Navegando Posts marcados como LDU

Santos 0 x 1 LDU

Data: 01/12/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Néstor Pitana (ARG)
Auxiliares: Diego Bonfá e Gabriel Chade (ambos da ARG).
VAR: Mauro Vigliano (ARG)
Cartões amarelos: Alison, Soteldo e John (S); Ayala e Caicedo (L).
Cartão vermelho: Aguirre (L) e Luiz Felipe (S).
Gol: Zunino (23-2).

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan (Wagner Leonardo); Alison, Diego Pituca e Soteldo (Sandry); Marinho, Lucas Braga (Madson) e Kaio Jorge (Bruno Marques).
Técnico: Cuquinha (interino)

LDU (EQU)
Gabbarini; Perlaza (Zunino), Ordóñez, Caicedo e Ayala (Cruz); Villarruel (Aguirre), Alcívar, Quintero e Julio; Arce (Caicedo) e Martínez.
Técnico: Pablo Repetto



Santos perde para a LDU na Vila, mas se classifica às quartas da Libertadores

O Santos perdeu por 1 a 0 para a LDU (EQU) na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro, mas se classificou para as quartas de final da Libertadores da América.

O Peixe “usou” o gol qualificado. Como venceu por 2 a 1 em Quito, o Alvinegro avançou mesmo com a derrota por 1 a 0 em casa. Nos minutos finais, os donos da casa levaram alguns sustos e correram risco.

O Santos enfrentará Grêmio ou Guaraní (PAR) nas quartas. O Tricolor venceu por 2 a 0 como visitante e tem grande chance de fazer esse duelo nacional com o Peixe em busca de uma vaga na semifinal.

O jogo

O Santos dominou as primeiras ações. Sem administrar a vantagem adquirida em Quito, o Peixe empilhou chances. Na primeira, Pará cruzou e Kaio Jorge quase acertou o cabeceio aos seis.

No minuto 13, Diego Pituca finalizou com categoria de fora da área e Gabbarini foi no ângulo espalmar. Na sequência, Soteldo cruzou e Luan Peres e Kaio não alcançaram.

Aos 22, outra chance claríssima: Pará fez bonita enfiada para Kaio Jorge. O centroavante saiu cara a cara com Gabarrini, mas parou no goleiro. Terceira oportunidade desperdiçada.

A partir da segunda metade da primeira etapa, a LDU equilibrou as ações. No minuto 24, Borja finalizou por cima na frente de John. Quando o placar marcava 28, Lucas Braga acertou o travessão de cabeça.

O Santos não conseguiu controlar mais a partida na etapa final. E sofreu o gol aos 19 minutos, quando Zunino aproveitou bate-rebate e bateu forte. A arbitragem precisou de quatro minutos para confirmar o lance com auxílio do VAR.

Aos 34 minutos, o Peixe sofreu um enorme susto. A bola sobrou para Zunino, que, quase na pequena área, isolou. O 2 a 0 classificaria a LDU às quartas da Libertadores da América.

Nos lances finais, o Santos se defendeu como deu e conseguiu avançar, com direito a conflito entre os times nos acréscimos. Foi por pouco.

Bastidores – Santos TV:

Cuquinha elogia 1º tempo ‘primoroso’ do Santos e diz: “Podíamos não ter corrido risco”

Comandante do Santos nesta terça-feira, Cuquinha elogiou o primeiro tempo na derrota por 1 a 0 para a LDU (EQU), na Vila Belmiro, pelo jogo de volta das oitavas de final da Libertadores da América.

O Peixe desperdiçou chances, sofreu um gol e correu risco até o fim. Alvinegro e se classificou em função do 2 a 1 em Quito e do gol qualificado.

“Até o gol era jogo controlado, com pouco risco. Primeiro tempo foi primoroso, parabenizei eles pelo primeiro tempo. E depois de um gol é difícil, dá medo, qualquer bola gera perigo. Classificação foi conquistada no primeiro jogo e no primeiro tempo de hoje. No geral, time não correu muito risco. Tivemos muitas chances, cinco, seis, sete oportunidades no primeiro tempo. Podíamos não ter corrido risco no segundo tempo. Jogo se tornou perigoso. Depois do gol, jogaram por uma bola. Tudo faz parte. Jogamos 180 minutos e fomos melhores que a LDU. Temos que valorizar. Jogo de igual para igual lá, nós melhores no primeiro tempo aqui. É tirar lições para o próximo mata-mata”, disse Cuquinha.

