Navegando Posts em Copa Sul-Americana

Independiente-ARG 1 x 1 Santos

Data: 22/07/2021, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Libertadores da América, em Avellaneda, Argentina.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Diego Haro (PER).
Cartões amarelos: Barreto, Romero e Blanco (I); Jean Mota e Kaiky (S).
Cartões vermelhos: Insaurralde e Barreto (I).
Gols: Kaio Jorge (38-1); Lucas González (22-2).

INDEPENDIENTE (ARG)
Sosa; Bustos, Barreto, Insaurralde e Rodríguez (Soñora); Lucas Romero, Blanco (Herrera), Palacios (Márquez), Velasco (Martínez) e Roa (González); Sergio Romero.
Técnico: Julio Falcioni

SANTOS
João Paulo; Madson, Luiz Felipe, Kaiky e Felipe Jonatan; Camacho (Alison), Jean Mota (Vinicius Zanocelo) e Carlos Sánchez (Gabriel Pirani); Marinho (Lucas Braga), Marcos Guilherme (Marcos Leonardo) e Kaio Jorge.
Técnico: Fernando Diniz



Com show de João Paulo, Santos empata com o Independiente e avança na Sul-Americana

O Santos empatou com o Independiente (ARG) por 1 a 1 nesta quinta-feira, em Avellaneda, e avançou às quartas de final da Copa Sul-Americana. O gol foi marcado por Kaio Jorge. O Rojo empatou com Lucas González.

Depois de abrir vantagem com o 1 a 0 na Vila Belmiro, o Peixe teve muita dificuldade na Argentina e foi salvo por nove defesas importantes do goleiro João Paulo em uma atuação memorável.

No pior momento em campo, Kaio Jorge aproveitou contra-ataque e abriu o placar no primeiro tempo. O Independiente seguiu em cima do Santos na etapa final e conseguiu o empate quando estava com um a menos. Mesmo com a vantagem numérica após a expulsão de Insaurralde, o Peixe sofreu até o fim, mas conseguiu segurar o resultado.

O jogo

O primeiro tempo foi muito movimentado em Avellaneda. O Santos começou melhor, mas passou a sofrer contra o Independiente a partir dos 10 minutos.

Aos 17, Bustos foi à linha de fundo e cruzou para Velasco, da marca do pênalti, chutar para incrível defesa de João Paulo no reflexo. No minuto 21, Romero cruzou, a bola desviou em Kaiky e João fez nova intervenção importante.

Quando o placar marcava 37 jogados, veio um momento decisivo. Palacios recebeu cara a cara com João Paulo e chutou para um milagre do goleiro. Segundos depois, Marinho roubou a bola, Sánchez lançou, Insaurralde errou e Kaio Jorge foi oportunista para deslocar Sosa e abrir o placar.

Aos 44, Madson arrancou e cruzou fraco enquanto Marcos Guilherme esperava sozinho no segundo pau. No escanteio, Kaio Jorge bateu da entrada da área e Sosa defendeu. Ainda deu tempo Kaiky fazer corte decisivo aos 46 e de Romero se livrar do segundo cartão amarelo após falta dura.

A etapa final continuou como a primeira: o Independiente melhor e o goleiro João Paulo salvando o Santos. A primeira chance dos argentinos já foi no primeiro minuto, quando João defendeu finalizações de Lucas Romero e depois de Silvio Romero.

Aos 5, João Paulo fez uma defesa espetacular em nova tentativa de Romero. No minuto 6, Marcos Guilherme perdeu boa oportunidade. E aos 10, João fez novo milagre em chute de Bustos na pequena área.

No minuto 16, veio o respiro para o Santos. Madson lançou, Marinho arrancou e Insaurralde o parou com falta. O árbitro Diego Haro deu cartão amarelo, mas expulsou o zagueiro depois de checagem no VAR.

Mesmo com um a menos, o Independiente conseguiu o empate aos 22: bate-rebate na área após chute travado de Silvio Romero e Lucas González aproveitou o rebote para encher o pé e finalmente vencer João Paulo. 1 a 1.

Aos 30 minutos, o Santos enfim chegou. Segundos depois de entrar em campo, Gabriel Pirani bateu de canhota, a bola desviou e raspou a trave do goleiro Sosa. No minuto 37, Zanocelo assustou em finalização de fora da área. Instantes depois, Pirani perdeu nova chance.

