Navegando Posts marcados como Atlético-MG

Atlético-MG 2 x 0 Santos

Data: 26/01/2021, terça-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro 2020 – 33ª rodada
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (ambos do PR).
VAR: Pablo Ramon Gonçalves Pinheiro (RN).
Cartões amarelos: Jair (A) e Arthur Gomes (S).
Gols: Savarino (02-1) e Savarino (18-1).

ATLÉTICO-MG
Everson; Guga, Réver, Junior Alonso e Guilherme Arana (Igor Rabello); Jair, Hyoran (Allan) e Nathan (Vargas); Savarino, Keno (Savinho) e Eduardo Sasha (Calebe).
Técnico: Jorge Sampaoli

SANTOS
John; Madson, Laércio, Luiz Felipe e Wagner Leonardo (Wellington Tim); Vinicius Balieiro, Guilherme Nunes e Jean Mota (Lucas Lourenço): Tailson (Bruno Marques), Arthur Gomes (Ivonei) e Marcos Leonardo (Renyer).
Técnico: Cuca



Savarino decide, e Atlético-MG vence reservas do Santos no Mineirão

O Atlético-MG venceu o time reserva do Santos por 2 a 0 na noite desta terça-feira, no Mineirão, em duelo adiado da 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O grande destaque da partida foi Savarino: o venezuelano fez dois gols em 18 minutos no primeiro tempo. O capitão Luiz Felipe falhou em ambos os lances.

Com a vitória, o Galo assume a terceira colocação, com 57 pontos e fica a cinco do líder Internacional. O Peixe estacionou nos 45 e é o 10º na tabela do Brasileirão.

O jogo

O Atlético-MG precisou de dois minutos para abrir o placar. Savarino apareceu sozinho após erro de Luiz Felipe e deslocou John. 1 a 0 contra os reservas do Santos.

O Galo continuou em cima e chegou com extrema facilidade. No minuto 18, Savarino recebeu de Keno em nova falha de Luiz Felipe e fuzilou John. 2 a 0 sem fazer esforço.

Com o 2 a 0 no placar, o Atlético diminuiu o ritmo e o Santos passou a equilibrar a partida. Nos minutos finais, inclusive, o Peixe ficou bem perto do gol. Marcos Leonardo parou em Everson e na trave.

A etapa final continuou equilibrada. O Atlético-MG ficava com a bola, mas pouco agredia o Santos. E a primeira chance foi do Peixe, aos 15 minutos, quando Everson defendeu bom chute do Arthur Gomes.

Daí para frente, quase nada aconteceu. O Santos passou a defender melhor e não criou oportunidades claras. Apenas Bruno Marques assustou em cabeceio aos 38. O Atlético administrou a vitória com tranquilidade.

Cuca analisa derrota dos reservas do Santos para o Atlético-MG: “Não posso cobrar vitórias”

Cuca minimizou a derrota dos reservas do Santos por 2 a 0 para o Atlético-MG na noite desta terça-feira, no Mineirão, em duelo atrasado da 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico poupou os titulares visando a final da Libertadores da América contra o Palmeiras no sábado, no Maracanã, e priorizou a performance e não o resultado.

“Santos não vence há três jogos: Fortaleza em Fortaleza com esse time, hoje com esse time aqui. Não posso cobrar vitórias. Posso cobrar entrega, empenho, atitude e organização. E eles têm me dado. O que é feito por nós é o mais certo possível, pensando no sábado e no futuro do Santos. Quanto vale ter 21 aqui e 17 da base? Terminar o jogo com quase todos da base contra candidatos ao título como Galo, Flamengo e São Paulo? Amadurecem muito e não há influência no jogo de sábado”, disse Cuca.

“Segundo tempo foi mais equilibrado que o primeiro. John não fez uma defesa e nós até tivemos algumas chances”.

A delegação sai de Belo Horizonte no mesmo horário dos titulares em Santos. A chegada no Rio de Janeiro está prevista para 12h desta quarta.

Cuca minimiza sequência de derrotas e vê Santos “100% psicologicamente” para final

Cuca minimizou a sequência de três derrotas do Santos antes da final da Libertadores da América contra o Palmeiras no próximo sábado, às 17h (de Brasília), no Maracanã.

O Peixe perdeu para Fortaleza, Goiás e Atlético-MG. Contra Fortaleza e Atlético-MG, o Alvinegro teve os reservas em campo.

“100%. Um jogador para desempenhar precisa estar psicologicamente bem. E nós estamos bem. A julgar daí, estamos 100%. Vamos fazer tudo e mais um pouco para tentarmos sair campeões. Só o tempo até sábado, pelas 19h, talvez mais tarde, vai dizer que tudo que colocaremos em prático será suficiente para sermos campeões”, disse Cuca, após a derrota por 2 a 0 para o Galo nesta terça-feira.

Cuca elogia Wellington Tim, novidade no Santos: “Entrou muito bem”

Wellington Tim foi um dos pontos positivos na derrota do time reserva do Santos por 2 a 0 sobre o Atlético-MG na última terça-feira, no Mineirão, em jogo atrasado da 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O zagueiro/lateral-esquerdo entrou no intervalo, no lugar de Wagner Palha, e corrigiu a marcação pelo lado esquerdo da defesa.

“Ele entrou no lugar do Palha. Palha não fez um bom jogo. Me confidenciou que ainda sente alguma sequela da covid, por isso que não conseguiu desempenhar o que geralmente desempenha. Tem crédito, tem nossa confiança. Wellington entrou muito bem, fez marcação e saiu para apoio. É lateral também, assim como zagueiro. Ajustou marcação no setor e segundo tempo foi mais equilibrado que o primeiro”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Tim é zagueiro, tem 19 anos, chegou em 2020 do Criciúma e pode atuar também como lateral-esquerdo. Com 1,94 m de altura, ele chamou a atenção na equipe sub-23 e foi inscrito na Libertadores da América. O contrato termina em 31 de dezembro de 2021.

Cuca cita ‘experiência maravilhosa’ para Marcos Leonardo no Santos: “Ele não é para já”

Cuca comentou sobre a evolução de Marcos Leonardo no Santos. O atacante de 17 anos foi mais uma vez titular da equipe reserva do Peixe na derrota por 2 a 0 para o Atlético-MG na última terça-feira, no Mineirão.

O Menino da Vila ficou perto de fazer dois gols no primeiro tempo, mas depois sentiu o cansaço.