“No segundo tempo controlamos até o gol. E no primeiro tempo controlamos. Até paramos achando que estava impedido, não podemos parar. John não pegou uma bola difícil. Perigo era bola alçada. Depois do gol, qualquer lance é perigoso. Se tomar gol fica fora, só por isso”, completou.

Cuquinha dirigiu o Santos em função de confusão nos testes de covid-19 de Cuca. Com PCR positivo, a Conmebol vetou o técnico da decisão mesmo sem poder infectar alguém ou ter algum sintoma.

Marinho lamenta chances desperdiçadas e susto do Santos em classificação: “Chato correr até o fim”

Marinho lamentou as chances desperdiçadas pelo Santos na derrota por 1 a 0 para a LDU (EQU) na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro.

O Peixe se classificou em função do 2 a 1 em Quito e do gol qualificado.

“Sabíamos que a equipe da LDU é boa, sabíamos que jogariam o jogo da vida. Sabemos que é difícil de jogar contra, mesmo no Brasil. Equipe acostumada a jogar Libertadores. Não podemos desperdiçar oportunidades. Continuamos em cima, fizeram um gol e depois foi aquela correria no fim. Fizemos jogo incrível lá, poderíamos ter feito 1 a 0 aqui”, disse Marinho.

“A gente poderia estar mais tranquilo no segundo tempo. Se não fizermos o gol, corremos o risco e é chato correr até o fim, pedindo para acabar o jogo. Criamos oportunidades, eu mesmo concluí mal”, completou.

O Santos enfrentará Grêmio ou Guaraní (PAR) nas quartas. O Tricolor venceu por 2 a 0 como visitante e tem grande chance de fazer esse duelo nacional com o Peixe em busca de uma vaga na semifinal.


LDU 1 x 2 Santos

Data: 24/11/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Casa Blanca, em Quito, Equador.
Público: portões fechados devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Fernando Rapallini (ARG)
Auxliares: Ezequiel Brailovsky e Julio Fernandez (ambos da ARG).
VAR: Mauro Vigliano (ARG)
Cartões amarelos: Vega, Alcívar, Aguirre e Ordoñez (L); Luiz Felipe, Wagner Leonardo, Felipe Jonatan e Soteldo (S).
Gols: Soteldo (06-1) e Jhojan Julio (46-1); Marinho (13-2).

LDU (EQU)
Gabbarini; Perlaza (Zunino), Caicedo, Ordoñez e Cruz (Ayala); Villarruel, Alcivar, Vega (Caicedo), Quintero (Aguirre) e Billy Arce; Jhohan Julio e Martínez Borja.
Técnico: Pablo Repetto

SANTOS
John; Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Felipe Jonatan (Lucas Braga); Alison, Diego Pituca e Jean Mota (Wagner Leonardo); Marinho (Lucas Lourenço), Soteldo (Vinicius Balieiro) e Kaio Jorge.
Técnico: Marcelo Fernandes (interino)



Santos vence a LDU na altitude de Quito e abre vantagem nas oitavas da Libertadores

O Santos venceu a LDU por 2 a 1 na noite desta terça-feira, no Estádio Casa Blanca, pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores da América. Os gols foram marcados por Soteldo e Marinho. Os visitantes balançaram as redes com Jhojan Julio.

O Peixe superou os desfalques e a altitude de 2850 metros em Quito, no Equador. Depois de primeiro tempo com muitos espaços na marcação, o Alvinegro voltou melhor para a etapa final, quando desempatou e sofreu menos na defesa.

Como o gol fora de casa é qualificado na Libertadores, o Santos pode empatar ou até perder por 1 a 0 para avançar às quartas de final. A decisão ocorrerá na próxima terça, também às 19h15 (de Brasília), na Vila Belmiro. 2 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis.

O Santos suportou a pressão inicial da LDU e aproveitou a primeira chance criada. Pará fez bonita jogada individual e cruzou para Soteldo fazer o gol aos cinco minutos.

A partir daí, a LDU dominou o jogo. Com a posse de bola e melhor fisicamente, a equipe dona da casa empilhou chances. No minuto 27, Perlaza bateu para boa defesa de John. E nos acréscimos, veio o empate.

O Santos cedeu um contra-ataque no último lance da etapa inicial. Billy Arce avançou e bateu para ótima defesa do goleiro John. No rebote, Jhojan Julio subiu mais que Diego Pituca e Marinho e empurrou para as redes de cabeça.

