Navegando Posts marcados como ficha técnica

Chapecoense 0 x 1 Santos

Data: 01/08/2021, domingo, 18h15.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Arena Condá, em Chapecó, SC.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (Fifa-PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn e Jefferson Cleiton Piva da Silva (ambos do PR).
VAR: Pathrice Wallace Corrêa Maia (RJ)
Cartão amarelo: Jair Ventura (C).
Gol: Carlos Sánchez (42-1).

CHAPECOENSE
João Paulo; Matheus Ribeiro, Kadu, Derlan e Busanello; Moisés Ribeiro, Anderson Leite, Léo Gomes (Foguinho) e Felipe Baxola (Ravanelli); Fabinho (Geuvânio), Fernandinho (Mike) e Anselmo Ramon (Perotti).
Técnico: Jair Ventura

SANTOS
João Paulo; Madson, Luiz Felipe (Wagner Palha), Kaiky e Felipe Jonatan; Camacho, Jean Mota e Carlos Sánchez (Vinicius Zanocelo); Marcos Guilherme (Gabriel Pirani), Lucas Braga (Bruno Marques) e Marcos Leonardo.
Técnico: Fernando Diniz


Santos 4 x 0 Juazeirense

Data: 28/07/2021, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Michael Correia e Luiz Claudio Regazone (ambos do RJ).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Marinho e Jean Mota (S); Daniel Nazaré e Toni (J).
Gols: Madson (26-2), Lucas Braga (39-2), Marcos Leonardo (46-2) e Carlos Sánchez (54-2).

SANTOS
João Paulo; Madson, Luiz Felipe, Kaiky e Felipe Jonatan; Jean Mota, Carlos Sánchez e Gabriel Pirani (Bruno Marques); Marinho (Marcos Leonardo), Marcos Guilherme e Lucas Braga.
Técnico: Fernando Diniz

JUAZEIRENSE (BA)
Rodrigo Calaça; Guilherme Lucena (Carlinhos), Jamerson, Wendell e Daniel Nazaré; Waguinho, Sapé e Patrik; Kesley (Nino), Junior Timbó (Ian) e Toni Galego (Waldir).
Técnico: Carlos Rabello


Santos 0 x 1 Atlético-GO

Data: 25/07/2021, domingo, 18h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Jorge Eduardo Bernardi e José Eduardo Calza (ambos do RS).
VAR: Daniel Nobre Bins (RS)
Cartões amarelos: Marinho (S); Zé Roberto e Fernando Miguel (A).
Gol: Zé Roberto (19-1, de pênalti).

SANTOS
João Paulo; Madson (Ângelo), Luiz Felipe (Lucas Braga), Kaiky e Felipe Jonatan (Marcos Leonardo); Camacho, Jean Mota e Carlos Sánchez (Gabriel Pirani); Marinho, Marcos Guilherme e Kaio Jorge.
Técnico: Fernando Diniz

ATLÉTICO-GO
Fernando Miguel; Dudu, Wanderson, Oliveira e Natanael; André Lima, Baralhas (Arthur Gomes) e Marlon Freitas; Janderson (Toró), Ronald (Arnaldo) e Zé Roberto (André Luís).
Técnico: Eduardo Barroca



Santos desperdiça muitas chances e perde para o Atlético-GO na Vila

O Santos martelo, martelou, martelou… E perdeu para o Atlético-GO por 1 a 0 neste domingo, na Vila Belmiro, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Zé Roberto, de pênalti.

O Peixe desperdiçou inúmeras chances, principalmente no segundo tempo, mas a bola teimou em não entrar. Foram 29 finalizações a seis. E o Alvinegro terminou a partida com seis atacantes.

Com a derrota, o Santos foi ultrapassado pelo próprio Atlético-GO e é o 11º, com 16 pontos. O Dragão agora é o sétimo, com 18 na tabela.

O jogo

A partida começou bem morna na Vila Belmiro. Tanto é que a primeira emoção só rolou aos 17 minutos, já na origem do primeiro gol do jogo.

Zé Roberto, desmarcado no meio-campo, lançou para Baralhas: Luiz Felipe cortou mal, João Paulo saiu atabalhoado do gol e cometeu pênalti. Zé converteu para abrir o placar.

