Navegando Posts marcados como Gabriel Pirani

Santos 2 x 0 São Paulo

Data: 20/06/2021, domingo, 18h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 5ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Savio Pereira Sampaio (VAR)
Auxiliares: Daniel Henrique da Silva Andrade e José Reinaldo Nascimento Junior (ambos do DF).
VAR: Pericles Bassols (SP)
Cartões amarelos: Kaio Jorge e Zanocelo (S); Reinaldo, G. Sara e Igor Vinícius (SP).
Gols: Marinho (26-1) e Gabriel Pirani (43-1).

SANTOS
John; Pará, Luiz Felipe, Luan Peres, Felipe Jonatan, Camacho (Balieiro), Jean Mota, Pirani (Zanocelo), Marinho (Lucas Braga), Kaio Jorge (Madson) e Marcos Guilherme (Danilo Boza).
Técnico: Fernando Diniz

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Diego Costa (Léo), Bruno Alves e Reinaldo; Igor Vinícius, Liziero, Gabriel Sara (Benítez), Rigoni (Talles) e Welington; Eder (Galeano) e Luciano (Rojas).
Técnico: Hernán Crespo



No reencontro de Diniz com o São Paulo, Santos leva a melhor e vence o San-São na Vila

O São Paulo segue sem vencer no Campeonato Brasileiro. Na noite deste domingo, pela quinta rodada do torneio, o Santos derrotou o Tricolor por 2 a 0, na Vila Belmiro. Marinho e Gabriel Pirani anotaram os tentos decisivos do embate.

A partida marcou o reencontro de Fernando Diniz com o clube do Morumbi. Atual comandante do Peixe, o técnico dirigiu o time da capital de setembro de 2019 até fevereiro de 2021. Ao todo, somou 74 jogos pela equipe, com 34 vitórias, 20 empates e 20 derrotas.

Com o resultado, o Alvinegro Praiano foi a sete pontos, assumindo a nona colocação do Brasileirão. Já o Tricolor segue com apenas dois pontos, em 17º.

O jogo

O primeiro tempo na Vila Belmiro começou muito abaixo do esperado. Nervosas, as duas equipes erravam muitos passes e cometiam muitas faltas. Com isso, demorou para sair uma jogada de perigo. Logo na primeira oportunidade, no entanto, a rede balançou.

Com o relógio marcando 26 minutos, depois de bom lançamento de Camacho, Jean Mota dominou com categoria na entrada da área e achou grande passe para Marinho, que encheu o pé para abrir o placar para os mandantes. Com o tento, o Santos cresceu na partida. Aos 32, Marcos Guilherme arrancou pela esquerda e cruzou rasteiro para Kaio Jorge. O atacante chegou batendo de primeira e tirou tinta da trave direita de Volpi.

Do outro lado, o São Paulo respondeu aos 40. Após cobrança de falta pela direita, a bola caiu os pés de Reinaldo, que dominou e bateu firme. A bola desviou no Pará e saiu pela linha de fundo.

Já aos 42, a vida do Tricolor se complicou. Luciano sentiu uma contusão muscular na coxa esquerda e deixou o gramado aos prantos. No minuto minuto seguinte, Lizieiro errou ao recuar a bola para Volpi e deu nos pés de Kaio Jorge, que tocou de primeira para Gabriel Pirani. Com o gol aberto, o meia apenas completou para o fundo da rede e saiu para o abraço.

Na volta do intervalo, o Peixe seguiu mais ligado. Com quatro minutos, Marinho foi derrubado na entrada da área, e o árbitro sinalizou falta. Na cobrança, Kaio Jorge deu trabalho para Volpi, que fez a defesa em dois tempos.

Aos nove, os visitantes reagiram. Igor Vinícius recebeu cruzamento rasteiro de Eder e finalizou. Em cima da linha, Pará afastou, mas a bola voltou para o lateral são-paulino, que, na segunda tentativa, guardou. O árbitro, no entanto, anulou o tento ao flagrar impedimento na jogada.

Dez minutos depois, os donos da casa tiveram mais uma oportunidade em bola parada. Dessa vez, quem bateu foi Marinho. O atacante soltou uma bomba da intermediária e carimbou o travessão.

