Grêmio Barueri 0 x 0 Santos

Data: 17/10/2009, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 30ª rodada
Local: Arena Barueri, em Barueri, SP.
Público: 3.684 pagantes
Renda: R$ 74,030,00
Árbitro: Marcelo Aparecido de Souza (SP)
Auxiliares: Márcio Luiz Augusto (SP) e João Bourgalber Chaves (SP)
Cartões amarelos: Xandão, Ralf e João Vitor (B); Kléber Pereira (duas vezes), Madson, Astorga, Eli Sabiá (S).
Cartão Vermelho: Kléber Pereira (S)

GRÊMIO BARUERI
Renê; Xandão, André Luiz e Leandro Castan; Eder (Everton), Ralf, João Vitor, Thiago Humberto e Márcio Careca; Val Baiano (Willian) e Henrique Dias (Basílio).
Técnico: Diego Cerri

SANTOS
Felipe; Pará, Astorga, Eli Sabiá e Triguinho; Rodrigo Souto, Rodrigo Mancha (Luizinho), Madson e Felipe Azevedo (Alan Patrick); Gil (Robson) e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Felipe segura empate, e Barueri e Santos seguem ‘iguais’ no Brasileiro

Barueri e Santos fazem campanhas pouco inspiradas no Campeonato Brasileiro. Estão longe do G-4 e da zona de rebaixamento. O empate por 0 a 0, neste sábado, na Grande São Paulo, traduziu o desempenho mediano das duas equipes no torneio, que seguem iguais na pontuação: 41 pontos.

O time da Vila Belmiro deve o resultado sem gols a Felipe, que executou duas excelentes defesas na segunda etapa, impedindo gols de Thiago Humberto e Leandro Castan. Ao final da partida, o goleiro santista foi ovacionado pela torcida alvinegra presente na Arena Barueri.

Poucas jogadas agudas no ataque e muita dificuldade na armação das jogadas. Essa foi a tônica do jogo. Distantes do líder Palmeiras, com 54 pontos, Barueri e Santos atualmente almejam vagas para a Copa Sul-Americana de 2010.

O piso escorregadio, ocasionado pela chuva antes da partida, prejudicou os jogadores de Barueri e Santos durante o jogo. Escorregões, passes errados e chutões se repetiam sobretudo na primeira etapa.

Sem Paulo Henrique Ganso e Neymar, que servem às seleções de base, coube a Madson a função de alimentar o ataque santista, que contou com Gil e Kléber Pereira. A estratégia pouco funcionou nos 45 min iniciais, esbarrando no trio de zaga do Barueri.

Já o time da casa incomodava o goleiro Felipe em tabelas rápidas e em chutes de longa distância, com Val Baiano e Thiago Humberto. Em um dos lances no primeiro tempo, Márcio Careca acionou Val Baiano no contra-ataque. O atacante chutou para fora.

O Santos respondia em lances de bola parada, mas sem perigo. Na principal jogada do Santos na primeira etapa, Kléber Pereira ajeitou erradamente a bola em cruzamento rasteiro, em que ficaria frente a frente com Renê, sem marcação. Sobrou disposição dos dois times no primeiro tempo, mas faltou qualidade técnica.

Para a segunda etapa, Vanderlei Luxemburgo sacou o apagado Gil para a entrada de Róbson. A mudança deu alento ao ataque santista. Melhor distribuído ofensivamente, o Santos, porém, errava nas conclusões.

Insatisfeito com o rendimento do ataque, o técnico do Barueri, Diego Cerri, também buscou alternativas. Basílio e Willian entraram na segunda etapa.

As tentativas dos treinadores em reforçar o setor ofensivo seguiam sem efeito. O jogo continuava arrastado durante a segunda etapa, sem grandes emoções, a ponto de Luizinho tentar “tabelar” com o árbitro Marcelo de Souza. O jogador não percebeu que não se tratava de um companheiro de equipe, tocando a bola para o juiz, que deixou a bola sair pela lateral.

Sumido em campo, Kléber Pereira recebeu dois amarelos, sendo expulso no segundo tempo. Com um a menos, Luxemburgo tentou suprir o vazio no ataque, apostando em Alan Patrick, na vaga de Felipe Azevedo.

Quando o Barueri largou a monotonia nos minutos finais de jogo, Felipe salvou o Santos em dois momentos de perigo ao gol santista. Na primeira, ele evitou gol de Thiago Humberto. Minutos depois, o jovem goleiro santista impediu gol de Castan.

No minuto final de jogo, o Santos contou com a sorte. Willian soltou uma bomba da intermediária, acertando o travessão.