Navegando Posts marcados como San Lorenzo

Santos 2 x 2 San Lorenzo

Data: 13/04/2021, terça-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – 3ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio Mané Garrincha, em Brasília, DF.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Esteban Ostojich (URU).
Auxiliares: Carlos Barreiro Jara e Martin Soppi.
Cartões amarelos: Alison, Marcos Leonardo, João Paulo e Marinho (S); Peruzzi, Di Santo e Diego Rodríguez (SL).
Cartão vermelho: Rojas (SL).
Gols: Marcos Leonardo (21-1); Pará (05-2), Di Santo (13-2) e Angel Romero (32-2).

SANTOS
João Paulo; Madson (Luiz Felipe), Kaiky, Luan Peres e Pará; Alison, Felipe Jonatan e Pirani (Jean Mota); Marinho (Lucas Braga), Soteldo (Copete) e Marcos Leonardo (Kaio Jorge).
Técnico: Ariel Holan

SAN LORENZO (ARG)
Devecchi; Peruzzi, Alejandro Donatti, Gattoni, Rojas; Diego Rodríguez (Elias), Juan Ramírez, Oscar Romero; Angel Romero, Di Santo e Nicolás Fernández (Melano).
Técnico: Diego Dabove



Santos empata com o San Lorenzo e avança à fase de grupos da Libertadores

Nesta terça-feira, o Santos empatou com o San Lorenzo por 2 a 2 e, como havia vencido na Argentina, garantiu a classificação para a fase de grupos da Libertadores. O Peixe abriu dois gols de vantagem, com Marcos Leonardo e Pará, e ainda viu Rojas ser expulso e deixar os argentinos com um a menos. No entanto, os visitantes reagiram e empataram com Di Santo e Angel Romero.

O primeiro tempo foi movimentado em Brasília, com as duas equipes tendo chances para marcar. Quem aproveitou foi o Santos, que abriu o placar com um belo gol de Marcos Leonardo, bancado por Ariel Holan no time titular, mesmo com o retorno de Kaio Jorge.

A situação, em tese, ficou mais tranquila para o Peixe aos cinco minutos do segundo tempo, quando Rojas foi expulso e deixou os argentinos com um a menos. Os comandados de Holan aproveitaram a vantagem e ampliaram logo em seguida, com Pará. O San Lorenzo reagiu rapidamente com Di Santo, de cabeça, e conseguiu empatar com Angel Romero, em chute de fora da área. Mesmo com o susto, o Alvinegro conseguiu se segurar e garantir a classificação.

O Santos fará a sua estreia pelo grupo C da Libertadores na terça-feira da semana que vem, contra o Barcelona-ECU, na Vila Belmiro, às 19h15. Pelo Campeonato Paulista, o próximo compromisso do time é contra a Ponte Preta, na quinta-feira, às 20h, em Campinas.

O jogo

Com a nova formação, o Santos teve Pará pela esquerda como um lateral mais defensivo, enquanto Madson apoiava com mais intensidade pela direita. O Peixe começou tendo o domínio da posse, mas foram os argentinos que chegaram com perigo primeiro. Di Santo completou cruzamento para fora, e Óscar Romero finalizou de longe à direita do gol.

Logo em seguida, Marinho bateu escanteio pela direita e exigiu boa defesa de Devecchi, quase marcando um gol olímpico. Aos 21 minutos, o Santos abriu o placar em Brasília. Pressionado pelo San Lorenzo, o time saiu tocando desde trás e conseguiu sair com liberdade no ataque. Felipe Jonatan avançou com a bola e lançou para Marcos Leonardo, que invadiu a área e, sem ângulo, acertou um chute de rara felicidade para marcar.

Após sofrer o gol, o San Lorenzo levou muito perigo com cabeceio de Donatti, com a bola passando perto da trave. O Santos respondeu com Soteldo, que arrancou com a bola dominada, invadiu a área e parou em defesa de Devecchi. Por fim, os argentinos ainda assustaram com duas finalizações no mesmo lance, porém João Paulo apareceu bem nos dois arremates.

O San Lorenzo voltou ligado no segundo tempo e assustou logo nos dois primeiros minutos. Óscar Romero finalizou de fora da área e exigiu defesa de João Paulo, que espalmou. Na sequência, Nicolás Fernández pegou um rebote dentro da área e desperdiçou uma grande oportunidade.

Aos cinco minutos, o Santos ficou com um homem a mais em campo. Em contra-ataque, Marinho arrancou com a bola e saiu na cara do goleiro, sendo parado por Rojas, que deu um carrinho fora da área e recebeu o cartão vermelho direto. Na cobrança, Soteldo bateu por cima do travessão.

