Navegando Posts marcados como Marcelo Silva

Santos 3 x 2 São Paulo

Data: 07/04/2002
Competição: Torneio Rio SP
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 9.762
Renda: R$ 89.620,00
Árbitro: Romildo Correa (SP)
Cartões amarelos: Reginaldo, Reinaldo, Kaká e Belletti (SP); Léo, Odvan e Renato (S).
Gols: Marcelo Silva (06-1), Michel (37-1); Reginaldo (13-2), França (25-2) e Preto (46-2).

SANTOS
Fábio Costa; Preto, Odvan e André Luis; Michel (Wellington), Marcelo Silva, Renato, Esquerdinha (Willian) e Léo; Diego e Douglas (Robinho).
Técnico: Celso Roth

SÃO PAULO
Rogério; Gabriel (Belletti), Reginaldo, Jean e Gustavo Nery; Maldonado (Júlio Batista), Fábio Simplício, Souza e Kaká (Lúcio Flávio); França e Reinaldo.
Técnico: Nelsinho Baptista



Santos vence e segue com chances; São Paulo se complica

Com um gol de Preto de cabeça, aos 46min do segundo tempo, o Santos bateu por 3 a 2 o São Paulo, em clássico muito disputado na Vila Belmiro e segue com chances matemáticas de classificação à semifinal do Rio-São Paulo.

Com a vitória, o time santista passa a somar 22 pontos ganhos, contra 24 de Fluminense e Vasco, terceiro e quarto colocados, respectivamente, e 23 do São Paulo, agora no quinto lugar e fora da zona de classificação.

O time do Morumbi agora não depende apenas de si para conquistar a vaga. Precisa vencer o seu jogo contra o Americano e torcer por um tropeço de Fluminense ou Vasco. Pior: foi a sua terceira derrota em clássicos no Rio-SP. Antes, havia perdido para o Palmeiras por 4 a 2, e para o Corinthians, por 3 a 1.

Marcelo Silva, Michel e Preto fizeram os gols dos santistas. Reginaldo e França descontaram.

No primeiro tempo, o São Paulo não conseguiu fugir à forte marcação exercida pelos jogadores santistas. Sem espaço para tocar a bola, os são-paulinos começaram a se irritar e a cometer faltas duras para conter os velozes contra-ataques do adversário.

A tática de explorar a irritação dos torcedores santistas, que costumam vaiar quando o time da casa enfrenta dificuldades em campo, acabou não dando certo, pois o gol do Santos saiu logo no início da partida.

Aos 6min, Diego bateu falta pela direita e cruzou na área. Marcelo Silva, mesmo marcado por Gustavo Nery, conseguiu cabecear e mandou no canto esquerdo baixo da meta de Rogério Ceni.

A equipe santista continuou melhor e criou algumas boas chances para ampliar depois de velozes contra-ataques. Aos 29min, o goleiro são-paulino fez defesa espetacular em cabeçada à queima-roupa de Douglas, totalmente livre na área.

Aos 37min, o lateral Michel arriscou um chute da intermediária e levou sorte. A bola desviou em Jean e entrou no ângulo superior direito de Rogério Ceni, que não teve chances de defesa.

Já na etapa complementar, o São Paulo beneficiou-se com a entrada de Julio Batista no ataque no lugar de Maldonado e com o cansaço dos santistas, que não conseguiram repetir a forte marcação do primeiro tempo e passaram a dar espaços à equipe adversária.

Depois de várias oportunidades seguidas, Souza bateu escanteio e Reginaldo subiu para cabecear, diminuindo o marcador, aos 13min: 2 a 1. Aos 25min, depois de mais um escanteio batido, França, do lado oposto da área, ajeitou no peito e fuzilou, sem chances de defesa para Fábio Costa, deixando tudo igual.

O São Paulo continuou pressionando, mas falhou nas finalizações. Para piorar, sofreu um duro castigo nos acréscimos da partida. Aos 46min, Diego bateu falta e Preto desviou de cabeça, encobrindo o goleiro Rogério Ceni e fazendo 3 a 2, para delírio da torcida santista.