O Santos teve novamente a primeira chance. Dessa vez, porém, Gabbarini foi bem finalização forte de Marinho de fora da área aos dois minutos. Na sequência, Alcívar bateu forte e John segurou mais uma.

E quando o Peixe parecia longe do gol, Marinho apareceu. O atacante bagunçou a defesa da LDU e sofreu (e converteu) o pênalti. 2 a 1 em Quito para os brasileiros aos 13 jogados.

O Alvinegro ajustou a defesa e pouco sofreu. Quando a LDU assustou, o goleiro John defendeu. A saída de Jean Mota para a entrada de Wagner Leonardo foi decisiva para o resultado. John, Pará, Marinho e Soteldo foram os destaques da equipe de Marcelo Fernandes. Vantagem para a decisão na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Marcelo Fernandes explica substituição decisiva no Santos e valoriza estratégia: “Deu tudo certo”

Marcelo Fernandes foi “ousado” na vitória do Santos por 2 a 1 sobre a LDU na noite desta terça-feira, em Quito, no Equador, pela ida das oitavas de final da Libertadores da América.

O auxiliar, substituto de Cuca, tirou Jean Mota por cansaço no fim do primeiro tempo. Segundos depois, a LDU empatou. Na segunda etapa, porém, a alteração se mostrou decisiva. Com Wagner Leonardo na lateral e Felipe Jonatan no meio-campo, o Peixe pouco sofreu defensivamente.

“Jean Mota pela esquerda foi opção, para explorarmos a escapada do Soteldo por dentro também. Troca foi num momento preciso. Jean Mota deu tudo, é esforçado, grande futebol. Mas como lado direito da LDU estava forte, fizemos essa substituição. Foi uma alteração que eu falei com Jean e ele entendeu. Sofremos com muitas jogadas pela direita. Algum poderia sentir efeito da altitude. Jean tentou coibir essas jogadas, deu tudo, mas colocou a mão no joelho para buscar o ar e optamos pela saída. Cumpriu sua função perfeitamente. É menino de ouro, grande jogador, qualquer um poderia ter sentido a altitude”, disse Marcelo Fernandes.

O técnico ainda valorizou o planejamento do Santos. A estratégia foi comprometida pelo surto de covid-19, mas o Peixe conseguiu superar a altitude de 2850 metros mesmo assim.

“Tivemos a infelicidade do gol no fim do primeiro tempo depois da troca. Voltamos para o segundo tempo com a mesma estratégia, tentando ficar com a posse de bola. O que meninos fizeram hoje é de tirar o chapéu. Sempre honram a camisa. Fico orgulhoso de participar desse trabalho comandado pelo Cuca. Grupo é muito coeso e determinado. Estratégia era ficar com a bola e termos nossos extremos Marinho e Soteldo. E foi assim com o Marinho, que sofreu o pênalti e conseguimos vencer”, afirmou.

“Preparação foi feita lá atrás. Planejamento de vir no domingo. Tentamos adiar o jogo e não conseguimos, até poderíamos vir mais cedo. Tivemos o surto de covid, foi tarefa difícil. Preparação foi bem pensada há muito tempo, para vir dias antes pela ambientação. E com certeza deu tudo certo”, concluiu.

Como o gol fora de casa é qualificado na Libertadores, o Santos pode empatar ou até perder por 1 a 0 para avançar às quartas de final. A decisão ocorrerá na próxima terça, também às 19h15 (de Brasília), na Vila Belmiro. 2 a 1 levaria a eliminatória para os pênaltis.

Marinho valoriza vantagem do Santos na Libertadores, mas diz: “Cabecinha no lugar e pezinho no chão”

Marinho valorizou a vantagem do Santos nas oitavas de final da Libertadores, mas destacou a necessidade de não se acomodar com o resultado. O Peixe venceu a LDU (EQU) por 2 a 1 na noite desta terça-feira, em Quito, e decidirá a vaga daqui a uma semana, na Vila Belmiro.

“Independentemente da altitude, Marcelo Fernandes falou para tentarmos vencer. LDU é equipe forte aqui, mas nós sabemos do nosso potencial. Foi grande jogo. Tivemos a felicidade de vencer. E vamos manter os pés no chão, trabalhando forte porque no Brasil também vai ser difícil. Cabecinha no lugar e pezinho no chão, disse Marinho” em entrevista coletiva.

“Comprometimento. Equipe fez o melhor, de acordo com a estratégia. Todos correram e se dedicaram. Todos abraçaram o trabalho, brigamos pela causa e fizemos grande jogo. Fomos merecedores dessa vitória”, completou.


