Santos 2 x 0 Goiás

Data: 28/08/2010, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 17ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 17.968 pagantes
Renda: R$ 435.340,00
Árbitro: Alício Pena Júnior (MG)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (MG) e Fábio Pereira (TO).
Cartões amarelos: Rodriguinho, Arouca e Léo (S); Rithelly, Rafael Moura, Romerito, Otacílio Neto e Rafael Toloi (G).
Gols: Zé Eduardo (30-2) e Alan Patrick (36-2).

SANTOS
Rafael; Pará, Bruno Aguiar, Durval e Léo (Danilo); Arouca, Rodriguinho e Marquinhos (Alan Patrick); Neymar, Keirrison (Madson) e Zé Eduardo.
Técnico: Dorival Júnior

GOIÁS
Harlei; Douglas, Rafael Toloi, Ernando e Júnior; Jonilson, Rithelly, Amaral e Bernardo (Romerito); Everton Santos (Carlos Alberto) e Rafael Moura (Otacílio Neto).
Técnico: Wladimir Araújo.



Santos ignora ausência de Ganso e pênalti perdido e derrota o Goiás

Zé Love faz golaço de voleio

Nem mesmo a ausência do meia Paulo Henrique Ganso (que ficará seis meses sem jogar por causa de uma lesão no joelho) ou mais um pênalti perdido por Neymar atrapalharam o Santos contra o Goiás na noite deste sábado. Apoiada por um bom público no Pacaembu, a equipe paulista venceu o lanterna por 2 a 0 e se aproximou dos líderes do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado, o Santos abriu uma caça aos líderes do Brasileirão, já que chega a 27 pontos, contra 36 do Fluminense e 31 do Corinthians, que jogam neste domingo pelo complemento da rodada. Os dois times, entretanto, ficarão com uma partida a mais que o Santos. Já o Goiás permanece na lanterna do campeonato com 13 pontos.

A partida deste sábado foi a primeira do Santos após a grave contusão sofrida por Ganso. O jogador, que foi operado pela manhã, recebeu o carinho dos companheiros, que entraram no gramado com a seguinte faixa de apoio: “Força Ganso! A “10″ está esperando por você!”

Em campo, o técnico Dorival Junior surpreendeu na escalação do Santos. O meia Zezinho, favorito para a vaga de Ganso, ficou na reserva. Keirrison começou como titular, e o esquema do time alvinegro passou para o 4-3-3.

E o esquema ofensivo não ficou só na teoria. O Santos buscou pressionar o Goiás desde o início, e fez do goleiro Harlei um dos destaques da primeira etapa, principalmente quando ele defendeu uma bola a queima-roupa de Keirrison.

O Goiás, de técnico interino (Wladimir Araújo, no lugar do demitido Emerson Leão), concentrou as suas ações de ataque no lateral-esquerdo Junior, que atacava pelo meio na criação de jogadas e levava perigo.

Mas com o passar do tempo, o Santos forçou demais as ações ofensivas em Neymar, que sofreu com a marcação adversária e reclamou bastante de algumas faltas não assinaladas pelo árbitro Alicio Pena Junior. numa delas, houve um lance inusitado: o jogador foi atingido por Otacílio Neto e ficou de sunga no gramado.

Zé Eduardo também se isolou muito na frente na função de pivô, e virou presa fácil para a marcação do Goiás. Escolhido para substituir Ganso, o meia Marquinhos (que jogou com a 10) mostrou lentidão e dificuldade para sair do ferrolho defensivo do adversário.

“Eles estão jogando a vida deles. Tem que ter cuidado com o contra-ataque, que é muito perigoso”, advertiu o lateral-esquerdo Léo na saída do intervalo. “Criamos várias oportunidades, mas o gol não saiu. O professor vai corrigir para sair a vitória”, afirmou o volante Arouca.

O Santos voltou para o segundo tempo com a mesma intensidade do início da primeira etapa, e perdeu alguns gols para abrir o placar e até ganhar uma ‘folga’ no jogo. O Goiás também foi perigoso, embora inferior ao time alvinegro.