A partir de então, o jogo esfriou na Vila Belmiro. O São Paulo até tentou esboçar uma pressão, mas o time encontrou muitas dificuldades para agredir os rivais.

Bastidores – Santos TV:

Fernando Diniz destaca entrega do Santos no clássico: “O principal jogador foi a vontade de ganhar”

A Santos TV publicou na noite desta segunda-feira os bastidores da vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo no último domingo, na Vila Belmiro, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

A produção mostra fortes discursos do técnico Fernando Diniz, ex-Tricolor.

“Ouvi vocês falando de vontade… Meu irmão, todas, TODAS. Todas na vontade. Ninguém joga perto como a gente. Ninguém é capaz de fazer o que a gente faz. Os caras têm que sentir do começo ao final, não tem cansaço nessa p… Quem perder que canse. É ganhar todas as bolas e o resto vai acontecer. É vitória!”, disse Diniz, antes do jogo.

“O que aconteceu hoje não pode ser nada menos que a nossa normalidade. Tem que pegar gosto e é daí para cima. Quinta, domingo… Estão de parabéns. Vocês correram para c… e são bons para c… Acreditem que vocês são bons para c… O que vocês fizeram hoje ninguém consegue. O que tinha para acontecer aconteceu e a vitória é nossa. Esse tem que ser nosso normal, ganhar jogo grande, ganhar clássico”, falou o técnico depois da vitória.

Marinho volta a balançar a rede em vitória no San-São: “Para retomar a confiança”

O Santos voltou a somar três pontos no Campeonato Brasileiro e dessa vez com vitória de peso. Neste domingo, o Peixe anotou 2 a 0 no São Paulo, na Vila Belmiro. Autor do primeiro gol, Marinho comentou o clássico, respondeu as críticas e falou sobre sua fase individual dentro de campo.

O Santos construiu a vitória ainda na primeira etapa – Marinho e Pirani balançaram a rede para o time da Vila. O final do clássico ficou marcado pela lesão do goleiro John, que mesmo assim permaneceu em campo até o apito final.

Marinho comentou a situação e também descartou qualquer lesão, já que foi substituído na etapa final.

“É na raça! Eu falei para o professor que pesou um pouco, mas nada mais que um cansaço. Estou inteiro, para depois não falarem que eu estou machucado. Mas sobre o John, não tinha mais mudanças e ele foi no sacrifício. O mais importante é que conseguimos fazer o dever de casa. Clássico, em casa, tínhamos que ganhar e fomos merecedores do resultado”, comentou o atacante.

Marinho não balançava a rede desde o início do mês, na partida diante do Ceará. Foram quatro jogos de seca e o atacante respondeu as críticas.

“Nunca deixei de trabalhar! A gente escuta muitas coisas, mas o mais importante é minha família que me apoia. O torcedor verdadeiro do Santos sabe que eu tenho me dedicado o tempo todo. Sei que as vezes as coisas não acontecem, mas eu coloco a camisa do Santos e é um privilégio. Um clube que aprendi a admirar, tenho na pele, e vou me dedicar todos os dias”, disse.

“A confiança que o Diniz tem me passado dá tranquilidade. Esse jogo foi para retomar a confiança! Eu sei quem eu sou, independente do que falam, eu sei que sou muito bom e todo mundo acredita em mim – aqueles que confiam, quem não confia… paciência”, finalizou Marinho.

Luan Peres diz que Diniz prioriza a defesa no Santos: “Ele é até um pouco injustiçado”

O técnico Fernando Diniz é reconhecido como um técnico ofensivo e de certa forma radical pela manutenção da posse de bola e aversão aos chutões. Mas não é bem assim…

O zagueiro Luan Peres falou sobre os pedidos do treinador do Santos em entrevista ao Bandsports e comentou sobre injustiças em análises do trabalho de Diniz.

De acordo com Luan, a prioridade de Fernando Diniz é proteger o goleiro.

