Navegando Posts marcados como Oitavas-de-final

Santos 0 x 1 LDU

Data: 01/12/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Néstor Pitana (ARG)
Auxiliares: Diego Bonfá e Gabriel Chade (ambos da ARG).
VAR: Mauro Vigliano (ARG)
Cartões amarelos: Alison, Soteldo e John (S); Ayala e Caicedo (L).
Cartão vermelho: Aguirre (L) e Luiz Felipe (S).
Gol: Zunino (23-2).

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Wagner Leonardo); Alison, Diego Pituca e Soteldo (Sandry); Marinho, Lucas Braga (Madson) e Kaio Jorge (Bruno Marques).
Técnico: Cuquinha (interino)

LDU (EQU)
Gabbarini; Perlaza (Zunino), Ordóñez, Caicedo e Ayala (Cruz); Villarruel (Aguirre), Alcívar, Quintero e Julio; Arce (Caicedo) e Martínez.
Técnico: Pablo Repetto



Santos perde para a LDU na Vila, mas se classifica às quartas da Libertadores

O Santos perdeu por 1 a 0 para a LDU (EQU) na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro, mas se classificou para as quartas de final da Libertadores da América.

O Peixe “usou” o gol qualificado. Como venceu por 2 a 1 em Quito, o Alvinegro avançou mesmo com a derrota por 1 a 0 em casa. Nos minutos finais, os donos da casa levaram alguns sustos e correram risco.

O Santos enfrentará Grêmio ou Guaraní (PAR) nas quartas. O Tricolor venceu por 2 a 0 como visitante e tem grande chance de fazer esse duelo nacional com o Peixe em busca de uma vaga na semifinal.

O jogo

O Santos dominou as primeiras ações. Sem administrar a vantagem adquirida em Quito, o Peixe empilhou chances. Na primeira, Pará cruzou e Kaio Jorge quase acertou o cabeceio aos seis.

No minuto 13, Diego Pituca finalizou com categoria de fora da área e Gabbarini foi no ângulo espalmar. Na sequência, Soteldo cruzou e Luan Peres e Kaio não alcançaram.

Aos 22, outra chance claríssima: Pará fez bonita enfiada para Kaio Jorge. O centroavante saiu cara a cara com Gabarrini, mas parou no goleiro. Terceira oportunidade desperdiçada.

A partir da segunda metade da primeira etapa, a LDU equilibrou as ações. No minuto 24, Borja finalizou por cima na frente de John. Quando o placar marcava 28, Lucas Braga acertou o travessão de cabeça.

O Santos não conseguiu controlar mais a partida na etapa final. E sofreu o gol aos 19 minutos, quando Zunino aproveitou bate-rebate e bateu forte. A arbitragem precisou de quatro minutos para confirmar o lance com auxílio do VAR.

Aos 34 minutos, o Peixe sofreu um enorme susto. A bola sobrou para Zunino, que, quase na pequena área, isolou. O 2 a 0 classificaria a LDU às quartas da Libertadores da América.

Nos lances finais, o Santos se defendeu como deu e conseguiu avançar, com direito a conflito entre os times nos acréscimos. Foi por pouco.

Bastidores – Santos TV:

Cuquinha elogia 1º tempo ‘primoroso’ do Santos e diz: “Podíamos não ter corrido risco”

Comandante do Santos nesta terça-feira, Cuquinha elogiou o primeiro tempo na derrota por 1 a 0 para a LDU (EQU), na Vila Belmiro, pelo jogo de volta das oitavas de final da Libertadores da América.

O Peixe desperdiçou chances, sofreu um gol e correu risco até o fim. Alvinegro e se classificou em função do 2 a 1 em Quito e do gol qualificado.

“Até o gol era jogo controlado, com pouco risco. Primeiro tempo foi primoroso, parabenizei eles pelo primeiro tempo. E depois de um gol é difícil, dá medo, qualquer bola gera perigo. Classificação foi conquistada no primeiro jogo e no primeiro tempo de hoje. No geral, time não correu muito risco. Tivemos muitas chances, cinco, seis, sete oportunidades no primeiro tempo. Podíamos não ter corrido risco no segundo tempo. Jogo se tornou perigoso. Depois do gol, jogaram por uma bola. Tudo faz parte. Jogamos 180 minutos e fomos melhores que a LDU. Temos que valorizar. Jogo de igual para igual lá, nós melhores no primeiro tempo aqui. É tirar lições para o próximo mata-mata”, disse Cuquinha.