“Tem 17 anos, afogou. Correr em campo enorme… Adversário saiu na frente, com jogadores tarimbados. Alonso e Réver. Tem sido maravilhoso ganhar experiência. Esse menino não é para já, mas tem evoluído muito. Já pensou daqui um ano ou um ano e meio? Pegando corpo em cima de jogos importantes? Foi muito bem, uma pena não ter feito gol. Everson pegou, depois voleio passou perto. É definidor, também tem velocidade. Vai aprendendo os caminhos, descobrindo a segunda bola e o tempo vai ensinar naturalmente”, disse Cuca.

Destaque nas categorias de base, Marcos Leonardo tem dois gols em 18 jogos pelo Santos. O contrato termina em outubro de 2022.

Renyer volta a jogar pelo Santos após quase um ano: “Me sinto muito bem”

O Santos perdeu por 2 a 0 para o Atlético-MG na última terça-feira, no Mineirão, mas Renyer teve motivo para comemorar. O atacante voltou a jogar após quase um ano.

O atacante entrou aos 12 minutos do segundo tempo e atuou por 40. A última partida havia sido a derrota para o Ituano em 22 de fevereiro de 2020.

“Depois de quase dez meses de angústia, ansiedade, dedicação e muito trabalho, enfim voltei a fazer o que mais amo! Não foi da maneira que esperávamos dentro de campo, mas me sinto muito bem em poder voltar a vestir essa camisa e representar o Santos em campo. Gratidão”, escreveu Renyer.

O Menino da Vila precisou reconstruir o ligamento cruzado do joelho direito em março. Ele tem 17 anos.

Madson lamenta início ruim do Santos em derrota para o Atlético-MG: “Jogo travado”

Madson lamentou o início ruim do Santos na derrota por 2 a 0 para o Atlético-MG na noite desta terça-feira, no Mineirão, em duelo adiado da 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe reserva sofreu dois gols de Savarino em 18 minutos e depois de equilibrou as ações, mas não conseguiu reagir.

“Todos nós sabemos a importância do jogo do sábado. Cuca tentou montar a melhor equipe. Jogo travado, os 20 primeiros minutos decidiram. Atlético-MG praticamente não criou chances depois, assim como a gente. Pecamos nos 20 primeiros minutos, mas agora já passou. Temos que nos concentrar na final de sábado e quem sabe buscar o título”, disse Madson, ao Premiere.


Santos 3 x 1 Atlético-MG

Data: 09/09/2020, quarta-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 9ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ).
VAR: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ)
Cartões amarelos: Felipe Jonatan (S); Allan e Keno (A).
Cartão vermelho: Rafael (A).
Gols: Arthur Gomes (21-1), Franco (34-1) e Marinho (38-1); Marinho (52-2).

SANTOS
João Paulo; Madson (Derick), Jobson, Alex Nascimento (Wagner Leonardo) e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Carlos Sánchez (Ivonei) e Arthur Gomes; Marinho, Soteldo e Lucas Braga.
Técnico: Cuca

ATLÉTICO-MG
Rafael; Mariano, Igor Rabello, Júnior Alonso e Arana; Jair (Marquinhos), Allan (Hyoran), Franco e Eduardo Sasha; Savarino (Keno) e Marrony (Victor).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos vence o Atlético-MG com um a mais no reencontro com Sampaoli

O Santos venceu o Atlético-MG por 3 a 1 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. A partida marcou o reencontro do Peixe com Jorge Sampaoli.

Os gols do Alvinegro foram marcados por Arthur Gomes e Marinho (2). O Galo fez o dele com Franco. A expulsão do goleiro Rafael, aos 15 minutos do primeiro tempo, facilitou as coisas para o Santos, que teve 11 desfalques e Jobson improvisado como zagueiro.

Com a segunda vitória consecutiva, o Santos pula para a sexta colocação, com 14 pontos, um a menos que o Atlético-MG, o quarto na tabela.

O jogo

O primeiro tempo foi muito movimentado na Vila Belmiro. E o Atlético-MG dominou as primeiras ações e teve diversas chances para abrir o placar.

Aos 3, João Paulo salvou em finalização de Eduardo Sasha. No rebote, Felipe Jonatan evitou o gol de Savarino. No minuto 5, Marrony teve duas chances de chutar e foi travado.

Quando o placar marcava sete jogados, o Santos respondeu. Soteldo fez jogada individual e cruzou para Marinho. O atacante chutou travado e a bola passou perto da trave.

Aos 12, a melhor oportunidade do Galo. Savarino e Eduardo Sasha, quase na pequena área, chutaram para grandes defesas de João Paulo.

No minuto 15, tudo mudou. Mariano recuou mal, Rafael saiu desesperado do gol e foi expulso por falta dura em Marinho. Sem o goleiro, Jorge Sampaoli precisou tirar Marrony e recompor a defesa com Victor.

Sem ritmo de jogo, o goleiro reserva falhou. Arthur Gomes rabiscou e chutou fraco no meio. O experiente atleticano aceitou por baixo das pernas. 1 a 0 para o Peixe aos 21.

No minuto 25, Eduardo Sasha apareceu de novo. Ele aproveitou erro de Jobson e finalizou, mas o próprio volante (improvisado como zagueiro) consertou na linha.

Aos 28, nova polêmica com a arbitragem. Arthur Gomes tenta driblar Júnior Alonso, que intercepta com o braço. O juiz teve o auxílio do VAR e mandou seguir.

Com 34 jogados, o Atlético empatou. Jobson errou passe infantil, Sasha armou o contra-ataque e serviu Franco. A bola desviou em Alex e matou João Paulo. 1 a 1.

Mesmo com um a mais, o Santos não conseguiu controlar a partida, mas foi efetivo. A resposta veio rápido, aos 38, quando Sánchez lançou Madson. O lateral-direito cruzou para Marinho aparecer como um centroavante e desempatar. 2 a 1.

Ainda deu tempo para Madson ter gol bem anulado por impedimento e Eduardo Sasha ficar perto de novo empate em finalização cruzada nos acréscimos.

A etapa final começou com muito menos intensidade (e chances claras de gol). O Santos melhorou a marcação e ofereceu menos espaços ao Atlético-MG.

A emoção só voltou ao jogo no minuto 26. Marinho recebeu sozinho, avançou e fez o gol. A arbitragem marcou o impedimento e confirmou a decisão depois de demora no VAR.

Uma discussão na área técnica fez Arzul, preparador de goleiros do Santos, e Pablo Fernández, preparador físico do Atlético-MG, serem expulsos. Jorge Sampaoli levou o cartão amarelo e está suspenso para a partida contra o Red Bull Bragantino.