“Ele é até um pouco injustiçado. É um grande treinador. Sempre comenta que o principal não é a saída de bola, a posse de bola, mas sim a parte defensiva, de todos protegerem o goleiro e reposição muito rápida. Podemos errar atrás, mas não recompor mal e deixar de defender o goleiro. É o ponto chave, a primeira coisa. Estamos nos doando muito na marcação. Não é à toa que estamos sofrendo poucos gols. Nós tomávamos muito, mesmo no ano passado comigo e Veríssimo, agora estamos melhorando e com todo mundo marcando”, disse Luan Peres.

“A metodologia nunca muda. Ele tem um pensamento e leva até o fim. Ele mesmo diz que quer implementar muita coisa e em um mês não dá para assimilar tudo. Nós vamos errar, é normal, mas ele fala muito com a gente e tirou de lição é que o jogador toma a última decisão. Se perceber que, independentemente do estilo, não está confortável é só dar o chutão para frente. Ele nos deixa bem livres. Ele quer que a gente jogue com muitos ao redor, sempre sobra jogador e alguém livre. Isso facilita para não dar o bicão. E se perdermos nessa zona povoada, dificilmente adversário vai fazer gol contra cinco ou seis. Temos que saber onde tocar a bola. No segundo gol contra o São Paulo, Liziero errou numa zona perigosa, isso aconteceu comigo também. Serve de lição para ele, para mim e para o Diniz. Não podemos correr risco ali, mas no lado de campo sim, por exemplo”, completou.

O Santos sofreu cinco gols nos cinco jogos do Campeonato Brasileiro. Nas últimas seis partidas, o Peixe só levou dois. A última vitória foi por 2 a 0 sobre o São Paulo, na Vila Belmiro, quando o goleiro John praticamente não trabalhou.


Santos 5 x 0 The Strongest-BOL

Data: 04/05/2021, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo C – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Christian Garay (CHI).
Auxiliares: Raul Orellana e Claudio Rios (ambos do CHI).
Cartões amarelos: Kaiky (S); Arrascaita, Wayar (TS).
Gols: Marinho (01-1), Gabriel Pirani (25-1) e Balieiro (42-1); Lucas Braga (13-2) e Kevin Malthus (37-2).

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan (Copete); Vinícius Balieiro (Kevin Malthus), Jean Mota e Gabriel Pirani; Marinho, Marcos Leonardo (Kaio Jorge) e Lucas Braga (Ângelo).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)

THE STRONGEST (BOL)
Daniel Vaca; Saúl Torres, Castillo, Valverde e José Sagredo; Wayar, Ramiro Vaca, Arrascaita (Churra); Cardozo (Pastor), Reinoso (Blackburn) e Willie Barbosa.
Técnico: Gustavo Florentín



Santos atropela o The Strongest na Vila e respira na Libertadores

Nesta terça-feira, o Santos recebeu o The Strongest e goleou por 5 a 0, na Vila Belmiro, em partida válida pela terceira rodada do grupo C da Libertadores. Com gols de Marinho, Gabriel Pirani, Balieiro, Lucas Braga e Kevin Malthus, o Peixe somou os seus primeiros pontos na chave, respirando na competição.

O primeiro tempo foi um atropelamento. O The Strongest não viu a cor da bola, e o Santos encontrou muita facilidade para marcar os três primeiros gols. Todos, diga-se de passagem, bonitos. Na segunda etapa, apesar dos visitantes terem acertado a trave duas vezes, o Peixe foi preciso nas chegadas ao ataque e ampliou o placar, sacramentando a vitória.

Com o resultado, o Santos chegou aos três pontos no grupo C, na terceira posição. O próximo compromisso do time pela Libertadores é contra o Boca Juniors, na terça-feira da semana que vem, na Vila Belmiro, às 19h15.

O jogo

O Santos começou fulminante e nem deu tempo do The Strongest respirar. Logo no primeiro minuto, Pirani recebeu pela esquerda e encontrou belo passe para Marinho, que finalizou de direita para abrir o placar. Depois de marcar, o Peixe recuou as suas linhas para sair em contra-ataque, mas sem sofrer defensivamente.

Aos 25 minutos, o Santos chegou ao seu segundo gol em uma bonita jogada. Jean Mota fez um lindo lançamento para Felipe Jonatan, que encontrou Gabriel Pirani dentro da área. O meia chegou batendo de primeira e ampliou para os mandantes.

