Navegando Posts marcados como Portuguesa Santista

Santos FC x AA Portuguesa
Santos Futebol Clube x Associação Atlética Portuguesa


Retrospecto:

106 jogos
069 vitórias
022 empates
015 derrotas
251 gols pró
116 gols contra
135 saldo

Resultados:

11/03/1923 – Santos 0 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa (Taça Zenit)
29/04/1923 – Santos 4 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
15/08/1923 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
24/04/1927 – Santos 5 x 3 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
25/01/1931 – Santos 3 x 2 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
08/10/1931 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
12/11/1931 – Santos 7 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
07/07/1935 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
18/08/1935 – Santos 2 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
27/10/1935 – Santos 3 x 3 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
01/05/1936 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
29/11/1936 – Santos 3 x 4 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
01/05/1937 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
16/05/1937 – Santos 0 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
16/07/1937 – Santos 2 x 2 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
15/08/1937 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
21/11/1937 – Santos 0 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
22/06/1938 – Santos 0 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
31/07/1938 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
02/04/1939 – Santos 4 x 3 Portuguesa Santista – Paulista/38 – Vila Belmiro
28/05/1939 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
10/09/1939 – Santos 2 x 3 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
22/11/1939 – Santos 3 x 2 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
14/12/1939 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
12/05/1940 – Santos 3 x 2 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
02/06/1940 – Santos 1 x 3 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
20/10/1940 – Santos 2 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
19/03/1941 – Santos 2 x 2 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
22/06/1941 – Santos 0 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
06/07/1941 – Santos 5 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
19/10/1941 – Santos 3 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
28/06/1942 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
27/08/1942 – Santos 3 x 3 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
04/10/1942 – Santos 1 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
18/10/1942 – Santos 3 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
23/05/1943 – Santos 3 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
04/07/1943 – Santos 5 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
12/12/1943 – Santos 5 x 2 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
30/04/1944 – Santos 3 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
13/08/1944 – Santos 4 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
15/04/1945 – Santos 3 x 5 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
08/07/1945 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
05/05/1946 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
18/08/1946 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
22/06/1947 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
14/12/1947 – Santos 1 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
11/04/1948 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Taça Cidade de Santos – Vila Belmiro
06/06/1948 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
12/12/1948 – Santos 4 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
12/06/1949 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
11/09/1949 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
24/09/1950 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
12/11/1950 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
10/06/1951 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
29/10/1951 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
31/08/1952 – Santos 0 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
18/01/1953 – Santos 4 x 2 Portuguesa Santista – Paulista/52 – Vila Belmiro
02/04/1953 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
09/08/1953 – Santos 1 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
31/01/1954 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Paulista/53 – Vila Belmiro
30/09/1956 – Santos 4 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
22/09/1957 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
23/10/1957 – Santos 2 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
01/12/1957 – Santos 6 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
15/01/1958 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
31/08/1958 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
15/10/1958 – Santos 6 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
27/11/1958 – Santos 4 x 3 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
29/07/1959 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
02/12/1959 – Santos 6 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
08/09/1960 – Santos 0 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
09/11/1960 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
16/07/1961 – Santos 0 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
18/10/1961 – Santos 5 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
06/06/1964 – Santos 3 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
04/08/1965 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
13/10/1965 – Santos 3 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
10/08/1966 – Santos 3 x 3 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
26/10/1966 – Santos 3 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
22/08/1967 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
17/12/1967 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
11/02/1968 – Santos 6 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
15/05/1968 – Santos 1 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
29/03/1969 – Santos 3 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
30/04/1969 – Santos 1 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
09/10/1974 – Santos 0 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
19/01/1975 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Torneio Laudo Natel – Vila Belmiro
09/03/1975 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
22/02/1976 – Santos 3 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
24/04/1977 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
22/05/1977 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
16/04/1978 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Vila Belmiro
27/08/1978 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
03/12/1978 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
25/11/1987 – Santos 1 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
02/03/1991 – Santos 0 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
26/01/1995 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Amistoso – Ulrico Mursa
13/04/1997 – Santos 2 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
18/05/1997 – Santos 5 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
11/04/1999 – Santos 5 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
05/05/1999 – Santos 6 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
28/01/2001 – Santos 5 x 0 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
12/02/2003 – Santos 0 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Ulrico Mursa
30/01/2005 – Santos 1 x 1 Portuguesa Santista – Paulista – Vila Belmiro
06/02/2006 – Santos 1 x 2 Portuguesa Santista – Paulista – Anacleto Campanella
18/01/2009 – Santos 2 x 1 Portuguesa Santista – Amistoso – Pacaembu


