Navegando Posts marcados como Vasco

Santos 2 x 0 Vasco

Data: 17/04/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 4ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.659 pagantes
Renda: R$ 388.682,50
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Jorge Eduardo Bernardi e Leirson Peng Martins (ambos do RS).
Cartões amarelos: Rodrygo e Gustavo Henrique (S); Willian Maranhão (V).
Gols: Rodrygo (02-2) e Jean Mota (20-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Diego Pituca; Alison, Carlos Sánchez (Eduardo Sasha) e Jean Mota (Jean Lucas); Rodrygo, Soteldo e Derlis González (Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli

VASCO
Gabriel Félix; Raúl Cáceres (Claudio Winck), Werley, Ricardo Graça e Danilo Barcelos; Willian Maranhão (Maxi López), Raul e Lucas Mineiro; Yago Pikachu (Lucas Santos), Yan Sasse e Marrony.
Técnico: Alberto Valentim



Santos vence bem o Vasco na Vila e abre vantagem na Copa do Brasil

O Santos venceu o Vasco por 2 a 0 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, e abriu boa vantagem na quarta fase da Copa do Brasil.

Os gols foram marcados por Rodrygo e Jean Mota. A partida de volta ocorrerá na próxima quarta, em São Januário. O Peixe pode até perder por um gol de diferença para avançar às oitavas de final.

O Alvinegro da Vila não teve dificuldade para vencer. Mesmo sem atuação brilhante, os donos da casa abriram 2 a 0 e ficaram perto do terceiro no segundo tempo.

O Santos voltará a campo apenas para enfrentar o Vasco, no Rio. O Cruzmaltino enfrentará o Flamengo, domingo, pela final do Campeonato Carioca.

O jogo

O Santos, mais uma vez, se lançou ao ataque desde o minuto inicial. Dessa vez, porém, mostrou menos intensidade e pouco criou no primeiro tempo.

No 2-3-5, como define Jorge Sampaoli, o Peixe não encontrou brechas nas duas linhas de quatro da defesa do Vasco.

A melhor chance veio em jogada individual de Rodrygo, aos 24 minutos. O camisa 11 driblou Danilo Barcelos e chutou cruzado, com perigo. Aos 43, o Vasco quase surpreendeu.

Em escanteio curto, Sasse tocou para Maranhão. Após bate-rebate no cruzamento, a bola sobrou para Ricardo, desengonçado, cabecear por cima do gol de Everson.

O Peixe voltou com ritmo maior e marcou logo aos dois minutos. Soteldo fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Rodrygo se antecipar à defesa e bater forte, cruzado. 1 a 0 para o Santos.

O Alvinegro diminuiu a intensidade, o Vasco passou a ficar com a bola, mas foram os donos da casa quem balançaram as redes.

No minuto 20, Jean Mota recebeu de Rodrygo, driblou Danilo Barcelos e chutou de fora da área, no canto de Gabriel Félix. Um golaço.

Mesmo com 2 a 0 no placar, o Santos não parou de atacar e esteve perto do terceiro até o apito final. Na melhor chance, aos 28, Soteldo puxou contra-ataque, fez fila, deu caneta e tocou para Sánchez. O uruguaio cruzou para Rodrygo, mas o camisa 11 não conseguiu marcar.

Nos minutos finais, o Peixe administrou a vantagem e levará boa vantagem para a decisão no Rio de Janeiro.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli analisa vitória do Santos e diz: “Vamos estabelecer melhorias”

O técnico Jorge Sampaoli gostou da atuação do Santos na vitória por 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, mas quer “estabelecer melhorias” para a volta da quarta fase da Copa do Brasil daqui a uma semana, no Rio de Janeiro.

Sampaoli diz que promoverá mudanças, de peças ou de posicionamento, para não ficar exposto a contra-ataque.

“Foi uma partida um primeiro acelerado no primeiro tempo, com dificuldade no ataque posicional. Necessitávamos um pouco mais de controle. No segundo tempo, fomos muito mais claros nos ataques. Não sofremos no contra-ataque. Resultado poderia ter sido maior para a revanche. Jogo está aberto e teremos que ir muito bem na quarta”, disse Sampaoli.

“Sobre a formação, precisamos analisar. Buscar o controle, com verticalidade de hoje. Gerar ataques que nos permitam criar, sem estar direto para sermos expostos a contra-ataque. Vamos estabelecer melhorias, com troca de nomes ou de posicionamento”, completou.

Santistas destacam vantagem, mas alertam: “Temos que pensar que está 0 a 0”

Os jogadores do Santos destacaram a vantagem obtida após os 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida da quarta da fase da Copa do Brasil, mas não se empolgaram.

O Peixe poderá perder por até um gol de diferença na próxima quarta, no Rio de Janeiro, para avançar às oitavas de final da competição nacional.

“Vitória importante, conseguimos boa vantagem. Volta será difícil, precisamos ter muita concentração para classificarmos”, disse Alison.

“Resultado justo, caberia mais ainda. Propomos o jogo desde o começo, levamos vantagem boa e não podemos sentar em cima dele. Temos que pensar que está 0 a 0”, analisou Pituca.

“É uma boa vantagem, não grande. Temos que impor nosso ritmo lá de novo, jogando para frente, atacando e se for possível aumentar a vantagem e sair com a classificação”, concluiu Victor Ferraz.

Sampaoli elogia “compromissado” Rodrygo, “empolgante” Soteldo e “pilar” Aguilar

O técnico Jorge Sampaoli analisou a fase de Rodrygo, Soteldo e Aguilar após a vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida da quarta fase da Copa do Brasil.

Sampaoli explica o banco de reservas para Rodrygo em jogos recentes, mas agora o vê merecendo a vaga no time titular.

“É jovem, vai para um dos maiores clubes do mundo (Real Madrid). Temos que animá-lo para dar tudo que pode até ficar no clube. Essa condição de quase não pertencer ao clube nos obriga a pensar nos que ficam. Temos que fortalecer os que ficam. Percebi que está muito compromissado, como se não fosse ser vendido. Isso me fez colocá-lo desde o início”, disse Sampaoli.