Santos 3 x 1 LDU

Data: 06/04/2005, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.515 pagantes
Renda: R$ 98.811,00
Árbitro: Horácio Elizondo (ARG)
Auxiliares: Rafael Furchi e Walter Velaz (ambos da ARG).
Gols: Urrutia (03-1), Robinho (21-1); Ricardinho (03-2) e Robinho (16-2).

SANTOS
Henao; Paulo César, Ávalos, Halisson e Léo; Fabinho, Bóvio (Rossini), Zé Elias (Leonardo) e Ricardinho; Robinho (William) e Deivid.
Técnico: Gallo

LDU
Mora; Reasco, Espínola, Espinoza e Ambrosi; Obregón, Mendez, Palácios (Aguinaga) e Urrutia; García (Salas) e Graziani.
Técnico: Juan Carlos Oblitas



Robinho dá show e Santos quebra tabu contra LDU

Mais uma atuação acima da média do atacante Robinho e o Santos venceu sem dificuldades a equipe equatoriana da LDU. Na noite desta quarta-feira, o time brasileiro saiu atrás na Vila Belmiro, mas conseguiu a virada e derrotou o adversário por 3 a 1.

O resultado levou o Santos a seis pontos em quatro partidas disputadas na Copa Libertadores da América. O time agora divide a liderança do grupo 2 com a própria LDU e com o Danúbio, do Uruguai.

No entanto, o Danúbio tem um jogo a menos e entra em campo apenas na próxima terça-feira, contra o Bolívar. Jogando na altitude de La Paz, o time boliviano precisa vencer manter suas chances e embolar ainda mais o grupo, deixando todos os times empatados.

Na partida desta noite, o grande destaque foi a atuação de Robinho, possivelmente o fator principal para que toda a equipe santista voltasse a apresentar um bom futebol.

Apesar de sair atrás no placar, com um gol da LDU logo aos 3min de jogo, o Santos conseguiu manter a calma e, quando Robinho começou a arriscar as jogadas contra a defesa equatoriana, o panorama da partida mudou completamente.

Além de se tornar o principal armador da equipe, Robinho mostrou na partida desta quarta seu lado artilheiro, marcando dois dos três gols. O outro foi marcado pelo meia Ricardinho, em cobrança de falta.

Com a vitória, o Santos quebrou uma seqüência nada agradável de derrotas em jogos contra a LDU. Além do 2 a 1 em Quito, na primeira partida entre as duas equipes pela Libertadores 2005, a LDU eliminou o time brasileiro nas quartas-de-final da Copa Sul-americana na última temporada.

A derrota por 2 a 1 no segundo jogo destas quartas-de-final foi, aliás, a última derrota do Santos na Vila Belmiro.

A partida desta quarta foi marcada ainda pela baixa quantidade de faltas, menos de 15 cometidas pelos dois times. Além disso, nenhuma cartão amarelo ou vermelho foi apresentado pelo árbitro argentino Horácio Elizondo.

Depois de sofrer com uma série de desfalques nas últimas rodadas do Paulistão, o Santos contou com importantes “reforços” na partida desta quinta.

Além de Ricardinho, que estava defendendo a seleção brasileira e na última partida, contra o São Paulo, entrou apenas no segundo tempo, outros quatro jogadores retornaram.

O time contou com a volta dos laterais Paulo César e Léo e do meia Fabinho, todos voltando de lesão. Além dos três, o atacante Deivid, poupado nas partidas contra União São João e São Paulo, voltou ao ataque titular do Santos.

No entanto, ainda não foi desta vez que Gallo pôde contar com todo o elenco santista à disposição. Lesionados, os meias Fábio Baiano e Tcheco ficaram de fora. O atacante reserva Basílio também não pôde ser relacionado para a partida.

Gallo apostou ainda na manutenção do colombiano Henao como titular no gol do time alvinegro. Contra o São Paulo, na partida que garantiu ao time do Morumbi o título estadual, o goleiro foi um dos principais responsáveis pelo empate por 0 a 0.

O próximo jogo do Santos pela Copa Libertadores acontece no dia 20 de abril, contra o Danúbio, do Uruguai, em Montevidéu. Já a LDU encara o Bolívar, da Bolívia, em La Paz.

O jogo
Precisando vencer para ficar em situação mais confortável na tabela de classificação do grupo 2 da Libertadores, o Santos começou a partida contra a LDU dando susto em sua torcida.

