Navegando Posts marcados como Novo Horizonte

Red Bull Bragantino 1 x 1 Santos

Data: 01/04/2021, sábado, 20h00.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo D – 10ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon e Fabrini Bevilaqua Costa
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral.
Cartões amarelos: Ricardo Ryller, Aderlan (B); Lucas Braga e Pará (S).
Gols: Claudinho (26-1) e Lucas Braga (01-2)

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan, Fabrício Bruno, Léo Ortiz, Edimar; Ricardo Ryller (Ramires), Lucas Evangelista, Claudinho; Artur, Pedrinho (Cuello) e Ytalo.
Técnico: Maurício Barbieri

SANTOS
João Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres, Felipe Jonatan; Alison, Jean Mota, Gabriel Pirani (Lucas Lourenço); Marinho, Lucas Braga e Marcos Leonardo (Allanzinho).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos busca o empate contra o RB Bragantino, mas segue em situação delicada no Paulista

Neste sábado, o Santos saiu atrás do placar, mas buscou o empate por 1 a 1 com o Red Bull Bragantino, no Nabi Abi Chedid, pela décima rodada do Campeonato Paulista. Os mandantes abriram o placar com Claudinho, enquanto o Peixe deixou tudo igual com Lucas Braga.

Apesar de ter enfrentado uma equipe qualificada, o empate ainda deixa o Santos em uma situação delicada no Paulistão. O time tem um ponto a menos do que o Guarani, segundo colocado do grupo D, que ainda joga nesta rodada. Além disso, tem quatro pontos a mais do que o vice-lanterna São Bento, que também tem uma partida a menos.

O primeiro tempo foi dominado pelo RB Bragantino. Os mandantes marcaram alto e recuperaram diversas bolas no campo de ataque, inclusive na origem do gol que abriu o placar. Logo no primeiro minuto da etapa final, o Santos deixou tudo igual, com um bonito chute de Lucas Braga. O Peixe até chegou a balançar novamente as redes, mas o gol de Jean Mota foi anulado.

Com o resultado, o Santos foi a dez pontos, na terceira posição de sua chave.

O jogo

O jogo começou bastante intenso em Bragança Paulista, com as duas equipes tentando chegar ao ataque. A primeira oportunidade real foi do RB Bragantino, com Ytalo finalizando em cima de João Paulo e, no rebote, Pedrinho chutando fraco para o goleiro pegar novamente.

Depois de um período mais morno da partida, o Massa Bruta conseguiu abrir o placar aos 26 minutos. Pará saiu jogando errado, Pedrinho recuperou e passou para Claudinho. O camisa 10 arriscou de fora da área e contou com um desvio para marcar o gol.

Após sofrer o gol, o Peixe até tentou se lançar ao ataque, porém sem grande sucesso. Pará recebeu cruzamento na segunda trave e testou por cima do travessão. O RB Bragantino respondeu com Pedrinho, invadindo a área e parando em defesa de João Paulo.

Logo no primeiro minuto do segundo tempo, o Peixe deixou tudo igual. Marinho recebeu pela direita e enxergou Lucas Braga livre pela esquerda, fazendo a inversão. O atacante dominou e finalizou forte, de esquerda, para fazer um belo gol. Bem melhor depois do intervalo, o Alvinegro seguiu pressionando no ataque.

Aos 16 minutos, o Santos chegou a balançar as redes pela segunda vez, com um lindo chute de Jean Mota de fora da área. No entanto, o VAR anulou o gol por Marinho ter recebido em condição irregular no início do lance. O próprio Jean Mota voltou a levar perigo, em cobrança de falta defendida por Cleiton.

Marcelo Fernandes valoriza o empate do Santos e diz: “Aqui não tem ninguém de corpo mole”

Neste sábado, o Santos ficou no empate por 1 a 1 com o Red Bull Bragantino, permanecendo fora da zona de classificação para as quartas de final do Campeonato Paulista. Apesar disso, o interino Marcelo Fernandes valorizou o resultado conquistado em Bragança Paulista.

Na entrevista coletiva depois do jogo, o auxiliar fixo exaltou a postura dos jogadores do Peixe e lamentou a anulação do que seria o gol da virada da equipe na segunda etapa.

“Valorizar não só o ponto conquistado, porque jogamos contra uma equipe dificílima, que é de Série A e de Sul-Americana, e o Santos mostrou a que veio aqui em Bragança. Tentamos fazer o resultado, chegamos à virada com um segundo gol, que não é conclusivo o impedimento. Eu já vi o lance, realmente é complicado, até pela nossa situação, mas só tenho a dignificar os nossos jogadores. Fomos para o intervalo e voltamos com uma atitude completamente diferente, mesmo tomando um gol no primeiro tempo, a equipe se mostrou muito coesa, digna do Santos Futebol Clube. Estou muito feliz”, afirmou.

Perguntado sobre a perspectiva da chegada de um novo técnico, Marcelo Fernandes deixou claro que não quer ficar pensando sobre o assunto e mandou um recado sobre a postura dos jogadores em campo.

“Eu sou funcionário do clube, sou o auxiliar fixo da casa. Não é a primeira vez que isso acontece comigo, e, graças a Deus, a gente tem um domínio no grupo em todas as vezes que aconteceram. Haja visto o jogo de hoje, com o que esses jogadores fizeram. Não só por mim, mas pelo Santos, que é o mais importante. O importante é frisar que aqui não tem ninguém de corpo mole, é realmente uma má fase, que com certeza vai passar, hoje os jogadores deram um importante passo para isso”, disse Marcelo Fernandes.

