Navegando Posts marcados como Lucas Lima

Santos 3 x 0 São Paulo

Data: 26/06/2016, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 19.740 pagantes (24.840 presentes)
Renda: R$ 862.720,00
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Danilo Simon Manis e Miguel Ribeiro da Costa (ambos de SP)
Cartões amarelos: Gabriel e Lucas Lima (S); Calleri, Hudson e Lugano (SP).
Cartão vermelho: Lugano (SP)
Gols: Vitor Bueno (01-1), Rodrigão (38-1) e Lucas Lima (44-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia (Caju), Renato, Vitor Bueno (Yuri) e Lucas Lima (Jean Mota); Gabigol e Rodrigão.
Técnico: Dorival Júnior

SÃO PAULO
Denis; Caramelo, Maicon, Lugano e Matheus Reis; João Schmidt, Artur (Hudson), Luiz Araújo (Carlinhos) e Michel Bastos; Calleri e Ytalo (Daniel).
Técnico: Edgardo Bauza



Santos dá lição em mistão do Tricolor e entra no G4 do Brasileiro

O Santos aproveitou os desfalques do São Paulo e venceu por 3 a 0 o San-São de número 300 da história, na tarde deste domingo, no Pacaembu, em duelo válido pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Sem ter a ver com os problemas do rival, o Peixe mostrou mais talento, velocidade e posse de bola. Por isso, conquistou a vitória em seu 500º jogo no gramado municipal, com gols de Vitor Bueno e Rodrigão, ambos feitos no primeiro tempo, e Lucas Lima, em cobrança de falta, nos minutos finais da partida.

De quebra, o time da Baixada chegou aos 19 pontos entrou no G4, assumindo a terceiro lugar da competição, atrás somente de Palmeiras (22) e Internacional (20), mas à frente do Corinthians. O Tricolor, por sua vez, amplia sua série sem vitórias para três jogos e cai da sétima para a décima posição, com 15 pontos.

Já pensando nas semifinais da Copa Libertadores da América, o técnico Edgardo Bauza cortou o meia Paulo Henrique Ganso, com fadiga muscular, do chamado “Clássico da Paz” – as duas equipes chegaram no mesmo ônibus ao estádio. A exemplo do camisa 10, o volante Thiago Mendes também foi preservado, enquanto Kelvin esteve fora por lesão na coxa esquerda e o atacante Centurión foi liberado para ir à Argentina visitar sua avó hospitalizada. Por isso, o Patón lançou mãos dos garotos Mateus Caramelo, Artur e Luiz Araújo.

O jogo

O São Paulo começou a partida como desembarcou do ônibus que o levou ao Pacaembu junto ao Santos: na paz. O Peixe, por sua vez, aproveitou a moleza do time tricolor e abriu o placar logo em seu primeiro ataque. Aos 44 segundos de jogo, Gabriel fez cruzamento na segunda trave, Thiago Maia apareceu sozinho e chutou para o gol. Denis não segurou e, no rebote, Vitor Bueno empurrou para o fundo das redes, fazendo a única torcida presente no estádio municipal comemorar o gol .

O time comandado por Edgardo Bauza, então, se viu obrigado a atacar e ameaçou o gol de Vanderlei aos dez minutos. Ytalo se infiltrou pelo meio e de fora da área arriscou o chute, obrigando o goleiro santista a espalmar para escanteio. Na cobrança, porém, o Peixe armou bom contra-ataque com Lucas Lima, que disparou pela direita e finalizou para defesa de Denis.

Com Michel Bastos e Ytalo apagados, ficou a cargo do jovem Luiz Araújo a criação das principais jogadas do São Paulo. O veloz garoto, atuando pela direita, dava trabalho para Gustavo Henrique e Renato. Tanto que aos 25, o meia limpou e chutou rasteiro com muito perigo a Vanderlei, que desviou para escanteio.

Percebendo a dificuldade na movimentação do ataque de sua equipe, Patón pediu para Michel e Ytalo trocar de posições, com o primeiro assumindo o meio e o segundo a ponta esquerda. A medida surtiu efeito e o Tricolor quase chegou ao empate em uma sequência de lances perigosos. Primeiro com Ytalo, que girou e bateu forte para defesa do goleiro rival. No escanteio, Zeca e Gustavo Henrique quase jogaram contra o próprio gol.

Como quem não faz, toma, o castigo chegou ao São Paulo. Com marcação na saída de bola tricolor, o Peixe fez triangulação rápida entre Lucas Lima, Gabriel e Victor Ferraz. O lateral recebeu na ponta direita e passou na medida para o centroavante Rodrigão empurrar para redes: 2 a 0, placar merecido para quem atacou mais e manteve a posse de bola.

Já no início da etapa final, o São Paulo deu mostras de que poderia incomodar mais o Santos. Logo aos cinco minutos, Calleri disparou em contra-ataque, invadiu a área, mas parou em Vanderlei, que fez sua defesa mais difícil até então. Logo em seguida, os mandantes responderam com Rodrigão, que desviou escanteio e quase fez o terceiro do Peixe.

Sem conseguir com que sua equipe agredisse o Santos, o Patón promoveu as entradas de Carlinhos e Hudson nos lugares de Luiz Araújo e Artur, respectivamente. O jogo, no entanto, ficou mais nervoso em função da irritação dos jogadores tricolores pelas jogadas de Lucas Lima e do carrinho de Calleri em Vanderlei, quando o goleiro saía com a bola. O argentino por pouco não recebeu o segundo cartão amarelo e, consequentemente, o vermelho. Já Hudson não escapou da advertência por empurrão em Zeca.

As alterações de Bauza não surtiram efeito e o Santos continuou controlando a partida. Com boa posse de bola, o time de branco provocou o “olé” de sua torcida na parte final do confronto. Por outro lado, o São Paulo errava muitos passes e não conseguia propor o jogo ou sair em contra-ataque.

Satisfeita com o desempenho de sua equipe, os torcedores santistas acenderam as lanternas de seus aparelhos celulares. Foi com esse clima que, aos 44, Lucas Lima cobrou falta com excelência e pregou o último parafuso no caixão tricolor. Na sequência, Lugano reclamou com o árbitro Raphael Claus pela falta que originou o terceiro tento do Peixe e acabou levando o segundo amarelo, descendo aos vestiários um pouco mais cedo.