Santos 2 x 0 Flamengo

Data: 24/02/2002, domingo, 16h00.
Competição: Torneio Rio SP
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.525 pagantes
Renda: N/D
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS)
Cartões amarelos: Michel, Odvan e William (S); Leandro Ávila e Valnei (F).
Gols: Oséas (17-1) e Marcelo Silva (12-2).

SANTOS
Fábio Costa; Odvan, Preto e Cléber; Michel (Renato), Paulo Almeida, Marcelo Silva, Robert (Esquerdinha) e Léo; Oséas e William (Diego).
Técnico: Celso Roth

FLAMENGO
Júlio César; Rocha, Juan, Valnei e Athirson; Leandro Ávila, Leonardo (Felipe Melo) (Edmílson), Beto e Juninho; Andrézinho (Roma) e Leandro Machado.
Técnico: João Carlos



Oséas desencanta, Santos vence e Fla segue acumulando fracassos

Demorou 467 minutos, mas Oséas finalmente desencantou. O atacante marcou seu primeiro gol no Santos neste domingo, na vitória de 2 a 0 sobre o Flamengo, pelo Torneio Rio-São Paulo. O outro foi marcado pelo volante Marcelo Silva.

Enquanto os paulistas chegaram aos 13 pontos e encostaram na zona de classificação, os cariocas se mantiveram com apenas 2 e só estão à frente de Americano e América neste regional.

Além disso, o clube da Gávea chegou à 14ª partida sem vitória, contando também jogos da Copa Mercosul e Taça Libertadores. O último triunfo foi no dia 2 de dezembro, quando impôs 2 a 0 no Palmeiras, resultado que evitou o rebaixamento para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

O jogo
A partida até começou equilibrada, com as duas equipes chegando ao gol adversário, mas aos 17min o Santos abriu o placar. Em cobrança de falta pela direita, Robert levantou para a área e Oséas, de cabeça, desviu para acabar com o jejum de gols.

Até o final do primeiro tempo, o Flamengo só criou uma boa chance para marcar. Aos 36min, Athirson desceu pela esquerda e cruzou forte. A bola passou pela área santista, Leandro deu um carrinho, mas não alcançou.

Aos 42min, Oséas quase marcou mais um. O centroavante recebeu de Robert na área, dominou e chutou forte. A bola explodiu na trave.

Os anfitriões, aproveitando a desorganização tática e a apatia do adversário, dominaram completamente a segunda etapa. Aos 12min, em mais um lance de bola parada envolvendo Robert, desta vez em cobrança de escanteio, Marcelo Silva se antecipou e tocou de cabeça para também fazer seu primeiro gol no regional.

A partir dali o Santos valorizou a posse de bola e passou a investir nos contra-ataques. Em um desses, Oséas lançou Robert, o meia invadiu a área sozinho, ficou cara a cara com o goleiro Júlio César, mas chutou para fora.

O Flamengo, mesmo depois das três alterações feitas pelo técnico João Carlos, não ameaçou acabar com o 100% de aproveitamento do Santos em jogos na Vila neste ano.

Antes da partida deste domingo, o time paulista já havia derrotado América (3 a 0), Corinthians (1 a 0) e São Caetano (2 a 1), pelo Rio-São Paulo, e Ji-Paraná (4 a 2), na Copa do Brasil.



Santos defende campanha 100% na Vila Belmiro ( Em 24/02/2002 )

Apesar da campanha irregular no Torneio Rio-São Paulo, o Santos busca hoje contra o Flamengo manter o seu aproveitamento de 100% nos jogos disputados na Vila Belmiro. A equipe venceu todas as partidas oficiais que disputou em casa neste ano. Pelo interestadual, foram três vitórias, contra América-RJ, Corinthians e São Caetano.

Fora de casa, no entanto, a equipe teve um aproveitamento de apenas 11,11% em seus outros três jogos. Conseguiu apenas um empate no clássico com a Lusa (1 a 1), no estádio do Canindé.

Na Copa do Brasil, o Santos goleou por 4 a 2 o Ji-Paraná na partida de volta. Não havia passado, no entanto, de um empate sem gols no jogo em Rondônia.

