Navegando Posts marcados como quartas-de-final

Santos 0 x 1 Barcelona de Guayaquil

Data: 20/09/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.730 pagantes
Renda: R$ 766.160,00,00
Árbitro: Victor Carrillo (PER)
Auxiliares: Raul Lopez Cruz e Victor Raez (ambos do PER).
Cartões amarelos: Daniel Guedes e Bruno Henrique (S); Beder Caicedo, Marcos Caicedo e Jonatan Álvez (B).
Cartões vermelhos: Jonatan Álvez e Gabriel Marques (B); Bruno Henrique (S).
Gol: Jonatan Álvez (21-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Alison (Fabián Noguera), Leandro Donizete (Kayke) e Vecchio (Jean Mota); Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira.
Técnico: Levir Culpi

BARCELONA DE GUAYAQUIL
Banguera; Pedro Velasco, Aimar, Arreaga e Beder Caicedo; Gabriel Marques, Matías Oyola e Damián Díaz (Castillo); Esterilla (Ayovi), Marcos Caicedo (Erick) e Jonatan Álvez.
Técnico: Guillermo Almada



Santos perde para o Barcelona-EQU dentro da Vila e dá adeus à Libertadores

No dia 10 de agosto, o Santos foi pressionado desde o início pelo Atlético-PR em plena Vila Belmiro, mas conseguiu ‘achar’ um tento no fim e avançou na Libertadores. Na noite desta quarta-feira, a história se repetiu. Mesmo jogando em casa e com a vantagem do empate sem gols, o Peixe foi amplamente dominado pelo Barcelona de Guaiaquil. Desta vez, porém, o desfecho foi triste para os mais de 12 mil presentes em Urbano Caldeira. Aos 22 minutos do segundo tempo, Jonatan Álvez fez 1 a 0 para o time equatoriano, que saiu da Baixada Santista com a classificação.

Fora da competição continental, os santistas concentram-se apenas no Campeonato Brasileiro no restante da temporada.

O jogo:

Como é típico de Libertadores, o jogo começou bastante truncado e cheio de contato físico na Vila Belmiro. Explorando a velocidade de Daniel Guedes, o Peixe chegou duas vezes pelo lado direito antes dos 5 minutos, mas não conseguiu concluir em gol.

O Barcelona, por sua vez, chegou pela primeira vez aos 11, quando Esterilla desviou cruzamento de Velasco. A cabeçada, porém, passou longe do gol de Vanderlei.

Com Alison e Leandro Donizete no meio de campo, o Santos optou por fazer um jogo mais de marcação, ‘deixando a bola’ nos pés do time equatoriano, que pressionou muito. Aos 14, Oyola arriscou de longe e Vanderlei salvou. Na cobrança de escanteio, a redonda passou dentro da pequena área e ninguém desviou.

Mesmo acuado, Peixe quase abriu o placar aos 18 minutos, quando David Braz desviou cobrança de falta e cabeceou no travessão.

Apesar do susto santista, quem seguiu dominando as ações foi o Barcelona. Aos 28, Caicedo recebeu bola na área e soltou uma bomba por cima do gol.

Nos minutos seguintes, porém, o time equatoriano não conseguiu fazer o domínio se transformar em boas chances e a partida foi para o intervalo no 0 a 0.

A partida seguiu na mesma toada após o intervalo, com o Peixe recuado e o Barcelona pressionando. Porém, a equipe equatoriana não conseguia furar a forte marcação santista e acabava arriscando de longe.

Mesmo assim, aos 12 minutos, o Barcelona arrancou suspiros da torcida na Vila. Após cruzamento rasteiro de Ayovi, Caicedo apareceu livre na área e bateu forte. A bola, porém, explodiu na zaga. No rebote, Oyola mandou por cima do gol.

A pressão equatoriana surtiu efeito aos 22 minutos, quando Castillo cruzou na área e Jonatan Álvez apareceu livre entre os zagueiros para desviar de cabeça e abrir o placar na Vila.

Após o tento, os papeis se inverteram dentro de campo. Vencendo, o Barcelona se posicionou totalmente atrás, enquanto o Peixe foi em busca do empate.