Santos 2 x 1 Portuguesa Santista

Data: 18/01/2009, domingo, 17h00.
Competição: Amistoso
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.230 pessoas (14.330 pagantes e 5.900 não pagantes)
Renda: R$ 149.170,00
Árbitro: Paulo Roberto Ferreira (SP)
Cartões amarelos: Roberto Brum, Paulo Henrique Ganso e Astorga (S); Cleiton, Eydson, William (PS).
Gols: Kléber Pereira (14-1) e Kléber Pereira (27-1); William (48-2).

SANTOS
Fábio Costa (Douglas); Luizinho (Pará), Domingos (Paulo Henrique), Adaílton (Astorga) e Kléber (Triguinho); Roberto Brum (Robson), Rodrigo Souto (Adriano), Lúcio Flávio (Germano) e Madson; Roni (Tiago Luis) e Kléber Pereira (Molina).
Técnico: Márcio Fernandes

PORTUGUESA SANTISTA
Fernando (Alexandre); Cleiton (Gustavo), Franque (Diego), Jailson (Beto) e William; Luciano (Douglas), Everton (Eydson), Felipe (Luisinho) e Caca; Jorginho e Saldanha (Ítalo).
Técnico: Rodrigo Pastana



Santos vence amistoso com gols de Kléber Pereira

O Santos venceu a Portuguesa Santista por 2 a 1 neste domingo, no Estádio do Pacaembu, na primeira partida da equipe na temporada. E assim como em 2008, quando Kléber Pereira foi decisivo para que a equipe não fosse rebaixada para a Série B do Campeonato Brasileiro, o time venceu o amistoso graças aos gols do centroavante.

A partida serviu como apresentação do elenco do Santos, aos torcedores que compareceram em bom número ao Pacaembu – 20.230. Antes do jogo, todos atletas tiveram seus nomes anunciados. Além disso, Bolaños, que não participou do duelo, também esteve no estádio.

A primeira oportunidade de gol da partida foi da Portuguesa Santista, que só não marcou graças a excelente defesa da Fábio Costa em chute de Felipe, aos 11 minutos. O susto parece ter acordado o Santos, que teve boa chance logo depois com o estreante Lúcio Flávio, em cobrança de falta.

O primeiro gol santista saiu aos 16 minutos. Luizinho, que também atuava pela primeira vez na equipe, cruzou para Kléber Pereira, de cabeça, abrir o placar. E não demorou para o centroavante fazer o segundo gol. Aos 27, Lúcio Flávio cobrou escanteio, o goleiro Fernando desviou e a bola sobrou para Kléber Pereira, que completou para as redes: 2 a 0 Santos. Aos 39 minutos, o artilheiro quase fez o terceiro gol, aproveitando lançamento de Madson. Ele bateu cruzado, mas a bola desviou em um defensor da Portuguesa Santista.

No segundo tempo, o técnico Márcio Fernandes promoveu várias mudanças na equipe e o ritmo do jogo diminuiu. Aos 12 minutos, o zagueiro Domingos saiu jogando errado, Jorginho aproveitou o vacilo e chutou, mas para fora. O Santos só chegou com perigo aos 37 minutos, com um chute forte do colombiano Molina da entrada da área, após cobrança de escanteio.

