Navegando Posts marcados como Londrina

Santos 1 x 0 Londrina

Data: 15/04/2015, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – 1ª Fase – Jogo de Volta
Local: Estádio Martins Pereira, em São José dos Campos, SP.
Público: 11.134 pagantes
Renda: R$ 523.440,00
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Assistentes: Bruno Raphael Pires (GO) e João Patricio de Araujo (GO).
Cartões amarelos: Gustavo Henrique e Lucas Lima (S); Jhon Murillo, Wéverton, Dirceu, Diogo Roque, Henry Kanu e Sílvio (L).
Gol: Elano (04-2).

SANTOS
Vladimir; Cicinho, Werley, Gustavo Henrique (Paulo Ricardo) e Zeca; Valencia, Lucas Otávio, Elano (Geuvânio) e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel e Gabriel (Leandrinho).
Técnico: Marcelo Fernandes

LONDRINA
Vítor; Lucas Ramon (Jhon Murillo), Dirceu, Sílvio e Lino; Germano (Léo Maringá), Diogo Roque e Rone Dias; Wéverton, Paulinho (Henry Kanu) e Arthur.
Técnico: Cláudio Tencati



Equipe mista do Santos repete placar sobre Londrina e avança de fase

Recheado de reservas, o Santos passou sufoco no primeiro tempo, quando contou com o travessão e com Cicinho, que salvou uma bola em cima da linha, para descer para o vestiário com o empate sem gols. Porém, com uma nova postura na segunda etapa, o Peixe chegou ao seu gol, com Elano, após cobrança de escanteio, e apenas administrou o restante da partida contra o Londrina para confirmar a vaga na segunda fase da Copa do Brasil, já que também venceu o primeiro duelo, no Paraná, por 1 a 0.

O resultado conquistado na noite desta quarta-feira, diante de um bom público no estádio Martins Pereira, em São José dos Campos, credenciou o Peixe a encarar o Maringá na sequência da competição nacional. O adversário, mais um paranaense, se classificou nesta quarta-feira com a derrota por 3 a 1 para o Madureira, no Rio de Janeiro. O gol fora de casa foi determinante para a classificação da equipe que, em casa, bateu os cariocas por 2 a 0.

Agora, o Santos pensa exclusivamente no clássico contra o São Paulo, marcado para às 18h30 (de Brasília) do próximo domingo, na Vila Belmiro. O confronto vale vaga na decisão do Campeonato Paulista.

A sequência do Londrina não é diferente. Depois de bater o Coritiba por 1 a 0, no último fim de semana, o Tubarão, atual campeão estadual, visita o Coxa neste domingo, no estádio Couto Pereira, de olho em uma vaga na final do Campeonato Paranaense.

O jogo

O jogo entre Santos e Londrina atraiu o público de São José dos Campos, no Vale do Paraíba, em São Paulo, que compareceu em bom número estádio Martins Pereira. Com o apoio das arquibancadas, o Peixe entrou em campo apenas com quatro titulares: Vladimir, Gustavo Henrique, Valencia e Lucas Lima.

No entanto, logo no primeiro lance após o apito inicial do árbitro, o jovem zagueiro do Peixe fez uma falta dura e, além de receber cartão amarelo, sentiu o músculo posterior da coxa e precisou ser substituído. Paulo Ricardo, mais um revelado pelas categorias de base do alvinegro praiano, foi chamado imediatamente.

Durante toda a primeira etapa, o Santos deteve mais a bola em seu domínio, mas não conseguia aprofundar e finalizar. Tão exigido em Londrina, o goleiro Vitor, do Tubarão, passou os primeiros 45 minutos sem praticar uma única defesa.

Marquinhos Gabriel se movimentou bastante, mas errou muitos passes e Gabriel não conseguia se desvencilhar da marcação. Elano chegou a aparecer com frequência nos primeiros minutos, pela ponta direita, mas, aos poucos, foi ‘sumindo’ do jogo.

Por outro lado, o Londrina desceu para os vestiários lamentando não ter aberto o placar. Vladimir salvou o Santos duas vezes, primeiro em chute de fora da área de Germano e depois em bela jogada bela direita do atacante Arthur.

Após os 40 minutos, a pressão do time paranaense aumentou e só não se concretizou em gol porque Cicinho salvou o Peixe. Após confusão na área em cobrança de escanteio, o zagueiro Dirceu bateu firme e o lateral afastou, em cima da linha, com a cabeça.

No lance seguinte, outro escanteio e desta vez o travessão livrou o time da Vila Belmiro de levar o primeiro gol.

Na segunda etapa, Marcelo Fernandes não alterou a escalação, mas mexeu na postura da equipe. O Peixe partiu para cima e foi premiado com um gol logo aos quatro minutos. Lucas Lima cobrou aberto, pela esquerda, e Elano, completamente sozinho, nem precisou saltar para cabecear no ângulo e abrir o placar.