Porém, a pressão santista não foi tão grande como o esperado. Mesmo com um a mais dentro de campo, já que Jonatan Álvez foi expulso, de forma injusta aos 25, a equipe comandada por Levir Culpi não conseguiu assustar o goleiro Banguera.

Os minutos foram passando, o time equatoriano ‘esfriou’ o jogo e a torcida, e o Santos não conseguiu fazer o gol que levaria a decisão para os pênaltis. Ainda teve tempo para Bruno Henrique e Gabriel Marques serem expulsos, além de uma chance clara perdida pelo time da Vila Belmiro no último lance.

Santistas temem pressão após eliminação na Libertadores: “Pau vai cantar”

A derrota por 1 a 0 para o Barcelona de Guaiaquil, na Vila Belmiro, que culminou com a eliminação do Santos nas quartas de final da Libertadores, trouxe consequências imediatas na noite desta quarta-feira.

Logo após o apito final, alguns torcedores tentaram invadir os vestiários e ainda apedrejaram o ônibus que trouxe a delegação do Peixe ao estádio. E além disso, o técnico Levir Culpi sabe que a pressão aumentará bastante nas próximas semanas.

“Vai pesar muito (a derrota). É um ano político. Podem esperar que o pau vai cantar. Vamos tentar segurar as pontas e dar o nosso melhor. Senão, o técnico vai embora”, resumiu Levir em entrevista coletiva, citando as eleições presidenciais do alvinegro, que acontecem em dezembro.

Eliminado na Copa Libertadores da América, o Santos disputa agora somente o Campeonato Brasileiro. Na próxima rodada, a equipe santista encara o Atlético-PR, neste sábado, às 21h (de Brasília), em jogo válido pela 25ª rodada.

Mesmo ocupando a terceira colocação, com 41 pontos, Levir sabe que será difícil elevar o ânimo da equipe para a sequência da temporada.

“Vou ter que tirar alguma coisa da cartola. Tudo que você pode pensar sobre o Santos agora é depressivo. Teremos que ser fortes. Não existe alguém que perdoe o Santos depois de uma situação dessas. É questão de convicção. Entrar com o time e recuperar essa derrota”, concluiu.



Santos 3 x 0 XV de Piracicaba

Data: 12/04/2015, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo único
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.260 torcedores
Renda: R$ 456.095,00
Árbitro: Guilherme Ceretta de Lima (SP)
Auxiliares: Anderson Jose de Moraes Coelho e Rogerio Pablos Zanardo (ambos de SP).
Cartões amarelos: Lucas Lima e Leandrinho (S); Tony, Fabiano, Renan Foguinho e Leonardo Luiz (XV).
Gols: Robinho (16-1, de pênalti); Ricardo Oliveira (35-2, de pênalti) e Lucas Lima (44-2).

SANTOS
Vladimir; Vitor Ferraz, Gustavo Henrique, Werley e Chiquinho; Valencia (Lucas Otávio), Leandrinho e Lucas Lima; Geuvânio (Gabriel), Robinho (Marquinhso Gabriel) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes

XV DE PIRACICABA
Roberto; Éder Sciola, Leonardo, Rodrigo e Fabiano; Renan Foguinho, Diego Silva (Chico) e Tony; Paulinho, Henrique (Tiago) e Bruninho (Roni).
Técnico: Toninho Cecílio



Com dois pênaltis, Santos bate o XV e chega à sétima semifinal seguida

A partida foi mais complicada do que se imaginava, mas o Santos fez o dever de casa e despachou a zebra na Vila Belmiro. Com gols de Robinho e Ricardo Oliveira, ambos em cobranças de pênalti, um aos 15 minutos do primeiro tempo e outro aos 35 da etapa final, e um de Lucas Lima, já aos 44, o Peixe venceu o XV de Piracicaba por 3 a 0 e confirmou a sua vaga nas semifinais do Campeonato Paulista. É a sétima vez seguida em que o Alvinegro praiano chega a essa fase no regional.

Um dos lances capitais do jogo ocorreu depois de uma jogada individual de Lucas Lima. O meia tentou passar pela marcação e acabou tocado dentro da área. Apesar da polêmica, o árbitro entendeu a jogada como faltosa e marcou o pênalti, convertido por Robinho.