Nos minutos finais, o Santos conseguiu administrar a partida e confirmou a vitória com gol de pênalti de Marinho, nos acréscimos após auxílio do VAR. O Peixe terminou o jogo com cinco da base: João Paulo, Derick, Wagner Leonardo, Ivonei e Arthur Gomes.

Bastidores – Santos TV:

Cuca valoriza vitória do Santos: “Jogar contra Sampaoli motiva a todos”

O Santos superou a lista de 11 desfalques para vencer o Atlético-MG de Jorge Sampaoli nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico Cuca valorizou a vitória santista e destacou Sampaoli, ex-Peixe.

“Eu acho que jogar contra o Sampaoli motiva a todos. É um grande treinador, cheio de ideias novas, tem sangue na veia. Ele e a comissão dele, o preparador tava bravo hoje (Pablo Fernández). Imagina, eu acalmei ele (risos). Mas eles sabem que têm time para brigar na parte de cima. E lógico que eles vendem muito caro a derrota. A gente tem que tentar saborear isso porque ganhamos de um grande time com uma grande comissão técnica”, disse Cuca.

“Garotos entraram bem, é gostoso. É sempre muito perigoso. Nós não sabemos o que é o menino no jogo, sabemos no treino. Mas o jogo é diferente. E eles se saíram bem. Para nós isso é precioso”, completou o treinador.

Jobson foi improvisado como zagueiro. João Paulo, Alex Nascimento, Wagner Leonardo, Derick, Ivonei e Arthur Gomes, todos da base, participaram da partida.

Cuca valoriza união no Santos: “Tinha tudo para todo mundo estar p da vida”

Cuca valorizou a união do elenco do Santos após a vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG na última quarta-feira, na Vila Belmiro, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro.

Com problemas financeiros, o Peixe possui débitos com os atletas. O Alvinegro fez uma proposta de acordo para o corte salarial durante a paralisação no futebol em função do novo coronavírus.

“Torcedor vê a luta dos meninos. Tinha tudo para todo mundo estar p da vida, salário atrasado, “não vou jogar’, aquilo… Ninguém fala nada. Estamos unidos, pessoal corre atrás para organizarmos. Diretoria, presidente. E vamos melhorar ainda mais daqui a pouquinho. O principal a gente tem: a união do grupo”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Everson e Eduardo Sasha, hoje no Atlético-MG, entraram na Justiça do Trabalho contra o Santos. As ações não vingaram e o Peixe negociou a dupla por cerca de R$ 15 milhões.

Fernando Uribe processou o Peixe por meio da CNRD e aguarda por uma resposta do órgão da CBF.

Jobson diz que bem venceu o mal no Santos e admite “saber nada da posição”

O meio-campista Jobson comemorou a vitória do Santos na noite da quarta-feira contra o Atlético-MG, por 3 a 1. Pelas redes sociais, ele agradeceu a Deus “por fazer o bem vencer o mal mais uma vez”.

O triunfo da rodada teve um sabor diferente para o jogador, que reencontrou Jorge Sampaoli, seu algoz em 2019. O argentino costumava dizer que o atleta tinha dificuldade de se encaixar no sistema tático: o meio-campista atuou em apenas quatro jogos, sendo titular apenas uma única vez.

“Mesmo errando e sem saber nada da posição”, afirmou o Jobson, que atuou improvisado como zagueiro pelo técnico Cuca. O camisa 8 foi o responsável pela perda de bola que resultou no gol do Galo. Seu desempenho foi mais seguro no segundo tempo.

Arthur Gomes minimiza xingamentos no Santos; Marinho defende

Contestado por boa parte da torcida do Santos, Arthur Gomes tem ganhado espaço no elenco sob o comando do técnico Cuca.

O atacante foi titular em duas partidas consecutivas – Ceará e Atlético-MG -, como meia. E agradou ao treinador. Diante do Galo, ele abriu o placar.

Arthur lembrou dos xingamentos da torcida diante das poucas oportunidades de atuar como titular e valorizou a formação no Peixe.

“É muito importante para mim. Claro que a vitória foi muito importante para a equipe também, mas, para mim, acho que foi muito importante, pela desconfiança que existia. Quando você não joga, é normal ser criticado e ser até xingado, mas sempre fui feliz aqui no Santos e meu maior desejo sempre foi fazer gol e jogar bem. Sempre que entro em campo quero dar minha vida, porque Santos me ajudou muito desde que cheguei aqui aos 11 anos de idade. Estou muito feliz hoje por ter feito o gol e ainda mais por sair com os 3 pontos”, disse Arthur, antes de lembrar do teste na armação com o mesmo Cuca em 2018.

“Em 2018, quando o Cuca veio, ele me colocou de meia contra o Corinthians, quando fui muito bem, e contra o Cruzeiro também. Então, do meio para frente, não tenho muita dificuldade para jogar e vou dar meu máximo para ajudar onde ele me colocar”, completou.

Marinho, grande destaque alvinegro na temporada, foi às redes sociais elogiar Arthur.

“Parabéns, meu irmão. Feliz pelo seu gol, pela sua dedicação. Você merece esse reconhecimento e apoio. De fora pode não vir, mas aqui você tem uma família”, escreveu o camisa 11.

Cuca valoriza meninada do Santos: “Para nós isso é precioso”

O técnico Cuca quebrou a cabeça para escalar o Santos que derrotou o Atlético-MG por 3 a 1, na noite desta quarta-feira. Com muitos desfalques, o time foi a campo com algumas improvisações e com várias crias da base.

“Estou muito feliz e orgulhoso desse time, dessa meninada. Acabar o jogo com os meninos é um sabor enorme que a gente tem”, disse o treinador, em entrevista coletiva.

Com os 11 desfalques, o Peixe relacionou 20 jogadores e só teve 19 à disposição – Pará, com desgaste muscular, não teve condição. Além dele, ficaram de fora: Lucas Veríssimo, Luan Peres e Alison (suspensos); Raniel e Kaio Jorge (covid-19); Vladimir, Luiz Felipe, Anderson Ceará, Renyer e Jean Mota (departamento médico).

O time terminou com cinco Meninos da Vila: O goleiro João Paulo; os zagueiros Wagner Leonardo (pela primeira vez sob o comando do Cuca) e Derick (estreia como profissional); o meio-campista Ivonei e o atacante Arthur Gomes.