O Santos só respondeu de fato aos 30, quando Kaiky cruzou da intermediária e Madson cabeceou para bonita defesa de Fernando Miguel. No minuto 39, Marinho cruzou, a bola atravessou a área e Felipe Jonatan acertou uma bomba no travessão.

Fernando Diniz foi para o tudo ou nada na etapa final. Sacou o zagueiro Luiz Felipe para a entrada do atacante Lucas Braga e descolou o meia Jean Mota para atuar com Kaiky na defesa.

Logo aos dois minutos, Braga cruzou e Marcos Guilherme bateu fraco. Aos 3, Lucas Braga cabeceou e Fernando Miguel pegou. No minuto 5, Braga finalizou por cima após rebote.

E a pressão continuou, assim como as chances desperdiçadas. Aos 10, Camacho lançou, Lucas Braga ajeitou e Marcos Guilherme chutou mal outra vez. No minuto 12, Sánchez cobrou escanteio e Kaiky cabeceou com perigo.

O massacre continuou, mas a bola teimou em não entrar. Aos 17, Madson cabeceou novo escanteio de Sánchez para fora. Aos 19, Kaio Jorge recebeu na pequena área, cortou e o zagueiro Wanderson salvou. Aos 20, Marinho acertou o travessão, a bola bateu nas costas de Fernando Miguel e sobrou limpa para Sánchez. O uruguaio, porém, estava impedido.

Quando o placar marcava 24 jogados, o Atlético-GO finalmente conseguiu sair da defesa: Ronald recebeu sozinho na área, mas acertou o travessão de João Paulo. Aos 27, o Santos pediu pênalti em Kaio Jorge na pequena área, mas o árbitro Leandro Pedro Vuaden mandou seguir.

Aos 35 minutos, Arthur Gomes, emprestado pelo Peixe ao Dragão, recebeu sozinho pela direita em novo contra-ataque e parou em grande defesa de João Paulo.

O Santos terminou o jogo com seis atacantes, mas mesmo assim não conseguiu furar a retranca do Atlético-GO. Derrota dolorida na Vila Belmiro.

Fernando Diniz avalia derrota do Santos para o Atlético-GO: “Às vezes não conseguimos explicar o futebol”

O técnico Fernando Diniz lamentou demais a derrota do Santos por 1 a 0 para o Atlético-GO neste domingo, na Vila Belmiro, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe criou inúmeras chances contra o Dragão, mas esbarrou na falta de pontaria. Foram 29 finalizações e apenas duas na direção do gol.

“Partida muito boa hoje. Boa mesmo. Cedemos poucas chances ao Atlético-GO, bem no final tiveram dois lances perigosos. Time foi incisivo, contundente, contra um time que tinha proposta de jogar atrás. Equipe tentou o tempo todo, mas às vezes não conseguimos explicar o futebol… Criamos muitas chances, cedemos poucas e perdemos por 1 a 0. Sobre o impacto do resultado, só saberemos na frente. Perdemos pontos para Sport e Juventude, perder pontos em casa sempre é ruim. Tivemos mais chances ainda e não conseguimos fazer o gol. Temos que fazer sempre o que fizemos hoje, mas sermos mais eficazes”, avaliou Diniz.

“Tivemos mais dificuldades contra o Juventude. Quem joga com linhas baixas dificulta para todo mundo. Desde o começo da partida marcaram baixo, fomos até surpreendidos. No segundo tempo criamos mais chances, a gente melhorou e tentou até o fim do jogo. Dos três (jogos) dessa característica (Juventude, Sport e Atlético-GO), foi nosso melhor. Tivemos ações, escanteios, chances, de 15 escanteios tivemos seis ou sete chances. Mas o futebol, como a vida, tem coisa que não conseguimos entender. Temos que aumentar a possibilidade de ganhar, porque nunca temos certeza no futebol. Futebol dá para criar, criar, criar e não conseguir vencer como hoje”, completou.

Lucas Braga elogia volume de jogo do Santos, mas alerta: “Não adianta nada se não for convertido em gols”

Lucas Braga elogiou o volume de jogo do Santos na derrota por 1 a 0 para o Atlético-GO neste domingo, na Vila Belmiro, mas alertou para a ineficiência.