Bastidores – Santos TV:

Dorival valoriza triunfo, mas alerta sobre “campeonato traiçoeiro”

Com uma vitória por 3 a 0 sobre São Paulo, o Santos entrou no G4 do Campeonato Brasileiro na noite deste domingo. O técnico Dorival Júnior valorizou o triunfo alcançado no Estádio do Pacaembu, mas alertou que o torneio nacional oferece riscos.

“Fico feliz com a atuação da equipe e pelo bom momento na disputa, mas volto a dizer que o campeonato é traiçoeiro e qualquer mínimo erro pode ser fatal. A oscilação em posições continuará acontecendo. Por isso, todo cuidado é pouco para que mantenhamos nossa colocação e continuemos pressionando os times da frente”, afirmou.

Com Vitor Bueno, o Santos abriu o placar diante do São Paulo já nos primeiros segundos de jogo e aumentou ainda na etapa inicial por meio de Rodrigão. Na metade final, o time praiano fechou o marcador em um golaço de Lucas Lima e não correu riscos.

“Você não constrói um resultado em cima de um time como o São Paulo por acaso. Acho que a equipe foi muito séria, concentrada e compenetrada em busca da vitória. Jogamos dentro das nossas características, com confiança, simplicidade e trabalhando a bola. Ainda assim, o São Paulo teve bons momentos”, disse Dorival Júnior.

Com 22 pontos ganhos, o Palmeiras permanece na liderança do Campeonato Brasileiro, seguindo pelo Internacional, que contabiliza 20 pontos. Após o triunfo sobre o São Paulo, o Santos fica com 19 pontos e toma o terceiro posto, já que supera o Corinthians nos critérios de desempate.

Na 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 19h30 (de Brasília) desta quarta-feira, o time praiano enfrenta o Grêmio, em Porto Alegre. Ainda nos vestiários do Estádio do Pacaembu, o técnico Dorival Júnior já projetou o próximo desafio santista.

“O importante é que o time resgatou a melhor condição e agora temos que olhar daqui para adiante. Foi um bom jogo, um grande resultado e ponto. A partir de hoje, já focamos em cima do Grêmio para tentar fazer o melhor resultado possível em Porto Alegre”, disse o comandante.

“Falou que ia me pegar, mas não deu tempo”, diz Gabriel sobre Lugano

Os últimos minutos da vitória por 3 a 0 do Santos sobre o São Paulo foram movimentados no Estádio do Pacaembu. De acordo com o atacante Gabriel, o zagueiro Lugano, expulso após o terceiro gol do time alvinegro, chegou a ameaçá-lo na tarde deste domingo.

Nos minutos finais, aos gritos de “olé” da torcida santista, Lugano tomou uma caneta de Gabriel, cometeu falta e recebeu o cartão amarelo. Na cobrança, Lucas Lima marcou o terceiro gol do Santos e, pouco depois, o defensor são-paulino acabou expulso por reclamação pelo árbitro Raphael Claus.

Antes da cobrança da falta, Lugano e Gabriel tiveram uma conversa pouco amistosa. “É que dei uma caneta e ele ficou bem bravo. Eu falei que era do futebol, ele falou que ia me pegar, mas não deu nem tempo”, afirmou o jovem atacante santista à Rádio Globo.

Lucas Lima, autor do gol de falta, também comentou a postura de Lugano. “É normal. Cada um faz o que quer dentro de campo. Eu não pretendo provocar ninguém. É claro que uma hora ou outra escapa alguma coisa, mas é do jogo. Acho que ele ficou mais bravo pelo placar do que pelas provocações”, afirmou meia.

Amplamente superior, o Santos chegou aos 19 pontos e assumiu a terceira colocação do Campeonato Brasileiro, já que supera o Corinthians nos critérios de desempate. Satisfeito pelo triunfo no clássico, Gabriel tratou de comemorar a exibição no Pacaembu.

“Foi uma grande vitória, uma vitória convincente. Na minha opinião, ganhou o melhor time. Sabíamos que tínhamos que marcar bem, porque com a bola no pé conseguiríamos sobressair. Nosso time jogou muito bem. Foi superior em todos os aspectos e precisa continuar assim para seguir forte”, declarou.

Santos 4 x 1 Mogi Mirim

Data: 25/02/2016, quinta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 6ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 9.897 pagantes (11.371 total)
Renda: R$ 332.370,00
Árbitro: Alessandro Darcie
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Renata Ruel Xavier de Brito.
Cartões amarelos: Gustavo Henrique e Rafael Longuine (S); Renato Santos, Bruno Teles e Gabriel Dias (MM).
Gols: Bruno Costa (26-1, contra); Joel (06-2), Joel (29-2) Wendel (38-2) e Lucas Lima (46-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato (Rafael Longuine), Thiago Maia e Lucas Lima; Serginho (Neto Berola), Gabriel (Patito Rodriguez) e Joel.
Técnico: Dorival Junior

MOGI MIRIM
Daniel; Wendel, Renato Santos (Gustavo Costa), Bruno Costa e Bruno Teles; Gabriel Dias, Bruninho, Lulinha, Keké e Lulinha; Léo e Roni.
Técnico: Toninho Cecílio



Sem Ricardo Oliveira, Joel faz dois gols e Peixe goleia o Mogi no Pacaembu

O jovem camaronês Joel entrou em campo na noite desta quinta-feira com a missão de substituir Ricardo Oliveira. Artilheiro do Peixe em 2015, ídolo da torcida e capitão da equipe, o camisa 9 foi cortado na véspera do duelo contra o Mogi Mirim para negociar sua transferência para o futebol chinês. E logo em sua primeira apresentação como titular, Joel não sentiu a pressão e marcou dois gols no Pacaembu, já igualando a marca de Oliveira neste Campeonato Paulista.

Antes de Joel, Bruno Costa abriu o placar para o alvinegro praiano com gol contra. O Sapão ainda diminuiu com Wendell, mas, em cobrança de pênalti, já nos acréscimos, Lucas Lima decretou a goleada por 4 a 1 nesta 6ª rodada.

