Navegando Posts marcados como Paysandu

Paysandu 1 x 1 Santos

Data: 28/11/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 43ª rodada
Local: Estádio do Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 24.385
Renda: R$ 284.174,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (PE)
Cartões amarelos: Alexandre Fávaro, Lecheva, Alexandre, Ernani e Leonardo (P); Ávalos, Antonio Carlos e André Luiz (S).
Gols: Alonso (07-1); William (35-2).

PAYSANDU
Alexandre Fávaro; Maurinho, Alex Pinho, Flávio Tanajura e Alonso; Lecheva, Sandro, Alexandre e Ernani (Luis Fernando); Zé Augusto e Leonardo (Balão)
Técnico: Vágner Benazzi

SANTOS
Mauro; Ávalos, Antônio Carlos (Marcinho) e André Luiz; Flávio, Fabinho (William), Zé Elias (Paulo César), Ricardinho e Léo; Deivid e Basílio
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos empata com o Paysandu, mas segue próximo do Atlético-PR

O Santos “apenas” empatou por 1 a 1 com o Paysandu, neste domingo, no estádio Mangueirão, em Belém (PA), e perdeu a chance de assumir a liderança do Campeonato Brasileiro. O time paulista saiu atrás no placar, mas o atacante William, aos 35min do segundo tempo, igualou.

A equipe de Vanderlei Luxemburgo, no entanto, foi favorecida pelo empate do líder Atlético-PR, que ficou no 3 a 3 com o Grêmio, em Erechim (RS), após estar vencendo a partida por 3 a 0. Se tivesse vencido, o Santos seria líder, pois superaria o Atlético-PR no número de vitórias.

Antes de chegar à igualdade, o Santos desperdiçou um pênalti e teve dois gols anulados. Com o resultado, o Santos permanece na vice-liderança, com 80 pontos –dois a menos do que o Atlético-PR.

Restando três rodadas para o fim da competição, o Santos não poderá mais contar com o apoio integral de sua torcida, já que foi punido pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) com a perda de mandos de campo e terá de jogar seus jogos restantes longe da Vila Belmiro.

No próximo domingo (dia 5 de dezembro), os santistas irão enfrentar o Grêmio, em São José do Rio Preto (SP), no estádio Benedito Teixeira, o Teixeirão. No dia 12, pegam o São Caetano, no ABC, e no dia 19 encerram sua participação contra o Vasco em local ainda a definir.

Com a partida deste domingo, o Santos completou 43 dias sem atuar na Vila Belmiro. A última partida em casa foi no dia 16 de outubro, quando venceu a Ponte Preta por 4 a 0.

Já o Paysandu, que agora não ganha há seis rodadas, chegou aos 49 pontos e não afastou o fantasma da zona de rebaixamento. Os paraenses recebem o desesperado Guarani no dia 5.

O jogo

Dentro de campo, os problemas de Luxemburgo começaram pelas ausências do atacante Robinho, com problemas pessoais, e dos meias Preto Casagrande, suspenso, e Elano, machucado. Os desfalques foram sentidos logo no início do primeiro tempo.

Aos 7min, após uma bela jogada pela direita, com direito até a “drible da vaca” sobre seu marcador, o atacante Leonardo cruzou na medida para o lateral Alonso, já dentro da área, marcar de cabeça: 1 a 0.

Um minuto depois, Basílio deu o troco, também de cabeça, após cruzamento da esquerda, mas o juiz anulou o gol, aceitando a marcação de impedimento do auxiliar.

A melhor chance do Santos chegar ao empate aconteceu aos 14min, quando Alexandre Fávaro derrubou o atacante Deivid dentro a área e o árbitro assinalou pênalti. O goleiro paraense ainda levou cartão amarelo pela falta.

Alexandre Fávaro defendeu a primeira cobrança de Deivid, caindo no canto direito. O santista ainda pegou o rebote e marcou, mas o juiz mandou voltar, alegando invasão dos jogadores do Paysandu. Ai foi a vez do goleiro paraense voltar a brilhar na segunda cobrança, dessa vez no canto esquerdo.

No segundo tempo, o Santos voltou a errar nas finalizações. E quando marcava não valia. Assim como na etapa inicial o juiz anulou um gol, dessa vez de William, alegando impedimento, aos 18min.