O Peixe dominou o Dragão, principalmente no segundo tempo, mas perdeu no duelo pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“(Faltaram) Os gols… A gente criou muitas chances, faltou criatividade na finalização para a gente sair com a vitória. (O torcedor deve estar) Triste pelo resultado, tivemos um bom desempenho pelo que criamos, mas se não for convertido em gols não adianta nada”, disse Braga, ao Premiere.


Independiente-ARG 1 x 1 Santos

Data: 22/07/2021, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Libertadores da América, em Avellaneda, Argentina.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Diego Haro (PER).
Cartões amarelos: Barreto, Romero e Blanco (I); Jean Mota e Kaiky (S).
Cartões vermelhos: Insaurralde e Barreto (I).
Gols: Kaio Jorge (38-1); Lucas González (22-2).

INDEPENDIENTE (ARG)
Sosa; Bustos, Barreto, Insaurralde e Rodríguez (Soñora); Lucas Romero, Blanco (Herrera), Palacios (Márquez), Velasco (Martínez) e Roa (González); Sergio Romero.
Técnico: Julio Falcioni

SANTOS
João Paulo; Madson, Luiz Felipe, Kaiky e Felipe Jonatan; Camacho (Alison), Jean Mota (Vinicius Zanocelo) e Carlos Sánchez (Gabriel Pirani); Marinho (Lucas Braga), Marcos Guilherme (Marcos Leonardo) e Kaio Jorge.
Técnico: Fernando Diniz



Com show de João Paulo, Santos empata com o Independiente e avança na Sul-Americana

O Santos empatou com o Independiente (ARG) por 1 a 1 nesta quinta-feira, em Avellaneda, e avançou às quartas de final da Copa Sul-Americana. O gol foi marcado por Kaio Jorge. O Rojo empatou com Lucas González.

Depois de abrir vantagem com o 1 a 0 na Vila Belmiro, o Peixe teve muita dificuldade na Argentina e foi salvo por nove defesas importantes do goleiro João Paulo em uma atuação memorável.

No pior momento em campo, Kaio Jorge aproveitou contra-ataque e abriu o placar no primeiro tempo. O Independiente seguiu em cima do Santos na etapa final e conseguiu o empate quando estava com um a menos. Mesmo com a vantagem numérica após a expulsão de Insaurralde, o Peixe sofreu até o fim, mas conseguiu segurar o resultado.

O jogo

O primeiro tempo foi muito movimentado em Avellaneda. O Santos começou melhor, mas passou a sofrer contra o Independiente a partir dos 10 minutos.

Aos 17, Bustos foi à linha de fundo e cruzou para Velasco, da marca do pênalti, chutar para incrível defesa de João Paulo no reflexo. No minuto 21, Romero cruzou, a bola desviou em Kaiky e João fez nova intervenção importante.

Quando o placar marcava 37 jogados, veio um momento decisivo. Palacios recebeu cara a cara com João Paulo e chutou para um milagre do goleiro. Segundos depois, Marinho roubou a bola, Sánchez lançou, Insaurralde errou e Kaio Jorge foi oportunista para deslocar Sosa e abrir o placar.

Aos 44, Madson arrancou e cruzou fraco enquanto Marcos Guilherme esperava sozinho no segundo pau. No escanteio, Kaio Jorge bateu da entrada da área e Sosa defendeu. Ainda deu tempo Kaiky fazer corte decisivo aos 46 e de Romero se livrar do segundo cartão amarelo após falta dura.

A etapa final continuou como a primeira: o Independiente melhor e o goleiro João Paulo salvando o Santos. A primeira chance dos argentinos já foi no primeiro minuto, quando João defendeu finalizações de Lucas Romero e depois de Silvio Romero.

Aos 5, João Paulo fez uma defesa espetacular em nova tentativa de Romero. No minuto 6, Marcos Guilherme perdeu boa oportunidade. E aos 10, João fez novo milagre em chute de Bustos na pequena área.

No minuto 16, veio o respiro para o Santos. Madson lançou, Marinho arrancou e Insaurralde o parou com falta. O árbitro Diego Haro deu cartão amarelo, mas expulsou o zagueiro depois de checagem no VAR.

Mesmo com um a menos, o Independiente conseguiu o empate aos 22: bate-rebate na área após chute travado de Silvio Romero e Lucas González aproveitou o rebote para encher o pé e finalmente vencer João Paulo. 1 a 1.