Nos minutos finais, o Independiente continuou em cima e ainda deu tempo para João Paulo salvar o segundo do Independiente em cabeceio de Herrera na pequena área. Com muito sofrimento, o Santos avançou na Sul-Americana.

Bastidores – Santos TV:

Diniz elogia João Paulo, explica escalação do Santos e alerta: “Tínhamos que ter nos protegido melhor”

O técnico Fernando Diniz fez um alerta após o Santos empatar em 1 a 1 com o Independiente na Argentina e avançar às quartas de final da Copa Sul-Americana.

No entendimento do treinador, o Peixe marcou mal. O goleiro João Paulo fez nove defesas importantes.

“Em Santos jogamos bem, principalmente o segundo tempo, hoje tínhamos o 1 a 0, o Independiente se lançou. Normal serem mais agressivos, mas não poderíamos ceder tantas chances. Temos que corrigir, está claro. Tínhamos que ter nos protegido melhor”, disse Diniz.

“Foi um dos jogos de goleiro mais decisivo, sim. Está de parabéns, foi decisivo e nos ajudou muito. Treina muito e é prêmio para ele pelo profissional e pessoa que é. Vi algumas situações espetaculares de goleiro, mas hoje faz parte de ver um goleiro desequilibrar uma partida a nosso favor”, completou.

O técnico também explicou a escalação: ele sacou Pará e Gabriel Pirani para as entradas de Madson e Carlos Sánchez.

“Coloquei porque achei que era o melhor para o time. Os dois estão bem e poderia ter saído com outros jogadores também. Pará estava bem, mas achei que era momento do Madson. Sánchez foi bem contra o Bragantino, entrou bem em outros jogos e resolvi mantê-lo, mas Pirani poderia jogar também. Achei que para esse jogo eram as melhores opções”, concluiu.

O Santos enfrentará o Libertad (PAR) nas quartas de final da Sula.

Diniz vê elenco do Santos capaz de encarar três competições: “Estou feliz”

O técnico Fernando Diniz vê o elenco do Santos capaz de encarar as três competições do calendário: Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Sul-Americana.

O treinador gostaria de mais alguns reforços, mas elogia quem tem à disposição no Peixe.

“Conseguimos mexer com o elenco e estou feliz com o que eu tenho. Podemos encaixar mais um ou outro jogador, mas acho que o elenco consegue encarar as três competições”, disse Diniz, após eliminar o Independiente na Sul-Americana.

10º colocado no Brasileirão, com 16 pontos, o Santos está classificado para enfrentar o Libertad (PAR) nas quartas da Sula e o Juazeirense nas oitavas da Copa do Brasil.

João Paulo dedica atuação histórica no Santos para a mãe, que luta contra um câncer: “Foi para ela”

O goleiro João Paulo teve uma atuação histórica pelo Santos no empate em 1 a 1 com o Independiente nesta quinta-feira, na Argentina, pela Sul-Americana. E a força veio da mãe.

A mãe do santista luta contra um câncer. O Menino da Vila dedicou a partida para ela.

“Minha mãe começou tratamento contra um câncer. Tenho certeza que vamos vencer essa juntos. Quero dedicar essa partida para ela”, disse João.

João Paulo fez nove defesas importantes e segurou o empate. Depois da vitória por 1 a 0 na Vila Belmiro, o Peixe avançou para as quartas de final da Sul-Americana para enfrentar o Libertad (PAR).

Kaio Jorge lidera as participações em gols na equipe do Santos

O Santos se classificou para as quartas de final da Copa Sul-Americana, nesta quinta-feira. O gol de Kaio Jorge garantiu o empate diante do Independiente. O atacante, de 19 anos, tem sido um dos destaques do setor ofensivo do Peixe nesta temporada.

Segundo dados do Footstats, Kaio Jorge disputou 27 partidas, 20 como titular, marcou oito gols e deu passe para outros três. O jovem lidera as participações em gols na equipe do Santos. Atrás de Kaio, Marinho possui sete tentos e deu passe para outros três, já Lucas Braga anotou cinco gols e uma assistência.


Santos 1 x 0 Independiente-ARG

Data: 25/07/2021, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Wilmar Roldan (COL)
Assistentes: Alexander Guzman e John Leon (ambos da COL).
VAR: Julio Bascuñan (CHI)
Cartões amarelos: Kaiky (S); Rodríguez, Insaurralde e González (I).
Gol: Kaio Jorge (23-2).