A Portuguesa Santista pressionou o Santos nos minutos finais. Aos 45 minutos, Cacá chutou por cima do gol defendido por Douglas, que substituiu Fábio Costa na segunda etapa. E a equipe conseguiu diminuir aos 47, com William.

Portuguesa Santista 2 x 1 Santos

Data: 06/02/2006
Competição: Campeonato Paulista – 7ª rodada
Local: Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP)
Árbitro: Anselmo da Costa
Auxiliares: Marinaldo Silvério e Raphael dos Santos Alves
Cartões amarelos: Léo Mineiro, Jaílson, Marcelo Magalhães, Ronaldo (P); Rodrigo Tabata, Neto, Reinaldo, e Kléber (S).
Gols: Léo Mineiro (14-1); Julio César (16-2), Luiz Alberto (24-2).

PORTUGUESA SANTISTA
Ronaldo; Marco Aurélio, Marcelo Magalhães, Joel e Jaílson; Emerson, Julio César, Alex Silva e Rodrigo (Carlinhos); Léo Mineiro (Fabão) e Rodriguinho (Daniel)
Técnico: Sérgio Guedes

SANTOS
Fábio Costa; Fabinho, Julio Manzur, Luiz Alberto e Kléber; Maldonado, Léo Lima (Neto), Rodrigo Tabata e Cléber Santana; Jonas (Gilmar) e Galvão (Reinaldo)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos perde clássico da Baixada e se distancia da ponta do Paulista

Jogando no estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul, o Santos perdeu o clássico da Baixada para a Portuguesa Santista por 2 a 1, na tarde deste domingo, e ficou mais distante dos líderes do Campeonato Paulista-06.

As duas equipes da Baixada fizeram o clássico no ABC paulista porque um lance do estádio Ulrico Mursa, da Portuguesa Santista, está em obras.

Com a vitória, a Portuguesa Santista foi a 12 pontos na competição. O Santos permanece com 13 pontos, três a menos do que o líder Noroeste. Os dois últimos, no entanto, ainda jogam neste domingo.

O Santos entrou em campo com apenas uma alteração em relação ao seu último jogo. O volante Wendel deixou o time para a entrada do meia Léo Lima.

Logo aos 6min de jogo, o atacante Jonas sentiu o joelho esquerdo em uma jogada isolada e deu lugar a Gilmar.

A partida começou bastante movimentada, com as duas equipes se arriscando no ataque. A primeira boa oportunidade foi do Santos, aos 13min, quando Gilmar chutou forte bola no travessão.

A resposta da Santista foi fatal. Dois minutos depois, Léo Mineiro recebeu bola na esquerda, cortou para o meio e chutou forte no canto direito do goleiro Fábio Costa: 1 a 0.

O time da Vila Belmiro quase conseguiu o empate aos 20min, quando Rodrigo Tabata cabeceou bola na trave após cruzamento da direita. A Santista respondeu cinco minutos depois, após Jailson receber bola na esquerda, invadir a área, mas chutar para fora.

Com o fraco rendimento do Santos na primeira etapa, o técnico Vanderlei Luxemburgo fez duas alterações no início da segundo tempo: tirou o meia Léo Lima e o atacante Galvão para as entradas do lateral Neto e do atacante Reinaldo.

O Santos melhorou com as alterações e passou ter mais volume de jogo. Mas mesmo dominando as ações, o time de Luxemburgo não conseguia criar oportunidades claras de gol.

Mais eficiente, a Portuguesa Santista voltou a surpreender. Aos 17min, Rodrigo cobrou falta, o goleiro Fábio Costa rebateu e Júlio César apareceu para pegar o rebote: 2 a 0.

O Santos conseguiu marcar aos 25min. Após cruzamento da direita, Luiz Alberto cabeceou para descontar: 2 a 1. O time ainda teve boa chance de empatar aos 33min, quando Reinaldo fez boa jogada pela esquerda, invadiu a área e cruzou, mas ninguém apareceu para concluir.