O treinador também elogiou Soteldo e exaltou Felipe Aguilar, dois dos reforços para 2019.

“É um jogador jovem, que seguimos desde a Universidad de Chile. 21 anos, precisa melhorar algumas condições no terço final. Nos dá desequilíbrio e verticalidade, muito comprometido com a camisa. Espero muito mais como treinador, me empolga ver um Soteldo com essa verticalidade e com chances de gol. Vai por um bom caminho”, analisou.

“Absoluto, não, mas é um pilar nosso. É um jogador ganha muitos duelos, muito valente, muito comprometido. Temos bons zagueiros, mas Aguilar tem um plus que ganhou dentro de campo”, concluiu.

Jean Mota minimiza jejum e destaca golaço pelo Santos: “Não sai sempre”

Jean Mota voltou a marcar um gol pelo Santos depois de mais de um mês. E foi um golaço no segundo tempo da vitória por 2 a 0 sobre o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida da quarta fase da Copa do Brasil.

O último gol foi no dia 7 de março, em vitória por 4 a 0 sobre o América-RN. Ele é o artilheiro (nove gols) e o garçom (seis assistências) em 2019.

“Confiança era a mesma. Jogo passado pude ajudar com assistência, hoje com gol. Mas não incomodava (o jejum). Fico feliz por ter ajudado nessa vantagem para o Rio de Janeiro”, disse Jean Mota.

“Não é um gol que sai sempre, foi bonito. Fizemos uma grande vantagem”, completou.

O Santos voltará a campo apenas para enfrentar o Vasco, no Rio. O Cruzmaltino enfrentará o Flamengo, domingo, pela final do Campeonato Carioca.

Sampaoli explica Jorge reserva no Santos e analisa Jobson

O técnico Jorge Sampaoli explicou a opção pelo lateral-esquerdo no banco de reservas do Santos, em coletiva de imprensa na noite desta quarta-feira.

Diego Pituca tem sido “lateral-volante”, preenchendo a linha de quatro sem a bola e no meio-campo com a posse.

“Laterais internos nos deram controle no campo. Pituca como lateral não teve inconveniente, não há como mudar. Sabemos a capacidade do Jorge, com a técnica que tem pode chegar a ser da seleção, mas hoje terá de esperar”, disse Sampaoli.

O argentino ainda analisou a chegada de Jobson, volante anunciado nesta terça-feira depois de ser destaque do Campeonato Paulista pelo Red Bull.

“Vimos nele um jogador que tem muita capacidade, técnica, sabe mover e encontrar jogadores livres. Tem muito a ver com nosso jogo. Chegou pela primeira vez, precisa estar em forma para estar à altura da dinâmica do time. Pode potencializar esse elenco. Quando estiver bem, pode nos dar muito futebol”, afirmou.

Com um gol em seis jogos, Everson ganha 1ª sequência no Santos antes de decisão de Sampaoli

Everson teve a primeira sequência de jogos pelo Santos desde a contratação, no início deste ano. O goleiro foi titular no 3 a 0 sobre o Atlético-GO e no 2 a 0 diante do Vasco, ambos pela Copa do Brasil e na Vila Belmiro.

Com um gol sofrido em seis jogos em 2019 e quatro vitórias, um empate e uma derrota, Everson tenta convencer o técnico Jorge Sampaoli a colocar fim no rodízio com Vanderlei.

O treinador anunciou Vanderlei no Campeonato Paulista e Everson na Copa do Brasil. Com a eliminação no Estadual, o camisa 22 foi titular vezes seguidas no mata-mata, antes da definição para o Campeonato Brasileiro – a estreia será contra o Grêmio, dia 28, na arena.

Sampaoli ainda não decidiu sobre a manutenção do rodízio entre Copa do Brasil e Brasileirão. Enquanto isso, Everson deve seguir titular no jogo de volta da quarta fase, contra o Vasco, em São Januário, na próxima quarta-feira.

Com quase o triplo de jogos do Everson (17), Vanderlei tem nove vitórias, quatro empates e quatro derrotas, com 17 gols sofridos – média de um partida. O camisa 1 era titular absoluto deste 2015.


Santos 1 x 1 Vasco

Data: 27/09/2018, quinta-feira, 20h00.
Competicão: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 12.985 presentes (11.190 pagantes e 1.795 não pagantes).
Renda: R$ 318.336,50
Árbitro: Wagner Reway (Fifa-MT)
Auxiliares: Alessandro Alvaro Rocha de Matos (Fifa-BA) e Eduardo Goncalves da Cruz (MS).
Cartões amarelos: Gabriel (S); Bruno Cosendey, Fabrício e Andrey (V).
Cartão vermelho: Andrey (V).
Gols: Diego Pituca (43-1) e Andres Rios (34-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu, Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Daniel Guedes), Diego Pituca e Carlos Sánchez (Bryan Ruiz); Rodrygo, Bruno Henrique (Derlis González) e Gabriel.
Técnico: Cuca

VASCO
Martín Silva; Rafael Galhardo (Marrony), Luiz Gustavo, Leandro Castán e Henrique; Willian Maranhão, Andrey e Bruno Cosendey (Giovanni Augusto); Yago Pikachu (Oswaldo Henríquez), Fabrício e Andrés Rios.
Técnico: Alberto Valentim



Santos sai na frente, recua e só empata com o Vasco no Pacaembu

O Santos só empatou em 1 a 1 com o Vasco na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, em jogo atrasado da terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe fez um bom primeiro tempo e foi para o intervalo com vantagem após o gol de Diego Pituca, mas recuou muito no segundo tempo, deu campo para o Vasco, desperdiçou algumas chances e perdeu dois pontos ao ver Andrés Rios balançar as redes na parte final partida.

Com o empate, o Santos continuou na 11ª colocação, com 33 pontos, enquanto o Vasco estacionou na 16ª posição, com 29. O Peixe perdeu a chance de encostar na zona de classificação para a Libertadores em 2019 e os cariocas seguem perto da zona do rebaixamento.