“Temos que atingir um equilíbrio maior, continuar com esse aproveitamento na Vila e melhorar o nosso desempenho fora”, afirmou o técnico Celso Roth.

Ele adotou cautela, no entanto, ao falar do índice máximo de aproveitamento em casa. Afinal, no ano passado, ele viu o Palmeiras declinar após um excelente começo no Brasileiro.

“É cedo para falar em 100%. Falta muita coisa ainda. Nós precisamos de uma organização melhor, uma qualidade técnica maior. Estamos iniciando o trabalho”, afirmou o treinador.

A semana selou a recuperação de jogadores contundidos que preocupavam Roth. Ele terá todo o elenco à sua disposição.

Oséas, que sofreu uma contusão na clavícula na segunda partida com o Ji-Paraná e desfalcou a equipe contra o São Caetano, na última rodada, treinou toda a semana e é nome certo para hoje.

O atacante Willian, que foi substituído no jogo contra a equipe do ABC devido a dores na coxa esquerda, e o zagueiro Preto, que terminou a partida sentindo uma lesão no tornozelo esquerdo, chegaram a ser poupados do coletivo da última quarta-feira, o primeiro da semana.

Nos treinos do dia seguinte, ambos treinaram e garantiram vaga na equipe titular.

Roth, que não confirmou a escalação, deve repetir hoje a mesma formação que usou contra o São Caetano, à exceção do meia Esquerdinha, que fora improvisado como atacante na última partida. Ele deve começar na reserva para dar lugar a Oséas. O atacante buscou ontem novamente minimizar o fato de não ter conseguido fazer nenhum gol ainda com a camisa do Santos.

“Às vezes, as pessoas se preocupam tanto por eu não ter feito gol que se esquecem de comemorar a vitória do Santos”, disse Oséas.

Willian, artilheiro da equipe no Rio-São Paulo -quatro gols-, acredita que, mesmo sem marcar, Oséas deverá ser a maior preocupação da zaga do Flamengo.

“As atenções vão ficar voltadas para ele, que é um jogador mais experiente e que a qualquer momento pode decidir a partida. Com isso, vou ter um pouco mais de espaço para jogar”, afirmou.

Time paulista vai atacar com cautela

Ter cautela com os jogadores do Flamengo, mas sem deixar de atacar. Essa será a estratégia do Santos hoje, segundo o meia Robert, um dos responsáveis por orientar os novatos do time.

“O Flamengo tem muita qualidade individual. Tanto o Juninho, como o Leonardo e o Athirson são jogadores que podem decidir a partida. É um jogo importante e temos que forçar muito a marcação em cima deles”, disse.

Sobre a opção de jogar com três zagueiros, que tem rendido críticas da torcida por ser considerada muito defensiva, o técnico Roth afirmou que, no momento, não pensa em alterar essa tática.

“Não sou apenas eu quem está jogando com esse esquema. Começamos com o 4-4-2 e viemos jogando com o 3-5-2. Até o momento, esse é o esquema que vem dando resultado”, disse.

Sem Petkovic, Flamengo tenta quebrar jejum

Sem o atacante Petkovic, o Flamengo tentará hoje, diante do Santos, quebrar um jejum de 14 jogos sem vitória para amenizar a crise que vem assolando o clube neste ano. O clima na equipe é tenso dentro e fora de campo.

Liberado pela diretoria durante a semana para viajar à Espanha a fim de resolver problemas particulares, Petkovic ficou três dias sem treinar e acabou vetado para o jogo.

A semana no clube foi marcada pela demissão de vários diretores, denúncias de corrupção e de protestos de torcedores contra o presidente Edmundo Santos Silva.

Para fugir desse clima tenso e da pressão da torcida, o grupo se refugiou em Cachoeiras de Macacu (a 98 km do Rio).

Em meio ao caos, uma boa notícia. O meia Beto, que retornou ao clube, deverá ser escalado no meio-campo em substituição a Petkovic.