Logo aos 3min de jogo, foi a equipe equatoriana que abriu o placar. Após chute cruzado do lateral Reasco pela direita, o meia Urrutia apareceu sozinho por trás da defesa santista e teve calma para chutar no canto direito, sem chances para Henao.

E nos minutos seguintes os visitantes continuaram dominando a partida. Aos 8min, García recebeu cruzamento na entrada da área e, sozinho, chutou para grande defesa do goleiro Henao, que saiu fechando o ângulo.

Dois minutos depois, novamente García chegou ameaçando a defesa santista. Pela esquerda do ataque, ele chegou até perto da área dos donos da casa e chutou com força, mas a bola saiu pela linha de fundo.

Somente aos 10min o Santos conseguiu “acordar” no jogo e passou a impor o ritmo da partida. Aos 12min, depois de cruzamento da esquerda, Robinho cabeceou sem direção, a bola atravessou a pequena área pelo alto e, do outro lado, o zagueiro Halisson cabeceou para fora.

A partir dos quinze minutos, com a defesa acertada, o time do técnico Gallo seguiu criando algumas jogadas de ataque, mas sempre sem conseguir executar o arremate final contra o gol de Mora.

Apenas aos 21min o Santos conseguiu ameaçar o goleiro Mora. E logo no primeiro lance de perigo, Robinho empatou a partida. Ele recebeu a bola na esquerda do ataque, driblou o lateral Reasco, ganhou do zagueiro Espinoza na dividida e, de cima da linha da grande área, chutou rasteiro, no canto direito do goleiro.

Cinco minutos depois, em nova jogada de Robinho, o Santos mostrou que não pensava em outro resultado que não fosse a vitória. Ele entrou pela direita da grande área, pedalou para cima da marcação e, de pé esquerdo, chutou em cima do goleiro.

Aos 33min, foi a vez de Deivid perder grande oportunidade. O lateral-esquerdo Léo lançou Robinho pela esquerda da grande área. O atacante fez o passe para Deivid pouco além da marca de pênalti e ele chutou em cima da defesa equatoriana.

Nos últimos minutos, o Santos passou a dominar completamente a partida e, além de atacar insistentemente, não permitiu que a LDU colocasse em prática sua principal arma: as jogadas de contra-ataque.

Em outra grande jogada do ataque santista, o meia Fabinho desperdiçou mais uma chance. Aos 38min, Robinho recebeu na direita e fez passe de letra para o jogador, que invadiu a área sozinho, mas , antes de chutar, foi travado pela marcação.

No minuto final da primeira etapa, foi Robinho quem perdeu boa oportunidade. O meia Bóvio dominou a bola na meia lua da grande área e, de calcanhar, deixou o atacante cara a cara com Mora, mas Robinho chutou à esquerda do gol.

Na segunda etapa, o Santos voltou querendo definir rapidamente a partida e não demorou a virar o jogo. Em cobrança de falta pela direita do campo de ataque, Ricardinho chutou e colocou a bola com perfeição no ângulo esquerdo, longe do alcance do goleiro Mora.

Um minuto depois, a LDU ainda tentou reagir, com Palácios. Depois de receber a bola na faixa central do campo, ele invadiu a área santista e chutou rasteiro, mas Henao conseguiu fazer a defesa com firmeza.

E aos 8min, a LDU perdeu uma de suas últimas chances no jogo. A jogada ficou embolada na esquerda do campo de defesa do Santos e Palácios conseguiu fazer passe para o meio. Mas Urrutia, autor do primeiro gol, perdeu mesmo chutando sozinho da marca do pênalti.

Daí em diante, o que se viu foi um domínio pleno do jogo por parte da equipe santista. Com jogadas envolventes de Robinho pelos dois lados do campo e a presença de Deivid mais fixo na área, a LDU não conseguiu segurar o placar por muito tempo.

Aos 16min, em jogada pela direita, o meia Fabinho fez cruzamento para a área da LDU. Deivid apareceu desviando a bola e Robinho ainda completou de cabeça, já dentro da pequena área, definindo o placar da partida.

Pouco depois, Robinho ainda foi o responsável por mais dois grandes sustos para os equatorianos. Contudo, o quarto gol acabou não saindo. Aos 22min, o atacante avançou pela esquerda e, depois de driblar o zagueiro Espínola, rolou para trás, encontrando Ricardinho, que chutou na trave.

