Vídeos: (1) Melhores momentos e (2) Reportagem do Fantástico.

São Paulo 2 x 3 Santos

Data: 11/04/2010, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal – Jogo de ida
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 35.695
Renda: R$ 1.578.325,25
Árbitro: Marcelo Rogério
Auxiliares: Vicente Romano Neto e David Botelho Barbosa.
Cartões amarelos: Marlos e Cicinho (SP); Neymar, Léo, Robinho, Wesley, Edu Dracena e Ganso (S).
Cartão vermelho: Marlos (SP)
Gols: Junior Cesar (25-1, contra), André (40-1); Hernanes (08-2), Dagoberto (22-2) e Durval (45-2).

SÃO PAULO
Rogério Ceni; Jean, Alex Silva, Miranda e Junior Cesar; Rodrigo Souto, Hernanes, Jorge Wagner (Fernandinho) e Marlos; Dagoberto (Marcelinho Paraíba) e Washington (Cicinho).
Técnico: Ricardo Gomes

SANTOS
Felipe; Wesley, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Marquinhos (Zé Eduardo) e Paulo Henrique Ganso; Robinho, Neymar (Madson) e André (Pará).
Técnico: Dorival Júnior



Com um a mais, Santos frustra reação do São Paulo e vence com gol no fim

Um clássico emocionante e com dois tempos diferentes aconteceu na tarde deste domingo no Morumbi, pelas semifinais do Campeonato Paulista. No primeiro, o Santos foi superior, teve a vantagem de jogar com um a mais a partir dos 32 minutos, quando Marlos foi expulso, e fez 2 a 0, gol contra de Junior Cesar e um a favor de André. No segundo, Ricardo Gomes mudou, o time da casa foi no embalo da torcida e empatou, com Hernanes e Dagoberto. Mas aos 45min, Durval fez de cabeça e decretou o placar final: 3 a 2 para o a equipe alvinegra.

Com o triunfo fora de casa, o Santos pode até perder na Vila Belmiro por um gol, no próximo domingo, que estará na decisão do Estadual. O São Paulo terá de ganhar por dois ou mais gols de diferença para se classificar.

Lances polêmicos também apimentaram o clássico. Os são-paulinos reclamaram da expulsão de Marlos, que recebeu dois amarelos após cometer faltas. Além disso, no primeiro gol, Leo cruzou e dois santistas estavam impedidos. Para evitar que a bola passasse, Junior Cesar acabou marcando contra.

“O São Paulo merece respeito, é uma grande equipe, mas tem o Santos do outro lado. Tomamos o segundo gol, não estava nos planos nem tomar o primeiro. O time recuou demais, tem sempre a característica de ir para frente. Quando resolvemos ir para cima, fizemos o terceiro”, comentou Leo ao final do confronto.

“Não fomos bem a partir da expulsão do Marlos no primeiro tempo. Queria que alguém me explicasse essa expulsão”, esbravejou Ricardo Gomes.

O treinador aprovou a postura do seus comandados no segundo tempo e acredita na reação fora de casa. “É uma boa vantagem a do Santos, mas melhor era no intervalo, com dois gols e um homem a mais. Conseguimos reverter. Agora nos dá confiança para, quem sabe, ir lá e vencer. Vai ser dificílimo.”

A partida já indicava que seria agitada pelas escalações. O visitante Dorival Júnior manteve a formação com dois meias, três atacantes e apenas um volante. “No campeonato todo tivemos essa opção de entramos com três meias. A equipe está preparada, muito consciente, muito confiante”, justificou, antes de a bola rolar.

“Os dois times têm no mínimo quatro jogadores que podem desestabilizar o sistema defensivo adversário. Vai ser um jogão”, previu do outro lado Ricardo Gomes. Ele repetiu os 11 titulares que superaram o Santo André na última quarta-feira, com Marlos na armação.