“No segundo tempo controlamos até o gol. E no primeiro tempo controlamos. Até paramos achando que estava impedido, não podemos parar. John não pegou uma bola difícil. Perigo era bola alçada. Depois do gol, qualquer lance é perigoso. Se tomar gol fica fora, só por isso”, completou.

Cuquinha dirigiu o Santos em função de confusão nos testes de covid-19 de Cuca. Com PCR positivo, a Conmebol vetou o técnico da decisão mesmo sem poder infectar alguém ou ter algum sintoma.

Marinho lamenta chances desperdiçadas e susto do Santos em classificação: “Chato correr até o fim”

Marinho lamentou as chances desperdiçadas pelo Santos na derrota por 1 a 0 para a LDU (EQU) na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro.

O Peixe se classificou em função do 2 a 1 em Quito e do gol qualificado.

“Sabíamos que a equipe da LDU é boa, sabíamos que jogariam o jogo da vida. Sabemos que é difícil de jogar contra, mesmo no Brasil. Equipe acostumada a jogar Libertadores. Não podemos desperdiçar oportunidades. Continuamos em cima, fizeram um gol e depois foi aquela correria no fim. Fizemos jogo incrível lá, poderíamos ter feito 1 a 0 aqui”, disse Marinho.

“A gente poderia estar mais tranquilo no segundo tempo. Se não fizermos o gol, corremos o risco e é chato correr até o fim, pedindo para acabar o jogo. Criamos oportunidades, eu mesmo concluí mal”, completou.

O Santos enfrentará Grêmio ou Guaraní (PAR) nas quartas. O Tricolor venceu por 2 a 0 como visitante e tem grande chance de fazer esse duelo nacional com o Peixe em busca de uma vaga na semifinal.


LDU 1 x 2 Santos

Data: 24/11/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Casa Blanca, em Quito, Equador.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Fernando Rapallini (ARG)
Auxliares: Ezequiel Brailovsky e Julio Fernandez (ambos da ARG).
VAR: Mauro Vigliano (ARG)
Cartões amarelos: Vega, Alcívar, Aguirre e Ordoñez (L); Luiz Felipe, Wagner Leonardo, Felipe Jonatan e Soteldo (S).
Gols: Soteldo (06-1) e Jhojan Julio (46-1); Marinho (13-2).

LDU (EQU)
Gabbarini; Perlaza (Zunino), Caicedo, Ordoñez e Cruz (Ayala); Villarruel, Alcivar, Vega (Caicedo), Quintero (Aguirre) e Billy Arce; Jhohan Julio e Martínez Borja.
Técnico: Pablo Repetto

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Felipe Jonatan (Lucas Braga); Alison, Diego Pituca e Jean Mota (Wagner Leonardo); Marinho (Lucas Lourenço), Soteldo (Vinicius Balieiro) e Kaio Jorge.
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos vence a LDU na altitude de Quito e abre vantagem nas oitavas da Libertadores

O Santos venceu a LDU por 2 a 1 na noite desta terça-feira, no Estádio Casa Blanca, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores da América. Os gols foram marcados por Soteldo e Marinho. Os visitantes balançaram as redes com Jhojan Julio.

O Peixe superou os desfalques e a altitude de 2850 metros em Quito, no Equador. Depois de primeiro tempo com muitos espaços na marcação, o Alvinegro voltou melhor para a etapa final, quando desempatou e sofreu menos na defesa.

Como o gol fora de casa é qualificado na Libertadores, o Santos pode empatar ou até perder por 1 a 0 para avançar às quartas de final. A decisão ocorrerá na próxima terça, também às 19h15 (de Brasília), na Vila Belmiro. 2 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis.

O Santos suportou a pressão inicial da LDU e aproveitou a primeira chance criada. Pará fez bonita jogada individual e cruzou para Soteldo fazer o gol aos cinco minutos.

A partir daí, a LDU dominou o jogo. Com a posse de bola e melhor fisicamente, a equipe dona da casa empilhou chances. No minuto 27, Perlaza bateu para boa defesa de John. E nos acréscimos, veio o empate.

O Santos cedeu um contra-ataque no último lance da etapa inicial. Billy Arce avançou e bateu para ótima defesa do goleiro John. No rebote, Jhojan Julio subiu mais que Diego Pituca e Marinho e empurrou para as redes de cabeça.

O Santos teve novamente a primeira chance. Dessa vez, porém, Gabbarini foi bem finalização forte de Marinho de fora da área aos dois minutos. Na sequência, Alcívar bateu forte e John segurou mais uma.