Mesmo depois de abrir vantagem, o Santos seguiu no ataque e chegou em boas condições de marcar, com Marquinhos Gabriel e Paulo Ricardo, em duas chances claras em menos de dois minutos.

O Londrina passou a jogar mais exposto, tentando apostar nos contra-ataques, mas dando muito espaço ao time santista. Bom para o torcedor, que passou a acompanhar um jogo mais aberto e empolgante.

O Londrina ainda chegou a assustar em bolas paradas, mas Vladimir pouco trabalhou na etapa complementar. O Santos passou a apenas administrar sua vantagem e diminuiu o ritmo, já que teria de levar três gols para ser eliminado.

Desta forma, o duelo em São José dos Campos terminou mais uma vez com a vitória magra do Peixe, assim como no primeiro confronto entre as duas equipes, garantindo a vaga aos paulistas na Copa do Brasil.­­

Elano pensa em aposentadoria e planeja trabalhar à beira do campo

Com a faixa de capitão no braço, aos 34 anos, Elano entrou em campo nesta quarta-feira e acabou sendo decisivo ao marcar o gol da vitória santista em cima do Londrina, por 1 a 0, na partida que confirmou o Alvinegro praiano na segunda fase da Copa do Brasil. Além da classificação, o duelo em São José dos Campos fez com que o clube alcançasse a vitória de número 3000 em sua história.

“Três mil vitórias, e na sua história eu pude fazer um gol. Para mim, atravessando a rua, eu já estou feliz por tudo que o Santos proporcionou para a minha carreira”, disse o experiente meia, ídolo da torcida santista.

Com contrato válido até 4 de maio, data do término do Campeonato Paulista, e com um salário de ‘apenas’ R$ 50 mil, o atleta está negociando sua renovação contratual com o Santos, mas seus planos já não ficam restritos ao que pode render em campo. Elano sabe que o fim de sua carreira está se aproximando e isso também está sendo tratado com Dagoberto Santos, CEO da diretoria do Peixe.

“Nós tivemos uma conversa com o Dagoberto, temos alguns projetos, não sei se será possível, sei que minha carreira está chegando ao fim. Devo jogar mais um ou dois anos, mas espero seguir no Santos, gostaria de continuar trabalhando no clube”, revelou.

Elano já conquistou dois Brasileiros, dois Paulistas e uma Libertadores da América com a camisa do Santos. Foram duas passagens, de 2001 a 2005 e de 2011 a 2012, antes de retornar nesta temporada. Marcado principalmente pela geração que tirou o clube de um incômodo jejum de título, em 2002, o jogador planeja, após sua aposentadoria, seguir atuando como membro da comissão técnica do Santos.

“Eu tenho vontade de trabalhar na parte de campo, me identifico na parte de campo, acho que poderia acrescentar ali. A parte de dirigente acho que não daria”, explicou.

Por enquanto, a ideia é apenas embrionária. Mais conversas devem acontecer até o próximo mês e, apesar de ter propostas de fora, segundo Dagoberto Santos, Elano não parece ter pressa para resolver sua situação.

“(Vou resolver) Sentando, conversando com minha família e passando para o presidente algumas ideias, vamos ver. Minha maior alegria de falar com essa diretoria é que são grandes amigos também”, finalizou o jogador.

Londrina 0 x 1 Santos

Data: 17/03/2015, terça-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – 1ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio do Café, em Londrina, PR.
Público: 10.917 pagantes (11.755 presentes)
Renda: R$ 396.370,00
Árbitro: Paulo Henrique de Melo Salmazio (MS)
Auxiliares: Leandro dos Santos Ruberdo e Sérgio Alexandre da Silva (ambos de MS).
Cartões amarelos: Paulinho, Germano e Dirceu (L); Lucas Lima, Cicinho e Valencia (S).
Gol: Robinho (07-2, de pênalti).

LONDRINA
Vitor; Lucas Ramon, Dirceu, Silvio e Lino; Diogo Roque, Germano, Léo Maringá (Rone Dias) e Celsinho (Koffi); Arthur e Paulinho (Wéverton).
Técnico: Claudio Tencati

SANTOS
Vanderlei; Cicinho, David Braz, Werley e Vitor Ferraz; Valencia, Renato e Lucas Lima; Geuvânio, Robinho (Gabriel) e Ricardo Oliveira (Thiago Ribeiro).
Técnico: Marcelo Fernandes



Peixe vence com pênalti polêmico, mas goleiro garante jogo de volta

O Santos poupou seus principais titulares no fim de semana e mandou força máxima para enfrentar o Londrina na estreia da equipe na Copa do Brasil. Porém, mesmo assim não evitou o jogo de volta para definir a vaga na 2ª fase da competição. O único gol do jogo na noite desta terça-feira, no estádio do Café, foi marcado por Robinho, em cobrança de pênalti. Aliás, o lance gerou muita reclamação por parte de jogadores e torcedores do Tubarão, já que árbitro viu mão na bola em jogada que Germano afastou o perigo com o ombro.