O jogo

Aos 20 segundos, a partida já teve fortes emoções. Gabigol se desentendeu com Leandro Castán numa disputa pela lateral. E antes do placar apontar um minuto, o camisa 10 fez uma falta em Bruno Cosendey, recebeu o terceiro cartão amarelo e desfalcará o Santos contra o Atlético-PR, no domingo, na Vila Belmiro.

O calor das primeiras ações, porém, não continuaram. Enquanto o Peixe buscava propor o jogo a todo tempo, o Vasco se resguardava na defesa à procura dos contra-ataques. Só aos 10 minutos veio a primeira chance, quando Dodô cobrou bem o escanteio e Gustavo Henrique acertou a trave.

Três minutos depois, Alison fez falta boba em Yago Pikachu. Rafael Galhardo cobrou bem e Vanderlei espalmou para escanteio. Aos 20, Willian Maranhão recuou na fogueira, o goleiro Martín Silva dividiu com Gabigol em um carrinho e ninguém do Santos aproveitou o rebote.

Aos 22 minutos, foi Carlos Sánchez quem assustou em cobrança de falta que raspou o travessão. E a emoção só voltou ao Pacaembu nos minutos finais, depois do alvinegro retomar as rédeas do jogo e reencontrar os espaços no gramado.

No minuto 41, Sánchez cruzou e Bruno Henrique cabeceou muito perto da trave. E dois minutos depois, o gol saiu. E numa jogada de manual do time dirigido por Cuca: Gabigol saiu da área para abrir espaço, tocou para Rodrygo, Victor Ferraz puxou, mas o atacante cruzou no segundo pau. Carlos Sánchez, sem ângulo, foi cirúrgico ao ajeitar para Diego Pituca, na pequena área, empurrar para o fundo das redes e marcar seu primeiro gol pelo Peixe.

No primeiro minuto do segundo tempo, o Santos esteve perto de ampliar. Bruno Henrique avançou pelo meio, cortou para a ponta esquerda e chutou cruzado, perto da trave de Martin. Depois disso, foi o Vasco quem assustou.

Mais corajoso, o time carioca foi para cima e viu um Peixe estruturado à procura dos espaços para contra-atacar. Aos 12 minutos, Henrique avançou bem e cruzou para Rios. O atacante, na pequena área, chutou em cima da defesa.

No minuto 18, o Santos voltou a ficar perto do gol. Em linda arrancada, Gabigol conduziu a bola desde a defesa, parou, driblou e chutou colocado de fora da área para boa defesa do goleiro vascaíno. Aos 21, Bruno Henrique tabelou com Gabriel e chutou mais uma vez perto da trave.

Dois minutos depois, veio a resposta do Vasco. Giovanni Augusto encontrou Pikachu livre na área. O meia encobriu o Vanderlei e viu Robson Bambu salvar antes da bola ultrapassar a linha. E entre os 30 e 31′, o empate ficou perto novamente.

Henrique cruzou e Giovanni Augusto, sozinho, se desprendeu de Dodô e cabeceou torto. Na sequência, Andrey chutou com perigo por cima do travessão. E aos 33, a pressão dos visitantes surtiu efeito. Pikachu cruzou da direita para Rios, sozinho, cabecear e ver Vanderlei estático. Robson Bambu errou na marcação do argentino.

Nos minutos finais, mesmo com a expulsão de Andrey aos 43, o Santos não teve força para desempatar. O Vasco, valente, volta para o Rio de Janeiro com um ponto na bagagem a ser comemorado.

Gabigol vê Santos melhor e volta a reclamar de chances perdidas

Gabigol viu a falta de pontaria como motivo, mais uma vez, de um tropeço do Santos no Campeonato Brasileiro. Depois de perder chances e ser derrotado para o Cruzeiro no último domingo, o Peixe repetiu o roteiro no empate em 1 a 1 com o Vasco nesta quinta-feira, no Pacaembu.

O alvinegro foi bem e abriu o placar no primeiro tempo, com Diego Pituca, mas recuou na segunda etapa e viu os cariocas reagirem.

“Foi um erro nosso de marcação, obviamente que é o time inteiro que erra. Tomamos o gol inesperado. Fomos bem melhores, criamos muitas chances, mas não conseguimos fazer o gol para acabar com o jogo”, disse Gabriel, ao Premiere.

“É complicado jogar contra quem fica todo atrás. Fizemos o gol para podermos recuar e ter o contra-ataque, mas não fizemos o gol, que nem no último jogo e acabamos levando”, completou.

Gabigol levou o terceiro cartão amarelo com menos de um minuto de jogo no Pacaembu e desfalcará o Santos contra o Atlético-PR, domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Cuca lamenta 2º tempo do Santos em empate: “Não encaixou”

O técnico Cuca lamentou o segundo tempo do Santos no empate em 1 a 1 com o Vasco na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, em jogo atrasado da terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois de abrir o placar aos 43 minutos, com Diego Pituca, o Peixe voltou mal para a etapa final, deu espaço para os cariocas e perdeu dois pontos em casa.

“Primeiro tempo muito bom, merecemos vencer. Não demos o campo para o Vasco jogar. No intervalo, falamos isso para os jogadores. Manter o nível de concentração, por 1 a 0 é perigoso. Mas Vasco começou a criar chances, tomar conta do meio-campo. Cedemos espaço, marcação não foi ajusta no segundo tempo. Não diminuímos o espaço deles. Fazemos poucas faltas. O adversário pôde empatar. Empataram merecidamente no final. Quando tiramos o Bruno e colocamos o Derlis era para forçar no lado direito. Às vezes, não encaixa o jogo. Não encaixou para o Derlis. Perdemos a faixa de campo. Rodrygo e Sánchez usando o mesmo setor. Jogo pedia uma cadência. Colocamos o Bryan para dar isso e tiramos o Sánchez. Abrindo Rodrygo e não deu certo. Tentamos colocar mais uma armador, uma última alternativa. Colocando Guedes. Empate foi justo. Temos que rever”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

O treinador mostrou preocupação para a diferença de quatro pontos para a zona do rebaixamento e cobrou a vitória contra o Atlético-PR, domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“Nós nos últimos três jogos não vencemos. Temos de olhar para baixo, sair dessa situação. E se a gente pensa em Libertadores, domingo é jogo para vencer. Jogo difícil, mas temos de fazer por onde”, completou.