E quando o Peixe parecia longe do gol, Marinho apareceu. O atacante bagunçou a defesa da LDU e sofreu (e converteu) o pênalti. 2 a 1 em Quito para os brasileiros aos 13 jogados.

O Alvinegro ajustou a defesa e pouco sofreu. Quando a LDU assustou, o goleiro John defendeu. A saída de Jean Mota para a entrada de Wagner Leonardo foi decisiva para o resultado. John, Pará, Marinho e Soteldo foram os destaques da equipe de Marcelo Fernandes. Vantagem para a decisão na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Marcelo Fernandes explica substituição decisiva no Santos e valoriza estratégia: “Deu tudo certo”

Marcelo Fernandes foi “ousado” na vitória do Santos por 2 a 1 sobre a LDU na noite desta terça-feira, em Quito, no Equador, pela ida das oitavas de final da Libertadores da América.

O auxiliar, substituto de Cuca, tirou Jean Mota por cansaço no fim do primeiro tempo. Segundos depois, a LDU empatou. Na segunda etapa, porém, a alteração se mostrou decisiva. Com Wagner Leonardo na lateral e Felipe Jonatan no meio-campo, o Peixe pouco sofreu defensivamente.

“Jean Mota pela esquerda foi opção, para explorarmos a escapada do Soteldo por dentro também. Troca foi num momento preciso. Jean Mota deu tudo, é esforçado, grande futebol. Mas como lado direito da LDU estava forte, fizemos essa substituição. Foi uma alteração que eu falei com Jean e ele entendeu. Sofremos com muitas jogadas pela direita. Algum poderia sentir efeito da altitude. Jean tentou coibir essas jogadas, deu tudo, mas colocou a mão no joelho para buscar o ar e optamos pela saída. Cumpriu sua função perfeitamente. É menino de ouro, grande jogador, qualquer um poderia ter sentido a altitude”, disse Marcelo Fernandes.

O técnico ainda valorizou o planejamento do Santos. A estratégia foi comprometida pelo surto de covid-19, mas o Peixe conseguiu superar a altitude de 2850 metros mesmo assim.

“Tivemos a infelicidade do gol no fim do primeiro tempo depois da troca. Voltamos para o segundo tempo com a mesma estratégia, tentando ficar com a posse de bola. O que meninos fizeram hoje é de tirar o chapéu. Sempre honram a camisa. Fico orgulhoso de participar desse trabalho comandado pelo Cuca. Grupo é muito coeso e determinado. Estratégia era ficar com a bola e termos nossos extremos Marinho e Soteldo. E foi assim com o Marinho, que sofreu o pênalti e conseguimos vencer”, afirmou.

“Preparação foi feita lá atrás. Planejamento de vir no domingo. Tentamos adiar o jogo e não conseguimos, até poderíamos vir mais cedo. Tivemos o surto de covid, foi tarefa difícil. Preparação foi bem pensada há muito tempo, para vir dias antes pela ambientação. E com certeza deu tudo certo”, concluiu.

Como o gol fora de casa é qualificado na Libertadores, o Santos pode empatar ou até perder por 1 a 0 para avançar às quartas de final. A decisão ocorrerá na próxima terça, também às 19h15 (de Brasília), na Vila Belmiro. 2 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis.

Marinho valoriza vantagem do Santos na Libertadores, mas diz: “Cabecinha no lugar e pezinho no chão”

Marinho valorizou a vantagem do Santos nas oitavas de final da Libertadores, mas destacou a necessidade de não se acomodar com o resultado. O Peixe venceu a LDU (EQU) por 2 a 1 na noite desta terça-feira, em Quito, e decidirá a vaga daqui a uma semana, na Vila Belmiro.

“Independentemente da altitude, Marcelo Fernandes falou para tentarmos vencer. LDU é equipe forte aqui, mas nós sabemos do nosso potencial. Foi grande jogo. Tivemos a felicidade de vencer. E vamos manter os pés no chão, trabalhando forte porque no Brasil também vai ser difícil. Cabecinha no lugar e pezinho no chão, disse Marinho” em entrevista coletiva.

“Comprometimento. Equipe fez o melhor, de acordo com a estratégia. Todos correram e se dedicaram. Todos abraçaram o trabalho, brigamos pela causa e fizemos grande jogo. Fomos merecedores dessa vitória”, completou.


Ceará 1 x 0 Santos

Data: 04/11/2020, quarta-feira, 19h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio do Castelão, em Fortaleza, CE.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxilar: Jorge Eduardo Bernardi e José Eduardo Calza (ambos do RS).
VAR: Daniel Nobre Bins (RS)
Cartões amarelos: Vina, Leandro Carvalho e Pedro Naressi (C); Diego Pituca e Marinho (S).
Cartão vermelho: Sandry (S).
Gol: Vina (24-2).