Mesmo assim, o nome do jogo foi Vitor. O goleiro do Londrina realizou pelo menos quatro grandes defesas e, assim, garantiu o segundo jogo entre as equipes dia 16 de abril, uma quinta-feira, às 21h30, na Vila Belmiro.

O Peixe jogará pelo empate e apenas o placar de 1 a 0 para o time paraense levará a decisão para os pênaltis.

O jogo

Com o apoio da torcida, o Londrina partiu para cima do Santos logo após o apito inicial. Sem tanta efetividade, o Tubarão jogava no campo de ataque, tinha mais a bola em seus pés e buscava uma brecha na zaga santista, que se postava muito bem. Aos 7 minutos, o time da casa chegou a balançar as redes, mas a festa da torcida foi frustrada pelo impedimento corretamente marcado pelo auxiliar, após cobrança de falta na área.

Aos poucos o Santos foi se soltando e aproveitando a grande extensão do campo no Estádio do Café. A primeira finalização veio só aos 13 minutos, em cobrança de falta de Ricardo Oliveira, facilmente defendida por Vitor.

Cinco minutos depois, porém, o camisa 1 do time paranaense salvou sua equipe. O camisa 9 do Peixe recebeu de Robinho e, de fora da área, soltou um petardo, no ângulo. Vitor tocou na bola antes que dela explodir no travessão.

O jogo ficou mais equilibrado e aberto, com possibilidades para os dois times, após a primeira metade da etapa inicial. Robinho teve uma boa chance ao receber uma bola de presente da zaga do Londrina, mas bateu colocado, para fora.

Aos, 30, Vanderlei evitou o gol dos mandantes em bela cobrança de falta do experiente Celsinho, mas as 36, Vitor chamou a atenção para si novamente.

Ricardo Oliveira saiu da área, atraiu a marcação e deu uma linda assistência para Vitor Ferraz. O lateral, que mais uma vez atuou improvisado na esquerda, ainda teve tempo e limpar a marcação antes de bater, praticamente da marca do pênalti, mas o arqueiro Vitor mostrou que estava inspirado e realizou uma defesa espetacular.

O Santos ainda criou uma boa oportunidade com Lulas Lima antes do apito do árbitro, mas os times desceram para o vestiário sem mexer no placar.

A segunda etapa começou e logo aos cinco minutos um lance polêmico. Após jogada de Lucas Lima pela direita, Ricardo Oliveira finalizou e Germano, ex-jogador do Santos, abriu o braço, mas tirou a bola para escanteio com o ombro. Porém, o árbitro entendeu que o volante tocou a bola com o braço e deu pênalti, além do cartão amarelo para Germano.

Depois de muita reclamação, Robinho bateu com força e superou Vitor, que acertou o canto, mas não evitou a abertura do placar.

Aos 11 minutos, o Londrina tentou responder e foi a vez de Celsinho pedir pênalti após ser derrubado na área. O juiz mandou seguir e percebeu que estava dali para frente carregaria a pressão por ter assinalado a penalidade máxima contra o time da casa.

O Londrina se abateu e, diferente do primeiro tempo, não conseguia agredir a zaga santista. E o prejuízo só não era pior porque Vitor seguia provando que estava em grande noite.

Aos 22, Robinho arriscou de fora da área e o goleiro voou para espalmar. No rebote, com o camisa 1 ainda se recuperando, Ricardo Oliveira cabeceou, de primeira, e Vitor mais uma vez salvou o Tubarão, desta vez com os pés.

Quinto colocado no Campeonato Paranaense e sem vencer há três jogos, o Londrina percebeu que dificilmente superaria o Peixe na técnica e passou a tentar se defender de todas as maneiras para levar a definição da vaga para o segundo jogo. A esta altura, Vanderlei era apenas um espectador no jogo.

E depois de ser beneficiado pelo erra da arbitragem, aos 30 do segundo tempo foi a vez do Santos reclamar. Lucas Lima foi tocado por trás depois de fazer fila, caiu dentro da área, mas o juiz mandou seguir a jogada e nada marcou.

O Peixe encontrava muito espaço e sobrava em campo. Cicinho e Robinho não só não definiram a classificação por causa da pontaria torta.

Não faltavam oportunidades. Aos 37, o Londrina saiu jogando errado três vezes seguidas na entrada de sua área, mas os paulistas, até com uma certa displicência, não aproveitavam. Robinho, apesar do gol de pênalti, perdeu uma grande oportunidade ao finalizar de pé esquerdo.