No segundo tempo, novamente o juiz assinalou pênalti em jogada que gerou muitas reclamações dos jogadores do XV. Marquinhos Gabriel recebeu dentro da área e bateu forte. Leonardo Luiz se jogou na bola, que acabou batendo em seu braço. Ricardo Oliveira deslocou o goleiro na cobrança e conferiu.

No restante do confronto deste domingo, o time de Marcelo Fernandes ditou o ritmo em praticamente todo o tempo e teve ao menos quatro grandes chances de ampliar sua vantagem, mas a trave, em duas oportunidades, e o goleiro Roberto evitaram um placar mais elástico.

O único grande momento do XV também ocorreu em lance de bola parada. Chico cobrou falta com muito perigo e, por instantes, calou a maioria dos torcedores na Vila. Agora, Santos e São Paulo definirão, em jogo único, de novo na Baixada Santista, um dos finalistas do Estadual. Do outro lado, Corinthians e Palmeiras farão mais um clássico, em Itaquera. As datas e os horários das partidas ainda serão definidas pela Federação Paulista de Futebol (FPF).

O jogo

A partida começou bem diferente do que imaginava a maioria dos torcedores santistas. O XV de Piracicaba, encorajado por sua fanática torcida, que compareceu em bom número na Vila Belmiro, tomou a iniciativa e deteve mais a bola nos primeiros 15 minutos de jogo.

Apesar disso, o time do interior de São Paulo não conseguia chegar ao gol de Vladimir. Na melhor oportunidade, os atacantes do XV se atrapalharam na entrada da área, e o perigo foi afastado em falha de posicionamento da defesa santista.

Na primeira chegada ao ataque do Peixe, os torcedores pediram pênalti em jogada de Robinho, mas o árbitro viu toque na bola do zagueiro e seguiu com a partida.

O Santos cresceu e por pouco não chegou ao gol com Ricardo Oliveira, que partiu em diagonal, limpou a marcação e bateu de esquerda. A bola raspou a trave.

Aos 10 minutos, Geuvânio quase encerrou um jejum que perdura desde a primeira rodada do Paulitão. Assim como fez diante do Ituano, naquela ocasião, o Caveirinha acertou um lindo chute de fora da área, mas, desta vez, a bola explodiu no travessão. Seria um golaço. O goleiro Roberto deu apenas um golpe de vista e, por pouco, não se deu mal.

Cinco minutos depois, o grande lance da etapa inicial. Lucas Lima entrou na área em jogada individual, limpou o primeiro e caiu com a chegada do segundo marcador, Fabiano. Para o árbitro, pênalti. Robinho bateu bem e abriu o placar.

Daí para a frente, o XV sentiu o ritmo de jogo do Santos e praticamente não passou mais do meio de campo. Aos 37, em erro na saída de bola do time do interior, Robinho puxou contra-ataque e serviu Lucas Lima, que bateu de pé direito e acertou mais uma na trave.

O fim do primeiro tempo foi mesmo marcado por uma forte pressão santista e jogadas seguidas de perigo de gol. Na melhor delas, Ricardo Oliveira furou a cabeçada e desperdiçou uma grande chance após cruzamento de Chiquinho.

Após o apito do árbitro, os jogadores do Alvinegro praiano desceram para o vestiário aplaudidos pela torcida.

Com o início da segunda etapa, nada mudou. Os donos da casa seguiram martelando em busca de mais gols, enquanto o XV pouco ficava com a bola em seus pés. Antes dos cinco primeiros minutos, Chiquinho chegou com perigo pela esquerda e Geuvânio desperdiçou uma grande chance de marcar, após receber passe açucarado de Robinho. Porém, Roberto ficou parado no meio do gol e executou a defesa.

Aos sete, o Santos perdeu sua principal estrela. Robinho saiu de campo com a mão na coxa e foi substituído por Marquinhos Gabriel. A Vila Belmiro inteira se levantou para aplaudir o ídolo.

Aos 18 minutos, o XV teve a sua principal chance de gol no jogo. Em cobrança de falta próxima à meia lua, Chico bateu colocado, por cima da barreira. A bola raspou a trave e correu pela rede, mas pelo lado de fora. O lance causou calafrios nos torcedores santistas e, pelo lado da torcida do XV, muitos gritaram “gol” quando viram as rede balançarem.