CEARÁ
Fernando Prass; Eduardo, Tiago, Luiz Otávio e Bruno Pacheco (Kelvyn); Fabinho, Charles (Pedro Naressi) e Vina; Léo Chú (Leandro Carvalho), Fernando Sobral e Rafael Sobis (Felipe Vizeu).
Técnico: Guto Ferreira

SANTOS
João Paulo; Madson, Luiz Felipe (Pará), Luan Peres e Felipe Jonatan (Lucas Lourenço); Diego Pituca, Jobson (Sandry) e Jean Mota (Lucas Braga); Marinho, Soteldo e Kaio Jorge (Marcos Leonardo).
Técnico: Cuca



Ceará vence o Santos com golaço de Vina e avança às quartas da Copa do Brasil

O Ceará venceu o Santos por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, no Castelão, e avançou às quartas de final da Copa do Brasil. O gol (um golaço) foi marcado por Vina.

Depois do empate em 0 a 0 na Vila Belmiro, o Peixe fez um primeiro tempo de igual para igual em Fortaleza, mas caiu de rendimento na etapa final e sofreu o gol aos 24 minutos.

O Santos se lançou ao ataque, mas não teve reação. Desorganizado, viu o Vozão administrar bem o resultado, garantir a vaga nas quartas e embolsar R$ 3,3 milhões em premiação.

O jogo

Ceará e Santos fizeram um primeiro tempo muito movimentado, apesar do 0 a 0. O Peixe teve mais posse de bola (62%), mas o Vozão também criou chances de gol.

A primeira oportunidade foi santista, aos oito minutos, quando Jean Mota descolou bom passe para Soteldo. O camisa 10 bateud e esquerda, com perigo, à esquerda do gol de Fernando Prass.

No minuto 17, o Ceará respondeu. Léo Chú driblou Luiz Felipe e deixou Rafael Sóbis cara a cara com João Paulo. O goleiro saiu muito bem, fechou o ângulo e evitou o gol.

Quando o placar marcava 24 jogados, Luan Peres cruzou, Jobson ajeitou de cabeça e Soteldo emendou um voleio – bola assustou Prass novamente. A resposta chegou aos 32: Charles bateu sem ângulo e a bola raspou a trave de João Paulo.

O Santos voltou a ficar perto do gol aos 38, quando Fernando Prass saiu mal do gol e a bola sobrou para Marinho, que tentou de bicicleta. O gol estava aberto, mas a finalização saiu torta.

E no minuto 40, o Peixe teve sua melhor jogada. Kaio Jorge lançou Soteldo em contra-ataque. O venezuelano invadiu a área e, de frente para Prass, bateu de canhota por cima. Ainda deu tempo para Luiz Otávio, aos 44, perder chance clara de cabeça em escanteio.

O ritmo diminuiu na etapa final, principalmente pelo lado do Santos. Muita movimentação, marcação e poucas chances de gol. Até que Vina apareceu para o Ceará.

Aos 24 minutos, Fernando Sobral cruzou, Luan Peres tirou parcialmente e Vina emendou um lindo voleio. A bola foi na gaveta – o goleiro João Paulo nem se mexeu. 1 a 0.

O Santos se lançou ao ataque, mas de forma completamente bagunçada. O Ceará conseguiu administrar o resultado com certa tranquilidade nos minutos finais. Vozão nas quartas de final da Copa do Brasil. O sorteio ocorrerá na sexta-feira.

Cuca diz que Santos ‘se perdeu’ após o gol: “Caímos no jogo que o Ceará queria”

Cuca disse que o Santos se “perdeu” após sofrer o gol do Ceará, marcado por Vina, aos 24 minutos do segundo tempo, na eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil.

O Peixe perdeu por 1 a 0 nesta quarta-feira, no Castelão, após o empate em 0 a 0 na Vila Belmiro. O Alvinegro pouco criou nos minutos finais da decisão.

“Primeiro tempo foi bem jogado, tivemos as ações, saída de bola até o último terço. Perdemos gols incríveis e não chutamos na direção do gol. Proposta era transição com velocidade. Não é time de contra-ataque, é que propõe. Se fizéssemos o gol, estaríamos mais perto da vitória. Não fizemos, tomamos o gol no segundo tempo em bola aérea. Houve discussão se teve falta ou não no Jean. Jogadores se perderam, ficaram nervosos. Ceará baixou as linhas, se defenderam bem. Não temos características para alçar bola e centroavante colocar bola para dentro. Tentamos o jogo com alternativas e praticamente não tivemos chances. Só uma bola com o Lucas Braga. De efetivo não tivemos depois do gol sofrido. Antes era jogo aberto e seria merecido um empate. Antes do gol”, disse Cuca.