Bastidores – Santos TV:

Robinho vence sal grosso e comemora; Germano reclama de pênalti

Antes de Santos e Londrina entrarem em campo, a torcida do Tubarão já fazia pressão no Estádio do Café. Uma torcedora chegou a afirmar que Robinho não faria gol por causa de seu sal grosso. Porém, a partida terminou com o placar de 1 a 0 favorável ao Peixe, e justamente com o gol assinalado pelo camisa 7. Depois da partida, Robinho brincou com a situação.

“Eu sou cristão, o meu Deus é muito maior do que sal grosso. Quem está com Deus não precisa disso. Sal grosso é bom no churrasco”, disse, aos risos, em entrevista ao Sportv. “Ganhamos, era o que queríamos, poderíamos ter matado o jogo, mas estamos satisfeitos. O sal grosso manda ela (a torcedora) me dar para eu colocar na minha picanha”, completou, sempre em tom sarcástico.

O lance que definiu o placar do jogo gerou muita reclamação dos jogadores do Londrina. Germano chegou a abrir o braço, mas afastou o perigo da área de seu time com o ombro. No entanto, o árbitro apontou a marca da cal.

“É interpretação. O jogador abriu o braço, o juiz que tem que saber se foi ou não. Bati bem e fiz o gol. Poderíamos caprichar mais na finalização, mas o time está de parabéns com a vitória”, finalizou o capitão santista.

Por outro lado, Germano, que atuou com o próprio Robinho em 2010, no time de Vila Belmiro, deixou o campo revoltado.

“Não foi pênalti, a bola pegou no meu ombro, o que nos deixa mais tristes. Não é questionar a qualidade do Santos, mas fizemos um jogo de igual para igual e, de repente, o juiz vem e acaba atrapalhando todo o trabalho, prejudica a nossa equipe, as metas, os propósitos”, disse.

“Poderíamos ter tomado gol e sermos eliminados. Acho que fizemos um bom trabalho”, analisou, ainda de sangue quente.

Para Renato, goleiro rival e falta de pontaria adiaram classificação

O Santos bateu o Londrina por 1 a 0 e abriu vantagem na briga por uma vaga na segunda fase da Copa do Brasil. Mesmo assim, alguns jogadores lamentaram o fato de não terem eliminado a segunda partida, que será disputada dia 16 de abril, uma quinta-feira, na Vila Belmiro.

“Dava (para classificar). Tivemos oportunidades, mas o goleiro deles foi o melhor em campo. A equipe correu, lutou, buscou o segundo gol. Infelizmente, não conseguimos”, comentou Renato. “O Santos está criando, faltou um pouco de sorte para fazer o gol”, completou.

Vitor, o goleiro do Londrina, foi o grande nome do jogo. No primeiro tempo, o camisa 1 fez duas espetaculares defesas em finalizações de Ricardo Oliveira e Vitor Ferraz. Já na segunda etapa, o camisa 9 santista e Robinho voltaram a parar no arqueiro.

“Hoje o Londrina não foi eliminado pelo goleiro”, enfatizou Renato. “Ele fez grandes defesas. Não temos que lamentar, não”, completou o camisa 8.

“Na volta, temos que jogar 90 minutos como jogamos aqui, com atenção ao contra-ataque deles e não vacilar. Serão 90 minutos para decidir em casa”, avisou o experiente volante.

Vitor Ferraz, lateral que talvez tenha tido a chance mais clara de gol no jogo, também evitou lamentar a vitória pelo placar mínimo. “Eu já estive aqui, sei das dificuldades, o campo é grande, pesado. Dominamos o jogo e saímos satisfeitos”, disse.

Agora, o time de Marcelo Fernandes, técnico que chegou ao quatro jogo seguido com vitória à frente do Peixe, se concentra para enfrentar o Audax, às 16 horas (de Brasília) deste sábado, no Pacaembu, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista.

Classificado no Paulista

Com a derrota do Penapolense por 2 a 0 para o Botafogo, na noite desta terça-feira, em Ribeirão Preto, o Santos já garantiu sua classificação antecipada nas quartas de final da competição regional. O alvinegro, além de liderar o grupo D, também está na ponta da classificação geral, com 26 pontos. Ainda faltam cinco rodadas para o fim da primeira fase do Paulistão.

