Navegando Posts marcados como Mangueirão

Paysandu 2 x 1 Santos

Data: 23/10/2002, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 20ª rodada
Local: Estádio do Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 34.023
Renda: N/D
Árbitro: Antonio Pereira da Silva (GO)
Cartões amarelos: Sandro, Márcio e Jóbson (P); Alberto e Robert (S).
Cartão vermelho: Diego (S).
Gols: Zé Augusto (11-1) e Elano (13-1); Vandick (42-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho (Pereira), Preto, André Luis e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Wellington) e Robert (Bernardi); Diego e Alberto.
Técnico: Emerson Leão

PAYSANDU
Marcão; Marcos, Gino, Márcio e Souza; Sandro (Vandick), Vânderson, Jóbson e Wélber (Valdomiro); Zé Augusto e Balão (Albertinho)
Técnico: Hélio dos Anjos


Em jogo tumultuado, Santos perde do Paysandu em Belém

Em uma partida que terminou de forma tumultuada, o Paysandu venceu o Santos por 2 a 1, hoje, estádio Mangueirão, em Belém do Pará, pelo Campeonato Brasileiro. Foi a terceira derrota consecutiva do Santos, que tem 32 pontos. O Paysandu, que briga para sair do rebaixamento, tem 22.

A confusão começou aos 42min do segundo tempo, quando Jóbson lançou Vandick, que marcou o segundo gol do Paysandu. Os jogadores reclamaram muito de impedimento -que não existiu- e partiram para cima do auxiliar.

Os policiais correram para protegê-lo. Na confusão, o zagueiro Preto levou uma forte pancada na cabeça, caiu sangrando em campo e precisou ser levado de ambulância para fora do estádio. O técnico Émerson Leão foi atingido por gás de pimenta nos olhos. A partida ficou interrompida por 28 minutos.

O começo do primeiro tempo foi muito movimentado. Logo a 1min, o lateral-esquerdo Léo derrubou Balão dentro da área e o árbitro goiano Antonio Pereira da Silva marcou a penalidade.

Para sorte do Santos, Jóbson cobrou muito fraco, no canto esquerdo de Júlio Sérgio, que defendeu com facilidade.

Apesar da chance desperdiçada, o Paysandu não desanimou e continuou buscando o primeiro gol da partida. Aos 11min, o lateral-direito Marcos cruzou da direita, Júlio Sérgio não conseguiu afastar e a bola sobrou para Zé Augusto, que completou de pé esquerdo com o gol vazio.

Mas o Santos não demorou muito para chegar ao empate. Dois minutos depois, Robert, que substituiu o suspenso Robinho, cruzou na cabeça de Preto, que ajeitou para Elano, completamente livre, tocar de cabeça.

O Paysandu foi perigoso no primeiro tempo, mas os erros de passe impediram a equipe paraense de chegar com mais frequência ao ataque.

Aos 38min, o Santos perdeu Diego. Ele revidou uma entrada de Sandro com um pontapé. O árbitro viu e colocou o meio-campista santista para fora da partida.

Com um jogador a menos, o Santos passou o segundo tempo inteiro se defendendo. O Paysandu, apesar de dominar a partida, errava muito os passes e não conseguia chegar na área do adversário.

Aos 42min, o Paysandu fez o gol que que lhe garantiu os três pontos -e criou todo o tumulto.



Fontes: Folha de São Paulo e Revista Lance.

Paysandu 0 x 1 Santos

Data: 02/11/1994
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª fase – Grupo F – 8ª rodada
Local: Estádio Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 14.160 pagantes
Renda: 72.774,00
Árbitro: Marco Antônio Collares Brasil (CE).
Cartões amarelos: Augusto (P); Maurício Copertino, Gallo, Macedo, Marcelo Fernandes e Guga (S).
Cartão vermelho: Giovanni (19-2) (S).
Gol: Marcelo Fernandes (40-2).

PAYSANDU
Maurício; Marcos, Carlão, Augusto e Biro-Biro; Rogério Lage, Oberdan, Flávio Goiano e Chiquinho (Edil); Mirandinha e Antônio Carlos (Dutra).
Técnico: Tata

SANTOS
Gilberto; Índio, Júnior, Maurício Copertino e Silva; Dinho, Gallo, Paulinho Kobayashi (Carlinhos) e Giovanni; Macedo (Marcelo Fernandes) e Guga.
Técnico: Serginho Chulapa


Remo 1 x 4 Santos

Data: 25/09/1994, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – Grupo C – 10ª rodada
Local: Estádio Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 2.068 pagantes
Renda: R$ 19.439,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça (PE).
Cartões amarelos: Júnior e Cuca (R); Edinho, Júnior, Guga, Gallo e Giovanni (S).
Cartões vermelhos: Belterra (37-1) e César Carioca (06-2).
Gols: Chicão (07-1), Macedo (27-1); Ranielli (07-2), Paulinho Kobayashi (15-2) e Guga (16-2).