Sem tirar o pé do freio, o Santos continuou levou perigo, dessa vez com Marcos Leonardo exigindo defesa de Daniel Vaca. Aos 42 minutos, Balieiro pegou a sobra de uma bola dividida na intermediária, avançou e finalizou com precisão de fora da área para marcar o terceiro da equipe.

No retorno do intervalo, Marcelo Fernandes trocou Pará por Madson e Marcos Leonardo por Kaio Jorge. O Peixe manteve a postura e, aos 13 minutos, chegou ao quarto gol. Marinho costurou pelo meio e encontrou Lucas Braga pela esquerda, que ajeitou e, com o pé fraco, mandou no canto do goleiro.

Em seguida, o The Strongest chegou pela primeira vez com perigo no jogo. Castillo desviou de cabeça em cruzamento para a área e acertou a trave. O time boliviano ainda viria a carimbar novamente a trave, em finalização de Pastor da entrada da área.

Apesar dessa pequena pressão, o Santos voltou a balançar as redes aos 37 minutos. Madson desceu pela direita, cruzou para a área, e a defesa afastou. No rebote, Kevin Malthus pegou o rebote e acertou um bonito chute de fora da área para marcar o quinto.

Bastidores – Santos TV:

Marcelo Fernandes explica a opção por ter Jean Mota mais recuado no meio-campo do Santos

Nesta terça-feira, o Santos dominou o The Strongest do começo ao fim e goleou por 5 a 0, na Vila Belmiro. O Peixe começou a construir a vitória logo no primeiro minuto, quando Marinho abriu o placar, dando tranquilidade à equipe. Após o apito final, Marcelo Fernandes destacou a confiança que o time ganha depois da apresentação nesta noite, com os jovens jogadores fazendo parte do processo.

“Fizemos a estratégia para marcar um gol rápido, e veio até com um minuto de jogo. Essa molecada, que vem sofrendo com os resultados ruins, são os que mais sofrem. A gente tem uma rapaziada experiente que, tanto dentro quanto fora do campo, tem dado um alicerce legal para essa molecada”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Essa vitória foi importante para que esses meninos entendam que faz parte de um processo, mas que dê confiança. Não dá tempo de comemorar nada, temos que descansar e nos reabilitar, porque quinta-feira tem um jogo muito decisivo”, completou.

Marcelo Fernandes também explicou por que optou por ter Jean Mota mais recuado no meio-campo quando o Santos tinha a bola, liberando Balieiro para apoiar e infiltrar.

“O Jean Mota é um meia de origem, mas nós sempre falamos de recuá-lo para segundo volante. Hoje, como iríamos enfrentar uma equipe que exploraria o contra-ataque, bem fechada, o Jean Mota já mostrou sua qualidade vindo de trás e de frente. Tem um passe longo e entrelinhas muito bom, e esse passe seria importante nesta partida. Acho que ele demonstrou isso, nossa estratégia foi muito bem feita”, finalizou.

Impulsionado pelas críticas, Marinho celebra a atuação coletiva do Santos

O Santos fez a sua primeira boa apresentação na Libertadores nesta terça-feira e goleou o The Strongest por 5 a 0, na Vila Belmiro. Autor de um dos gols da vitória, Marinho destacou a atuação coletiva do Peixe e comentou sobre as críticas que vinha recebendo.

“Na verdade, o mais importante é o resultado. Importante quando a equipe faz um jogo consistente, quando não só eu apareço. A gente tem se dedicado muito, a gente sabe que a situação não é das melhores, mas é só o trabalho que vai mudar isso”, afirmou Marinho à Conmebol TV.

“É como eu falo: as críticas não vêm para te parar, e sim para te impulsionar”, completou.

Marinho reconheceu que o Santos vinha de uma sequência com um futebol ruim, esperando que a goleada desta terça possa dar confiança ao time.

“Na verdade, nos dá a esperança de que a gente pode. Temos uma boa equipe. A gente vinha trabalhando, mas estava muito abaixo do que a gente pode apresentar. Hoje, ganha confiança para os próximos jogos, só tem decisão daqui para a frente”, finalizou.

