Vídeos: Gols e Melhores momentos

Santos 2 x 1 Audax-SP

Data: 10/04/2016, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 15ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.368 pessoas
Renda: R$ R$ 114.150,00
Árbitro: Rafael Gomes Felix da Silva.
Auxiliares: Vitor Carmona Metestaine e Leandro Fernandes Rodrigues.
Cartões amarelos: Zeca (S); Sidão, Gabriel Nunes, Tchê Tchê (A).
Gols: Wellington (43-1); Léo Cittadini (13-2) e Ronaldo Mendes (42-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe (Ronaldo Mendes), David Braz e Zeca; Léo Cittadini, Vitor Bueno (Joel), Rafael Longuine e Lucas Lima; Patito (Serginho) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

OSASCO AUDAX:
Sidão; Francis (Bruno Lima), Yuri, Gabriel Nunes (Renan) e Velicka; Tchê Tchê, Henrique (Samoel), Rodolfo e Mike, Ytalo e Wellington.
Técnico: Fernando Diniz



Audax leva virada do Santos na Vila, mas garante classificação na ponta

O Audax iniciou a partida contra o Santos lutando pela liderança do Grupo C com o São Paulo. A equipe de Fernando Diniz até chegou a sair na frente, mas acabou sofrendo a virada e perdendo para o Peixe por 2 a 1 na Vila Belmiro. Mesmo assim, com a derrota são-paulina para o São Bento por 1 a 0, o time de Osasco garantiu sua vaga na ponta com 24 pontos, contra 22 do Tricolor. O Santos, com mais uma vitória sob o comando de Dorival Júnior, alcançou os 32 pontos, fechando essa primeira fase na segunda colocação da classificação geral e em primeiro lugar no Grupo A.

O Santos se viu em apuros por 45 minutos neste domingo. Envolvido pelo toque de bola do Osasco Audax e perdido na marcação em função de seus sete desfalques, o Peixe sofreu na primeira etapa da 15ª e última rodada da fase classificatória do Campeonato Paulista. Aos 43 minutos, Wellington entortou Victor Ferraz e marcou um lindo gol para colocar os visitantes em vantagem.

Mas, na segunda etapa, Dorival Júnior conseguiu corrigir os erros de posicionamento do seu time para chegar à vitória. Primeiro, Ricardo Oliveira fez jogada de pivô de futsal antes de servir Léo Cittadini, que entrou na área para empatar o jogo. E já aos 42, Ronaldo Mendes entrou para decretar a virada, pegando uma sobra de bola dentro da área.

Agora, Santos recebe o São Bento no próximo domingo, ainda com horário indefinido, em jogo único pelas quartas de final. Qualquer igualdade leva a decisão para os pênaltis. Enquanto isso, mesmo com a derrota, o Audax jogará em casa, no estádio Municipal Prefeito José Liberatti, contra o São Paulo, por uma vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. O duelo também está pré-agendado para domingo.

O jogo

A promoção da diretoria santista em distribuir uma parte dos ingressos da partida deste domingo sem custos para alguns sócios deu resultado e a Vila Belmiro recebeu um bom público para acompanhar a última apresentação do Santos na fase classificatória do Campeonato Paulista.

Mas, em campo, as coisas não aconteceram como todos esperavam. Muito desfalcado, o Peixe sentiu a ausência de um volante de ofício e deu muitos espaços ao Audax. Ricardo Oliveira foi o único que levou perigo ao goleiro Sidão.

O centroavante quase tirou o grito de gol do torcedor em duas finalizações já dentro da área e em uma cabeçada perigosa depois de escanteio cobrado por Lucas Lima. Mas foi só e muito pouco para satisfazer os santistas.

O Osasco Audax, com o conhecido estilo de jogo de Fernando Diniz, jogou como se estivesse em casa. O toque de bola e as trocas de posições confundiam os jogadores do Peixe, que, desentrosados, não conseguiam parar os adversários. Então, sobrou para Vanderlei.