“Quanto à chegada de um treinador e minha permanência, não fui comunicado e não quero nem pensar nisso. Meu pensamento é de trabalhar todos os dias, já que temos pouco tempo para treinar”, finalizou.

Lucas Braga destaca “poder de reação” do Santos e lamenta gol anulado

O Santos saiu atrás do placar, mas buscou o empate com o Red Bull Bragantino neste sábado. O Peixe fez um primeiro tempo muito ruim, porém voltou melhor do intervalo e mostrou poder de recuperação, deixando tudo igual com um belo gol de Lucas Braga.

O atacante destacou a postura da equipe na etapa final e comentou sobre o gol anulado do Santos, que seria o da virada. Na origem da jogada, Marinho recebeu em posição irregular, de acordo com o VAR.

“É importante, porque a gente vinha de uma sequência muito ruim, em que não marcávamos gols, ainda que não seja o resultado que a gente queria. A gente buscou a vitória até o final, inclusive teve um lance ali que acho que não estava impedido. Mas vale o poder de reação que a gente teve”, afirmou Lucas Braga ao Premiere.

“Não fizemos um bom primeiro tempo, mas conseguimos construir boas jogadas no segundo. É crescer nos próximos jogos”, completou.


Novorizontino 1 x 0 Santos

Data: 23/04/2021, sexta-feira, 22h15.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo D – 7ª rodada
Local: Estádio Doutor Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Thiago Luis Scarascati.
Auxiliares: Evandro de Melo Lima e Bruno Silva de Jesus.
VAR: Vinicius Furlan.
Cartões amarelos: Murilo Rangel (N); Felipe Jonatan, Renyer e Luan Peres (S).
Gol: Jenison (03-2).

NOVORIZONTINO
Giovanni; Felipe Rodrigues, Robson, Bruno Aguiar, Paulinho; Léo Baiano (Adilson Goiano), João Pedro (Lepu), Murilo Rangel (Ricardo Luz); Danielzinho, Cléo Silva (Douglas Baggio) e Jenison (Guilherme Queiroz).
Técnico: Léo Condé

SANTOS
John; Pará, Kaiky, Luan Peres, Felipe Jonatan; Balieiro, Gabriel Pirani (Kaio Jorge), Jean Mota; Ângelo (Renyer), Lucas Braga e Marcos Leonardo.
Técnico: Ariel Holan



Santos cria muito pouco e é derrotado pelo Novorizontino

Nesta sexta-feira, o Santos visitou o Novorizontino e foi derrotado por 1 a 0, em partida válida pela sétima rodada do Campeonato Paulista. O único gol do jogo foi marcado por Jenison, no início do segundo tempo. O time comandado por Ariel Holan foi pouco criativo e não conseguiu ser perigoso no ataque.

O primeiro tempo foi extremamente burocrático, com um cenário estabelecido do início ao fim: o Peixe teve uma posse infrutífera, enquanto o Novorizontino buscava contra-atacar em velocidade. Logo no retorno do intervalo, os mandantes marcaram o gol que garantiu a vitória. O Alvinegro até tentou se lançar ao ataque, mas seguiu com problemas de criação.

Com o resultado, o Santos estacionou nos nove pontos, na segunda colocação do grupo D. No domingo, o time recebe o Corinthians, na Vila Belmiro, às 20h. Pela Libertadores, o Peixe enfrenta o Boca Juniors, na terça-feira, às 21h30, na Argentina.

O jogo

A primeira etapa em Novo Horizonte foi de muita morosidade. Enquanto o Santos teve a bola e não conseguiu trazer efetividade à posse, os mandantes buscavam sair em velocidade nos contra-ataques. Nenhuma das equipes levou real perigo, mas o Novorizontino finalizou mais vezes: quatro a dois no placar de arremates.

O Novorizontino voltou com tudo do intervalo. Logo aos três minutos, os mandantes abriram o placar com Jenison. Léo Baiano invadiu a área com a bola dominada e cruzou por baixo para o centroavante, que bateu de primeira para marcar. Em seguida, Léo Baiano cabeceou após cruzamento e quase ampliou.

O Peixe tentou reagir e quase empatou com Marcos Leonardo. O centroavante foi lançado por Jean Mota e foi travado na hora do chute. Mesmo caído, conseguiu finalizar rente à trave esquerda. Holan até fez substituições ofensivas, inclusive colocando Kaio Jorge para jogar ao lado de Marcos Leonardo, porém a equipe seguiu rodando a bola e sendo pouco aguda até o final.

Holan vê pontos positivos no Santos, comenta sobre Soteldo e diz: “Temos que nos reforçar”

Nesta sexta-feira, o Santos teve uma atuação abaixo da crítica e foi derrotado por 1 a 0 pelo Novorizontino, em jogo válido pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Após a partida, o técnico Ariel Holan analisou o desempenho da equipe e comentou sobre o planejamento do Peixe para o restante da temporada.

Na visão do técnico argentino, o Santos conseguiu evoluir em alguns aspectos nesta noite. Apesar disso, ele deixa claro que permanece descontente com outros pontos apresentados pelo Alvinegro em campo.

“Hoje, quero destacar primeiro as coisas positivas que o time fez durante o jogo. Penso que a posse de bola até a chegada no campo rival foi muito melhor do que nos últimos jogos, em que os adversários recuaram tanto quanto o Novorizontino, que em nenhum momento disputou a bola. Creio que melhoramos muito, porque eles não tiveram contra-ataques. Melhoramos muito a bola parada defensiva, defendemos muito bem as poucas bolas que eles tiveram”, afirmou Holan.