Os três pontos levam o Santos à liderança no Grupo A, agora com 12 pontos. Enquanto isso, o Mogi Mirim é o penúltimo colocado no Grupo D, com sete pontos, à frente do Rio Claro e atrás do Red Bull Brasil, que têm o mesmo número de pontos.

O jogo

O Santos começou a partida desta quinta-feira devagar e sem muita empolgação, assim como o público nas arquibancadas, que decepcionava. O Mogi, então, aproveitou e buscou surpreender os mandantes com rápidos contra-ataques.

Aos 7 minutos, Keké recebeu dentro da área alvinegra e viu a bola explodir na zaga do Peixe. Aos 14, o mesmo Keké, depois de bom passe de Lulinha, arrematou e obrigou Vanderlei a trabalhar.

Enquanto isso, os torcedores do Santos iam chegando ao estádio do Pacaembu e melhorando o cenário do jogo. O time de Dorival Júnior, simultaneamente, cresceu na partida. Aos 19, Serginho arriscou chute de longe e viu Daniel espalmar para escanteio.

O Peixe passou e encurralar seu adversário, sempre liderado por Lucas Lima, que jogava com muita liberdade no meio campo. Porém, o time levou um susto aos 25, quando Vanderlei espalmou chute de Gabriel Dias e, no rebote, Keké não conseguiu completar para o gol, já dentro da pequena área.

Na sequência, em contra-ataque mortal, Lucas Lima tabelou com Joel, invadiu a área pela esquerda e bateu cruzado. O zagueiro Bruno Costa acabou chutando a bola contra as próprias redes: 1 a 0 Peixe.

Antes do intervalo, o Santos ainda teve chance de ampliar a vantagem com Serginho, que saiu cara a cara com Daniel e acertou a trave. E no último lance da etapa inicial, Gabriel Dias arriscou de muito longe e por pouco não marcou um golaço. A bola explodiu no travessão, no ângulo esquerdo de Vanderlei.

No segundo tempo, o Peixe não demorou para matar o jogo. Joel, jogador que assumiu a posição de Ricardo Oliveira pela primeira vez, abriu pela esquerda, tabelou com Serginho e tocou, com categoria, na saída do goleiro Daniel. Tudo isso ainda aos 6 minutos.

O Sapão sentiu o gol e passou a se defender com todos os jogadores. O Peixe, ao contrário, partiu para uma blitz. Aos 17, Lucas Veríssimo cabeceou e Daniel salvou. Na sequência, Renato desperdiçou uma grande chance.

Mas a noite era mesmo de Joel. Com a responsabilidade de substituir Ricardo Oliveira, o camaronês aproveitou bola rebatida dentro da área e, aos 29, cabeceou para marcar o terceiro gol do Peixe, o segundo dele. No lance, o goleiro Daniel acabou falhando, antes da bola tocar a trave e entrar.

O Mogi Mirim ainda descontou, aos 38, com Wendel, que aproveitou rebote do goleiro Vanderlei e estufou as redes. Mas, o gol não mudou muito o rumo da partida. Pelo contrário. Já aos 46, Neto Berola sofreu pênalti e Lucas Lima converteu para decretar a goleada.

Assim, ao Peixe, só restou administrar os 4 a 1 no placar e comemorar a terceira vitória na competição, que mantém o time invicto no Estadual.

Bastidores – Santos TV:

Joel se diz preparado para titularidade e ganha apoio do elenco

Com dois gols logo em sua estreia como titular do Santos, o atacante Joel animou a torcida, que pode perder Ricardo Oliveira a qualquer momento para o futebol chinês. O camaronês de 22 anos não conseguiu esconder a alegria após a partida diante do Mogi Mirim, no Pacaembu, que acabou com a goleada do Peixe por 4 a 1.

“A partir do momento que você veste a camisa, é uma responsabilidade. Estava preparado, mas tem muito a melhorar. Esse é o caminho, vamos firme. Eu jogo tanto por dentro como pelas beiradas. Se for para jogar pelas beiradas, vou dar meu melhor. Hoje joguei por dentro e fui feliz, fiz dois gols”, diz Joel, autor de dois gols na partida”, comentou o jogador.

Gabriel, vice-artilheiro da equipe em 2015, logo atrás de Ricardo Oliveira, elogiou a atuação do novo parceiro de ataque e deixou claro que, apesar da importância do capitão, o grupo não pode ficar lamentando, caso o centroavante realmente deixa o time para jogar na China.

“O Ricardo é um atacante de Seleção, que sempre faz gol, mas tem jogadores que podem substituí-lo muito bem. É uma perda grande, mas confinamos no elenco. O Joel, hoje, fez uma grande partida”, disse o camisa 10, seguido por Lucas Lima. “Está de parabéns. Aproveitou sua oportunidade e deu conta do recado”.

Após goleada, Lucas Lima vê melhor atuação individual e coletiva

A goleada santista em cima do Mogi Mirim não mostra a realidade dos fatos na partida desta quinta-feira, disputada no estádio do Pacaembu. Apesar do 4 a 1 no placar, o Peixe encontrou dificuldades contra o Sapão e viu Vanderlei trabalhar em diversos momentos. Lucas Lima, um dos melhores jogadores em campo, elogiou a postura do adversário desta 6ª rodada do Campeonato Paulista.

“A equipe do Mogi Mirim está de parabéns. É uma equipe muito boa. Dificultou muito a nossa vitória. Independente do placar, tivemos muito trabalho. Mas acho que nossa equipe entrou muito bem e foi merecedora do resultado”, analisou.

Com muita liberdade no meio de campo, o camisa 20 do Peixe participou das melhores oportunidades da equipe. Criou a jogada do primeiro gol e marcou o último, em cobrança de pênalti. Ao ser questionado se foi sua melhor atuação em 2016, o meia não titubeou.

“Foi, sim. Com certeza. Eu estava bem solto no jogo de hoje. Eu falei: na hora certa a gente vai melhorando e vai pegando a melhor forma”, comentou, antes de também concordar que a goleada resultou na melhor partida do time no ano.