Aos 30 minutos, o Santos enfim chegou. Segundos depois de entrar em campo, Gabriel Pirani bateu de canhota, a bola desviou e raspou a trave do goleiro Sosa. No minuto 37, Zanocelo assustou em finalização de fora da área. Instantes depois, Pirani perdeu nova chance.

Nos minutos finais, o Independiente continuou em cima e ainda deu tempo para João Paulo salvar o segundo do Independiente em cabeceio de Herrera na pequena área. Com muito sofrimento, o Santos avançou na Sul-Americana.

Bastidores – Santos TV:

Diniz elogia João Paulo, explica escalação do Santos e alerta: “Tínhamos que ter nos protegido melhor”

O técnico Fernando Diniz fez um alerta após o Santos empatar em 1 a 1 com o Independiente na Argentina e avançar às quartas de final da Copa Sul-Americana.

No entendimento do treinador, o Peixe marcou mal. O goleiro João Paulo fez nove defesas importantes.

“Em Santos jogamos bem, principalmente o segundo tempo, hoje tínhamos o 1 a 0, o Independiente se lançou. Normal serem mais agressivos, mas não poderíamos ceder tantas chances. Temos que corrigir, está claro. Tínhamos que ter nos protegido melhor”, disse Diniz.

“Foi um dos jogos de goleiro mais decisivo, sim. Está de parabéns, foi decisivo e nos ajudou muito. Treina muito e é prêmio para ele pelo profissional e pessoa que é. Vi algumas situações espetaculares de goleiro, mas hoje faz parte de ver um goleiro desequilibrar uma partida a nosso favor”, completou.

O técnico também explicou a escalação: ele sacou Pará e Gabriel Pirani para as entradas de Madson e Carlos Sánchez.

“Coloquei porque achei que era o melhor para o time. Os dois estão bem e poderia ter saído com outros jogadores também. Pará estava bem, mas achei que era momento do Madson. Sánchez foi bem contra o Bragantino, entrou bem em outros jogos e resolvi mantê-lo, mas Pirani poderia jogar também. Achei que para esse jogo eram as melhores opções”, concluiu.

O Santos enfrentará o Libertad (PAR) nas quartas de final da Sula.

Diniz vê elenco do Santos capaz de encarar três competições: “Estou feliz”

O técnico Fernando Diniz vê o elenco do Santos capaz de encarar as três competições do calendário: Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Sul-Americana.

O treinador gostaria de mais alguns reforços, mas elogia quem tem à disposição no Peixe.

“Conseguimos mexer com o elenco e estou feliz com o que eu tenho. Podemos encaixar mais um ou outro jogador, mas acho que o elenco consegue encarar as três competições”, disse Diniz, após eliminar o Independiente na Sul-Americana.

10º colocado no Brasileirão, com 16 pontos, o Santos está classificado para enfrentar o Libertad (PAR) nas quartas da Sula e o Juazeirense nas oitavas da Copa do Brasil.

João Paulo dedica atuação histórica no Santos para a mãe, que luta contra um câncer: “Foi para ela”

O goleiro João Paulo teve uma atuação histórica pelo Santos no empate em 1 a 1 com o Independiente nesta quinta-feira, na Argentina, pela Sul-Americana. E a força veio da mãe.

A mãe do santista luta contra um câncer. O Menino da Vila dedicou a partida para ela.

“Minha mãe começou tratamento contra um câncer. Tenho certeza que vamos vencer essa juntos. Quero dedicar essa partida para ela”, disse João.

João Paulo fez nove defesas importantes e segurou o empate. Depois da vitória por 1 a 0 na Vila Belmiro, o Peixe avançou para as quartas de final da Sul-Americana para enfrentar o Libertad (PAR).

Kaio Jorge lidera as participações em gols na equipe do Santos

O Santos se classificou para as quartas de final da Copa Sul-Americana, nesta quinta-feira. O gol de Kaio Jorge garantiu o empate diante do Independiente. O atacante, de 19 anos, tem sido um dos destaques do setor ofensivo do Peixe nesta temporada.