No minuto seguinte, Robinho partiu com a bola dominada novamente em direção a Espínola. Desta vez, ele “entortou” o defensor e chutou forte, exigindo grande defesa do goleiro Mora.

Com a vitória se aproximando, o Santos diminuiu o ritmo e passou a trocar mais passes no meio de campo, esperando o tempo passar e impedindo que a LDU conseguisse fazer qualquer ameaça ao gol de Henao.


LDU 2 x 1 Santos

Data: 17/03/2005, quinta-feira, 18h45.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 3ª rodada
Local: Estádio Casa Blanca, em Quito, Equador.
Árbitro: Carlos Amarilla (PAR).
Auxiliares: Atilio Invernizi e Manuel Bernal (ambos do PAR)
Cartões amarelos: Mora e Aguinaga (L)
Gols: Graziani (08-1), Salas (13-1) e Ricardinho (27-1).

LDU
Mora; Reasco, Espínola, Espinoza e Ambrossi; Obregón, Mendez (Aguinaga), Urrutia e Palacios (González); Salas (Murillo) e Graziani.
Técnico: Juan Carlos Oblitas

SANTOS
Mauro; Hallison, Ávalos e Leonardo; Flávio, Bóvio (Rossini), Tcheco (Fernando Baiano), Ricardinho e Fernando Diniz (Basílio); Robinho e Deivid.
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos remendado sucumbe no Equador

Opção de Oliveira por 3 zagueiros fracassa e time toma dois gols em 13 minutos

A LDU confirmou a fama de “asa negra” do Santos nesta quarta-feira. Jogando em Quito, a equipe equatoriana aproveitou um excelente início para fazer 2 a 1 sobre os brasileiros.

Esta é a quarta derrota do Santos em sete confrontos com a LDU. O time brasileiro só se saiu vitorioso duas vezes e ainda coleciona um empate. No ano passado, os equatorianos eliminaram a equipe da Vila Belmiro da Copa Sul-Americana com uma vitória por 2 a 1 em Santos.

No ano passado, uma derrota por 4 a 2 para a LDU, em Quito, ocasionou a demissão do técnico Emerson Leão (que havia levado o Santos ao título do Campeonato Brasileiro em 2002).

Agora, uma nova derrota para a LDU aumenta a pressão sobre Oswaldo de Oliveira. O comandante do Santos não vive boa fase e muitas de suas posições têm sido muito criticadas.

Nesta quarta-feira, ele apostou nas entradas do zagueiro Halisson e do meia Fernando Diniz, que atuou como lateral-esquerdo. No entanto, as alterações não funcionaram e a LDU aproveitou.

Longe de casa, o Santos ainda é o pior brasileiro na Copa Libertadores de 2005. Nenhuma das equipes nacionais venceu como visitante, mas apenas o clube do litoral paulista perdeu os dois confrontos fora de seus domínios no torneio sul-americano.

Atuando como visitante, o melhor brasileiro é o São Paulo. O time do Morumbi empatou as duas partidas que disputou longe de casa. O Palmeiras, que jogou somente um jogo fora, também voltou com uma igualdade. Atlético-PR e Santo André têm campanhas semelhantes (uma derrota e um empate), mas um dos confrontos da equipe do ABC fora de seus domínios foi contra o Palmeiras.

Com este resultado, o Danubio segue na liderança do Grupo 2 da Libertadores. A equipe uruguaia somou seis pontos nas três partidas que disputou. A única derrota aconteceu na Vila Belmiro, 3 a 2 para o Santos.

E a LDU, que venceu o Santos, salta para a segunda posição da chave. A equipe equatoriana tem os mesmos seis pontos do Danúbio, mas perde no quesito saldo de gols (-1 contra 4).

As duas equipes voltam a jogar pela Copa Libertadores no dia 6 de abril de 2004. Na abertura do segundo turno do Grupo 2, o Santos recebe a LDU na Vila Belmiro, em Santos.

Antes disso, o Santos encara o América pela 13ª rodada do Campeonato Paulista. O confronto acontecerá no próximo domingo, às 18h, também na Vila Belmiro.

O jogo

Com forte marcação sobre a saída de bola do Santos, a LDU pressionou desde os minutos iniciais. O time equatoriano conseguiu manter a posse de bola e expôs a fragilidade do sistema defensivo brasileiro.

O Santos estava atônito com a pressão da LDU. Extremamente mal postada em campo, a equipe brasileira deu espaço para os donos da casa criarem e trabalharem a bola no setor ofensivo.