“Não pelo placar, mas pela dinâmica, pela marcação também. Conseguimos, nós ali da frente, rodar muito. E acho que isso foi essencial para o resultado”, completou.

Dorival se anima com toque de bola e faz elogios a Serginho e Joel

Apesar da invencibilidade, o Santos chegou para o duelo contra o Mogi Mirim ainda sem fazer uma grande partida em 2016. O Sapão até impôs algumas dificuldades no começo, mas, finalmente a equipe alvinegra desencantou e fez uma grande partida neste Campeonato Paulista. No fim, a o Peixe acabou goleando o Mogi por 4 a 1 no estádio do Pacaembu e, assim, assumiu a liderança no Grupo A, com 12 pontos.

“A equipe vem melhorando, crescendo. Hoje voltamos a fazer um jogo dentro das nossas características, com trocas de passes, movimentações. Principalmente na frente da área adversária. O primeiro tempo caracterizou bem essa condição. No segundo caímos um pouco. Precisamos ter uma atuação mais igual ao longo dos 90 minutos, mas já foi uma partida bem diferente daquilo que vinha acontecendo até então”, analisou o técnico Dorival Júnior, admitindo que o time ainda não está entrosado como ele quer.

“Estamos buscando um reencontro. Ainda não encontramos totalmente, mas a equipe tem feito, a cada rodada, um pouco superior a anterior. Esse é um detalhe importante”.

Dois jogadores, em especial, ganharam elogios pelas atuações nesta quinta à noite. O meia Serginho e o atacante Ricardo Oliveira ganharam a oportunidade de iniciarem o jogo entre os titulares e corresponderam às expectativas do treinador.

“Ele vem se preparando. Vem fazendo boas apresentações. Vem entrando bem, mudando o contexto do próprio jogo. Isso é um prêmio pelo esforço, trabalho, dedicação. Fico feliz pela partida que fez”, comentou Dorival sobre o camaronês de 22 anos, para em seguida comparar o meia Serginho com Marquinhos Gabriel, ex-titular da equipe, que voltou à Arábia Saudita no início do ano.

“São jogadores mais ou menos semelhantes. Pode o Serginho fazer um papel mais ou menos como ele (Marquinhos Gabriel) vinha fazendo”, explicou.

Mas, independente do placar elástico e do desempenho individual de cada atleta, o que mais agradou Dorival Júnior na vitória para o Mogi Mirim é a maneira como a equipe se comportou como um todo, principalmente no setor ofensivo, já que o técnico tem lutado para recuperar o belo futebol apresentado pelo Santos na última temporada.

“O que fico feliz é que a maioria dos gols não é achada, em jogadas de bolas aéreas. São jogadas trabalhadas, com trocas de passes. Esse é o caminho. E o Santos fez a maioria dos gols, desde o ano passando, justamente dessa maneira. Isso é um ponto específico que vem sendo muito batido e trabalhado entre nós, exaustivamente. Encontramos um caminho que facilitou nossa trajetória”, encerrou.

Serginho ganha elogios e pede sequência para se firmar como titular

Depois de apostar em Paulinho e Patito Rodriguez, Dorival Júnior resolveu dar uma chance para Serginho começar o clássico contra o Palmeiras. Apesar do empate no último sábado, o técnico gostou do que viu e, nesta quinta, repetiu a dose. Mais solto, Serginho fez sua melhor atuação desde que subiu para a equipe principal do Peixe. “Fiquei feliz pela partida. Mais feliz ainda pelo resultado positivo”, comentou o meia, ainda tímido perante aos microfones.

Agora, o jogador de 20 anos, que é mais uma cria das categorias de base do clube, espera ter sequência para se firmar na equipe e já sonha com o primeiro gols. Na goleada por 4 a 1 em cima do Mogi Mirim, o jogador quase desencantou, mas acertou a trave ainda no primeiro tempo.

“Venho trabalhando bastante para jogar de titular. Hoje, graças a Deus, estou tendo oportunidade. Espero uma sequência. E que venham resultados positivos para a gente. Hoje me senti muito bem dentro de campo. Fiz o que o professor pediu. Infelizmente não saiu o gol, mas, se Deus quiser, no próximo ele vem”, disse.

Lucas Lima, titular absoluto no meio campo alvinegro, elogiou a atuação de seu novo companheiro na posição e se mostrou otimista com as possibilidades que podem ser criadas com a equipe tendo amis um meia em campo, ao invés de três atacantes.

“Nosso time é muito qualificado. Quem entra ali dá conta do recado. Serginho dispensa comentário. Está em uma crescente muito boa e tem nos ajudado muito. É bom porque às vezes a gente divide a responsabilidade de estar armando a equipe. Ele está de parabéns pela partida”, avaliou o camisa 20, antes de detalhar a mudança de postura do time com Serginho em campo.

“Ele entra muito por dentro também. Isso me ajuda muito, porque me dá liberdade para eu cair pelas laterais. E sobra espaço para ele também. A gente tem que aproveitar essas oportunidades, se entrosar mais ainda e melhorar a cada jogo”, finalizou.

Novorizontino 3 x 3 Santos

Data: 13/02/2016, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio Dr. Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: 8.505 pagantes
Renda: R$ 300.014,00
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho
Auxiliares: Herman Brumel Vani e Fabricio Porfirio de Moura
Cartões amarelos: Lima (N).
Gols: Gabriel (39-1); Pereira (07-2), Lucas Lima (12-2), Rayllan (22-2), Lima (26-2) e Victor Ferraz (39-2).

NOVORIZONTINO
Anderson; Éder Sciola, Domingues, Jéci e Paulinho; Adriano, Deda (Fagner), Pereira e Rayllan; Wesley (Lima) e Roberto (Cléo Silva).
Técnico: Guilherme Alves

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato, Thiago Maia (Serginho) e Lucas Lima; Patito (Victor Bueno), Gabriel (Neto Berola) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior.