Cuca foge de polêmica, mas diz que Santos joga melhor na Vila

Após o empate em 1 a 1 com o Vasco na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, Cuca evitou polêmica sobre a divisão de jogos entre Santos e São Paulo, mas disse que o Peixe joga melhor na Vila Belmiro.

O presidente José Carlos Peres prometeu ao técnico e ao elenco jogar o clássico contra o Corinthians, no dia 13, na Vila Belmiro. A partida, porém, será no Pacaembu. Havia um acordo com uma emissora de televisão e a promessa do primeiro mosaico da torcida no estádio da capital.

“Preocupa. Joguei aqui (Pacaembu) contra Independiente, Grêmio e hoje. Nós não conseguimos, em nenhum dos três jogos, fazer jogos bons, como fazemos na Vila. Temos de buscar o motivo disso. Temos de jogar bem aqui também”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Hoje qualquer coisa que se venha a falar pode prejudicar qualquer situação. Vou me abster disso. O nosso presidente sabe o que é bom para nós. Sabe a ideia dos jogadores, da comissão técnica. Ele vai resolver o que é melhor para o Santos”, completou.

O retrospecto no Pacaembu não é bom e o número de torcedores decepcionou nesta quinta – 12.985 -, mas o alvinegro pediu todos os mandos até o final do Campeonato Brasileiro na capital, a não ser o compromisso diante do Atlético-PR, domingo, na Vila Belmiro, pela 27ª rodada.

O pedido do elenco e recomendações da Polícia Militar podem alterar o planejamento, mas o objetivo é atuar em pelo menos quatro dos cinco últimos jogos do Brasileirão no Pacaembu.

Cuca vê Santos atrás dos rivais para 2019 por conta da política do clube

Cuca gostaria de iniciar o planejamento do Santos para 2019, mas o caos político o atrapalha. O associado decidirá entre a permanência ou o impeachment do presidente José Carlos Peres em assembleia no próximo sábado, na Vila Belmiro. Se o “sim” for escolhido, o vice Orlando Rollo assumirá até o fim do mandato, em dezembro de 2020.

Com gosto por montar elencos, o técnico gostaria de indicar reforços, pensar em renovações e adiantar os passos para a próxima temporada – o que não é possível agora.

“Sim, é o meu trabalho. Detectei as necessidades que temos. Todo time tem. A gente teria de ganhar tempo em relação aos demais. Só estamos no Brasileirão, mas temos uma indefinição na nossa chefia. Não podemos fazer nada. Gosto de montar times. Agora tem que ver de que forma as coisas vão acontecer. A gente também está com uma incógnita muito grande em relação ao futuro. Ninguém sabe o que vai acontecer”, disse Cuca, após o empate em 1 a 1 com o Vasco.

O treinador, porém, não quis culpar a política do Peixe pelo tropeço na última quinta-feira, no Pacaembu, diante dos cariocas.

“Vamos ver. O dia D é sábado. Vamos ver domingo como a gente joga. A resposta tem de ser domingo, se influencia ou não (lado político). A gente blinda, faz o que pode. Não posso culpar um mau resultado hoje porque estamos com um problema político. O Vasco também tem isso e conseguiu fazer um bom jogo. Não vamos se apegar a subterfúgios, a álibis, pra gente dizer o porque não jogou bem no segundo tempo. Temos de jogar melhor. Ter uma regularidade. Geralmente a gente tem tido. Hoje ela não veio. Vou buscar o porquê”, completou.


Vasco 0 x 3 Santos

Data: 01/09/2018, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 22ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 33.646 presentes
Renda: R$ 871.670,00
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Henrique Neu Ribeiro (ambos de SC).
Cartões amarelos: Maxi Lopez (V) e Dodô (S).
Gols: Gabriel (04-1); Gabriel (21-2) e Gabriel (36-2).

VASCO
Martín Silva; Lenon, Luiz Gustavo, Bruno Silva e Henrique; Andrey (Andrés Rios), Yago Pikachu, Raul e Wágner; Kelvin (Thiago Galhardo) e Maxi López.
Técnico: Alberto Valentim

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Jean Mota); Eduardo Sasha (Derlis González), Rodrygo (Copete) e Gabriel.
Técnico: Cuca



Com três de Gabriel, Santos bate Vasco e foge do grupo da degola

Com Gabriel inspirado, o Santos alcançou sua terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro na noite deste sábado. No Estádio do Maracanã, o time comandado pelo técnico Cuca contou com gols do atacante para ganhar do Vasco por 3 a 0 e se distanciar da zona de rebaixamento.

Com 27 pontos ganhos, o Santos dorme na nona colocação do torneio nacional. Já o Vasco fica com os mesmos 24 pontos, no 16º posto. A Chapecoense, primeiro integrante da zona de rebaixamento, tem 21 pontos e ainda recebe o Palmeiras neste domingo.

O jogo

O Santos saiu na frente logo aos 4 minutos do primeiro tempo. Em uma boa trama pelo lado esquerdo do campo de ataque, Dodô recebeu de Rodrygo e cruzou rasteiro. Da entrada da área, sem ser incomodado pela marcação, Gabriel completou para o gol com precisão.

Após sofrer o logo no início, o Vasco conseguiu equilibrar as ações e chegou a ditar o ritmo da partida durante algum tempo, mas não conseguiu criar chances de gol. Na tentativa de confundir a marcação santista, o técnico Alberto Valentim trocou Pikachu e Kelvin de lado, sem sucesso.