“Entraram bem, é gostoso. É sempre muito perigoso. Nós não sabemos o que é o menino no jogo, sabemos no treino. Mas o jogo é diferente. E eles saíram-se bem. Para nós isso é precioso. Uma vitória contra um baita time, candidato ao título, com um baita treinador, mas a gente enfrentou, mesmo com todas as baixas que tivemos, e fizemos um grande jogo. Eu acho que foi justo o resultado”, completou o comandante.

Alex Nascimento comemora titularidade na zaga do Santos: “Um sonho sendo realizado”

O zagueiro Alex Nascimento recebeu a oportunidade de começar como a titular no time do Santos na vitória contra o Atlético-MG, na noite da quarta-feira.

Muito desfalcado no setor defensivo, a equipe do técnico Cuca foi para o confronto recheada de novidades e até com uma improvisação na zaga, com o meio-campista Jobson.

“Cada jogo, é um sonho sendo realizado. Tive a oportunidade de iniciar a partida em um jogo complicado, e graças a Deus fizemos uma bela apresentação e saímos com a vitória”, afirmou Alex, que foi titular pela primeira vez sob o comando de Cuca

“O grupo é unido, e estamos assimilando muito bem a filosofia e o estilo de jogo do professor Cuca. Estamos em uma crescente, e com certeza vamos brigar por todos os títulos que a gente estiver disputando”, acrescentou.

Wagner Leonardo estreia em 2020 no Santos e valoriza “leitura de jogo”

Wagner Leonardo estreou em 2020 pelo Santos e fez a sua segunda partida como jogador profissional. E foi logo contra o Atlético-MG de Jorge Sampaoli.

O zagueiro entrou no segundo tempo e manteve o bom desempenho de Alex Nascimento. Fez cortes precisos por cima e por baixo e não sentiu o ritmo alto do jogo.

Atento no banco de reservas, Palha, como é conhecido no elenco, valoriza a leitura de jogo antes de atuar por pouco mais de 30 minutos.

“Eu venho me preparando todos os dias para quando a oportunidade chegar poder ajudar a equipe da melhor maneira possível. É muito bom poder entrar em campo e sair com os 3 pontos”, disse Wagner Leonardo, à Gazeta Esportiva.

“Quando se está no banco, você precisa estar atento e fazer uma leitura do jogo, porque quando se entra no meio do partida não se pode errar. Tem que entrar ligado para ajudar a equipe”, completou.

Wagner ainda destacou a importância dos Meninos da Vila – o Peixe terminou essa partida com cinco em campo: João Paulo, Wagner Leonardo, Derick, Ivonei e Arthur Gomes.

“Com certeza. Essa é a história do Santos, os meninos da Vila fazem parte do Santos e é muito bom poder ter um treinador que acredita nos meninos”, concluiu.

Wagner Leonardo tem 21 anos e contrato com o Santos até agosto de 2024.

Derick se emociona com estreia no Santos e é chamado de “novo Domingos”

Aos 18 anos, Derick estreou como jogador profissional do Santos na última quarta-feira, na vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, na Vila Belmiro.

O zagueiro entrou nos minutos finais e deu conta do recado. A alegria foi grande na família de santistas.

“Estou feliz, desde pequeno foi o que sempre sonhei. Grande parte da minha família é santista. Meu pai, meu avô, meu tio, todo mundo. Não tenho palavras para descrever o que estou sentindo. É só gratidão”, disse Derick, à Santos TV.

“Foi emocionante, não esperava entrar na estreia. Estou feliz pelo resultado, pelo empenho”, completou.

Na resenha do canal do Peixe, Derick foi chamado de outro zagueiro da história recente…

“É o novo Domingos”, brincou Sandry.

Com 1,94 m de altura, Derick é o zagueiro mais alto do grupo principal. Ele é mais alto que Lucas Veríssimo (1,88), Luan Peres (1,90), Luiz Felipe (1,87), Alex Nascimento (1,89) e Wagner Leonardo (1,83).

Derick chegou ao Santos para em 2015, para o sub-13, e possui contrato 30 de setembro de 2021. O acordo tem opção de renovação por mais dois anos. O Peixe possui 100% dos direitos econômicos.

Marinho, do Santos, comemora gol em libras: “Estou aprendendo”

O atacante Marinho foi herói da vitória do Santos mais uma vez na noite desta quarta-feira, marcando duas vezes no 3 a 1 sobre o Atlético-MG. No primeiro tento, a comemoração do jogador chamou atenção.

O camisa 11 celebrou com “Eu te amo” em libras. Nas redes sociais, ele explicou que está aprendendo. “Quero poder proporcionar pra vocês também um momento ímpar do outro lado da TV”, afirmou.

Marinho foi às redes duas vezes para sacramentar a vitória do Peixe e agora divide a artilharia do Brasileirão com Thiago Galhardo, ambos com seis gols.

Diretoria do Santos se reúne com CBF para entender critérios do VAR e cobrar melhoras da arbitragem

A diretoria do Santos teve na manhã desta quinta-feira uma reunião com a Confederação Brasileira de futebol (CBF), na sede no Rio de Janeiro, para tratar sobre os recentes problemas do time com o VAR.

O objetivo do encontro foi de mostrar lances do Peixe no Campeonato Brasileiro, tentar entender os critérios usados pelos árbitros de vídeo e cobrar maior autoridade dos juizes de campo diante da tecnologia.

Compareceram à reunião o presidente José Carlos Peres, o membro do Comitê de Gestão Matheus Rodrigues e o analista de desempenho Bebeto Sauthier.

O VAR foi protagonista nos últimos jogos do Santos no Brasileirão, e o alvinegro se vê injustamente prejudicado em algumas ocasiões. Em especial, o jogo contra o Flamengo, no qual a equipe teve dois gols anulados após revisão. Contra o Atlético-MG, a tecnologia voltou a aparecer decisivamente, dessa vez a favor do Peixe, confirmando pênalti de Alonso em Marinho aos 52 minutos do segundo tempo.


Atlético-MG 2 x 0 Santos

Data: 20/10/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 21.771 pagantes
Renda: R$ 104.562,00
Arbitragem: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA) e Jean Marcio dos Santos (RN).
VAR: Heber Roberto Lopes (SC)
Cartões amarelos: Luan, Elias e Otero (A); Lucas Veríssimo, Soteldo, Derlis González e Luan Peres (S).
Gols: Luan (02-1) e Leonardo Silva (22-1).

