Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Náutico 3 x 0 Santos

Data: 05/08/2012, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, em Recife, PE.
Público: 11.086 pagantes
Renda: R$ 197.375,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Asp.Fifa-GO)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Evandro Gomes Ferreira (GO).
Cartões amarelos: Ronaldo Alves e Kieza (N); Léo (S).
Gols: Patric (13-2), Kim (35-2) e Kieza (46-2).

NÁUTICO
Felipe; Patric, Marlon, Ronaldo Alves e Douglas (Lúcio); Elicarlos, Martinez, Souza (Ramirez) e Cléverson (Kim); Kieza e Araújo.
Técnico: Alexandre Gallo

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Leandrinho (Dimba), Pedro Casto (Juan), Henrique e Felipe Anderson; Victor Andrade (Miralles) e Bill.
Técnico: Muricy Ramalho



Santos é atropelado pelo Náutico e fica a um ponto da zona de rebaixamento

Patric, Kim e Kieza marcaram para o time da casa. Santos segue sofrendo sem Neymar e companhia

A torcida do Santos já se acostumou a ver golaços marcados em jogadas individuais de seu craque, Neymar. Neste domingo, no entanto, sem seu principal jogador em campo, o santista teve que ver Kim fazer fila desde o campo defensivo e marcar um golaço na vitória por 3 a 0 do Náutico sobre a equipe santista neste sábado.

Além de Kim, o estreante lateral direito Patric abriu o placar e Kieza completou a vitória sobre o desfalcado e apático Santos que encerrou uma sequência de três derrotas seguidas da equipe pernambucana.

O resultado deixa o Náutico em situação mais tranquila no Campeonato Brasileiro. A equipe agora ocupa a 11ª posição com 16 pontos, a quatro de distância da zona de rebaixamento. Já o Santos continua em situação complicada, ficando com 13 pontos na 16ª do Campeonato Brasileiro.

O jogo

As primeiras chances de destaque foram do time mandante, com Aranha sendo exigido aos 11 minutos, quando foi defendeu finalização à queima-roupa de Elicarlos em sobra de bola na área após cobrança de escanteio.

O Náutico chegou a balançar as redes no minuto seguinte, com Araújo recebendo passe em profundidade pela esquerda da área e batendo forte para o gol, mas o tento foi corretamente anulado por posição irregular do atacante.

Um erro na saída de bola santista permitiu que Souza dominasse sozinho na área aos 20 minutos. Na frente de Aranha, o meio-campista tentou o toque por cobertura e acabou mandando a bola por cima do gol.

O alvirrubro dominava o jogo e só não abriu o placar ainda no primeiro tempo por mais uma boa intervenção de Aranha. Aos 46 minutos, o goleiro cresceu para cima de Kieza para impedir que ao atacante marcasse após receber cruzamento sozinho na pequena área.O gol do Náutico pareceu questão de tempo na primeira etapa, mas acabou chegando apenas na segunda: 13 minutos após o fim do intervalo, Souza lançou Araújo na área. O atacante limpou Bruno Rodrigo e bateu para rebote de Aranha. Na área, Patric não perdoou e mandou para as redes.

Após sofrer o gol, o Santos passou a ficar mais tempo com a bola em busca do empate, mas ainda não conseguia criar boas oportunidades. No final, a falta de criatividade da equipe foi punida pelo Náutico, que chegou ao segundo gol em uma pintura de Kim.

Aos 35 minutos, o atacante, que saiu do banco de reservas durante o segundo tempo, puxou fila desde o campo defensivo para invadir a área e tocar com categoria, tirando a bola do alcance de Aranha.

O Peixe ainda pressionou nos minutos finais do jogo tentando diminuir a desvantagem, conseguindo uma sequência de cobranças de escanteio depois dos 40 minutos, mas acabou sofrendo com o contra-ataque do Náutico, que garantiu o terceiro gol da equipe aos 46 minutos, quando Kieza finalizou cara a cara com Aranha.

Após nova derrota santista, Léo se irrita ao ouvir sobre chances de rebaixamento

Para lateral, é prematuro falar sobre queda quando nem o primeiro turno do Brasileiro acabou

O Santos tem o pior ataque do Brasileirão. Ainda não marcou gols fora de casa e com mais uma derrota, desta vez por 3 a 0 para o Náutico em Recife, vê a zona de rebaixamento cada vez mais próxima de sua realidade. Apenas um ponto separa o Santos da rabeira da tabela. Com 13 pontos, o time de Muricy Ramalho ocupa a 16ª posição, a última antes do “inferno”.

Para o mais experiente jogador do Santos é prematuro falar que a realidade do clube neste Brasileiro é lutar contra o rebaixamento. “Realidade? Que realidade? Estamos no primeiro turno ainda e querem falar de rebaixamento?”, disse Léo , muito irritado, minutos depois do fim da partida nos Aflitos ainda no campo.

O jogador de 37 anos pede para que haja paciência neste momento difícil do time. Em suas palavras, não é hora para se achar culpados já que o muitos jogadores enfrentam problemas de lesão e ainda há as baixas de Neymar e Paulo Henrique Ganso que estão com a seleção brasileira nas Olimpíadas.

“É difícil você achar onde está o erro. Não há culpados. Não é momento de apontar ninguém. É momento de se resolver em campo. Às vezes temos como matar o jogo e não matamos. Como eu disse, não é hora de apontar culpados, mas sim de como resolver problemas”, disse Léo.

O lateral-esquerdo também relata a dificuldade que equipe vem enfrentando com os muitos jovens no elenco. Por conta das muitas baixas, são promessas como Victor Andrade e Felipe Anderson que estão precisando resolver. O que nem sempre será possível.

“Nós pode fazer muito mais do que estamos fazendo. Mas temos muitos meninos subindo e há de se convir que não estão acostumados pressão. Mas futebol é assim, é na dificuldade que você tem de botar a cara”, comentou. “Trabalhando a gente está, de repende pode ser algo psicológico, questão de confiança que não está elevada”.

Após derrota, Muricy isenta jovens e critica atuação na janela

Treinador voltou a criticar a diretoria e disse que “não está acostumado com essa situação”

Com nove desfalques, o técnico Muricy Ramalho foi obrigado a lançar mão de jovens promessas na escalação do Santos para o duelo contra o Náutico. Mesmo com a derrota por 3 a 0, porém, o treinador isentou os atletas da base e preferiu criticar a atuação da equipe na janela de transferências internacionais.

“No final nos abrimos porque não tinha outra alternativa, perder por um ou três gols não faz diferença. Até começamos bem no jogo, mas é um time desentrosado, de garotos. Precisamos ter calma em relação a eles, já esperávamos dificuldade porque é um time que nunca jogou junto”, defendeu o comandante alvinegro, que escalou jovens como Pedro Castro, Leandrinho e Victor Andrade.

O treinador voltou a deixar claro que esperava melhores contratações na janela de transferências. “Deixamos passar a janela, demoramos e isso já foi conversado várias vezes. Claro que existem algumas possibilidades que estamos tratando, mas no momento que você precisa o preço aumenta e se acaba pagando por não ter se organizado no passado”, criticou.

Muricy, porém, se recusou a comentar a possibilidade de rebaixamento. “Ainda é cedo para falar alguma coisa, muito ainda pode mudar, mas para quem está acostumado a ficar na parte de cima é duro brigar embaixo, eu mesmo não estou acostumado com essa situação. Isso foi alertado, mas aconteceu e agora precisamos de calma para reverter, ainda tem muita coisa para acontecer”, finalizou.