Portuguesa 0 x 2 Santos

Data: 01/04/2012, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 17ª rodada
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo, SP.
Público: 3.811
Renda: R$ 126.370,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Luis Alexandre Nilsen e Vitor Carmona Metestaine.
Assistentes adicionais: Vinicius Furlan e Sérgio da Rocha Gomes.
Cartões amarelos: Boquita (P); Alan Kardec (S).
Gols: Rafael Caldeira (04-2) e Dimba (14-2).

PORTUGUESA
Rodrigo Calaça; Luis Ricardo, Renato, Gustavo e Ivan; Boquita (Diego Souza), Léo Silva, Guilherme e Henrique (Maylson); Ananias e Ricardo Jesus (Danilo).
Técnico: Jorginho.

SANTOS
Aranha; Bruno Rodrigo, Vinícius Simon e Rafael Caldeira; Maranhão, Adriano (Anderson Carvalho), Elano, Felipe Anderson (Breitner) e Paulo Henrique; Dimba (Rentería) e Alan Kardec.
Técnico: Muricy Ramalho.



Com reservas, Santos vence e complica a Portuguesa

Com a triunfo, equipe alvinegra sobe para o 3º lugar. Já a Lusa está em 15º na tabela

O time reserva do Santos cumpriu sua parte na tarde deste domingo, com uma vitória por 2 a 0 sobre a Portuguesa, no estádio do Canindé. Enquanto os titulares descansam para a Libertadores, o técnico Muricy Ramalho dirigiu os suplentes em novo triunfo no Campeonato Paulista.

Apesar de ter jogado muito mal no primeiro tempo, o Peixe se recuperou na etapa final e subiu para o terceiro lugar do Estadual, com 36 pontos, ultrapassando o Palmeiras. Já a Lusa se complicou, pois fica no 15º lugar, com 17 pontos, apenas quatro a mais que a zona de rebaixamento.

Os gols do Santos foram marcados no início da etapa final. Rafael Caldeira abriu o placar de cabeça, e Dimba definiu a contagem. Na defesa, Aranha fez sua parte com duas boas defesas para assegurar os três pontos.

Pelo Paulistão, a Portuguesa volta a campo na noite de sábado, novamente no Canindé, contra o Linense. Já o Santos atua no domingo, diante do São Caetano, no Anacleto Campanella.

Antes, o técnico Muricy Ramalho recoloca seus titulares em campo, na noite de quarta-feira, diante do Internacional, no Beira-Rio, pela Copa Libertadores da América. No mesmo dia, a Portuguesa vai a Caxias do Sul para encarar o Juventude, pela Copa do Brasil.

O jogo

A necessidade de se distanciar da parte de baixo da tabela fez a Lusa partir para o ataque no início da partida. Assim, logo no primeiro lance, Luis Ricardo cruzou da direita e Ricardo Jesus disputou pelo alto com Rafael Caldeira, mas Aranha fez a defesa.

Pouco depois, Henrique arriscou de fora da área e errou o alvo, dando uma amostra do que o torcedor assistiria durante todo o primeiro tempo no Canindé. O desentrosamento atrapalhou os reservas do Peixe, e a falta de qualidade era o problema da Rubro-verde. O resultado foi um festival de erros.

A primeira chance dos visitantes saiu em cobrança de escanteio, mas Elano mandou direto para a lateral. Do outro lado, Guilherme tentou surpreender em chute de fora da área, carimbando a defesa.

Felipe Anderson chegou a se arriscar em jogada individual pela esquerda, mas a zaga tirou antes de Alan Kardec alcançar. Aos 30 minutos, Guilherme avançou pela intermediária e chutou rasteiro, exigindo boa defesa de Aranha, na melhor oportunidade da etapa.

Antes do intervalo, a Portuguesa ainda teve dois escanteios e os desperdiçou. No primeiro, Aranha segurou sem problemas. No outro, o zagueiro Gustavo cabeceou por cima.

As duas equipes voltaram sem alterações para o segundo tempo, mas a postura do Santos foi diferente. Assim, aos quatro minutos, o Peixe inaugurou a contagem. Enquanto era xingado por torcedores da Portuguesa, Elano cobrou escanteio e viu Rafael Caldeira cabecear para as redes.

Logo depois do gol, parte da torcida rubro-verde começou a entoar o grito de “vergonha” e protestar contra a diretoria. Em campo, Jorginho tentou dar um novo ritmo ao seu time, tirando o volante Boquita para a entrada do meia Diego Souza.

Porém, aos 14, Felipe Anderson fez jogada individual pela esquerda, chegou à linha de fundo e cruzou rasteiro para Dimba completar para as redes. Em seguida, Jorginho fez mais uma alteração, com Danilo na vaga de Ricardo Jesus.

A Portuguesa se lançou no desespero ao ataque e quase descontou. Henrique recebeu livre na linha da pequena área e arrematou, mas Aranha fez grande defesa. Depois do lance, o técnico da equipe da casa tirou o meia e colocou Maylson.

A Lusa, inclusive, teve mais uma chance, desta vez em bola parada. Ivan cobrou falta e viu Aranha se esticar para defender. O ímpeto dos donos da casa diminuiu, e o Peixe segurou o placar positivo.