Malthus celebra o primeiro gol pelo Santos e ainda quer ver o seu nome no muro do CT

O Santos atropelou o The Strongest por 5 a 0 nesta terça-feira, conseguindo respirar na Libertadores. A noite foi especial para Kevin Malthus, que marcou o seu primeiro gol como profissional do Peixe. Depois de sair do banco de reservas, o volante acertou um belo chute de fora da área para sacramentar o triunfo da equipe.

Em entrevista à Gazeta Esportiva, Malthus não escondeu a felicidade por balançar as redes. O jogador nem sequer cogitava que o seu primeiro gol pudesse sair em um jogo de Libertadores.

“Eu imaginava, ficava imaginando desde criança o meu primeiro gol como profissional, mas nunca imaginei que seria em uma Libertadores. Na verdade, nunca imaginei que jogaria uma Libertadores, ainda mais fazer um gol. Foi como eu imaginei, foi um grande gol. De fora da área, como eu costumo fazer, como é a maioria dos meus gols. Fico feliz, foi um grande sonho realizado”, afirmou o volante.

Na última semana, Malthus teve o seu contrato com o Santos renovado até 2026. Nascido em Belém do Pará, o jovem quer seguir os passos de conterrâneos que marcaram os seus nomes na história recente do clube da Vila Belmiro.

“Eu vou ficar aqui por muito tempo, se depender do meu contrato. Vou buscar sempre atingir novas metas e conquistas, trabalhar firme para conquistar o maior número de títulos possível. Fazer uma grande história aqui, assim como grandes ídolos da minha história fizeram, como o Giovanni e o Ganso. Buscar ser ídolo e ter o meu nome no muro do CT, além de dar muita alegria para a nossa nação”

Malthus também comentou sobre a pressão que o elenco tem sofrido neste início de temporada repleto de oscilações. Apesar da instabilidade, o jogador demonstrou que já sabe como lidar com as cobranças.

“Os mais velhos e experientes nos aconselham em muitas situações, principalmente nessa. Estamos passando por uma turbulência no clube. Eles nos aconselham a seguir trabalhando. Assim como você não liga para crítica, você também não pode ligar para elogio. Isso pode te derrubar, como também pode te levantar e te fazer ser ‘o cara’. Levo isso tudo pelo lado bom, para me levantar e me reerguer, melhorando a cada dia”, finalizou Malthus.

Interino pondera o cansaço, mas diz que o Santos vai para o clássico com “o que tem de melhor”

Depois de uma grande vitória sobre o The Strongest, o Santos precisa virar rapidamente a chave, já que, na quinta-feira, enfrenta o Palmeiras, no Allianz Parque, às 21h, pelo Campeonato Paulista. Apesar do curto intervalo de tempo entre os jogos, a tendência é que o Peixe vá para o clássico com uma equipe forte.

Após a goleada desta terça-feira, Marcelo Fernandes revelou que os jogadores adiantaram o processo regenerativo no vestiário. O técnico interino indicou que o Santos deve contar, pelo menos, com parte dos titulares no duelo com o Palmeiras.

“Para o clássico, vamos voltar amanhã de tarde, ver como estão todos. Já começamos o trabalho de reabilitação aqui dentro, todos estão fazendo esse trabalho o mais rápido possível. É um jogo importantíssimo, difícil, contra uma grande equipe. O Santos com certeza vai usar aquilo que tem de melhor”, afirmou Marcelo Fernandes.

“Logicamente, pensando na forma física e de como os jogadores estão, porque também temos outro jogo domingo e não podemos perder ninguém”, completou.

Apesar de estar focado na Libertadores, o Alvinegro vive situação delicada no Paulistão. A duas rodadas do fim da primeira fase do estadual, o Santos ocupa a terceira posição do grupo D, com dez pontos somados, quatro a menos do que o segundo colocado Guarani. Depois de enfrentar o Palmeiras, o time ainda terá pela frente o São Bento, no domingo, na Vila Belmiro.


Santo André 2 x 2 Santos

Data: 28/02/2021, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo D – 1ª rodada
Local: Estádio do Canindé, em São Paulo, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Humberto José Junior.
Cartões amarelos: Léo Costa e Rone (SA); Kevin Malthus e Sandro (S).
Gols: Vitinho (02-1), Jean Mota (04-1) e Gabriel Pirani (24-1); Ramon (06-2).