Após um primeiro tempo de poucas emoções e raras chances de gol no Estádio do Maracanã, sem muito trabalho para o goleiro Vanderlei, a torcida local vaiou o Vasco. Nos instantes finais da etapa inicial, Gabriel e Bruno Silva se estranharam no gramado.

O Santos voltou aceso para o segundo tempo e quase ampliou logo aos 5 minutos da etapa complementar. Em um contra-ataque, Sanchez tocou para Gabriel e recebeu de volta. O uruguaio cabeceou e viu a bola caprichosamente tocar do lado de dentro da trave de Martin Silva.

O time visitante aumentou sua vantagem no marcador aos 21 minutos do primeiro tempo, desta vez em uma descida pelo lado direito. Sanchez recebeu de Victor Ferraz na linha de fundo e cruzou na medida para Gabriel, novamente sozinho, completar com categoria.

Aos 36 minutos, o paraguaio Derlis Gonzalez desceu pela direita e cruzou rasteiro para Gabriel igualar Pedro, do Fluminense, como artilheiro do Brasileiro com 10 gols . No recomeço do jogo, o atacante aproveitou uma falha de Luiz Gustavo e quase aumentou. Com mais de 33 mil torcedores no Maracanã, o Vasco acabou novamente vaiado.

Bastidores – Santos TV:

Cuca vê “grande partida” do Santos e já visualiza Libertadores

A vitória sobre o Vasco, alcançada na noite deste sábado, deixou o técnico Cuca satisfeito no Estádio do Maracanã. Com o terceiro triunfo consecutivo pelo Campeonato Brasileiro, o comandante santista começa a vislumbrar a possibilidade de brigar por uma vaga na Copa Libertadores.

“O time está de parabéns pelo jogo e pela maneira que venceu, sem correr muitos riscos e aproveitando as oportunidades”, afirmou. “Foi uma grande partida. Especialmente no segundo tempo, um jogo perfeito. Fomos precisos, a dupla de zaga fez um trabalho precioso”, acrescentou.

Com 27 pontos ganhos em 21 partidas, o Santos dorme na nona colocação do Campeonato Brasileiro. Atualmente, com 35 pontos, o Atlético-MG figura no sexto lugar, o último entre os classificados para a seletiva da próxima edição da Copa Libertadores.

“Hoje, você já consegue visualizar a Libertadores. Estamos a três pontos de Cruzeiro e Corinthians. Com um jogo a menos, podemos alcançar. Vamos evoluir ainda, mas temos que estar atentos também à zona de rebaixamento, porque, se você relaxar, daqui a pouco estão querendo pegar seu calcanhar”, ponderou Cuca.

Pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 19 horas (de Brasília) desta quinta-feira, o Santos volta a campo para enfrentar o Grêmio, no Estádio do Pacaembu. Diante do adversário gaúcho, um dos envolvidos na briga pelo G4, o time dirigido por Cuca buscará a quarta vitória seguida no torneio nacional.

“A equipe está encorpando, melhorando jogo a jogo. Pegando mais confiança e padrão. As coisas tendem a melhorar até o final do ano. Tomara que a gente consiga nosso objetivo, que é uma vaga na Libertadores para, no ano que, vem fazer um torneio melhor do que nesse ano”, reiterou o treinador.

Após 10 jogos em um mês, Cuca valoriza tempo para trabalhar

O primeiro mês do técnico Cuca no comando do Santos foi intenso. Após uma sequência de 10 partidas em apenas 30 dias, o treinador lamenta as quedas na Copa do Brasil e na Copa Libertadores, mas valoriza a possibilidade de enfim ganhar tempo para trabalhar sua equipe.

“Fecho meu primeiro mês no comando do Santos com 10 jogos. É muita coisa. Ainda não trabalhei. Meu trabalho vai começar depois do jogo contra o Paraná. Terei uma semana para começar a trabalhar melhor a parte tática, as jogadas, a defesa, a criação ofensiva. Sinto que temos coisas a evoluir”, enumerou.

Sob o comando de Cuca, o time antes treinado por Jair Ventura melhorou significativamente, apesar das duas eliminações. Com três vitórias consecutivas no Campeonato Brasileiro, o Santos se distanciou da zona de rebaixamento e passou a sonhar com a Copa Libertadores.

“Nos últimos seis jogos, tomamos um gol e não perdemos. Então, as coisas vêm encaixando bem e estamos pegando corpo. Lamentamos estar fora da Copa do Brasil e da Libertadores, porque, quando você pega corpo, acaba virando candidato ao título”, ponderou Cuca.

“Agora, temos 17 partidas do Brasileiro para trabalhar bem e evoluir. O jogador vai estar mais descansado, não temos um elenco grande. Então, se Deus quiser, poderemos terminar o Brasileiro de uma forma honrosa, de acordo com o que o Santos merece”, projetou.

Artilheiro, Gabriel guarda bola e celebra primeiros gols no Maracanã

Embalado por três gols de Gabriel, o Santos bateu o Vasco na tarde deste sábado e ganhou fôlego na luta para se distanciar da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Com a bola do jogo nas mãos, o atacante celebrou seus primeiros tentos no Maracanã.

Logo no começo da partida, Dodô recebeu na esquerda e cruzou para Gabriel finalizar da entrada da área. No segundo tempo, após receber passe de Sanchez da direita, ele aumentou. O terceiro veio com uma assistência de Derlis Gonzalez, em mais uma jogada pela direita.

“Com certeza, é uma noite especial. Na quinta-feira, fiz 22 anos e confesso que meu pedido era a vitória com gols, porque nunca tinha marcado no Maracanã”, contou Gabriel ao Sportv, segurando a bola do jogo. “Com três gols, levo sempre para a casa”, sorriu.

Após balançar as redes do mítico estádio de forma inédita, Gabriel chegou aos 10 gols e igualou Pedro, do Fluminense, na artilharia do Campeonato Brasileiro. Com a atuação de gala, o atacante honrou a tatuagem do Maracanã que traz na perna, em alusão aos Jogos do Rio de Janeiro 2016.

