Vasco 3 x 1 Santos

Data: 11/10/1998, domingo, 16h20.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 17ª rodada
Local: Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.650 pagantes
Renda: R$ 76.500,00
Árbitro: Sidrack Marinho dos Santos (SE).
Cartões amarelos: Felipe, Luisinho, Nasa e Donizete (V); Viola, Ânderson Lima, Jean e Eduardo Marques (S).
Cartões vermelhos: Sandro e Élder (S).
Gols: Ramon (16-1) e Juninho (30-1); Messias (23-2) e Felipe (36-2).

VASCO
Márcio; Vítor (Maricá), Odvan, Alex e Felipe; Luisinho, Nasa, Juninho e Ramon; Donizete (Válber) e Luizão (Mauricinho).
Técnico: Antonio Lopes

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Jean, Sandro e Athirson; Élder, Marcos Basílio, Eduardo Marques (Messias) e Lúcio (Gustavo); Viola e Alessandro (Adiel).
Técnico: Emerson Leão



Santos perde cabeça, jogo e liderança diante do Vasco

Time estava invicto havia 6 jogos; Élder e Sandro são expulsos no fim

O Santos perdeu a co-liderança do Campeonato Brasileiro, o jogo e o controle emocional ontem à tarde no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro.

Além da derrota de 3 a 1 para o Vasco da Gama, quebrando uma série invicta de seis partidas, o Santos teve dois jogadores expulsos aos 44min do segundo tempo, quando o placar já estava definido.

O volante Élder, que tinha cartão amarelo, segurou um adversário pela camisa e recebeu o vermelho. Todos os jogadores do Santos partiram para cima do juiz Sidrack Marinho, que expulsou o zagueiro Sandro por reclamação.

Para o Vasco, que está preocupado com a decisão do Mundial Interclubes em Tóquio, o jogo serviu como reabilitação. Na última partida, tinha sido derrotado pela Ponte Preta por 2 a 1.

Antes do jogo, o vice-presidente de futebol do Vasco, que se reelegeu deputado federal (PPB), exibiu uma faixa com os dizeres: “Obrigado. 105.969 votos vascaínos. Eurico Miranda”.

O Santos iniciou a partida pressionando o Vasco. No seu primeiro ataque, aos 16min, o time carioca marcou. Felipe fez uma jogada e sofreu falta. Na cobrança, a bola foi cruzada e Alex ajeitou para Ramon marcar de “letra”. Logo em seguida, a torcida vascaína roubou uma bandeira gigante do Santos e a queimou.

Aos 30min, num contra-ataque puxado por Luizão, o meia Juninho ampliou.

No segundo tempo, o técnico Emerson Leão pôs o meia Messias e o atacante Adiel para dar mais velocidade à equipe. A mudança deu resultado. Aos 23min, Messias descontou com uma finalização na pequena área.

Aos 36min, Felipe numa jogada individual, definiu o resultado. Nos últimos minutos, o Vasco só tocou a bola, irritando os santistas.


Assista acima ao compacto da partida.

Irritado, Leão diz que terá que improvisar

O técnico do Santos, Emerson Leão, terá oito problemas para a próxima partida no Brasileiro, contra o América-MG. Dos cinco jogadores que estavam contundidos, apenas Narciso deverá voltar.

Os titulares Claudiomiro e Argel continuam em tratamento. Athirson, machucado ontem, é um dos problemas. Jean (terceiro amarelo), Sandro e Élder (expulsos) estão suspensos.

No fim do jogo, Leão aceitou o resultado, mas criticou a quantidade de pessoas em campo.

“Tinha umas 500 pessoas. Um paraplégico ficou atrás do gol xingando o nosso goleiro. Em São Paulo, isso jamais aconteceria.”

Ele também criticou a localização do banco de reservas, atrás dos fotógrafos e das placas de publicidade. “Não dá para trabalhar.”

O goleiro Zetti disse que o Vasco fez antijogo e que juiz aceitou.

Vasco antecipa ida a Tóquio

O Vasco anunciou ontem planos que configuram uma virtual desistência do Brasileiro. A prioridade é a disputa do Mundial interclubes contra o Real Madrid, dia 1º de dezembro, no Japão.

O Vasco vai antecipar em alguns dias a viagem de preparação para o torneio, marcada originalmente para 13 de novembro, porque acertou para o dia seguinte um amistoso em Washington, nos EUA.Após o Mundial, no dia 5, a equipe fará outro amistoso.

O vice de futebol, Eurico Miranda, afirmou que, caso se classifique para as finais do Brasileiro, o clube não pretende disputar as partidas, nem mesmo com os reservas.



“Pilares’ do Santos desfalcam time no Rio ( Em 11/10/1998 )

Um dos líderes do Campeonato Brasileiro, time enfrenta o Vasco sem três de seus principais titulares

Três fatores conspiram contra o Santos na partida de hoje à tarde diante do Vasco no Rio -os desfalques, o local do jogo e as necessidades do adversário. O sistema defensivo santista estará desfigurado pela ausência de três jogadores (Argel, Claudiomiro e Narciso) considerados “pilares” do time pelo técnico Leão.

Além disso, a partida acontecerá no estádio São Januário, do Vasco. Apesar do bom desempenho fora de casa -cinco vitórias, dois empates e uma derrota-, os santistas preferiam atuar no Maracanã.

O terceiro problema para o Santos é a necessidade de vitória da equipe da casa, campeã da Libertadores, mas cuja campanha no Brasileiro é irregular (11º lugar, com 21 pontos em 15 jogos).

“O Vasco se assustou com seus últimos resultados e, agora que acordou para o Brasileiro, está vendo que tem problemas e vai precisar correr atrás”, declarou o técnico Leão.

Os desfalques da dupla de zaga Argel e Claudiomiro, machucados, e do volante Narciso, suspenso, preocupam Leão. Segundo ele, esses jogadores são a parte principal da espinha dorsal da equipe.

As opções para substituir os titulares são escassas, já que, devido às contusões e suspensões, o grupo de jogadores disponíveis continua reduzido, mesmo com a chegada dos reforços do japonês Maezono e de Bechara, ainda não inscritos no Brasileiro, e da volta do meia Jorginho, que hoje poderá ser incluído no banco de reservas.

Para o lugar de Narciso, o substituto natural é Élder. Na zaga devem atuar Jean e Sandro, com chances também para Gustavo.

Nas contas de Leão, o Santos necessita somente de mais três pontos para garantir a classificação. Em razão da situação cômoda da equipe na tabela, a política a ser adotada até o final da primeira fase será a de preservar os atletas machucados e colocá-los em campo só em plenas condições físicas.

Daí o treinador ter desistido de escalar Argel, com dores no joelho esquerdo. Claudiomiro se submeteu a um exame de ressonância magnética que indicou uma lesão muscular. Ele poderá ficar afastado por duas semanas.

A mesma conduta precavida levou o clube a desistir de recorrer da suspensão de três jogos aplicada a Narciso pelo tribunal da CBF. Havia receio de que o julgamento pudesse demorar, e o jogador tivesse de cumprir a punição durante a fase decisiva do torneio. O jogo de hoje será o último da suspensão.