Navegando Posts marcados como Aflitos


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Náutico 3 x 0 Santos

Data: 05/08/2012, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, em Recife, PE.
Público: 11.086 pagantes
Renda: R$ 197.375,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Asp.Fifa-GO)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Evandro Gomes Ferreira (GO).
Cartões amarelos: Ronaldo Alves e Kieza (N); Léo (S).
Gols: Patric (13-2), Kim (35-2) e Kieza (46-2).

NÁUTICO
Felipe; Patric, Marlon, Ronaldo Alves e Douglas (Lúcio); Elicarlos, Martinez, Souza (Ramirez) e Cléverson (Kim); Kieza e Araújo.
Técnico: Alexandre Gallo

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; Leandrinho (Dimba), Pedro Casto (Juan), Henrique e Felipe Anderson; Victor Andrade (Miralles) e Bill.
Técnico: Muricy Ramalho



Santos é atropelado pelo Náutico e fica a um ponto da zona de rebaixamento

Patric, Kim e Kieza marcaram para o time da casa. Santos segue sofrendo sem Neymar e companhia

A torcida do Santos já se acostumou a ver golaços marcados em jogadas individuais de seu craque, Neymar. Neste domingo, no entanto, sem seu principal jogador em campo, o santista teve que ver Kim fazer fila desde o campo defensivo e marcar um golaço na vitória por 3 a 0 do Náutico sobre a equipe santista neste sábado.

Além de Kim, o estreante lateral direito Patric abriu o placar e Kieza completou a vitória sobre o desfalcado e apático Santos que encerrou uma sequência de três derrotas seguidas da equipe pernambucana.

O resultado deixa o Náutico em situação mais tranquila no Campeonato Brasileiro. A equipe agora ocupa a 11ª posição com 16 pontos, a quatro de distância da zona de rebaixamento. Já o Santos continua em situação complicada, ficando com 13 pontos na 16ª do Campeonato Brasileiro.

O jogo

As primeiras chances de destaque foram do time mandante, com Aranha sendo exigido aos 11 minutos, quando foi defendeu finalização à queima-roupa de Elicarlos em sobra de bola na área após cobrança de escanteio.

O Náutico chegou a balançar as redes no minuto seguinte, com Araújo recebendo passe em profundidade pela esquerda da área e batendo forte para o gol, mas o tento foi corretamente anulado por posição irregular do atacante.

Um erro na saída de bola santista permitiu que Souza dominasse sozinho na área aos 20 minutos. Na frente de Aranha, o meio-campista tentou o toque por cobertura e acabou mandando a bola por cima do gol.

O alvirrubro dominava o jogo e só não abriu o placar ainda no primeiro tempo por mais uma boa intervenção de Aranha. Aos 46 minutos, o goleiro cresceu para cima de Kieza para impedir que ao atacante marcasse após receber cruzamento sozinho na pequena área.O gol do Náutico pareceu questão de tempo na primeira etapa, mas acabou chegando apenas na segunda: 13 minutos após o fim do intervalo, Souza lançou Araújo na área. O atacante limpou Bruno Rodrigo e bateu para rebote de Aranha. Na área, Patric não perdoou e mandou para as redes.

Após sofrer o gol, o Santos passou a ficar mais tempo com a bola em busca do empate, mas ainda não conseguia criar boas oportunidades. No final, a falta de criatividade da equipe foi punida pelo Náutico, que chegou ao segundo gol em uma pintura de Kim.

Aos 35 minutos, o atacante, que saiu do banco de reservas durante o segundo tempo, puxou fila desde o campo defensivo para invadir a área e tocar com categoria, tirando a bola do alcance de Aranha.

O Peixe ainda pressionou nos minutos finais do jogo tentando diminuir a desvantagem, conseguindo uma sequência de cobranças de escanteio depois dos 40 minutos, mas acabou sofrendo com o contra-ataque do Náutico, que garantiu o terceiro gol da equipe aos 46 minutos, quando Kieza finalizou cara a cara com Aranha.

Após nova derrota santista, Léo se irrita ao ouvir sobre chances de rebaixamento

Para lateral, é prematuro falar sobre queda quando nem o primeiro turno do Brasileiro acabou

O Santos tem o pior ataque do Brasileirão. Ainda não marcou gols fora de casa e com mais uma derrota, desta vez por 3 a 0 para o Náutico em Recife, vê a zona de rebaixamento cada vez mais próxima de sua realidade. Apenas um ponto separa o Santos da rabeira da tabela. Com 13 pontos, o time de Muricy Ramalho ocupa a 16ª posição, a última antes do “inferno”.