Mas aos 35min, o insistente William mudou a história ao aproveitar, agora em condição legal, o cruzamento da esquerda do meia Ricardinho: 1 a 1.


Data: 01/08/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 1º turno – 20ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em São Paulo, SP.
Público: 12.960
Renda: 160.716,00
Árbitro: Antonio
Cartões amarelos: Léo e Deivid (S) e Hernani (P).
Gols: Robinho (11-1), Elano (15-1), Ricardinho (42-1) e Robinho (45-1); Basílio (18-2) e Fabinho (38-2).

SANTOS
Tápia, Flávio, Ávalos, Domingos e Léo (Márcio Careca); Fabinho, Bóvio (Basílio), Ricardinho e Elano (Marcinho); Deivid e Robinho.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

PAYSANDU
Paulo Musse, Alex Pinho, Flávio Tanajura e Júlio Santos; Alonso, Wilson Surubim, Bebeto Campos, Hernani (Jobson) e Carabina (Maurílio); Cláudio (Vinicius Carioca) e Leonardo.
Técnico: Givanildo.



Robinho brilha, e Santos goleia e mantém liderança

Robinho jogou neste domingo pela primeira vez uma partida oficial com chuteiras douradas. E brilhou como seu calçado. Foi a estrela do Santos, líder isolado do Brasileiro e time com o melhor ataque, 47 gols, mesmo sem Diego.

Neste domingo, na goleada de 6 a 0 sobre o Paysandu –a maior do time na competição–, em sua primeira partida depois da transferência do amigo para o Porto, o atacante voltou a marcar gols e a dar dribles como as pedaladas consagradoras no título de 2002.

Marcou duas vezes e, de acordo com o Datafolha, foi o atleta que mais finalizou (seis vezes) e o segundo jogador mais acionado na partida. Junto com Deivid, foi o principal driblador do jogo, com seis fintas certas.

A festa só não foi completa porque no final do jogo Robinho caiu depois de tentar uma bicicleta. Ele machucou o braço e foi para um hospital fazer exames –segundo os médicos santistas, ele só teve um leve edema e não é dúvida para os próximos jogos.

O atacante abriu o placar logo aos 11min. O lateral Flávio, sob pressão, deu um chutão para frente. Júlio Santos e Flávio Tanajura se atrapalharam e, entre eles, Robinho dominou a bola, tirou o goleiro da jogada e chutou de direita, para voltar abrir o placar.

Aos 15min, Flávio cruzou com precisão da direita. Elano subiu livre e, de cabeça, tocou no canto direito do goleiro, para ampliar a vantagem santista.

A primeira finalização do Paysandu foi só aos 27min, com Júlio Santos, de cabeça. Àquela altura, o técnico Givanildo Oliveira já havia colocado no aquecimento dois jogadores –Jóbson, que estava no banco por causa de uma virose, e Maurinho.

As alterações, ainda no primeiro tempo, fizeram o time paraense melhorar e pressionar o Santos, que explorar os contra-ataques. Mas a reação durou pouco tempo.

A três minutos do final do primeiro tempo, Bóvio lançou Deivid na direita. O atacante avançou em velocidade e cruzou para Robinho. O artilheiro do Santos deixou a bola passar, enganando a zaga do Paysandu, que não acompanhou Ricardinho. O meia ficou livre, de frente para o gol e tocou à esquerda, sem chance para o goleiro Paulo Musse.

Mas o Santos queria mais antes do intervalo. No minuto final, Flávio lançou Deivid pela direita. A bola estava mais para o zagueiro Alex Pinho, que furou. O atacante santista então foi à linha de fundo e cruzou para Robinho, de cabeça, marcar o quarto gol.

No segundo tempo, Vanderlei Luxemburgo deixou o time ainda mais ofensivo, com a entrada de um terceiro atacante (Basílio) no lugar do volante Bóvio.

E o reserva deixou sua marca. Em um contra-ataque, aos 18min, Deivid cruzou da direita e achou Basílio sozinha na área. Ele matou no peito e encheu o pé, para marcar o quinto gol santista.

Aos 38min, foi a vez de Fabinho experimentar de fora da área. A bola tocou na trave e nas costas de Paulo Musse antes de entrar.

“Temos feito a nossa parte. Quem está atrás vai ter de torcer contra a gente”, festejou Robinho.

