol, sobrou para ele. Goleiro deu um tapinha. Pelo posicionamento, achei que faria gol de peito ou de coxa, do jeito que fosse. Sobrou para o Soteldo e também perdeu. Temos que recuperar confiança. Confiança é tudo”, disse Cuca.

“Confiança se faz com trabalho, merecimento. Se a técnica não está dando certo, vai com o coração. Aprendi isso na vida. Técnica já se tem”, completou.

Contratado há mais de um ano, Uribe ainda não fez gol pelo Santos. O vínculo termina em 2022 e ele recebe o segundo maior salário do elenco.