ATLÉTICO-MG
Cleiton; Guga, Leonardo Silva, Igor Rabello e Fábio Santos; Réver (José Welison), Elias (Cazares), Otero e Nathan; Luan (Maicon) e Di Santo.
Técnico: Vagner Mancini

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique, Luan Peres e Jorge; Diego Pituca, Jean Mota e Carlos Sánchez (Evandro); Marinho (Eduardo Sasha), Soteldo (Tailson) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Atlético-MG tem início fulminante e vence o Santos com tranquilidade

O Atlético-MG venceu o Santos por 2 a 0 na tarde deste domingo, no Estádio Independência, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Galo foi letal nos primeiros minutos, abriu vantagem com Luan e Leonardo Silva e administrou o placar com facilidade no segundo tempo.

Com a derrota, o Peixe segue na terceira colocação, com 51 pontos, mas termina a rodada a três do Palmeiras e a 13 do Flamengo.

O jogo

O começo da partida foi perfeito para o Atlético-MG. Logo no segundo minuto, Réver fez lançamento longo, Jorge dormiu na marcação e Luan recebeu e bateu cruzado para abrir o placar. A arbitragem confirmou o gol depois de acionar o VAR.

O gol do Galo deixou o Santos ansioso – a posse de bola não foi convertida em lances perigosos e o segundo gol dos visitantes saiu aos 22, quando Leonardo Silva ganhou de Gustavo Henrique e Luan Peres e marcou de cabeça.

O Atlético recuou todas as linhas e passou a administrar a vantagem. Nervoso, o Santos mais discutiu que jogou e só assustou na bola parada – cabeceio de Lucas Veríssimo por cima e falta perigosa de Carlos Sánchez.

Jorge Sampaoli sacou Marinho para colocar Eduardo Sasha na etapa final. Dessa forma, o time voltou a ter um centroavante. Lucas Veríssimo improvisado na lateral direita, porém, foi mantido após o intervalo e a equipe seguiu sem criatividade.

A primeira grande chance dos 45 minutos finais foi do Atlético-MG. Luan cruzou e Elias, como elemento surpresa, cabeceou perto do travessão aos 14′.

O tempo passou e o Santos terminou sem criar uma chance clara, com jogada trabalhada. O Atlético-MG não teve sustos, ficou perto do terceiro até o fim e garantiu a vitória em casa.

Sampaoli vê “espetáculo lamentável” na derrota do Santos para o Atlético-MG

O técnico Jorge Sampaoli viu a derrota do Santos por 2 a 0 para o Atlético-MG como um “espetáculo lamentável” neste domingo, no Estádio Independência, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli se disse triste pelo resultado, mas principalmente pela qualidade da partida. O Peixe pouco criou e o Galo conseguiu cozinhar o jogo.

“Gol (de Luan, aos dois minutos) nos surpreendeu um pouco e jogo foi cortado pelo que quis o time mandante. Com 2 a 0 se jogou no ritmo do mandante. Não conseguimos jogar em espaço curto. Mais do que resultado que me deixa triste, me deixa triste a partida”, disse Sampaoli.

“Isso prejudica o futuro do futebol. Gente no chão o tempo todo. Se contar o tempo que se jogou hoje… É uma partida para esquecer rápido, a não ser de que um ganhou três pontos e outro não. Partida não me deixou nada. O trâmite de parar muito o jogo fez com que fosse mais fácil para quem quer se defender do que quem quer propor. Falei (para o árbitro) que foi responsável também pelo jogo durar pouco. Espetáculo, para o meu gosto, foi lamentável”, emendou o técnico.

Jean Mota joga a toalha pelo título após derrota do Santos: “Entramos desligados”

Jean Mota jogou a toalha pela chance de título após a derrota do Santos por 2 a 0 para o Atlético-MG neste domingo, no Estádio Independência, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe termina a rodada a três pontos do Palmeiras e a 13 do Flamengo. Os rivais enfrentaram Athletico-PR e Fluminense, respectivamente, também neste domingo.

Titular no Horto, o meia lamentou a falta de concentração no Peixe. O Galo fez dois gols em 22 minutos e venceu com tranquilidade.

“Acho que pela atuação de hoje não (briga mais pelo título). Entramos desligados, tomamos o gol no começo. Todos deveriam ter entrado mais ligado em campo. Agora já, foi tentamos. Tiveram as duas chances, mataram e jogaram pelo resultado, não criaram mais. Agora é retomar as vitórias, pensar no clássico. A gente tem sempre procurado jogar, mas tomamos o gol no começo, abala um pouco, mas não podemos ter isso. O segundo gol acabou complicando mais ainda”, disse Jean Mota, à Globo.


Santos 3 x 1 Atlético-MG

Data: 09/06/2019, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 8ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.794 pagantes
Renda: R$ 199.730,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA).
Assistentes: Eduardo Goncalves da Cruz (MS) e (PA).
VAR: Rafael Traci (SC)
Cartões amarelos: Jorge Sampaoli e Lucas Veríssimo (S); Fábio Santos e José Welison (A).
Gols: Eduardo Sasha (38-1), Jean Mota (49-1, de pênalti); Alerrandro (25-2) e Carlos Sánchez (36-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Aguilar, Lucas Veríssimo e Jorge; Diego Pituca, Jean Lucas e Jean Mota (Felipe Jonatan); Marinho (Carlos Sánchez), Soteldo e Eduardo Sasha (Uribe).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-MG
Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; José Welison (Nathan), Elias, Cazares e Luan; Chará (Geuvânio) e Ricardo Oliveira (Alerrandro).
Técnico: Rodrigo Santana



Após protesto, Santos bate Atlético e assume vice-liderança do Brasileiro

A torcida cobrou, e o time atendeu. Após protesto na Vila Belmiro e a exigência pelo título do Campeonato Brasileiro, o Santos tratou de dominar e vencer o Atlético-MG por 3 a 1, na noite deste domingo, em duelo válido pela oitava rodada da competição nacional. Eduardo Sasha, Jean Mota e Carlos Sánchez marcaram para o Peixe, enquanto Alerrandro descontou para o Galo.

Com a vitória, além de dar o troco ao Atlético pela eliminação na Copa do Brasil, o Santos assume a vice-liderança do Brasileirão, com 17 pontos, dois a menos que o Palmeiras – que ainda tem o triunfo sobre o Botafogo em julgamento. O clube mineiro, por sua vez, cai para o terceiro lugar, com 15 pontos.

O jogo

O primeiro tempo foi de um time só. Empurrado e cobrado por sua torcida, o Santos começou ligado desde o primeiro minuto, quando Jorge cruzou na área para Jean Lucas bater forte e exigir boa defesa de Victor. No rebote, Soteldo mandou para fora.