Primeiro, aos 15 minutos, o camisa 1 só torceu em chute perigoso de Mike. Logo em seguida, com os pés, Vanderlei evitou o gol de Ytalo, já cara a cara. Aos 17, foi a vez de Rodolfo atormentar Zeca e bater firme para nova defesa do goleiro alvinegro.

Nem mesmo a parada técnica para hidratação dos atletas esfriou o ritmo frenético do Audax. Aos 38 minutos, Henrique tabelou e entrou fácil na área santista para exigir mais uma bela intervenção de Vanderlei. Mas, de tanto insistir, os visitantes foram premiados.

Cinco minutos antes do intervalo, Wellington recebeu lançamento do goleiro Sidão pela ponta esquerda, entrou na área, entortou Victor Ferraz com uma caneta espetacular e só cavou a bola por cima do paredão do Santos. Um golaço na Vila Belmiro no último lance de perigo antes do apito do árbitro.

Sem mexer na escalação, Dorival Júnior conseguiu, na conversa, mudar a postura do Peixe na partida. Desde os primeiros minutos da etapa final, o Santos se impôs como mandante e passou a ditar o ritmo do jogo, diferente do que aconteceu nos primeiros 45 minutos.

Tocando mais a bola, com Lucas Lima sendo menos individualista e uma postura mais bem postada no sistema defensivo, o Peixe pressionou e encurralou o Audax em seu campo até chegar ao gol de empate. E isso não demorou para acontecer.

Aos 13 minutos, Zeca trabalhou com Ricardo Oliveira, que fez o pivô e infiltrou para Léo Cittadini, que entrou à área como elenco surpresa e bateu de primeira para marcar seu primeiro gol com a camisa santista. Tudo igual na Vila.

Logo após o gol, Fernando Diniz sacou Gabriel Nunes e Henrique para colocar Renan e Samoel. Dorival também mexeu. Tirou Patito Rodriguez, que nada fez na partida, e colocou Serginho no jogo. Mas foi o Audax que reagiu com as substituições.

Após cobrança de falta, Samoel, em seu primeiro lance, subiu mais alto que a zaga santista e testou com muito perigo por cima do travessão. A jogada deu novo ânimo a equipe de Osasco, que aos poucos foi equilibrando novamente a posse de bola.

Com o cansaço dos dois times, os espaços foram aparecendo no campo e, aos 40 minutos, o Peixe quase virou o jogo. Lucas Lima cobrou escanteio e Luiz Felipe cabeceou no travessão. No lance seguinte, o Audax não resistiu. Boa jogada de Victor Ferraz e a bola sobrou para Ronaldo Mendes, que havia acabado de entrar na vaga de David Braz, para marcar de pé esquerdo. 2 a 1 e festa na Vila Belmiro.

Após o apito final, porém, as duas equipes puderam comemorar. O Santos, pela vitória e pela manutenção do segundo lugar na classificação geral, e o Osasco Audax pela classificação na liderança do Grupo C, já que o São Paulo perdeu para o São Bento.

Bastidores – Santos TV:

Santistas enaltecem poder de reação em jogo difícil contra o Audax

Diante de sete desfalques, Dorival Júnior resolveu arriscar e escalou a equipe sem volantes de ofício. O resultado não foi muito bom na primeira etapa, quando o Osasco Audax ditou o ritmo do jogo, pressionou e saiu na frente do placar. Na segunda etapa, o técnico do Peixe ajeitou a equipe e, com muita dificuldade, o alvinegro praiano chegou a virada na Vila Belmiro.

“Sabíamos que seria um jogo complicado, já que o Audax é um time que tem posse de bola, arrisca mesmo. Se a gente não conseguisse marcar bem, ia sofrer um pouco. Tivemos dificuldades contra um time que toca a bola, em um calor insuportável. Não marcamos bem, mas mostramos força na hora de correr atrás do resultado”, avaliou o capitão Ricardo Oliveira, que deu assistência para o gole de Léo Cittadini.