O interino do Goiás tentou mexer na equipe tirando o meia Bernardo, que vinha bem no jogo, para a entrada do veterano Romerito. Já Dorival Junior sacou Keirrison para a entrada de Madson, voltando ao 4-4-2.

E um lance capital no jogo aconteceu no meio do segundo tempo. Zé Eduardo foi derrubado na área e o árbitro deu pênalti. Neymar bateu e Harlei defendeu. Na quarta-feira, contra o Grêmio, o atacante já havia perdido uma cobrança (apesar de também ter marcado um gol de pênalti no jogo).

Depois da decepção, um susto. O Goiás colocou a bola na rede. Mas o gol foi anulado corretamente porque Rafael Moura cometeu falta no goleiro Rafael.

O Goiás nem teve muito tempo para reclamar. Aos 30min o Santos chegou ao gol em bela jogada que culminou em golaço de Zé Eduardo, indefensável para Harlei e que mudou a dinâmica do jogo, para incredulidade de alguns torcedores perto da cabine de rádio que pediram a sua saída desde o início do segundo tempo. Pouco tempo depois, Alan Patrick ampliou e definiu a partida.

O Santos criou outras tantas chances de marcar, mas esbarrou no seu preciosismo e, por conta disso, parou no 2 a 0 contra um Goiás que parecia não ter mais forçar para reagir.

As duas equipes voltam a jogar no meio da semana pelo Brasileirão: o Goiás enfrenta o Atlético-MG na quarta-feira no Serra Dourada (21h), enquanto o Santos recebe o Avaí na quinta, no mesmo horário, na Vila Belmiro.

Após novo erro, Dorival tira de Neymar o ‘posto’ de cobrador de pênaltis

O Santos venceu, mas Neymar voltou a desperdiçar uma cobrança de pênalti neste sábado, no Pacaembu. Foram dois erros nos dois últimos jogos, mas em ambas – contra Grêmio e Goiás – o atacante teve a ‘sorte’ de sua equipe sair com a vitória. Porém, tal fato já foi o suficiente para o camisa 11 perder o posto de cobrador de pênaltis, pelo menos por enquanto.

“Até no sentido de preservá-lo, temos de saber o momento. Errou mais uma vez, infelizmente, e agora é voltar a trabalhar um pouco mais, dar tranquilidade… Mas nesse intervalo vamos dar um tempo para deixar as coisas com um pouco mais de qualidade e tentar modificar isso”, confirmou o técnico Dorival Júnior.

Ao término do jogo, Neymar mostrou-se revoltado por ter perdido mais um pênalti. Com o deste sábado, foram cinco erros nos últimos nove cobrados. “Preciso fazer as pazes com o pênalti, não é possível”, lamentou o atacante. Para os próximos jogos, Dorival Júnior já deu pistas de quem deve ser novo cobrador, e voltou a afirmar que Neymar, com o tempo, recuperará o posto.

“Vamos trabalhar ainda, mas temos o Marcel, o Keirrison, o Marquinhos, o próprio Madson. Mas o Neymar não está totalmente descartado não. É ele ter tempo para por a cabeça no lugar”, declarou o treinador, que encontrou uma justificativa para o mau momento de Neymar nas penalidades: a proibição da paradinha pela Fifa.

“Isso era uma finta que ele fazia e é natural que ele usava, e muito bem. Sabia usar muito bem esse tipo de artifício, mas agora ele tem que se readaptar a esse novo tipo de cobrança”, completou Dorival Júnior.

Mesmo após boa sequência, Dorival vê falta de equilíbrio, mas exalta vibração

Com o triunfo diante do Goiás, neste sábado, o Santos alcançou quatro vitórias consecutivas, sendo três delas pelo Campeonato Brasileiro e uma pela Sul-Americana. Apesar da ótima sequência, o técnico Dorival Júnior ainda não vê um equilíbrio na renovada equipe santista, assim como via no time que conquistou o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil. Porém, acredita que a equipe esteja no caminho certo.