O time de Sampaoli não deixava o rival jogar. Após boa triangulação entre Marinho, Sasha e Victor Ferraz, o mais novo reforço soltou a bomba de longe e acertou o poste de Victor. Aos 17, Jean Mota bateu falta e quase encobriu o goleiro atleticano, que se recuperou a tempo de mandar para escanteio.

Justamente quando havia diminuído seu ritmo, o Peixe abriu o placar. Aos 38, Jean Mota cobrou falta na área do Galo, e Sasha, de costas para o gol, desviou de cabeça. A bola foi no canto direito de Victor, que não alcançou. Havia tempo para mais um antes do intervalo. Aos 49, Jean Mota converteu pênalti flagrado pelo VAR, após Fábio Santos tocar a bola com o braço dentro da área.

Após não finalizar nem uma vez sequer no gol de Everson na primeira etapa, o Atlético enfim levou perigo o Peixe. Aos cinco minutos do segundo tempo, Luan avançou pela esquerda e cruzou rasteiro para Patric, que viu Soteldo fazer o corte. O Santos respondeu de imediato: Sasha recebeu do venezuelano e ficou frente a frente com Victor, mas mandou para fora.

Aos 13, Éverton operou um milagre para evitar a lei do ex: após cruzamento da esquerda, Ricardo Oliveira subiu livre na área do Santos e testou firme para ótima defesa do arqueiro. O Santos quase ampliou aos 24 minutos, quando Jean Lucas tocou de cavadinha para Jean Mota invadir a área, tirar de Victor e chutar na trave.

Como quem não faz toma, o Atlético tratou de diminuir o seu prejuízo. No lance seguinte ao gol perdido por Jean Mota, Alerrandro entrou nas costas de Lucas Veríssimo e bateu cruzado, sem chances para Everson. Mas, quando o Galo mais pressionava em busca do empate, Carlos Sánchez marcou um golaço em cobrança de falta frontal, dando números finais à partida e amenizando a bronca da torcida.

Ferraz celebra vitória após eliminação e avisa: “A casa do Santos é a Vila”

O Santos conseguiu uma breve recuperação da eliminação da Copa do Brasil na noite deste domingo, pelo Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro. Diante do mesmo Atlético-MG, que três dias antes ganhara a partida no Pacaembu, o Peixe, do lateral direito Victor Ferraz, conseguiu uma vitória por 3 a 1. O triunfo foi motivo de celebração e exaltação do local do jogo, uma das mudanças com relação ao meio da semana.

“Acho que somos os vice-líderes momentâneos, temos mais uma partida em casa para seguir. Muitas das vezes as coisas que eu falo viram um “mimimi” muito grande. Essa é uma opinião minha. Mas eu adoro jogar na Vila, a casa do Santos é a Vila Belmiro”, comentou o defensor.

O tema rendeu certa polêmica após mais uma eliminação do Peixe jogando na capital paulista, dessa vez no mata-mata nacional. Antes de sucumbir diante do Galo, o Santos já havia sido eliminado pelo River-URU, na primeira fase da Copa Sul-Americana, e pelo rival Corinthians, na semifinal do Campeonato Paulista.

O técnico Jorge Sampaoli foi um defensor de jogar mais em Santos, enquanto o presidente José Carlos Peres defendeu a medida de mais jogos no Pacaembu. “A gente conseguiu recuperar rápido, nós somos profissionais e nós temos que nos acostumar tanto com críticas quanto com elogio. Merecemos as críticas porque fomos eliminados mais uma vez não dentro da nossa casa, mas dentro do nosso domínio”, observou Ferraz, antes de sentenciar.

“Gosto de jogar no Pacaembu, a nossa torcida vai em massa lá. Mas a casa do Santos é a Vila”, concluiu o atleta, um dos grandes líderes do elenco santista.

Com a vitória, além de dar o troco ao Atlético pela eliminação na Copa do Brasil, o Santos assume a vice-liderança do Brasileirão, com 17 pontos, dois a menos que o Palmeiras – que ainda tem o triunfo sobre o Botafogo em julgamento.

“Vai ser difícil de alcançar o Palmeiras”, diz Sampaoli, do Santos

Mesmo com a boa vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, o técnico Jorge Sampaoli admitiu que será muito difícil para o Santos alcançar o Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro.

Com o resultado da noite deste domingo, conquistado na Vila Belmiro, o Santos assumiu o segundo lugar do Brasileirão, com 17 pontos, dois a menos que o rival alviverde – que ainda tem os três pontos da vitória sobre o Botafogo em julgamento.

“Muito difícil. Não é impossível porque há ainda muito tempo. Cruzeiro e Grêmio não estão em bom momento, mas vão se recuperar. Palmeiras vem em um bom ritmo e vai ser muito difícil de alcançar”, avaliou o argentino, em entrevista coletiva.

“Estamos muito atrás. Lamento dizer que não vejo facilidade. Aguentar um torneio tão longo e exigente tem que ter um plantel convencido da ideia”, concluiu.

Sampaoli critica protesto da torcida do Santos: “Parece injusto”

Apesar da vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, o técnico do Santos, Jorge Sampaoli, foi de semblante fechado para a entrevista coletiva após o duelo deste domingo, na Vila Belmiro. O que fez o treinador sair do sério foi comentar os protestos realizados pela torcida do Peixe antes, durante e após o confronto válido pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

“Eu vim aqui ao futebol brasileiro para tentar mostrar minha forma de jogar. Não se pode jogar com pressão ou trocar a realidade estabelecida. Temos uma equipe extremamente jovem. Se as pessoas não têm paciência, que se termine”, esbravejou o argentino.

Após o apito final, a Torcida Jovem exigiu a vitória no clássico contra o Corinthians: “Se quarta-feira não ganhar, olê olê olá, o pau vai quebrar”. O tom da cobrança não agradou Sampaoli, ciente das críticas que a equipe sofreu após a eliminação para o Galo na Copa do Brasil.

“Não sei como ganhar de qualquer jeito. Só sei ganhar jogando, como foi hoje. No Pacaembu, nós quisemos passar de qualquer jeito. Lamentavelmente a necessidade e a ansiedade atentam contra o jogo. Simples”, disse.

“Se vamos tentar ganhar de qualquer jeito, viremos com revólveres e mataremos os rivais. Santos vai jogar com a mesma dignidade que jogou no Pacaembu, hoje. Tentando jogar com a bola, sem pressão, e com esse caminho vamos. Se a proposta se instala dessa forma (de pressão), não tem sentido eu estar aqui”, acrescentou.