Segundo dados do Footstats, Kaio Jorge disputou 27 partidas, 20 como titular, marcou oito gols e deu passe para outros três. O jovem lidera as participações em gols na equipe do Santos. Atrás de Kaio, Marinho possui sete tentos e deu passe para outros três, já Lucas Braga anotou cinco gols e uma assistência.


Red Bull Bragantino 2 x 2 Santos

Data: 18/07/2021, domingo, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Fabrini Bevilaqua Costa (ambos de SP).
VAR: Vinicius Furlan (SP)
Cartões amarelos: Weverson, Barbieri, Weverson e Léo Ortiz (B); Marinho, Fernando Diniz, Felipe Jonatan, Luiz Felipe, Sánchez, Zanocelo (S).
Gols: Alerrando (09-1); Marcos Guilherme (24-2), Ytalo (37-2) e Marcos Leonardo (49-2).

RED BULL BRAGANTINO
Cleiton; Aderlan, Natan, Léo Ortiz e Weverson (Edimar); Raul (Fabrício Bruno), Lucas Evangelista, Praxedes; Alerrando (Ytalo). Helinho e Cuello.
Técnico: Mauricio Barbieri

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Luiz Felipe (Marcos Leonardo), Kaiky e Moraes (Felipe Jonatan); Camacho, Carlos Sánchez (Zanocelo) e Gabriel Pirani (Lucas Braga); Marinho, Marcos Guilherme e Kaio Jorge.
Técnico: Fernando Diniz



Santos marca no fim e arranca empate contra o Bragantino fora de casa pelo Brasileirão

Santos e Red Bull Bragantino protagonizaram um grande jogo na noite deste domingo. Pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, as equipes empataram por 2 a 2, no estádio Nabi Abi Chedid, pela 12ª rodada do torneio.

Com o resultado, o Alvinegro Praiano foi a 16 pontos, mas se manteve na 10ª colocação. Já o Massa Bruta despencou da vice-liderança para o quarto lugar, com 24 pontos, oito a menos que o líder Palmeiras.

O jogo

Os anfitriões iniciaram o primeiro tempo ligados. Com o relógio marcando apenas nove minutos, Kaiky vacilou e perdeu a bola para Aderlan, que partiu em disparada pela direita e cruzou rasteiro para Alerrando. Livre, o atacante só teve o trabalho de completar para o fundo da rede para abrir o placar.

No lance seguinte, quase saiu mais um. Cuello recebeu pela esquerda, cortou para o meio e emendou uma bomba no travessão de João Paulo.

Do outro lado, os visitantes responderam com Marinho, aos 13. O atacante encheu o pé em cobrança de falta, a bola desviou na barreira e tirou tinta do poste direito de Cleiton. Depois disso, no entanto, o Peixe não conseguiu produzir mais nada. O Massa Bruta, por sua vez, apenas controlou a vitória parcial.

Já na volta do intervalo, o Santos melhorou e passou a tomar conta das ações ofensivas. Aos nove, Sánchez aproveitou a sobra de bola na entrada da área e emendou um lindo voleio de primeira, mas por cima. Na sequência, após cobrança de escanteio, Kaio Jorge finalizou rasteiro e obrigou Cleiton a espalmar. No rebote, Marinho chutou em cima do goleiro.

Com 24 minutos, enfim saiu o empate. Felipe Jonatan cruzou na medida para Marcos Guilherme, que, apesar da baixa estatura, subiu mais que os defensores e testou firme. Atento, Cleiton fez linda intervenção. A bola, entretanto, voltou nos pés do meia, que não perdoou.

O Bragantino respondeu aos 33. Cuello foi acionado pela esquerda, cortou para o meio e bateu colocado, obrigando João Paulo a se esticar todo para realizar difícil defesa. Já aos 37, os anfitriões voltaram a ficar em vantagem. Artur cruzou com veneno, a defesa do Peixe apenas olhou e Ytalo aproveitou para estufar as redes.

Nos minutos finais, o Santos se atirou no ataque em busca de um tento salvador, que saiu aos 49, com Marcos Leonardo. Depois de cruzamento de Felipe Jonatan, Madson cabeceou na trave e a bola voltou na medida para o atacante, que empatou no apagar das luzes.