Em jogo de seis gols, Peixe arranca o empate contra o Novorizontino

O Novorizontino não recebia uma grande equipe em seu estádio há 20 anos. Depois de tanto tempo, o torcedor local foi presenteado com uma grande partida contra o Santos, na noite deste sábado, pela 4ª rodada do Campeonato Paulista. No fim, depois de um duelo muito movimentado e imprevisível, o confronto acabou definido em 3 a 3. Com isso, o Peixe segue invicto e líder no Grupo A, com 8 pontos, enquanto o Tigre soma apenas 3 pontos, ainda sem conquistar nenhuma vitória, e ocupa apenas a quarta colocação no Grupo B.

Gabriel abriu o placar no único gol marcado no primeiro tempo. Pereira empatou logo no início da segunda etapa, pouco antes de Lucas Lima marcar mais um, em grande lance individual. Perdendo o jogo, o técnico Guilherme Alves, ex-centroavante que marcou história no Atlético-MG, fez três alterações quase simultâneas e viu dois de seus escolhidos virarem o jogo em seguida, para delírio da torcida local, que encheu o estádio Jorjão. Primeiro, Fagner empatou. Depois, Lima fez 3 a 2. Mas, nos minutos finais, Victor Ferraz, em bela cobrança de falta, decretou a igualdade.

O jogo

Depois de duas décadas, o torcedor do Novorizontino pôde assistir o time da casa novamente em ação contra uma grande equipe na cidade do interior de São Paulo. E o público não decepcionou. Com bandeiras e muita empolgação, o time comandado pelo ex-centroavante Guilherme tentou corresponder e fez 15 minutos de fora alucinante contra o Peixe.

Primeiro, Rayllan arriscou de longe, após jogada pela esquerda, e assustou Vanderlei. A resposta veio com Gabriel, que tentou surpreender o goleiro Anderson com um leve toque e viu a bola tocar a trave.

Na sequência, Pereira cobrou falta na entrada da área, a bola desviou na barreira alvinegra, enganou Vanderlei e saiu pela linha de fundo, deixando o grito de gol entalado da garganta dos torcedores locais.

A partida era lá e cá. Aos 19, Victor Ferraz fez bela jogada pela direita e cruzou para trás, mas Ricardo Oliveira bateu por cima. Dez minutos depois, já com o ritmo mais cadenciado, Adriano Pagode, ex-Santos, enfiou linda bola para Roberto, que finalizou para boa intervenção do camisa 1 santista.

E com tantas chances dos dois lados, já era esperado que mais cedo ou mais tarde a rede balançasse. E o gol saiu aos 39. A defesa do Novorizontino marcou bobeira e Renato aproveitou para lançar Ricardo Oliveira nas costas dos zagueiros. Em posição legal, o centroavante só teve o trabalho de rolar para Gabriel, que não desperdiçou e colocou o Santos na frente do placar antes do intervalo.

Na volta do segundo tempo, o técnico Guilherme Alves avisou que o Novorizontino não deixaria de atacar o Peixe, mesmo ciente do perigo com os contra-ataques. E o time não ficou só na promessa. Logo aos 7 minutos, Paulinho chegou com liberdade pela esquerda e bateu forte. Lucas Veríssimo desviou mal, para o meio, e Pereira empatou com belo chute no canto.

A festa da torcida, porém, durou pouco. Aos 12 minutos, Lucas Lima resolveu tudo sozinho. O meia matou arriscou jogada individual, entrou na área, limpou três adversários e bateu com o pé direito. Um golaço.

Com o empate, Guilherme não se intimidou e colocou seu time no ataque. E a estrela do treinador brilhou na noite deste sábado. Dois dos três atletas que Guilherme colocou no jogo, dois marcaram gols e viraram a partida em cima do atual campeão.

Aos 22, Rayllan deu linda assistência para Fagner no miolo da zaga santista e o meia bateu forte, no alto, para igualar o marcador novamente. Quatro minutos depois, Lima, que tinha acabado de entrar, recebeu pela esquerda, na entrada da área e, com muita liberdade, mandou a bomba para o gol. A bola foi rasteira, no cantinho de Vanderlei. 3 a 2 Novorizontino e um jogo digno do bom público que compareceu no estádio Jorjão.

Mas os santistas nas arquibancadas, que também apareceram em bom número, também tiveram seu momento de êxtase. Aos 39, quando o Santos demonstrava força para empatar o jogo, a bola parada acabou decidindo o placar final. Depois de muita reclamação por uma falta marcada na entrada da área, Victor Ferraz bateu com categoria para fazer 3 a 3.

O jogo ganhou ares de decisão e ficou nervoso nos minutos finais, mas nenhuma das duas equipes conseguiu anotar o gol que garantiria a vitória nesta quarta rodada do Paulistão.

Bastidores – Santos TV:

Após gol salvador, Victor Ferraz admite: “Temos muito para ajustar”

Victor Ferraz foi o herói improvável na noite deste sábado, em Novo Horizonte. Contra o time da casa, o Peixe sofreu. Depois de ficar a frente com gols de Gabriel e Lucas Lima, o alvinegro sofreu a virada e só voltou à Baixada com um ponto na bagagem graças a gol de falta de Victor Ferraz aos 39 do segundo tempo. Ao fim do jogo, o lateral falou sobre o confronto sem esconder sua insatisfação.

“Para quem estava assistindo, para o público que veio ao estádio, acho que foi um grande jogo. A torcida fez um grande espetáculo, tem que elogiar o campo. Quando é para criticar, a gente critica, mas o campo está muito bem cuidado aqui. Só tenho que glorificar a Deus pelo meu gol, mas a gente tem que melhor muito. Mérito deles, mas é a prova que tem muito o que ajustar”, disse o jogador ao Sportv.

Apesar da liderança no Grupo A do Campeonato Paulista e a invencibilidade na competição, Victor Ferraz se mostrou preocupado com o desempenho do time depois de quatro rodadas. Neste sábado, mais uma vez a equipe de Dorival Júnior demonstrou fragilidades e não conseguiu impor em campo todo seu favoritismo.

“A gente conseguiu ficar na frente duas vezes, mas acabou, por vacilo nosso mesmo, eles fazendo gol. A gente tem que ajustar muita coisa, porque a gente quer chegar longe, quer disputar o Brasileiro, quer disputar todos os campeonatos que a gente vai jogar”, analisou o lateral.

