Botafogo 0 x 1 Santos

Data: 21/07/2019, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio Nilton Santos, o Engenhão, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 16.248 presentes (13.505 pagantes).
Renda: R$ 480.278,70
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC).
Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Daiane Caroline Muniz dos Santos (MS).
VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Cartões amarelos: Gilson e Joel Carli (B); Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Marinho (S).
Cartão vermelho: Lucas Veríssimo (S) e Gilson (B).
Gol: Marinho (29-2).

BOTAFOGO
Gatito Fernández; Marcinho, Joel Carli, Gabriel e Gilson; Alex Santana (Victor Rangel), João Paulo, Cícero; Diego Souza (Jonathan), Erik e Luiz Fernando (Rodrigo Pimpão).
Técnico: Eduardo Barroca

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique; Jorge, Diego Pituca, Carlos Sánchez e Jean Mota (Victor Ferraz); Eduardo Sasha (Felipe Jonatan), Soteldo e Uribe (Marinho).
Técnico: Jorge Sampaoli



Com golaço de Marinho, Santos vence Botafogo e encosta na liderança

Com um bonito gol marcado por Marinho, no segundo tempo, o Santos derrotou o Botafogo por 1 a 0 em partida disputada na manhã deste domingo, no Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro. O resultado fez a equipe de Vila Belmiro chegar aos 26 pontos e se igualar ao Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro. O Verdão leva vantagem na classificação por ter marcado um número maior de gols. O Botafogo caiu para a sétima posição com 16 pontos e ainda pode ser superado por outras equipes no final da rodada.

A vitória fez justiça ao desempenho do Peixe, que foi superior ao adversário durante a maior parte do jogo e até poderia ter alcançado um resultado mais expressivo, mas encontrou o goleiro Gatito Fernández em partida inspirada. Mesmo atuando durante 20 minutos com um jogador a menos por causa da expulsão de Lucas Veríssimo, a equipe dirigida por Jorge Sampaoli nunca perdeu o controle da partida. O Botafogo foi um time sem inspiração que quase não incomodou o goleiro santista. O time carioca deixou o campo vaiado por sua inconformada torcida.

O jogo

Logo no primeiro minuto, a torcida do Botafogo levou um susto. O goleiro Gatito Fernández tentou um lançamento pelo alto e Sasha cortou de cabeça e a bola passou perto do gol da equipe carioca. A partida começou em ritmo lento com os dois times trocando muitos passes no meio campo antes de arriscar qualquer ação ofensiva.

O primeiro momento de perigo na partida aconteceu aos sete minutos quando Soteldo foi lançado na corrida e chutou forte. A bola bateu em Joel Carli e sobrou para Uribe que concluiu para boa defesa de Gatito Fernández. Um minuto depois, o Peixe voltou a atacar com Sanches que cruzou da direita e a zaga aliviou quando Soteldo aparecia para tentar aproveitar.

O Botafogo encontrava muita dificuldade para produzir jogadas ofensivas por causa da lentidão dos integrantes do meio campo. Enquanto isso, o time dirigido por Sampaoli tentava imprimir velocidade nas jogadas de ataque para surpreender a zaga carioca.

O Botafogo chutou a gol pela primeira vez aos 13 minutos, em jogada individual do lateral-direito Marcinho que derivou para o meio com a bola dominada e arriscou, mas não levou perigo para Everson.

Com 20 minutos de partidas, dois zagueiros do Santos – Gustavo Henrique e Lucas Veríssimo – já tinham sido advertidos com o cartão amarelo.

Aos 25 minutos, Soteldo se livrou de Marcinho e cruzou. Carli cabeceou para o alto e Gatito, ao sair para cortar, acabou se atrapalhando com o zagueiro argentino.

O Botafogo passou a equilibrar as ações e criou seu primeiro momento de perigo aos 27 minutos quando Alex Santana chutou forte e Everson se esticou para desviar para escanteio, evitando o gol do Alvinegro de General Severiano. Aos 33, Erik enfiou na área para a penetração de João Paulo, mas Aguilar chegou primeiro e aliviou o perigo.