Aos 11 minutos, o Peixe ampliou o marcador. Soteldo avançou pela esquerda com liberdade e viu Pará passar pela esquerda. O lateral recebeu na área e bateu de primeira, com a perna direita para fazer o segundo do time. No lance seguinte, o San Lorenzo diminuiu o placar em mais um lance de bola aérea, o pesadelo do Alvinegro na temporada. Após cruzamento da direita, Di Santo ganhou de Luan Peres por cima e testou firme para marcar.

Aos 32 minutos, o San Lorenzo empatou em Brasília. Romero trouxe a bola para dentro e arriscou chute rasteiro de fora da área. João Paulo até tocou na bola, mas não conseguiu evitar que ela entrasse. O time argentino não diminuiu o ritmo e quase virou com uma testada de Óscar Romero, defendida pelo goleiro do Peixe. O gêmeo do jogador ex-Corinthians ainda voltou a exigir intervenção de João Paulo, na última chance do San Lorenzo na partida.

Bastidores – Santos TV:

Marinho se desculpa por “atitude péssima” e revela que pediu perdão a Holan

Marinho esteve nos holofotes no empate do Santos com o San Lorenzo nesta terça-feira, e não pelo bom desempenho na partida. Após ser substituído, o atacante saiu irritado do campo e não quis cumprimentar o técnico Ariel Holan.

Depois de esfriar a cabeça, o jogador do Peixe utilizou o seu Instagram para se desculpar pela atitude. Marinho escreveu que saiu chateado, mas deixou claro que sabe que não é insubstituível, revelando que já pediu perdão a Holan em frente ao elenco no vestiário.

Marinho teve atuação discreta no empate por 2 a 2, não participando de nenhum dos gols e sendo substituído por Lucas Braga.

Holan diz que Santos poderia ter matado o jogo e julga atitude de Marinho como “normal”

O Santos empatou por 2 a 2 com o San Lorenzo nesta terça-feira e garantiu a classificação para a fase de grupos da Libertadores. Apesar da vaga carimbada, o Peixe decepcionou na partida. Mesmo com um a mais, o time permitiu que os argentinos marcassem dois gols e deixassem tudo igual, sofrendo uma pressão no final.

Após o jogo, Ariel Holan não escondeu o descontentamento com o placar final do confronto. Na visão do técnico, o Santos teve oportunidades para matar a partida antes de sofrer o primeiro gol.

“Foi um jogo que poderia ter terminado muito antes. Tivemos as situações em contra-ataques, quando estava 2 a 0. Quando o San Lorenzo sentiu que ficaria de fora, fez muitos esforços para pressionar com dez e ir à frente. Nós não finalizamos os contra-golpes, e o San Lorenzo fez o primeiro gol, depois o segundo… O jogo complicou um pouco, mas creio que temos muito a aprender com esse jogo, acho que será muito útil para seguir melhorando como time”, analisou o treinador.

Holan também comentou brevemente sobre a atitude de Marinho, que deixou o campo irritado ao ser substituído. O atacante não quis cumprimentar o técnico na beira do gramado.

“É normal, o Marinho é um jogador muito importante para o nosso time e é lógico que não sairia contente do campo. Isso é lógico”, afirmou o comandante.

Após a partida, Marinho utilizou o seu Instagram para se desculpar pela “atitude péssima”. O atacante revelou que já pediu perdão a Holan em frente aos jogadores no vestiário.

Holan explica por que não utilizou Ivonei contra o San Lorenzo

Nesta terça-feira, o Santos empatou por 2 a 2 com o San Lorenzo e garantiu a vaga na fase de grupos da Libertadores. O técnico Ariel Holan fez modificações na equipe em relação ao jogo de ida, escalando Felipe Jonatan no meio-campo e deslocando Pará para a esquerda, enquanto Madson foi o lateral-direito.

Ivonei, que retornou recentemente de uma lesão na coxa esquerda, ficou no banco de reservas e nem sequer entrou no segundo tempo. Na entrevista coletiva, Holan explicou por que não utilizou o meio-campista.

“O Ivonei vem de uma lesão e não jogou depois disso. Trabalhamos com o Felipe (Jonatan) em Atibaia, para que ele pudesse ser uma opção. Com Madson pela direita, ganharíamos altura. Era muito importante para que nós conseguíssemos nos defender melhor contra o San Lorenzo, um time que é muito alto”, afirmou o técnico.

Holan garantiu que a alterativa com Felipe Jonatan no meio-campo não foi um improviso. O treinador vive a expectativa de contar com Ivonei 100% fisicamente o quanto antes, visto que Sandry permanecerá fora dos gramados por, no mínimo, seis meses.