Para tentar vencer, o técnico João Carlos decidiu alterar o esquema tático da equipe. Ele voltará a escalar dois atacantes (Andrezinho e Leandro Machado). O zagueiro Fernando, que se contundiu na partida contra o São Paulo, desfalca o time. O inexperiente Valnei entrará em seu lugar.

O Flamengo ocupa o 14º lugar no Torneio Rio-São Paulo, com apenas dois pontos. O time carioca não vence o Santos na Vila Belmiro desde 1976.


Santos 2 x 2 Vasco

Data: 02/12/2001, domingo, 15h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 27ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.466 pagantes
Renda: R$ 10.567,50
Árbitro: Lourival Dias Lima Filho (BA)
Cartões amarelos: Cléber, Marcelo Silva e Pereira (S); Gilberto (V).
Gols: Gilberto (34-1); Dedé (24-2); Marcelo Silva (31-2) e Válber (32-2).

SANTOS
Pitarelli; Russo (Valdir), Pereira, Cléber e Léo; Válber, Marcelo Silva, Canindé (Wiliam) e Robert (Vágner); Elano e Viola.
Técnico: Cabralzinho

VASCO
Hélton; Rafael (André Ladaga), Géder, João Carlos e Gilberto; Jamir (Ricardo), Donizete Oliveira, Fabiano Eller, Souza (Eli Tadeu); Dedé e Léo Lima.
Técnico: Paulo César Gusmão



Santos se despede do Brasileiro com empate contra o Vasco, na Vila

O Santos não passou do empate em 2 a 2 com o Vasco, neste domingo, na Vila Belmiro, na última rodada do Campeonato Brasileiro. A partida serviu apenas para cumprir tabela, já que nenhuma das duas equipes tinham chances de classificação nem corriam o risco de rebaixamento.

Os cariocas, mesmo sem Romário, surpreenderam e abriram o placar com Gilberto, cobrando pênalti, aos 34min. Na segunda etapa, Dedé aumentou a vantagem vascaína.

Os santistas reagiram e alcançaram o empate em dois minutos. Marcelo Silva marcou o primeiro, aos 31min, e Válber deixou tudo igual no placar, aos 32min.

As duas equipes agora entram em férias e só retornam às atividades no início de 2002, quando iniciarão os preparativos para a Liga Rio-São Paulo.

No Santos, a expectativa fica para a permanência ou não do meia-atacante Marcelinho. O presidente Marcelo Teixeira, reeleito ontem, confirmou que já iniciou as negociações para renovar o contrato do ex-corintiano.


Mogi Mirim 1 x 5 Santos

Data: 28/04/2001, sábado.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 15ª rodada (última)
Local: Estádio Wilson de Barros, em Mogi Mirim, SP.
Público e renda: Não divulgados
Árbitros: Luiz Edmar Remondine e Wilson Luiz Seneme.
Cartões amarelos: Everaldo, Jean e Fábio Paulista (MM).
Gols: Jó (08-1) e Elano (16-1); Dodô (12-2), Dodô (23-2), Marcelo Silva (33-2) e Dodô (41-2).

MOGI MIRIM
Mauro; Fábio Paulista, Marcelo Batatais e Zé Luiz; Alcir (Almir), Márcio, Marcelo Lopes (Ênio), Richardson e Everaldo; Jó e Sandro Gaucho (Dênis).
Técnico: Henrique Stort

SANTOS
Fábio Costa; Russo, Gálvan, Claudiomiro (André Luiz) e Michel; Rincón, Paulo Almeida, Renato e Elano (Marcelo Silva); Dodô e Deivid.
Técnico: Geninho



Santos goleia e pode ter vantagem na semifinal

Pela última rodada do Campeonato Paulista, o Santos goleou o Mogi Mirim por 5 a 1 e garantiu pelo menos o terceiro lugar na classificação geral do Campeonato Paulista. O resultado rebaixou o Mogi Mirim para a segunda divisão do Paulistão. Dodô foi o destaque da partida, marcando três gols. Elano e Marcelo Silva completaram a goleada santista. Jó fez o único gol do time do interior.