Em nova boa oportunidade, aos 37min, o atacante Reinaldo driblou um marcador e chutou de fora da área, a bola desviou na zaga e bateu no travessão. O Santos pressionou até o final da partida, mas não conseguiu furar a retranca da Santista.

Santos 1 x 1 Portuguesa Santista

Data: 30/01/2005, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 15.067 pagantes
Renda: R$ 165.785,00
Árbitro: Rodrigo Braghetto (SP)
Gols: Robinho (03-2) e Rico (36-2).

SANTOS
Mauro; Flávio, Ávalos, Domingos e Luís Augusto (Ricardo Bóvio); Fabinho, Fábio Baiano (Tcheco), Elano (Douglas) e Ricardinho; Robinho e Deivid.
Técnico: Osvaldinho de Oliveira

PORTUGUESA SANTISTA
Ronaldo; Fabrício, Edinho Baiano e Jéci; Parral, Júlio César, Magal, Cleitão (Adriano) e Jaílson; Rico e Andradina (Itaparica).
Técnico: Sérgio Guedes



Santos patina, cai e expõe dependência de estrelas

O Santos cedeu o empate por 1 a 1 para a Portuguesa Santista, ontem, no clássico praiano disputado no estádio da Vila Belmiro, teve quebrada a sua séria vitoriosa de três partidas e também perdeu a liderança do Campeonato Paulista-2005 para o São Paulo.

Pior, o Santos expôs a dependência de suas principais estrelas, que estão carregando a equipe nas costas nesta competição.

Na tabela do Estadual, o time do técnico Oswaldo de Oliveira possui dez pontos e agora está dois atrás do clube do Morumbi, que bateu o União São João (2 a 1).

Todos os gols do duelo foram no segundo tempo. Robinho havia aberto o placar para os donos da casa logo de cara, mas o atacante Rico deixou tudo igual a nove minutos do fim da peleja.

E apesar de o Santos ter o ataque mais positivo do Paulista, com 12 gols, oito destes tentos foram da dupla de ataque Robinho e Deivid, cada qual com quatro tentos. Ontem, porém, Deivid passou em branco, e o time não venceu.

Além dos dois atacantes, os meias Elano e Fábio Baiano e o atacante Douglas (dois) já balançaram as redes pelo Santos.

A igualdade de ontem prejudicou os planos de Oliveira ganhar uma “gordurinha” no Estadual para eliminá-la durante a Libertadores. O treinador buscava manter o 100% de aproveitamento no Paulista para começar com moral no torneio sul-americano.

No dia 16 de fevereiro, o time estréia na Libertadores diante do Bolívar, em La Paz, na Bolívia.

Contudo ontem foi a Portuguesa Santista quem parecia disposta a sair com o resultado positivo. O time teve as melhores chances para marcar na primeira etapa, apesar de o Santos ter finalizado mais (seis arremates contra quatro do rival).

O volante Parral exigiu boa defesa do santista Mauro, que pôs para escanteio, aos 23min.

Quatro minutos depois, o atacante Andradina cobrou escanteio da direita e quase marcou um gol olímpico, com a bola tocando no travessão do Santos.

Ao final do primeiro tempo, Ricardinho ainda arriscou uma explicação para as dificuldades do Santos que não fez jus ao que se viu em campo: “A Portuguesa veio para contra-atacar. Eles estão recuando todo o time lá trás.”

Oliveira também lamentava o fato de não poder contar com o lateral-esquerdo Léo, o zagueiro Antonio Carlos, o volante Zé Elias e o atacante Basílio. Contundidos, eles nem ficaram no banco.

Porém o Santos voltou com tudo no segundo tempo. Bastaram três minutos de jogo para Robinho completar dentro da área o cruzamento de Fábio Baiano, que fez jogada de ala pela direita.

Depois do gol, o Santos teve outras chances para sair da Vila com um resultado maior, no entanto acabou pecando nas finalizações.

Enquanto isso, a Portuguesa Santista continuava “martelando” o rival em busca do empate.