SANTOS
João Paulo; Pará (Madson), Luiz Felipe, Kaiky e Felipe Jonatan; Camacho, Jean Mota (Carlos Sánchez) e Gabriel Pirani (Lucas Braga); Marinho, Kaio Jorge (Vinicius Zanocelo) e Marcos Guilherme.
Técnico: Fernando Diniz

INDEPENDIENTE
Sosa; Bustos, Ostachuk, Insaurralde e Rodríguez; Blanco (González), Lucas Romero e Palacios (Braian Martínez); Velasco (Herrera), Silvio Romero e Roa.
Técnico: Julio Falcioni



Santos vence o Independiente na Vila e abre vantagem na Sul-Americana

O Santos venceu o Independiente por 1 a 0 nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Sul-Americana. O gol foi marcado por Kaio Jorge.

O Peixe jogou melhor, principalmente no início do segundo tempo, e criou chances para levar um placar ainda maior para a Argentina. No fim, porém, os donos da casa diminuíram o ritmo e viram um gol de Romero anulado por impedimento e outras oportunidades desperdiçadas pelo Rojo. O goleiro João Paulo foi providencial.

Com o resultado, o Alvinegro avançaria às quartas com um empate na próxima quinta, em Avellaneda. Vitória por um gol de diferença do Independiente levaria a eliminatória para os pênaltis.

O jogo

O primeiro tempo foi muito truncado na Vila Belmiro. O Santos ditou as ações, mas não teve criatividade suficiente para criar chances claras. O Independiente, mais defensivos, não conseguiu bons contra-ataques.

As duas melhores situações do Peixe na etapa inicial foram com Marcos Guilherme: aos 33 minutos, ele não dominou no segundo pau após cruzamento de Pará. Aos 40, cruzou o campo em velocidade, invadiu a área e bateu fraco para a defesa de Sosa.

O Santos voltou bem melhor para a etapa final e empilhou chances: Kaio Jorge, Gabriel Pirani, Marinho e passaram perto, a melhor foi a de Kaiky, em forte cabeceio aos 10 minutos para grande defesa de Sosa.

Mesmo com o Peixe bem em campo, o técnico Fernando Diniz mexeu e tirou Gabriel Pirani e Jean Mota para as entradas de Carlos Sánchez e Lucas Braga no minuto 15. O time demorou um pouco a se encontrar e só voltou a assustar aos 22, em bicicleta de Marinho. E quando o placar marcava 23 jogados, o gol finalmente saiu.

Marinho deu belo passe para Marcos Guilherme chutar de primeira. O goleiro Sosa espalmou para frente e Kaio Jorge foi oportunista para aproveitar o rebote. 1 a 0 na Vila Belmiro.

O Independiente saiu da defesa e quase empatou aos 29 minutos, quando Kaiky vacilou na defesa, perdeu a bola e Roa bateu bonito para o goleiro João Paulo espalmar no cantinho. Aos 35, Romero aproveitou “assistência” de Pará e marcou, mas o lance foi anulado por impedimento.

No minuto 40, outra chance do Independiente. Herrera recebeu na área, cortou e bateu colocado. Moraes se jogou na bola para evitar o que certamente seria o empate dos argentinos. Aos 45, Romero ainda bateu falta para linda defesa de João Paulo.

Sufoco, mas 1 a 0 para o Santos na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Fernando Diniz valoriza vitória do Santos sobre o Independiente: “Time difícil de ser batido”

O técnico Fernando Diniz aprovou o desempenho do Santos na vitória por 1 a 0 sobre o Independiente nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Sul-Americana.

O Peixe dominou os argentinos na maior parte do tempo, mas desperdiçou chances, sofreu nos minutos finais e contou com grandes defesas do goleiro João Paulo.

“A tática foi iniciar como fizemos no segundo tempo. Estávamos circulando mal a bola. Independiente é bem treinado, ia bem nessa competição e no campeonato local. Se prepararam 15 ou 20 dias para esse jogo, muita energia física. Time difícil de ser batido. Colocamos mais intensidade no segundo tempo e conseguimos vencer um jogo importante”, disse Fernando Diniz.

“Falta efetividade e eficácia talvez, mas o importante é criar. Uma hora a bola vai entrar com mais facilidade”, completou.

No começo do segundo tempo, Diniz tirou Gabriel Pirani e Jean Mota para as entradas de Carlos Sánchez e Lucas Braga. O técnico explicou as mexidas.

