Portuguesa 0 x 0 Santos

Data: 21/03/1998, sábado, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª fase – 5ª rodada
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Luciano Augusto de Almeida (DF).
Cartões amarelos: Augusto, Da Silva e Evair (P); Ronaldão, Narciso, Jorginho, Argel e Marcos Assunção (S).
Cartão vermelho: Marcelo (P, 45-2).

PORTUGUESA
Fabiano; Alexandre Chagas, Emerson (Marcelo), César e Augusto; Alex, Carlinhos, Evandro e Alexandre (Ricardo Lopes); Leandro (Da Silva) e Evair.
Técnico: Candinho

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Ronaldão e Dutra; Marcos Assunção, Narciso, Jorginho e Caíco (Eduardo Marques); Müller e Caio (Edgar Baez).
Técnico: Emerson Leão



Leão quer juiz paulista em jogo do Santos

Para técnico santista, há uma “coincidência’ entre a escalação de árbitros “estrangeiros’ e resultados ruins

O técnico Emerson Leão, do Santos, fez ontem um apelo para que a Federação Paulista de Futebol não escale mais juízes de outros Estados nos jogos do seu time no Campeonato Paulista.

“Não estou afirmando nem insinuando que exista má-fé ou qualquer coisa assim. Apenas verifiquei uma coincidência ruim para o meu time quando esses juízes apitam”, afirmou o técnico no vestiário do Canindé, logo após o empate do seu time com a Lusa em 0 a 0.

Leão, até mesmo, elogiou o árbitro do clássico, Luciano Almeida (DF). “Ele não interferiu no resultado. Seu único erro foi não ter expulsado o Evair quando ele fez uma falta por trás e já tinha cartão amarelo.”

A “coincidência ruim”, segundo explicou o treinador, é entre resultados ruins e a escalação de árbitros de outros Estados. As reclamações do Santos e de Leão contra a arbitragem não vêm de agora.

Na fase semifinal do Brasileiro do ano passado, quando Leão, então no Atlético-MG, e o Santos disputavam uma vaga na final do com o Internacional e o Palmeiras, ambos fizeram protestos.

Leão reclamou especialmente do juiz num dos jogos contra o Palmeiras. As críticas santistas, comandadas pelo antecessor de Leão, Wanderley Luxemburgo, foram numa partida contra o Internacional, que provocou uma investigação sobre o árbitro Ubiraci Damásio (RJ).

Aperto

Segundo Leão, o resultado do clássico deixou o Santos numa situação “muito apertada” -o time acumulou cinco pontos em cinco partidas.

“Precisamos ganhar de 12 a 13 pontos para assegurar a classificação. Mas temos três jogos na Vila.”

O técnico santista disse que as atuações do seu time, como no sábado, lhe dão confiança. “Só jogamos mal contra o Rio Branco e contra o São José.”

Lusa

O técnico da Lusa, Candinho, disse no outro vestiário que a Lusa está levando azar nos últimos jogos.

“Vínhamos fazendo três, quatro gols por jogo. Mas, nos últimos dois, eles não saíram. O número de chances que criamos contra São Paulo e Santos mostra que estamos jogando bem e ofensivamente.”

Segundo Candinho, a Lusa merecia ter ganhado esses dois jogos. “Contra o Santos, dominamos o jogo por uns 70 minutos.”

Mesmo com o empate, a Lusa conquistou nove pontos na primeira fase, metade do que Candinho prevê que será necessário para chegar à fase semifinal do Paulista.



Atacantes “altruístas’ jogam clássico ( Em 21/03/1998 )

Evair, da Lusa, e Müller, do Santos, fazem “duelo da solidariedade’ no clássico de hoje à noite no Canindé

O clássico de hoje à noite no Canindé opõe dois dos atacantes com maior desprendimento do futebol brasileiro: Evair, da Lusa, e Müller, do Santos. E, apesar da solidariedade pouco usual para suas posições, ambos são extremamente produtivos para suas equipes.

No Paulista deste ano, Müller, 32, teve participação direta em metade dos dez gols marcados por sua equipe. Fez três e deu duas assistências.