“Não foi uma improvisação, e sim algo que trabalhamos. Com Pirani pela direita e Sandry, que lamentavelmente não está. Balieiro está com um problema no joelho, Ivonei vem de uma lesão, esperamos que ele possa jogar na próxima partida”, finalizou Holan.

João Paulo acredita que Santos irá aprender com o ‘apagão’ contra o San Lorenzo

O Santos garantiu a classificação para a fase de grupos da Libertadores na terça-feira, mas o desempenho da equipe na segunda etapa foi preocupante. Mesmo com um a mais, o Peixe permitiu que os argentinos empatassem a partida e pressionassem o Alvinegro na reta final.

Após o jogo, o goleiro João Paulo afirmou que o Santos irá tirar lições da queda de rendimento abrupta na segunda etapa do jogo disputado em Brasília.

“Muito pela postura do San Lorenzo, precisando do resultado eles atacaram mais. Eles deixaram muitos contra-ataques para a gente, mas não matamos o jogo. A gente vai poder aprender com os nossos erros, para que possamos melhorar e fazermos outros grandes jogos”, disse o goleiro.

João Paulo também comentou sobre o gol de bola aérea sofrido pelo Peixe, algo bastante recorrente na temporada da equipe. O arqueiro deixou claro que o time já sabia que enfrentaria dificuldades em cruzamentos.

“O San Lorenzo tinha como maior perigo a bola aérea, por ser um time muito alto. Somos um time rápido e de posse de bola, mas de baixa estatura. No primeiro jogo, a gente não sofreu tanto, mas sabia que teria mais dificuldade no segundo. Fizeram os gols em falhas nossas, mas o mais importante é aproveitar a nossa classificação”, finalizou.

Pará celebra gol ‘à la Bebeto’ e presta homenagem ao aniversário do Santos

Autor de um dos gols no empate entre Santos e San Lorenzo, Pará celebrou sua atuação e a classificação da equipe para a fase de grupos da Libertadores.

O lateral brincou que seu gol lembrou o de Bebeto pela Seleção Brasileira contra os Estados Unidos na Copa do Mundo de 1994.

“Eu sou um atleta que não tenho costume de fazer tantos gols na minha carreira. E acabou saindo um maravilhoso com a chapada ‘à la Bebeto’, devagar e no cantinho. Mas brincadeiras à parte, fico mais feliz ainda pela nossa classificação, pois a gente precisava muito passar para essa fase de grupos e o gol acabou ajudando”, afirmou em declarações publicadas pelo site do Santos.

O camisa 4 também aproveitou para prestar sua homenagem pelo aniversário de 109 anos do Peixe.

“Quando eu fiz o gol já veio na memória o Peixe completando esses 109 anos de muita glória e muita tradição. Um clube gigante e que já revelou vários craques para o futebol, sendo que eu tive o privilégio de jogar com alguns deles. Tenho a honra de fazer parte dessa história e espero permanecer aqui por muito tempo para seguir brigando sempre por essa camisa”, disse.

Agora, o time de Ariel Holan passa a trabalhar para a maratona de jogos que está por vir, com compromissos do Paulistão e da Libertadores. De acordo com Pará, é momento da equipe mostrar sua força.

“Acredito que é sim a chance de mostrarmos a força do nosso elenco. Fizemos duas semanas muito boas de treinos lá em Atibaia. O professor Ariel é um treinador muito estrategista e bem capacitado para colocar em campo aqueles que estiverem em melhores condições. Estamos preparados para essa maratona e se tiver que jogar de dois em dois dias não terá problema para nós”, finalizou Pará.

Santos comemora o aniversário com classificação, dinheiro nos cofres e uniforme novo

Nesta quarta-feira, o Santos celebra 109 anos de vida. No aniversário do Peixe, o que não falta ao clube é motivo para comemorar: além de carimbar a vaga na fase de grupos da Libertadores, o Alvinegro garantiu a premiação por avançar na competição, valor que servirá de respiro para a saúde financeira da instituição.

Por mais que o time tenha caído abruptamente de rendimento do segundo tempo, mesmo com um a mais, o Santos segurou o empate e, como havia ganhado na Argentina, confirmou a classificação para a fase de grupos. O Peixe entrará no grupo C do torneio, que conta com Boca Juniors-ARG, Barcelona-ECU e The Strongest-BOL.

A estreia do Alvinegro na fase de grupos acontecerá na terça-feira da semana que vem, contra o Barcelona, na Vila Belmiro, às 19h15. Antes do duelo, a equipe ainda terá compromissos contra a Ponte Preta e Inter de Limeira, na quinta-feira e domingo, respectivamente.