Santos 2 x 0 Paysandu

Data: 20/08/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.631 pagantes
Renda: R$ 41.458,00
Árbitro: Antônio Hora Filho (SE)
Auxiliares: Renilson Nunes Freire (SE) e Almidrovando da Silva Lima (SE).
Cartões amarelos: André Luís e Val Baiano (S); Borges Neto e Zé Augusto (P).
Gols: Alex (17-2) e Diego (19-2, de pênalti).

SANTOS
Fabio Costa; Reginaldo Araújo (Val Baiano), André Luís, Alex, e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego; Robinho (Jerri) e Fabiano.
Técnico: Emerson Leão

PAYSANDU
Carlos Germano; Borges Neto, Jorginho (Lima), André Dias e Luís Fernando; Vanderson, Sandro (Jairo), Magnum e Vélber (Lecheva); Zé Augusto e Aldrovani.
Técnico: Ivo Wortmann



Diego comanda vitória do Santos sobre o Paysandu

Diego ficou. E decidiu o jogo do Santos contra o Paysandu, nesta quarta-feira à noite, na Vila Belmiro. Pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, o time paulista bateu o paraense por 2 a 0.

Foi o primeiro jogo do Santos após a tentativa fracassada do Tottenham, da Inglaterra, em contratar o meia Diego. Mostrando que não ficou abalado com as negociações, o camisa dez mostrou muita vontade em campo e bom futebol.

Foi dos pés de Diego que partiu o cruzamento, em cobrança de escanteio, para Alex marcar o primeiro gol da partida. E o próprio meia sofreu pênalti e converteu, fechando o placar na Vila Belmiro.

Com a vitória, o Santos voltou a se aproximar do Cruzeiro, líder do Brasileirão. O time mineiro, que empatou com o Coritiba por 2 a 2, tem 52 pontos, contra 51 do Santos. O São Paulo, em terceiro lugar, tem 50. Já o Paysandu fica com 33.

Susto

O começo do jogo foi um sufoco para o Santos. Aos 6min, a bola foi cruzada da direita e Vélber chegou um pouco atrasado, tocando por cima do gol. Dois minutos depois, o mesmo Vélber ficou livre pela esquerda, cortou um zagueiro e bateu. Fábio Costa fez boa defesa.

O Santos acordou a partir dos 10min, após cobrança de falta de Alex, Carlos Germano espalmou para escanteio. O Paysandu começou a recuar, enquanto o time alvinegro tomou conta do jogo.

Bem em campo, o Santos parou novamente no goleiro Carlos Germano aos 24min. Diego fez boa jogada e passou para Robinho, na direita. O atacante chegou batendo de primeira, no canto, mas o goleiro do Paysandu espalmou.

Mesmo mantendo-se no campo de ataque, o Santos foi perdendo força. Assim, a equipe paulista passou a cercar o Paysandu, chegar até a área adversária, mas não ameaçar mais o gol paraense no primeiro tempo.

O segundo tempo começou como o primeiro, com o Paysandu perdendo um gol. Aos 4min, Zé Augusto avançou livre com a bola e bateu forte. Fábio Costa novamente fez ótima defesa, espalmando para escanteio.

A zaga santista não se encontrou e o time visitante teve outra boa chance aos 9min. Vélber fez jogada pela direita e virou o jogo para Magnum. Pela esquerda, o meia bateu forte da entrada da área, mandando por cima do gol.

A resposta santista aconteceu no mesmo minuto. Diego ganhou da zaga, invadiu a área e bateu forte, mas para fora do gol. Novamente os donos da casa passaram a controlar o jogo, com a bola cruzando a área do Paysandu.

Desta vez, porém, o Santos marcou. Aos 17min, Diego cobrou escanteio pela direita e Alex, de cabeça, abriu o placar. Dois minutos depois, Diego sofrou pênalti duvidoso. Ele mesmo cobrou e ampliou a vantagem santista.

Com os 2 a 0 no placar, o Santos diminuiu o ritmo, mesmo com o Paysandu jogando mais aberto. A equipe visitante ainda tentou pressionar nos cinco minutos finais, mas o time alvinegro controlou bem a partida até o final.

Paysandu 2 x 1 Santos

Data: 09/04/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada (* jogo adiantado)
Local: Estádio Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 24.905
Árbitro: Luciano Augusto Almeida (DF)
Cartões amarelos: Sandro, Jorginho, Robson e Vânderson (P); Léo, Elano, Diego, Ricardo Oliveira e Alex (S).
Gols: Robinho (38-1); Welber (02-2) e Welber (31-2).