No entanto, o time do XV não encontrou mais forças para incomodar os santistas e ainda passaram a jogar mais expostos. E, em um dos bons contra-ataques do Peixe, o time da casa teve mais um pênalti marcado a seu favor.

Marquinhos Gabriel recebeu na entrada da área e bateu forte. A bola tocou no braço de Leonardo Luiz, e o árbitro apontou a marca da cal mais uma vez. Ricardo Oliveira cobrou com categoria e chegou a nove gols no Paulistão.

A fragilidade do XV ficou evidente aos 44, quando o time saiu jogando errado e deu a bola nos pés de Lucas Lima, que só teve o trabalho de limpar o goleiro Roberto e bater para decretar a vitória santista.

Bastidores – Santos TV:


Botafogo 2 x 3 Santos

Data: 01/10/2014, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de ida
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 8.714 presentes (7.740 pagantes)
Renda: R$ 173.745,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Alessandro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Guilherme Dias Camilo (MG).
Cartões amarelos: Junior Cesar, Dankler e Bolívar (B); David Braz, Geuvânio e Robinho (S).
Cartão vermelho : Robinho (S).
Gols: Robinho (24-1), Gabriel (25-1), Robinho (29-1) e Geuvânio (43-1); Zeballos (11-2).

BOTAFOGO
Jefferson (Andrey); Dankler, Bolívar, André Bahia e Junior Cesar; Aírton (Bolatti), Gabriel, Cachito Ramirez e Wallyson; Rogério e Emerson Sheik (Zeballos).
Técnico: Vagner Mancini

SANTOS
Vladimir; Cicinho, David Braz, Edu Dracena e Mena (Caju); Alison, Arouca e Lucas Lima; Geuvânio (Alan Santos), Robinho e Leandro Damião (Patito Rodriguez).
Técnico: Enderson Moreira



Robinho é expulso, mas faz dois e Santos bate o Botafogo no Rio

Atacante comandou a vitória por 3 a 2, no Maracanã, pela Copa do Brasil. Time carioca perdeu Jefferson e Sheik, lesionados

O Santos largou na frente por uma vaga nas semifinais da Copa do Brasil. Em partida disputada na noite desta quarta-feira, no Maracanã, a equipe de Vila Belmiro derrotou o Botafogo por 3 a 2 e só precisa de um empate no jogo da volta para garantir a passagem à próxima fase da competição. Os gols dos visitantes foram marcados por Robinho, duas vezes, e Geuvânio. Gabriel e Zeballos descontaram.

Após o resultado no Rio de Janeiro, o Peixe pode até perder, desde que o time carioca não marque mais de três gols. Para se classificar, o Botafogo precisa de uma vitória por dois gols de diferença.

O resultado fez justiça ao melhor desempenho da equipe paulista. O Santos foi sempre mais objetivo durante os 90 minutos, Robinho foi expulso no fim do jogo, por simulação. Além da derrota, o Botafogo ainda perdeu o goleiro Jéfferson e o atacante Emerson Sheik, ambos lesionados.

O jogo:

Diante de um público muito pequeno, o Botafogo começou a partida no ataque. Logo aos dois minutos, Wallyson cobrou falta, a zaga santista afastou mal e Ramirez apanhou o rebote, mas tentou driblar e acabou perdendo a oportunidade de concluir.

A equipe carioca mostrava maior disposição ofensiva,mas não encontrava espaços na defesa santista. Aos oito minutos, Emerson Sheik se deslocou pela direita e cruzou para Rogério, mas David Braz se antecipou e cortou o lançamento.

Muito retraída, a equipe visitante criou o primeiro momento de perigo aos 17 minutos, quando o lateral-esquerdo Mena foi lançado e invadiu a área, mas André Bahia conseguiu fazer o corte. Dois minutos depois, os atacantes do Alvinegro carioca trocaram passes em velocidade, mas a conclusão de Wallyson explodiu na zaga santista, para frustração da torcida.

Aos 24 minutos, o Santos marcou o primeiro gol. Gabriel recebeu de Jéfferson, na defesa, mas foi desarmado por Robinho. O atacante do Peixe entrou na área e tocou na saída do goleiro botafoguense.

Um minuto depois, a equipe carioca empatou. Gabriel, que havia falhado no gol santista, bateu colocado da entrada da área, sem chances de defesa para Vladimir. O jogo ficou mais aberto e, aos 29, Robinho voltou a marcar, depois de tabelar com Cicinho e chutar rasteiro.