“Mas também há muitas coisas para melhorar. Quando entramos no campo rival, temos que ter mais movimentação e mais velocidade nos passes. Também jogar com os atacantes no um contra um, assim como melhorar a bola parada no ataque”, completou.

Holan foi muito direto ao discorrer sobre a necessidade de fortalecer o elenco. Por enquanto, o clube da Vila Belmiro não pode fazer contratações, devido à punição da Fifa pelo não pagamento do passe de Soteldo ao Huachipato, do Chile.

“Obviamente, este time não é o mesmo que jogou a final da Libertadores, já disse muitas vezes. Não quero dar desculpas, mas a verdade é que não temos Veríssimo, Pituca, e provavelmente não teremos mais algum outro jogador. Temos que nos reforçar, temos que conseguir trazer jogadores do nível dos que se foram. Isso ajudará os jovens, que poderão seguir crescendo. Eles estão fazendo um esforço muito importante, mas são muitos jogos. Vamos jogar três jogos em cinco dias, muitos deles estão jogando os seus primeiros minutos pelo time principal”, disse o treinador.

Por fim, Holan falou brevemente sobre a situação de Soteldo, que recebeu uma proposta do Toronto FC, do Canadá.

“Eu não gosto de opinar sobre suposições. Soteldo está em fase de negociações e, quando o tema for resolvido, entre amanhã e segunda-feira, falaremos com Andres (Rueda), Jorge (Andrade), (Renato) Quaresma… Eles terão que falar entre eles também. Em vez de falar sobre suposições, vamos ver o que acontece”, finalizou.

Holan indica que Santos terá reservas no clássico contra o Corinthians

Nesta sexta-feira, o Santos esteve em noite pouquíssimo inspirada e foi derrotado por 1 a 0 pelo Novorizontino. Agora, o Peixe buscará se recuperar no clássico contra o Corinthians e, provavelmente, com um time repleto de reservas.

Após a partida disputada em Novorizonte, Ariel Holan comentou sobre a equipe que mandará a campo no confronto contra o rival. O técnico argentino não escondeu que está preocupado com o condicionamento físico dos jogadores.

“Eu, os jogadores e a comissão técnica sabemos da importância de um jogo contra o Corinthians, mas também temos que pensar que, em 48 horas, temos que jogar uma partida de Libertadores. Não é somente pelo nível do jogo, alguns jogadores não se recuperam em 48 horas. Hoje jogaram alguns que atuaram na terça, contra o Barcelona”, afirmou Holan.

“Primeiro, temos que ver como estão fisicamente, em que condições estão e, depois, montar os times mais competitivos possíveis para os dois jogos”, completou.

Santos passou em branco no ataque em metade dos jogos no Paulistão

Nesta sexta-feira, o Santos teve nova atuação decepcionante pelo Campeonato Paulista e foi derrotado por 1 a o pelo Novorizontino. Com problemas de criação, o Peixe chegou ao quarto jogo no estadual sem gols marcados.

O time comandado por Ariel Holan já havia passado em branco nas partidas contra São Paulo, Botafogo-SP e Ponte Preta. Como o Santos chegou ao seu oitavo jogo pelo estadual, a equipe marcou gols em apenas metade dos seus confrontos pela competição.

O Peixe tem apenas o nono melhor ataque dentre os 16 clubes que disputam o Paulistão, com sete tentos. Como também tem lidado com problemas defensivos (já são 13 gols sofridos), o Alvinegro tem um saldo de menos seis gols.

O cenário dos últimos jogos do Santos tem sido o mesmo: a equipe possui a bola, porém tem uma posse pouco objetiva, com os zagueiros e volantes tocando de maneira infrutífera. Contra o Novorizontino, o Peixe passou 90 minutos sem assustar o goleiro adversário.

Marcos Leonardo lamenta falta de objetividade do Santos e garante: “Não faltou raça”

Nesta sexta-feira, o Santos visitou o Novorizontino e foi derrotado por 1 a 0, em mais uma atuação decepcionante do time de Ariel Holan, que pouco conseguiu criar durante os 90 minutos.

Após o jogo, Marcos Leonardo analisou a falta de objetividade do Peixe em campo e garantiu que não faltou comprometimento ao time.

“Infelizmente, não foi o resultado que nós queríamos. Ficamos bastante com a bola no primeiro e segundo tempo, infelizmente não conseguimos criar muitas chances claras de gol. É continuar trabalhando forte cada dia no treino para melhorar. Domingo já tem uma luta grande, que é o clássico”, afirmou ao Premiere.

“Não faltou raça, não faltou dedicação, é o mínimo que estamos fazendo, jogando com a raça que essa camisa merece”, completou.

Santos acerta venda de Soteldo para equipe do Canadá

O Santos confirmou neste sábado a venda de Yeferson Soteldo ao Toronto FC, do Canadá. A negociação faz com que o Peixe seja liberado do transfer ban imposto pela Fifa. A punição era justamente por conta da dívida do clube com o Huachipato pela compra do venezuelano.

O Alvinegro repassou sua parcela da venda ao Huachipato. Para quitar o valor final, os brasileiros ainda irão pagar 500 mil dólares (cerca de R$ 2,7 milhões na cotação atual), divididos em parcelas a partir de junho.

O acordo ainda prevê que o Santos receba 12,5% de uma venda futura de Soteldo, caso o meia-atacante seja transferido para fora da MLS (Liga Norte-americana).