Dorival Junior lamenta chances perdidas, mas valoriza ponto fora de casa

Depois de um 3 a 3 eletrizante contra o Novorizontino, Dorival Júnior fez uma análise bastante tranquila da partida. O treinador santista evitou criticar sua equipe e só lamentou as oportunidades desperdiçadas que poderiam ter garantido a vitória neste sábado. Apesar de reconhecer alguns pontos negativos, Dorival também fez questão de valorizar o ponto conquistado como visitante na competição.

“Foi um belo jogo. O que eu lamento são as muitas oportunidades que nós tivemos e não conseguimos transformá-las em gols, o que nos daria uma condição diferente dentro da própria partida. Mas, ainda assim, nós não podemos deixar de reconhecer, primeiro, a qualidade que teve a equipe do Novorizontino, que foi até o fim, que acreditou até o fim, que conseguiu reverter um resultado inicial. Depois nós fomos buscar novamente”, analisou o comandante alvinegro, tentando apontar as dificuldades dentro do Campeonato Paulista.

“É dessa maneira. O campeonato é muito difícil, complicado. Cada ponto conquistado fora de casa tem que ser muito valorizado. E, até que encontremos nosso melhor, tanto físico, tecnicamente, taticamente, é natural que ainda oscilaremos um pouco. E temos que compreender essas alternâncias dentro das partidas”, completou.

Questionado sobre a condição física dos seus atletas, Dorival Júnior refutou que o cansaço tenha se sobressaído nos minutos finais e elogiou a postura dos jogadores em campo.

“De maneiras nenhuma. Fisicamente, nós suportamos o jogo e fomos até o fim. Teríamos até muito mais para darmos e temos essa condição estabilizada. Logicamente que é uma crescente e a equipe vai se estabilizando aos poucos. Estamos em um processo inicial, todas as equipes passando por essas oscilações. Um jogo muito difícil, truncado, muito pegado, muito disputado. O Santos teve o placar a seu favor, teve o placar contra. Tivemos coisas positivas ao longo dos 90 minutos, tivemos também coisas negativas. Mas é assim. Somando, com dificuldades”, explicou.

Dificilmente o técnico do Peixe se conforma com um empate diante de um adversário de nível técnico inferior. Neste sábado, porém, apesar de todo o favoritismo do Santos, Dorival preferiu ser mais brando em sua análise e entende que ainda é muito cedo para cobrar tanto a equipe.

“Algumas equipes já estão trabalhando há mais tempo do que as equipes que saíram (de férias) um pouco depois e essa diferença nós temos que tirar com a qualidade da nossa equipe, com as condições apresentadas ao longo da partida. Tivemos oportunidades reais de matarmos o jogo. As coisas não aconteceram e, de repente, três bolas encaixadas foram as três que foram no nosso gol. É assim, futebol é dessa maneira e nós temos que trabalhar para que as coisas voltem a acontecer de uma maneira mais natural”, concluiu.

Dorival cobra mudança de postura de Lucas Lima e Gabriel nos jogos

Desde o ano passado, Lucas Lima e Gabriel se consolidaram como grandes protagonistas do atual time santista. Nesta temporada, a dupla mais uma vez começou em alta. O meia já deu duas assistências para gol, sofreu um pênalti e, neste sábado, marcou um golaço. Enquanto isso, o jovem atacante já tem quatro gols em cinco jogos (contando o amistoso contra o Bahia) e duas assistências. Mesmo assim, Dorival Júnior ainda não está satisfeito. A dificuldade de Lucas Lima em fugir de uma marcação mais próxima e os ‘sumiços’ de Gabriel dentro de alguns jogos têm incomodado o comandante.

“Isso ai tem que mudar. São situações que os dois estão trabalhando. O Lucas já melhorou muito com relação a este aspecto. O Gabriel vem melhorando. Estamos exigindo. Precisamos de mais. Todos sabem que podemos dar muito mais. E eu acho que a partir desse momento vai acontecer uma evolução de todos”, comentou Dorival, preocupado também em elevar o moral dois de seus melhores jogadores no elenco.

“São jogadores de altíssimo nível, grande qualidade e que têm que usar também essa participação coletiva. Isso, aos poucos, vem acontecendo. Nós tivemos muito mais coisas positivas do que negativas dentro da partida. E isso é um fator que nos deixa um pouco mais confiantes”, ponderou.

Patito

Patito Rodriguez ganhou sua primeira oportunidade de começar jogando nesta temporada. Com Paulinho fora, o argentino enfrentou o Novorizontino e, apesar de não ter conseguido nenhum grande lance dentro do jogo, recebeu elogios de Dorival Júnior.

“Fez uma boa partida. Participação muito boa. Naturalmente, ele precisa de uma sequência um pouco maior para que ele alcance suas melhores condições. Mas já foi bem superior aos 20 minutos que ele teve contra a Ponte Preta”, comparou o técnico, que agora prepara sua equipe para o clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, no Palestra.

Santos 3 x 1 Fluminense

Data: 04/10/2015, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 29ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.491 pagantes
Renda: R$ 298.780,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Auxiliares: Helton Nunes e Thiago Americano Labes (ambos de SC).
Cartões amarelos: Daniel Guedes, Thiago Maia e Neto Berola (S); Pierre e Marlon (F).
Gols: Lucas Lima (05-1) e Marquinhos Gabriel (11-1); Neto Berola (38-2) e Robert (48-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, David Braz, Gustavo Henrique (Werley) e Chiquinho; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel (Neto Berola), Gabriel (Leandro) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

FLUMINENSE
Diego Cavalieri; Higor Leite, Gum, Marlon e Victor Oliveira (Robert); Pierre, Jean e Gerson; Marcos Junior (Lucas Gomes), Osvaldo (Magno Alves) e Wellington Paulista.
Técnico: Eduardo Baptista



Santos domina o Fluminense, vence com facilidade e entra no G4

Em mais uma boa atuação coletiva, o Santos conseguiu derrotar o Fluminense por 3 a 1 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe dominou a partida desde o primeiro minuto e soube controlar até os poucos bons momentos do adversário, anotando seus gols com Lucas Lima, Marquinhos Gabriel e Neto Berola. Já nos acréscimos, Robert descontou para os cariocas.