“Ficou depois do gol (abaixo do máximo). Desequilibrou. E não temos jogo de força, jogadores de contato. Somos uma equipe leve. Jogamos a equipe para frente e fica pior. Perde-se a paciência de trabalhar a bola. Caímos no jogo que o Ceará queria”, completou.

Mais do que não avançar para as quartas de final, o Peixe deixa de receber R$ 3,3 milhões em premiação, dinheiro que seria fundamental para o pagamento dos salários de outubro.

Sem a premiação, a diretoria do Santos buscará formas de viabilizar o dinheiro suficiente para pagar a folha salarial. O quinto dia útil de novembro será na próxima segunda-feira. Não há, neste momento, recursos em caixa.


Santos 0 x 0 Ceará

Data: 28/10/2020, quarta-feira, 16h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ).
Auxiliares: Thiago Henrique Neto Correa Farinha e Leandro Bizzio Marinho (ambos do RJ).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ)
Cartões amarelos: Jean Mota, Marinho e Luiz Felipe (S); Charles, Léo Chú, Fabinho e Rick (C).
Cartão vermelho: Lucas Veríssimo (S).

SANTOS
João Paulo; Madson, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Diego Pituca, Jobson (Sandry) e Jean Mota (Luiz Felipe); Marinho, Soteldo (Arthur Gomes) e Lucas Braga (Tailson).
Técnico: Cuca

CEARÁ
Fernando Prass, Eduardo, Luiz Otávio, Tiago Pagnussat e Bruno Pacheco; Fabinho, Charles (Lima), Fernando Sobral (Wescley) e Vinícius Vina; Léo Chu (Rick) e Rafael Sóbis (Mateus Gonçalves).
Técnico: Guto Ferreira



Com um a menos, Santos segura empate com Ceará no jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil

O Santos empatou em 0 a 0 com o Ceará na tarde desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O Peixe teve Lucas Veríssimo expulso no fim do primeiro tempo.

A partida de volta ocorrerá daqui a uma semana, no Castelão. Novo empate levaria a eliminatória para os pênaltis. Quem vencer avança às quartas da competição nacional.

O Peixe dominava as ações até a expulsão de Veríssimo, auxiliada pelo árbitro de vídeo. No segundo tempo, o Vozão criou as principais chances e não conseguiu vencer.

O jogo

A partida entre Santos e Ceará foi equilibrada desde o primeiro minuto. O Peixe com a bola e com o time todo no campo de ataque. E o Vozão pronto para contra-atacar.

A primeira chance mais perigosa foi do Ceará, com Léo Chú. O atacante recebeu sozinho e cabeceou para fora. Aos 22, Felipe Jonatan cruzou e não aproveitou no primeiro pau.

No minuto 29, a principal chance da etapa inicial. Soteldo fez fila e bateu colado. Fernando Prass defendeu no ângulo e, no rebote, Lucas Braga cabeceou por cima. Aos 36, Vina bateu rasteiro e João Paulo espalmou.

E perto dos acréscimos, tudo mudou. Lucas Veríssimo acertou a cabeça de Rafael Sóbis em contra-ataque. O árbitro deu cartão amarelo. Na sequência, viu o lance no VAR e, com o atacante cearense sangrando, expulsou o zagueiro santista.

Com um a mais, o Ceará mudou a postura e adiantou as linhas. Logo aos três minutos, Léo Chú aproveitou vacilo do Santos na saída de bola e bateu perto da trave de João Paulo. No minuto 8, o Peixe respondeu. Marinho bateu forte de fora da área e Prass fez outra grande defesa. Logo em seguida, Soteldo bateu com perigo.

Aos 13 minutos, outra boa oportunidade para o Santos. Felipe Jonatan roubou bola no campo de ataque, Soteldo cruzou e Marinho bateu mascado, mas exigiu Prass a fazer nova intervenção.

Quando o placar marcava 20 jogados, João Paulo saiu jogando errado. Vina tabela com Rafael Sóbis e é travado pelo goleiro, que se redime no lance na Vila Belmiro. Aos 23, Sóbis deixou Rick em boas condições, mas o atacante bateu por cima. Segundos depois, o próprio Rick recebeu em profundidade, ganhou de Luiz Felipe e fez o gol, porém, a arbitragem anulou o lance por toque de mão.