“Já tinha sido campeão olímpico aqui e o Maracanã é algo especial para mim. Tenho tatuado na minha perna. Então, conseguir essa vitória com três gols é muito importante. Só tenho que agradecer a Deus, aos meus companheiros e minha família”, celebrou.

Santos evolui com Cuca e já soma cinco partidas sem sofrer gols

Contratado para suceder Jair Ventura, Cuca tem apenas um mês de trabalho no comando do Santos, mas já conseguiu melhorar o time de maneira significativa. Uma das marcas da equipe atual, que não sofre gols há cinco partidas consecutivas, é a solidez defensiva.

Pelas quartas de final da Copa do Brasil, na vitória do Santos por 2 a 1, o cruzeirense Thiago Neves foi o último a vazar o goleiro Vanderlei. Desde então, o time dirigido por Cuca passou com a zaga intacta por Sport (3 x 0), Independiente (0 x 0), Bahia (2 x 0), Independiente (0 x 0) e Vasco (3 x 0).

Diante do Vasco, protegido por Robson Bambu e Gustavo Henrique, o goleiro Vanderlei praticamente não foi exigido no Estádio do Maracanã. O jovem de apenas 20 anos de idade, inclusive, ganhou elogios do técnico Cuca por sua atuação diante do rival cruzmaltino.

Embalado por uma série de três vitórias consecutivas no Campeonato Brasileiro, o Santos chegou aos 27 pontos ganhos em 21 partidas e assumiu a 10º colocação. Com um jogo a mais, o Atlético-MG tem 35 pontos e fecha o grupo de classificados à seletiva da Copa Libertadores.

Antes de pegar o São Paulo pela 25ª rodada do torneio nacional, Cuca enfim terá uma semana cheia para trabalhar sua equipe. O experiente treinador sabe como aproveitar os dias livres e projeta uma evolução ainda maior, a ponto de participar da briga por uma vaga na Libertadores.

Confira a série de jogos do Santos sem sofrer gols:

Vasco 0 x 3 Santos (Campeonato Brasileiro) – Maracanã
Santos 0 x 0 Independiente Copa Libertadores) – Pacaembu
Santos 2 x 0 Bahia (Campeonato Brasileiro) – Vila Belmiro
Independiente 0 x 0 Santos (Campeonato Brasileiro)* – Libertadores de América
Santos 3 x 0 Sport (Campeonato Brasileiro) – Vila Belmiro

Punido pela Conmebol, o Santos oficialmente perdeu o jogo por 3 a 0.


Santos 1 x 2 Vasco

Data: 08/11/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Brasileiro – 33ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.841 pagantes
Renda: R$ 211.555,00
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Auxiliares: Pedro Martinelli Christino e Rafael Trombeta (ambos do PR).
Cartões amarelos: Arthur Gomes e Bruno Henrique (S); Andrés Ríos, Paulão, Breno e Wellington (V).
Gols: Ricardo Oliveira (19-2), Evander (39-2) e Nenê (47-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz (Luiz Felipe) e Caju; Alison (Kayke), Renato e Lucas Lima; Arthur Gomes, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira (Copete).
Técnico: Elano

VASCO
Félix (Jordi); Gilberto, Breno, Paulão e Henrique; Jean (Evander), Wellington, Yago Pikachu (Eder Luis), Paulinho e Nenê; Andrés Ríos.
Técnico: Zé Ricardo



Com direito a golaço, Vasco vira dentro da Vila e deixa Santos longe do título

Após mudar a postura contra o Atlético-MG, no último sábado, o Santos voltou a sofrer com problemas de criação no ataque diante do Vasco, nesta quarta, na Vila Belmiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mesmo assim, a equipe comandada por Elano chegou até a abrir o placar, com Ricardo Oliveira. Aos 39 minutos do segundo tempo, porém, Evander, acertou um chutaço de fora da área, empatando o jogo. Já aos 47, Nenê cobrou falta com categoria e decretou a virada, que deixou o Peixe bem longe da conquista do Campeonato Brasileiro.

Com a derrota, o alvinegro parou nos 56 pontos, viu o Corinthians seguir abrir nove pontos na liderança e ainda perdeu a segunda colocação para o Grêmio. O Vasco, por sua vez, chegou aos 48 e segue vivo na luta para conquistar uma classificação para a próxima Libertadores.

o jogo

Ao contrário do que aconteceu na vitória sobre o Atlético-MG, no último sábado, o Santos não conseguiu impor um grande ritmo no ataque diante do Vasco, tanto que as primeiras oportunidades foram do time carioca.

Aos 7 minutos, Paulinho deixou Caju no chão e tocou para Gilberto. Dentro da área, o lateral mandou pra fora. No ataque seguinte, Nenê cobrou escanteio fechado. Vanderlei espalmou e evitou o gol olímpico.

O Peixe respondeu aos 10, quando Victor Ferraz achou Ricardo Oliveira sozinho dentro da área. O centroavante poderia rolar para Arthur Gomes, que estava completamente. Porém, o camisa 9 tentou mandar direto e Gilberto desviou, salvando o Vasco.

Mais organizado em campo, o time carioca dominou o alvinegro em boa parte da primeira etapa. Aos 28, Nenê recebeu pelo meio e mandou uma bomba de muito longe. A bola passou raspando tinta da trave de Vanderlei.

O Santos assustou somente aos 31, quando Lucas Lima bateu escanteio, Renato cabeceou livre, e a bola bateu no braço de Paulão. Os jogadores do Peixe pediram pênalti, mas o árbitro Rafael Traci mandou o jogo seguir.

Pressionado na saída de bola e pouco criativo, o time comandado por Elano apostava exclusivamente nos arranques de Bruno Henrique. E foi justamente em um deles que o placar quase foi aberto no último lance do primeiro tempo. Lançado pela esquerda, o atacante santista entrou na área e cruzou para Ricardo Oliveira. O veterano apareceu dentro da pequena área, mas pegou muito mal e isolou a bola, decretando o 0 a 0 antes do intervalo.