O segundo gol, já aos 42 minutos, saiu dos pés de Ronaldo Mendes, que assim como Léo Cittadini, marcou pela primeira vez com a camisa do Santos. A aposta de Dorival Júnior havia acabado de entrar no jogo e não escondeu sua empolgação com o momento especial.

“Fico feliz pelo gol, pela vitória. A gente que não vem jogando tem que estar sempre preparado para ajudar quando entrar no jogo. A gente sabe que o jeito de jogar do Audax é de posse de bola, então, tivemos que correr muito. Mas fui premiado no final e consegui esse gol”, disse, logo depois do apito final.

Agora, o Santos terá toda a semana para se preparar para o duelo contra o São Bento, pelas quartas de final do Campeonato Paulista. Alison, Gustavo Henrique, Thiago Maia, Elano, Gabriel e Paulinho voltam a ficar à disposição de Dorival Júnior. Renato, que se recupera de uma fratura no nariz, ainda é dúvida.

Dorival elogia adversário e vibra com ousadia coletiva e individual

O Santos encontrou muito dificuldade neste domingo para superar o Audax na Vila Belmiro. Depois de sair atrás, o Peixe conseguiu a virada na segunda etapa com Léo Cittadini e Ronaldo Mendes, que marcou o segundo gol já aos 42 minutos do segundo tempo. Após o jogo, que encerrou a primeira fase do Campeonato Paulista, Dorival Júnior elogiou o adversário e admitiu um primeiro tempo muito ruim de sua equipe.

“Foi uma partida muito bem jogada, duas equipes que propuseram os jogo a todo momento. Muito complicado o primeiro tempo, tivemos algumas boas situações, mas bem diferente do que estamos acostumados aqui na Vila. Houve uma correção no segundo tempo, voltamos com uma postura mais agressiva, com a marcação no campo do adversário”, analisou o treinador, citando até a demora em uma substituição para exemplificar como foi a partida neste domingo.

“Foi um jogo agradável. Todos puderam ver inclusive na entrada do Joel, que ficou, não sei, quatro ou cinco minutos ali, esperando. Ele não conseguiu entrar. A bola não saia. Esses espetáculos que queremos ver”, reforçou.

As alterações inclusive foram destacadas no confronto. Depois de iniciar o duelo sem volantes de ofício, muito em função de seus sete desfalques, Dorival ainda chegou a colocar Ronaldo Mendes na vaga do zagueiro Luiz Felipe nos minutos finais, deslocando o meia Rafael Longuine para o setor defensivo. E, poucos minutos depoi, foi justamente a aposta do técnico que garantiu a vitória santista.

“Tem momentos que têm que arriscar e o jogo me proporcionava essa condição. Eu estava na dúvida, porque o Luiz (Felipe) tinha dado sinais de câimbras. Eu estava aguardando. Eu queria ver a equipe reagindo. Precisávamos do resultado e fico feliz do Ronaldo ter entrado, entrado bem. Fez o gol da vitória. Uma vitória importante”, disse, minimizando seus méritos para a conquista de mais três pontos.

Outro jogador que marcou pela primeira vez com a camisa do Peixe foi Léo Cittadini. Criado nas categorias de base do clube, o jogador atuou em uma função diferente neste domingo, mais recuado, mas sou aparecer na área no momento certo para empatar o jogo. E a atitude não passou despercebido pelo comandante.

“Ele tem essa característica. Eu não posso cortar essa característica dele. Ele é meia de origem, ele tem que aproveitar isso. Como volante é uma preocupação maior, mas ele tem liberdade. Nós temos de ter meias que joguem, volantes que joguem. Eu espero que eles não percam isso. Você tem de surpreender em alguns momentos com esses jogadores que vêm de trás. E o Léo foi muito feliz. Foi (ao ataque) no momento certo”.