Nos minutos finais, o Santos se defendeu como deu e conseguiu o empate para levar a decisão até Fortaleza.

Bastidores – Santos TV:

Cuca valoriza empate do Santos com o Ceará: “Jogo igual, mesmo com um a menos”

O técnico Cuca valorizou o empate do Santos em 0 a 0 com o Ceará na tarde desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

O Peixe era melhor até a expulsão de Lucas Veríssimo, nos acréscimos do primeiro tempo. Na segunda etapa, o Vozão atacou mais.

“Jogo tem que ser dividido em partes. A parte 11×11 e 10×11. Começamos muito bem, dominando as ações e criando oportunidades. Jogamos com Jobson adiantado ao lado do Jean Mota, criaram movimentações interessantes e envolvemos o Ceará. Criamos muitas chances e precisamos definir quando criamos assim. Bola não entrou ou Prass pegou. A partir da expulsão do Lucas Veríssimo, é normal dar mais espaço ao adversário e há mais desgaste. Em termos de finalização e posse, foi parecido no fim mesmo assim. Dá uma conotação de empate justo. Poderíamos até ter ganho. Nos 30 ou 40 minutos Ceará teve chances, depois reequilibramos a equipe fisicamente e ficou aberto. Não abdicamos de jogar, marcamos pressão e tentamos até o final vencer. A decisão agora é no Ceará. Tudo aberto”, disse Cuca.

“Foi um jogo igual, mesmo com um a menos. Não se viu o Santos recuado. Propomos o jogo assim mesmo. Posse e conclusões foram parecidas. Vamos aguentar o máximo, adversários estão em apenas uma às vezes. Equipes jogam mais descansadas, um dia faz diferença. Quando equilibramos o time fisicamente com trocas, é pensando no amanha, no domingo”, completou.

A decisão ocorrerá na próxima quarta-feira, no Castelão. Novo empate levaria a decisão para os pênaltis. Não há gol fora qualificado na competição.

Cuca libera, e Santos aguarda aval do Conselho para emprestar Anderson Ceará ( Em 31/10/2020 )

O técnico Cuca liberou Anderson Ceará, do Santos, para negociar com o CRB. O presidente Orlando Rollo já havia dado o “ok” para o empréstimo até o fim da Série B do Campeonato Brasileiro, em janeiro de 2021.

O meia do Peixe pediu à diretoria e comissão técnica para ser liberado. O entrave é o Conselho Deliberativo, que precisa aprovar ou não a saída em função do período eleitoral no clube.

Há uma reunião virtual dos conselheiros marcada para quinta-feira, mas Anderson Ceará não está em pauta. O Comitê de Gestão pode solicitar a inclusão desse assunto no encontro.

Ceará tem 21 anos e atuou uma vez com Jesualdo Ferreira e outra vez com Cuca, além de uma partida pelo Campeonato Brasileiro de Aspirantes, na semana passada, contra o Corinthians. Três jogos em 10 meses.

O contrato de Anderson Ceará com o Santos termina em 31 de julho de 2023.


Santos 1 x 2 Atlético-MG

Data: 06/06/2019, quinta-feira, 20h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 16.857 pagantes
Renda: R$ 828.709,00
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Michael Correia (ambos do RJ).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ).
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo, Jean Lucas e Soteldo (S); José Welison, Adilson e Fábio Santos (A).
Gols: Gustavo Henrique (05-1) e Chará (36-1); Chará (39-2).

SANTOS
Everson, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Jean Mota), Gustavo Henrique e Jorge; Jean Lucas; Victor Ferraz, Carlos Sánchez (Soteldo), Diego Pituca e Marinho; Uribe (Eduardo Sasha).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-MG
Victor, Patric, Rever, Igor Rabello, Fábio Santos; José Welison (Adilson), Elias, Cazares e Luan (Geuvânio); Chará e Ricardo Oliveira (Alerrando).
Técnico: Rodrigo Santana



Atlético-MG vira, avança na Copa do Brasil e Santos é eliminado pela 3ª vez no Pacaembu em 2019

O Atlético-MG venceu de virada o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, e avançou para as quartas de final da Copa do Brasil. Os gols foram marcados por Chará, duas vezes. O do Peixe foi de Gustavo Henrique.

Essa foi a terceira eliminação do Santos no Pacaembu em 2019. Antes, o Peixe caiu para River Plate na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

As equipes voltam a se enfrentar no domingo, dessa vez pelo Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, às 19h (de Brasília). O jogo é válido pela oitava rodada.