A outra semifinal será disputada entre Ponte Preta e Botafogo de Ribeirão Preto. A Ponte venceu o Rio Branco por 2 a 1 em Americana, enquanto o Botafogo fez 1 a 0 na Portuguesa em pleno Canindé.

A última rodada da primeira fase do Campeonato Paulista reservava muitas emoções para o torcedor. No jogo em Mogi Mirim, o Santos buscava uma melhor colocação e vantagens para as semifinais. Já a equipe da casa precisava vencer para fugir do rebaixamento. O jogo começou muito agitado, como era de se esperar.

Logo aos 8 minutos, o Mogi Mirim abriu o marcador. Jó foi lançado, invadiu a área e chutou na saída de Fábio Costa. Com 1 a 0 no placar, o time do interior teve chances para ampliar. Richardson cobrou falta na entrada da área e carimbou a trve do goleiro santista.

Apesar da pressão do Mogi, o Peixe conseguiu empatar a partida. Aos 16 minutos, Deivid cruzou da direita, Elano dominou na área, livrou-se da zaga e chutou forte, de pé esquerdo. Depois do empate do Peixe, o jogo tornou-se muito equilibrado.

A cada minuto, o empate deixava o Mogi mais nervoso. Aos poucos, o Santos aproveitava-se da maior responsabilidade do time da casa, dominado o jogo. No intervalo, o técnico interino do Mogi fez duas alterações na equipe e melhorou o time. O time do interior começou empolgado o segundo tempo. Aos 8 minutos, Jó invadiu a área e tocou para trás, Ênio, sozinho, chutou para fora. Como aconteceu no primeiro tempo, o Santos marcou quando o Mogi Mirim estava melhor. Aos 12 minutos, Russo chutou, o goleiro Mauro defendeu e soltou na pequena área. No rebote, Dodô completou para o gol.

Após marcar o segundo gol, o Peixe praticamente garantiu a vitória. O time de Mogi Mirim perdeu-se em campo e não trouxe mais problemas para o time de Geninho. Aos 23 minutos, Dodô foi lançado na área e ficou cara a cara com o goleiro do Mogi. O atacante tocou por cobertura e fez um golaço, marcando o terceiro gol santista.

Aos 33 minutos, o Peixe começou a goleada. Depois de um escanteio esquerda, Marcelo Silva subiu de cabeça e tocou para as redes do Mogi, sem chances para Mauro. A ratificação da vitória aconteceu aos 41 minutos, em outro gol de Dodô. O atacante cobrou um pênalti com muita categoria, colocando no canto direito de Mauro e comemorando o quinto gol. Pior para o Mogi Mirim, rebaixado para a segunda divisão do Paulistão.

Geninho elogia jovem Elano

Tudo bem que o adversário era o fraco Mogi Mirim, penúltimo colocado da primeira fase e rebaixado para a Série A-2, mas nem por isso o meia Elano deixou de ser elogiado pelo técnico Geninho. Na opinião do treinador santista, o titular Robert tem um reserva à altura no elenco. “Ele mostrou personalidade em um momento muito difícil da partida. Aliás, já esperava isso dele. Eu confiava no seu futebol”.

Elano, de 19 anos, afirmou na véspera do jogo que seu pai, santista roxo, não iria ao estádio porque “fica sempre muito nervoso”. Mas responsabilidade maior do que defender o time do coração do pai, era substituir o “selecionável” Robert, que foi poupado por sentir dores nas costelas. “Poder entrar no lugar de um jogador de Seleção é um fardo grande. Mas eu trabalho justamente para isso. Acho que cumpri meu papel”, disse o moleque. Pelo menos uma sombra o craque Robert já tem.

Geninho vai ‘prender’ jogadores fora de Santos

Com a definição do Corinthians como adversário da semifinal, o técnico do Santos, Geninho, já avisou a diretoria do Santos que vai levar os jogadores para o interior paulista.

A idéia do treinador é manter o time concentrado durante toda a semana fora do agito e pressão da cidade de Santos. Poços de Caldas, em Minas, é uma das opções. A definição vai sair até segunda-feira.