“Pirani tinha melhorado e estava bem, jogador criativo, vinha de dois jogos excelentes. E tínhamos dois descansados que não são reservas. Lucas Braga e Sánchez também são titulares. Sánchez tem muita qualidade, cada vez melhor, e Braga joga quase sempre como titular. Tirei o Pirani para aumentar a intensidade, mas ele estava bem quando saiu. Não é só quem está mal que sai. Trouxe o Marcos Guilherme e tivemos saída dinâmica, um mais atacante para aumentarmos a chance de gol, que foi o que aconteceu”, afirmou.

“Casca vai sendo criada, não tem nada pronto. Time literalmente em construção. No jogo do Athletico, dos que fizeram a final da Libertadores, só um jogou. Elenco trabalha muito e ganha entrosamento, rodagem e cada vez mais casca, mas é um processo que estamos no início. Processo nunca vai ter fim, mas está no início, estou há dois meses e esperamos crescer no decorrer das competições”, concluiu.

Com a vantagem do empate, o Santos enfrentará o Independiente na próxima quinta, em Avellaneda, para avançar às quartas da Sula.

Independiente faz pressão, mas Santos não teme punição por escalar Kaio Jorge ( Em 16/07/2021 )

O Independiente faz pressão na Conmebol, mas o Santos não teme punição por ter escalado Kaio Jorge na vitória por 1 a 0 na última quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Sul-Americana.

Kaio recebeu três cartões amarelos nesta edição da Libertadores da América, antes da eliminação do Peixe. A suspensão pelo acúmulo de advertências, porém, não é transferida para a Sul-Americana.

O Santos enviou ofícios para a Conmebol e confirmou a possibilidade de Kaio Jorge atuar. Alison, em contrapartida, ficou fora por ter sido punido com dois jogos de suspensão pela expulsão contra o The Strongest (BOL), pela quinta rodada da fase de grupos da Libertadores. O Peixe recebeu sinal positivo para Kaio Jorge e negativo para Alison.

O Santos se baseia no Artigo 75.3 do Código de Disciplina da Conmebol: “A suspensão imputada a um jogador, por acúmulo de cartões amarelos, em diferentes partidas em uma mesma competição, em nenhum caso será transferida para outra competição”.

O Independiente reclama na Conmebol com base em um artigo do “Processos Administrativos” do “Manual de Clubes”.

“Os jogadores que através da edição atual da Libertadores se classificarem para a Sul-Americana do mesmo ano, que se encontrem com sanções pendentes de cumprimento, como consequência de expulsões ou qualquer tipo de sanção recebida de órgãos judiciais, deverão cumprir obrigatoriamente essas punições no mesmo ano da Sul-Americana”.

Esse trecho utilizado pelos argentinos, porém, se refere a punições, e não ao acúmulo de cartões amarelos. Dessa forma, o Santos está tranquilo e não teme o mesmo desfecho de 2018, quando escalou Carlos Sánchez de forma irregular e o 0 a 0 contra o mesmo Independiente em Avellaneda virou 3 a 0 na ida das oitavas de final da Libertadores. O Peixe acabou eliminado após novo 0 a 0 no Pacaembu.

O departamento jurídico trata a situação como “gato escaldado” e por isso não se baseou apenas no regulamento e enviou ofícios para a Conmebol para se resguardar. O clube já imaginava essa pressão do Independiente.

“O Santos FC esclarece que o atacante Kaio Jorge estava apto a jogar diante do Independiente, da Argentina, pela Conmebol Sul-Americana, na quinta-feira, dia 15, na Vila Belmiro. Para evitar qualquer dúvida, o Clube formalizou consultas oficiais à Conmebol em relação à escalação dos atletas Kaio Jorge e Camacho. Nas duas situações, a resposta da entidade, como o Santos já esperava, foi positiva em relação à escalação dos atletas.

Kaio Jorge levou o terceiro amarelo na última partida do Clube pela Conmebol Libertadores, contra o Barcelona, no Equador, mas pelo artigo 75.3 do Código Disciplinar da Conmebol – “a suspensão imputada a um jogador, por acúmulo de cartões amarelos, em partidas distintas, em uma mesma competição, em nenhum caso será transferida para a outra competição”.

Já no caso de Camacho, o Santos FC está amparado pelo artigo 3.7.4.1 do Manual de Clube da Conmebol Sul-Americana. O Santos FC reitera que tanto o Departamento de Futebol, quanto o Departamento Jurídico, tiveram todo o cuidado prévio em cada situação, a fim de evitar prejuízos ao Clube”, disse o Santos, por meio de nota oficial.