Prova disso é que a LDU teve a primeira grande oportunidade logo aos 2min. Palacios carregou a bola e chutou de longe, no meio do gol. Mauro falhou e soltou nos pés de Graziani, que dividiu com o camisa 1 do Santos e quase conseguiu empurrar para as redes.

Aos 8min, a LDU chegou ao primeiro gol. O zagueiro Carlos Espínola aproveitou um escanteio da esquerda e tocou de cabeça. A bola encontrou o centroavante Graziani, colado à trave esquerda de Mauro, e ele apenas completou para inaugurar o marcador.

Se a situação do Santos era desesperadora, ficou ainda pior aos 13min. Reasco levou para a linha de fundo pela direita e cruzou para trás. Méndez dominou e ajeitou para Salas, que chutou de bico. A bola entrou no canto esquerdo de Mauro, que nem se moveu.

Parecia o início de uma tranqüila goleada da LDU. Parecia, porque o Santos acordou em campo. O time brasileiro adiantou a marcação e acertou a saída de bola. Com isso, Ricardinho começou a ser acionado e distribuiu bastante as jogadas no meio.

Assim, em pouco tempo, o Santos assumiu o comando da partida. No entanto, com lançamentos rasteiros no meio da defesa da LDU, a equipe brasileira não conseguiu fazer a bola chegar a seus atacantes.

Quando acertou um lançamento, o Santos diminuiu a vantagem dos donos da casa. Fernando Diniz recebeu na esquerda aos 26min e levantou para a área com muita precisão. Completamente livre de marcação, Ricardinho cabeceou forte e acertou o canto esquerdo do goleiro Mora.

Com domínio territorial e animado pelo gol, o Santos dava sinais de que conseguiria o empate. Porém, a grande chance neste momento foi criada pela LDU. Aos 37min, Salas recebeu na meia direita, girou o corpo e chutou forte. Mauro espalmou no ângulo esquerdo e mandou para a linha de fundo.

Ainda no primeiro tempo, aos 44min, Deivid poderia ter empatado. O camisa 9 recebeu lançamento na direita, passou pelo goleiro Mora e chutou forte. A bola passou perto do travessão da LDU.

Ao contrário do início da partida, o Santos não permitiu a pressão da LDU no segundo tempo. A equipe equatoriana até tentou sair para o jogo, mas os brasileiros encaixaram os contra-ataques.

Robinho criou um grande lance logo aos 3min. O camisa 7 carregou a bola pela meia direita e arriscou de fora da área. A bola passou muito perto da trave esquerda de Mora.

O bom início do Santos, porém, não se confirmou no restante da segunda etapa. O rendimento da equipe brasileira caiu muito, assim como o nível técnico da partida.

Com atuações apagadas de Robinho e Deivid, o Santos viu no atacante Salas, da LDU, a única figura criativa no gramado do estádio Casa Blanca.

E quando Salas deixou o gramado, o técnico José Carlos Oblitas proporcionou a entrada de outro atacante bastante habilidoso. O colombiano Murillo deu seqüência aos lances de efeito e fez com que a LDU permanecesse grande parte do tempo com a bola dominada.

Assim, a LDU deixou o tempo passar e apenas administrou a vantagem construída nos minutos iniciais da partida.


Santos 1 x 2 LDU

Data: 10/11/2004
Competição: Copa Sul-Americana – Quartas de Final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Renda e público: N/D.
Árbitro: Carlos Torres (PAR).
Cartões amarelos: Márcio (S), Urrutia, Murillo (L).
Gols: Aguinaga (07-1); Elano (38-2) e Murillo (43-2).

SANTOS
Mauro; Leonardo, Ávalos, Domingos (Elano); Flávio, Márcio (Léo), Preto Casagrande, Ricardinho, Marcinho; Basílio e William (Deivid).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

LDU
Jacinto Espinoza; Reasco, Giovanny Espinoza, Espínola, Ambrosi; Obregón (Luis González), Urrutia, Luis Gómez, Aguinaga; Murillo (Jácome) e Salas (Escobar).
Técnico: Juan Carlos Oblitas.



Santos perde na Vila e está fora da Sul-Americana

O Santos agora pode dedicar todas suas forças ao Campeonato Brasileiro. O time alvinegro foi eliminado da Copa Sul-Americana, nesta quarta-feira à noite, ao perder por 2 a 1 para a LDU, do Equador, da Vila Belmiro.