Logo nos minutos iniciais, as duas equipes mostraram que atuariam de forma aberta. Entretanto, erraram muitos passes no ataque. As primeiras chances de gol apareceram em chutes de longa distância, mas sem levar perigo a Felipe e Rogério Ceni.

O time alvinegro aplicou mais velocidade na troca de passes e explorou o lado esquerdo do ataque, com Neymar e o apoio de Leo. Aos 25min, o camisa 7 rolou, o lateral cruzou rasteiro, Junior Cesar tentou tirar e fez contra.

Os visitantes mantiveram a pressão, mas quem quase balançou as redes foi Hernanes, que arriscou de fora da área. Felipe pulou para o seu lado esquerdo e espalmou pela linha de fundo.

Aos 32min, Marlos cometeu falta em Robinho. Como já tinha o amarelo, foi expulso. “Todo clássico tem uma expulsão do São Paulo. É coincidência”, ironizou Washington, na saída para o intervalo. Na primeira fase, Dagoberto levou o vermelho contra a Portuguesa, Xandão contra o Palmeiras e o próprio Washington contra o Corinthians.

O segundo gol começou pelo lado direito, mas a bola atravessou todo o campo e foi para a esquerda, novamente nos pés de Neymar. O jovem de 18 anos partiu para cima de Jean e fez a assistência. André surgiu sozinho na área e finalizou de primeira, sem chances para Ceni.

Preocupado com força santista pelo lado esquerdo do ataque, Ricardo Gomes colocou Cicinho no lugar de Washington. E mudou o panorama do duelo, pois o São Paulo cresceu.

Robinho quase ampliou com um chute de primeira, de perna esquerda. A bola foi pela lado de fora da rede, logo aos 2min da etapa final.

Aos 8min, Hernanes marcou um belo gol. O camisa 10 cortou para o meio, passou por dois marcadores e chutou rasteiro, no canto. O duelo pegou fogo. Em um contra-ataque, Robinho acertou o travessão. Aos 22min, Cicinho cruzou, Dagoberto subiu sozinho na área e cabeceou no canto esquerdo do gol de Felipe.

Nos 15 minutos finais, o time litorâneo voltou a ter mais posse de bola. Aos 45min, Madson cobrou falta no segundo pau, Durval subiu atrás de Rogério Ceni e cabeceou para o gol vazio.

Herói, Durval celebra gol na hora certa, mas critica erros e sufoco sofrido

Com tantos atacantes badalados, curiosamente o Santos teve como herói no clássico contra o São Paulo um jogador de zaga. O ‘pacato’ Durval marcou quase nos acréscimos o gol que deixou o time da Vila Belmiro ainda mais perto da final do Paulistão.

O zagueiro do Santos celebrou o feito, principalmente porque a jogada que resultou no gol também foi dele. Durval fintou Miranda e sofreu a falta. Na cobrança, Madson achou o jogador, que de cabeça definiu a partida.

“Eu que sofri a falta que o Madson cobrou perfeitamente e eu concluí em um gol muito importante que aumenta a nossa vantagem. Não vamos pensar só nisso, temos que fazer por onde. Por isso merecemos a vitória tão linda, sofrida, mas tão agradável”.

Durval fez contra o São Paulo o seu primeiro gol com a camisa do Santos em 20 jogos disputados. O zagueiro, agora, espera fazer mais. “O gol veio na hora certa contra o São Paulo, foi muito importante. Em 20 jogos pelo Santos eu fiz meu primeiro gol decisivo. Espero que seja o primeiro de vários”.

Entretanto, Durval destacou que o Santos teve erros bobos e permitiu a reação do adversário quando o time tinha uma boa vantagem no placar, algo que nunca mais poderá acontecer no seu ponto de vista.

“Poderia ter sido melhor, pois no primeiro tempo o Santos terminou vencendo por 2 a 0, mas tomamos sufoco e o empate, jamais pode acontecer esse tipo de coisa. Temos que corrigir o mais rápido possível”.