SANTO ANDRÉ
Fernando Henrique; Marcos Martins, Rodrigo, Willian Goiano e Giovanni Palmieri; Wesley Fraga (Léo Costa), Vitinho (Rone), Marino (Paulo Roberto) e Gegê (Rafael Vinicius); Minho e Ramon (Tiago Marques).
Técnico: Paulo Roberto Santos

SANTOS
Vladimir; Sandro, Kaiky (Robson), Alex e Wagner Leonardo; Vinícius Balieiro, Kevin Malthus (Tailson), Gabriel Pirani (Ivonei) e Jean Mota (Bruno Marques); Ângelo e Arthur Gomes (Allanzinho).
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Sob o olhar de Holan e com o time reserva, Santos empata com o Santo André na estreia do Paulistão

O Santos subiu a serra neste domingo para estrear pelo Campeonato Paulista. Jogando no Canindé e com o time reserva, o Peixe enfrentou a equipe do Santo André. Em jogo movimentado e de muitos gols, as duas equipes ficaram no empate por 2 a 2.

Ainda sem Ariel Holan, que acompanhou a partida da arquibancada, Marcelo Fernandes comandou o Peixe e mandou o time reserva ao campo, dando oportunidade para muitos meninos da Vila.

O jogo

O jogo começou quente no Canindé! O Santo André abriu o marcador logo no primeiro ataque, com dois minutos de bola rolando. Após cobrança de escanteio, a bola seguiu viva na grande área e Vitinho aproveitou a sobra para balançar a rede.

A reposta do Peixe foi imediata e, aos quatro minutos, o setor ofensivo rodou a bola até a ponta direita e cruzou para Jean Mota infiltrar e deixar o marcador igualado.

O jogo continuou aberto e movimentado, e foi na velocidade que o Santos conseguiu a virada ainda no primeiro tempo. Aos 24 minutos, o jovem Gabriel Pirani conduziu pelo meio e apenas deslocou o goleiro para anotar seu primeiro gol com a camisa alvinegra.

A vantagem santista durou até o início do segundo tempo, quando o Ramalhão surpreendeu mais uma vez. Com cinco minutos, Marino tocou por cima do goleiro Vladimir e Ramon completou para o fundo da rede.

Após o gol de empate, o Santo André se fechou e apostou no contra-ataque para buscar a vitória. Ramon apareceu mais uma vez no ataque do Ramalhão para marcar, mas a bandeira levantou e o gol foi anulado.

O jogo seguiu aberto. Os mandantes pararam em Vladimir, o Santos não conseguiu ser eficiente e o empate seguiu até o apito final.

Empate na estreia do Paulistão mostra potencial de jovens da base

O torcedor santista talvez tenha estranhado a escalação do Peixe neste domingo. A equipe estreou no Campeonato Paulista diante do Santos André, 2 a 2, e com um time formado em sua maioria por jovens da base. A exceção foi Jean Mota e o goleiro Vladimir.

Mais experientes, coube a Jean Mota e Vladimir liderar os meninos da Vila na estreia do Paulista. Com protagonismo de ambos – gol do meia e grande atuação do goleiro – o Santos reagiu diante do Santo André e ficou no empate por 2 a 2.

Dos 19 jogadores relacionados para a partida, Jean Mota foi o único não formado nas categorias de base da Vila e o meia destacou a atuação dos jovens: “Foi uma boa estreia, se portaram bem. Fizemos gols de bola trabalhada. Pelo todo, o time está de parabéns”.

Destaque também pela dinâmica formada no meio-campo, com Gabriel Pirani, Kevin Malthus e Vinicius Balieiro. Os três participaram diretamente dos gols do Peixe.

O empate serviu para mostrar que o futuro treinador da equipe, Ariel Holan, poderá contar com o pessoal mais novo para a sequência da temporada que se inicia. O argentino, inclusive, acompanhou o confronto nas arquibancadas do Canindé.