Além de jogar pressão sobre os jogadores, a torcida também fez cobranças à diretoria, especialmente ao presidente José Carlos Peres. Na entrevista, Sampaoli disse não concordar com os protestos, que exigiram a conquista do Brasileirão, e citou a influência política por trás deles.

“O protesto pela falta de empenho dos jogadores me parece injusto. Totalmente. Eles jogam o que podem. O que mais gera entusiasmo nas pessoas é a polêmica. E por esse caminho vamos. Há muita mescla da política no futebol através de grupos políticos dentro de cada clube. Assim fica difícil instalar uma ideia”, lamentou.

Ferraz entende protestos no Santos e aposta em pausa por evolução

Um dos líderes do elenco do Santos, Victor Ferraz disse entender os protestos realizados pela torcida antes, durante e após a vitória por 3 a 1 sobre o Atlético-MG, no último domingo, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro.

A torcida, além de criticar a gestão do presidente José Carlos Peres, tratou o título brasileiro como obrigação para o time que foi eliminado das outras competições na temporada – Copa Sul-Americana, Campeonato Paulista e Copa do Brasil.

“Jogamos numa equipe gigante, e quando somos eliminados temos que ser criticados mesmo. Quem não quiser isso, tem que procurar outro clube. Fico muito feliz de jogar com essa camisa, voltar a vencer e ser vice-líder”, afirmou o lateral direito, na saída de campo.

Como disse Ferraz, o Santos assumiu a segunda colocação do Brasileiro após o triunfo sobre o Galo. Agora, o time de Jorge Sampaoli soma 17 pontos, dois a menos que o Palmeiras – que ainda tem a vitória sobre o Botafogo em julgamento.

“Sobre buscar o Palmeiras, temos que fazer nossa parte. Estamos fazendo um grande campeonato. Eles que estão num nível anormal”, explicou o jogador, que vê a pausa para a Copa América como oportunidade de o time se entrosar mais.

“O Santos tem que chegar nas finais de todas as competições, mas temos uma nova filosofia, novos jogadores. No último jogo [derrota para o Atlético na Copa do Brasil], jogamos com Marinho e Uribe, que são caras que mal conheço”, disse.

“Não sei se o Uribe gosta de uma bola em profundidade, se o Marinho bate de perna direita… E jogamos uma decisão dessa forma. Vamos ter a parada da Copa América para conhecer os novos jogadores, para eles conhecerem o estilo do Sampaoli e brigarmos pelo título do Brasileiro”, concluiu.


Santos 1 x 2 Atlético-MG

Data: 06/06/2019, quinta-feira, 20h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 16.857 pagantes
Renda: R$ 828.709,00
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Michael Correia (ambos do RJ).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ).
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo, Jean Lucas e Soteldo (S); José Welison, Adilson e Fábio Santos (A).
Gols: Gustavo Henrique (05-1) e Chará (36-1); Chará (39-2).

SANTOS
Everson, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Jean Mota), Gustavo Henrique e Jorge; Jean Lucas; Victor Ferraz, Carlos Sánchez (Soteldo), Diego Pituca e Marinho; Uribe (Eduardo Sasha).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-MG
Victor, Patric, Rever, Igor Rabello, Fábio Santos; José Welison (Adilson), Elias, Cazares e Luan (Geuvânio); Chará e Ricardo Oliveira (Alerrando).
Técnico: Rodrigo Santana



Atlético-MG vira, avança na Copa do Brasil e Santos é eliminado pela 3ª vez no Pacaembu em 2019

O Atlético-MG venceu de virada o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, e avançou para as quartas de final da Copa do Brasil. Os gols foram marcados por Chará, duas vezes. O do Peixe foi de Gustavo Henrique.

Essa foi a terceira eliminação do Santos no Pacaembu em 2019. Antes, o Peixe caiu para River Plate na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

As equipes voltam a se enfrentar no domingo, dessa vez pelo Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, às 19h (de Brasília). O jogo é válido pela oitava rodada.

O jogo

O começo de jogo do Santos foi eletrizante. Com Marinho “on fire”, o Peixe pressionou o Atlético-MG e abriu o placar logo aos cinco minutos. Marinho cobrou escanteio com perfeição, na cabeça de Gustavo Henrique. O goleiro Vitor nem saiu do lugar.

O Alvinegro seguiu em cima e teve chance de ampliar com Diego Pituca, Jorge, Marinho e Sánchez, mas não o fez. E o Galo equilibrou o jogo.

Com Cazares cheio de espaço, o Atlético ensaiava o gol. Os lançamentos paravam em cortes providenciais da defesa santista. Até que Gustavo Henrique cochilou, Chará escapou e aproveitou saída equivocada de Everson para marcar.

Cada time ficou com uma “metade” da etapa inicial. O Atlético-MG foi para o vestiário com o empate e mais perto da virada do que do desempate do Santos.

Aos dois minutos, o árbitro fez a torcida comemorar ao expulsar José Welison por deixar o braço em Marinho. A decisão, porém, foi alterada depois da consulta no VAR e a cor do cartão mudou para amarelo.

A alteração de Jorge Sampaoli, tirar Aguilar para colocar Jean Mota, tornou o jogo ainda mais aberto. Aos 15, Cazares recebeu na área e buscou o ângulo – a bola passou com perigo. No minuto seguinte, Marinho e Jean Lucas levaram perigo em chutes da intermediária.

Quando o placar marcava 20 minutos jogados, Ricardo Oliveira recebeu um bolão de Cazares e bateu forte, mas no meio do gol, e Everson espalmou com segurança. E aos 25, mais uma chance atleticana: Luan bateu da entrada da área, Everson rebateu para frente e Chará se atrapalhou no rebote, quase na pequena área.

Aos 37, começou um momento decisivo do jogo. Lucas Veríssimo cabeceou muito perto do gol depois de cruzamento de Soteldo. Na sequência, Marinho recebeu na entrada da área, não viu Victor Ferraz sozinho e chutou no meio. E veio o castigo.

Jean Mota tentou chute improvável da intermediária, a bola bateu na defesa e o Galo puxou o contra-ataque. De Geuvânio, para Cazares, para Chará. De novo. Linha de passe na exposta defesa do Peixe no Pacaembu.

Todo aberto, o Santos buscou a reação, mas foi o Atlético-MG quem quase fez o terceiro, com Geuvânio. Everson salvou. No fim das contas, Galo nas quartas de final e a terceira eliminação do Peixe no Pacaembu em 2019.