Desnorteado, o Botafogo passou a encontrar dificuldades para se organizar e quase sofreu o terceiro gol, aos 39 minutos, quando Geuvânio chutou forte e Jéfferson defendeu parcialmente, Robinho apanhou o rebote, mas o árbitro marcou impedimento do atacante.

Para piorar as coisas para o time dirigido por Vagner Mancini, Emerson Sheik sofreu uma lesão muscular e precisou ser substituído. E a torcida protestou quando Mancini chamou o paraguaio Zeballos para entrar em campo.

Aos 43 minutos, o Santos marcou o terceiro gol. Geuvânio arriscou de fora da área e Jéfferson falhou ao tentar a defesa, permitindo que a bola entrasse no no canto esquerdo. Logo depois de sofrer o tento, o goleiro Jéfferson pediu substituição e Andrey entrou em seu lugar. O goleiro sofreu uma luxação no dedo mínimo da mão esquerda.

O Botafogo voltou para o segundo tempo mais agressivo, e aos 11 minutos marcou o segundo gol. Dankler cruzou da direita e Zeballos se antecipou à marcação para colocar a bola nas redes de Vladimir.

Depois do segundo gol da equipe carioca, a partida fcou mais truncada, com as duas equipes cometendo muitas faltas. Por volta dos 20 minutos, os dois treinadores mexeram em suas equipes, mas o panorama do jogo não se modificou, apesar da postura mais agressiva do Botafogo. O Santos parecia mais preocupado em manter a vantagem e se concentrava na defesa, tentando se aproveitar do desespero da equipe carioca.

Aos 36 minutos foi a vez de Lucas Lima fazer uma boa jogada individual e chutar com perigo. Aos 40 minutos, Robinho foi expulso. O árbitro entendeu que o atacante tentou simular uma falta e aplicou o segundo cartão amarelo.

Aos 44 minutos, Lucas Lima fez ótima jogada e lançou Alan Santos, que desperdiçou a chance quando estava livre para marcar, uma vez que o goleiro Andrey estava fora da jogada. O Santos ainda voltou a desperdiçar uma oportunidade, agora com Lucas Lima, antes de o árbitro decretar o fim da partida.

Para técnico do Santos, Copa do Brasil só será priorizada em último caso

Após a vitória sobre o Botafogo, treinador diz que o time vai continuar lutando no Brasileirão “enquanto tiver possibilidades”

O Santos está em oitavo lugar no Campeonato Brasileiro, a sete pontos da zona de classificação à Libertadores de 2015. Distância insuficiente para fazer o técnico Enderson Moreira colocar a competição em segundo plano e priorizar a Copa do Brasil. Nem mesmo depois da vitória por 3 a 2 sobre o Botafogo nesta quarta , que deixou a equipe mais perto da semifinal.

“Eu não trabalho com essa perspectiva, a não ser que a gente chegue em um momento no Campeonato Brasileiro que, matematicamente, não tenha chance nem de rebaixamento nem de chegar ao G4. Aí sim. Mas, enquanto tiver possibilidades, a gente tem sempre que buscar essas vitórias, essa sequência no Brasileiro. Se a gente pega uma sequencia, a gente vai encostar”, disse o treinador do Santos.

Na última rodada do Brasileirão, Enderson chegou a poupar alguns jogadores, mas negou que tenha optado uma escalação alternativa pensando na Copa do Brasil. “Isso não faz parte da minha conduta, não tem essa prioridade. O que me impede de escalar é que os atletas não estavam em condições ideias. Um atleta pode ficar fora por questões psicológicas, clínicas e físicas”, explicou, na ocasião.

Embora a vantagem do Santos seja considerável, já que avança às semifinais da Copa do Brasil com qualquer empate ou até mesmo perdendo por 1 a 0 ou 2 a 1, em plena Vila Belmiro, o comandante não quer saber de euforia exagerada no elenco.

“Nosso foco, no dia 16, vai ser um jogo extremamente difícil contra o Botafogo, porque se nós fizemos 3 a 2 aqui (no Maracanã), eles são capazes de fazer lá”, avisou.


