Santos 0 x 0 Vitória

Data: 12/10/2009, segunda-feira, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 29ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 23.673 pagantes
Renda: R$ 263.305,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Hilton Moutinho Rodrigues (RJ) e Lincoln Ribeiro Taques (MT)
Cartões amarelos: Triguinho, Neymar, Germano e Rodrigo Souto (S); Apodi e Willian (V).

SANTOS
Felipe; Luizinho (Madson), Astorga, Eli Sabiá e Triguinho; Rodrigo Souto, Pará, Germano e Felipe Azevedo (Robson); Neymar e Kléber Pereira (André).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

VITÓRIA
Gleguer; Apodi, Wallace, Fábio Ferreira e Leandro; Vanderson, Magal, Willian (Gil) e Ramon; Roger (Neto Berola) e Glaucio (Elkeson).
Técnico: Vagner Mancini



Santos fracassa em vingança, só empata com Vitória e segue longe do G-4

No dia 12 de julho, o Santos foi goleado pelo Vitória por 6 a 2. Coincidentemente, o treinador daquele vexame foi Vagner Mancini. Não suportou a pressão e acabou sendo demitido. Exatos três meses depois, o time da Vila Belmiro e o ex-comandante se reencontraram. E o placar, mais uma vez, não foi bom para o elenco paulista. O 0 a 0, desta segunda-feira, no Pacaembu, frustrou a vingança e o manteve distante do G-4 do Campeonato Brasileiro.

O resultado não estava nos planos do Santos. Além da vitória sobre o Sport, na rodada passada, a equipe da Vila Belmiro tinha um rival “engasgado” pela frente. E pretendia “dar o troco” daquele vexame no Barradão. Desde então, o técnico Vanderlei Luxemburgo reiterou diversas vezes o fraco trabalho de Vagner Mancini à frente do elenco no Brasileiro. Quando o atual técnico do Vitória foi demitido, o clube ocupava a 10ª colocação.

Hoje, com o empate “em casa”, aparece em 13º, com 40 pontos, um a menos que o próprio elenco baiano, que não ganha há três rodadas. O Atlético-MG, atual quarto colocado, contabiliza 47 pontos. Viu sua diferença reduzir em um ponto, mas uma vaga na próxima edição da Copa Libertadores ainda está complicada. Por isso, até mandou sua partida no Pacaembu, um estádio que tem dado sorte nesta temporada.

Sem contar os confrontos contra o Corinthians, havia jogado em quatro oportunidades. Venceu todas. A expectativa era que o local pudesse ajudar mais uma vez. Empurrado por mais de 30 mil torcedores, até deu sinais de que poderia fazer isso. Foi melhor durante boa parte do primeiro tempo. Criou várias oportunidades, principalmente com a dupla de ataque formada por Neymar e Kléber Pereira.

Na principal, aos 20min, o camisa 9 recebe do jovem jogador e bate forte, exigindo uma complicada defesa de Gléguer. O goleiro foi um dos melhores em campo no primeiro tempo. Já o Vitória, que viu seu atacante Roger se contundir e ser substituído ainda na etapa inicial, conseguiu suportar uma intensa pressão do rival e ainda levou certo perigo. Aos 29min, por exemplo, quase chegou ao gol, com Ramón.

“Precisamos ter calma. Só assim vamos conseguir o gol”, admitiu Kléber Pereira. Luxemburgo decidiu mudar. Colocou Madson no lugar de Luizinho. E o time partiu para cima. Assim como ocorreu na etapa inicial, criou excelentes chances, mas pecava na finalização ou parava em defesas do goleiro Gleguer.

O próprio Madson e Felipe Azevedo não conseguiram marcar. O atacante Kléber Pereira também sua oportunidade, mas seu chute, aos 22min, foi na trave. Aos 41min, Neymar bateu cruzado e também falhou na finalização. Apesar da pressão (mais de 20 finalizações), não conseguiu furar o bloqueio do Vitória, que se mostrou satisfeito com o resultado.

O Santos volta a jogar pelo Brasileiro no próximo sábado, diante do Grêmio Barueri, fora de casa. Um dia depois, o Vitória recebe o desesperado Náutico, no Barradão.