Santos 2 x 0 Londrina-PR

Data: 14/08/2014, quinta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.498 pagantes
Renda: R$ 136.670,00
Árbitro: Wagner dos Santos Rosa (RJ)
Auxiliares: Wendel de Paiva Gouveia e Michael Correia (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Thiago Ribeiro, Lucas Lima e Rildo (S); Paulinho, Bidia, Diogo Roque e Dirceu (L).
Gols: Robinho (07-2) e Rildo (43-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Jubal (Edu Dracena), David Braz e Mena; Alison, Arouca (Alan Santos) e Lucas Lima; Thiago Ribeiro, Robinho e Leandro Damião (Rildo).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

LONDRINA
Vitor; Lucas Ramon, Dirceu, Silvio e Allan Vieira; Diogo Roque, Bidia (Madison), Léo Maringá e Celsinho (Davi Ceará); Joel e Paulinho
Técnico: Cláudio Tencatti



Robinho marca, dá assistência e comanda Santos às oitavas da Copa do Brasil

Atacante é o principal responsável pela vitória sobre o Londrina na Vila Belmiro que classifica o time na competição

O Santos está nas oitavas de final da Copa do Brasil e deve isso a Robinho. Na partida desta quinta-feira na Vila Belmiro, o atacante fez de tudo contra o Londrina. Driblou, deu assistência e marcou seu primeiro gol uma semana após voltar ao clube. Rildo, nos minutos finais, decretou a vitória por 2 a 0.

A vitória classificou o time de Oswaldo de Oliveira às oitavas de final da Copa do Brasil, já que no primeiro duelo o time paranaense venceu por apenas 2 a 1. Além disso, quebrou a série de três derrotas seguidas, apesar de não ter feito uma partida boa e ter levado muitos sustos no jogo.

O jogo:

A fria noite santista parece ter tirado o ímpeto dos jogadores de Santos e Londrina. Durante todo o primeiro tempo, o jogo se conduziu lento, com muitos erros de passe e com pouca emoção. O técnico Oswaldo de Oliveira armou uma equipe ofensiva e fez do lateral Cicinho um ponta pela direita. E, logo aos 5 minutos, foi dele a grande chance do time da casa abrir o placar. Cicinho invadiu a área na diagonal, e já na marca da pequena área, resolveu cruzar para Leandro Damião ao invés de bater em gol. Sem intenção, o zagueiro do Londrina acabou interceptando a bola com o braço e o árbitro marcou apenas escanteio.

Apesar do domínio e uma posse de bola que beirava os 70%, o Santos tinha muita dificuldade de criar e finalizar. Os paranaenses jogavam recuado e pareciam sentir o peso de jogar em Vila Belmiro, pecando em passes simples e deixando o jogo feio.

Com a vantagem do empate, o Tubarão teve a sua grande chance na primeira etapa aos 24 minutos. Jubal tentou sair jogando, se complicou e perdeu o lance para Paulinho. O atacante invadiu a área de Aranha e, cara a cara, bateu para fora, desperdiçando a melhor oportunidade do jogo até então.

Robinho, que atuara pela segunda vez seguida desde seu retorno ao Peixe, começou o jogo se movimentando bem, procurando a bola e em duas situações deixou Cicinho em boas condições. Mas o time não acompanhava seu ritmo e, aos poucos, o camisa 7 foi sendo vencido pela forte marcação.

Após a conversa no vestiário, as equipes voltaram para o segundo tempo nitidamente mais ligadas e dispostas a buscar o gol. Aos 3 minutos, mais uma vez Paulinho, autor de duas assistências no primeiro jogo, teve a bola para deixar o Londrina em situação confortável na Vila Belmiro. Livre, o atacante bateu cruzado, da direita. Aranha voou, mas a bola raspou o poste e saiu pela linha de fundo.

E o líder do Brasileiro da Série D foi vítima o velho ditado. Não fez, tomou. E logo do craque. Após cobrança de lateral pela esquerda, Damião trabalhou como pivô e Robinho estufou as redes em belo chute cruzado, no alto, de dentro da área.

O Rei das Pedaladas comemorou muito seu primeiro gol exatamente uma semana após ser apresentado. O gol empolgou o alvinegro praiano e contagiou até o questionado camisa 9 santista. Damião arriscou um voleio e acabou acertando a trave aos 9 minutos.

Com o placar desfavorável, o Londrina passou a se soltar mais e conseguia chegar com perigo, principalmente nas costas de Mena e Cicinho. Mas o fraco nível técnico da equipe era o obstáculo maior. O Santos, apesar da vantagem, dava alguns sustos nos poucos torcedores presentes e ainda pecava feio no ataque.

Aos 22 minutos, em rápido contra-ataque puxado por Lucas Lima, Thiago Ribeiro protagonizou um lance bisonho, aos escorregar e tropeçar no próprio pé, embaixo da trave. No sequência, Cicinho cruzou e Robinho só não marcou o segundo porque o zagueiro paranaense afastou em cima da linha.

Os últimos minutos da partida foram de sufoco para o Peixe. A defesa alvinegra não se encontrava. Com Edu Dracena, que voltou após sete meses, na vaga do lesionado Jubal, a zaga santista teve muita dificuldade para segurar o Tubarão.