O segundo tempo começou igual ao primeiro: com o Vasco assustando. Logo na saída de bola, Wellington recebeu de Paulinho e mandou colocado, de fora da área, passando perto da trave de Vanderlei.

O Santos respondeu aos 7 minutos. Bruno Henrique, sempre ele, avançou pelo lado esquerdo, passou pela marcação e rolou para Ricardo Oliveira. O centroavante, porém, furou a bola na entrada da área.

O duelo ficou moroso nos minutos seguintes, até que aos 19, Lucas Lima passou pela marcação no meio de campo e fez lançamento primoroso para Ricardo Oliveira. O centroavante dominou no peito, avançou e bateu na saída de Jordi para abrir o placar na Vila.

Em desvantagem, o Vasco se lançou ao ataque. Aos 28. Evander recebeu com liberdade na entrada da área e chutou forte para Vanderlei espalmar. No rebote, Gilberto cruzou, Ríos furou, e Ferraz afastou o perigo.

Com o passar do tempo, a pressão vascaína diminuiu e a vitória santista parecia certa. Parecia! Aos 39 minutos, Evander limpou Lucas Lima e acertou uma pancada de fora da área para vencer Vanderlei e deixar tudo igual na Vila.

O tento abalou o Peixe, que passou a errar vários passes e sofrer com os contra-ataques. Aos 47, Victor Ferraz perdeu a bola para Evander e o lance terminou com falta em Nenê na entrada da área. Na cobrança, o veterano mandou no ângulo de Vanderlei, decretando a virada na Vila.

Bastidores – Santos TV:

Braz é alvo de cusparada e discute com torcedores após derrota do Santos

pequena lua de mel do Santos com a torcida chegou ao fim nesta quarta-feira. Após a derrota de virada por 2 a 1 para o Vasco dentro da Vila Belmiro, os jogadores do Peixe deixaram o gramado sob vaias. Depois do revés, David Braz foi alvo de xingamentos e até uma cusparada tentaram acertar no zagueiro

Segundo relato da repórter Mayra Siqueira, da rádio Globo, o camisa 14 parou uma entrevista que dava na saída do campo para discutir com alguns torcedores mais exaltados na Vila.

“É mérito do Vasco, deu dois belos chutes. Coisa do futebol. Infelizmente não conseguimos fazer o gol no primeiro tempo, que era a nossa ideia, e matar no segundo tempo. Vasco foi muito bem e marcou bem. Faz parte do futebol. Quando as equipes vem enfrentar o Santos, procuram ficar atrás da linha da bola. Jogamos bem, mas o Vasco foi feliz em ter acertado dois belos chutes”, disse Braz antes de parar a entrevista para rebater os xingamentos dos santistas.

Com a derrota, o alvinegro parou nos 56 pontos, viu o Corinthians seguir abrir nove pontos na liderança e ainda perdeu a segunda colocação para o Grêmio.

Elano evita críticas a Lucas Lima e não põe Santos fora da briga pelo título

Lucas Lima voltou a ser alvo da torcida do Santos nesta quarta-feira. Apesar do belo lançamento para Ricardo Oliveira abrir o placar contra o Vasco, o meia errou diversos passes e pouco ajudou na marcação, o que fez ele ser vaiado por parte da torcida na derrota de virada por 2 a 1 na Vila Belmiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Questionado sobre as críticas ao camisa 10, o técnico Elano preferiu não externar o que realmente pensa e garantiu que terá uma nova conversa com o meia, assim como todo o elenco, na tarde desta quinta-feira.

“Eu queria poder falar para vocês tudo o que acho. Mas por muito respeito que tenho pelos atletas, converso particularmente. Tive uma conversa com o Lucas Lima e deixei totalmente aberto para contar com ele. Não posso direcionar só para ele. Todos tem parcela em vitória ou derrota. Amanhã, na reapresentação, tenho a minha conversa para colocar meu ponto”, disse o comandante santista.

Com a derrota desta quarta, o Peixe parou nos 56 pontos e viu o Corinthians seguir abrir nove pontos na liderança, faltando apenas cinco rodadas para o término do Brasileirão. Mesmo assim, Elano ainda não descartou o Santos da briga pela taça.

“O objetivo é conquistar cinco vitórias. É importante conquistar as vitórias que temos pela frente. Não sei se vou dormir nessa noite porque também sou apaixonado”, concluiu.

Renato não joga a toalha no Santos após revés, mas admite: “Ficou complicado”

O revés por 2 a 1 para o Vasco nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, aliado ao triunfo do Corinthians sobre o Atlético-PR, em Curitiba, praticamente acabou com a possibilidade do Santos conquistar o título do Campeonato Brasileiro.

Na terceira posição e nove pontos atrás do rival, o Peixe precisa tirar uma diferença de quatro rodadas para o Timão. Porém, faltam apenas cinco jogos para o término do torneio nacional. Na saída do gramado após a derrota para o Cruz-Maltino, o volante Renato admitiu que o Alvinegro da Vila ficou em situação bem difícil.

“Vamos brigar até o final nesses últimos nesses cinco jogos. Fica complicado com a vitória deles (Corinthians), pois abriram nove pontos. Mas não dá para desistir, infelizmente não fizemos o dever de casa hoje, que era fundamental para essa reta final, mas vamos tentar a vitória nos próximos cinco jogos”, disse o camisa 8.

Árbitro relata objetos atirados no campo, mas Santos não deve ser punido

Após o término da vitória do Vasco sobre o Santos por 2 a 1, na última quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro, o árbitro Rafael Traci relatou na súmula do jogo que torcedores do Peixe atiraram um isqueiro e um copo de água no gramado.

Apesar disso, o alvinegro não deve ser punido, pois o árbitro também declarou que os torcedores responsáveis por jogarem os objetos no campo foram identificadas pelo clube e até um boletim de ocorrência foi registrado.

O revés em casa fez a torcida do Peixe encerrar a pequena lua de mel com a equipe comandada por Elano. Após o apito final, os jogadores do alvinegro deixaram o gramado sob vaias, xingamentos e até cusparadas.