O jogo

O começo de jogo do Santos foi eletrizante. Com Marinho “on fire”, o Peixe pressionou o Atlético-MG e abriu o placar logo aos cinco minutos. Marinho cobrou escanteio com perfeição, na cabeça de Gustavo Henrique. O goleiro Vitor nem saiu do lugar.

O Alvinegro seguiu em cima e teve chance de ampliar com Diego Pituca, Jorge, Marinho e Sánchez, mas não o fez. E o Galo equilibrou o jogo.

Com Cazares cheio de espaço, o Atlético ensaiava o gol. Os lançamentos paravam em cortes providenciais da defesa santista. Até que Gustavo Henrique cochilou, Chará escapou e aproveitou saída equivocada de Everson para marcar.

Cada time ficou com uma “metade” da etapa inicial. O Atlético-MG foi para o vestiário com o empate e mais perto da virada do que do desempate do Santos.

Aos dois minutos, o árbitro fez a torcida comemorar ao expulsar José Welison por deixar o braço em Marinho. A decisão, porém, foi alterada depois da consulta no VAR e a cor do cartão mudou para amarelo.

A alteração de Jorge Sampaoli, tirar Aguilar para colocar Jean Mota, tornou o jogo ainda mais aberto. Aos 15, Cazares recebeu na área e buscou o ângulo – a bola passou com perigo. No minuto seguinte, Marinho e Jean Lucas levaram perigo em chutes da intermediária.

Quando o placar marcava 20 minutos jogados, Ricardo Oliveira recebeu um bolão de Cazares e bateu forte, mas no meio do gol, e Everson espalmou com segurança. E aos 25, mais uma chance atleticana: Luan bateu da entrada da área, Everson rebateu para frente e Chará se atrapalhou no rebote, quase na pequena área.

Aos 37, começou um momento decisivo do jogo. Lucas Veríssimo cabeceou muito perto do gol depois de cruzamento de Soteldo. Na sequência, Marinho recebeu na entrada da área, não viu Victor Ferraz sozinho e chutou no meio. E veio o castigo.

Jean Mota tentou chute improvável da intermediária, a bola bateu na defesa e o Galo puxou o contra-ataque. De Geuvânio, para Cazares, para Chará. De novo. Linha de passe na exposta defesa do Peixe no Pacaembu.

Todo aberto, o Santos buscou a reação, mas foi o Atlético-MG quem quase fez o terceiro, com Geuvânio. Everson salvou. No fim das contas, Galo nas quartas de final e a terceira eliminação do Peixe no Pacaembu em 2019.

Sampaoli evita desculpas, mas contesta diretoria do Santos por preço alto e decisão no Pacaembu

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, evitou dar desculpas para a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil diante do Atlético-MG, mas não poupou críticas à diretoria.

O Peixe não conseguiu transferir o mando de campo para a Vila Belmiro e colocou preço alto no Pacaembu, com arquibancadas a R$ 90. O resultado foi público total de 16.857.

“Jogamos domingo passado contra 60 mil pessoas do Ceará. Hoje estádio não estava de acordo para uma decisão. Dirigentes colocaram esse preço, a gente não é ouvido. Minha predileção pela Vila eu sempre disse, mas não creio que seja uma forma de esconder análise desportiva ou eliminação, mas sim tentar analisar o motivo do público do Santos não ir aos estádios”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sobre o jogo, o treinador santista viu injustiça em mais uma eliminação. Antes, o Peixe caiu para River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Santos foi quem propôs mais, principalmente no segundo tempo. Tivemos muitos ataques, chutes e possibilidades não concretizados. Perdemos injustamente no contra-ataque, futebol é assim. A chave é o nervosismo para definir. Tiveram dois contra-ataques no segundo tempo depois de falhas na direito e depois na esquerda. Temos que ter tranquilidade quando gol vem, sem perder a forma. E isso ocorreu em outros jogos. A vontade tem que ser com fúria, mas com organização”, analisou.

Questionado sobre a ausência de Rodrygo, Sampaoli contemporizou. A CBF não desconvocou o atacante da seleção olímpica e o impediu de atuar.

“A federação tomou medida que correspondia. Se não pode jogar, não pode jogar. Não entendo, não posso criticar uma decisão pré-estabelecida”, concluiu.