Primeiro Joel desperdiçou uma bola oportunidade ao chutar mal da ponta esquerda. Em seguida, de novo com o centroavante camaronês, o Londrina esteve muito perto do gol após bate e rebate dentro da pequena área do Santos, mas a zaga afastou com David Bráz. Apenas cinco minutos depois, Diogo Roque quase surpreendeu com uma bomba de fora da área. A bola desviou em Edu Dracena e quase foi para o fundo do gol.

Já aos 42, Aranha salvou o Santos após cortar um cruzamento perigoso e, no rebote, defender boa cabeçada de Silvio, no chão.

Thiago Ribeiro vai querer esquecer a noite desta quinta-feira. Após desperdiçar uma chance incrível, embaixo da trave, de forma bisonha, o camisa 11 fez pior no fim da partida. Após linda jogada de Robinho, a bola bateu na trave e sobrou para Thiago Ribeiro. Sem goleiro, o atacante isolou. Inacreditável.

Mas o “ufa” da torcida veio aos 43. Robinho novamente fez a jogada pela esquerda e só rolou para Rildo, que diferente de Thiago Ribeiro, só bateu para o gol, sem chances para o goleiro do Londrina.

A vitória, apesar de não convencer, foi importante para classificar o Santos às oitavas de final da Copa do Brasil e quebrar a série de três derrotas seguidas.

Bastidores – Santos TV:

Thiago Ribeiro tenta explicar lances inacreditáveis no ataque

Atacante do Santos desperdiçou dois gols incríveis dentro da área na vitória do time paulista sobre o Londrina nesta quinta

A classificação do Santos nesta quinta-feira foi sofrida. A vitória por 2 a 0 em cima do Londrina na Vila Belmiro foi conquistada apenas no segundo tempo, após muitos sustos. No entanto, a vaga para as oitavas de final da Copa do Brasil poderia ter vindo com muito mais facilidade, não fosse Thiago Ribeiro.

O camisa 11 desperdiçou duas chances incríveis de gol. Primeiro, após cruzamento rasteiro de Lucas Lima, que Thiago acabou não aproveitando devido a ume escorregão, e depois em rebote da trave, sem goleiro, quase embaixo do gol. Após a partida, o atacante tentou explicar o que aconteceu.

“No primeiro, eu escorreguei, eu não consegui nem chutar a bola. Mas o segundo não, eu perdi realmente o gol, a boal acabou pegando no bico do pé e isso não pode acontecer porque é fase eliminatória e pode fazer falta”, disse o atleta, que parecia não acreditar nos gols que perdeu. “Estava tão fácil o lance, só parei o pé. Infelizmente a bola acabou deslizando na chuteira e subiu, o que eu não queria. Poderia fazer falta hoje (quinta)”, finalizou.


Londrina-PR 2 x 1 Santos

Data: 31/07/2014, quinta-feira, 21h00.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio do Café, em Londrina, PR.
Público: 14.334 pagantes (15.331 total)
Renda: R$ 435.560,00
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Auxiliares: Celso Luiz da Silva e Luiz Antonio Barbosa (ambos de MG).
Cartões amarelos: Vítor, Diogo Roque, Celsinho, Paulinho e Joel (L); Emerson Palmieri, Alan Santos e Renato (S).
Gols: Joel (23-1); Geuvânio (40-2) e Joel (44-2).

LONDRINA
Vítor; Lucas Ramon, Silvio, Dirceu e Alan Vieira (Diego Prates); Bidia (Leonardo), Diogo Roque, Léo Maringá e Celsinho (Rone Dias); Paulinho e Joel.
Técnico: Cláudio Tencati

SANTOS
Vladimir; Zeca, Paulo Ricardo, Vinicius Simon (Nailson) e Emerson Palmieri; Alan Santos, Renato e Souza; Jorge Eduardo (Geuvânio), Stéfano Yuri (Giva) e Diego Cardoso.
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Fora de casa, Santos sofre gol no fim e acaba derrotado pelo Londrina

Com reservas, time paulista perdeu por 2 a 1 pela Copa do Brasil. Camaronês Joel marcou duas vezes para o time da casa

Os reservas do Santos sofreram no duelo contra o Londrina, na noite desta quinta-feira, pela terceira fase da Copa do Brasil. Com nove jogadores que vieram da base (doze jogaram), o Peixe sentiu o nervosismo e acabou derrotado pelos mandantes por 2 a 1, no Estádio do Café.

Paulinho, que atormentou a inexperiente zaga santista, e o camaronês Joel, com dois gols, foram os destaques do jogo. Geuvânio, que entrou na segunda etapa, empatou a partida já no fim, mas foi frustrado pelo segundo gols do Tubarão já aos 44 do segundo tempo.