Evair, 33, esteve envolvido em 34,6% dos gols da Lusa, que disputou a primeira fase do campeonato com os “pequenos”. Deu quatro passes que resultaram em gol e marcou cinco (dois na atual fase, que são os que contam para a definição do artilheiro, de acordo com a Federação Paulista).

Ambos são figuras-chave em suas equipes. Evair, que machucou o joelho esquerdo na partida contra o São Paulo, na terça, treinou ontem e está confirmado.

Para Müller, o Santos encontrou a receita apenas na goleada do meio da semana, 6 a 2 sobre a Matonense. “O time tem de se comportar em campo como se apresentou contra a Matonense: com disposição e aproveitando as oportunidades de gol”, disse.

Outro dado que demonstra o “altruísmo” dos jogadores é a colocação de ambos no ranking dos que mais finalizam no campeonato. Müller é apenas o 80º (média de 1,7/jogo), e Evair, o 87º (1,5). Leto, do Ituano, é quem mais tenta o gol: seis vezes por partida.

Voltando ao Brasileiro do ano passado, ambos também estavam na liderança do ranking de assistências. O jogador da equipe da capital foi o segundo, com oito, e o santista veio logo depois, com sete.

Diferentes prioridades

As duas equipes entram em campo em situações bem diferentes na classificação do Grupo 4. A Lusa, líder, tem oito pontos. O Santos conquistou apenas quatro pontos e é o quarto do grupo.

O técnico Candinho mantém seu discurso do “número mágico”, os 18 pontos que ele afirma considerar suficientes para que o time se classifique.

Ele disse que não vai fazer marcação especial sobre Müller. “O Santos tem grandes jogadores, como o Caíco, o Caio. Não vai haver atenção especial sobre ninguém. É um bom time.”

Para Leão, acima de tudo, a partida de hoje é decisiva. “É um jogo de seis pontos. Se vencermos, ficaremos lá em cima e ainda teremos um jogo contra eles dentro de casa. Por isso, a partida de amanhã (hoje) vale muito mais”, afirmou.

Leão afirmou que não vai modificar o time na partida de hoje. O treinador procura evitar alterações na equipe titular para não prejudicar o entrosamento entre os jogadores. Nos quatro jogos disputados pelo Santos no Campeonato Paulista, o time-base que iniciou as partidas foi sempre o mesmo.

“A equipe teve excelente performance (contra a Matonense). Da mesma maneira que nós prestigiamos o time quando perdeu, e todo mundo criticou, estamos prestigiando também quando venceu, e todo mundo elogiou”, disse Leão.

Viola se apresenta na segunda

O atacante Viola, 29, será apresentado oficialmente como novo reforço do Santos na segunda-feira, às 11h, na Vila Belmiro. O jogador deve chegar ao clube em um helicóptero da Unicór, patrocinadora da equipes.

O empréstimo custou ao time R$ 700 mil por um ano. Viola receberá R$ 90 mil de salário mensal, com a Federação Paulista de Futebol pagando metade durante o Paulista de 98 e de 99.

Sua estréia está prevista para o clássico com o São Paulo, no próximo sábado, no Morumbi.

Caio quer lugar no time

O atacante Caio mantém a esperança de continuar no time do Santos mesmo com a contratação de Viola, que deverá formar a dupla de ataque com Müller.

O técnico Leão já afirmou que, com o investimento feito na contratação, Viola chega ao clube para ser titular.

Contratado no meio do ano passado, Caio chegou ao Santos como esperança de gols, mas ainda não conseguiu se firmar como artilheiro.

Repórter – Você acha que será mantido no time após a chegada do Viola?
Caio – Acredito no meu potencial. O Viola vem para jogar, mas vou buscar meu espaço. Existe a possibilidade de jogarmos juntos ou de ele entrar no meu lugar.

Repórter – No jogo com a Matonense você não marcou, mas preparou as jogadas de três gols. Apesar disso, a torcida só aplaudiu os atletas que marcaram. Você está decepcionado?
Caio – A torcida sempre grita o nome de quem fez o gol. Acho que eles ainda vão entender que o importante não é só marcar, mas preparar as jogadas também.



Fonte: Estadão