De acordo com o presidente Andres Rueda, a venda foi importante para o Peixe ser liberado da punição que impedia a chegada de novos reforços.

“Foi uma proposta que o Huachipato também aceitou e, principalmente, que o atleta queria. Não podíamos segurar o Soteldo, diante desse cenário. Na verdade, o Santos comprou, mas nunca pagou”, explicou o mandatário.

“Com este Transfer Ban resolvido, abrimos uma janela para podermos considerar a contratações pontuais, dentro da responsabilidade financeira que assumimos no Clube, de atletas para encorpar o elenco, dada a participação em muitas competições de forma simultânea”, completou.

Soteldo chegou ao Santos no início de 2019 e teve um total de 104 partidas, com 20 gols. Em sua mensagem de despedida ao jogador, Rueda agradeceu pelos serviços e desejou sucesso na nova etapa da carreira.

“Temos de agradecer ao Soteldo por esse período no Santos, que tanto nos trouxe alegrias e por sua combatividade em campo. Certamente gostaríamos que ficasse mais e fizesse história com a nossa camisa. Desejamos sorte em seu novo clube”, concluiu o presidente.


Novorizontino 2 x 1 Santos

Data: 07/03/2018, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: 5.426
Renda: R$ 152.995,00
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Luiz Alberto Andrini Nogueira
Cartões amarelos: Alisson Safira, Jean Patrick, Rafael Ratão e Tallyson (N); Gustavo Henrique e Alison (S).
Cartão vermelho: Jean Patrick (N).
Gols: Juninho (19-1), Yuri Alberto (09-2) e Lucas Veríssimo (14-2, contra).

NOVORIZONTINO
Oliveira; Tony, Anderson Salles, Éder e Tallyson; Adilson Goiano, Jean Patrick e Jean Carlos (Lucas Siqueira); Cléo Silva, Juninho (Rafael Ratão) e Alisson Safira (Guilherme).
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Dodô; Alison; Arthur Gomes (Diogo Vitor), Léo Cittadini, Vecchio (Vitor Bueno) e Rodrygo (Eduardo Sasha); Yuri Alberto.
Técnico: Jair Ventura



Santos esbarra no gramado e perde para o Novorizontino

O Santos esbarrou na chuva e em um gramado de péssimas condições ao perder por 2 a 1 para o Novorizontino na noite desta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. Com time técnico e oito garotos revelados nas categorias de base, o Peixe criou muito pouco. Com a vitória, os donos da casa garantiram a classificação e enfrentarão o Palmeiras nas quartas de final.

O técnico Jair Ventura poupou alguns titulares, como David Braz, Gabigol e Eduardo Sasha, e apostou na velocidade de Rodrygo, Arthur Gomes e Yuri Alberto na frente. Com campo pesado, a alternativa não deu certo.

O Novorizontino abriu o placar com Juninho no primeiro tempo. Na segunda etapa, o Santos esboçou a reação ao empatar com Yuri Alberto aos nove minutos, mas Lucas Veríssimo (contra) desempatou logo na sequência. E mesmo com a expulsão de Jean Patrick aos 21′, o Peixe não teve forças para buscar o empate.

O jogo:

É difícil escrever mais de três parágrafos sobre o primeiro tempo em Novo Horizonte. A chuva e o gramado ruim fizeram com que o futebol fosse impraticável. Em 45 minutos, quatro finalizações foram contabilizadas. Duas para cada lado.

E na primeira, o Novorizontino fez o gol. Aos 19 minutos, Jean Carlos lançou Juninho, que bateu forte, a bola desviou em Lucas Veríssimo e matou o goleiro Vanderlei. Daniel Guedes e Alison, sem a ajuda de Arthur Gomes, foram envolvidos na triangulação.

Aos 21, a equipe da casa quase ampliou. Éder, na pequena área, chutou e Gustavo Henrique, com as costas, debaixo do gol, salvou. No mais, chutões e passes que esbarraram nas poças d’água.

O Santos voltou um pouco melhor para o segundo tempo e deu mostras de que poderia virar. Aos nove minutos, o estreante Dodô cobrou bem uma falta para a área, o goleiro Oliveira não afastou e Yuri Alberto empurrou para as redes. Aos 16 anos, o centroavante marcou pela primeira vez no debute como titular.

Quando o placar marcava 14′, porém, veio a ducha de água fria. Vecchio errou passe na intermediária, o Novorizontino invadiu a área com Alisson Safira e o chute cruzado explodiu em Lucas Veríssimo, que fez contra, retomando a vantagem para o time do interior.

Aos 21 minutos, o Santos teve uma boa notícia. Jean Patrick recebeu dois cartões amarelos em sequência por reclamação e foi expulso. Ele discutiu com o capitão Anderson Salles antes de ser advertido. Mesmo com a vantagem, porém, o Peixe esbarrou em pouca inspiração e gramado ruim.

Nos minutos finais, o alvinegro pressionou, mas não criou chances claras de gol e perdeu por 2 a 1 para o Novorizontino, classificado para as quartas de final do Campeonato Paulista, assim como o Santos.

Jair resume derrota do Santos: “Jogo foi por água abaixo”

Jair Ventura isentou o Santos de críticas após a derrota por 2 a 1 para o Novorizontino nesta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Para o técnico, as condições ruins do gramado encharcado prejudicam qualquer análise.