As duas equipes voltam a se enfrentar no dia 14 de agosto, uma quinta-feira, as 21 horas, na Vila Belmiro, em Santos. O alvinegro praiano avança com uma simples vitória por 1 a 0 devido ao gol fora de casa, enquanto o Londrina se classifica com um empate.

O jogo:

Com o desgaste de um calendário apertado pelo excesso de jogos e viagens, Oswaldo de Oliveira optou por escalar um time inteiro de reservas para a partida fora de casa. E o que era motivo de orgulho para os santistas, já que nove jogadores em campo passaram pelas categorias de base do Peixe, se transformou em desespero após o apito inicial.

O Londrina, dono da casa e ciente da necessidade de construir uma vantagem para o duelo da volta, partiu para cima do alvinegro praiano desde o primeiro minuto. Logo aos 5 minutos de jogo, o atacante Paulinho recebeu em velocidade e só não abriu o placar porque o goleiro Vladimir executou duas belas defesas.

O camisa 11 do Tubarão mostrou desde o começo que infernizaria a jovem defesa santista formada por Paulo Ricardo e Vinicius Simon, que não conseguiam disfarçar o nervosismo e erravam bastante, principalmente no posicionamento. E não demorou para sair o gol do Londrina. Aos 23, sempre ele, Paulinho recebeu pela direita, driblou Simon e cruzou na cabeça do centroavante camaronês Joel, que não perdoou e balançou a rede.

O zagueiro santista, para piorar, sentiu o músculo posterior da coxa no lance e teve que ser substituído por Nailson.

Campeão paranaense, o Londrina claramente dominava o jogo e mostrava na prática todo o trabalho de seu técnico Cláudio Tencatti, que completara 100 jogos no comando da equipe contra o Santos.

O Peixe não se encontrava em campo. Claramente sofrendo com o desentrosamento e com a falta de experiência, o time de Oswaldo de Oliveira ficava pouco com a bola e quase não chegava a área do adversário. Souza, responsável pela armação das jogas, era pouco acionado e Zé Carlos, na lateral direita, servia sempre como válvula de escape.

E só aos 41 apareceu o que seria a única chance de gol do Peixe no primeiro tempo. Zé Carlos cruzou na cabeça de Renato, que ajeitou de cabeça e deixou Souza livre para marcar. O meia ainda fintou um adversário, mas pegou mal na bola e bateu para fora.

Quando o Santos parecia torcer pelo término da etapa inicial para tentar acertar o time no vestiário, o Londrina de doava ao máximo e ainda criou mais duas oportunidades antes do apito do árbitro.

Primeiro com Paulinho, que recebeu longo lançamento de Celsinho e só não marcou porque Paulo Ricardo travou o chute. Depois com o próprio Celsinho, mas a zaga alvinegra conseguiu afastar o perigo e evitar o segundo gol. A curiosidade é que Paulinho, pesadelo santista no primeiro tempo, só foi escalado porque Bruno Batata não podia jogar, já que defendeu o J.Malucelli nesta edição da Copa do Brasil.

A segunda etapa começou sem alterações, mas o papo no vestiário parece ter mudado a disposição dos jogadores. O Peixe, mais tranquilo, passou a valorizar mais a posse de bola em busca do gol de empate. Enquanto isso, o Londrina , mesmo demonstrando a mesma vontade, já não agredia como antes e buscava explorar os contra-ataques usando a velocidade de Paulinho.

Com tudo, o gramado em péssimo estado não colaborava e a partida ficou truncada, com um perde e ganha desgastante no meio de campo, sem finalizações a gol.

Com o passar do tempo, o marasmo tomou conta dos jogadores em campo e os técnicos perceberam que precisam mexer para alterar o panorama do jogo. Primeiro Cláudio Tencatti colocou Rone Dias no Londrina porque o meia Celsinho sentiu o cansaço. Já Oswaldo de Oliveira, precisando marcar gol, colocou de uma vez Geuvânio e Giva nas respectivas vagas de Jorge Eduardo e Stéfano Yuri. Em seguida, o volante Diego Prates teve que entrar na lateral esquerda do Tubarão para substituir o machucado Alan Vieira.

Mesmo assim, nada mudou. A partida seguiu ruim, com as duas equipes de certa forma acomodadas com o resultado. Os jogadores se esforçavam, mas erravam demais e não conseguiam concluir nenhuma jogada.

Mas como futebol nunca foi um esporte justo, o Peixe, na única finalização a gol no jogo inteiro, marcou o gol de empate aos 14 minutos do segundo tempo. Renato acertou lindo lançamento para Geuvânio, que em posição legal, tocou com categoria por cima do goleiro Vitor e voltou a marcar após mais de dois meses de jejum.