Sampaoli evita desculpas, mas contesta diretoria do Santos por preço alto e decisão no Pacaembu

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, evitou dar desculpas para a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil diante do Atlético-MG, mas não poupou críticas à diretoria.

O Peixe não conseguiu transferir o mando de campo para a Vila Belmiro e colocou preço alto no Pacaembu, com arquibancadas a R$ 90. O resultado foi público total de 16.857.

“Jogamos domingo passado contra 60 mil pessoas do Ceará. Hoje estádio não estava de acordo para uma decisão. Dirigentes colocaram esse preço, a gente não é ouvido. Minha predileção pela Vila eu sempre disse, mas não creio que seja uma forma de esconder análise desportiva ou eliminação, mas sim tentar analisar o motivo do público do Santos não ir aos estádios”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sobre o jogo, o treinador santista viu injustiça em mais uma eliminação. Antes, o Peixe caiu para River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Santos foi quem propôs mais, principalmente no segundo tempo. Tivemos muitos ataques, chutes e possibilidades não concretizados. Perdemos injustamente no contra-ataque, futebol é assim. A chave é o nervosismo para definir. Tiveram dois contra-ataques no segundo tempo depois de falhas na direito e depois na esquerda. Temos que ter tranquilidade quando gol vem, sem perder a forma. E isso ocorreu em outros jogos. A vontade tem que ser com fúria, mas com organização”, analisou.

Questionado sobre a ausência de Rodrygo, Sampaoli contemporizou. A CBF não desconvocou o atacante da seleção olímpica e o impediu de atuar.

“A federação tomou medida que correspondia. Se não pode jogar, não pode jogar. Não entendo, não posso criticar uma decisão pré-estabelecida”, concluiu.

Victor Ferraz vê falta de “capricho” e “competência” do Santos em eliminação

Capitão do Santos, Victor Ferraz viu falta de “capricho” e “competência” na derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG nesta quinta-feira, no Pacaembu, com a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Essa foi a terceira queda do Peixe no Pacaembu em 2019. Antes, o Alvinegro foi derrotado para o River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Acho que a gente voltou melhor (para o segundo tempo), conseguimos pressionar. A gente sabia que eles iam jogar buscando o contra-ataque. Acho que faltou capricho na frente, faltou acertar na tomada de decisão”, disse Victor Ferraz, ao Premiere.

“Não fomos competentes, deixamos a desejar e deixamos escapar uma classificação importante. É levantar a cabeça, domingo tem de novo”, completou o lateral-direito.

Presidente do Santos dispara contra CBF: “Conseguiu o que queria, fomos desclassificados”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, disparou contra a CBF na noite desta quinta-feira, depois da eliminação para o Atlético-MG nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Peres disse que a confederação conseguiu o que queria por dois motivos: não permitir a decisão na Vila Belmiro e não desconvocar Rodrygo da seleção olímpica para o Torneio de Toulon, já em andamento na França.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, disse Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito, qual é a razão de não desconvocar?”, completou.

O presidente do Santos ainda disse que pode indenizar a CBF. Com a eliminação, o Peixe deixou de receber R$ 3,1 milhões.

“Se não tiver explicação plausível, é indenizar. Nos tiraram a classificação, que nos daria uma boa fatia (de dinheiro)”, concluiu.

Peres minimiza preço do ingresso em eliminação do Santos: “Não justifica 16 mil”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, minimizou o preço dos ingressos para a partida que culminou na eliminação do Santos na Copa do Brasil, com a derrota de 2 a 1 para o Atlético-MG no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

A entrada mais barata custava R$ 40 (inteira), no tobogã. As arquibancadas custaram R$ 90. O resultado foi o público total de 16.857 no Pacaembu, com renda de R$ 828.709,00.

“Um grande time vence em qualquer lugar, na Vila Belmiro ou no Maracanã. Grande público não compareceu hoje. Existe uma crise, mas não justifica 16 mil”, disse o presidente.

“Quem paga salário? Temos que ter time forte. Sabia que teríamos dificuldades, adaptação, sistema diferente. Essa reclamação não cabe (do valor)”, completou.

O Santos, com Campeonato Brasileiro como competição restante em 2019, voltará a enfrentar o Atlético-MG, domingo, na Vila Belmiro, pela oitava rodada. Dessa vez a arquibancada (portões 1/2, 7/8 e 26) custa R$ 60. A geral santista está por R$ 40.

De “corretíssima” à “culpada” por eliminação: Santos racha com a CBF após elogios

O presidente do Santos, José Carlos Peres, mudou completamente o discurso sobre a CBF entre o dia 27 de maio, em reunião do Conselho Deliberativo e 6 de junho, com a eliminação na Copa do Brasil para o Atlético-MG.

Em meio ao aparente ruído entre o Peixe e a confederação, Peres fez elogios e minimizou a briga pela desconvocação de Rodrygo da seleção olímpica. Dias depois, foi para cima e rachou a com a confederação.

“Sub-23 não é Data FIFA. Não é oficial. Não quero puxar saco da CBF, mas tem sido corretíssima comigo. Não dá para comparar Rodrygo com outros liberados. Se é convocado para a seleção principal, ok, é diferente, mas eu perdi jogadores várias vezes por causa do Sul-Americano. Sou generoso. Pedi para liberar, não liberaram, mas era oficial. Agora o próprio jogador demonstrou que não quer ir. Iria para a principal, oficial, só isso. Não foi nenhuma afronta com a CBF. Eu trabalhei na gestão do Marco Polo (Del Nero) por seis anos na Federação Paulista. Quem almoçava comigo? (Rogério) Caboclo, então gerente financeiro, e o (Walter) Feldman. Presidente e secretário-geral. Estamos bem, mas cada um defende seu pedaço. Entendo, de coração, mas não posso ser prejudicado mais uma vez”, disse o presidente.

Após a eliminação, porém, o tom foi outro. Além de não poder escalar Rodrygo, Peres lembrou da confusão pelo mando de campo. A CBF chegou a anunciar a Vila Belmiro para as oitavas de final, mas voltou atrás e manteve o Pacaembu.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, afirmou Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito (no Torneio de Toulon), qual é a razão de não desconvocar?”, concluiu.

Por meio do SJTD, o Santos ainda tentará ter Rodrygo novamente contra o Atlético-MG e também diante do Corinthians, ambos os jogos na Vila Belmiro pelas rodadas 8 e 9 do Campeonato Brasileiro. Se não obtiver êxito, o camisa 11 pode ter se despedido diante do Internacional sem saber.