“Tentamos, criamos, tivemos mais posse, mais chances. Eles tiveram um chute no gol e fizeram. Foram eficientes e nós não fomos. Não conseguimos colocar a bola para dentro. Qualquer análise hoje seria injusta por conta da chuva. O jogo foi por água abaixo”, resumiu o treinador.

O Peixe poupou alguns jogadores, como David Braz, Gabigol e Eduardo Sasha. A opção por um ataque leve, formado por Rodrygo, Arthur Gomes e Yuri Alberto não deu certo por causa do campo.

“Iniciamos a partida com o nosso ataque mais leve. O time do Santos trabalha bem a posse de bola, time com mais gols com construção no campeonato, mas não teve jogo dentro desta estratégia de primeira e segunda bola e força. Realmente fomos prejudicados e saímos com a derrota”, completou o treinador.

Jair pede chegada de um camisa 9 ao Santos: “Estamos buscando”

Na visão do técnico Jair Ventura, a derrota por 2 a 1 para o Novorizontino, nesta quarta-feira, em Novo Horizonte, mostrou que o Santos precisa de um centroavante clássico, forte e que possa segurar a bola no ataque. Um legítimo pivô.

Em gramado encharcado, o Peixe teve o garoto Yuri Alberto como titular. Ele fez o gol, mas não tem essas características. Rodrigão não tem treinado bem e não foi relacionado por opção técnica.

“O jogo pediu um jogador mais forte, de área. Estamos buscando ainda no mercado. Alguém para jogos pesados, principalmente na Libertadores. Nacional e Estudiantes vão ser jogos pesados. Um jogo de chuva mostrou que teremos dificuldades. Vamos ter que achar alternativas dentro do elenco e mercado para suprir”, disse o treinador.

Gabigol é o centroavante titular. O camisa 10, porém, tem mobilidade e não faz um bom pivô, assim como Yuri Alberto. Com Rodrigão em baixa, o alvinegro buscará soluções no mercado. O clube teve interesse em Barcos, da LDU-EQU, Tréllez, hoje no São Paulo, e Ábila, do Boca Juniors-ARG, mas as negociações não evoluíram.

Dodô aprova estreia pelo Santos e vê “ambiente hostil” como teste

Dodô estreou pelo Santos na derrota por 2 a 1 para o Novorizontino nesta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Depois de nove meses sem atuar, o lateral-esquerdo teve atuação segura e aguentou os 90 minutos.

O ala superou o gramado ruim e a chuva para não comprometer. A última partida foi em maio de 2017, em derrota da Sampdoria por 7 a 3 contra a Lazio pelo Campeonato Italiano. Dodô entende que as condições adversas foram um bom teste visando a Libertadores.

“Não diria que faltou perna, mas com o campo assim ficou mais difícil de jogar. Nosso time gosta de ficar com a bola no pé, tocar a bola… Campo hoje era impraticável. Um ambiente hostil assim a gente vai encontrar na Libertadores. Foi válida a experiência para o nosso time, ainda mais para os mais jovens. Foi um jogo difícil, um campo difícil. Numa infelicidade fizemos um gol contra. Vale a experiência. Empenho não faltou”, disse Dodô, ao Premiere.

“É difícil avaliar pelo jogo. Estou feliz que consegui aguentar os 90 minutos fisicamente, ainda mais com o campo assim. Não senti nada. Essas duas semanas que fiquei trabalhando forte no CT valeram a pena”, completou.

Yuri Alberto comemora 1º gol pelo Santos: “Felicidade única”

Na estreia como titular, Yuri Alberto, de 16 anos, fez seu primeiro gol pelo Santos na derrota por 2 a 1 para o Novorizontino, nesta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Triste pelo tropeço, o Menino da Vila comemora o feito.

“Eu e minha família não imaginávamos que seria tudo tão rápido assim. Estou aprendendo e evoluindo a cada dia, a cada treinamento e a cada oportunidade que tenho. Já estava muito feliz em ser titular pela primeira vez. E ainda pude fazer meu gol. Sem dúvidas, foi uma felicidade única e a realização de um sonho meu e de minha família. Só fico triste por termos perdido em um dia tão especial para mim”, diz Yuri Alberto.

Com o gol, Yuri superou Gabigol por dois dias e se tornou o sexto mais novo a marcar na história do Peixe. Veja o ranking completo abaixo.

“É uma honra para mim ter meu nome ligado a números de jogadores que marcaram história aqui no Santos. A minha está apenas começando e eu quero muito seguir os passos de todos esses ídolos, com gols, vitórias e, claro, títulos. Quero muito agradecer
ao Jair Ventura e à comissão técnica pelos ensinamentos e pelas oportunidades que tenho tido. Estão me dando muito confiança, para que eu esteja conseguindo crescer e me superar”, afirmou o centroavante.

1º – Coutinho – 14 anos e 11 meses
17/05/1958 – Santos 7 x 1 Sírio Libanês-GO

2º – Pelé – 15 anos, 10 meses e 15 dias
07/09/1956 – Corinthians-SA 1 x 7 Santos

3º – Edu – 16 anos, 7 meses e 11 dias
17/03/1966 – Santos 4 x 0 Bangu-RJ

4º – Victor Andrade – 16 anos, 10 meses e 9 dias
08/08/2012 – Santos 4 x 2 Cruzeiro

5º – Diego – 16 anos,11 meses e 15 dias
13/02/2002 – Santos 4 x 2 Ji-Paraná-RO

6º – Yuri Alberto – 16 anos, 11 meses e 20 dias
07/03/2018 – Novorizontino 2 x 1 Santos

7º – Gabriel – 16 anos, 11 meses e 22 dias
21/08/2013 – Santos 1 x 0 Grêmio

8º – Rodrygo – 17 anos e 16 dias
25/01/2018 – Ponte Preta 1 x 2 Santos

9º – Neymar – 17 anos, 1 mês e 10 dias
15/03/2009 – Santos 3 x 0 Mogi Mirim

Santos confirma saída de Matheus Jesus rumo ao Japão

O Santos confirmou nesta quinta-feira a saída de Matheus Jesus. O volante será reforço do Gamba Osaka, time do técnico Levir Culpi no Japão. Sem espaço no Peixe, ele foi cedido pelo Estoril-POR até o fim deste ano. A informação foi antecipada pela Gazeta Esportiva nesta quarta-feira.