Por avançar à fase de grupos da Libertadores, o Santos garantiu uma premiação de 1 milhão de dólares para cada partida como mandante. Assim, o clube embolsará 3 milhões de dólares (cerca de R$ 17 milhões), valor que será importante para a reestruturação financeira do Peixe.

Aproveitando a comemoração do aniversário do clube, a Umbro lançará o novo uniforme que será utilizado pelo time na sequência da temporada. Na terça-feira, a fornecedora esportiva divulgou um teaser, porém sem revelar grandes detalhes da vestimenta.


San Lorenzo 1 x 3 Santos

Data: 06/04/2021, terça-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – 3ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio El Nuevo Gasometro, em Buenos Aires, Argentina.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Wilmar Roldán (COL).
Auxiliares: Miguel Roldán e Sabastián Vela (ambos da COL).
Cartões amarelos: Diego Rodríguez (SL).
Gols: Lucas Braga (06-1), Ángel Romero (26-2) e Marinho (45-1, de pênalti); Ângelo (49-2).

SAN LORENZO (ARG)
Devecchi; Andrés Herrera, Alejandro Donatti, Braghieri, Bruno Pittón; Palacios (Óscar Romero), Diego Rodríguez (Elías), Juan Ramírez; Angel Romero, Di Santo e Franco Troyansky (Nicolás Fernández).
Técnico: Diego Dabove

SANTOS
João Paulo; Pará, Kaiky, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Vinicius Balieiro e Pirani (Soteldo); Marinho (Ângelo), Lucas Braga e Marcos Leonardo (Bruno Marques).
Técnico: Ariel Holan



Santos vence o San Lorenzo na Argentina e abre vantagem por vaga nos grupos da Libertadores

Nesta terça-feira, o Santos jogou bem e venceu o San Lorenzo por 3 a 1, no Estádio El Nuevo Gasometro, na partida de ida da terceira fase da Libertadores. O Peixe marcou dois gols na primeira etapa, com Lucas Braga e Marinho, de pênalti. No segundo tempo, os mandantes diminuiu com Ángel Romero, ex-Corinthians. Na reta final, Ângelo fez o terceiro para os brasileiros.

O time comandado por Ariel Holan teve um excelente início na Argentina, avançando o bloco de marcação e conseguindo abrir o placar logo aos seis minutos. Sendo consistente na defesa, o Santos não passou sufoco na defesa e ainda conseguiu ampliar com Marinho batendo pênalti.

Na etapa final o Santos teve uma queda de rendimento e perdeu o controle do jogo. Além de diminuir a produção ofensiva, os comandados de Holan viram Romero diminuir o placar. Apesar disso, o time mostrou concentração nos minutos finais e segurou o triunfo na Argentina, marcando o terceiro com Ângelo no fim.

As duas equipes voltam a se enfrentar na terça-feira da semana que vem, às 21h30, no Mané Garrincha. O Peixe avança para a fase de grupos com uma vitória, um empate ou uma derrota por um gol de diferença.

O jogo:

Elétrico, o Santos tomou conta das ações ofensivas dos primeiros minutos. Em duas oportunidades, o time recuperou a bola e encontrou Marcos Leonardo, que não conseguiu finalizar as jogadas. Já aos seis minutos, Luan Peres roubou a bola no meio-campo e soltou para Lucas Braga pela esquerda. O jogador balançou para cima da marcação, trouxe para dentro e acertou um belo chute para abrir o placar.

Após marcar o gol, o Peixe diminuiu o ímpeto ofensivo, mas conseguiu segurar a vantagem. A primeira chegada do San Lorenzo veio apenas aos 32 minutos, com Pittón pegando sobra dentro da área e finalizando para fora. Na sequência, Troyansky recebeu cruzamento da direita e testou muito próximo da trave.

Aos 44 minutos, Pirani recebeu na intermediária e fez belo lançamento para Marcos Leonardo. O atacante foi derrubado pelo goleiro do San Lorenzo, e o árbitro assinalou pênalti. Na cobrança, Marinho mandou no canto alto direito e ampliou o placar.

No retorno do vestiário, foi o Santos que teve a primeira oportunidade no ataque. Pará avançou pela direita e cruzou na medida para Lucas Braga, que cabeceou e exigiu defesa de Devecchi. Em seguida, o San Lorenzo respondeu com Pittón de cabeça, parando e João Paulo, e Ramírez finalizando de fora da área à esquerda.

Aos 26 minutos, o time argentino conseguiu diminuir o placar. Fernández avançou pela direita, cruzou e encontrou Ángel Romero na área, após Pará não conseguir cortar a bola. O ex-jogador do Corinthians dominou e finalizou no canto para marcar.