Aos 36min, numa cobrança de escanteio, o goleiro Mauro trombou com outro atleta da Portuguesa e a bola sobrou para Rico (ex-São Paulo) tocar para as redes e deixar tudo igual.

No final, os santistas reclamaram muito da arbitragem. Alegaram que no gol da Portuguesa Santista houve falta de Rico sobre o goleiro Mauro, não marcada pelo árbitro Rodrigo Braghetto.

O Santos joga no próximo sábado contra o Atlético Sorocaba, fora de casa. Já a Portuguesa Santista recebe o Palmeiras, em Santos.

Elano pode ter dito adeus à torcida na Vila

O meia Elano, 24, pode ter feito ontem seu último jogo com a camisa do Santos. O Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, ofereceu 7 milhões (cerca de R$ 25 milhões) pelo jogador, que deve assinar um contrato de cinco anos com o clube europeu. O prazo para a inscrição de novos atletas na Europa encerra-se hoje e a negociação poderia ser fechada ontem à noite.

Antes de enfrentar a Portuguesa Santista, Elano admitiu a negociação. “As chances desse ser o jogo da despedida é grande. Por isso estou emocionado.”

O Santos informou que a transferência não havia sido fechada até as 18h de ontem, mas só faltavam alguns detalhes. “Já fui ver o clube lá e gostei muito. Espero conquistar títulos por lá, como no Santos. Minha saída agora só depende do pagamento da parte que cabe ao Santos, o que deve ser feito amanhã [hoje]”, disse Elano.



Santos acerta venda de Elano para a Ucrânia por R$ 26,5 milhões ( Em 01/02/2021 )

O Santos confirmou, no início da tarde de ontem, a transferência do meia Elano, 23, ao Shakhtar Donetsk, da Ucrânia.

Apesar de o clube não divulgar os valores da negociação, estima-se que o atleta tenha sido vendido por cerca de US$ 10 milhões (R$ 26,5 milhões). O contrato do jogador com o clube ucraniano será de cinco anos e Elano terá direito a um valor em luvas.

Hoje, Elano dá entrevista às 9h, na Vila Belmiro e viaja para a Espanha, onde o Shakhtar faz pré-temporada, na região de Valencia.

O jogo de domingo, contra a Portuguesa Santista, foi a sua despedida do Santos. Pelo clube, ele disputou 209 jogos e fez 52 gols. Elano deixa o time com dois títulos brasileiros -2002 e 2004-, além do vice da Libertadores e do Nacional, ambos em 2003.

Na semana entre o Natal e o Ano Novo, Elano fez uma espécie de “bate-e-volta” até a Ucrânia para conhecer o país e o clube que estava interessado em seu futebol. Ele ficou impressionado com a estrutura do Shakhtar.

No time ucraniano, Elano será dirigido pelo pelo treinador romeno Mircea Lucescu. O time já conta com os brasileiros João Batista, Matuzalém e Brandão, além dos recém-contratados Jadson e Ivan, vice-campeões brasileiros de 2004 pelo Atlético-PR.

A Federação Ucraniana de Futebol, diferentemente de outros países, não impõe limite de estrangeiros. A estréia de Elano pelo novo clube deve acontecer só no dia 16 de fevereiro, pela Copa da Uefa.


Portuguesa Santista 2 x 0 Santos

Data: 12/02/2003, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo 2 – 5ª rodada
Local: Estádio Ulrico Mursa, em Santos, SP.
Público e renda: não divulgados
Árbitro: Romildo Correia
Cartões amarelos: Vandir e Adavílson (SP); Elano e Robinho (S).
Cartões vermelhos: Nelsinho e Fabrício (PS); Fábio Costa (S).
Gols: Rico (21-1) e Rico (39-1).