Matheus tinha contrato com o alvinegro até o fim do ano, mas o clube não teve interesse na permanência em definitivo e aceitou liberá-lo. Em 2018, ele fez apenas quatro jogos, um como titular, e acabou substituído no intervalo contra o Ituano, no Pacaembu.

O volante de 20 nem foi relacionado pelo técnico Jair Ventura para a partida contra o Novorizontino, nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Ele aguarda pelo “ok” de seus representantes para viajar ao Japão nesta semana.


Novorizontino 3 x 3 Santos

Data: 13/02/2016, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio Dr. Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: 8.505 pagantes
Renda: R$ 300.014,00
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho
Auxiliares: Herman Brumel Vani e Fabricio Porfirio de Moura
Cartões amarelos: Lima (N).
Gols: Gabriel (39-1); Pereira (07-2), Lucas Lima (12-2), Rayllan (22-2), Lima (26-2) e Victor Ferraz (39-2).

NOVORIZONTINO
Anderson; Éder Sciola, Domingues, Jéci e Paulinho; Adriano, Deda (Fagner), Pereira e Rayllan; Wesley (Lima) e Roberto (Cléo Silva).
Técnico: Guilherme Alves

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato, Thiago Maia (Serginho) e Lucas Lima; Patito (Victor Bueno), Gabriel (Neto Berola) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior.



Em jogo de seis gols, Peixe arranca o empate contra o Novorizontino

O Novorizontino não recebia uma grande equipe em seu estádio há 20 anos. Depois de tanto tempo, o torcedor local foi presenteado com uma grande partida contra o Santos, na noite deste sábado, pela 4ª rodada do Campeonato Paulista. No fim, depois de um duelo muito movimentado e imprevisível, o confronto acabou definido em 3 a 3. Com isso, o Peixe segue invicto e líder no Grupo A, com 8 pontos, enquanto o Tigre soma apenas 3 pontos, ainda sem conquistar nenhuma vitória, e ocupa apenas a quarta colocação no Grupo B.

Gabriel abriu o placar no único gol marcado no primeiro tempo. Pereira empatou logo no início da segunda etapa, pouco antes de Lucas Lima marcar mais um, em grande lance individual. Perdendo o jogo, o técnico Guilherme Alves, ex-centroavante que marcou história no Atlético-MG, fez três alterações quase simultâneas e viu dois de seus escolhidos virarem o jogo em seguida, para delírio da torcida local, que encheu o estádio Jorjão. Primeiro, Fagner empatou. Depois, Lima fez 3 a 2. Mas, nos minutos finais, Victor Ferraz, em bela cobrança de falta, decretou a igualdade.

O jogo

Depois de duas décadas, o torcedor do Novorizontino pôde assistir o time da casa novamente em ação contra uma grande equipe na cidade do interior de São Paulo. E o público não decepcionou. Com bandeiras e muita empolgação, o time comandado pelo ex-centroavante Guilherme tentou corresponder e fez 15 minutos de fora alucinante contra o Peixe.

Primeiro, Rayllan arriscou de longe, após jogada pela esquerda, e assustou Vanderlei. A resposta veio com Gabriel, que tentou surpreender o goleiro Anderson com um leve toque e viu a bola tocar a trave.

Na sequência, Pereira cobrou falta na entrada da área, a bola desviou na barreira alvinegra, enganou Vanderlei e saiu pela linha de fundo, deixando o grito de gol entalado da garganta dos torcedores locais.

A partida era lá e cá. Aos 19, Victor Ferraz fez bela jogada pela direita e cruzou para trás, mas Ricardo Oliveira bateu por cima. Dez minutos depois, já com o ritmo mais cadenciado, Adriano Pagode, ex-Santos, enfiou linda bola para Roberto, que finalizou para boa intervenção do camisa 1 santista.

E com tantas chances dos dois lados, já era esperado que mais cedo ou mais tarde a rede balançasse. E o gol saiu aos 39. A defesa do Novorizontino marcou bobeira e Renato aproveitou para lançar Ricardo Oliveira nas costas dos zagueiros. Em posição legal, o centroavante só teve o trabalho de rolar para Gabriel, que não desperdiçou e colocou o Santos na frente do placar antes do intervalo.

Na volta do segundo tempo, o técnico Guilherme Alves avisou que o Novorizontino não deixaria de atacar o Peixe, mesmo ciente do perigo com os contra-ataques. E o time não ficou só na promessa. Logo aos 7 minutos, Paulinho chegou com liberdade pela esquerda e bateu forte. Lucas Veríssimo desviou mal, para o meio, e Pereira empatou com belo chute no canto.

A festa da torcida, porém, durou pouco. Aos 12 minutos, Lucas Lima resolveu tudo sozinho. O meia matou arriscou jogada individual, entrou na área, limpou três adversários e bateu com o pé direito. Um golaço.