PAYSANDU
Marcão, Rodrigo (Gino), Jorginho, Sérgio e Luís Fernando; Sandro (Lecheva), Vânderson, Bruno e Iarley; Robson e Welber (Magnum).
Técnico: Darío Pereyra

SANTOS
Fábio Costa, Reginaldo Araújo (William), Alex, André Luís e Léo (Rubens Cardoso); Paulo Almeida, Renato, Diego e Elano (Fabiano); Robinho e Ricardo Oliveira.
Técnico: Emerson Leão

* O jogo foi antecipado para evitar conflito com a tabela da Libertadores.



Sensação da Libertadores, Santos perde em Belém e continua sem vencer no Brasileiro-2003

Com dois gols do artilheiro Vélber, o Paysandu quebrou o jejum de vitórias no Campeonato Brasileiro e venceu o Santos por 2 a 1, de virada, no estádio Mangueirão, em Belém.

A partida desta quarta-feira foi antecipada da quarta rodada, já que as duas equipes estão envolvidas na disputa da Copa Libertadores da América.

Foi a primeira vitória do Paysandu no Brasileiro. A equipe, que chega agora a quatro pontos, vinha de um empate por 2 a 2 com o Goiás, fora de casa, e de uma derrota por 2 a 1 para o Vitória, em casa.

Já o Santos, atual campeão brasileiro, continua sem vencer e permanece com dois pontos ganhos. A equipe santista empatou os dois jogos que disputou anteriormente, por 2 a 2, com o Paraná, em casa, e em seguida com o Atlético-MG, por 0 a 0, fora.

As duas equipes voltam a campo no sábado, pela terceira rodada do Brasileiro. O Santos buscará a reabilitação diante do Figueirense, às 16h, na Vila Belmiro, em Santos. Já o Paysandu terá pela frente o Corinthians, às 18h, no Pacaembu, em São Paulo.

O jogo

A partida começou equilibrada, mas o Santos procurou mais o ataque, principalmente na velocidade da dupla Diego e Robinho.

Aos 9min, o time santista quase marcou. Diego cobrou escanteio e a zaga afastou. No rebote, Renato dominou e bateu com violência, mas a bola saiu à direita do gol defendido por Marcão.

Em contra-ataque rápido, aos 17min, Elano ficou cara a cara com Marcão, mas não conseguiu dominar e a bola sobrou limpa para o goleiro.

Aos 25min, mais uma boa jogada do Santos. Diego recebeu na entrada da área e, mesmo com Ricardo Oliveira sozinho, bateu para o gol. O chute saiu fraco, em cima de Marcão.

A primeira boa chance do Paysandu aconteceu aos 27min. O perigoso meia Iarley foi lançado dentro da área, pela direita, mas foi travado por Léo e bateu pela linha de fundo.

De tanto pressionar, o Santos abriu o placar aos 38min. Reginaldo Araújo tabelou com Ricardo Oliveira e foi derrubado dentro da área. A bola sobrou para Robinho, livre, tocar para o gol e marcar pela segunda vez no Brasileiro.

O Paysandu quase empatou aos 42min. Sandro cobrou falta com violência, no canto esquerdo. Fábio Costa se esticou e conseguiu fazer a defesa, desviando para escanteio, na última chance de gol do primeiro tempo.

Apoiado pela sua torcida, o Paysandu empatou logo no primeiro minuto do segundo tempo. Rodrigo fez boa jogada pela direita e cruzou. Robson errou na primeira, mas na segunda conseguiu tocar para Vélber, que desviou para as redes.

Depois do gol, a partida ficou feia, truncada, com muitas divididas e faltas violentas. O Santos se perdeu em campo, errando muitos passes, enquanto o Paysandu se mostrou tímido no ataque.

O reflexo disso foi que, em apenas 16min, o árbitro Luciano Augusto Almeida mostrou cinco cartões amarelos (três para o Santos e dois para o Paysandu). Em todo o primeiro tempo, foram distribuídos apenas três cartões, dois para o Paysandu e um para o Santos.

Aos 21min, o Paysandu, mais acertado em campo, criou boa chance. Robson invadiu a área pela esquerda e bateu cruzado. Fábio Costa espalmou para escanteio.