Santos 2 x 1 América-MEX

Data: 23/05/2007, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Quartas-de-final – Jogo da volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.925 pessoas
Renda: R$ 254.285,00
Árbitro: Óscar Ruiz, assistido por Juan Carlos Bedoya e Abraham González (trio colombiano)
Cartões amarelos: Zé Roberto (S); Infante (A).
Gols: Bilos (32-1), Jonas (20-2) e Rodrigo Souto (26-2).

SANTOS
Fábio Costa; Alessandro (Pedrinho), Adaílton, Ávalos e Kléber; Maldonado, Rodrigo Souto, Cléber Santana (Marcelo) e Zé Roberto; Marcos Aurélio e Jonas (Dionísio)
Técnico: Wanderley Luxemburgo

AMÉRICA – MEX
Navarrete; Baloy, Íñigo (Daniel Marquez) e Cervantes; Rojas, Infante, Torres, Mosqueda (Perez) e Peña; Cuevas e Bilos
Técnico: Luis Fernando Tena



De virada, Santos vence o América e encara Grêmio na Libertadores

O Santos venceu o América, do México, por 2 a 1, de virada, na noite desta quarta-feira, no estádio da Vila Belmiro, e assegurou classificação para a semifinal da Taça Libertadores da América.

Agora, a equipe paulista enfrentará na próxima fase outro time brasileiro, o Grêmio, que hoje superou o Defensor, do Uruguai, por 4 a 2 nos pênaltis –vitória por 2 a 0 no tempo regulamentar. Os jogos estão previstos para os dias 30 de maio e 6 de junho.

As duas equipes irão se enfrentar em virtude do regulamento da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) que obriga dois times do mesmo país a se enfrentar na semifinal, independentemente do cruzamento das chaves.

Pelo cruzamento inicial da competição, o Santos enfrentaria nas semifinais o Cúcuta, da Colômbia, que eliminou o Nacional, do Uruguai. Os colombianos encaram o vencedor do duelo entre Boca Juniors, da Argentina, e Libertad, do Paraguai, que se enfrentam nesta quinta, em Assunção –houve empate por 1 a 1 na Argentina.

Apesar de fazer mistério na escalação, o técnico Vanderlei Luxemburgo manteve a formação do último coletivo e armou o time no 4-4-2 no jogo de hoje. Assim, a zaga foi formada por Adaílton e Ávalos, enquanto Jonas ganhou chance no ataque. O setor ofensivo foi reforçado pela necessidade da vitória –houve empate sem gols no primeiro jogo, no México.

Já o América, que trouxe apenas 14 jogadores para o Brasil, atuou com um time misto, já que disputará a final da Liga Mexicana, na próxima sexta-feira, contra o Pachuca.

O jogo

O Santos foi para cima logo no início e criou boa chance antes mesmo de completado o primeiro minuto de jogo. Zé Roberto recebeu bola na esquerda e cruzou, mas Jonas desviou por cima do travessão.

Com a forte chuva que caiu na Vila Belmiro, os santistas passaram a apostar em jogadas pelo alto, pela dificuldade de trocar passes. Em uma delas, aos 26min, o time quase abriu o placar. Zé Roberto tocou para Kléber cruzar, mas Marcos Aurélio cabeceou por cima.

O time da Baixada teve ótima chance seis minutos depois. Após cruzamento da direita, Marcos Aurélio chutou na trave e ainda pegou rebote. Na seqüência, Kléber chutou na rede pelo lado de fora.

Mas, um minuto depois, o América abriu o placar. Bilos arriscou de fora da área e a bola entrou no canto do goleiro Fábio Costa: 1 a 0. Os visitantes quase ampliaram aos 36min, mas Cuevas, livre, chutou para fora.

“Temos que ir para frente, tomamos um gol de bobeira. Agora temos que ir atrás do resultado. Se levarmos outro gol, as coisas se complicam ainda mais”, disse o goleiro Fábio Costa, no intervalo, em entrevista à TV Globo.

Na segunda etapa, o técnico Vanderlei Luxemburgo optou pela entrada do meio-campista Pedrinho no lugar do lateral-direito Alessandro. Assim, Maldonado atuou na lateral.

Logo a 1min, o Santos já criou ótima chance. Kléber tocou para Jonas, que ajeitou para Zé Roberto bater de fora, e a bola passou muito próxima da trave mexicana.