Bastidores – Santos TV:

Diniz vê dois tempos distintos em empate do Santos e explica manutenção do Pará como titular

Na noite deste domingo, Santos e Bragantino protagonizaram um grande jogo de futebol. Pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, as duas equipes empataram por 2 a 2, no estádio Nabi Abi Chedid. O Peixe perdia até os 49 minutos do segundo tempo, quando Marcos Leonardo decretou a igualdade.

Na visão do técnico Fernando Diniz, o Alvinegro Praiano não obteve um resultado melhor por conta da má atuação do seu time no primeiro tempo e devido a um erro da arbitragem no segundo gol do Massa Bruta. O comandante alega que a bola bateu no braço do Lucas Evangelista na origem da jogada do tento.

“Entramos em um ritmo desacelerado no primeiro tempo. No segundo fomos mais agressivos, dinâmicos e tivemos mais interesse em vencer o jogo. O time ganhou um pouco mais de mobilidade e intensidade, mas não apenas pelas mudanças, como também pela postura dos jogadores”, comentou em coletiva

“Também posso citar o lance que a arbitragem não deu falta. Eu não sei porque tem o VAR. Contra o América não foi marcado um pênalti. Hoje o Evangelista falou dentro de campo que a bola bateu na mão dele e foi um lance fácil de se marcar. Não tem como o VAR não parar. Foi a origem do gol. O VAR está lá para não marcar. A arbitragem foi decisiva mais uma vez contra o Santos”, completou.

O treinador também aproveitou para explicar porque mantém Pará como titular na lateral direita. O experiente defensor vem acumulando falhas e irritando a torcida santista. Enquanto isso, Madson corresponde bem quando é acionado, mas tem poucas chances de iniciar as partidas jogando.

“O Madson é um grande jogador, mas eu tenho que ter um olhar técnico, não posso ter um olhar só de torcedor. O Pará, contra o Independiente fez um jogo muito bom, falhou naquele lance em que sofremos o gol que estava impedido, mas fez uma partida muito segura. Eu não posso agir com emoção. Faz 15 anos que o Pará joga em times grandes, quase sempre como titular. Eu entendo o torcedor, ele está aí para criticar e torcer, e eu estou aqui para escalar e fazer o que é melhor para o Santos”, disse.

“Eu estou escalando o Pará porque acho que nesse momento ele foi o que era melhor para o Santos, eu tenho que seguir minha intuição. Não podemos montar um time só olhando o torcedor, embora ele seja muito importante. Mas na condição de treinador eu preciso ver o que está acontecendo internamente para escalar os melhores, que é o que eu estou fazendo”, acrescentou.

Com o resultado desta noite, o Santos foi a 16 pontos no Brasileirão, mas se manteve na 10ª colocação. Agora, o foco do grupo muda para a Copa Sul-Americana. Isso porque, na próxima quinta-feira, o Peixe visita o Independiente, pela partida de volta das oitavas de final.

Com a vitória de 1 a 0 na ida, na Vila Belmiro, o Alvinegro precisa de apenas um empate em Avellaneda para garantir a classificação à próxima fase.

“Vamos descansar o time, temos uma viagem bem difícil por conta da logística, mas vamos busca descansar os jogadores da melhor forma possível para recuperá-los e treinar aquilo que dá para esse jogo tão importante para nós”, finalizou Diniz.

Diniz celebra gol ao seu estilo e critica falta de paciência no futebol brasileiro

O Santos segue com dificuldades para pontuar longe de casa. Neste domingo, no entanto, o um ponto conquistado em Bragança Paulista diante do Bragantino foi motivo de comemoração para o Peixe, já que o time perdia até os acréscimos, quando Marcos Leonardo decretou o 2 a 2.

O primeiro gol alvinegro do embate, aliás, também foi especial para Fernando Diniz. Isso porque a jogada começou nos pés o goleiro João Paulo que, ao invés de rifar a bola, optou por sair jogando curto, algo muito apreciado pelo comandante. Depois de uma longa troca de passes, Felipe Jonatan cruzou na cabeça de Marcos Guilherme, que precisou de duas tentativas para vazar o goleiro Cleiton.