Além de segurar a vitória, o Santos marcou o seu terceiro gol. Primeiro, Soteldo arriscou de fora da área e Devecchi espalmou para o lado. No rebote, Ângelo cortou para dentro, chutou e viu o goleiro do San Lorenzo deixar a bola escapar, passando rente à trave. No último lance, o garoto de 16 anos aproveitou nova rebatida de Devecchi e apenas empurrou para as redes, sacramentando a vitória.

Bastidores – Santos TV:

Holan diz que Santos fez os melhores 45 minutos desde a sua chegada

O Santos deu um grande passou em busca da classificação para a fase de grupos da Libertadores ao vencer o San Lorenzo por 3 a 1, na Argentina. Após o apito final, Ariel Holan analisou o desempenho da equipe e disse que o Peixe fez os melhores 45 minutos desde a sua chegada. No primeiro tempo, o Peixe abriu dois gols de vantagem, com tentos de Lucas Braga e Marinho, de pênalti.

“Eu acho que a equipe fez uma boa partida, mas o San Lorenzo é um bom time. Tem excelentes jogadores e, como mandante, é um time muito complicado. Eu valorizo muito a vitória, mas ainda temos um jogo, espero que possamos repetir em Brasília o bom jogo que fizemos hoje”, afirmou Holan.

“Sim (foram os melhores 45 minutos), mas recém começamos. Creio que, pelo tamanho do San Lorenzo, foram os nossos melhores momentos desde que assumi o time”, completou.

Holan também comentou sobre a confusão no gol marcado pelo San Lorenzo, visto que a defesa do Santos mostrou uma desorganização pontual no lance.

“Foi uma jogada estranha, porque o Felipe Jonatan sentiu uma dor na perna, e pensamos que ele havia falado para fazer a substituição. Neste momento, o árbitro reiniciou rápido e estávamos mal posicionados. Foi uma pena, porque até aquele momento o time estava jogando muito bem. Creio que, com muito amor próprio, o San Lorenzo conseguiu avançar, mas também conseguimos contra-golpear. Por sorte, fizemos diferença desta forma”, analisou o treinador.

No fim da coletiva, Holan pediu a palavra e mandou um recado especial para Sandry, que teve o rompimento do ligamento cruzado do joelho direito constatado nos últimos dias e permanecerá, no mínimo, seis meses longe dos gramados.

“Só queria mandar um abraço ao Sandry. Infelizmente, é muito jovem e teve esta infelicidade da lesão no ligamento cruzado, mando a ele um forte abraço”, finalizou.

Após treinos em Atibaia, Holan vê Santos em evolução e no caminho certo

Jogando um futebol convincente durante considerável parte da partida, o Santos derrotou o San Lorenzo por 3 a 1 e deu um importante passo rumo à fase de grupos da Libertadores. O bom desempenho do time em campo coincide com a primeira apresentação da equipe após um longo período de treinos.

Sem poder treinar na cidade de Santos, o Peixe foi para Atibaia e realizou sua preparação para o duelo da Libertadores no Hotel Bourbon. Durante quase duas semanas, Ariel Holan pôde implementar detalhes do seu modelo de jogo com mais paciência, a partir de muitas repetições nas atividades.

Após o jogo na Argentina, o técnico do Santos avaliou positivamente a atuação da equipe no Estádio El Nuevo Gasometro, elogiando a postura dos jogadores em campo.

“Valorizo muito que o time quis permanentemente jogar, mesmo com a pressão do San Lorenzo. Para mim, isso é muito importante, porque temos que seguir jogando desta maneira, melhorando jogo após jogo”, afirmou o técnico.

Antes da sequência em Atibaia, Holan não havia tido uma semana livre para treinar o Santos. Até o momento, o técnico esteve a beira do campo em cinco partidas da equipe, com três vitórias, um empate e uma derrota.

Lucas Braga corresponde, e Holan ganha boa dor de cabeça no Santos

Marcando três gols no San Lorenzo fora de casa, o Santos deu um importante passo em busca da vaga na fase de grupos da Libertadores. Jogando pela esquerda, Lucas Braga foi a aposta de Ariel Holan para o ataque e não decepcionou, marcando o primeiro gol do Peixe na partida.

Com um Santos postado para recuperar a bola e acelerar, Lucas Braga foi uma importante válvula de escape pelo lado do campo. Correspondendo no jogo decisivo, o atacante plantou uma boa dor de cabeça no treinador argentino.

Isso porque Holan tem diversas opções para montar o setor ofensivo do time para a sequência da temporada. O único titular absoluto é Marinho, que voltou de lesão no joelho esquerdo e atuou contra o San Lorenzo pela primeira vez em mais de dois meses.