REMO
Clêmer; César, Belterra, Toninho Carlos, Júnior; César Carioca, Alencar, Helinho e Cuca; Chicão (Mazinho) e Rogerinho (Flávio).
Técnico: Rubens Galaxe

SANTOS
Edinho; Índio, Júnior, Marcelo Fernandes e Silva; Dinho (Serginho Fraldinha), Gallo, Ranielli (Giovanni) e Paulinho Kobayashi; Macedo e Guga.
Técnico: Serginho Chulapa



Santos ganha o jogo, mas não o ponto extra

O jogador Neto não atuou pelo Santos contra o Remo, conforme foi afirmado neste texto. Quem jogou foi Ranielli. Também foram omitidas duas substituições no time santista: entraram Serginho e Giovanni.

O Santos goleou o Remo por 4 a 1 ontem no estádio Mangueirão, em Belém (PA). Foi a primeira vitória do time santista fora de casa. Apesar da goleada, o Santos não conseguiu o ponto extra. O time dependia de uma derrota do Guarani, que venceu o Cruzeiro por 2 a 1.

Embalado pela torcida e precisando de uma vitória para escapar da repescagem, o Remo marcou primeiro, com Chicão aos 6min do primeiro tempo.

O empate veio aos 27min, com um chute do atacante Macedo de fora da área.

Depois do empate, o Santos começou a pressionar. Com a expulsão do zagueiro central Belterra, aos 35min, o Santos passou a dominar totalmente o jogo.

A virada aconteceu aos 7min do 2º tempo, em uma falta bem cobrada por Ranielli.

Depois, em dois rápidos contra-ataques, o Santos definiu o placar. Paulinho Kobayashi marcou aos 15min e Guga fez o seu um minuto depois.

O técnico Serginho disse que os dois principais motivos para a vitória do Santos foram a traquilidade e a “pegada” do time no meio de campo. “Quando estávamos perdendo, o time teve tranquilidade para trabalhar as jogadas. Outro fator foi a forte pegada do nosso meio-campo”, afirmou Serginho.

Após o jogo, torcedores do Remo quiseram apedrejar carros de jogadores por causa da má atuação do time. Foi a sétima derrota do time no campeonato. A polícia reforçou a segurança, colocando 200 homens para dispersar os torcedores e proteger o elenco do Remo.



OS GRUPOS DA SEGUNDA FASE

Grupo E
Corinthians
São Paulo
Grêmio
Portuguesa
Guarani
Fluminense
Vasco
Inter

Grupo F
Botafogo
Flamengo
Paysandu
Sport
Palmeiras
Santos
Paraná
Bahia

Repescagem
Criciúma
Bragantino
Atlético
Vitória
Remo
Cruzeiro
União São João
Náutico

O REGULAMENTO
Na segunda fase os 24 clubes são separados em três grupos: E, F e Repescagem, de onde sairam os oito classificados para a próxima fase.

Os grupos E e F serão disputados em dois turnos. No primeiro turno os times se enfrentam dentro de cada grupo; no segundo turno, enfrentam as equipes do outro grupo. O campeão de cada turno passa para a terceira fase. Caso o campeão do turno e do returno seja o mesmo, essa equipe passa automaticamente para a quarta fase, as semifinais.

Nesses grupos, além dos campeões de turno, classificam-se dois times por “índice técnico”.

As outras duas vagas serão preenchidas pelos dois melhores times da repescagem. As equipes se enfrentam em turno e returno. Os dois últimos colocados da repescagem serão rebaixados.


Paysandu 1 x 2 Santos

Data: 03/02/1983, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro (Taça de Ouro) – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio Alacid Nunes, o Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 28.849
Renda: Cr$ 12.435.900,00
Árbitro: Luís Vieira Villanova
Gols: Mesquita (16-1), Paulo Isidoro (29-1) e Serginho Chulapa (37-1).

PAYSANDU
Sérgio Gomes; Paulo Robson, Paulo Guilherme, Ademílton e Marinho; Edésio, Mesquita e Cabinho (Zé Roberto); Samuel Cândido, Barra (Evandro) e Careca.
Técnico: César Morais

SANTOS
Marola; Toninho Oliveira, Toninho Carlos, Joãozinho e Gilberto; Dema, Paulo Isidoro e Pita; Camargo (Serginho Dourado), Serginho Chulapa e João Paulo.
Técnico: Chico Formiga



Créditos: Vídeo – Wesley Miranda e Danilo Barbosa.

Paysandu 0 x 0 Santos

Data: 28/01/1982, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Alacid Nunes, o Mangueirão, em Belém, PA.
Público: 20.332 pagantes
Renda: Cr$ 4.180.800,00
Árbitro: José Leandro de Castro Serpa (CE).

PAYSANDU
Braulino; Isidoro (Paulo Guilherme), Ademílton, Sabará e Ângelo; Luís Augusto, Paulo Róbson e Edésio; Evandro, Juca Show (Amauri) e Careca.
Técnico: Gérson dos Santos

SANTOS
Marolla; Mauro Campos, Márcio Rossini, Mauro Patrício (Joãozinho) e Gilberto Sorriso; Toninho Vieira, Carlos Silva e Pita; Ronaldo, Nilson Dias (Palhinha) e João Paulo.
Técnico: Clodoaldo



Em Belém, Santos não agrada e só empata

Fonte: Jornal Folha de SP