O Peixe só voltou a aparecer na área carioca aos 36 minutos quando Jorge se livrou do marcador e cruzou para Sasha, mas o atacante concluiu de forma bisonha e desperdiçou a chance. Logo depois foi a vez de Soteldo aparecer para completar passe de Sanchez, mas o chute saiu fraco.

Aos 44 minutos, na última oportunidade criada no primeiro tempo, Sacha cruzou da direita e Uribe desviou de cabeça, mas a bola bateu na rede pelo lado de fora.

O segundo tempo não começou bem para o Santos. Logo aos quatro minutos, o zagueiro Lucas Veríssimo entrou forte no lateral-esquerdo Gilson, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso de campo. Para recompor a defesa, Sampaoli colocou o lateral Victor Ferraz no lugar de Jean Mota.

Em vantagem numérica, o Botafogo passou a atacar com mais intensidade. Aos oito minutos, Marcinho se livrou de Jorge e cruzou para a entrada de Erik, mas o desvio do atacante foi para fora.

Para tentar rearmar a equipe, Sampaoli gastou sua terceira substituição, trocando o atacante Eduardo Sasha pelo lateral-esquerdo Felipe Jonathan, adiantando Jorge para o meio campo. Enquanto isso, Eduardo Barroca tentou colocar o Botafogo mais agressivo e trocou o meia Alex Santana pelo atacante Victor Rangel. Diego Souza passou a atuar um pouco mais recuado.

Mesmo com um jogador a menos, o Santos manteve o espírito ofensivo e aos 16 minutos, após passe de Sanchez, Soteldo apareceu entre os zagueiros, mas chutou para fora.

Aos 25 minutos, o lateral-esquerdo Gilson também foi expulso e deixou os dois times em igualdade de condições. O lateral botafoguense foi advertido com o segundo cartão amarelo por cometer falta sobre Marinho que tentava arrancar para o ataque. Para completar o sistema defensivo, o lateral-esquerdo Jonathan entrou no lugar de Diego Souza.

Aos 26 minutos, Marinho bateu falta no canto esquerdo e Gatito Fernández fez boa defesa. E aos 30 minutos, o Peixe marcou o primeiro gol. Marinho recebeu na direita, se deslocou para o meio e acertou uma bomba no ângulo direito, sem qualquer chance para Gatito Fernández.

Cinco minutos depois, o baixinho Soteldo quase ampliou em grande jogada individual. O venezuelano driblou Gabriel, se livrou de João Paulo e mesmo agarrado pela camisa, chutou para grande defesa de Gatito que desviou com a ponta dos dedos.

O Botafogo respondeu com cabeçada perigosa de Rodrigo Pimpão, após cruzamento de Marcinho, mas a bola saiu.
Gatito Fernández, o melhor do Botafogo, voltou a brilhar, ao sair nos pés de Pituca que recebeu assistência perfeita de Soteldo e se preparava para concluir.

O Botafogo, sem outra alternativa, se lançou ao ataque nos minutos finais e permitiu que o Santos perdesse outra grande oportunidade aos 45 minutos. Felipe Jonathan foi lançado na corrida e livre, diante de Gatito Fernández, mandou a bola para fora.

Bastidores – Santos TV:

Após jogo “exigente”, Sampaoli prega cautela com liderança do Santos

Jorge Sampaoli se mostrou satisfeito com a apresentação de seus comandados na vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo, conquistada neste domingo, no Nílton Santos. Porém, foi cauteloso quando diz respeito a liderança, dividida com o Palmeiras. Em entrevista coletiva concedida ainda em solo carioca, o treinador valorizou os três pontos conquistados em um jogo “exigente”, no qual os dois times terminaram com 10 jogadores.

“Temos que pensar que cada jogo é assim, muito complicado. Hoje foi um jogo que exigiu bastante de todos os jogadores. O campo não estava ajudando. Temos que saber que nossa realidade será marcada em novembro, no fim do campeonato. Nós temos que pensar em chegar bem nas últimas rodadas. Esse tem que ser o nosso foco”, disse Sampaoli.

Depois de um primeiro tempo em que o Peixe encontrou dificuldades para prevalecer no último terço do campo, Sampaoli promoveu mudanças para a segunda etapa, entre elas a entrada de Marinho na vaga de Uribe, que começou como referência no comando de ataque. E foi justamente o substituto que marcou o gol do triunfo, com um chute de fora da área.