Soteldo, que é uma importante peça da equipe, não foi escalado por ter ficado de fora das semanas de treino em Atibaia, devido ao problema logístico na Venezuela. Uma alternativa seria escalar o venezuelano por dentro, como um meia, função essa que já foi exercida pelo camisa 10 anteriormente.

Outro nome que pede cada vez mais espaço é Ângelo. O atacante de 16 anos, que se tornou o jogador mais jovem a marcar um gol na história da Libertadores, pode encontrar dificuldade no início por jogar prioritariamente pela direita, setor ocupado por Marinho.

Caso queira tornar o time mais móvel, Holan pode escalar o Peixe sem uma referência no ataque, como Kaio Jorge e Marcos Leonardo. Nesse cenário, Marinho, Soteldo, Lucas Braga e Ângelo disputariam as três vagas da frente.

Lucas Braga acredita que os dias de treino facilitaram a implantação do modelo de Holan

Autor do primeiro gol da vitória do Santos, Lucas Braga concedeu entrevista coletiva após a vitória sobre o San Lorenzo. O jogador avaliou positivamente as semanas de treino do Peixe em Atibaia, dizendo que foram importantes para que Ariel Holan implementasse de maneira mais efetiva as duas ideias.

“Como a gente teve um tempo bacana para trabalhar, isso nos ajudou bastante a colocar em prática. Claro que ainda falta um pouco de ritmo de jogo para todos nós, mas isso vem naturalmente”, afirmou o atacante.

Lucas Braga ainda comentou sobre os méritos do Santos na importante vitória sobre o San Lorenzo na Argentina.

“A gente colocou em prática aquilo que o professor nos pediu: a calma para jogar e a posse de bola, os gols saíram naturalmente. Quando a gente manteve a postura em campo, facilitou para nós”, disse o jogador.

Ângelo se torna o jogador mais jovem a marcar um gol na história da Libertadores

Nesta terça-feira, Ângelo quebrou um recorde ao balançar as redes na vitória sobre o San Lorenzo: o atacante se tornou o jogador mais jovem a marcar um gol pela Libertadores, com 16 anos, três meses e 16 dias de idade.

Ângelo saiu do banco de reservas já na reta final da partida, substituindo Marinho. Na primeira tentativa, parou em defesa do goleiro do San Lorenzo. No entanto, já nos acréscimos, aproveitou o rebote de Devecchi e marcou o gol histórico.

Ângelo fez o seu primeiro jogo como profissional do Santos quando tinha apenas 15 anos, no Brasileirão do ano passado, contra o Fluminense. Desde então, o jogador disputou 15 partidas, marcando o seu primeiro gol pelo time principal nesta terça.

Ariel Holan parabeniza Ângelo por feito histórico: “Muito orgulho”

A vitória do Santos por 3 a 1 sobre o San Lorenzo, na Argentina, pelo jogo de ida da terceira fase da Libertadores, ficou marcada, principalmente, pelo feito histórico do atacante Ângelo. O garoto se tornou o jogador mais jovem a marcar no torneio, com apenas 16 anos, três meses e 16 dias de idade.

E o acontecimento rendeu elogios do técnico Ariel Holan. Em suas redes sociais, o comandante argentino parabenizou o atleta e afirmou estar muito orgulhoso.

“Parabéns Ângelo, jogador mais jovem a marcar na Libertadores. Muito orgulho!!!”, comentou o treinador.

Ângelo, por sua vez, agradeceu o treinador: “Obrigado professor, vamos por mais!!!”.


Santos 1 x 0 San Lorenzo

Data: 11/10/2006, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas-de-final – Partida de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.824 pagantes
Renda: R$ 17.265,00
Árbitro: Jorge Larrionda (URU).
Auxiliares: Walter Rial e Líber Prudente (ambos do URU).
Cartões amarelos: Domingos e Carlinhos (S); Orión, Rivero, Hirsig e Lavezzi (SL).
Gol: Wellington Paulista (37-1).

SANTOS
Felipe; Paulo (Denis), Manzur, Domingos e Carlinhos; Heleno, Fabinho (Zé Roberto), André Oliveira e Rodrigo Tabata; Leandro (Jonas) e Wellington Paulista.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SAN LORENZO
Orion; Tula, Méndez, Quattrocchi e Jonathan Bottinelli; González, Rivero, Husain e Hirsig (Darío Bottinelli); Lavezzi (Jimenez) e Silvera (Acevedo).
Técnico: Oscar Ruggeri



Santos vence, mas é eliminado pelo San Lorenzo

Agora o Santos pode se concentrar totalmente na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. Não existe mais o “problema” Copa Sul-Americana. Na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, a equipe alvinegra venceu o San Lorenzo, da Argentina, por 1 a 0, mas não avançou às quartas-de-final da competição. Isso porque na partida de ida, na casa do rival, o time amargou uma derrota por 3 a 0.