O Santos quase marcou aos 30min. Ricardo Oliveira cobrou falta, a bola desviou na barreira e saiu pela linha de fundo. Marcão ficou “vendido” no lance.

Mas depois da cobrança de escanteio, saiu o gol da virada paraense. Em contra-ataque rápido, pela esquerda, Vélber recebeu na entrada da área. O meia chutou rasteiro, no canto esquerdo, por baixo de Fábio Costa, marcando seu quarto gol no Brasileiro e assumindo a artilharia isolada da competição.

Aos 36min, o time da casa perdeu grande oportunidade de ampliar. Depois de cruzamento, Robson ficou livre para cabecear, mas tocou pela linha de fundo.

Mesmo em desvantagem no placar, o Santos não conseguiu chegar ao ataque. Aos 41min, a equipe santista criou boa chance, mas Robinho chutou fraco, em cima de Marcão, que fez a defesa e garantiu a primeira vitória do Paysandu no Brasileiro.


Paysandu 2 x 1 Santos

Data: 23/10/2002, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 20ª rodada
Local: Estádio do Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 34.023
Renda: N/D
Árbitro: Antonio Pereira da Silva (GO)
Cartões amarelos: Sandro, Márcio e Jóbson (P); Alberto e Robert (S).
Cartão vermelho: Diego (S).
Gols: Zé Augusto (11-1) e Elano (13-1); Vandick (42-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho (Pereira), Preto, André Luis e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Wellington) e Robert (Bernardi); Diego e Alberto.
Técnico: Emerson Leão

PAYSANDU
Marcão; Marcos, Gino, Márcio e Souza; Sandro (Vandick), Vânderson, Jóbson e Wélber (Valdomiro); Zé Augusto e Balão (Albertinho)
Técnico: Hélio dos Anjos


Em jogo tumultuado, Santos perde do Paysandu em Belém

Em uma partida que terminou de forma tumultuada, o Paysandu venceu o Santos por 2 a 1, hoje, estádio Mangueirão, em Belém do Pará, pelo Campeonato Brasileiro. Foi a terceira derrota consecutiva do Santos, que tem 32 pontos. O Paysandu, que briga para sair do rebaixamento, tem 22.

A confusão começou aos 42min do segundo tempo, quando Jóbson lançou Vandick, que marcou o segundo gol do Paysandu. Os jogadores reclamaram muito de impedimento -que não existiu- e partiram para cima do auxiliar.

Os policiais correram para protegê-lo. Na confusão, o zagueiro Preto levou uma forte pancada na cabeça, caiu sangrando em campo e precisou ser levado de ambulância para fora do estádio. O técnico Émerson Leão foi atingido por gás de pimenta nos olhos. A partida ficou interrompida por 28 minutos.

O começo do primeiro tempo foi muito movimentado. Logo a 1min, o lateral-esquerdo Léo derrubou Balão dentro da área e o árbitro goiano Antonio Pereira da Silva marcou a penalidade.

Para sorte do Santos, Jóbson cobrou muito fraco, no canto esquerdo de Júlio Sérgio, que defendeu com facilidade.

Apesar da chance desperdiçada, o Paysandu não desanimou e continuou buscando o primeiro gol da partida. Aos 11min, o lateral-direito Marcos cruzou da direita, Júlio Sérgio não conseguiu afastar e a bola sobrou para Zé Augusto, que completou de pé esquerdo com o gol vazio.

Mas o Santos não demorou muito para chegar ao empate. Dois minutos depois, Robert, que substituiu o suspenso Robinho, cruzou na cabeça de Preto, que ajeitou para Elano, completamente livre, tocar de cabeça.

O Paysandu foi perigoso no primeiro tempo, mas os erros de passe impediram a equipe paraense de chegar com mais frequência ao ataque.

Aos 38min, o Santos perdeu Diego. Ele revidou uma entrada de Sandro com um pontapé. O árbitro viu e colocou o meio-campista santista para fora da partida.

Com um jogador a menos, o Santos passou o segundo tempo inteiro se defendendo. O Paysandu, apesar de dominar a partida, errava muito os passes e não conseguia chegar na área do adversário.

Aos 42min, o Paysandu fez o gol que que lhe garantiu os três pontos -e criou todo o tumulto.



Fontes: Folha de São Paulo e Revista Lance.