Para o mais experiente jogador do Santos é prematuro falar que a realidade do clube neste Brasileiro é lutar contra o rebaixamento. “Realidade? Que realidade? Estamos no primeiro turno ainda e querem falar de rebaixamento?”, disse Léo , muito irritado, minutos depois do fim da partida nos Aflitos ainda no campo.

O jogador de 37 anos pede para que haja paciência neste momento difícil do time. Em suas palavras, não é hora para se achar culpados já que o muitos jogadores enfrentam problemas de lesão e ainda há as baixas de Neymar e Paulo Henrique Ganso que estão com a seleção brasileira nas Olimpíadas.

“É difícil você achar onde está o erro. Não há culpados. Não é momento de apontar ninguém. É momento de se resolver em campo. Às vezes temos como matar o jogo e não matamos. Como eu disse, não é hora de apontar culpados, mas sim de como resolver problemas”, disse Léo.

O lateral-esquerdo também relata a dificuldade que equipe vem enfrentando com os muitos jovens no elenco. Por conta das muitas baixas, são promessas como Victor Andrade e Felipe Anderson que estão precisando resolver. O que nem sempre será possível.

“Nós pode fazer muito mais do que estamos fazendo. Mas temos muitos meninos subindo e há de se convir que não estão acostumados pressão. Mas futebol é assim, é na dificuldade que você tem de botar a cara”, comentou. “Trabalhando a gente está, de repende pode ser algo psicológico, questão de confiança que não está elevada”.

Após derrota, Muricy isenta jovens e critica atuação na janela

Treinador voltou a criticar a diretoria e disse que “não está acostumado com essa situação”

Com nove desfalques, o técnico Muricy Ramalho foi obrigado a lançar mão de jovens promessas na escalação do Santos para o duelo contra o Náutico. Mesmo com a derrota por 3 a 0, porém, o treinador isentou os atletas da base e preferiu criticar a atuação da equipe na janela de transferências internacionais.

“No final nos abrimos porque não tinha outra alternativa, perder por um ou três gols não faz diferença. Até começamos bem no jogo, mas é um time desentrosado, de garotos. Precisamos ter calma em relação a eles, já esperávamos dificuldade porque é um time que nunca jogou junto”, defendeu o comandante alvinegro, que escalou jovens como Pedro Castro, Leandrinho e Victor Andrade.

O treinador voltou a deixar claro que esperava melhores contratações na janela de transferências. “Deixamos passar a janela, demoramos e isso já foi conversado várias vezes. Claro que existem algumas possibilidades que estamos tratando, mas no momento que você precisa o preço aumenta e se acaba pagando por não ter se organizado no passado”, criticou.

Muricy, porém, se recusou a comentar a possibilidade de rebaixamento. “Ainda é cedo para falar alguma coisa, muito ainda pode mudar, mas para quem está acostumado a ficar na parte de cima é duro brigar embaixo, eu mesmo não estou acostumado com essa situação. Isso foi alertado, mas aconteceu e agora precisamos de calma para reverter, ainda tem muita coisa para acontecer”, finalizou.

Náutico 1 x 2 Santos

Data: 29/07/2009, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 15ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, no Recife, PE.
Público: 13.515
Renda: R$ 44.610,00
Árbitro: Jaílson Freitas (BA)
Auxiliares: Alexandre de Rocha Matos e Belmiro da Silva (ambos da BA).
Cartões amarelos: Gladstone, Derley e Carlinhos Bala (N); Felipe, Luizinho, Felipe Azevedo, Germano e Rodrigo Souto (S).
Cartão vermelho: Gladstone (N)
Gols: Neymar (22-2), Gilmar (32-2, de pênalti) e Rodrigo Souto (46-2).

NÁUTICO
Glédson; Vágner, Nilson e Gladstone; Galiardo, Johnny (Dudu Araxá) (Beto Costa), Aílton (Asprilla), Derley e A.Santana; Carlinhos Bala e Gilmar.
Técnico: Geninho

SANTOS
Felipe; Pará, Eli Sabiá, Fabão e Léo (Luizinho), Germano, Rodrigo Souto, Róbson (Neymar) e Paulo Henrique (Felipe Azevedo); Kléber Pereira e Madson.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Com um a mais no 2° tempo, Santos vence Náutico nos acréscimos

Com um gol de Rodrigo Souto aos 46 minutos do segundo tempo, o Santos venceu o Náutico por 2 a 1 nesta quarta-feira, nos Aflitos, no Recife. Todos os gols do jogo saíram no segundo tempo, quando o time da casa já estava com dez jogadores, pois Gladstone havia sido expulso nos minutos finais da primeira etapa.