A indiferença santista pela Sul-Americana, existente desde o começo do certame e principalmente após o tropeço na Argentina, aumentou depois de uma boa seqüência no Brasileirão. Com três vitórias consecutivas no Nacional, o Santos assumiu a vice-liderança e voltou a sonhar com o tricampeonato, mesmo o líder São Paulo estando sete pontos à frente. Tal motivação fez o técnico Vanderlei Luxemburgo escalar uma equipe reserva esta noite.

A atitude do treinador indiciou que não fazia parte dos planos do clube da Baixada realizar uma viagem ao México (para pegar o Toluca, agora adversário do San Lorenzo, pelas quartas-de-final da Sul-Americana). No entanto, os jogadores que entraram em campo demonstraram vontade, apesar de faltar criatividade na armação das jogadas.

O San Lorenzo, por sua vez, adotou uma postura normal para um time que tem uma vantagem de três gols: atuou com cautela e sem se arriscar no ataque. E a proposta do time argentino, primeiro campeão da Sul-Americana, em 2002, deu certo.

“Faltou um pouco mais de finalizações e jogadas pelos lados. Nós sabíamos que eles viriam fechados porque já tinham o resultado da Argentina. Agora é pensar no Brasileiro. Estamos em um bom momento e podemos encostar no líder”, disse Zé Roberto – o meia, Denis e Jonas foram os titulares que entraram no decorrer do jogo.

O jogo entre San Lorenzo e Toluca-MEX, pelas quartas-de-final da Copa Sul-Americana, ainda não tem data marcada. Porém, a primeira partida será na Argentina. Já o Santos, eliminado, se concentra no Campeonato Brasileiro, competição pela qual pega o Botafogo, no sábado, às 18h10, no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

O jogo
Precisando vencer por uma diferença de quatro gols para ir para a próxima fase da Copa Sul-Americana sem necessitar dos pênaltis, o Santos iniciou a partida dominando o San Lorenzo. No entanto, teve a posse da bola e não conseguiu criar.

Bem postado na defesa e apostando no contra-ataque, foi o time argentino que quase marcou primeiro. Aos 20min, Lavezzi recebeu dentro da área, dominou e chutou cruzado, procurando o ângulo esquerdo de Felipe. Mas a bola foi para fora.

Aos 31min, Silvera aproveitou cruzamento da direita, em cobrança de escanteio, e cabeceou sozinho dentro da área. Porém, mais uma vez a bola foi para fora. Seis minutos depois, o Santos conseguiu abrir o placar para dar ânimo à equipe. Carlinhos cruzou da esquerda e Wellington Paulista desviou de cabeça, para o fundo das redes argentinas.

Mesmo depois do gol, o Santos continuou explorando as jogadas aéreas e abusou dos chutes de longa distância, que não deram resultado.

No segundo tempo, o Santos voltou com a mesma formação, e continuou sem criatividade para chegar ao gol adversário. E pior. O San Lorenzo começou a sair de trás e atacar a equipe da casa. Com isso, Luxemburgo resolveu colocar alguns titulares.

Com Dênis, Jonas e Zé Roberto em campo, a equipe alvinegra voltou a pressionar. Porém, com mais criatividade. Diferentemente da primeira etapa, quando o Santos abusou das bolas aéreas e de chutes de longa distância, o time conseguiu tabelar mais perto da área e chegar perto do gol.

Prova disso foi uma bola na trave, aos 34min. Zé Roberto fez uma bela jogada pela direita, rolou para o meio da área e André chegou para chutar de primeira. Mas a bola explodiu no travessão e o Santos perdeu a chance de diminuir a vantagem rival, o que deixaria a equipe de Luxemburgo a um gol de levar a decisão para os pênaltis.

Denis preocupa Santos
O Santos pode ter uma baixa significativa para a reta final do Campeonato Brasileiro. O lateral-direito Denis torceu o joelho esquerdo na segunda etapa da vitória alvinegra sobre o San Lorenzo e é dúvida para o compromisso frente ao Botafogo, no Rio de Janeiro, pelo Nacional.


San Lorenzo 3 x 0 Santos

Data: 27/09/2006, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Pedro Bidegain, El Nuevo Gasómetro, em Buenos Aires, Argentina.
Público e Renda: N/D
Árbitro: Carlos Chandía (CHI).
Cartões amarelos: Vobril, Botero e Lavezzi (C); Ronaldo Guiaro (S).
Gols: González (07-1); Jiménez (15-2) e Lavezzi (22-2).