Marcelo Fernandes destaca boa apresentação de meninos da Vila

Apesar do empate na estreia do Paulistão, por 2 a 2 contra o Santo André, a equipe do Santos trouxe esperança ao torcedor alvinegro. O Peixe entrou em campo com o time reserva, repleto de jovens, e os meninos da Vila deram conta do recado.

Com Ariel Holan ainda sem assumir e acompanhando o jogo da arquibancada, Marcelo Fernandes comandou o time da baixada e gostou do que viu.

“Muito feliz com o que a rapaziada apresentou hoje. A equipe que entrou em campo tinha uma média de 20 anos de idade, mesmo com Vladimir e Jean Mota. Eles tomaram um gol com dois minutos e tiveram personalidade para empatar e virar ainda no primeiro tempo”, disse o treinador.

“Sabíamos que o segundo tempo seria difícil por conta do condicionamento físico. Mas acho que o Santos está muito bem servido pelo sua base, são jogadores que vão agregar muito no trabalho do Ariel Holan”, completou Marcelo Fernandes.

Futuro treinador do Santos, mas ainda sem previsão para assumir a equipe, Ariel Holan visitou neste domingo a Vila Belmiro e se reuniu com o presidente Andres Rueda. Em seguida, subiu até São Paulo para acompanhar a partida diante do Santo André.

“Após a saída do Cuca, já comecei o contato com o Ariel Holan imediatamente. Ele se mostrou uma pessoa muito participativa, muito humilde, que quer agregar com aqueles que já estão aqui. Nosso papel é dar munição para ele, contar o que está acontecendo. Temos conversado bastante, um excelente treinador”, disse Marcelo Fernandes sobre o argentino.

Marcelo Fernandes explica transição de trabalho e participação de Ariel Holan

Após o empate na estreia do Paulistão, diante do Santo André, o comandante da noite Marcelo Fernandes falou sobre a transição de trabalho que vem acontecendo para que Ariel Holan assuma o cargo.

Marcelo Fernandes mostrou entusiasmo e confiança no trabalho do argentino. Ariel Holan ainda não assumiu o trabalho, mas tem participado internamente.

“Ariel tem conversado com a gente desde que viajamos para a Bahia. Trocamos ideia, ele pergunta o que a gente acha, explicamos a situação e ele deixa a gente sempre muito a vontade”, disse o auxiliar fixo.

Ariel Holan visitou neste domingo a Vila Belmiro e se reuniu com o presidente Andres Rueda. Mais tarde, o argentino subiu para São Paulo e acompanhou a estreia no Peixe no Canindé.

“Ele tem um grupo de análise e desempenho que trabalha junto e já tem todos os perfis traçados dos jogadores. Ele conversou com a gente de querer ver esse jogador ou aquele em tal posição. Cabe a gente fazer o que ele pediu durante o jogo, mas conseguimos atender todos os pedidos – escalação ou situações durante o jogo. Acho muito importante a participação dele, querendo trabalhar e agregar, quem ganha com isso é o Santos”, concluiu.

A estreia de Ariel Holan na beira do campo ainda não tem previsão, mas o Santos volta a campo na próxima quarta-feira, às 17h, na Vila Belmiro, quando recebe a Ferroviária pela segunda rodada do Paulistão.

Jean Mota destaca postura de jovens na estreia do Paulistão: “Se portaram bem”

Neste domingo, o Santos estreou no Campeonato Paulista empatando com o Santo André, por 2 a 2. O jogo serviu de oportunidade para alguns meninos da Vila – foi o caso de Gabriel Pirani, autor do segundo gol alvinegro.

Com o time reserva e recheado de jovens, coube aos mais experientes liderarem o Peixe em campo. Jean Mota comprou a briga e foi o autor do primeiro gol. O meia comentou após o jogo a postura dos mais novos dentro de campo.

“A molecada não vinha jogando, falta um pouco de ritmo. Mas foi uma boa estreia, se portaram bem. Fizemos gols de bola trabalhada. Pelo todo, o time está de parabéns. Agora é acertar o que a gente errou para não sermos surpreendidos”, comentou Jean Mota.

Ainda na saída para o intervalo, Gabriel Pirani também falou sobre a emoção de ter balançado a rede pelo primeira vez com a camisa do Santos: “Fico feliz de fazer gol. Trabalhei a vida inteira. São 10 anos no clube. O trabalho que está sendo realizado é bem feito”.