Para o Santos, Neymar saiu do banco para abrir o placar de cabeça. Em cobrança de pênalti cometido pelo goleiro Felipe, Gilmar deixou tudo igual. Até que nos acréscimos Rodrigo Souto marcou de cabeça o gol da vitória alvinegra.

Com esse resultado, o time paulista foi a 20 pontos, em posição intermediária, enquanto que os donos da casa ficaram com 11, em último lugar. Os dois times também seguem com as piores defesas da competição nacional. A dos anfitriões é a mais vazada, com 33 gols, enquanto que a dos alvinegros sofreu 29.

Mesmo com o sistema defensivo vulnerável, o técnico Vanderlei Luxemburgo abdicou do esquema com três volantes e colocou o meia Róbson no lugar do suspenso Roberto Brum. No ataque, Kléber Pereira retornou após mais de dez dias afastado por causa de uma inflamação no joelho. O jogador voltou a desperdiçar boas chances de gol.

Do outro lado, o Náutico vinha de um empate por 3 a 3 no clássico com o Sport. Porém, precisava encerrar um jejum que agora chega a 12 jogos sem vencer. Cinco deles sob o comando do técnico Geninho, que empatou três vezes e perdeu duas.

O jogo

O Santos foi melhor no primeiro tempo e criou as principais chances de gol. Porém, o goleiro Glédson, que há pouco tempo era o terceiro goleiro do Náutico, foi se destacando fazendo boas defesas.

A melhor delas foi aos 25 minutos, em chute cruzado de Kléber Pereira. Aos 45, o zagueiro Gladstone fez falta em Madson, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso.

“O jogo está bom, mesmo com o campo pesado. Agora vamos ter um homem a mais e isso vai facilitar, mas temos que jogar. Temos jogadores velozes na frente e com tranquilidade o gol vai sair”, disse o atacante Kléber Pereira, em entrevista à Rádio Globo, no intervalo.

Os dois técnicos fizeram alterações para a etapa final. No Santos, Luxemburgo sacou o meia Paulo Henrique Ganso e colocou o atacante Felipe Azevedo. Já Geninho recompôs o sistema defensivo, colocando o zagueiro Asprilla na vaga do meia Aílton.

O Santos não conseguia pressionar, e Luxa colocou Neymar no lugar de Róbson, aos 13. Depois de ver Kléber Pereira perder outro gol, Neymar abriu o placar aos 22, ao completar cruzamento de cabeça. Porém, dez minutos depois, Felipe derrubou Gilmar na área. O próprio Gilmar bateu com paradinha e empatou. Quando todos esperavam pelo empate, Rodrigo Souto fez o gol da vitória, aos 46.

No próximo final de semana, o Santos vai folgar, pois o Internacional-RS, que seria seu adversário, excursiona no exterior. Com isso, o time da Vila Belmiro volta a jogar na outra quarta-feira, diante do Coritiba, fora de casa. Já o Timbu enfrenta o Flamengo, no Rio de Janeiro, no próximo domingo.


Náutico 1 x 0 Santos

Data: 10/08/2008, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 19ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, no Recife, PE.
Público: 13.711 pagantes
Renda: R$ 49.810,00
Árbitro: Luiz Antonio Silva Santos (RJ).
Auxiliares: Marcio Marco Aurélio dos Santos Pessanha (RJ) e Ricardo Maurício Ferreira de Almeida (RJ).
Cartões amarelos: Negretti, Piauí, Gilmar e Eduardo (N); Dionísio, Adoniran, Carleto, Douglas, Marcelo, Domingos e Apodí (S).
Gol: Negretti (19-2).

NÁUTICO
Eduardo; Negretti, Vagner e Everaldo; Ruy (Radamés), Ticão, Alceu (Piauí), Fabiano Gadelha (Willian) e Paulo Santos; Gilmar e Felipe.
Técnico: Roberto Fernandes.

SANTOS
Douglas; Marcelo, Domingos, e Fabiano Eller; Fabiano (Apodí), Dionísio, Adoniran, Michael e Carleto (Wesley); Tiago Luis (Lima) e Kléber Pereira.
Técnico: Márcio Fernandes.



Náutico vence e sai da zona de degola; Santos continua calvário

Náutico e Santos fizeram um jogo de ataque contra defesa neste domingo, no estádio dos Aflitos. Enquanto os alvirrubros chegaram inúmeras vezes ao gol de Douglas, o goleiro Eduardo pouco trabalhou na partida. Mesmo assim, os pernambucanos derrotaram os santistas por 1 a 0 e conseguiram deixar a zona de rebaixamento, uma rodada após terem entrado.