Após longa pressão, o time brasileiro conseguiu o gol de empate. Aos 20min, Cléber Santana arriscou chute de fora, Jonas apareceu no meio do caminho para dominar e chutar para o fundo das redes: 1 a 1.

O gol da virada não demoraria a sair. Aos 26min, Pedrinho fez boa jogada pela esquerda e foi derrubado pelo marcador. Kléber cobrou falta na área e Rodrigo Souto testou forte, sem chances para o goleiro mexicano.

Depois disso, o time brasileiro soube conduzir a partida e sofreu pouca pressão do América.


América-MEX 0 x 0 Santos

Data: 16/05/2007
Competição: Copa Libertadores – Quartas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Azteca, na Cidade do México.
Árbitro: Roberto Silvera (uruguaio)
Cartões amarelos: Torres e Cuevas (A); Domingos, Marcelo e Zé Roberto (S).

AMÉRICA-MEX
Ochoa; Cervantes, Baloy, Iñigo (Cabañas), Rojas, Torres, Peña, Mosqueda (Blanco), Infante, Pérez e Cuevas.
Técnico: Luis Fernando Tena

SANTOS
Fábio Costa; Domingos, Marcelo e Ávalos; Alessandro, Rodrigo Souto (Rodrigo Tabata), Maldonado, Cléber Santana, Zé Roberto e Kléber; Marcos Aurélio (Pedrinho).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos empata com América e joga por vitória simples na Vila

O Santos empatou por 0 a 0 com o América, na noite desta quarta-feira, na Cidade do México, e precisa de uma vitória simples no jogo da volta para assegurar vaga nas semifinais da Taça Libertadores da América.

As duas equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro. Os mexicanos ficam com a vaga se a partida terminar empatada, mas desde que aconteçam gols. Nova igualdade por 0 a 0 levará a decisão para os pênaltis.

Nunca uma equipe brasileira foi eliminada por uma mexicana em um mata-mata na Libertadores. Até hoje foram sete confrontos eliminatórios, todos com classificação dos times do Brasil.

O América não entrou com a sua formação principal esta noite, já que tem na quinta-feira um importante compromisso pelo campeonato local. Mas, mesmo assim, o técnico do Santos, Vanderlei Luxemburgo, disse que não esperava facilidades na partida.

“Já joguei algumas vezes com time reserva e não deixei de ganhar. Passei para os jogadores que esta é uma decisão e temos que vencer”, disse o treinador à TV Globo, antes da partida.

O jogo

Os dois times fizeram um jogo sem muitas emoções e criaram poucas jogadas ofensivas. As chances de gol foram raras durante a primeira etapa. O Santos entrou em campo com um sistema 3-6-1 com apenas Marcos Aurélio de atacante.

O Santos, como já prometia antes da partida, apostou em chutes de longe. Aos 17min, o meio-campista Cléber Santana arriscou de fora, mas a bola subiu muito e passou longe do gol. Aos 28min foi a vez de Marcos Aurélio tentar, mas o goleiro Ochoa pegou.

A melhor chance do time brasileiro foi aos 32min. Kléber fez boa jogada na esquerda e chutou, mas a bola bateu na zaga mexicana, que afastou de qualquer maneira. O América respondeu sete minutos depois. Após boa jogada pela esquerda, Mosqueda desviou e obrigou Fábio Costa a fazer boa intervenção.

O panorama de poucas emoções não mudou na segunda etapa, apesar de o time mexicano ter tomado uma atitude mais ofensiva, com a entrada dos atacantes Blanco e Cabañas. O Santos procurou apenas explorar os contra-ataques e levou pouco perigo ao gol defendido por Ochoa.

O América teve a sua melhor chance para abrir o placar aos 36min, quando Cuevas fez boa jogada pela esquerda, ganhou disputa com a zaga e chutou forte, mas Fábio Costa defendeu.

Rápido no contra-ataque, o time brasileiro respondeu um minuto depois. Após belo passe de Kléber, Rodrigo Tabata recebeu bola na área e girou em cima do zagueiro, mas chutou fraco para fácil defesa do goleiro adversário.

O Santos volta a jogar agora no próximo sábado, quando encara o América-RN, na Vila Belmiro, pelo Campeonato Brasileiro.