Atlético-MG 0 x 0 Santos

Data: 05/04/2003, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 30.493
Renda: R$ 266.410,00
Árbitro: Wagner Tardelli Azevedo (RJ)
Cartões amarelos: Cicinho (A); Nenê, Alex, Elano e Paulo Almeida (S).
Cartão vermelho: Nenê (S)

ATLÉTICO-MG
Velloso; Cicinho, André Luiz, Scheidt e Marquinhos; Hélcio, Genalvo, Alexandre (Paulinho) e Lúcio Flávio (Juninho); Guilherme e Alessandro.
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Fábio Costa; Elano (Michel), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Diego (Alexandre) e Nenê; Robinho e Ricardo Oliveira
Técnico: Emerson Leão



Com um jogador a menos, Santos segura empate com Atlético-MG

Equipe santista segue sem vencer na competição

Em uma partida ruim, marcada por muitas faltas, Santos e Atlético-MG não passaram de um empate sem gols na tarde deste sábado, no Mineirão, em jogo válido pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, o time mineiro somou quatro pontos no torneio, enquanto o Santos chegou a dois.

Apesar da proposta ofensiva do Santos para chegar à sua primeira vitória no torneio, o time não jogou bem, especialmente no primeiro tempo. Acuado, as poucas oportunidades foram criadas por meio de contra-ataques. Com um jogador a menos na maior parte do jogo, o empate saiu de bom tamanho ao Santos.

Ao Atlético, superior em campo, faltou qualidade na finalização. Nem a empolgação criada com a goleada aplicada no Corinthians na primeira rodada do Brasileirão e a estréia do novo uniforme serviram para levar o time à segunda vitória consecutiva.

Para conseguir sair do Mineirão com os três pontos, o técnico Emerson Leão tentou uma nova formação. Com uma proposta ofensiva, o treinador recuou Elano para a lateral-direita e inicou a partida com Nenê, ao lado de Robinho e Ricardo Oliveira.

Mas Leão só conseguiu analisar a formação até a metade do primeiro tempo. Aos 26min, Nenê foi expulso ao colocar a mão na bola no meio de campo. Como tinha recebido amarelo no início do jogo, o atacante levou também o vermelho.

O Santos volta a campo na quarta-feira, quando vai a Belém enfrentar o Paysandu. Já o Atlético joga no próximo sábado, contra o Atlético-PR, em Curitiba.

O jogo

A partida começou truncada. Incentivado pela sua torcida, que compareceu em bom número no Mineirão após a goleada aplicada no Corinthians na estréia do Brasileirão, o Atlético foi para o ataque. O Santos, acuado, se defendeu como pôde.

Mas a primeira boa oportunidade do jogo foi criada pelo time do litoral paulista. O zagueiro André Luís quase inaugurou o placar, aos 12min, em uma boa cobrança de falta. A bola passou raspando o travessão superior de Velloso.

O Santos melhorou e equilibrou o jogo após os 15min. O toque de bola da equipe santista irritou os torcedores do Atlético. Aos 26min, porém, a tática ofensiva de Leão foi por água abaixo. Nenê, que havia começado como titular, foi expulso após jogada confusa no meio de campo. Ele tocou a mão na bola e, como já tinha amarelo, foi expulso.

O Atlético cresceu e partiu para cima da equipe santista. Fábio Costa evitou o primeiro gol do alvinegro mineiro aos 32min, ao salvar uma cabeçada à queima-roupa de Cicinho.

O time de Belo Horizonte continuou a sufocar o Santos. Mas a equipe santista conseguiu segurar o empate até o final do primeiro tempo.

Na etapa final, ambos os times voltaram com a mesma formação. O Santos melhorou, mas ainda assim era pressionado pelo time da casa. Sem pressa, a equipe do litoral paulista procurou deixar o tempo passar.

Numa bobeada da defesa atleticana, Ricardo Oliveira perdeu a melhor chance de gol da partida, aos 23min da etapa inicial. O atacante invadiu a área e chutou para o gol. Velloso fechou o ângulo e fez a defesa.

Com um jogador a menos, o objetivo do Santos passou a ser o de não tomar o gol. A equipe jogou mais compacta, aproveitando alguns espaços deixados pelo Atlético, sem esquecer a defesa.

Numa jogada confusa dentro da pequena área do Santos, aos 40min, Guilherme, após duas defesas de Fábio Costa, desperdiçou a chance de abrir o marcador e levar seu time à vitória. O goleiro ainda evitou uma derrota do Santos no final da partida, ao praticar boas defesas.