As duas equipes começaram se estudando, mas a alvirrubra nitidamente tinha uma postura mais ofensiva, até pelo fato de jogar em casa e de contar com a pressão do seu torcedor nas arquibancadas.

O primeiro lance de perigo veio pelo lado do Náutico. Ruy bateu uma falta na área e Gilmar quase mandou para ao fundo das redes. Felipe pegou o rebote e ainda cruzou de novo, mas ninguém apareceu para tocar na bola e a defesa do Santos isolou.

O Náutico chegou novamente ao gol do Santos, aos 11min de jogo. Em mais um cruzamento, dessa vez de Everaldo, o meia Fabiano Gadelha recebeu livre de marcação e acabou mandando uma bomba, mas a bola bateu na rede pelo lado de fora.

Um jogo muito truncado e com bastante faltas era visto nos Aflitos. Além disso, o gramado pesado, por conta das fortes chuvas que caíram em Recife durante toda a semana, prejudicava o espetáculo.

Mesmo sem muita objetividade, o Náutico conseguia chegar com mais perigo ao gol do Santos. Fabiano Gadelha fez uma bela jogada pela direita, cruzou rasteiro e novamente nenhum atacante apareceu para empurrar a bola para o fundo das redes.

O primeiro ataque do Santos só aconteceu aos 24min de jogo. O meia Michael mandou uma bomba de longe e a bola passou perto do travessão do goleiro Eduardo, assustando a torcida alvirrubra.

Aos 29min, um lance inusitado. Carleto jogou despretensiosamente para a área do Náutico e o goleiro Eduardo acabou dando um tremendo susto na torcida alvirrubra. A bola vinha fácil, mas o arqueiro acabou não conseguindo encaixar e quase foi o protagonista do que seria o primeiro gol santista. A bola ainda pegou lentamente na trave antes de sair pela linha de fundo.

O Náutico chegou novamente com perigo aos 33min. Gilmar arrancou pela direita, deixou Domingos para trás, mas acabou ficando sem ângulo e chutando para fora. Os alvirrubros ainda chegaram em mais uma oportunidade no primeiro tempo. Fabiano Gadelha cobrou uma falta de longe e o goleiro Douglas encaixou a bola com facilidade.

Os dois times voltaram sem substituições para a segunda etapa, mas a equipe alvirrubra aparentemente veio com mais força e, com apenas 1min, já protagonizou o lance mais perigoso da partida, até aquele momento. Paulo Santos caiu pelo lado esquerdo e cruzou para o atacante Felipe, que sozinho acabou cabeceando para fora. A bola passou perto da trave esquerda do goleiro Douglas.

No lance seguinte, outro lance perigoso do Náutico. Fabiano Gadelha arriscou de fora da área e a bola passou perto mais uma vez da trave esquerda do arqueiro santista.

A torcida alvirrubra se empolgou com esses dois lances e passou a jogar com o time, que começou a descer com muito perigo. Enquanto isso, o Santos adotava uma postura defensiva e via o Náutico tocar a bola tentando entrar na área.

Aos 7min foi a vez do zagueiro Vagner quase marcar. Fabiano Gadelha bateu um escanteio pela direita, o defensor alvirrubro subiu livre de marcação e acabou cabeceando para fora.

O Náutico deu uma esfriada após o bom começo e só foi chegar ao gol do Santos novamente depois de dez minutos. E, como em todos os lances até aquele momento, sem nenhuma competência. Ruy cruzou na área e Negretti, mais uma vez livre de marcação, mandou para fora. No lance seguinte, no entanto, o zagueiro conseguiu tirar o zero do placar.

Após um escanteio muito bem cobrado pelo lateral-direito Ruy, Negretti mandou uma bomba de cabeça no ângulo do goleiro Douglas, que não conseguiu evitar o primeiro gol alvirrubro.

As jogadas aéreas eram realmente o ponto forte do Náutico e o fraco do Santos. O lateral-esquerdo Piauí cobrou escanteio, aos 27min, a bola foi rebatida pela zaga santista e Ruy chegou para concluir. Douglas fez uma bela defesa evitando o que seria o segundo gol do Náutico.

Com a vitória praticamente garantida – pelo fato de o Santos não esboçar nenhuma reação – o Náutico tocava a bola com tranqüilidade e só saia para o ataque quando percebia que tinha espaço.

O primeiro lance de ataque do Santos no segundo tempo só veio aos 44min de jogo. Michael cobrou uma falta e Eduardo efetuou uma bonita defesa. Felipe quase ampliou o placar nos acréscimos, mas a partida acabou mesmo em 1 a 0 para o Náutico.