Jean Mota recusa folga e começa Paulistão com gol no Santos: “Decidi ficar para ajudar”

Jean Mota começou bem o Campeonato Paulista. Na função de falso 9, o meia fez o primeiro gol do Santos no empate em 2 a 2 com o Santo André no último domingo, no Canindé.

Jean optou por não folgar para ajudar o Peixe neste início de competição. João Paulo, John, Pará, Luiz Felipe, Luan Peres, Felipe Jonatan, Alison, Sandry, Soteldo e Lucas Braga ganharam um recesso e voltam nesta terça-feira. Marinho está com covid-19 e Kaio Jorge, Laércio, Madson, Jobson, Carlos Sánchez e Raniel se recuperam no departamento médico. Marcos Leonardo e Renyer estão com a seleção brasileira sub-18.

“Pelas circunstâncias, foi uma estreia proveitosa. Um time muito jovem, que não costuma jogar junto, e que mesmo assim soube se portar dentro de campo. Queríamos ter saído com a vitória, mas empatar fora de casa numa estreia não só do campeonato, mas de muitos pelo profissional também, não foi um resultado ruim, por todas as circunstâncias envolvidas. Fico feliz de ter jogado, de ter passado um pouco da minha experiência e acredito que todos têm potencial para dar alegrias ao torcedor santista num futuro próximo”, disse Jean.

“Foi uma escolha minha. O Marcelo Fernandes me deu essa opção e, conversando com a minha esposa, decidi ficar para ajudar o Santos. Essa sempre foi a minha prioridade, ajudar este clube dentro ou fora do campo, seja treinando ou seja jogando”, completou.

Jean Mota deve continuar no “comando” do jovem time do Santos contra a Ferroviária na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 2ª rodada do Paulistão.

Polivalente, Pirani se surpreende com ascensão no Santos: “Sensação incrível”

Gabriel Pirani está surpreso com a própria ascensão no Santos. O meia-atacante de 18 anos estreou como profissional no intervalo do jogo contra o Bahia e foi titular diante do Santo André, quando fez seu primeiro gol.

Em alta, o Menino da Vila é polivalente: pode atuar como meia, pelas pontas ou até como falso 9.

“Uma sensação incrível balançar as redes pela primeira vez com essa camisa gigante, e fazer isso logo no meu segundo jogo foi inesquecível. Não esperava acontecer tudo isso tão rápido, mas eu sempre trabalhei muito para chegar aqui e fico feliz desse gol ter acontecido no momento certo. Foi ótimo saber que o professor estava na arquibancada assistindo o jogo de perto. Quero abraçar essa oportunidade. Fico feliz não só por ele ter visto o meu trabalho, mas sim o de todo o grupo. Muitos meninos subiram e estamos fazendo de tudo para agradar. Tenho certeza que o Holan terá um excelente grupo nas mãos”, disse Pirani.

“Claro que o jogo contra a Ferroviária será muito importante, já que os titulares ainda não estarão à disposição. Mas acho que temos que mostrar qualidade diariamente. Precisamos ir bem contra a Ferroviária e também nos treinos do dia a dia para seguir recebendo oportunidades da temporada. Estou pronto para jogar onde a comissão preferir”, completou o meia.

Gabriel Pirani deve ser titular mais uma vez contra a Ferroviária na próxima quarta-feira, às 17h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela segunda rodada do Campeonato Paulista. O Peixe terá os reservas e o comando do auxiliar Marcelo Fernandes.

Os titulares retornam da folga nesta terça, no primeiro treinamento de Ariel Holan. A estreia do técnico deve ocorrer apenas no domingo, diante do São Paulo, no Morumbi.

João Paulo, John, Pará, Luiz Felipe, Luan Peres, Felipe Jonatan, Alison, Sandry, Soteldo e Lucas Braga ganharam o recesso. Marinho está com covid-19 e Kaio Jorge, Laércio, Madson, Jobson, Carlos Sánchez e Raniel se recuperam no departamento médico. Marcos Leonardo e Renyer estão com a seleção brasileira sub-18.