O resultado faz o time da Baixada entrar no G4 da competição. Com 46 pontos, os alvinegros foram beneficiados na rodada pela derrota do Palmeiras e seguem em vantagem sobre o São Paulo no saldo de gols, diminuindo a desvantagem para o Grêmio, terceiro colocado, que tem 52. O Tricolor carioca, por sua vez, fica estacionado nos 37 pontos, ainda correndo risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Agora, ambos os times terão de dias de treinamento até voltarem a campo. Também envolvidas nas semifinais da Copa do Brasil, as equipes terão duelos difíceis no retorno do Brasileiro. Enquanto o Flu recebe o São Paulo no Maracanã, no dia 14, os comandados de Dorival Júnior têm um confronto direto com o Grêmio, na casa do adversário, às 21h do dia 15.

O jogo

O primeiro tempo começou com o Peixe mostrando por que é avassalador quando atua em seus domínios. Logo aos cinco minutos de bola rolando, o alvinegro apostou na pressão na saída de bola e conseguiu abrir o placar. Marlon recuou para Diego Cavalieri, no lado esquerdo da área, e o goleiro demorou a chutar. Lucas Lima, que chegou a ser dúvida pelo cansaço físico, mostrou disposição para acreditar no lance e travar a jogada. A redonda bateu nele, pegou uma curva e entrou rente à trave direita.

Logo depois, o ritmo continuou alucinante por parte dos santistas, enquanto os tricolores pareciam não entender o que estava acontecendo dentro de campo. Gabriel, em grande fase, conseguiu fintar dois marcadores com o corpo e invadiu a área pela direita. Cheio de confiança, o avante bateu de canhota, cruzado, mas a bola acabou desviando na perna direita de Marlon e, apesar de sair do caminho do gol, ficou limpa para Marquinhos Gabriel, na pequena área, que só empurrou para a rede.

Feliz com o placar e claramente poupando energias, já que o Dorival tem reclamado há algumas semanas da falta de descanso para os jogadores, o Peixe passou a trocar passes no meio-campo e se aproveitou da má performance do adversário para administrar a vantagem. Até o intervalo, ainda poderia ter ampliado a vantagem com Gabriel e Daniel Guedes, mas Cavalieri se redimiu e fez duas grandes defesas. Nos visitantes, apenas um chute de Wellington Paulista, por cima do gol, assustou Vanderlei.

O retorno para o segundo tempo foi o pior momento dos anfitriões durante toda a partida. Animado pela entrada do experiente Magno Alves, o clube carioca criou duas boas oportunidades, mas deu azar de elas caírem no pé de Wellington Paulista. Na primeira, livre na área, ele furou feio. Na segunda, pôde se redimir ao disparar belo chute de esquerda, que Vanderlei foi buscar.

Ciente do perigo que correria se levasse um gol, o treinador dos donos da casa sacou Marquinhos Gabriel, cansado, e apostou na velocidade de Neto Berola nos contra-ataques. Após duas boas subidas em contragolpes, o Santos conseguiu conter o ímpeto do adversário e retomou o controle das ações em campo, podendo administrar a vantagem com tranquilidade.

Até o apito final, ainda conseguiu balançar a rede do adversário outras três vezes, mas apenas uma delas foi válida. Primeiro Gabriel foi pego em impedimento ao desviar bola dentro da área. Depois, Werley ganhou pelo alto e cabeceou o no canto direito, mas o Sandro Meira Ricci pegou falta do defensor santista. O tento só veio quando Neto Berola apareceu livre na grande área, subiu bem após cruzamento de Daniel Guedes e testou firme, para o chão, vencendo Cavalieri.

Quase que como um prêmio por ter corrido durante todo momento, o garoto Robert, do Flu, acertou belo chute da entrada área e mandou a bola no ângulo direito, sem chances para Vanderlei. Foi a deixa para o encerramento da partida.
Bastidores – Santos TV:



Santos 5 x 2 Avaí

Data: 22/08/2015, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 20ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.036 pagantes
Renda: R$ 289.880,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Alessandro Rocha Matos (BA) e Marcelo Barison (RS)
Cartões amarelos: Lucas Lima (S); Jéci, Romário e Adriano (A).
Gols: Gabriel (10-1), Thiago Maia (13-1) e Léo Gamalho (29-1); Ricardo Oliveira (02-2), Nilson (35-2), Léo Gamalho (37-2) e Lucas Lima (47-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz; Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Gabriel (Leandro), Ricardo Oliveira (Nilson) e Geuvânio (Marquinhos Gabriel).
Técnico: Dorival Júnior

AVAÍ
Diego; Nino Paraíba, Antônio Carlos, Jéci e Marrone (Romário); Adriano, Pablo, Tinga (Roberto) e Camacho; Rômulo (Conrado) e Léo Gamalho.
Técnico: Gilson Kleina



Santos volta a se impor na Vila e constrói goleada sobre Avaí

O Santos não encontrou maiores dificuldades para se impor diante do Avaí na Vila Belmiro. De uniforme cinza, a equipe alvinegra foi superior na maior parte do confronto, na noite de sábado, e construiu sem grandes sustos sua sétima vitória em sete jogos dentro de casa desde o retorno do técnico Dorival Júnior: 5 a 2.

O resultado não fez mais do que deixar a formação paulista no meio da tabela do Campeonato Brasileiro, com 27 pontos, mas permitiu, no segundo tempo, o descanso de alguns jogadores para o duelo com o Corinthians, na próxima quarta-feira, pela Copa do Brasil. Estacionado nos 20, o Avaí entrou na zona de rebaixamento.

Em pouco mais de dez minutos, o Santos já havia aberto vantagem de dois gols: Gabriel completou, atrapalhado, cobrança de escanteio de Lucas Lima, e Thiago Maia fez boa finalização da entrada da área. Léo Gamalho, no entanto, recebeu nas cosas da defesa e manteve os visitantes no jogo até o intervalo.

Na etapa final, Ricardo Oliveira praticamente matou o jogo, logo aos dois minutos. O gol permitiu três substituições e botou em campo Nilson, autor do quarto gol. Léo Gamalho voltou a descontar, sem efetivamente criar qualquer esperança de reação na Vila. Já nos acréscimos, Lucas Lima bateu pênalti inexistente para fechar a contagem.