Geninho comentou ainda que só aceitará enfrentar o Corinthians no Pacaembu com uma condição. “Se tivermos a outra partida na Vila Belmiro, porque todos sabem que o Pacaembu é campo deles”, afirmou. “O mais certo é fazer as duas partidas no Morumbi”, completou.

União Barbarense 1 x 5 Santos

Data: 11/02/2001, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Antônio Lins Ribeiro Guimarães, em Santa Barbara d’Oeste, SP.
Público: 7.049 pessoas
Renda: não divulgada
Árbitros: Romildo Corrêa e Rogério Pereira Pires.
Cartões amarelos: Émerson, Bira, Marquinhos e Renan (B); Rodrigão (S).
Gols: Rodrigão (42-1); Dodô (05-2), Marcelo Silva (15-2), Mauro (20-2), Rodrigão (21-2) e Deivid (40-2).

UNIÃO BARBARENSE
Zetti; Válder, Toninho e Émerson; Marquinhos (Luciano), Eduardo, Agnaldo, Bira (Paulo Santos) e Renan; Johnson (Júnior Ferreira) e Mauro.
Técnico: Luís Carlos Martins

SANTOS
Fábio Costa; Pereira, Galván e Marcelo Silva (Paulo Almeida); Russo, Claudiomiro, Renato e Léo; Robert, Dodô (Deivid) e Rodrigão (Caíco).
Técnico: Geninho



Santos goleia Barbarense fora de casa

Com dois gols do atacante Rodrigão, o time do técnico Geninho não ligou para o forte calor e fez uma boa atuação.

Jogando bem apenas no segundo tempo, o Santos goleou neste domingo o União Barbarense, fora de casa, por 5 a 1, e entrou na briga pela liderança do Campeonato Paulista. O time está entre os primeiros colocados com nove pontos, o mesmo que a Portuguesa. A liderança é do Rio Branco, de Americana, que tem 10 pontos.

O próximo jogo do Santos é o clássico diante da Lusa, no sábado, às 16 horas, na Vila Belmiro. Antes disso, os santistas voltam ao campo na quarta-feira, às 21h40, no Rio, para jogar contra o Botafogo, partida de ida das semifinais do Torneio Rio-São Paulo.

O forte calor em Santa Bárbara d’’Oeste obrigou as equipes a iniciarem o jogo em um ritmo lento, preocupadas em poupar os jogadores. O lance mais polêmico da primeira etapa aconteceu aos 30 minutos, quando Robert invadiu a área em velocidade e foi derrubado pelo zagueiro Marquinhos. Para revolta dos santistas, o árbitro Romildo Correia não marcou a falta. Aos 32, Marquinhos, do União, acertou o travessão após cobrança de falta.

Enquanto isso, a presença dos atacantes passava despercebida. Até que aos 41 Rodrigão, aproveitando cruzamento de Renatinho pela direita, abriu o placar com um belo sem-pulo, de dentro da área.

A lentidão dos times continuou no início do segundo tempo. Apesar disso, o Santos tentava pressionar mais o adversário em seu campo de defesa. Logo aos 5, Dodô marcou o segundo do Santos cobrando falta no contra-pé de Zetti, que não esboçou reação.

O gol deu novo ânimo ao Santos e, consequentemente, à partida. Embalado, o time de Geninho partiu para cima do União. Aos 15, Marcelo Silva aproveitou uma sobra de bola na entrada da área e chutou forte para ampliar o marcador, no canto esquerdo de Zetti, que mais uma vez só ficou olhando. Aos 22, o mesmo Marcelo Silva cometeu pênalti ao cortar um cruzamento com o braço. O atacante Mauro cobrou e diminuiu para o time de Santa Bárbara.

No minuto seguinte, Robert, mais uma vez em dia inspirado, fez boa jogada pelo lado direito do ataque e cruzou. Novamente Rodrigão, bem posicionado no meio da área, fez o quarto dos santistas. Aos 40, Caíco lançou Robert, que tocou na saída de Zetti. O goleiro ainda desviou a bola, mas a sobra ficou com Deivid, que não desperdiçou, fazendo o quinto do Santos.



Fonte: http://acervo.folha.com.br/fsp/2001/02/12/20//7914