A equipe equatoriana já havia vencido o jogo de ida, em Quito, por 3 a 2, e jogava apenas por um empate. Com a vitória desta quarta, além de eliminar o Santos da competição, a LDU também quebrou uma marca do time alvinegro.

Em suas partidas internacionais disputadas a partir de 2003, pela Copa Libertadores da América, o Santos não perdeu nenhuma vez jogando na Vila Belmiro. A própria LDU havia perdido para a equpe santista este ano, pela Libertadores, na Vila.

Foi também um triste retorno do Santos ao seu estádio. Punido no Campeonato Brasileiro, o time alvinegro não atuava em casa havia quase um mês. Neste período, jogou seis vezes, vencendo uma, empatando três e perdendo duas.

Nesta quinta, o Santos mais uma vez atuou com uma equipe reserva. Apenas Preto Casagrande e Ricardinho, que estão suspensos no Brasileiro, entraram em campo. No entanto, na etapa final, o técnico Wanderley Luxemburgo utilizou três titulares.

No entanto, mesmo levando um gol logo no início, de Aguinaga, o time brasileiro viveu melhor momento no jogo nos 45 minutos iniciais, quando pressionou e deu muito trabalho ao goleiro Jacinto Espinoza.

No segundo tempo, o Santos pouco fez. O time brasileiro só criou boas chances após os 30min e conseguiu o empate aos 38min, com Elano. Porém, aos 43min, Murillo marcou o segundo da LDU, garantindo a classificação de sua equipe.

Sem a possibilidade de conquistar a Sul-Americana, resta ao time da Vila o título brasileiro. Vice-líder faltando seis rodadas, o Santos volta a jogar no próximo domingo, contra o Goiás, em Presidente Prudente. Ricardinho e Preto Casagrande, suspensos, estão fora.

Na seqüência da Copa Sul-Americana, a LDU terá pela frente o Bolívar, da Bolívia.

O jogo

O time santista tentou partir para a pressão logo no início do jogo. Mas quem marcou foi a LDU. Aos 7min, houve um cruzamento para a área do Santos. A zaga da equipe brasileira marcou mal e Aguinaga, de cabeça e sem marcação, abriu o placar.

O empate santista quase saiu dois minutos depois. Em lançamento para o ataque, a zaga da LDU falhou. Basílio avançou livre e bateu. Jacinto Espinoza salvou. No rebote, William, tentou, mas a zaga cortou. Marcinho ainda arriscou na sobra. Espinoza salvou outra.

Pressionando bastante, o Santos teve nova oportunidade pouco depois dos 10min, mas parou novamente em Espinoza. William recebeu a bola na área, tirou um zagueiro da jogada e bateu. O goleiro da LDU, bem colocado, salvou com as pernas.

Com o Santos jogando no ataque e buscando o empate, a equipe equatoriana pouco saiu de seu campo de defesa. Tanto que só voltou a finalizar aos 30min. Murillo carregou a bola e bateu. O tiro, porém, saiu com pouca força e Mauro defendeu com tranqüilidade.

Apesar de continuar no ataque, o Santos só voltou a chegar aos 44min. E novamente com muito perigo. A bola foi cruzada para a área e Preto Casagrande, de primeira, bateu forte. A bola explodiu no travessão e saiu.

Precisando de, pelo menos, dois gols para levar a decisão para os pênaltis, o Santos voltou para o segundo tempo com três titulares. Elano, Léo e Deivid entraram nos lugares de Domingos, Márcio e William, respectivamente.

Com pouca movimentação e muito bem marcado, os donos da casa criaram muito menos no segundo tempo. A primeira boa chance santista aconteceu apenas aos 24min. Deivid recebeu na área, mas bateu para fora do gol. Aos 26min, Flávio tentou e Espinoza salvou.

Toda fechada, a LDU evitou um gol incrível aos 35min. O ataque santista tentou três vezes seguidas, mas a zaga equatoriana e o goleiro Espinoza conseguiram salvar, na seqüência, evitando o empate.

Se foi bem nas tentivas do Santos de dentro da área, o goleiro Espinoza falhou em chute de longa distância. Elano, em uma de suas poucas chegadas ao ataque, arriscou de muito longe. O goleiro da LDU pulou atrasado e não conseguiu evitar o gol, aos 38min.

Precisando de mais um gol para levar a decisão para os pênaltis, o Santos acabou surpreendido. Aos 44min, Murillo fez boa jogada pela esquerda e bateu cruzado. Mauro bobeou e não conseguiu fazer a defesa.



Créditos:
Ficha técnica: Fernando Ribeiro