São Caetano 1 x 3 Santos

Data: 04/04/2010, domingo.
Competição: Campeonato Paulista – Primeira fase – 18ª rodada (penúltima)
Local: Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano, SP.
Árbitro: Guilherme Cereta de Lima
Auxiliares: Márcio Luiz Augusto e Danilo Ricardo Simom
Cartões amarelos: Lucas e Marcelo Batatais (SC); Léo e Pará (S).
Cartão vermelho: Léo (S)
Gols: Marquinhos (02-1) e Hugo (38-1); Neymar (22-2) e Robinho (34-2).

SÃO CAETANO
Luiz; Moradei, Marcelo Batatais, Anderson Marques e Romário; Jairo, Lucas, Fernandes e Éverton Ribeiro (Luciano Mandi); Hugo (Eduardo) e Wanderley (Fábio).
Técnico: Roberto Fonseca

SANTOS
Felipe, Pará (Rodriguinho), Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Wesley e Marquinhos; Robinho (Zezinho), André e Neymar (Maikon Leite).
Técnico: Dorival Júnior



Na volta de Robinho, Santos ‘joga para o gasto’ e vence São Caetano no ABC

Na volta de Robinho aos gramados, neste domingo, no Anacleto Campanella, o já classificado Santos (e com a liderança garantida) não repetiu as atuações que vêm ‘enchendo os olhos’ da torcida. Mesmo assim, jogou o suficiente para vencer o São Caetano por 3 a 1, abrir sete pontos em relação ao segundo colocado e de quebra acabar com as esperanças do time do ABC em conquistar uma vaga nas semifinais do Campeonato Paulista.

Ausente da equipe do litoral por quatro partidas em função de uma lesão no músculo adutor da coxa esquerda, o Rei das pedaladas – que completou seu jogo de número 200 com a camisa do Santos – não teve uma boa apresentação, mas acabou marcando um belo gol, o terceiro do Peixe, que avançou para 44 pontos na tabela. Por outro lado, o São Caetano parou nos 27 e, restando apenas uma rodada para o fim da primeira fase, não pode mais alcançar o São Paulo, quarto colocado com 33. Com isso, passa a se concentrar no Troféu Campeão do Interior.

O Santos – que não contava com Ganso, suspenso – não perdeu tempo após o apito inicial e em sua primeira chegada à área do São Caetano conseguiu abrir o placar com uma ‘ajudinha’ do adversário. Marquinhos cobrou falta pela esquerda e o atacante Hugo desviou de cabeça contra sua própria meta, tirando qualquer chance do goleiro Luiz intervir no lance. Um novo lance de bola parada, outro com o camisa 10 santista, aos 13min, voltou a assustar os anfitriões, mas desta vez o travessão acabou evitando o segundo gol.

Nem parecia ser o São Caetano que precisava do resultado. Mesmo após um período de equilíbrio entre as duas equipes, foi o Santos quem voltou a levar perigo após dois vacilos da defesa do time do ABC, que foi recuando em direção ao seu próprio gol e acabou dando espaço para Robinho e Marquinhos finalizarem com perigo da entrada da área. No primeiro lance, do camisa 7, Luiz defendeu para o meio da área e o atacante André, no rebote, tirou tinta da trave direita.

Errando poucos passes e contando com muita movimentação de seu setor ofensivo, o Santos não oferecia ataques ao São Caetano. Mas uma falha do lateral Pará na entrada da área acabou dando a chance que os donos da casa precisavam; o atacante Hugo ficou com a bola e finalizou no canto esquerdo do goleiro Felipe, redimindo-se do gol contra do início do jogo. Na saída para o intervalo, Pará explicou o erro que provocou o gol de empate do São Caetano.

“Eu vi o Robinho sozinho, fui tocar para ele, mas infelizmente o Fernandes esticou o pé e ficou com a bola”, lamentou Pará. Antes do início do segundo tempo, o técnico Dorival Júnior criticou a falta de objetividade de sua equipe nos 45 minutos iniciais e pediu mais seriedade a seus jogadores. A resposta veio aos 7min, mas o assistente viu impedimento de Neymar, que em posição legal finalizou de direita na saída de Luiz. Antes disso, Wanderley quase havia virado a partida ao acertar o travessão.

Diferente do primeiro tempo, o São Caetano passou a ficar mais perigoso, especialmente em lances de contra-ataque. Mas foi o Santos quem, em bola alçada na área, mexeu novamente no placar. André cruzou da linha de funda, quase da marca do escanteio, e Neymar, sem marcação, cabeceou com estilo para as redes, aos 22min.

Depois de leve pressão do time da casa, o Santos aproveitou rápido contra-ataque para ampliar e praticamente definir a partida. Arouca achou Robinho livre no campo de ataque; o camisa 7 avançou, ficou cara a cara com o Luiz e finalizou para as redes após deixar o goleiro praticamente no chão, aos 34min. Ainda houve tempo para Léo receber o segundo cartão amarelo após chutar a bola longe e ser expulso antes do apito final.