Com 56 pontos, o Santos perdeu a segunda colocação para o Grêmio e ainda viu o Corinthians abrir nove na liderança, faltando apenas cinco rodadas para o término do Brasileirão.


Vasco 0 x 0 Santos

Data: 16/07/2017, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, RJ.
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA).
Público: portões fechados
Auxiliares: Helcio Araújo Neves e José Ricardo Guimarães Coimbra (ambos do PA).
Cartões amarelos: Rafael Marques, Wellingtone e Thalles (V); Leandro Donizete, Bruno Henrique e Daniel Guedes (S).
Cartão vermelho: Daniel Guedes (S).

VASCO
Martín Silva; Madson, Paulão, Rafael Marques e Ramon; Jean, Wellington (Bruno Paulista), Yago Pikachu (Guilherme Costa), Wagner e Nenê (Paulo Vitor); Thalles.
Técnico: Milton Mendes

SANTOS
João Paulo; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Leandro Donizete (Alison), Yuri e Lucas Lima; Copete (Matheus Ribeiro), Bruno Henrique e Kayke (Vecchio).
Técnico: Levir Culpi



Sem torcida e com pouco futebol, Vasco e Santos não saem do zero

Quem comeu um belo almoço com a família neste domingo e decidiu assistir Vasco e Santos logo na sequência, fatalmente deve ter tirado alguns cochilos. Com o Engenhão vaziou após uma punição do STJD, Peixe e Cruz-Maltino judiaram da bola, principalmente no primeiro tempo, e não saíram do 0 a 0, em confronto válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Assim como o jogo, o empate foi ruim para as duas equipes. O Alvinegro Praiano chegou 24 pontos, seguiu na terceira colocação, mas não diminuiu a diferença para o líder Corinthians, que ficou no 2 a 2 com o Atlético-PR no último sábado e parou com 36. Já o Cruz-Maltino terminou com 20 pontos e não conseguiu encostar nas primeiras posições do torneio.

O jogo:

Atuar com estádio completamente vazio já é uma coisa que desanima os participantes de uma partida de futebol. Nitidamente influenciados pela ausência dos torcedores, Vasco e Santos fizeram um primeiro tempo sofrível no Engenhão.

O início de jogo foi tão fraco que a primeira oportunidade boa só aconteceu aos 15 minutos, quando Nenê cruzou na cabeça de Rafael Marques, que mandou por cima do gol do jovem João Paulo.

Porém, a chance perdida não ‘acordou’ nenhum dos times e o embate seguiu com pouca emoção. O Peixe, por sua vez, só assustou Martín Silva aos 28 minutos. Após belo lançamento de Lucas Lima, Kayke invadiu a área, mas chutou fraquinho e Paulão afastou com facilidade.

Já aos 36 minutos, Yago Pikachu cobrou a falta com categoria e a bola passou rente ao travessão, assustando os santistas e acabando com a fraquíssimo primeiro tempo no Nilton Santos.

Após o intervalo, o Vasco finalmente despertou e passou a pressionar um acuado Peixe. Logo aos cinco minutos, Nenê cruzou muito bem e Thalles cabeceou firme, porém, a redonda passou ao lado do gol de João Paulo e não entrou.

A pressão vascaína aumentou no decorrer da segunda etapa, ainda mais após a expulsão infantil de Daniel Guedes, aos 38 minutos do segundo tempo. Porém, o Cruz-Maltino não conseguiu furar a retranca santista e a partida terminou mesmo em um 0 a 0 horrível.

Levir lamenta ‘jogo sem graça’ e teme saída de mais jogadores do Santos

A venda de Thiago Maia ao Lille, da França, por R$ 51 milhões de reais, abalou o ambiente do Santos no último sábado. Após a transferência, o volante nem viajou com a delegação e ficou fora do empate em 0 a 0 contra o Vasco, neste domingo, no Engenhão, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Após a igualdade com o time carioca, o técnico Levir Culpi afirmou que o Peixe tem condições de repor a saída do jovem de 20 anos, mas não descartou a possibilidade de perder mais jogadores para o futebol europeu.

“Não existe essa promessa (de não vender mais ninguém). Acho difícil alguém prometer. Chega o mercado europeu, com dinheiro… Se coloca no lugar do atleta, do clube e um dinheiro tão grande. Quase todos os clubes estão com problemas financeiras. Às vezes a venda equilibra. O Santos tem um elenco que pode se refazer com a venda de um ou outro jogador. É claro que se alguém vier pegar um jogador, que venha com dinheiro”, disse Levir Culpi em entrevista coletiva.

Já sobre o duelo contra o Cruz-Maltino, o comandante santista lamentou o fato do Engenhão estar fechado para a torcida após punição do STJD e também criticou a atuação dos dois times.

“Há muito tempo não participava de um jogo tão sem graça. Espero que as leis sejam cumpridas. Está difícil controlar as coisas. Quem errou tem que pagar. Mas o jogo hoje não teve graça nenhuma. O bom que nem a torcida do Vasco e nem a do Santos me xingou”, brincou o treinador.

Braz critica jogo do Santos sem torcida no Engenhão: “Uma várzea”

Atuar em um estádio completamente vazio é uma coisa que desanima os participantes de uma partida de futebol. Apesar do discurso inicial de que ‘não faz diferença’, os jogadores de Vasco e Santos sentiram bastante a ausência da torcida e fizeram um jogo sofrível no Engenhão, que fatalmente acabou empatado em 0 a 0 e não foi bom para nenhuma das equipes.

O zagueiro David Braz, que costuma ‘puxar’ a torcida do Peixe nas partidas disputadas na Vila Belmiro, lamentou o fato do estádio carioca estar completamente vazio e pediu um outro tipo de punição aos clubes.

“Isso é uma várzea. O que fizeram aqui (fechar os portões) estragou o espetáculo. Tem que dar outra multa.”, esbravejou o camisa 14 na saída do gramado.

A partida aconteceu sem a presença de torcedores após o clube carioca ser punido pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) pela briga ocorrida no clássico contra o Flamengo, em São Januário.