Santos 1 x 1 River Plate-URU

Data: 26/02/2019, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-americana – 1ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público e renda: Portões fechados, punição da Conmebol devido ao incidente na Libertadores 2018.
Árbitro: Mauro Vigiliano (ARG)
Auxiliares: Diego Bonfa e Julio Fernandez (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Felippe Cardoso e Yuri (S); Oliveira, Caizada e Silva (RP).
Gols: Mauro Da Luz (09-2) e Soteldo (41-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Copete; Alison (Yuri), Diego Pituca (Felippe Cardoso), Carlos Sánchez e Jean Mota; Soteldo e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

RIVER PLATE (URU)
Olivera; Herrera, Silva, Ale, Olivera; Calzada, Ospitaleche e Juan Plada; Juan Oliveira (Rodríguez), Mauro da Luz (Neris) e Urruti (Gorga)
Técnico: Jorge Giordano


Santos empata com o River Plate-URU e está eliminado da Sul-Americana

O Santos empatou em 1 a 1 com o River Plate-URU na noite desta terça-feira, no Pacaembu, e foi eliminado já na primeira fase da Copa Sul-Americana. Na ida, 0 a 0 em Montevidéu e os visitantes avançaram por conta do gol fora de casa.

O gol do modesto time uruguaio foi marcado por Da Luz, aos nove minutos do segundo tempo. O Peixe, apático, só reagiu aos 41 minutos da etapa final, com Soteldo.

O Alvinegro, sem a presença do torcedor no Pacaembu por causa de punição da Conmebol, não foi intenso e os jogadores erraram mais que o habitual.

Com uma competição a menos no calendário, o Santos voltará a campo para enfrentar o Oeste, sábado, pela nona rodada do Campeonato Paulista.

O jogo

A falta de torcida e o silêncio no Pacaembu não fizeram bem para o Santos. Intenso sob o comando de Jorge Sampaoli, o time foi lento, previsível e pouco criou.

No segundo minuto, Jean Mota teve boa chance. Dali em diante, o Peixe rodou a bola, sem achar espaços (e também sem sofrer na defesa).

O Alvinegro só voltou a assustar aos 23, quando Gustavo Henrique subiu bem em escanteio e cabeceou perto do gol. E aos 28, Da Luz avançou sozinho, mas Aguilar, em carrinho perigoso e preciso, afastou o perigo.

Para a segunda etapa, o cenário continuou e, para piorar, o River adiantou um pouco as linhas – e deu certo. Aos nove minutos, Pituca perdeu a bola na frente e cedeu o contra-ataque. Mauro da Luz recebeu bom passe entre Gustavo Henrique e Copete e viu Vanderlei sair desesperado. O atacante aproveitou o erro do goleiro e só empurrou para o fundo das redes.

Com a necessidade de virar o jogo – e com Felippe Cardoso, mais alto, colocado por Sampaoli -, o Santos mudou sua característica e passou a cruzar mais. O River, porém, ganhou a maioria das bolas pelo alto. Com passar do tempo, a ansiedade e falta de concentração dificultavam ainda mais a construção de lances.

O Peixe só voltou a oferecer perigo aos 23, quando Felippe Cardoso bateu mascado de fora da área e Gastón espalmou. Daí em diante, cruzamentos, chutes de longe e bola nunca perto do gol.

E quanto a derrota parecia próxima, Jean Mota apareceu. O meia cruzou na direção do gol e Soteldo deu um leve desvio para empatar aos 41 minutos do segundo e dar esperança aos donos da casa.

Copete ainda teve boa chance de cabeça aos 45′, mas a reação parou por aí. Empate e eliminação em casa logo na primeira fase da Sul-Americana.

Sampaoli diz que eliminação não pode mudar estilo de jogo do Santos

O técnico Jorge Sampaoli disse que a eliminação do Santos para o River Plate-URU na Sul-Americana não pode mudar o estilo de jogo do time.

Depois de desperdiçar várias chances e empataram por 0 a 0 em Montevidéu, o Peixe esbarrou na retranca dos uruguaios, só reagiu no fim e ficou no 1 a 1, eliminado pelo gol fora de casa.