O jogo

O comportamento agressivo do Santos não demorou a render frutos. Ricardo Oliveira parou no goleiro Diego, mas, aos dez minutos, Lucas Lima bateu escanteio venenoso da direita. Após a saída em falso do goleiro, Gabriel chegou a se atrapalhar e, a um passo da linha, acertou o travessão. O rebote se ofereceu ao atacante para o gol.

Três minutos depois, uma bonita triangulação com participação de Geuvânio e Ricardo Oliveira acabou em conclusão de Thiago Maia no canto esquerdo. Só com dois gols de desvantagem o Avaí começou a avançar um pouco mais. Aos 29, Léo Gamalho recebeu nas costas da defesa e bateu cruzado para balançar a rede.

O Santos voltou do intervalo disposto a matar o jogo e o fez rapidamente. Aos dois minutos, Ricardo Oliveira recebeu de Geuvânio na esquerda, entrou na área com um toque na bola e finalizou de pé esquerdo, no canto direito do goleiro, deixando o triunfo bem encaminhado.

Começaram, então, as substituições de olho no confronto da próxima quarta, contra o Corinthians, em Itaquera. O Santos venceu o duelo de ida por 2 a 0, na Vila Belmiro, e visitará seu principal rival com boa vantagem na tentativa de ir às quartas de final da Copa do Brasil.

Geuvânio, Ricardo Oliveira e Gabriel foram substituídos por Marquinhos Gabriel, Nilson e Leandro. E uma jogada construída por Leandro, que errou passe e deu sorte, foi bem concluída por Nilson. Dentro da área, pela direita, o atacante bateu rasteiro para caracterizar uma goleada, aos 35.

Léo Gamalho voltou a marcar para o Avaí, dois minutos depois, completando de pé direito na entrada da pequena área após cruzamento e desvio de cabeça. Para fechar o placar, Lucas Lima agradeceu o pênalti dado por Leandro Pedro Vuaden quando ele tropeçou na área. A batida foi bem executada, aos 47, no canto esquerdo, e fez o Santos ir com ainda mais moral ao clássico em Itaquera.

Bastidores – Santos TV:

Satisfeito com produção do Santos, Dorival fala em “arrancada”

Dorival Júnior ainda adota alguma cautela, mas enxerga uma realidade diferente da que encontrou no retorno ao Santos. A equipe que lutava para escapar da zona de rebaixamento vem de boas partidas, está no meio da tabela do Campeonato Brasileiro e permite ao treinador sonhar com mais.

“Os jogadores deram uma resposta à altura do que esperávamos. Não posso pontuar coisas ruins”, afirmou, referindo-se especificamente à vitória por 5 a 2 sobre o Avaí, na noite de sábado, o sétimo triunfo em sete partidas na Vila Belmiro desde sua contratação.

“Mantendo essa postura, é natural que daqui a pouco a gente se consolide e vislumbre uma nova possibilidade. Começamos a caminhar em um segundo momento, a consolidação. Precisamos seguir essa caminhada para que tenhamos forças para brigar por coisas melhores na competição”, comentou Dorival.

Com 27 pontos, o Santos terminará a 20ª rodada do Nacional entre a décima e a 12ª colocação. A distância para a zona da degola será de ao menos seis pontos, porém o comandante alvinegro toma muito cuidado para demonstrar tranquilidade com essa diferença.

“Temos obrigação de nos manter na faixa do meio da tabela. Depois, podemos pensar em uma arrancada, em buscar outra situação. Estamos começando a passar aquela situação inicial. Espero que não voltemos. O Brasileiro é perigoso. Em duas, três rodadas, o discurso pode mudar. Não queremos mais voltar. E desejamos uma briga mais intensa por uma posição melhor”, concluiu o técnico.

Ricardo Oliveira quebra jejum após pênaltis perdidos e nega ansiedade

Após três partidas sem marcar, perdendo pênaltis em duas delas, Ricardo Oliveira quebrou o jejum na noite de sábado, na vitória por 5 a 2 do Santos sobre o Avaí. O atacante fez o terceiro gol do Santos na Vila Belmiro e negou que estivesse aflito com o período em branco.

“Com toda a sinceridade, eu não estava ansioso”, disse o centroavante, admitindo que a percepção do técnico Dorival Júnior era diferente. “Ele me abraçou e falou para eu ter calma, que eu estava ansioso, acho que teve essa percepção. Sei fazer gols. A bola não entrava, mas sabia que ia entrar. Nunca me afobei.”

Se não se afobou, Ricardo Oliveira mostrou algum aborrecimento com os erros em jogos anteriores. “Confesso que estava incomodado. Nunca é bom ficar tanto tempo sem fazer gols. Mas entramos em campo tranquilo, sem pensar no Corinthians. Se pensássemos, teria sido ruim”, comentou.

Quando ele balançou a rede de pé esquerdo, no entanto, Dorival começou a pensar no clássico. Com vantagem de 2 a 0 nas oitavas de final da Copa do Brasil, começou a dar descanso a alguns titulares, começando suas substituições justamente com o atacante de 35 anos.

“Primeiro, quis deixar que ele fizesse o gol. Depois, a saída foi no sentido de poupar mesmo”, comentou o treinador, que previu dificuldades no estádio de Itaquera. O duelo com o Corinthians por uma vaga nas quartas de final está marcado para a noite de quarta-feira.

Como tirou Ricardo Oliveira, ele não estava em campo para bater o pênalti conseguido por Lucas Lima já nos acréscimos. O meia tropeçou no gramado e não conseguiu explicar por que Leandro Vuaden apontou a marca penal. “Alguma coisa me desequilibrou ali, nem sei o que foi. Eu caí”, sorriu.

Geuvânio suspenso
Por falta cometida ainda no primeiro tempo, Geuvânio recebeu o terceiro cartão amarelo no triunfo alvinegro sobre o Avaí. O atacante cumprirá suspensão no próximo final de semana, na visita que a formação da Vila Belmiro fará ao Cruzeiro no Mineirão.