O técnico do Santos explicou a mudança tática com a entrada de Marinho e valorizou o estilo do jogador diante das circunstâncias da partida, com um jogador a menos de cada lado. “Marinho teve muito a ver com o resultado por suas participações ofensivas. Tivemos a inferioridade numérica e modificamos a forma de jogar, mas o que buscamos com Marinho foi a presença de ataque e, por sorte, marcamos o gol”, finalizou.

Com os três pontos conquistados diante do Botafogo no Estádio Nílton Santos, o Peixe chegou aos 26 pontos e igualou a pontuação do Palmeiras, que segue à frente pelo número maior de gols marcados. Os comandados de Sampaoli, agora, voltam a campo no próximo domingo, na Vila Belmiro, para medir forças com o Avaí.

Marinho apelida gol de ‘mini míssil aleatório’ e nova entrevista viraliza

Cerca de quatro anos depois de viralizar com o meme “sabia não”, Marinho voltou a dar uma entrevista emblemática após a vitória do Santos sobre o Botafogo na tarde deste domingo. Saiu de seus pés o golaço que deu ao grupo comandado por Jorge Sampaoli os três pontos que fizeram a equipe encostar no Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro.

Assim como o fatídico momento de 2015, quando ainda atuava pelo Ceará, Marinho tirou a camisa para celebrar o belo gol marcado de fora da área, com a perna esquerda, ao acertar um chutaço no ângulo esquerdo do goleiro rival Gatito. Em entrevista ao SporTV após a partida, o jogador comentou o feito.

Questionado sobre o bonito gol feito aos 29 do segundo tempo, em que lugar ele entraria no ranking de Marinho, o atacante santista brincou: “Oxi, aí foi um mini míssil aleatório. Esse é diferente, né?” (sic).

Nas redes sociais, o apelido dado ao lance viralizou e os internautas relembraram de quando ele foi avisado pelo repórter que estava suspenso do próximo jogo. “Estou? Que merda, hein? Sabia não”, reagiu, surpreso, após ter tirado a camisa para celebrar seu segundo gol no empate por 3 a 3 contra o Santa Cruz em 2015.

Repórter: “Gol bonito, entra no seu top 3? Em que lugar que fica?”

Marinho: “Oxe, ai foi um mini míssel aleatório”.

Eduardo Sasha destaca importância do gol de Marinho

O Santos venceu o Botafogo por 1 a 0, no Nilton Santos, neste domingo, com um belo gol de Marinho. A vitória colocou o time de Sampaoli empatado com o Palmeiras, na liderança do Campeonato Brasileiro, com 26 pontos. Já na zona mista, Eduardo Sasha destacou a importância do primeiro tento marcado pelo companheiro com a camisa do Peixe, que chamou de “mini míssil aleatório”.

“O Marinho é uma lenda. Solta cada uma que ninguém espera. Estou muito feliz por ele ter conseguido marcar o primeiro gol, importante, que nos deu a vitória. Eu tenho certeza que ele vai nos ajudar muito e tomara que venha mais mísseis pela frente”, revelou.

Na coletiva, Jorge Sampaoli criticou o estado do gramado do Nilton Santos. Eduardo Sasha fez coro ao comandante e também falou mal da qualidade do campo, mas mostrou que o time conseguiu se adaptar ao jogo.

“O gramado tinha bastante falha, isso acaba deixando a bola mais viva, dificultando as vezes um próprio domínio, ou um passe. Mas a gente tentou se adaptar o mais rápido possível no jogo, e conseguiu também se adaptar ao gramado”, enfatizou.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Santos terá dois jogos seguidos em casa. No próximo domingo, recebe o Avaí. Uma semana depois, o adversário será o Goiás. Na visão do atacante, o apoio da torcida será muito importante.

“Agora é aproveitar a semana, porque a gente tem dois jogos em casa. Chamar a torcida para lotar a Vila Belmiro, que com certeza a gente vai fazer uma festa bonita e buscar mais seis pontos nesses jogos em casa”, destacou.