Com o empate, Guilherme não se intimidou e colocou seu time no ataque. E a estrela do treinador brilhou na noite deste sábado. Dois dos três atletas que Guilherme colocou no jogo, dois marcaram gols e viraram a partida em cima do atual campeão.

Aos 22, Rayllan deu linda assistência para Fagner no miolo da zaga santista e o meia bateu forte, no alto, para igualar o marcador novamente. Quatro minutos depois, Lima, que tinha acabado de entrar, recebeu pela esquerda, na entrada da área e, com muita liberdade, mandou a bomba para o gol. A bola foi rasteira, no cantinho de Vanderlei. 3 a 2 Novorizontino e um jogo digno do bom público que compareceu no estádio Jorjão.

Mas os santistas nas arquibancadas, que também apareceram em bom número, também tiveram seu momento de êxtase. Aos 39, quando o Santos demonstrava força para empatar o jogo, a bola parada acabou decidindo o placar final. Depois de muita reclamação por uma falta marcada na entrada da área, Victor Ferraz bateu com categoria para fazer 3 a 3.

O jogo ganhou ares de decisão e ficou nervoso nos minutos finais, mas nenhuma das duas equipes conseguiu anotar o gol que garantiria a vitória nesta quarta rodada do Paulistão.

Bastidores – Santos TV:

Após gol salvador, Victor Ferraz admite: “Temos muito para ajustar”

Victor Ferraz foi o herói improvável na noite deste sábado, em Novo Horizonte. Contra o time da casa, o Peixe sofreu. Depois de ficar a frente com gols de Gabriel e Lucas Lima, o alvinegro sofreu a virada e só voltou à Baixada com um ponto na bagagem graças a gol de falta de Victor Ferraz aos 39 do segundo tempo. Ao fim do jogo, o lateral falou sobre o confronto sem esconder sua insatisfação.

“Para quem estava assistindo, para o público que veio ao estádio, acho que foi um grande jogo. A torcida fez um grande espetáculo, tem que elogiar o campo. Quando é para criticar, a gente critica, mas o campo está muito bem cuidado aqui. Só tenho que glorificar a Deus pelo meu gol, mas a gente tem que melhor muito. Mérito deles, mas é a prova que tem muito o que ajustar”, disse o jogador ao Sportv.

Apesar da liderança no Grupo A do Campeonato Paulista e a invencibilidade na competição, Victor Ferraz se mostrou preocupado com o desempenho do time depois de quatro rodadas. Neste sábado, mais uma vez a equipe de Dorival Júnior demonstrou fragilidades e não conseguiu impor em campo todo seu favoritismo.

“A gente conseguiu ficar na frente duas vezes, mas acabou, por vacilo nosso mesmo, eles fazendo gol. A gente tem que ajustar muita coisa, porque a gente quer chegar longe, quer disputar o Brasileiro, quer disputar todos os campeonatos que a gente vai jogar”, analisou o lateral.

Dorival Junior lamenta chances perdidas, mas valoriza ponto fora de casa

Depois de um 3 a 3 eletrizante contra o Novorizontino, Dorival Júnior fez uma análise bastante tranquila da partida. O treinador santista evitou criticar sua equipe e só lamentou as oportunidades desperdiçadas que poderiam ter garantido a vitória neste sábado. Apesar de reconhecer alguns pontos negativos, Dorival também fez questão de valorizar o ponto conquistado como visitante na competição.

“Foi um belo jogo. O que eu lamento são as muitas oportunidades que nós tivemos e não conseguimos transformá-las em gols, o que nos daria uma condição diferente dentro da própria partida. Mas, ainda assim, nós não podemos deixar de reconhecer, primeiro, a qualidade que teve a equipe do Novorizontino, que foi até o fim, que acreditou até o fim, que conseguiu reverter um resultado inicial. Depois nós fomos buscar novamente”, analisou o comandante alvinegro, tentando apontar as dificuldades dentro do Campeonato Paulista.

“É dessa maneira. O campeonato é muito difícil, complicado. Cada ponto conquistado fora de casa tem que ser muito valorizado. E, até que encontremos nosso melhor, tanto físico, tecnicamente, taticamente, é natural que ainda oscilaremos um pouco. E temos que compreender essas alternâncias dentro das partidas”, completou.

Questionado sobre a condição física dos seus atletas, Dorival Júnior refutou que o cansaço tenha se sobressaído nos minutos finais e elogiou a postura dos jogadores em campo.

“De maneiras nenhuma. Fisicamente, nós suportamos o jogo e fomos até o fim. Teríamos até muito mais para darmos e temos essa condição estabilizada. Logicamente que é uma crescente e a equipe vai se estabilizando aos poucos. Estamos em um processo inicial, todas as equipes passando por essas oscilações. Um jogo muito difícil, truncado, muito pegado, muito disputado. O Santos teve o placar a seu favor, teve o placar contra. Tivemos coisas positivas ao longo dos 90 minutos, tivemos também coisas negativas. Mas é assim. Somando, com dificuldades”, explicou.

Dificilmente o técnico do Peixe se conforma com um empate diante de um adversário de nível técnico inferior. Neste sábado, porém, apesar de todo o favoritismo do Santos, Dorival preferiu ser mais brando em sua análise e entende que ainda é muito cedo para cobrar tanto a equipe.

