Cruzeiro 2 x 1 Santos

Data: 24/11/1996, domingo,
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 18.520 pagantes
Renda: R$ 153.787,50
Árbitro: Wagner Azevedo (RJ).
Cartões amarelos: Marcos Assunção, Rogério Seves e Élder (S); Fabinho e Cleison (C).
Gols: Paulinho McLaren (12-1) e Aílton (23-1); Marcos Assunção (22-2).

SANTOS
Sergio; Marcos Adriano, Jean (Edgar Baez), Ronaldo Marconato e Daniel; Rogério Seves, Marcos Assunção, Élder e Vagner (Baiano); Camanducaia e Alessandro.
Técnico: Orlando Pereira

CRUZEIRO
Dida; Vitor, Luizão, Célio Lúcio e Nonato; Fabinho, Ricardinho, Aílton e Palhinha (Da Silva); Paulinho McLaren (Leo) e Cleisson (Tico).
Técnico: Levir Culpi



Cruzeiro bate o Santos em BH e garante a primeira colocação

O Cruzeiro bateu o Santos ontem, por 2 a 1, em Belo Horizonte, e terminou a fase de classificação do Brasileiro em primeiro lugar. Vai pegar nas quartas-de-final a Portuguesa, que ficou com a oitava vaga para a próxima fase.

Já classificado, o time mineiro foi ao ataque para garantir a primeira colocação ainda no primeiro tempo, já que o Santos -sem sete titulares- não ofereceu muita resistência. Somente na segunda etapa as coisas se inverteram.

Os dois gols do Cruzeiro aconteceram no primeiro tempo. Aos 12min, Paulinho recebeu lançamento de Palhinha, o goleiro Sérgio não conseguiu cortar o cruzamento, e o atacante marcou.

Aos 23min, o volante Fabinho avançou e lançou Palhinha pela direita. Dentro da área, o meia tocou para Aílton fazer 2 a 0.

A disposição que faltou ao Santos na primeira etapa sobrou na segunda. O time marcou forte no meio-campo e procurou atacar pelas pontas, com velocidade.

Dessa forma, aos 22min, o Santos marcou o seu gol. Camanducaia foi ao fundo e cruzou para trás. Marcos Assunção chutou e marcou. A equipe, porém, não teve forças para empatar a partida.



Santos vai improvisar no adeus (Em 24/11/1996)

Sem sete titulares e à espera da reformulação que a diretoria prometeu começar nesta semana, o Santos cumpre tabela hoje, no Mineirão, contra o Cruzeiro.

O time não terá o goleiro Edinho, o lateral Ânderson, os zagueiros Sandro e Narciso e o volante Carlinhos (machucados), e os meias Robert e Jamelli, suspensos pelo terceiro cartão amarelo.

O técnico Orlando Pereira terá que improvisar. Devido à falta de opções, a defesa terá cinco jogadores, dos quais três zagueiros -Jean, Ronaldo e Daniel.

O lateral-esquerdo Marcos Adriano será deslocado para a direita. O meia Vágner, que retorna após cumprir suspensão, será o responsável pela armação das jogadas para os atacantes Camanducaia e Alessandro.

Para 97, a diretoria quer trazer jogadores experientes, donos do próprio passe, visando reduzir o custo das contratações.

A avaliação é de que o atual grupo de jogadores é muito jovem e necessita de atletas veteranos, capazes de comandar e incentivar a equipe dentro de campo.

O técnico Orlando Pereira não tem garantida sua permanência, mas não há consenso entre os diretores sobre o treinador ideal para assumir o controle do time. Entre os nomes cogitados estão os de Cilinho, Mário Sérgio e Carlos Alberto Parreira.

A diretoria tenta acertar excursão para a África ainda este ano. Se ela não acontecer, os jogadores devem ter férias antecipadas.

Cruzeiro ataca para chegar em primeiro no Brasileiro

O Cruzeiro vai escalar um time ofensivo na partida de hoje contra o Santos, em Belo Horizonte (MG), para tentar a vitória, que lhe garante o primeiro lugar entre os 24 times que disputam o Campeonato Brasileiro.

O time mineiro é o único que depende apenas de seus esforços para terminar a fase de classificação na liderança. O Cruzeiro tem 41 pontos, e seus adversários mais próximos, Palmeiras e Guarani, têm 40. Em seguida aparecem os Atléticos (Mineiro e Paranaense), com 39.

“A vitória vai coroar a nossa campanha. Vamos com tudo para cima do Santos”, disse o técnico cruzeirense, Levir Culpi.

O treinador afirmou que, depois de uma semana em que “as coisas não deram certo”, a equipe mineira ainda tem condições de seguir vencendo.

O time perdeu o primeiro jogo da final da Supercopa para o Vélez Sarsfield (Argentina), em casa, na quarta-feira, com um gol de pênalti marcado pelo goleiro paraguaio Chilavert nos últimos minutos.

Na quinta, foi a vez de perder jogando com os reservas, pelo mesmo placar, para o São Paulo, no estádio do Morumbi.

“O Cruzeiro ainda está com forças para reverter a situação contra o Vélez e disputar o título brasileiro”, disse Culpi. “É o momento de superação para atingirmos os dois objetivos”, acrescentou.

Segundo Culpi, o fato de o time disputar a 75ª partida neste ano, estar na final da Supercopa e em primeiro lugar no Brasileiro mostra a força que os jogadores do Cruzeiro têm.

A partir de hoje, a ordem é esquecer a Supercopa e pensar apenas no Brasileiro, já que a segunda partida contra o Vélez Sarsfield será somente no dia 4 de dezembro, na Argentina.

Até lá, já terão terminado as quartas-de-final. Caso o Cruzeiro passe também por essa fase, o time voltaria a jogar pela Supercopa antes da semifinal.

Improvisação

O time mineiro não terá hoje dois jogadores da equipe considerada titular. O zagueiro Gilmar e o volante Donizete estão suspensos. Gélson, também zagueiro, se contundiu.

Como os outros dois zagueiros reservas (Jean e João Carlos) foram suspensos na última partida, Culpi terá que improvisar o volante Luizão na defesa. Nas outras posições, jogam todos os titulares.

O Santos, por sua vez, não terá sete jogadores da equipe principal