“A equipe está jogando com muita seriedade. Não estamos demonstrando aquela magia da primeira equipe, mas é uma equipe com vibração e um apetite grande, e isso tem sido o diferencial. Aos poucos os jogadores vão se encaixando. Mas ainda acho que a equipe vai sofrer algumas oscilações naturais dentro da competição”, analisou Dorival.

“Temos que ter consciência de que nossa equipe precisa de um reequilíbrio no campeonato. Voltamos a fazer três vitórias consecutivas, quatro contando a Sul-Americana. Mas a equipe voltou a vibrar, esse é o primeiro ponto. Nós estamos começando novamente a ter um time consistente”, disse o treinador santista, que espera um entrosamento rápido de seus comandados.

“Esse entrosamento tem que ser rápido, mas não temos um período hábil de treinamento. Essa equipe está se recuperando para o jogo seguinte. Não tem como você trabalhar uma equipe. É muito mais posicionando, orientando, conversando, e essa resposta os jogadores estão dando porque já estão mais integrados ao trabalho”, disse.

Apesar do bom momento do Santos, o técnico Dorival Júnior ainda lamentou as perdas que teve o elenco, como as saídas de Robinho, André e Wesley, além da recente contusão de Paulo Henrique. “Nós perdemos quatro jogadores importantíssimos e fundamentais, e tivemos que recompor o time. É muito cedo, mas ainda não encontramos o equilíbrio necessário”, completou.

Motivados, titulares e reservas ‘brigam’ para ganhar confiança de Dorival

A renovação do time santista não para. Se as saídas de Robinho, André e Wesley já haviam movimentado a ‘briga’ por vagas no time titular, a contusão de Paulo Henrique serviu para motivar ainda mais os ‘reservas’ a buscarem seu espaço. Um deles é o meia Madson, que entrou no segundo tempo da vitória sobre o Goiás, neste sábado, e mostrou serviço ao técnico Dorival Júnior.

“Como o Dorival falou, tem uma vaga, e eu estou brigando por ela”, afirmou Madson, que ganhou elogios do treinador após a atuação no Pacaembu. “O Madson novamente entrou muito bem na equipe. Melhorou muito sua qualidade em treinamentos que foi fundamental para sua entrada. Acrescentou muito para a equipe a partir do momento da sua entrada”, comentou.

Outro que pode ganhar espaço com a contusão de Paulo Henrique é Alan Patrick, outro jogador formados nas categorias de base da Vila Belmiro. O meia entrou na etapa final e deixou sua marca, com um belo chute de fora da área. Para Alan, a responsabilidade de substituir Ganso é grande.

“É muita responsabilidade. O Ganso é um craque, a responsabilidade é muito grande de vestir a camisa 10 do Santos, Mas temos que estar preparados para tudo. Se for vontade do Dorival, temos que estar bem para corresponder à altura”, analisou Alan Patrick, que chegou ao Santos ainda com 12 anos de idade.

E a disputa por uma vaga no time não para no meio de campo. No setor defensivo, o zagueiro Bruno Aguiar aproveitou a suspensão de Edu Dracena para mais uma vez conquistar a confiança de Dorival Júnior, e destacou que esta é sua terceira partida consecutiva em que o Santos não sofre gols.

“Hoje eu saio muito feliz porque é difícil manter a regularidade da defesa, e pela terceira vez consecutiva não tomar gol”, analisou o zagueiro. Ainda pelo setor defensivo, o goleiro Rafael vem se destacando nos duelos do Santos e ‘barrou’ Felipe, titular da equipe durante todo Campeonato Paulista. Confiante, o novo titular do gol santista afirmou que não será fácil tirá-lo do time principal.

“Estou trabalhando para não chegar nenhum goleiro e com certeza essa camisa vai ser minha. Trabalhei muito para essa oportunidade, e ela chegou”, comemorou Rafael.

Já no ataque, o antes reserva Zé Eduardo, que marcou um golaço neste sábado, já é até considerado titular por Dorival Júnior. “O Zé vem sendo titular da equipe desde a primeira apresentação, quando ele mostrou que queria isso. Se não me falha a memória, juntamente com o Madson é o jogador que mais entrou, e pra mim eles são titulares da equipe”, afirmou.