PORTUGUESA SANTISTA
Maurício; Nelsinho, Zambiasi, Nenê e Adavilson; Vandir, Adriano, Fabrício e Souza; Rico (Marlon) e Elizeu (Reinaldo).
Técnico: Pepe

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo (Nenê), Preto (Pereira), Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Júlio Sérgio); Robinho e Ricardo Oliveira.
Técnico: Emerson Leão



Portuguesa Santista bate o Santos e derruba tabu de 33 anos

A Portuguesa Santista quebrou hoje um tabu de quase 33 anos: bateu o Santos por 2 a 0, no Estádio Ulrico Mursa, e deu um passo decisivo para garantir sua classificação à próxima fase do Campeonato Paulista. O último triunfo da equipe no “clássico das praias” havia ocorrido no dia 30 de abril de 1969, na Vila Belmiro, quando ganhou por 2 a 1.

O resultado pôs a Santista na liderança do Grupo 2 do estadual, com dez pontos e um saldo de gols melhor que o do Santos, que também tem dez unidades, assim como o Santo André. Com sete pontos, o São Paulo caiu para a quarta posição na chave e terá de vencer o clássico contra o Santos, sábado, para manter suas chances de classificação. O jogo também é decisivo para o Santos, que precisa da vitória para não depender de outros resultados.

Quem viu o começo do jogo imaginou que o roteiro seria o esperado. Apesar de iniciar recuado, o Santos tomou as rédeas da partida aos poucos, tentando surpreender o adversário com jogadas pelas laterais. Faltou acertar mais os passes, mas a Portuguesa Santista aparecia apenas esporadicamente no ataque, parecendo ser apenas uma coadjuvante.

Sem criatividade, o Santos começou a ter dificuldades para impor sua melhor qualidade técnica. Muito marcados, Robinho e Diego não mostraram o mesmo futebol das rodadas anteriores do Campeonato Paulista. Só Robinho ainda conseguia, em lances individuais, proporcionar alguma emoção.

Com a razão e um toque de bola cerebral, a Santista foi tomando conta das ações a partir dos 15min. Uma falha de Diego, que perdeu a bola aos 21min, acabou mudando de vez os rumos do jogo: Rico ficou com a sobra, passou pelos zagueiros santistas e bateu rasteiro, na saída de Fábio Costa, abrindo o placar.

O gol transformou o Santos no franco-atirador. Sem coordenação, o campeão brasileiro imaginou que poderia empatar com chutes de longa distância ou cruzamentos desconexos para a área. A defesa da Santista e o goleiro Maurício, com tranquilidade, intervieram em todas as situações e evitaram qualquer perigo.

Tocando a bola de pé em pé e com o peito estufado, a Portuguesa ainda faria mais um gol na etapa inicial, em novo contragolpe, aos 39min. A bola acabou passando por Pereira (que entrou no lugar de Preto, contundido) e encontrou novamente Rico. O atacante teve tempo de driblar Fábio Costa e ampliar.

Das tribunas de Ulrico Mursa, o técnico Leão mostrou o que estava errado: tirou o lateral Reginaldo Araújo e colocou o atacante Nenê, deslocando Elano para a ala direita. Não houve tempo para reação na etapa inicial

No segundo tempo, a situação do Santos se complicou logo aos 12min, quando uma nova desatenção da defesa deixou Rico sozinho na entrada da área. O goleiro Fábio Costa abandonou a área, atingiu o adversário e foi expulso.

Com dez em campo (o reserva Júlio Sérgio entrou em lugar de Diego), ficou ainda mais difícil para a equipe de Leão. Satisfeita com o placar, a Santista ganhou todo o tempo que pôde, sempre tentando explorar os contra-ataques.

O lateral Nelsinho ainda foi expulso aos 37min, mas a igualdade numérica não foi suficiente para fazer o Santos diminuir a vantagem do rival. Os mesmos cruzamentos dispersos e chutes sem precisão do primeiro tempo foram tentados, novamente sem sucesso. No final, Fabrício também levou o vermelho, mas o tabu já havia caído.



Créditos:
Vídeo: Indicado por Danilo Barbosa.