SAN LORENZO (ARG)
Orión; Tula, Sebastián Méndez (Pablo Alvarado), J. Bottinelli, Voboril; Adrián González (Joaquín Botero), Acevedo, Claudio Husaín, Darío Bottinelli; Ezequiel Lavezzi (Leonardo Ulloa) e Roberto Jiménez.
Técnico: Oscar Ruggeri

SANTOS
Fábio Costa; Luiz Alberto (André), Manzur e Ronaldo Guiaro; Dênis, Heleno (André Luiz), Tabata (Rodrigo Tiuí), Cléber Santana e Kleber; Jonas e Wellington Paulista.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos perde na Argentina e se complica na Copa Sul-Americana

O Santos complicou sua situação na Copa Sul-Americana-2006 ao perder por 3 a 0 para o San Lorenzo, na noite desta quarta-feira, no estádio Nuevo Gasómetro, em Buenos Aires, pelas oitavas-de-final.

O confronto de volta está marcado para o dia 11 de outubro. Para ficar com a vaga na próxima fase, o Santos precisa vencer por quatro gols de diferença –vitória por 3 a 0 leva a decisão para os pênaltis.

O técnico do Santos, Vanderlei Luxemburgo, não contou nesta noite com o volante Maldonado, que não foi inscrito na competição, e com o meia Zé Roberto, poupado para melhorar a forma física.

Sem eles, Luxemburgo optou por começar a partida no esquema 3-5-2, com Manzur, Ronaldo Guiaro e Luiz Alberto na zaga. Na frente, o ataque foi formado por Jonas e Wellington Paulista.

Na primeira vez em que chegou ao ataque, a equipe argentina marcou o gol. Aos 7min, Adrián Gonzalez cobrou falta com categoria, sem chance de defesa para Fábio Costa, e fez 1 a 0. A bola tocou no travessão antes de entrar.

Em desvantagem, o Santos tentou se organizar em campo e passou a jogar no campo do adversário. Aos 20min, o time da Baixada chegou com perigo. O zagueiro Luiz Alberto recebeu lançamento longo, dentro da área do San Lorenzo, e bateu forte, exigindo boa defesa do goleiro Orion.

Aos 34min, o San Lorenzo respondeu. Adrián Gonzalez se encarregou de outra cobrança de falta e exigiu ótima defesa de Fábio Costa.

Para a etapa final, o Santos voltou com duas novidades: entraram André Luiz e André e deixaram a equipe Luiz Alberto e Heleno.

Com a equipe mais ofensiva, o Santos tentou pressionar o adversário e chegou com perigo numa cabeçada de Wellington Paulista.

Mas, aos 15min, o San Lorenzo marcou o segundo gol. Jimenez recebeu lançamento nas costas da defesa santista –Ronaldo Guiaro não conseguiu cortar– e, dentro da área, chutou forte, rasteiro, sem defesa para Fábio Costa.

Aos 21min, Lavezzi recebeu lançamento longo e, percebendo, a saída de Fábio Costa, tocou por cobertura, marcando o terceiro gol do San Lorenzo na partida.

Pelo Campeonato Brasileiro, o Santos volta a campo no dia 5 de outubro, quando faz o clássico contra o Corinthians no estádio do Pacaembu.


Santos 1 x 0 San Lorenzo

Data: 29/06/1977, quarta-feira, 21h00.
Competição: Amistoso
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP
Público: 5.705 pessoas (5.420 pagantes e 285 menores)
Renda: Cr$ 125.330,00
Árbitro: Alfredo Gomes.
Cartões vermelhos: Bozó (S) e Nicolau (SL).
Gol: Juary (16-2).

SANTOS
Willians (Ricardo); Zé Maria, Joãozinho, Alfredo Mostarda e Fernando; Bianchi (Carlos Roberto) e Aílton Lira; Juary, Flávio Minuano (Reinaldo), Silva e Bozó.
Técnico: Otto Glória

SAN LORENZO (ARG)
Cesar Mendonza (Corijas); Sergio Villar (Orlando Ruiz), Juan Sanz, Miguel Nicolau e Ricardo Lupo (Giovanni); Horacio Palmeri (Juan Gauna), Claudio Marangoni (Mário Mendonza) e Manuel Sánchez; Pedro Chazarreta, Mário Rizzi e Arístides Rodríguez.
Técnico:



Santos bate San Lorenzo: 1 a 0

O jogo termina em batalha campal. O goleiro Willians teve o supercílio cortado e o maxilar inferior fraturado.

Na preliminar, às 19h, houve um amistoso entre um time misto do Santos e o Jabaquara, que está na 2ª divisão.

Fontes:
Estadão
Jornal Folha de SP