“Eliminação incomoda, mas isso continua. Pensávamos em passar, mas defendemos uma ideia clara de jogo e fomos eliminados por uma equipe que tentou nos anular. Temos que ratificar a ideia, sabemos que um estilo não vai acabar por uma eliminação. Temos que pensar no futuro e seguir crescendo como grupo, brindando o futebol que demos ao torcedor até agora”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli afirma que o Alvinegro precisa melhorar coletivamente para sobrepor dias de atuações individuais ruins.

“Futebol é eliminar rivais com passe ou drible. Estamos insistindo nas duas coisas e temos que melhorar. Alguns não estarão no alto rendimento e às vezes sim. Quando isso ocorre, precisamos de alternativas para melhorar coletivamente”, afirmou.

A análise da partida era tratar de romper a barreira que o oponente usou com muitos jogadores perto da área. Não encontramos os caminhos, com o passar do tempo potencializar plano de jogo e nos neutralizaram um pouco. Se não se abre (o placar rápido)…. Eliminação tem mais a ver com o Uruguai do que aqui. Rivais ganham com um único chute e isso ocorreu com a gente. Se não fazíamos isso rápido, pressionar e fazer o gol, faltou dinâmica de outros jogos para quebrar esse tipo de defesa”, concluiu.

Sánchez vê “fracasso” do Santos e fala em “tirar gosto amargo”

Carlos Sánchez foi o único jogador do Santos a parar na zona mista para conceder entrevista após a eliminação na primeira fase da Sul-Americana para o River Plate-URU nesta terça-feira, no Pacaembu.

O meia do Peixe viu a saída da competição como “fracasso” e pediu para o elenco “tirar o gosto amargo”.

“Triste por como se deu o jogo, nunca pudemos encontrar o caminho. Nos esforçamos, mas não é só isso, temos que encontrar as melhores opções e não conseguimos dessa vez. Fizeram o trabalho e o gol numa chance só. É um fracasso, eu tinha muita ilusão de chegar longe, mas há que seguir. É um golpe duro e temos que nos recuperar. Agora estamos meio golpeados, mas sábado temos outro jogo com a nossa torcida. Peço desculpa porque foi um fracasso”, disse Sánchez.

“Tentamos virar, não conseguimos e por isso fomos eliminados. Temos de melhorar e somos conscientes de que podemos dar mais. Temos que tirar esse gosto amargo. Não temos que ter desculpas. Torcida dá um plus diferente, mas, bom, hoje vamos tristes pelo ocorrido, queríamos passar e futebol tem dessas”, completou.


River Plate-URU 0 x 0 Santos

Data: 12/02/2019, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Sul-Americana – 1ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio Luis Franzini, em Montevidéu, Uruguai.
Árbitro: Germán Delfino (ARG)
Auxiliares: Gabriel Chade e Lucas Germanotta (ambos da ARG).
Cartões amarelos: Leyes (RP); Derlis González (S).
Cartão vermelho: Orinho (S).

RIVER PLATE-URU
Gastón; Herrera, Augustín Ale, Ivan Silva e Luis Oliveira; Maximiliano Calzada, Sebastián Piriz, Mauro Da Luz e Facundo Ospitaleche; Juan Oliveira (Leyes) e Juan Plada.
Técnico: Jorge Giordano

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Orinho; Alison, Diego Pituca (Yuri), Carlos Sánchez e Jean Mota (Matheus Ribeiro); Copete (Soteldo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Expulsão compromete atuação, e Santos empata na estreia pela Sul-Americana

O Santos empatou em 0 a 0 com o River Plate-URU nesta terça-feira, em Montevidéu, pelo jogo de ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O Peixe dominava o jogo sem sofrer sustos e com várias oportunidades criadas, mas teve a atuação comprometida em erro infantil de Orinho.

O lateral-esquerdo errou o recuou parou o adversário com um pontapé e foi expulso aos 21 minutos do segundo tempo. Com um a menos, o Alvinegro recompôs a defesa e administrou o empate.

O jogo:

O Santos teve mais de 70% da posse de bola no primeiro tempo, mas só criou uma chance realmente clara, com Derlis González e Copete, aos 13 minutos.

Jean Mota lançou o paraguaio, que tentou por cobertura e parou em Gastón. No rebote, Copete bateu forte e Silva tirou de cabeça, debaixo do gol.

Com muitos erros de passe e menor intensidade que o normal no Campeonato Paulista, o Peixe ficou com a bola, não sofreu e também foi para o intervalo sem criar muitas oportunidades.

