Santos 3 x 1 Náutico

Data: 07/11/2009, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 11.304 pagantes
Renda: R$ 200.920,00
Árbitro: Wagner Tardelli (SC)
Auxiliares: Alcides Zawaski Pazetto e Kléber Lucio Gil (ambos de SC).
Cartões amarelos: Rodrigo Souto, Léo e Róbson (S); Irênio, Anderson Santana, Márcio e Johnny (N).
Gols: Kléber Pereira (29-1, de pênalti); Neymar (13-2), Aílton (22-2, de pênalti) e Neymar (43-2).

SANTOS
Felipe; Pará, Adaílton, Eli Sabiá e Léo; Rodrigo Souto, Rodrigo Mancha, Róbson (Madson) e Paulo Henrique; Jean (Neymar) e Kléber Pereira (Felipe Azevedo).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

NÁUTICO
Glédson; Marcio, Fernando ( e Anderson Santana; Patrick, Johnny, Aílton, Irênio (Mariano Torres) e Michel; Carlinhos Bala (Ferreira) e Bruno Mineiro.
Técnico: Geninho



Santos vence, espanta risco da queda e deixa Náutico perto da Série B

O Santos afastou qualquer risco de rebaixamento. Por outro lado, o descenso está mais próximo do Náutico. Com dois gols de Neymar, que retornou da seleção sub-17, a equipe de Vila Belmiro derrotou o rival nordestino por 3 a 1, no Pacaembu, encerrou jejum de cinco jogos e agora se preocupa apenas em assegurar uma vaga na Copa Sul-Americana. O time pernambucano, por outro lado, terá apenas quatro jogos para evitar sua queda à Série B.

O resultado é um alívio para o Santos. Luxemburgo sabia exatamente que não poderia falhar mais uma vez. Não havia vencido os últimos cinco compromissos e contabilizou apenas três pontos neste período. Diante disso, o discurso também mudou. Deixou de ser a conquista de vaga para a Copa Libertadores e, mesmo que discretamente, passou a ter um certo temor pela queda.

Com a vitória, subiu para 45 pontos e espantou o risco de cair para a segunda divisão. No dia 15 de novembro, terá pela frente o Internacional, no Beira-Rio. Já o Náutico vê a queda mais próxima. A quatro rodadas para o encerramento, a equipe treinada por Geninho soma apenas 35 pontos e segue entre os piores. Daqui a oito dias, enfrenta o Flamengo, um dos melhores do Brasileiro, nos Aflitos.

Diante disso, o Santos pretendia aproveitar o desespero do adversário e adotou uma postura ofensiva desde início. Kléber Pereira desperdiçou duas boas oportunidades. Róbson quase balançou as redes. Paulo Henrique cobrou uma falta no travessão, aos 10min. Mas o Náutico também era perigoso. Aos 24min, Bruno Mineiro acertou a trave do goleiro Felipe. Apesar deste susto, o time santista estava melhor. E chegou ao seu primeiro gol.

Aos 29min, Michel derrubou Róbson dentro da área dentro da área. Kléber Pereira bateu o pênalti e fez o primeiro dos donos da casa. “Estávamos bem na partida até fazer o gol. Depois, nossa equipe recuou. Vamos procurar encontrar com mais seriedade. Precisamos ter mais atenção para voltar com mais determinação”, comentou Kléber Pereira no intervalo.

E o Santos teve atenção. Além de encontrar um adversário nervoso, a entrada de Neymar deu mais rapidez ao ataque paulista, que dominou completamente a partida. Aos 12min, o atacante, que retornou da seleção brasileira sub-17, já mostrou toda sua habilidade e quase marcou. Luxemburgo “ouviu” a torcida e colocou Madson em campo. Logo em seguida, ele rolou para o próprio Neymar, que tocou no canto direito de Glédson. 2 a 0.

Só dava Santos. Aos 15min, Madson acertou a trave (o goleiro também tocou na bola). O Náutico dava sinais de que estava mais preocupado em evitar outros gols. No entanto, o árbitro Wagner Tardelli marcou pênalti para os visitantes, aos 22min. Aílton cobrou e diminuiu.

O gol deu ânimo aos rivais, que quase empataram. Aos 29min, Ferreira, sozinho dentro da área, desperdiçou uma incrível chance e não evitou mais um revés. Aos 42min, o goleiro Felipe fez uma espécie de “milagre” com o pé. No contra-ataque, Madson rolou para Neymar, que selou a vitória santista. 3 a 1.

Apesar da vitória, Luxemburgo culpa “política” por instabilidade do Santos

A vitória diante do Náutico por 3 a 1, no Pacaembu, colocou ponto final numa sequência de cinco partidas sem vitória do Santos. Para Vanderlei Luxemburgo, essa instabilidade da equipe de Vila Belmiro no Campeonato Brasileiro é motivada pelo “momento político” do clube.

A eleição está marcada para o início de dezembro. O presidente Marcelo Teixeira ainda não definiu se será candidato. Luxemburgo já declarou seu apoio ao atual mandatário. Enquanto isso, a oposição não poupa críticas ao treinador e já disse que “muitas mudanças serão feitas”, caso vença a disputa.

“O clima externo é pesado. De repente, essa coisa passou para dentro de campo. Mas é o momento do clube. A eleição está muito acirrada”, comentou o treinador. “Se essa equipe estivesse preparada, não estaria nem aí para a parte política. Não estamos preparados para o adversário, o que dizer então dessa pressão externa”, comentou.

Luxemburgo vai além. Pediu uma definição rápida da atual diretoria. Isso, segundo ele, também daria mais tranquilidade. “Essa definição do que vai ser feito no Santos precisa ser tomada. Eu já tomei minha posição [deseja que Marcelo Teixeira seja candidato. A situação precisa definir rapidamente isso. É importante para nos deixar mais tranquilo”, acrescentou.

Com a vitória deste sábado, o Santos chegou aos 45 pontos e espantou qualquer risco de rebaixamento. No dia 15 de novembro, terá pela frente o Internacional, em Porto Alegre.