Náutico 1 x 2 Santos

Data: 31/10/2007, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, em Recife, PE.
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Alessandro Rocha (BA) e Aristeu Leonardo Tavares (RJ).
Cartões amarelos: Elicarlos e Acosta (N); Adriano, Tabata e Rodrigo Souto (S).
Gols: Felipe (15-1); Pedrinho (41-1) e Kléber Pereira (45-2).

NÁUTICO
Fabiano, Radamés, Onildo, Toninho, Julio César, Daniel Paulista, Elicarlos (Marcelo Silva), Geraldo e Acosta; Marcelinho e Felipe (Ferreira).
Técnico: Roberto Fernandes

SANTOS
Fábio Costa; Dionísio, Marcelo, Domingos e Kléber; Rodrigo Souto, Adriano, Petkovic (Pedrinho) e Tabata (Vítor Júnior); Marcos Aurélio (Renatinho), Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos supera Náutico nos Aflitos e fica perto da Libertadores

Náutico e Santos entraram em campo decididos a vencer para facilitar suas respectivas metas neste Brasileirão: manutenção na elite do torneio e a vaga à Libertadores. O time da Vila, porém, foi melhor, venceu por 2 a 1, nesta quarta-feira à noite, nos Aflitos, e ficou mais perto do torneio sul-americano.

O Santos se manteve na segunda posição do Brasileiro, com 58 pontos, se distanciando do concorrente Grêmio, 54 pontos. Outro rival, o Flamengo também venceu, chegando aos 55 pontos e assumindo a 3ª posição.

Já o Náutico perdeu sua invencibilidade de cinco jogos seguidos em casa com vitória. Ameaçado pelo rebaixamento, o Náutico, por sorte, viu seus concorrentes perderem; o Goiás caiu em casa diante do Vasco e o Corinthians para o Flamengo.

Uma derrota seria catastrófica para ambas as equipes. Por isso, Náutico e Santos não economizaram jogadas ofensivas na primeira etapa. O time da Vila começou assustando os donos da casa. Aos 9min, Marcos Aurélio invadiu a área e chutou no travessão.

A resposta do Náutico não demorou. Aos 16 min, o lateral Júlio César cruzou na cabeça do atacante Felipe, que teve o cuidado de cabecear no contrapé de Fábio Costa. Desde então, o clube pernambucano soube trabalhar mais a bola no ataque; o Santos ameaçava com contragolpes rápidos.

Quando a etapa inicial estava pra se encerrar, Kléber Pereira, aos 45 min, foi mais ligeiro que o goleiro Fabiano e tocou a bola para o gol, após linda enfiada de bola de Rodrigo Tabata. Criticado pela torcida santista na rodada passada, Kléber Pereira encerrou a fase sem gols no Brasileirão, que já durava oito partidas.

O Santos voltou a acertar bola na trave do Náutico após o intervalo de jogo. Ousado, o lateral Dionísio arriscou chute de longa distância, aos 21 min da segunda etapa, assustando o goleiro Fabiano. Temendo serem surpreendidos, os times paulistas e pernambucanos se seguraram em campo.

Novamente decisivo, o meia Pedrinho repetiu a exibição da rodada passada, quando marcou contra o Goiás e anotou o gol da vitória sobre o náutico, aos 41 min. Kléber lançou Pedrinho, que chutou cruzado, num lindo gol.

Na próxima rodada, o Santos enfrenta o Atlético-MG, domingo, na Vila Belmiro, enquanto o Náutico sai de casa para encarar o Fluminense, no Maracanã.

Náutico 0 x 2 Santos

Data: 20/04/1992, segunda-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 14ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, em Recife, PE.
Público: 4.063 pagantes
Renda: Cr$ 19.003.000,00
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (MG)
Cartões amarelos: China e Ocimar (N); Marcelo Fernandes, Pedro Paulo, Paulinho, Marcelo Veiga e Zé Renato (S).
Cartão vermelho: Cafézinho (N).
Gols: Paulinho (24-2) e Paulinho (46-2).

NÁUTICO
Mauri; Cafézinho, China, Barros e Daniel; Lúcio, Jackson e Fagundes; Nivaldo, Pirata (Levi) e Possi (Ocimar).
Técnico: Charles Muniz

SANTOS
Sérgio; Dinho, Marcelo Fernandes, Pedro Paulo e Marcelo Veiga; Bernardo, Zé Renato e Sérgio Manoel (João Paulo); Almir (Guga), Paulinho McLaren e Cilinho.
Técnico: Geninho



Santos derrota Náutico e ultrapassa Corinthians na tabela

Equipe santista é a 5º colocada

Fonte: Jornal Folha de SP