Na segunda etapa, o jogo ficou mais animado. Aos quatro minutos, Derlis cruzou e a arbitragem marcou impedimento duvidoso em gol de cabeça de Copete. Aos oito, Da Luz acertou a trave de fora da área.

O Peixe começou a empilhar chances e parecia perto de abrir o placar. Aos 12, Derlis, Sánchez e Pituca tiveram boas oportunidades de marcar no mesmo lance, mas pararam no goleiro uruguaio. No minuto 17, Pituca teve duas chances na pequena área e desperdiçou.

E aos 21, veio a notícia ruim. Em lance simples, Orinho errou o recuou, parou Da Luz com um pontapé e foi expulso. Com um a menos, Sampaoli recompôs a defesa e viu o River crescer. Ao 24, Vanderlei salvou o Santos em nova finalização de Da Luz.

Depois do susto, o Peixe se fechou na defesa e administrou o empate para decidir no Pacaembu, dia 26, no jogo de volta.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli analisa empate do Santos com o River: “Não é conveniente”

O técnico Jorge Sampaoli não gostou do empate do Santos com o River Plate-URU por 0 a 0 na noite desta terça-feira, em Montevidéu, pela ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O treinador destacou a falta de pontaria do time e a dificuldade em atuar com um a menos por quase 30 minutos, depois da expulsão de Orinho.

“O controle da partida foi favorável ao Santos, o River complicou em algumas jogadas profundas, principalmente depois da expulsão. A expulsão aos 25 minutos deu o controle da partida. Tivemos chances claras para ganhar no segundo tempo como no primeiro, mas não fomos contundentes. Não pudemos converter. Viemos para ganhar e não ganhamos, não é conveniente, queríamos ganhar. Mas reforço os jogadores e a a capacidade de se colocar em campo, sabendo o contra-ataque rápido que tem o River pelas costas. Pensar na revanche, numa partida que será diferente. A definição pode ser qualquer uma”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Porque não tivemos as mesmas chances de sempre e capacidade de completar. Isso não me preocupa muito. Viemos ao Uruguai, contra uma equipe forte coletivamente, defensivamente, criamos bastante chances, a ideia e a forma se mantiveram aqui”, completou.

Victor Ferraz discorda de expulsão e diz que Santos mereceu vencer o River

Victor Ferraz discordou da expulsão de Orinho no segundo tempo do empate do Santos em 0 a 0 com o River Plate-URU nesta terça-feira, em Montevidéu, pela ida da primeira fase da Copa Sul-Americana.

O lateral-esquerdo errou um recuou e parou o lance com um pontapé em Da Luz. O Peixe, que vinha empilhando chances, precisou administrar o empate.

“Uma expulsão em jogo como esse faz toda a diferença. Não foi para expulsão, o jogador já tinha perdido a jogada”, disse o capitão Victor Ferraz, ao DAZN.

“Jogo duro, campo diferente, seco porque não molham. Tivemos boas chances de gol e se tivesse que ter um vencedor, tinha que ser o Santos”, completou.


Avaí 0 x 1 Santos

Data: 18/08/2010, quarta-feira, 21h50.
Competição: Copa Sul-Americana – Segunda fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Ressacada, em Florianópolis, SC.
Árbitro: Evandro Rogério Roman
Auxiliares: Altemir Hausmann e Hilton Moutinho Rodrigues.
Cartões amarelos: Caio e Rudnei (A); Rodriguinho e Neymar (S)
Gol: Zé Eduardo (23-1).

AVAÍ
Renan; Patric, Rafael, Émerson e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei (Bruno Silva), Caio e Davi (Marcos); Robinho (Sávio) e Vandinho.
Técnico: Antonio Lopes

SANTOS
Rafael; Pará, Edu Dracena, Durval e Léo (Marcel); Arouca, Rodriguinho, Marquinhos (Madson) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo.
Técnico: Dorival Júnior



Santos vence mas Avaí fica com a vaga

Sonho santista de conquistar tudo no ano é frustrado. Equipe catarinense conquista classificação graças à vantagem conquistada no primeiro jogo

Não deu para o Santos. O Avaí fez valer a vantagem conquistada no primeiro jogo, quinta-feira passada, no Pacaembu, quando venceu por 3 a 1, e está nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O Peixe quebrou um jejum que durava três jogos e voltou a vencer: mas por um insuficiente 1 a 0, nesta quarta, no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Faltaram mais dois gols para a equipe alvinegra. É o fim do sonho santista de conquistar tudo em 2010. O time é o atual campeão paulista e da Copa do Brasil. Já o time catarinense continua na luta para chegar à primeira Taça Libertadores de sua história.