Mas a alegria dos santistas durou pouco. Aos 45, o Londrina reassumiu a ponta no placar em gol muito parecido com o da primeira etapa. Paulinho, de novo pela direita, cruzou na cabeça de Joel, que marcou seu segundo gol na partida e levou a torcida do Tubarão à loucura no Estádio do Café.



Reservas do Santos encaram o Londrina, pela Copa do Brasil

Oswaldo de Oliveira quer descansar seus titulares e, nesta quinta-feira, mandará a campo um time todo de reservas

O Santos muda o foco temporariamente e se prepara para encarar o Londrina, no Estádio do Café, a partir das 21h desta quinta-feira, pela Copa do Brasil . O duelo é o primeiro entre as duas equipes e vale uma vaga nas oitavas de final da competição, famosa por ser o caminho mais curto para a Libertadores da América do ano seguinte.

Apesar do jogo acontecer no Paraná, o Santos vai mandar um time inteiro formado por reservas e com nove jogadores da base santista. A ideia de Oswaldo de Oliveira é fazer um bom resultado fora de casa, que mantenha o time na disputa, para decidir a classificação, em casa, na Vila Belmiro, dia 14 de agosto, também às 21h.

“É um trabalho de preparação de jogadores para que haja um revezamento, não me incomoda, gosto de fazer isso, não vejo dificuldade de trabalhar isso na cabeça dos jogadores. Eles são diferentes entre si, alguns conseguem trabalhar isso, outros não. Procuro conscientizar que somos um grupo e que uma hora vão para a reserva”, comentou o técnico do time paulista, que vai deixar os titulares descansando para o duelo de domingo, contra o Inter, pelo Campeonato Brasileiro.

O Londrina, apesar de não ter a mesma tradição e tamanho do Santos, está vivendo uma temporada proveitosa.

“É uma equipe que tirou o Criciúma da Copa do Brasil, e é campeão paranaense. Tem um meia armador, o Celsinho, muito bom, inteligente, técnico, dois laterais que apoiam bem e chegam com frequência ao ataque”, comentou Oswaldo, preocupado com o estado do gramado do Estádio do Café para a partida. “Só lamento o estado do gramado. Jogamos lá contra o Figueirense, não era bom, e agora parece que está pior, parece que deu um fungo na grama. É uma pena jogarmos em um campo deste”.

Pelo lado do Londrina, que vem de estreia na Série D, o time ainda não está definido. Na lateral direita, Lucas Ramón e Maicon brigam pela vaga. Maicon, recuperado de contusão e titular em boa parte do Campeonato Paranaense, pode voltar à equipe.

A outra dúvida é sobre quem será o substituto de Bruno Batata no ataque. Sem poder contar com o jogador, que já atuou na Copa do Brasil pelo J.Malucelli, o treinador estuda duas possibilidades. Uma é a entrada do atacante Paulinho para jogar ao lado de Joel na frente. Outra é a entrada de Rone Dias no meio, adiantando Celsinho ao setor ofensivo.

Vale lembrar que nesta fase não há mais a possibilidade de eliminar o jogo de volta, mesmo com uma vitória por dois gols de diferença do visitante.



Santos Futebol Clube x Londrina Esporte Clube


Retrospecto:

14 jogos
09 vitórias
03 empates
02 derrotas
33 gols pró
11 gols contra
22 saldo

Resultados:

25/03/1946 – Santos 7 x 1 Londrina – Amistoso – Londrina
07/09/1951 – Santos 6 x 1 Londrina – Amistoso – Londrina
19/05/1957 – Santos 7 x 1 Londrina – Amistoso – Vitorino Gonçalves Dias
22/06/1958 – Santos 2 x 1 Londrina – Amistoso – Vitorino Gonçalves Dias
20/09/1961 – Santos 2 x 1 Londrina – Amistoso – Vitorino Gonçalves Dias
11/02/1978 – Santos 1 x 2 Londrina – Brasileiro/77 – Pacaembu
13/07/1978 – Santos 0 x 0 Londrina – Brasileiro – Vila Belmiro
28/03/1982 – Santos 0 x 0 Londrina – Brasileiro – Estádio do Café
31/03/1982 – Santos 1 x 0 Londrina – Brasileiro – Vila Belmiro
13/01/2001 – Santos 2 x 2 Londrina – Amistoso – Antonio Barbosa Fonseca
31/07/2014 – Santos 1 x 2 Londrina – Copa do Brasil – Estádio do Café
14/08/2014 – Santos 2 x 0 Londrina – Copa do Brasil – Vila Belmiro
17/03/2015 – Santos 1 x 0 Londrina – Copa do Brasil – Estádio do Café
15/04/2015 – Santos 1 x 0 Londrina – Copa do Brasil – Martins Pereira