Victor Ferraz vê falta de “capricho” e “competência” do Santos em eliminação

Capitão do Santos, Victor Ferraz viu falta de “capricho” e “competência” na derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG nesta quinta-feira, no Pacaembu, com a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Essa foi a terceira queda do Peixe no Pacaembu em 2019. Antes, o Alvinegro foi derrotado para o River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Acho que a gente voltou melhor (para o segundo tempo), conseguimos pressionar. A gente sabia que eles iam jogar buscando o contra-ataque. Acho que faltou capricho na frente, faltou acertar na tomada de decisão”, disse Victor Ferraz, ao Premiere.

“Não fomos competentes, deixamos a desejar e deixamos escapar uma classificação importante. É levantar a cabeça, domingo tem de novo”, completou o lateral-direito.

Presidente do Santos dispara contra CBF: “Conseguiu o que queria, fomos desclassificados”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, disparou contra a CBF na noite desta quinta-feira, depois da eliminação para o Atlético-MG nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Peres disse que a confederação conseguiu o que queria por dois motivos: não permitir a decisão na Vila Belmiro e não desconvocar Rodrygo da seleção olímpica para o Torneio de Toulon, já em andamento na França.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, disse Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito, qual é a razão de não desconvocar?”, completou.

O presidente do Santos ainda disse que pode indenizar a CBF. Com a eliminação, o Peixe deixou de receber R$ 3,1 milhões.

“Se não tiver explicação plausível, é indenizar. Nos tiraram a classificação, que nos daria uma boa fatia (de dinheiro)”, concluiu.

Peres minimiza preço do ingresso em eliminação do Santos: “Não justifica 16 mil”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, minimizou o preço dos ingressos para a partida que culminou na eliminação do Santos na Copa do Brasil, com a derrota de 2 a 1 para o Atlético-MG no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

A entrada mais barata custava R$ 40 (inteira), no tobogã. As arquibancadas custaram R$ 90. O resultado foi o público total de 16.857 no Pacaembu, com renda de R$ 828.709,00.

“Um grande time vence em qualquer lugar, na Vila Belmiro ou no Maracanã. Grande público não compareceu hoje. Existe uma crise, mas não justifica 16 mil”, disse o presidente.

“Quem paga salário? Temos que ter time forte. Sabia que teríamos dificuldades, adaptação, sistema diferente. Essa reclamação não cabe (do valor)”, completou.

O Santos, com Campeonato Brasileiro como competição restante em 2019, voltará a enfrentar o Atlético-MG, domingo, na Vila Belmiro, pela oitava rodada. Dessa vez a arquibancada (portões 1/2, 7/8 e 26) custa R$ 60. A geral santista está por R$ 40.

De “corretíssima” à “culpada” por eliminação: Santos racha com a CBF após elogios

O presidente do Santos, José Carlos Peres, mudou completamente o discurso sobre a CBF entre o dia 27 de maio, em reunião do Conselho Deliberativo e 6 de junho, com a eliminação na Copa do Brasil para o Atlético-MG.

Em meio ao aparente ruído entre o Peixe e a confederação, Peres fez elogios e minimizou a briga pela desconvocação de Rodrygo da seleção olímpica. Dias depois, foi para cima e rachou a com a confederação.

“Sub-23 não é Data FIFA. Não é oficial. Não quero puxar saco da CBF, mas tem sido corretíssima comigo. Não dá para comparar Rodrygo com outros liberados. Se é convocado para a seleção principal, ok, é diferente, mas eu perdi jogadores várias vezes por causa do Sul-Americano. Sou generoso. Pedi para liberar, não liberaram, mas era oficial. Agora o próprio jogador demonstrou que não quer ir. Iria para a principal, oficial, só isso. Não foi nenhuma afronta com a CBF. Eu trabalhei na gestão do Marco Polo (Del Nero) por seis anos na Federação Paulista. Quem almoçava comigo? (Rogério) Caboclo, então gerente financeiro, e o (Walter) Feldman. Presidente e secretário-geral. Estamos bem, mas cada um defende seu pedaço. Entendo, de coração, mas não posso ser prejudicado mais uma vez”, disse o presidente.

Após a eliminação, porém, o tom foi outro. Além de não poder escalar Rodrygo, Peres lembrou da confusão pelo mando de campo. A CBF chegou a anunciar a Vila Belmiro para as oitavas de final, mas voltou atrás e manteve o Pacaembu.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, afirmou Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito (no Torneio de Toulon), qual é a razão de não desconvocar?”, concluiu.

Por meio do SJTD, o Santos ainda tentará ter Rodrygo novamente contra o Atlético-MG e também diante do Corinthians, ambos os jogos na Vila Belmiro pelas rodadas 8 e 9 do Campeonato Brasileiro. Se não obtiver êxito, o camisa 11 pode ter se despedido diante do Internacional sem saber.