“Algumas equipes já estão trabalhando há mais tempo do que as equipes que saíram (de férias) um pouco depois e essa diferença nós temos que tirar com a qualidade da nossa equipe, com as condições apresentadas ao longo da partida. Tivemos oportunidades reais de matarmos o jogo. As coisas não aconteceram e, de repente, três bolas encaixadas foram as três que foram no nosso gol. É assim, futebol é dessa maneira e nós temos que trabalhar para que as coisas voltem a acontecer de uma maneira mais natural”, concluiu.

Dorival cobra mudança de postura de Lucas Lima e Gabriel nos jogos

Desde o ano passado, Lucas Lima e Gabriel se consolidaram como grandes protagonistas do atual time santista. Nesta temporada, a dupla mais uma vez começou em alta. O meia já deu duas assistências para gol, sofreu um pênalti e, neste sábado, marcou um golaço. Enquanto isso, o jovem atacante já tem quatro gols em cinco jogos (contando o amistoso contra o Bahia) e duas assistências. Mesmo assim, Dorival Júnior ainda não está satisfeito. A dificuldade de Lucas Lima em fugir de uma marcação mais próxima e os ‘sumiços’ de Gabriel dentro de alguns jogos têm incomodado o comandante.

“Isso ai tem que mudar. São situações que os dois estão trabalhando. O Lucas já melhorou muito com relação a este aspecto. O Gabriel vem melhorando. Estamos exigindo. Precisamos de mais. Todos sabem que podemos dar muito mais. E eu acho que a partir desse momento vai acontecer uma evolução de todos”, comentou Dorival, preocupado também em elevar o moral dois de seus melhores jogadores no elenco.

“São jogadores de altíssimo nível, grande qualidade e que têm que usar também essa participação coletiva. Isso, aos poucos, vem acontecendo. Nós tivemos muito mais coisas positivas do que negativas dentro da partida. E isso é um fator que nos deixa um pouco mais confiantes”, ponderou.

Patito

Patito Rodriguez ganhou sua primeira oportunidade de começar jogando nesta temporada. Com Paulinho fora, o argentino enfrentou o Novorizontino e, apesar de não ter conseguido nenhum grande lance dentro do jogo, recebeu elogios de Dorival Júnior.

“Fez uma boa partida. Participação muito boa. Naturalmente, ele precisa de uma sequência um pouco maior para que ele alcance suas melhores condições. Mas já foi bem superior aos 20 minutos que ele teve contra a Ponte Preta”, comparou o técnico, que agora prepara sua equipe para o clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, no Palestra.

Novorizontino 2 x 1 Santos

Data: 26/03/1995, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: 1.947 pagantes
Renda: R$ 20.338,00
Árbitro: Dalmo Bozzano
Cartões amarelos: Genilson, Luis Carlos e Paulinho (N).
Cartão vermelho Ranielli (S) .
Gols: Paulinho (18-1) e Elder (28-1); Ranielli (26-2).

NOVORIZONTINO
Maurício; Jorge Luís, Walter, Luis Carlos e Denys (Marildo); Élder, Genilson, Marcelo Prates e Geraldo (Pereira); Paulinho e Vital.
Técnico: José Teixeira

SANTOS
Edinho; Rogério (Camanducaia), Marcelo Moura, Narciso e Marcos Paulo; Gallo, Carlinhos, Ranielli e Marcelo Passos; Macedo e Marquinhos (Demétrios).
Técnico: Joãozinho Rosa



Em Novo Horizonte, Santos perde de novo

O Santos voltou a perder no Campeonato Paulista, desta vez por 2 a 1 para o Novorizontino.

O Novorizontino marcou aos 18min. O ponta-esquerda Vital cobrou falta, o goleiro Edinho rebateu e o ponta Paulinho marcou.

Vital, aos 28min, foi à linha de fundo e cruzou. A defesa do Santos falhou e o volante Elder chutou no canto direito.

No segundo tempo, com a entrada de Camanducaia, o Santos melhorou e chegou a ameaçar a vitória do Novorizontino.

Aos 26min, o meia Ranielli cobrou uma falta no ângulo direito do goleiro Maurício. Três minutos depois, foi expulso após falta violenta em Marcelo Prates.



Sem Giovanni, Santos tenta a vitória sobre Novorizontino ( Em 26/03/1995 )

Novorizontino e Santos fazem hoje um jogo decisivo, em Novo Horizonte.

O Santos perdeu sua invencibilidade na quarta-feira (4 a 2 para o Rio Branco) e a precisa vencer para ficar próximo dos líderes do Campeonato Paulista na disputa pelo ponto extra na segunda fase.

Já o Novorizontino está no 13º lugar, apenas um ponto à frente da zona de rebaixamento — no fim da primeira fase, três times são rebaixados.

O Santos vai jogar desfalcado do meia Giovanni, suspenso. O técnico Joãozinho diz que não há motivo para desespero. “Estamos realizando uma boa campanha.”

Ele terá a volta do meia Marcelo Passos, do lateral Marcos Paulo e do zagueiro Narciso, que cumpriram suspensão. O lateral Silva e o zagueiro Maurício Copertino também têm chance de voltar.

No Novorizontino, o técnico José Teixeira diz que o time está crescendo: “Conseguimos oito pontos em cinco jogos”.

Teixeira afirma que o objetivo da equipe é ficar entre os sete primeiros do Paulista para garantir uma vaga na segunda fase. “Não podemos fiar pensando apenas em nos livrar dos últimos lugares”.

No Paulista do ano passado, o clube conseguiu o sexto lugar na disputa, atrás de Palmeiras, São Paulo, Corinthians, Santos e América.



Fonte: Estadão