Agora, o Avaí aguarda o vencedor de Universidad San Martín-PER e Emelec-EQU, que se enfrentam nos dias 15 e 23 de setembro.

O jogo

Com 14 minutos de jogo, o Avaí poderia estar vencendo o Santos por 2 a 0. A equipe da casa começou em cima, tocando muito bem a bola e envolvendo a equipe visitante, que dava muitos espaços, principalmente entre o zagueiro Durval e o lateral-esquerdo Léo. Por ali, abriu-se um enorme espaço que o lateral-direito Patric, do Avaí, soube ocupar. Aos 40 segundos de jogo, Patric avançou por ali, chegou até a entrada da área, sem ser incomodado, e mandou uma bomba de pé direito. Rafael espalmou.

O Santos tinha dificuldades para sair jogando. Sofria com a forte marcação do Avaí. Rudnei e, principalmente, Marcinho Guerreiro eram carrapatos que não desgrudavam de Paulo Henrique Ganso e Neymar. Aos 14, a equipe catarinense teve uma grande chance para marcar, mas o capitão santista Edu Dracena salvou. Primeiro, o zagueiro se atrasou para sair e deu condições para Rudinei, que entrou livre pelo meio e tocou na saída de Rafael. Dracena correu, correu e conseguiu alcançar a bola, quando ela já começava a ultrapassar a linha fatal. Valeu como um gol alvinegro.

A partir dos 20 minutos, porém, o jogo mudou de lado. O Peixe colou a bola no chão e passou a tocar bem, sempre em direção do gol, como tem sido o seu estilo neste ano. Marquinhos, que foi revelado pelo Avaí e até hoje é reverenciado pela torcida, apareceu e dividiu as atenções com Ganso. Aos 23, ele acertou um lindo toque de calcanhar para Zé Eduardo, que dominou, passou pela marcação e, mesmo sem ângulo, pegou um chute certeiro, que entrou no canto direito de Renan. Um belo gol, que renovava as esperanças santistas.

O Santos adiantou cercou o Avaí, que ficou preso em sem campo sem poder sair. Vinha bola de todos os lados e a defesa catarinense ia se virando do jeito que dava. Ganso, Neymar e Marquinhos, com menção honrosa a Zé Eduardo, comandavam as ações. O Peixe voltava a jogar bem, como não se via desde as melhores noites da Copa do Brasil. Mas faltava o gol, algo que sobrou na campanha vitoriosa do mata-mata nacional. Na verdade, faltavam ainda mais dois gols.

Dois gols que não vieram. O Santos começou o segundo tempo com a bola nos pés, trocando passes, mas insistindo muito nas jogadas pelo meio. Isso porque os dois laterais, Pará e Léo, não apareceram para o apoio. Marcando implacavelmente, o meio de campo do Avaí ia destruindo as jogadas do Peixe e, graças aos espaços deixados pelos santistas, criou chances de gol.

Aos 7 e 15, o time catarinense só não empatou o jogo porque Rafael salvou. No primeiro lance, Robinho escapou pela direita e chutou cruzado, tantando acertar o ângulo direito. No segundo, Vandinho pegou a bola na entrada da área e chutou rasteiro, buscando o canto direito do goleiro santista. Nos dois lances, o camisa 1 do Peixe espalmou.

Com o paredão azul cada vez mais fechado, graças principalmente à entrada do volante Marcos no lugar do meia Davi, o Santos sofria para se aproximar. Marquinhos, que fez um ótimo primeiro tempo, perdeu fôlego no segundo, virou presa fácil para a marcação e foi substituído por Madson, aos 27 minutos.

A alteração não surtiu efeito. O Santos continuou sem conseguir entrar na defesa adversária. Dorival, então, foi para o tudo ou nada. Tirou o lateral-esquerdo Léo para colocar mais um atacante, Marcel. Mesmo assim, o ataque do Santos continuava descoordenado. Marcel, por exemplo, a não ser por uma cabeçada aos 40, sem muito perigo, não fez nenhuma diferença.

Apesar de todo o volume de jogo do Peixe, o Avaí não passou por nenhum grande apuro no segundo tempo e, até com certa tranquilidade, assegurou sua classificação.