“Acho que isso é fruto de um trabalho. Não é o primeiro gol que a gente faz que saiu do goleiro. O grande problema que tem aqui no Brasil é que no dia que acontecer um erro vão fazer como fizeram no São Paulo. A postura de saída com o goleiro sempre foi a mesma, desde o Audax. Nunca foi uma coisa para o jogador correr risco exagerado. Aqui os jogadores estão sabendo tomar boas decisões, tem hora que dá para jogar, mas não é sempre. Nós criamos situações para fazer gols como esse”, disse o treinador em coletiva.

Diniz também aproveitou para criticar a falta de paciência no futebol brasileiro. Segundo ele, é preciso dar mais incentivos aos atletas, assim como é feito com os jogadores de ligas europeias.

“Quando o João Paulo saiu jogando, alguém poderia ter errado o passe. E aí, se o passe dá errado e toma o gol, a gente fica rotulando e desencorajando as outras pessoas que fazem isso. E lá na Europa a gente fica batendo palma para o City, que também erra saída. No ano passado, por exemplo, todo mundo lembra do Varane, que foi sair jogando e tomou um gol no Real Madrid. Aqui, quando erra, a gente vai desencorajando as pessoas a praticarem um jogo que, além de eficiente, é plástico”, comentou.

“Você precisa ter coragem e sincronia de movimentos. Se as pessoas soubessem o quanto a gente repete e do quanto a gente treina. Aqui no Santos a gente conseguiu fazer gol assim. E espero que a gente tenha cada vez mais senso de saber a hora de sair jogando e a hora de fazer bola longa”, finalizou.

Diniz defende Pará, mas números pesam a favor de Madson no Santos

O técnico Fernando Diniz defende Pará e tenta ajudá-lo a recuperar o bom futebol da última temporada, mas os números pesam a favor de Madson no Santos.

O SofaScore levantou as estatísticas recentes dos dois laterais-direitos no Campeonato Brasileiro. Ofensivamente, não há comparação. E Madson leva a melhor em alguns critérios defensivos também.

Com 38 jogos para cada, Madson tem cinco gols e seis assistências, enquanto Pará não criou nenhuma grande chance. Madson ainda acerta mais cruzamentos (23 x 21%), dá mais passes decisivos (23 x 19), sofre menos dribles por jogos (0,2 x 0,6) e ganha mais duelos (59% x 49%).

“O Madson é um grande jogador, mas eu tenho que ter um olhar técnico, não posso ter um olhar só de torcedor. O Pará contra o Independiente fez um jogo muito bom, falhou naquele lance em que sofremos o gol que estava impedido, mas fez uma partida muito segura. Eu não posso agir com emoção. Faz 15 anos que o Pará joga em times grandes, quase sempre como titular. Eu entendo o torcedor, ele está aí para criticar e torcer, e eu estou aqui para escalar e fazer o que é melhor para o Santos”, disse o técnico Fernando Diniz, em entrevista coletiva.

No 2 a 2 com o Red Bull Bragantino no último domingo, Pará errou no posicionamento do primeiro gol do adversário, não ajudou no ataque e saiu no intervalo. Madson entrou e cabeceou a bola na trave antes do gol de Marcos Leonardo.

Santos é o pior visitante do Campeonato Brasileiro

No último domingo, o Santos empatou com o Bragantino em 2 a 2, fora de casa, em jogo válido pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Apesar de estar na décima colocação, o Peixe é o pior visitante da competição.

Até agora, o Santos disputou seis partidas longe de seus domínios, empatou duas e perdeu quatro. Segundo dados do Footstats, o Peixe é a pior defesa jogando fora de casa, com 13 gols sofridos, e possui o menor saldo (-7).

Santos como visitante no Brasileirão:

🔻 20° em pontos (2)
🔻 20° em aproveitamento (11,1%)
🔻 20° em gols sofridos (13)
🔻 20° em saldo de gols (-7)

Fora da Vila o Peixe tem problemas!

A equipe de Fernando Diniz visita o Independiente, nesta quinta-feira, pela partida de volta das oitavas de final da Copa Sul-Americana. O Santos volta a focar no Brasileiro no próximo domingo, quando irá receber o Atlético-GO.

Confira os resultados do Santos atuando fora de casa no Campeonato Brasileiro:

Bahia 3 x 0 Santos
Fluminense 1 x 0 Santos
Grêmio 2 x 2 Santos
América-MG 2 x 0 Santos
Palmeiras 3 x 2 Santos
Bragantino 2 x 2 Santos